História He came to stay - Capítulo 8


Escrita por:

Visualizações 106
Palavras 1.265
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção Adolescente, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, sejam bem vindos :3

Capítulo 8 - A verdade sobre a Nina


Fanfic / Fanfiction He came to stay - Capítulo 8 - A verdade sobre a Nina


Dias se passaram e eu estava completamente parada na investigação,mas lento do que eu só um caracol mesmo.

Eu voltei a olhar os assassinatos e vi que tem muitos recentementes,o último foi de um rapaz chamado Connor,ele morava próximo a casa da Fumi.

O assassino está cada vez mais perto,tenho medo que ele faça algo com alguém que eu ame.

Estou meio perdida,não sei como continuar o que eu estava fazendo.

Meu tio viajou para Los Angeles com o Luiz,pra verem se tem como tratar o que o Luiz tem.

Estou sozinha em casa...

Está de noite,estou na sala,a televisão está desligada e o ventilador de teto está rodando fazendo um leve ruído.

-Que tédio...

A solução do meu tédio é distração... preciso fazer algo...

Me levanto do sofá e vou pro meu quarto.

Ligo meu computador e vejo que recebi várias mensagens.

São todas do erro.

São links de notícias.

"Leia!"

Curiosa e espantada ao mesmo tempo,abri o link.

Jovem que foi atacado noite passada se encontra em um hospital após graves fraturas.

Rafael Boston,de 19 anos foi atacado por um assassino mistérioso.

-Hum...Boston...?

Boston...eu já vi esse nome em algum lugar...

O rapaz do mercado!

Em seu crachá estava alguma coisa Boston,deve ser ele ou algum parente.

A notícia não tem fotos...

Mensagem de erro: "Interessante,este rapaz conseguiu fugir, vá falar com ele, talvez ele tenha as respostas que você precisa"

Erro está certo...pela primeira vez na vida vou fazer algo ao pé da letra.

Vou ver este rapaz!

-Huh?

Minha impressora está imprimindo algo sozinha.

Tem um endereço em um folha,e no final está com o nome 'Erro'.

Este endereço é do hospital W.E.P(hospital fictício).

É perto daqui...

-Devo ir?...Talvez amanhã.

Mensagem do erro:"Vá AGORA!"

-Ok,ok...

Saí de casa e fui a procura do rapaz do mercado.

Um tempo depois.

Depois de alguns probleminhas de localização,agora estou aqui...dentro do quarto do Rafael,especificamente no hospital.

Ele puxa assunto comigo.

-Olá...você é a moça do mercado né?

Ele parece um pouco tenso.

-Sim sou eu,e você é o Rafael?

-Sim...

Um silêncio depois de sua resposta ecoou pelo perímetro.

-Bem...Eu vou direto ao ponto.

-...

-O que ouve com você?porque te atacaram?

-Você sabe sobre?

-E o que a mídia está falando a cada 5 minutos.

-Merda!

-Algum problema?

-Eu... não queria me expor...

-Porque?

-Tenho medo que ela volte a me atacar...

-"Ela"? está se referindo a quem?

-A garota que tentou me matar...

-Então foi uma garota...

-Tenho medo...que ela volte pra terminar o que começou...

-Não se preocupe...nada vai acontecer com você.

-Como tem tanta certeza?

-Eu não tenho,mas se me contar como tudo aconteceu pode ser que eu tenha certeza apartir deste ponto.

-...

-Você vai confiar em mim?

-Sim...

-Otimo,conte-me.

-Estava andando com o meu trabalho de casa, pelas ruas, era muito desolada, decidi pegar um atalho de volta para mudar a rotina ... grande erro.

-...

-Já a meio caminho comecei a sentir os passos vindos de minhas costas, procurando transformar rapidamente que não era um ladrão, mas não encontrei nada, então eu só levei tudo como um produto da minha imaginação.

continuei andando, mas a sensação de estar sendo observado era mais forte, eu ouvia passos mais próximos, ao sentir algo que se aproximava, virei meu rosto, a reflexão foi indescritível, de repente, em um momento, eu vi uma menina.

-Uma Menina?como era essa menina?


-cabelo preto,cheia de queimaduras, pelo corpo, altura apontam para uns 17, 16 anos, embora seu rosto não parecia humano em tudo, sua pele era branca desumanamente.


-Cheia de queimaduras?elas pareciam recentes?


-Não muito,me parecia ser de alguns meses.


-Entendo...e o rosto como era o rosto?


-Era assustador,era pálido,os olhos intensos e um largo sorriso cortado a faca em cada lado das bochechas.


-Largo sorriso...diga-me,ela disse alguma coisa pra você?


-Sim,ela disse algo como "Vá dormir meu príncipe".


-Entendo...


-Está tudo bem?você parece um pouco pálida.

-Estou bem...

-Então já tem certeza do que disse antes?

Não pode ser! é ela a Nina!

Mas como pode?ela está realmente viva?e agora?o que eu falo pra ele?

-Bem...

Merda...as palavras não saem...

-Eu...

Yuu fala alguma coisa qualquer coisa!

-Não se preocupe eu vou te proteger.

-Muito obrigado.

Eu preciso ir embora agora!

Dei um adeus pro rapaz e me retirei do quarto.

Estava indo pro elevador quando ouço alguém me chamar.

-Ei!espere!

-Huh?

-Olá, lembra de mim?

-Não

-Sou Tenente Karen,nos conhecemos na delegacia.

-Oh sim eu lembro,em que posso ajudar?

-Eu vi você saindo do quarto de uma vítima

-Sim...ele é um conhecido.

-Entendo.

-Está investigando sobre isso?

-Sim,mas estou sozinha.

-Porque?

-Perdi meu distintivo.

-O que ouve?

-Fui pega mechendo em artigos confidenciais e isso custou bem caro.

-Entendo...se eu puder lhe ajudar em algo.

-Pode sim,na verdade eu tenho algo que vai chamar bastante sua atenção.

-Oque?

-Não posso dizer em um lugar tão público,podemos nos encontrar em um lugar mais reservado?

-Claro,mas aonde?

-pode ser na boate do centro?

-Uma boate?porque?

-É mais reservado.

-Melhor não

-Então onde você sugere?

-Pode ser na minha casa.

-Você mora sozinha?

-Moro com meu tio,mas ele está viajando.

-Então tudo bem,pode ser na sua casa.

-Poder ser amanhã às nove?

-Sim,deixa eu só anotar o endereço.

Ela anotou no celular.

-Até amanhã.

Ela entrou no quarto do Rafael.

Tenho que ir pra casa,tenho uma longa viagem até lá...

Horas depois...

Cheguei em casa, está de madrugada,as ruas estão totalmente desertas.

Entrei rapidamente,o medo de esbarrar com alguém era grande.

Fui pro meu quarto.

Nina está viva...?

Talvez eu esteja me precipitando?

Não pode ser ela,rosto deformado?matar sem motivos?porque ela faria isso?

Eu realmente não quero acreditar que é ela que esta fazendo isso...

No dia seguinte...

Não consegui dormir,estava muito frustrada.

Está quase na hora da Tenente vir...

Vejo ela a caminho pela varanda do meu quarto.

Desci as escadas,e abri a porta pra ela.

-Olá tenente

-Bom dia.

-Entre

-Obrigada

-Sinta-se avontade.

Fomos pra sala e nos sentamos no sofá...

-Muito bonita sua casa.

-Obrigado

-Vamos direto ao ponto.

-Sim

Ela tirou um pendrive do bolso.

-Aqui,nesse pendrive tem algo que vai ser muito útil pra você.

-O que é?

-Veja você mesmo,tem algum computador?

-Tenho,lá em cima,venha comigo.

Subimos pro meu quarto.

Liguei meu computador e conectei o pendrive.

Um vídeo abriu.

-Tenente o que é isso?

-Veja.

O vídeo parecia ser de câmeras de vigilância.

A imagem está um pouco escura,mas se você olhar bem dá pra ver algo.

-Olhe

Ela apontou pro canto da tela.

-O que?

Olhei e vi uma silhueta feminina,mas o rosto está fora de visão.

-Onde é isso?

-O local onde o Rafael foi atacado.

-O-O que?!

-Assista.

Durante os três primeiros minutos nada aconteceu.

Em seguida apareceu Rafael com alguns papéis nas mãos.

Bem como ele disse...ele pegou um atalho.

Logo em seguida uma pessoa começou a segui-lo,rapidamente Rafael se vira e a pessoa o ataca.

Ele se debate contra ela, tentando se soltar.

-Só um coisinha.

A tenente deu um zoom na tela

-?!

-Vê?

-E-essa é a N-nina?

-Me diga você, é ela?

Apesar da imagem estava claro,era a Nina com o rosto deformado,seu cabelo estava queimado,e possuía uma mecha roxa,os olhos... é ela!

-É a Nina!

-Eu suspeitava,mas não tinha certeza, não vi muito bem o rosto da jovem.

-Tenente...isso que dizer que...

-É ela que está matando as pessoas...

-M-MAS porque?!

-Talvez para saciar sua raiva?

-...

-Ou talvez ela se tornou uma psicopata?

-Não tem como alguém se tornar psicopata,no máximo sociopata.

-Então ela descobriu isso quando matou seus pais no incêndio.

-Talvez...

-E agora?

-o que?

-O que pretende fazer?

-Eu não sei...você não pode denunciar tenente?

-Como? não tenho como provar que é ela,no máximo dar o rosto dela.

-Estou tão perdida...

-Vai denunciar?

-Eu não sei...algo dentro de mim diz pra eu não fazer isso.

-Mas você tem que fazer!ela tirou a vida de muitas pessoas,se deixá-la solta ela vai continuar matando!

-...Eu não posso Tenente...ela sofreu muito na vida...ela não tem culpa.

-Os problemas familiares dela não podem ser descontados nos inocentes.

-Eu sei mas...

-Se você não denunciar terei que ser obrigada a denunciar você por ser cúmplice.

-Como?! você não pode fazer isso!

-Se você não colaborar,essa é a única solução.

-Eu...não posso...

-Lhe darei três dias,se até lá não tomar uma atitude eu terei que tomar.

Ela disse enquanto saia do meu quarto.

-Pense,e veja o lado que está certo,não deixe essa assassina solta,poupe a vida de inocentes.

Ela foi embora.

-DROGA!

Soquei a parade com tanta força que minha mão esta sangrando.

-Ai!

-DROGA,DROGA,DROGA,DROGAAAAA

Como eu cheguei até aqui?!

Minha intenção não era essa,como eu vou lidar com isso agora?!

Eu denuncio ou não?deixo ela livre ou não?o que eu faço?

Eu estou muito perdida...já não sei o que fazer...


Nina...porque você faz isso?você merece minha compaixão?













Notas Finais


E agora povinho?Yuu deve denunciar ou não?Nina realmente merece ser livre? será que Yuu será presa?muitos mistérios.
Até o próximo cap ^-^
(Desculpem qualquer erro ;-;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...