História He Don't Like The Lights - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Shawn Mendes
Personagens Cameron Dallas, Matthew Espinosa, Nash Grier, Personagens Originais, Shawn Mendes
Tags Amor, Aventura, Babygirl, Daddy, Fanfic, Foto, He Don't Like The Light, Hot, Imagine, Magcon, Romance, Shawn Mendes
Visualizações 180
Palavras 2.683
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi amores!!!
❈ Desculpem se houver algum erro!
❈ Boa leitura!

Capítulo 3 - Te Vejo Amanhã


Fanfic / Fanfiction He Don't Like The Lights - Capítulo 3 - Te Vejo Amanhã

— E aí, acha que todas as fãs já foram embora? — perguntei a Shawn depois de finalmente vestir minha calça de volta. — Já pode ligar a lanterna de novo.

Eu não fazia ideia de quanto tempo estávamos ali dentro. Talvez uma hora e alguns bons minutos. Conversar com Shawn era fascinante. Ele era tão novo, mas já havia vivido tantas coisas, e havia tanto para contar e ensinar. Eu poderia ficar horas ali. A companhia dele era realmente muito agradável, mas essa não era a minha realidade. Eu sou Debby Carpon, órfã de dezoito anos que cuida da irmã mais nova, trabalha como caixa do supermercado do seu bairro e no tempo livro dá uma de paparazzo para o cantor famoso da cidade para descolar uma grana extra por mês. E é isso, nada mais. Quem eu estava querendo enganar? Mas também, que mal tinha de aproveitar da minha sorte enquanto ela existia?

— Eu não sei. — ele coça a nuca, ligando novamente a lanterna de seu celular que eu pedi que desligasse para eu me vestir. Ele se levanta e vai até o buraco na parede, abaixando-se e ficando em silêncio por alguns segundos, como se tentasse escutar os baralhos de fora. — Está com pressa?

— Bem, você não tem nada de melhor pra fazer do que ficar dentro de um prédio abandonado com uma desconhecida? — questiono, brincando com os meus pés. Eu estava blefando. Eu não queria que ele fosse embora. Estar ao lado de um famoso como Shawn era realmente formidável, e as chances de isso acontecer novamente era quase inexistentes, eu tinha certeza que ele amanhã nem ao menos se lembraria de mim.

— Você não é uma desconhecida. — ele leva as mãos ao peito, fingindo estar indignado. — E pra provar isso, eu vou te dar até meu número do celular.

Meu coração acelerou por alguns minutos. Essa situação toda era realmente inacreditável. Imagina só o dinheiro que entregar esse número para o Senhor X não me traria? Peguei meu celular do chão e rapidamente dei-o para Shawn.

— Você costuma mesmo dar seu número para desconhecidas? — brinco, observando-o digitar rapidamente. Ele sorriu amarelo.

— Você é especial. — ele dá uma última olhada no meu telefone, devolvendo-me — E parece que para alguém chamada Alison também. Tem umas dez ligações perdidas.

Eu senti minhas pernas ficarem bambas. Caramba! Eu esqueci-me completamente que eu tinha responsabilidades. Eu sou uma péssima irmã. Ou Shawn Mendes é uma boa distração.

— Ai meu Deus! — Eu começo a pegar minhas coisas que estavam no chão. O moreno observa tudo sem entender nada. — Eu esqueci completamente do mundo.

— E isso é ruim? — Mendes permanecia parado, encostado na parede. Desse jeito, os músculos de seu braço ficavam mais a mostra do que nunca.

— Alison é minha irmã de dez anos, Shawn. — eu digo, devolvendo o suéter que ele havia me emprestado. Ele não o pega, negando com a cabeça. — Vamos, pegue isso logo. Preciso realmente ir embora.

— Não, fique. — ele diz, parecendo chateado. Ok, ele achava que eu era tão necessitada que precisava de doações de roupas? — Assim você tem uma desculpa para me mandar uma mensagem dizendo que ficou com o meu suéter por engano e quer me encontrar pra devolver.

A vontade de sorrir ao escutar a última frase era realmente enorme. Antes de hoje, eu jamais imaginaria Shawn Mendes assim. Eu sempre estive tão próxima, mas ao mesmo tempo tão longe, que nunca tive a oportunidade nem sequer de pesquisar um pouco sobre o que as pessoas falavam dele. Mas eu tenho certeza que nada chegaria perto desse Shawn que estou conhecendo agora.

— Você é inacreditável. — deixo escapar um pensamento reconte como resposta. — Mas de qualquer jeito, obrigada pela companhia. Espero que nunca mais tenha que se esconder das suas fãs.

— Eu espero que eu tenha, aí quem sabe eu não encontro você de novo. — ele piscou, brincalhão, tocando meus ombros rapidamente.

Quando cheguei em casa, as luzes estavam todas apagadas. Um calafrio percorreu todo o meu corpo. Eu sempre dizia a Alison para deixar ao menos uma luz acessa. Era bobagem, eu sei. Mas durante esse ano que passei sozinha, criei certas manias que me deixam mais confortável com toda essa confusão. Entrei correndo em casa, e dei de cara com a minha caçula estirada no sofá, do mesmo jeito que estava quando eu saí. Suspirei aliviada. Assim que ela notou a minha presença, endireitou-se, colocando o cabelo atrás da orelha.

— Onde é que você estava? — ela me dá uma bronca como se fosse ela a irmã mais velha. Deixo um sorriso escapar. Ela é tão parecida comigo. — Eu te liguei tipo umas dez vezes. Eu queria que jantássemos juntas, mas você demorou demais então comi sozinha, pedi uma pizza.

— Você não faz ideia do que aconteceu. — ignoro a pequena bronca, largando minha bolsa no chão. Retiro a minha camisa xadrez e prendo meu cabelo, indo direto para a cozinha. Minha irmã me seguiu, sentando-se em uma das cadeiras da pequena mesa. — Sobrou pizza?

— Na geladeira. — ela dá de ombros, cruzando as pernas. — E aí, o que foi que aconteceu?

Eu abri a geladeira e me deparei com dois enormes pedaços de pizza. Só então percebi que minha barriga roncava e que eu havia passado a tarde inteira sem comer. O Shawn era realmente uma boa distração.

— O que é isso no seu braço? — Alison grita, um pouco desesperada. Olhei para o mesmo, e reparei que o nojento do Joshua realmente havia me machucado. Novamente.

— Olha, não é nada. O que interessa mesmo é que eu conheci o tal Shawn Mendes! — digo, rezando para Ali não insistir na pergunta sobre o meu braço. Eu odiava o fato de que Joshua já havia feito parte da vida dela, e traze-lo á tona novamente não me deixaria nenhum pouco feliz.

— Você já o conhecia. — a mais nova passa a morder as unhas, desinteressada.

— Não, Ali, eu realmente conheci. Tenho até o número dele agora. — vanglorio-me, mordendo um grande pedaço de pizza. Eu estava contando mentalmente para o início de um ataque estérico.

— MENTIRA! — ela grita, vindo até mim, animada. — Me conta tudo!

— Eu vou contar, mas amanhã, quando Tori estiver aqui. Assim eu falo tudo uma vez só. — eu digo, e minha irmã resmunga baixinho, voltando a se sentar na cadeira, encolhida.

Tori era minha melhor amiga haviam três anos. Eu tinha outras amigas, mas a Tori era a única que realmente me entendia. Não importava a hora, eu sabia que podia ligar para ela e falar de qualquer coisa. Ela era muito parecida comigo, e por isso a gente quase nunca brigava. Realmente era como uma segunda irmã, e eu não enxergo a minha vida sem ela.

— Você é tão chata! — Alison choraminga, olhando feio para mim.

Eu gargalho, sabendo que ela morreria de curiosidade até amanhã.

— Eu sou uma chata que tem o número do Shawn Mendes. — eu digo, e uma lâmpada se acende na minha cabeça. Corro até a bolsa da câmera e desamarro o suéter de lá, voltando para a cozinha. — E o suéter dele.

— Você só pode estar brincando comigo! — os olhos da minha caçula brilharam, e ela agarrou o tecido de minhas mãos, levando-o para o seu rosto e cheirando. — Meu Deus, ele é cheiroso assim? Que homem!

— Alison! — repreendo-a, segurando a risada. Ele era realmente um pedaço de mal caminho, e até mesmo uma criança de dez anos sabia disso. — Me dá isso, garota! Preciso devolver em perfeito estado.

— Você vai devolver? — ela morde a bochecha, sorrindo safado. — Vende no mercado livre, daria uma boa grana.

— Cala boca, doida. — eu rio, pensando que ela realmente está certa, mas eu gostei do Shawn. Eu sabia que a necessidade de dinheiro era grande, mas eu poderia continuar fazendo as coisas na moda antiga. — Eu não vou fazer isso com ele. Além do mais, isso me dá uma oportunidade de vê-lo novamente.

— Ok, é você quem sabe. — ela dá de ombros e deixa a cozinha, enquanto eu continuo comendo o pedaço de pizza e pensava na coragem que eu teria que criar para mandar uma mensagem para o moreno.

                                         ✶

No outro dia, depois do almoço, minha amiga Tori chegou. Eu já estava irritada com a Alison enchendo meu saco para saber a história. Então sentamos as três na sala e eu contei tudo, tirando a parte que encontrei o Joshua. Eu inventei que estava fugindo de um gato de rua, e elas pareceram acreditar, já que sabem que eu morro de medo de gatos. Contei sobre como ele era gentil e contava coisas incríveis sobre seus shows e suas fãs. Os olhos de Ali brilhavam, e Tori sorria animada, batendo palminhas de excitação quando eu contava como ele tinha a mania de lamber os lábios ao falar e tocar nos meus braços e pernas.

— E aí eu fui embora, observando-o pelo espelho retrovisor do carro, acenar feito um bobão. — um sorriso brota em meu rosto só de lembrar dessa cena. Shawn era um amor de pessoa.

— Caramba, você é muito sortuda. — Tori diz, em meio a um suspiro. — E contemplativa, porque se fosse comigo, eu voaria no pescoço dele e tentaria roubar um beijo daquela boca carnuda!

— Credo! — eu e Ali dissemos em um monótono, caindo em gargalhada em seguida acompanhada pela minha amiga.

— Mas agora é sério, Dê. — a morena continuou. Eu e Ali paramos de rir, suspirando. — O que você vai fazer?

Eu mordi a bochecha, revirando os olhos de forma pensativa. Desde que cheguei ontem, isso não saiu da minha cabeça. Eu queria mandar uma mensagem, mas não sabia o quão real ele havia sido em nosso encontro de ontem. E se ele estivesse apenas brincando? E se esse nem for realmente seu número de celular? Tudo isso parecia bom demais para ser verdade para mim. Um cara famoso não deve costumar passar seu telefone para qualquer um. Muito menos para uma gata borralheira feito eu.

— Eu acho que vou deixar para lá. — respondi, finalmente, encostando a cabeça nas costas do sofá. Minha irmã soltou um grunhido de reprovação.

— Você está maluca!? — levantou-se do sofá, colocando as mãos na cintura. Minha melhor amiga arregalou os olhos com a atitude da caçula, segurando a risada. — Shawn Mendes morar na mesma cidade que nós, já é uma sorte, mas agora, encontrar com ele, pegar o número e o suéter dele, caramba, Debby, isso dificilmente acontecerá de novo! Não pode desperdiçar essa chance.

— Isso é verdade, amiga. O raio dificilmente caí no mesmo lugar. — Tori concordou, acenando várias vezes com a cabeça.

— Vocês estão achando que o que? — por um instante, senti uma leve raiva percorrer o meu corpo, e deixei que ela se esvaísse pelas minhas palavras. — Eu vou mandar uma mensagem, ele vai responder imediatamente, vamos marcar de sair, e com o tempo vamos nos apaixonar, namorar, casar ter filhos e morrer juntos, felizes e amando incondicionalmente um ao outro?

— Nossa, também não precisa exagerar. — Victoria diz, parecendo chateada comigo. Nesse instante percebo o quão rude eu fui. Ela e minha irmã estavam animadas com a novidade. Foi uma coisa especial e inusitada, qualquer um ficaria uma pilha de delicada. Fui indelicada demais com as duas.

— OK, está bem. Eu vou mandar uma mensagem para ele. — dou-me por vencida, jogando os braços para cima, rendendo-me a tentação proposta pelas meninas.

— Eba! — as duas disseram juntas, comemorando.

— Mas não agora! — concluo, certa da minha decisão.

As duas fizeram beicinho, mas aceitaram a escolha que fiz, ansiosas para saber o que aconteceria.

                                     

O céu havia acabado de escurecer quando Alison tomou banho e foi para o seu quarto, alegando estar cansada demais por ter passado o dia todo dando-me conselhos amorosos. Tori havia ido embora faziam ao menos duas horas, e então, eu estava finalmente sozinha, com um suéter e um possível número de celular do Shawn Mendes.

Depois que tomei banho, corri para a minha cama, entrando debaixo da coberta e agarrando meu celular com força. Cliquei no número. Digitei diversas mensagens, mas não tive coragem de enviar nenhuma. As dúvidas da veracidade daquele telefone circulavam minha mente. O medo de ele nem ao menos se lembrar de mim, assombrava-me de um jeito inexplicável. Mas no final de tudo, eu jamais veria ele novamente, então que mal tinha de tentar?

"oi :) " 

Contentei-me com apenas isso.  Poucos segundos depois, três pontinhos apareceram no final da minha tela, mostrando que alguém estava digitando.

" Ãnh, oi?"  

Recebi como resposta. Meu coração palpitou forte. Talvez ele realmente não se lembre de mim. Ou talvez esse nem seja ele.

"Shawn? É a Debby"

Respondi rapidamente, sem me preocupar de ele achar que estou desesperada por responder tão rápido.

Alguns segundos se passaram e nada apareceu na minha tela. De certo modo, talvez eu já estivesse preparada pra...

" Oi senhorita ladra de suéteres. :P  “

 Fui surpreendida com uma resposta.

" Você lembra de mim! HAHAHA"  

Pensei um pouco antes de enviar essa mensagem. Talvez ele achasse que eu estivesse louca por ele, pensando que tragédia seria se ele não se lembrasse. Não que eu não estivesse.

"Bem, eu quase esqueci, você demorou séculos para dar um sinal de vida. Quase comecei a me arrepender de não ter pedido seu número para que eu mesmo pudesse te mandar mensagem." 

Ele mandou, e eu quase pude imagina-lo fazendo uma careta e seu nariz ficando enrugado.

" Se tivesse o feito, eu não lhe daria, afinal, não costumo dar meu número para desconhecidos."

Brinquei.

"Não diga isso!"

"Você tem algo que me pertence. Quando podemos nos ver para que você me devolva?"

Eu não podia acreditar que ele realmente havia mandando isso. Li e reli a mensagem muitas vezes antes de meus dedos começarem a digitar cheios de excitação.

"Ele ficou melhor em mim do que em você. Talvez eu não queira devolver."

Eu estava fazendo charminho, mas confesso que brincando com fogo. Ele podia aceitar isso e nunca mais me responder.

"Então eu imagino que devemos nos encontrar para que... Bem, eu não tenho uma desculpa. Você estragou tudo :(  "  

Droga, Shawn Mendes era um cara fofo. Quem diria, uh? O cara que eu persigo todos os dias para fotografar e ganhar um dinheiro extra é um cara normal. Paquerador demais, eu diria.

"Eu estou brincando com você. Vamos sair sim. Só me falar o dia. " 

Alguns segundos depois de enviar a mensagem, pensei que talvez ele me achasse oferecida demais. Droga.

"Que tal amanhã de tarde?"  

E agora começavam as complicações. Pelo pouco que sei, Shawn está em um hiatus de shows e turnês para escrever seu novo álbum. E bem, eu estou na labuta de sempre. Trabalho todo dia.

"Eu não sou um astro do pop. Trabalho segunda feria, assim como as pessoas normais. Desculpe."  

Digo, torcendo para que ele entendesse a minha ironia e não me achasse uma chata mau humorada.

"Então eu te busco no seu trabalho e vamos comer algo. Sem problemas."  

Nossa, ele realmente queria me ver. O que deu nesse garoto? Ou será que ele é assim com todas?

"Suas fãs não serão um problema?"  

Pensei em como foi um desastre quando ele tentou ir a uma sorveteria. Eu não estava nenhum pouco afim de passar a noite me escondendo dentro de um prédio abandonado.

"Eu uso um boné. Costumo sair sempre de noite pela cidade, poucas vezes sou reconhecido."

Ele respondeu depois de um tempo. Parecia que ele ficou pensando um pouco antes de responder.

"Ok. Meu expediente acaba 18:30. Trabalho no Empório HouseGreen." 

Por um curto instante, pensei em como daria um jeito para que Alison ficasse sozinha durante a noite, pelo menos até eu chegar. Mas então, resolvi relaxar. Se fosse ficar empacando em cada problema, não sairia nunca de casa.

"Te vejo amanhã, Debs."  

Ele respondeu.

"Até, Mendes."  

Digitei por fim, bloqueando o celular e deixando-o sobre o bidé. Eu não podia acreditar que isso era realmente a minha vida e que isso estava acontecendo comigo. A vontade de gritar era enorme, mas eu apenas fechei os olhos com força, tentando capturar cada segundo de felicidade. E depois, adormeci, submersa em pensamento alegres.


Notas Finais


Eu to realmente muito apaixonada pelo Shawn. O que vocês fariam se fossem a Debby?
❈ Não esqueçam de deixar um comentário e indicar a fanfic, caso tenham gostado!
❈ TRAILER: https://www.youtube.com/watch?v=ZOt4Al0tEi4&feature=youtu.be
❈ Meu twitter: @confjident


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...