1. Spirit Fanfics >
  2. He is monster, he is chaos. - Interativa. >
  3. Dor infernal.

História He is monster, he is chaos. - Interativa. - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Olá seres. Eu sei que o capítulo deveria ser postado pelo dia 31/03/2020, mas eu não queria ficar só pela base de divulgação da história.

Capítulo 6 - Dor infernal.


Fanfic / Fanfiction He is monster, he is chaos. - Interativa. - Capítulo 6 - Dor infernal.

Romy caminhava lado a lado com Norman em direção a residência dos Almeida. Estavam num silêncio e até então comtinuariam quietos sem dar uma mínima palavra.

- Desculpa. - Norman murmurou fazendo a garota ao seu lado o olhar incrédula e triste.

- Acha que o que fez tem perdão? Me enganou para um plano idiota... - Respondeu continuando a andar, mas logo tendo a mão segurada por Norman.

- Eu não fiz por querer! Quando o nosso senhor pede algo devemos fazer sem reclamar. - Explicou e a de cabelo rosado suspirou.

- Mesmo se eu te perdoasse eu não confiaria em você novamente. - Contou desviando o olhar para o lago que ficava por ali.

- Nunca vamos saber, mas não frente dos seus queridos amigos, eu sou o seu melhor amigo e você vai agir normalmente. - Deu uma pausa na fala e a puxou para si a abraçando de lado. - E qualquer coisa de errado lhe resultará em consequências. - Sussurrou no ouvido da mesma a causando calafrios.

O resto da caminhada continuou no silêncio de segundos antes e os dois não demoraram a chegar na residência dos Almeida. Tocaram a campainha logo sendo atendidos por Luciano.

- Romy? O que faz aqui? Quem é ele? - Perguntou o amigo surpreso em vê-la ali. Romy apenas suspirou profundamente antes de começar a falar.

- Uh...É assim que você recebe a sua querida amiga, Luci? Se estou incomodando posso ir embora... - Ameaçou ir embora puxando a Norman com si.

- Não! Podem entrar. - Sorriu abrindo a porta para ambos os dois entrarem na residência encontrando uma garota estranha sentada junto a Liliana. - Bom, Romy, essa é a Rafaela Levy Jackson.

- Mas pode me chamar de Rafa. - A morena finalizou dando um sorriso sem mostrar os dentes.

- E quem é o seu amigo? - O loiro perguntou se referindo a Norman que se mantinha ao lado de Romy, a mesma fingindo que nada de estranho havia acontecido durante os últimos dias.

 - Norman, prazer. - Estendeu a mão a qual fora apertada pelo garoto a sua frente.

- Sou Luciano. - Sorriu tendo o sorriso retribuido por Norman. - Uh, podem se sentar. - Pediu voltando ao sofá sentando-se ao lado da irmã, enquanto no sofá a frente havia Rafaela, Norman e Romy.

- Mas e então, sobre o que você estava falando mesmo, Rafa? - Liliana questionou voltando a atenção para a morena que sorriu. 

- O meu tio trabalha como jornalista, enquanto ele checava algumas câmeras para poder fazer uma matéria no jornal, numa delas ele e eu pudemos ver você e sua irmã correndo de um monstro e como sou curiosa eu resolvi lhes perguntar melhor sobre o assunto, aproveitando para ajudar meu tio com a matéria. - Explicou e na parte do monstro Norman sentiu vontade de rir, afinal, ele era o monstro daquela noite.

- Ah, claro, pergunte nos o que quiser. - Liliana a respondeu esperando pelas perguntas.

Rafaela pegou um caderno de anotações juntamente de um lápis de dentro da pequena mochila que havia em seu colo.

- Como começou a perseguição? Eu vi pelas câmeras mas eu gostaria de saber por vocês. - Perguntou aos dois irmãos que se sentiam estranhos ao estarem sendo interrogados, mas para uma pessoa aquilo era divertido. Esta pessoa era Norman.

- Começamos a sentir puxões em nossos cabelos. Eu achava que o Luci estava puxando meus fios de cabelo e ele achava que eu fazia cócegas nele. Ele andou um pouco mais para frente e quando virou-se para mim estava assustado. - Liliana dera uma pausa para respirar antes de voltar a continuar a experiência da noite de poucos dias atrás. - Me mandou correr e enquanto corríamos o monstro se demonstrou rápido e ágil, ele também parecia estar bruto quando tentou quebrar ao nosso portão. - Terminou de contar enquanto Rafaela terminará de anotar tudo sem deixar escapar os mínimos detalhes.

- Bom, aproveitando que vocês dois estão aqui...Algum de vocês passou por tal experiência? - Perguntará encarando Romy e Norman.

Um silêncio rondou pela sala e Romy batia os pés no chão nervosa recebendo um olhar desafiador de Norman.

- Eu tô... - A de cabelo rosado começou e antes de terminar sentirá uma dor eletrizante no coração. 

- Romy, você tá bem?! - Luciano se levantou do sofá de imediato e andou até a garota se ajoelhando em frente dela. - O que aconteceu?

- N-nada é que...De repente me veio uma dor forte no c-coração. - Murmurou fraca com a mão no peito ainda sentindo a dor.

- Eu vou pegar um copo de água para você. - O loiro disse re retirando do cômodo.

Enquanto Rafaela observava a situação, não pode deixar de notar que o leve riso de formou nos lábios de Norman e estranhou aquilo, apesar de ter preferido ficar quieta pois praticamente não conhecia ninguém por ali.

Em poucos minutos Luciano voltará com um copo de água em mãos e um pílula também.

- Toma a água junto com esse remédio, vai amenizar a dor, mesmo que pouca. - Explicou entregando a ela o copo com o remédio. Romy não demorou a tomar o copo de água junto com o remédio, apesar de não passado a dor pelo fato dela vim de um ser sobrenatural, fingiu que ela havia passado.

- Romy, vamos? Temos um compromisso agora, lembra? - Norman mentiu levantando-se do sofá sendo acompanhado pela orbes castanhas e desconfiadas de Rafaela.

- Cara? Não quero ser grosseiro mas ela não tá bem. - Luciano argumentou mantendo o olhar fixo na amiga que também levantará-se do sofá.

- Relaxa Luci, eu sou forte, eu estou um pouco melhor. - Avisou dando um sorriso. - Qualquer coisa te mando uma mensagem. - Saiu andando até a porta atrás de Norman e sendo seguida por Luciano que abrirá a porta para os dois.

- Me avisa mesmo? - Perguntou segurando nas mãos da amiga de forma gentil.

- Uhum, até depois. - Se despediu largando a mão do amigo lentamente enquanto andava junto de Norman.

Quando os dois já estavam um pouco mais afastados da casa o garoto a puxará para si abraçando-a de lado.

- Você já entende que consequências são essas que te afetam? - Perguntou com um tom de deboche na voz e um pequeno sorriso entre os lábios.

- Sim... - Romy responderá baixo enquanto olhava oara mais o chão ao longo que andava.

- Te garanto que nas próximas vezes que tentar contar algo que nós atrapalhe, a dor será mais forte que essa. - Afirmou rindo e passando a mão carinhosamente pelos fios de cabelo rosado dela. 


Notas Finais


Hey, @lomypeach. Espero que não se incomode em eu ter colocado o tio da personagem como jornalista. Caso houver algo de errado em relação a personalidade dela é só me avisar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...