História He will never go away - Stranger Things 4. - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Chefe Jim Hopper, Dustin Henderson, Eleven (Onze), Jonathan Byers, Joyce Byers, Kali "Eight" (Oito), Karen Wheeler, Lucas Sinclair, Maxine "Max" Mayfield / "Madmax", Mike Wheeler, Nancy Wheeler, Personagens Originais, Steve Harrington, Will Byers
Tags Ação, Aventura, Mundo Invertido, Suspense
Visualizações 35
Palavras 1.809
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi oi
Vim fazer a fanfic de St 4 ( meio obvio pelo título mais ok )
A fanfic será das teorias de fãs e das minhas teorias
Se quiserem dizer a teorias de vcs podem deixar nos comentários
Talvez eu tenha algumas dificuldades para escrever pois eu estudo de manhã e só chego a tarde da escola
Eu realmente espero que gostem, pois vem tudo da minha criação e das minhas teorias
Boa leitura! :3

Capítulo 1 - Capítulo 1 - Is just the beginning


Fanfic / Fanfiction He will never go away - Stranger Things 4. - Capítulo 1 - Capítulo 1 - Is just the beginning

“-AH! ELE ESTÁ AQUI! AH! VAI EMBORA! RÁPIDO! AAHHH!”

Illinois| Chicago 

Eleven acorda assustado, *que sonho foi esse?*, pensa Eleven assustado, tentava se lembrar do que havia sonhado mais apenas se lembrava que tudo estava preto e alguém gritava, e pedia por socorro. A garota com aquele sonho não conseguiu pegar mais no sono então levantou e foi pegar um copo da água, era estranho estar numa cidade nova e numa casa nova, Eleven teve dificuldades para viver sem seus super poderes e ainda não se acostumava a ir para escola, a mesma era sempre um objeto de pesquisas, e nunca foi a escola antes, era complicado se acostumar com essa sua nova casa e com sua nova vida. A garota tenta alcançar o copo na prateleira, mais ele estava muito alto e a garota era muito pequena para alcança - lo 

- Porque as coisas sempre ficam no lugar mais alto?! - resmungou a garota, então passou em sua mente testar seus poderes novamente, estendeu a mão como sempre fazia e se concentrou em fazer o copo ir mais para frente ou até mesmo ir em sua direção - vamos lá! Vamos lá! - sua tentativa foi em vão, o copo nem sequer se mexia, Eleven teria que achar outro jeito de pegar o copo, a mesma olhou ao redor da cozinha percebeu que ela era muito maior que a de sua antiga casa. 

- El? - Eleven olhou para a porta da cozinha e viu Joyce, determinada agora como sua mãe, parada na porta da cozinha com um olho fechado e o outro meio aberto - esta sem sono querida? 

- Mais ou menos - a mulher entra na cozinha e pega um copo da prateleira - brigada - ele ligou a torneira e bebeu seu líquido - Joyce? 

- Sim querida? - Joyce olha para Eleven e a mesma percebe que a mais velha havia acordado um pouco mais. 

- Eu - a mais nova evitou contar, mais viu nos olhos de Joyce que podia contar com ela - eu tive um pesadelo - olhou para baixo enquanto bebia a água 

- E que tipo de pesadelo querida? - Joyce se aproximou de El e a mesma olha para Joyce novamente - não quer se sentar e me contar isso direito? 

- C-claro - ambas foram até a mesa, Joyce puxou uma cadeira para ficar mais perto de El - foi um sonho totalmente estranho, eu não conseguia ver nada, absolutamente nada, eu só ouvia choros, choros de uma... 

- Criança? - El a observou 

- Não, era um choro de uma adolescente, ela pedia socorro, ela gritava algo - El procurou em sua mente a fala que a garota havia dito - ela dizia que havia alguém 

- Alguém? Quem? - El procurou em sua mente as palavras que a garota desconhecida havia falado 

- Ela dizia numa voz desesperada, ela gritava e dizia “ele está aqui!” - Joyce começou a parecer preocupada, desde que haviam se mudado Joyce pensava que as coisas mudariam para melhor - ela gritava e dizia “vai embora! Rápido!” - El olhou para Joyce que mostrava uma preocupação em seu rosto, igual a quando seu filho Will dizia sobre sua visão que teve no campo - você acha que isso significa alguma coisa você acha que - a garota evitou falar sobre ele, mais disse mesmo assim - que ele voltou? - Joyce tocou na mão de El e disse 

- Fechamos o portal querida, ele não vai voltar ok? - El ficou preocupada

- Mas e se ele voltar? - El botou a mão na cabeça apoiando os braços na mesa - se ele voltar, como iremos impedi - lo? - Joyce ficou preocupada mais disfarçou e disse 

- Não, ele não irá voltar minha querida - El olhou para ela e viu em seus olhos um conforto - ok? Ele não vai voltar - Joyce sorriu, e El viu que sentia falta de Hopper mais do que pensava, ela queria estar comendo alguns waffles com ele, El todos os dias se arrependia de não ter ficado mais com Hopper, e todas as noites deixava a porta 3 centímetros aberta ( Autora: era 3 centímetros que ele pedia para deixar né?   ), *ah Hop, queria que você estivesse aqui!*

- Mãe? El? - ambas viraram para trás e viram Jonathan parado na porta de seu quarto - o que estão fazendo aqui? São 3 horas manhã - Jonathan olhou para o relógio e ambas as duas também, nenhuma das duas havia reparado no horário - ei - as duas olharam para ele - aconteceu algo? - El olhou para Joyce, mesmo Jonathan sendo seu irmão agora El não queria que ele soubesse de seu pesadelo 

- Nada demais querido, El só perdeu o sono 

- Ok, bem eu tenho que voltar a dormir, vou trabalhar cedo amanhã - Jonathan volta para o quarto mais antes de fechar a porta volta e diz - se estiver com algum problema por favor falem comigo ou com o Will ok? - ambas assentiram e quando Jonathan fechou a porta El voltou a olhar para Joyce 

- Obrigado...mãe - Joyce sorriu e El devolveu o sorriso - acho que preciso ir dormir, amanhã eu tenho aula sabe? - Joyce assentiu e ambas se levantaram 

- Quer que eu faça um chá para você querida? - El negou mesmo pensando que seria melhor tomar um chá para acalmar os nervos - tente dormir ok? Qualquer coisa me chame ok? 

- Ok, brigada...mãe - El não sabia o motivo mais sempre quando dizia a palavra mãe, vía sua mãe sentada na cadeira de balança dizendo as mesmas coisas “Respire” “Girassol” “Arco íris” “3 para a direita e 4 para a esquerda” “450” ( Autora: acho que é assim a ordem ). El deitou em sua cama e por um longo tempo tentou pegar no sono mais em vão, pensava sobre seu pesadelo talvez em alguma hora na noite conseguiu cochilar mais depois de um tempo voltou a acordar 


Hawkings | casa dos Wheller

Mike estava deitado em sua cama, como sempre pensando em El, de tempos em tempos Mike teve uma grande dificuldade de contatar com sua namorada, com provas e trabalhos para fazer o mesmo ficava sem muito tempo para ligar com a namorada, parecia que foi ontem que El estava bem ao seu lado, parecia que foi ontem que Mike ficou ao lado da El lutando contra o Devorador de Mentes, ah o Devorador de Mentes, aquele que quase tirou a vida de sua namorada, aquele que matou o irmão de Max, aquele que quer sempre entrar em seu mundo 

- MIKE! TELEFONE! - Mike levanta da cama sem entender o que acontecia, afinal hoje ainda era Terça feira - MIKE? 

- OK MÃE! - Mike foi até o seu porão e atendeu o telefone - alô? 

- Mike! - quando El começou a falar Mike percebeu como sentia saudade de sua namorada - ei Mike ta ai? 

- Ah, sim, claro sempre aqui - Mike sorriu - sempre aqui para você - ele acaba ouvindo uma risada parecia que sua namorada estava se divertindo 

- Como estão as coisas por aí? - Mike perdeu seu sorriso, falar sobre as coisas que acontecia era doloroso, o grupo estava todo desnorteado e desarrumado, era como se faltasse uma peça, uma pequena peça no quebra cabeça - Mike? 

- Bem ta difícil El, Max sente sua falta e ela sempre te liga pelo cérebro mais você nunca atendeu - ouviu - se um suspiro 

- Meu comunicador quebrou - com aquela notícia Mike quis desligar o telefone e chorar, o comunicador ter quebrado? Como isso aconteceu? 

- E você não pode comprar outro? - El negou 

- Estamos guardando dinheiro, Joyce não quer gastar muito sabe? Ainda mais se eu for passar o Natal ai - Mike voltou a sorrir, era como se ela fosse uma luz que sempre brilha para ele e que nunca iria apagar - Mike? Ainda ta ai? 

- Ah sim! Você vai passar o Natal aqui??? - El sorriu pelo outro lado da linha e isso pareceu um sim 

- EL! VAMOS NÓS VAMOS NOS ATRASAR PARA A ESCOLA! - Mike reconheceu aquela voz, era de Will, quanto tempo não falava com o seu amigo? 

- Desculpe Mike preciso ir, te ligo quando chegar em casa! Te amo tchau! - Mike não conseguiu se despedir direito de El, pois a mesma desligou o telefone com pressa 

- Também te amo Eleven - ele botou o telefone de volta para seu lugar e subiu e acabou dando de cara com sua mãe 

- Quem era querido? - Mike estava triste, queria mais que tudo ver sua namorada - ah querido! Sente falta dela? 

- Muita - Mike abraçou sua mãe e quis ficar ali para sempre, será que El também se sentia assim quando abraçava Hopper? Ah! Hopper um maluco e o policial favorito de todos, Mike pensou e pensou e chegou a conclusão que podia perder seus pais a qualquer estante, ele devia valorizar seus pais, e era isso que o mesmo fazia, estava sempre valorizando todos os dias 

- Vem querido, você precisa descansar - sua mãe acompanhou Mike até o quarto, o mesmo não havia contado a El que ele havia pegado uma gripe forte e não havia ido para a escola por 3 dias, ainda bem que El havia ligado para ele, pois o mesmo já se sentia muito melhor 


Illinois | Chicago 


Eleven não achava seu tênis em lugar algum, sabia que iria acabar chegando atrasada 

- ACHEI! - ouvi Jonathan gritar 

- CADE??? - corri até a sala e ele segurava o outro pé de tênis perdido - brigada Jonathan - botei meu tênis na pressa - estou indo Joyce 

- Ah! O que - disse a mais velha distraída enquanto olhava para a TV, passava a seguinte notícia 

“Situação crítica!!! Super mercado está com falta de alimentos!

- Nós não sabemos exatamente o que houve mas parece que esta havendo contaminações nas fazendas, não sabemos que tipo de contaminação, ela é um tipo diferente - um homem de meia idade começa a falar e depois as imagens mudam para uma fazenda e a repórter começa a falar 

- Fazenda esta isolada por causa desta contaminação, ainda não sabemos o que está havendo, mais já estamos tentando resolver o problema - algumas imagens da fazenda começa a passar na TV e vejo algumas coisas familiares 

- Isso parece - olhei para o Will 

- O que? - perguntei

- Os cipós! Os cipós que o Hopper falava! - todos em casa nos olhamos “será que?” 

- Ele voltou - Will disse algo que ninguém queria confessar, o Devorador de Mentes havia voltado e agora não estava mais em Hawkings. 


Notas Finais


Isso ai!
Espero que tenham gostado
Desculpem qualquer erro ortográfico, fiz o meu melhor
Por favor comentem a suas teorias
Lembrando que eu não sei se vou atualizar a fic com frequência ok?
Apesar de que vou ficar 4 dias em casa por causa dos feriados posso acaba não atualizando a fic tão cedo, por causa da senhora preguiça hehe
Realmente espero que tenham gostado até a próxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...