1. Spirit Fanfics >
  2. Heart >
  3. Mystery Party - part 1

História Heart - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Yo minna-san!^^
E cá estou eu trazendo mais um novo capítulo da fanfic.
Como o enredo original desse capítulo fez com que ele, após eu terminar de escrever, ficasse com um grande número de palavras - ultrapassando as 6.000 palavras, se não me engano -, decidi dividi-lo em duas partes. Provavelmente postarei a segunda parte amanhã, domingo.
Espero que gostem do capítulo e sem mais delongas... Tenham uma boa leitura! h.h

Capítulo 5 - Mystery Party - part 1


 

 

Capítulo Quatro 

 

  Um mês se passa desde que Selene voltou para sua casa e desde então não viu mais Ciel, Sebastian, Snake, Bardroy, Mey-Rin ou Finnian. Tanto ela quanto Ciel estavam ocupados demais com suas próprias ocupações e afazeres. A única pessoa que a morena vê com mais frequência, apesar de ainda assim pouco, é Elizabeth, que faz questão de lhe fazer visitas quando não vê a mais velha pela cidade ou quando precisa dos conselhos e apoio emocional da duquesa.

  Em uma manhã de tempo nublado, a casa MacGregor recebe a visita de um dos empregados do Visconde Druitt, que lhe entrega uma carta de convite para o baile que o visconde dará dentro de dois dias para expor um item raro que ele acaba de adquirir.

  Após o empregado deixar a residência MacGregor, Selene joga-se sem cuidado em um dos sofás confortáveis brancos com detalhes bordados em preto presentes na sala de visitas, suspirando cansada enquanto é acompanhada por Steven, que senta-se ao seu lado de maneira despojada enquanto ri da atitude da mais nova.

  – Você sabe que não quero ir a esse baile, não sabe? Já ouvi muitas coisas sobre esse visconde infeliz e tenho certeza que nada de bom poderá resultar dessa festa.

  – Sabe que eu não a obrigaria a ir a esse baile se dependesse apenas de mim. Acontece que essa festa é importante para manter uma boa relação social com outras famílias influentes da Inglaterra e isso pode vir a calhar para os negócios e o aumento ainda maior da reputação de sua família.

  – Sim, eu sei... Mas não deixarei de ter aversão em ter que lidar com pessoas mesquinhas que importam-se apenas com o que lhes convém. – Dá de ombros, fazendo o albino rir.

  – Você fica mais parecida com seu pai a cada dia que se passa.

  – Uhm?

  – Ele também não gostava de lidar com os nobres. Odiava a maneira que tratavam quem era inferior, por assim dizer, e ainda continuavam a tentar serem considerados pessoas de boa índole.

  – É reconfortante saber que sou parecida com meu pai, sabe? As vezes sinto falta dele e de mamãe, mesmo que eu tenha vivido com eles só até meus cinco anos de idade. Tenho certeza que eles foram boas pessoas mesmo nascendo com todas as regalias que se pode ter nos dias de hoje. – Seu olhar se torna distante por alguns segundos, mas volta ao seu normal, virando-se para o mais alto – Espero me tornar tão boa e justa quanto eles foram.

  – Você já é, pode ter certeza disso. – Ambos sorriem.

 

.     .     .     .     .

 

  O dia do baile finalmente havia chegado. A carruagem para em frente à entrada do da residência Chamber, Steven é o primeiro a descer da carruagem para em seguida estender a mão para Selene, a ajudando a descer e recebendo um obrigado sorridente da parte dela. Ambos passam pelas portas da entrada e são recebidos por um dos mordomos de uma idade já avançada, mas que ainda tem sua postura impecável e altiva. Ele pede o convite e Selene o mostra, após confirmar que é realmente um dos convites ele o entrega de volta para a jovem e pergunta seu nome, anunciando para os convidados já presentes no imenso salão, finalmente permitindo que ela e Steven desçam as escadas e aproveitem o baile.

  Os dois quase não têm tempo de chegarem ao meio do salão, quando são surpreendidos por Elizabeth que dá um pulo, abraçando a morena pelo pescoço enquanto mantém um sorriso alegre no rosto. Seu ato faz a mais velha rir achando engraçado e retribuindo o abraço de jeito um tanto desengonçado pela situação em que estão. Ao retomarem suas posições o trio escuta chamarem pela loira, olhando para a direção que o chamado veio, vendo um rapaz muito parecido com a garotinha: loiro de olhos verdes vivos, pelve levemente rosada e de estatura relativamente alta. Ele se aproxima com urgência de onde a menor está, sua cara demonstrando a preocupação com o que poderia acontecer com a loira.

  – Não corra assim. Estamos em uma festa, não é educado e também pode ser perigoso. E se você se perde?! – Exclama irritado, mas sem aumentar sua voz.

  – Eu não fiz por mau. Não consegui segurar minha felicidade quando vi que a Selene-chan veio também! – Dá dois pulinhos, agitada.

  – Selene? – Fala baixo tentando compreender em sua mente de quem a irmã estaria falando.

  – Ela. – A menor aponta para Selene que está parada em silêncio, com Steven ao seu lado, enquanto observa os dois em sua conversa – Selene, esse é o meu irmão Edward Midford. Onii-chan, essa é a minha nova irmãzona, Selene MacGregor.

  Os apresenta, sorrindo novamente ao perceber que seu amado Ciel está vindo na direção em que estão. Edward olha para a morena parada em sua frente, analisando-a e pensando automaticamente no quanto ela é bonita, corando em seguida com esse pensamento e fazendo uma careta cômica de nervosismo.

  – Prazer em conhecê-lo, Lord Midford.

  Dá um pequeno sorriso educado, balançando brevemente a cabeça em sinal positivo em um cumprimento polido. As bochechas dele se tornam ainda mais avermelhadas e ele faz uma reverência exagerada, demonstrando todo seu nervosismo e fazendo a garota segurar uma risada. Logo Ciel e Sebastian finalmente se aproximam de onde o grupo se encontra, juntando-se à eles.

  – O prazer em conhecê-la é todo meu, Duquesa. – O loiro agradece mentalmente por ter conseguido falar sem gaguejar – Quero me desculpar por qualquer problema ou inconveniente que minha irmã tenha causado. – Volta a endireitar sua postura, olhando seriamente para a mais baixa.

  – Imagina, não tem porque se desculpar. Lizzy é uma menina adorável. – Sorri para a menor, fazendo um carinho suave no topo de sua cabeça, recebendo um sorriso fofo da loira que aprovou o carinho recebido – Olá, Ciel... Sebastian. – Cumprimenta os dois da mesma forma que fez com Edward.

  – Olá, Selene. – Sorri educadamente imitando o cumprimento da mais velha.

  – Olá, Lady. – O mordomo faz uma reverência, sua feição impassível como sempre.

  – Venha Ciel. Vamos dançar! – Elizabeth afirma animada, puxando o menino para o centro do salão a contragosto, restando apenas Selene, Steven, Edward e Sebastian.

  – Desculpe perguntar de maneira repentina, mas eu escutei Lizzy chamar você de sua nova irmãzona... Eu entendi errado? – Pergunta de jeito tímido e confuso.

  – Não, ela disse isso sim. – Ri fraco – Eu e ela nos conhecemos enquanto estávamos em uma das ruas do centro. Ela me parou para me elogiar, conversamos um pouco antes de seguirmos nossos respectivos caminhos. Poucos dias depois, andávamos no parque e conversávamos... Acredito que ela tenha se sentido confortável com a minha presença e decidiu que seríamos irmãs de consideração.

  – E você aceitou? Não achou incomum? – Edward, que até então estava confuso, agora encara a morena curiosamente.

  – Que não é comum algo assim acontecer de maneira abrupta, realmente não é, mas ela tão fofa e engraçada... Não tinha como eu negar esse pedido dela. Eu mesma já a considerava como uma irmãzinha um pouco. – Dá de ombros.

  – Compreendo... – Sua cara é pensativa durante alguns instantes – Isso então nos torna irmãos por consequência. – Sorri amplamente – Bem-vinda a família! – Brinca, arrancando risos tanto dela quanto dele próprio.

  – Bem-vindo a família. – Repete a fala, fazendo-os rir novamente.

  – Você é uma pessoa legal, Duquesa MacGregor.

  – Obrigada. Digo o mesmo de você, Lorde Midford.

  – Por favor, me chame apenas de Edward. – Afirma animado.

  – Certo. Me chame apenas de Selene então. – Ele concorda em um aceno de cabeça, ainda deveras animado.

  O loiro faz menção de dizer algo, mas é interrompido pelo pai de um de seus colegas acadêmicos, tendo que se afastar do grupo para dar atenção ao senhor que lhe chamou. Ciel e Elizabeth voltam quase que no mesmo instante, a loira em seu estado normal enquanto Ciel está ofegante e com as bochechas levemente tingidas de rosa, demonstrando seu cansaço.

  – Já se cansou? – Sua voz divertida faz o menor resmungar com cara de poucos amigos para a morena.

  – Nunca gostei de danças.

  – Não entendo porque. Eu amo dançar com você, Ciel! – A menina infla suas bochechas e cruza os braços na frente do corpo – Vamos! Eu adoro essa música. – Puxa novamente o menino para o centro do salão.

  – Quanta energia... – A morena comenta ainda com sua voz divertida, arrancando um sorriso mínimo do demônio e uma risada de seu amigo.

  Aproveitando o pequeno momento de calmaria, Selene começa a observar melhor o salão em que estão: as paredes variam entre corres claras como a cor creme e cores mais escuras como doo champagne até tons de marrom, tendo adornos florais em ouro. O salão é em formato oval, transmitindo a impressão de ser ainda maior do que seu tamanho originalmente grande. Em um canto mais afastado e localizado perto das grandes janelas estão as mesas de toalhas brancas longas com detalhes bordados também em ouro, com os pratos e bebidas servidas para os convidados e, para finalizar, em cima de um grande apoio de madeira clara com detalhes entalhados minuciosamente está uma grande caixa de vidro que “protege” o item que o visconde Druitt acaba de adquirir e o motivo da festa estar acontecendo. O item se assemelha a um quase vaso feito de argila e há desenhos bonitos feitos em torno de sua ponta de cor negra. O que o visconde iria querer com um item árabe? Enquanto está presa em pensamentos, Ciel e Elizabeth voltam até onde o grupo está para descansarem um pouco.

  – Está gostando da festa? – A loirinha pergunta para Selene ansiosamente.

  – Está sendo divertida. – Elizabeth dá pulinhos de alegria.

  – Que bom!

  – Sabia que iríamos encontrar você, Ciel!

  Uma voz masculina diferente é escutada, fazendo todos olharem na direção, vendo um rapaz de estatura mediana, pele morena, de longo cabelo cor de ameixa e olhos dourados usando roupas indianas típicas, direcionando um grande sorriso para o pequeno conde. Ao seu lado está um rapaz mais alto que ele, de pele morena, seu cabelo branco é curto na frente e longo atrás, seus olhos de cor de um tom de azul ardósia, utilizando roupas igualmente típicas da Índia, sorrindo assim como o rapaz à sua frente.

  – Príncipe Soma, Agni. – Ciel os cumprimenta amistosamente, recebendo o mesmo cumprimento dos dois.

  – É bom revê-lo, conde! – Agni comenta.

  Soma olha para as duas figuras desconhecidas, Selene e Steven, os encarando com curiosidade.

  – E quem são eles? – Aponta para os dois ainda mantendo sua cara de curiosidade.

  – Ela é a duquesa Selene MacGregor e ele seu mordomo, Steven Lewis. – O jovem conde os apresenta – Selene, estes são Príncipe Soma de Bangali e Agni, que podemos considerar como seu amigo e guarda-costas.

  – É um prazer conhecê-los. – Faz uma breve reverência, dando um pequeno sorriso educado.

  – ‘Wooh! Que bonita! – Soma comenta surpreso sem deixar de olhar fixamente para a jovem, recebendo um cascudo de Agni no topo de sua cabeça e reclamando de dor logo em seguida – E-Ei! – Olho choroso para o albino.

  – Pare de olhar tanto pra ela. Vai assustá-la! – Responde simplista com sua feição severa.

  Ciel, que já os conhecia anteriormente, arregala os olhos em surpresa ao ver Agni agir mais abertamente com o príncipe, apesar de já ter visto raras cenas parecidas com essa entre eles. Sebastian e Steven continuam com suas mesmas posturas, enquanto isso Selene coloca uma de suas mãos na frente de sua boca delicadamente, segurando o riso.

  – Está tudo bem. Tem como ver que ele não fez por maldade. – A atenção dos dois é atraída para ela quando escutam sua voz novamente – Obrigada pelo elogio, é muita gentileza sua, príncipe. – Sorri meigamente, fazendo Soma corar levemente, devolvendo o sorriso em seguida – Obrigada a você também, Agni.

  – Não tem de que, senhorita. – Não demora muito para que as bochechas dele estejam parecidas com as de Soma.

  Um barulho fino de vidro batendo ecoa pelo extenso lugar, atraindo a atenção de todas as pessoas presentes para o lugar de onde o som vem. O visconde sorri satisfeito ao constatar que tem a atenção de todos para si. Ele caminha até estar relativamente perto de onde está a caixa de vidro que contém seu item mais precioso, recém adquirido e que estava tão ansioso para mostrar a todos da alta sociedade.

  – Primeiramente gostaria de dizer que espero que estejam se divertindo em minha humilde festa. – Em momento algum ele tira seu sorriso superior do rosto. O cinismo com que ele fala faz Selene revirar os olhos em tédio, mas ainda prestando atenção no que ele irá continuar a falar – Como todos devem saber, organizei esse baile com a intenção de mostrar a todos vocês o mais novo item de minha coleção de objetos raros. – Aponta dramaticamente com seus dois braços o item ao eu lado – Essa é uma raríssima tigela indiana. Foi encontrada no topo de uma montanha budista e foi descoberto que ela, assim como outros itens, estavam perdidos há mais de cem anos...

  O loiro continua com seu discurso, mas assim que Selene tem total certeza que ele não consegue dizer nada que tenha o mínimo de valor, a morena para de prestar atenção no que é dito, conversando baixinho com seu amigo Steven e deixando o grupo que está com ela e os outros convidados prestarem atenção nele. Por gostar de ter a atenção para si, demora muito até que ele finalmente termine seu discurso irrelevante e possa ser dado continuação a festa.

  Aleister Chamber desce do “palco” improvisado e parece começar a andar na direção onde a duquesa e seus amigos se encontram, fazendo-a torcer mentalmente para que seja apenas impressão sua e que ela não tenha que lidar com o que, na opinião dela, é um nobre imbecil. Infelizmente suas preces são descartadas quando ele fica frente a frente com o grupo, sorrindo galantemente para a morena, pegando sua mão sem sua permissão, levando a mão livre dele ao peito, perto de seu coração.

  – É uma honra ter finalmente a Duquesa MacGregor em uma de minhas festas. Você é muito famosa, sabe? Todos falam do quão bela e inteligente é. Não acreditava até que pude comprovar com meus próprios olhos o tamanho de sua beleza.

  – Eu agradeceria por tantos elogios se eu não soubesse que não passa de pura falsidade sua, visconde. – Todos, exceto a jovem e Steven, arregalam os olhos em choque com uma resposta que eles não esperavam que justo a sempre educada Selene desse.

  – P-Posso garantir que meus elogios são sinceros e de todo meu coração. Você é a mais bela dama desse baile, que dirá de Londres... Não! De toda a Inglaterra! – O loiro se atrapalha em sua fala, mas continua a tentar manter sua postura galante, falhando miseravelmente.

  – Primeiro, faça o favor de soltar minha mão pois não lhe dei a liberdade para fazer isso. – Ela puxa seu braço com um pouco de força, livrando-se do aperto suave do loiro – Segundo, pode continuar a dizer o que desejar, não irá mudar a sua realidade de galanteador barato.

  – Oh! Que arisca! – Coloca uma das mãos na testa, fazendo uma pose deveras dramática – Dizendo isso você só faz com que meu interesse em você aumente, My Lady. Sei que se me der uma chance farei com que caia em meus encantos. – Sorri de canto.

  – Peço desculpa, mas acredito que serei a única com capacidade de desfazer o seu mundo de fantasia em que insiste em viver. – Suspira pesadamente – As garotas que você pensa conquistar com suas habilidades e beleza, são inocentes demais, burras demais ou estão desesperadas para arranjarem casamento com alguém de boa posição. – Ri cinicamente – Pense em mim como uma conhecida que irá dizer algo como uma ajuda, certo? Não perca seu tempo comigo. Em todos esses anos, ninguém conseguiu me fazer gostar de alguém pela aparência, não será você que conseguirá tamanha proeza. Eu poderia oferecer minha amizade, mas não teríamos como manter uma conversa no mínimo coerente. – Faz uma pausa, seu olhar para o mais alto é frio –Não é pelo fato de que você não seja politizado, afinal converso com qualquer pessoa, mesmo que seja alguém que não tenha tido oportunidade de estudo. O motivo é o fato de que você é tão fútil e apegado a bens materiais, que se torna tão burro quanto uma porta, apesar de tentar manter-se como alguém incrivelmente inteligente, perspicaz e melhor do que as pessoas abaixo de si, até mesmo aqueles com títulos superiores ao seu.

  Ciel e Elizabeth olham para os dois com suas cabeças levemente levantadas para poderem enxergar com maior facilidade, Soma e Agni olham com os olhos arregalados, os quatro estão com as bocas aberta em espanto enquanto Sebastian mantém um olhar surpreso para a morena, já Steven controla-se mentalmente para não rir da cara idiota do visconde mesquinho. Aleister está tão espantado quanto os outros do grupo já que nunca havia visto uma mulher ainda tão nova ter a coragem de dizer o que pensa, deixando totalmente de canto a preocupação em manter as aparências sociais. Ele sente um misto de irritação, humilhação e admiração pela duquesa.

  – Mas devo parabenizá-lo pela sua conquista. Comprou um vaso árabe como se fosse uma tigela indiana rara... Levou gato por lebre, como dizem alguns. – Ri fraco – Bom, se me derem licença. – Faz uma breve reverência para o grupo – Aproveite sua festa, Acéfalo-san! – Sorri de canto provocativa.

  Ela e seu amigo se distanciam do grupo, Steven a convidando para dançar e eles se direcionando para o meio do salão, deixando o grupo completamente de lado. O visconde continua estático, sem conseguir sair da posição em que está, encarando o nada. Soma e Elizabeth começam a rir, Sebastian mantém um sorriso muito pequeno em seu rosto enquanto Ciel sorri de forma conformada, Agni olha fixamente para um ponto qualquer da parede em sua frente apenas para evitar a vontade de rir.

  – Suponho que irá desistir de conquistá-la, Visconde Druitt. – Ciel comenta ao esconder que está se divertindo com a situação do loiro.

  – Está enganado, meu doce Ciel. – A cara da criança citada se contorce em nojo ao escutar a maneira como é chamado pelo mais velho. A voz de Aleister é mais arrastada do que o seu comum, quase como se estivesse ronronando ou sonolento, mas sem realmente o estar – Essa dama foi a primeira a ter coragem de me dizer o que nenhuma mulher teve e mesmo usando palavras dolorosas e ferinas, o ar de educação que paira sobre ela se manteve intacto. – Olha com brilhos emanando de seu corpo, admirado com a jovem que está dançando junto de mais pessoas que fazem o mesmo – Irei fazer com que ela se apaixone por mim ou não me chamo Aleister Chamber, o importantíssimo Visconde Druitt!

  O grupo, que apesar dos pesares ainda está perto do nobre desmiolado, dá um grande suspiro pesaroso em conjunto, suas auras de desgosto e cansaço misturando-se, causando confusão em “Acéfalo-san”.

  A conversa com ele felizmente tem um final definitivo quando um grupo de garotas – suas “fãs” – interrompem, puxando-o para um lugar completamente desconhecidos pelos cinco. Ninguém se importando com o estado que ele ficará por ter que lidar com garotas malucas, na verdade, estando aliviados em não terem que aguentar mais sua presença tão desnecessária.

  O baile continua a ocorrer tranquilo e divertido na opinião de todos os convidados, exceto de Ciel e Sebastian, que são os únicos a saberem o real motivo de estarem presentes e que, apesar de terem sim achado alguns momentos da festa divertidos e interessantes, tornam a ficarem tensos, disfarçando que estão prestando atenção em qualquer movimento ou acontecimento estranho que venha a surgir.

  Enquanto todos parecem estar alheios a qualquer acontecimento, repentinamente as luzes de todo o salão e provavelmente de toda a propriedade cessam, assustando as inúmeras pessoas presentes. Agni se coloca em posição para defender Soma. Ciel prontamente abraça Elizabeth e Sebastian se coloca em posição defensiva para proteger ambos. Por ser um demônio, o mordomo consegue enxergar no escuro nitidamente, sendo capaz de prever de onde o culpado possa vir.

 

 

   Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...