1. Spirit Fanfics >
  2. Heart Attack >
  3. O enigma amaldiçoado

História Heart Attack - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - O enigma amaldiçoado


Fanfic / Fanfiction Heart Attack - Capítulo 6 - O enigma amaldiçoado

Heart Attack

O enigma amaldiçoado

...

Baile da Corte de Dressrosa – Lado de fora.

– O QUÊ!!!? CAPTURARAM A NAMI!!!? – Luffy gritava de forma descontrolada. Totalmente confuso e furioso por saber que levaram sua companheira. Os demais tripulantes também mantiveram feições de surpresa e revolta.

Law suspirou impaciente. Nem mesmo ele imaginava que a situação sairia de seu controle.

– Precisamos ir atrás dela!!! Quem sabe não dá tempo!!? – Chopper contestava exaltado.

– Mas não temos pista para onde a levaram e não podemos sair ilha sem um navegador... – Robin redarguia a realidade.

Todos estavam impossibilitados de zarparem e ainda precisavam descobrir quem havia capturado a ruiva, para onde estavam indo e o motivo de a levarem. A única pista era um bilhete que dizia que a levaram para longe e em breve fariam contato.

– Você acha que pode ter sido o Doflamingo...? – Desconfiado, Franky achou que o sequestro da garota podia ser mais um dos planos do ex-shichibukai para encurralar todos.

– Não acho que Doflamingo iria captura-la e faria contato através de um bilhete. Isso não faz seu estilo. Ele se identificaria. – Law receava sobre o ocorrido e sentiu que suas últimas ações foram totalmente equivocadas. Talvez se tivesse parado para usar a razão...

Zoro encarou furiosamente o cirurgião. Seu olhar além de mostrar desconfiança, soava ameaçador.

– Diga a verdade, Trafalgar... Sei que está escondendo algo de todos nós.

Todos os chapéus de palha atentaram para o rosto do shichibukai.

– Eu já disse. Doflamingo não sequestraria aquela garo-

.

– E aquela mulher de cabelos rosados...?

.

– Que mulher de cabelos rosados...? - Franky arqueou uma sobrancelha.

– Jewelry Bonney. – Robin completou.

Law estreitou o olhar, observando a reação do bando inteiro. Luffy o encarou extremamente sério.

– Quem é essa mulher...? Foi ela quem levou a Nami...? – O capitão usava um tom de voz totalmente desigual.

– Nós não podemos ter certeza... – Law sentia uma gota escorrer pela testa. O que ele menos temia aconteceu. Nem mesmo ele pôde calcular tal movimento.

– Agora me diga... Onde você e aquela mulher estavam quando Nami se ausentou do salão...? – O espadachim interrogava de modo temível. Law sabia que ele não era qualquer um. Apesar de ser uma pessoa quase invisível dentro da tripulação, era bastante observador.

– Eu estava com ela do lado de fora do castelo, perto do jardim. – Completou sem cerimônias.

– É muita coincidência ela ter sumido bem na hora em que você estava junto com essa mulher.

– Seu desgraçado!!! Você está mentindo pra gente!? Diga agora para onde levaram a Nami-San!!! – Antes que pudessem ver, Sanji já havia agarrado a gola do colarinho do cirurgião, porém ele não se moveu um milímetro.

– Escutem... Não faz sentido algum que eu tenha participação nesse sequestro. Se assim fosse, seja qual for o motivo, também não estaria aqui para convencê-los do contrário.

– Ele tem razão. Largue-o, Sanji. – Robin com seu jeito cordato também concordava com o shichibukai.

– Então quem a levou!? – Usopp retorquia confuso e abalado pelo fato de terem levado sua companheira. Todos estavam preocupados.

– Luffy...

– Sim, Zoro...

– Você sabe que não me oponho em suas decisões. Você é o nosso capitão e sua palavra no navio é lei, porém... – O moreno deu uma longa pausa antes de continuar. Todos estavam apreensivos com o que o mesmo diria.

– Vamos cumprir com nossa palavra e ajudar esse cara a acabar com o tal Yonkou... Mas depois disso, essa aliança precisa imediatamente ser desfeita.

Todos se espantaram, embora fosse óbvio.

– Por que está dizendo isso...? – Luffy parecia não entender.

– Por que uma companheira foi levada por uma razão que desconhecemos, mas que pode ter a ver com os planos desse cara... Não podemos continuar com ele depois disso.

Law não disse nada. Nesse momento ele precisava descobrir imediatamente se Bonney havia de fato capturado a navegadora.

Luffy também ficou em silêncio por um tempo. Todos atentaram para o que seu capitão diria.

– Certo... Você tem razão. A aliança será desfeita depois que cumprirmos com nosso trato. Você se importa...?

– De forma alguma. Eu não pretendia estender essa parceria por muito tempo. – Law também estava de acordo, porém, com a captura da garota, seus planos seriam mais uma vez adiados.

– Buru buru buru buru... Buru buru buru buru... – O Den-den Mushi de Law tocava repentinamente e todos se permaneceram ainda mais apreensivos por isso.

*CATCHA*

– Alô...

– Há quanto tempo... Trafalgar Law...

...

“Eu podia jurar que estava vivendo um pesadelo, mas de certa forma meu psicológico estava calejado. Essa não é a primeira vez que sou atormentada por um pirata... Embora meu atual sequestrador seja uma figura insana e sombria, que me causa calafrios só de estar a poucos metros. Nem mesmo Arlong foi capaz de me arrancar tremores nas pernas, mas ele... É como um enigma nefasto que ao ser desvendado amaldiçoaria a pessoa que o decifrasse... E por mais que eu tente entender por que fui capturada, enquanto não descobrir uma pista sequer, não poderei montar as peças desse quebra cabeça.”

Nami estava perdida em pensamentos, confusa e aflita. Se perguntava se seus companheiros já haviam dado falta dela.

Naquele momento a navegadora havia acabado de tomar um banho relaxante, mesmo no território do inimigo. Ela se ausentou da imensa banheira e em lentos passos se dirigiu ao local onde se encontrava sua toalha, porém... A mesma já não estava no lugar.

Olhou ao redor procurando pela toalha a qual se secaria, mas institivamente sentiu algo se aproximando lentamente atrás de si.

Seu corpo estremeceu ao perceber quem era...

– Está procurando por isso...? – Aquela voz grave que transparecia falsamente serenidade, pôde ser ouvida perto de si. Uma onda de choque percorreu em frações de segundos todo o corpo da ruiva a ponto de sentir todos os pêlos eriçarem. Ela continuou de costas, sem se virar.

– O que está fazendo aqui...? – Nami hesitava em dizer qualquer coisa que poderia lhe comprometer.

– Eu estava... Contemplando a vista... – Respondia com malícia em sua voz. Ele permaneceu parado atrás dela e o vapor do banho que dimanava ao redor do cômodo fazia com que o ambiente se tornasse ainda mais sombrio.

– Você pode... Devolver a toalha...? – Relutantemente a voz da navegadora saiu e ela fechou os olhos por impulso. Mesmo expondo sua nudez de forma tão explícita na frente dele, a sensação de terror era muito mais forte que qualquer inibição. Ela estava aterrorizada por dentro. Seu corpo estava completamente encharcado e ainda escorria água pelos longos cabelos molhados. Ela sentia frio. Não pelo clima, mas pelo horror do momento.

– O que foi princesa...? Está com medo...? – A voz dele se encontrava ainda mais perto de seu ouvido. Nami fechou os olhos no receio de que o mesmo pudesse fazê-la em pedaços ali mesmo, pois a cena que vira anteriormente lhe causou extrema aversão.

Eustass Kid. Um dos onze novatos e o mais atroz de todos eles. Mostrou seu real caráter na frente da ruiva ao mandar um de seus subordinados ordenar que executassem os habitantes de uma ilha inteira. O motivo...? Causar caos.

– O que você... Quer comigo...? Por que me capturou...? – A voz de Nami soava trêmula. Era nítido seu pavor ao estar ali, perto daquele que facilmente descartava vidas como se não fossem nada.

Após a pergunta ele riu de modo imponderado. Sua audácia para com a navegadora era eminente.

– Você não precisa saber de nada por enquanto... Por tanto fique calma, por que não pretendo fazer nada com você... – Deu uma longa pausa para enfatizar a palavra seguinte. – Ainda...

Nami sentiu uma forte compressão no estômago ao constatar que havia possibilidades daquele pirata cruel lhe trucidar.

Kid repousou a toalha sobre os ombros da ruiva e manteve suas mãos firmadas ali por um tempo. A navegadora olhou de canto a mão esquerda feita de metal. Ela concluía que aquilo com certeza fazia parte de sua habilidade...

– Vá se vestir... Quero que jante comigo daqui a meia hora...

Antes que pudesse perceber, ele se retirou do local após o término da frase.

Nami ficou paralisada e completamente assombrada.

...

– Kid, os dois já estão na sala de espera.

– Certo... Diga para aguardarem, pois agora vou jantar.

– Entendido.

– Killer...

– Sim?

– Traga a nossa convidada de honra tamb-

– Não precisa. Já estou aqui...

Kid e Killer deram uma breve visualizada na dona da voz. Nami apareceu deslumbrante na sala de jantar. Trajava um vestido preto tomara que caia longo com uma fenda na lateral. O tecido era finíssimo e cintilava de longe. Os cabelos ruivos e ondulados estavam soltos, mas penteados para o lado. Usava um par de brincos de diamantes. A maquiagem também estava perfeita. Seus olhos estavam delineados e os cílios bem avantajados. Os lábios preenchidos com camadas de batom e gloss num tom rosa claríssimo.

A ruiva se aproximou da mesa e Kid se levantou. Por um momento ela se surpreendeu com o gesto de cavalheirismo onde o mesmo puxava a cadeira para que se sentasse.

– Sente-se...

Nami não respondeu. Apenas obedeceu.

Quando a navegadora terminou de se acomodar em seu assento, Kid lançou um olhar significativo para Killer e imediatamente o mesmo se retirou.

O ruivo também se sentou e passou a encarar ousadamente a ruiva. Nami fez uma força descomunal para não se sentir aterrorizada por ele. A partir dali, ela passaria a fingir indiferença demasiada. E se morresse por isso, então ela teria orgulho em pensar que fez o melhor que pôde.

– Você é está maravilhosa... – Um elogio à altura da Gata ladra afinal.

– É claro que estou... Esse vestido é perfeito... – A voz da navegadora estava mais grossa e seca. Seu olhar mais estreito e sua feição sombria. Obviamente Kid percebeu e sorriu satisfeito.

– Você não parece estar com medo agora... O que aconteceu...?

Ela levantou a cabeça e o defrontou com um olhar severo. Não podia continuar bancando a garotinha medrosa, pois no fundo, por mais que ainda estivesse com medo, uma forte esperança tomava conta de si ao pensar que Luffy e os outros a resgatariam.

– Quem sabe se você me disser por que estou aqui...

– Tudo ao seu tempo... Princesa... – A forma pela qual o ruivo lhe chamava, causava certo desconforto e esbanjava significados com conotações libertinas, pensava ela.

Barulho de passos passou a ser ouvido e duas figuras apareceram repentinamente no local, roubando a atenção dos dois que estavam sentados à mesa.

– É assim que recepciona seus preciosos convidados!? Não ia nos chamar para o jantar!!? – Um homem com longos braços e uma trança comprida entrava na sala de jantar juntamente com outro homem. Este tinha cabelos louros ondulados e compridos, triângulos pintados na testa e um semblante completamente funesto.

Kid estreitou o olhar e expressou cólera.

– Killer não os mandou esperar...? – Contestava incivil.

– Sim... Mas ele não disse que você estaria jantando e... – O homem de aparência peculiar, ajeitava os óculos no rosto ao mirar a figura da ruiva em sua frente.

– Quem é essa belezinha que está te acompanhando...?

Nami sequer olhou para o rosto do pirata. A carranca dela era nítida, mas aos olhos dele, totalmente sensual.

– Pare de me fazer perguntas. Esperem na outra sala. – O ruivo apanhava duas taças que já se encontravam na mesa e derramava o vinho que havia separado para sua noite com a navegadora.

– Por que nos chamou aqui? – Hawkins perguntava impaciente, pois não esperaria enquanto o assunto não fosse adiantado.

– Bem... Digamos que em breve teremos algo inestimável para negociar... Mas não posso adiantar nada agora. Esperem na sala ao lado. O assunto é longo.

– Certo... – Hawkins virou de costas e passou a se dirigir à porta, porém Apoo o deteve.

– Espere... Olhe atentamente para aquela garota... Já não a vimos antes...? – O loiro olhou fixamente para a aparência nobre da ruiva. Nami se sentiu pressionada e Kid mais ainda, pois a mesma percebia o olhar comprimido do pirata.

Nami se sentiu coagida com aqueles olhares, mas precisava fazer algo que lhe tirasse da mira deles. E se Kid mostrou alarme ao ver que os mesmos pareciam interessados nela, significava que nem mesmo ele desejava que a identidade dela fosse descoberta.

A ruiva agiu rapidamente e por impulso. Quando deu por si, já havia feito.

– Será que os cavalheiros poderiam nos dar um momento de privacidade...? – O ruivo se surpreendeu ao ver Nami sentada em seu colo e com os braços enlaçando seu pescoço.

Os dois piratas continuaram encarando o casal que parecia querer se divertir sozinhos.

Apoo sorriu maliciosamente e Hawkins continuou com a feição inexpressiva.

– Vamos. – O loiro dizia enquanto se dirigia a porta.

– Não se atrase... Eustass... – O pirata ria de forma mal-intencionada enquanto seguia Hawkins.

Quando os dois se ausentaram do local, Nami suspirou aliviada. Aquela altura, ser descoberta por mais piratas apenas pioraria sua situação.

– Atuação esplêndida. – Sorriu surpreendido e seduzido pelo raciocínio veloz dela.

– Eu precisava fazer algo... - Ela devolveu com um sorriso audaz.

Kid observou todos os traços do corpo da ruiva naquele momento. Ele se sentiu demasiadamente fascinado com todos aqueles encantos. E ainda em seu colo, Nami o fitou séria. Seus olhares se cruzaram por um tempo considerável, não se cansando de contemplar aqueles olhos castanhos flamejantes que pareciam reluzir de forma inocente. Aquele efeito lhe entorpecia de forma curiosa, causando uma impressão especial, a qual nunca havia sentido com nenhuma outra mulher. Porém, ele sentia que precisava imediatamente experimentar ainda mais daqueles efeitos nunca sentidos.

Embora Nami quisesse se afastar, ela analisou alguns aspectos nele que pareciam não ser tão aterrorizantes. Principalmente o olhar. E por mais que quisesse se estender em desvendar o enigma que lhe amaldiçoaria, ela sabia que não poderia. Antes que pudesse dizer algo, ele já havia lhe feito a proposta.

– Já que estamos nessa posição... Por que não aproveitamos...? – A voz dele soava mais ousada e provocante e as mãos que levemente passaram a contornar a cintura curvilínea envolta do fino tecido despertaram algo diferente, afinal... Ele não fazia somente o tipo galã, mas parecia ser perito em seduzir uma mulher, pois nem mesmo ela entendia por que estava se sentindo quimicamente estranha. Mas mesmo com tudo isso... Ela sabia o tipo de homem que ele era e não desceria aquele nível. Mesmo que isso lhe custasse a vida.

– Me desculpe, mas você me chamou para jantar, então é isso que faremos... – A navegadora se levantou gentilmente e de forma elegante. O ruivo continuou a observando com atenção e reparando nos traços e gestos perfeitos.

– Não me provoque... Princesa... – E sorriu ousado.

– Essa não foi a minha intenção... – Ela encerrou com magnificência ao delibar sutilmente o vinho em sua taça.

...

– O que você acha que ele quer com a gente...? – Apoo perguntava indiscreto.

– Não tenho ideia. – Hawkins respondia ríspido. Os dois se encontravam do lado de fora do navio, temendo que pudessem ouvir ruídos desagradáveis vindos da sala de jantar.

– Eu pedi para que aguardassem na sala de espera. – Killer se aproximava e chamava atenção dos dois piratas que não se sentiram a vontade onde os mandaram esperar.

– Você não é o capitão... Pare de nos dar ordens... – Apoo redarguia atrevido.

Passos foram ouvidos e uma silhueta se formou do outro lado. Alguém vinha na mesma direção que os três, e aos poucos a fisionomia da tal pessoa se tornou nítida. Apoo riu debochadamente.

– Veja só quem também está aqui... O fantasma dos cinco mares!

– Olhe pra si mesmo, Apoo. A sua cara já diz quem é o fantasma aqui... – E lá estava ela. Jewelry Bonney passava pelo local, e se dirigia para a sala de jantar que dava acesso à cozinha.

– Bonney, o capitão está ocupado. Espere na cabine lá embaixo.

– Por quê!? Eu estou com fome!

– Espere na cabine. São ordens do Kid.

– Ele não está em posição de me dar ordens! Quem está devendo quem aqui!!? - A glutã fez uma careta inconfundível, se virando e fazendo o mesmo caminho de onde vinha anteriormente.

– Espere Jewelry Bonney! O que te trás aqui!? Está fazendo negócios com o Kid também, ou será... Que você virou uma das cortesãs daquele harém que ele mantém lá embaixo!!?

– Cala a boca sua hiena com síndrome de down! Eu não devo satisfações a ninguém, muito menos a você! - A devoradora o encarou com fúria.

– Ora sua...-

– Pare. – Hawkins segurou o ombro de Apoo, pois o mesmo era perito em provocar as pessoas erradas nas horas mais erradas.

– Você me paga...

– Claro... Te pago uma surra bem dada... Se ainda achar que pode me encarar!

– Pode ter certeza!-

– Se acalmem! Ninguém vai brigar aqui. Bonney, vá para a cabine agora. Eu vou avisar o capitão para te atender.

– Mas que saco...! – A devoradora de cabelos rosados saia do local pisando duro.

– Essa garota ainda vai se arrepender por ter cruzado o meu caminho... – Apoo protestava com raiva.

– Você sabe que não pode tocá-la...

– Não posso...? Por quê...?

– Olhe atentamente aquele bracelete ornamental de ouro com um rubi vermelho no meio...

– Sim, o que tem...? – O pirata arqueava uma sobrancelha, confuso com o que o loiro dizia.

– Ela é protegida dele...

– Dele...? Quem...?

Killer soltou uma risada exagerada e Apoo ficou ainda mais sem entender.

Hawkins demorou alguns segundos antes de responder...

.

– De um dos quatro imperadores... O ruivo...

.


Notas Finais


Ui... Bonney protegida do Shanks... kkkkk

Enquanto isso, a Nami dando o maior azar por estar com o Kid (ou não). Bonney sequestrou mesmo a Nami com ajuda do Kid? A que preço?? E como ficará a tripulação? Como eles vão a resgatar sem um navegador?? No próximo vocês terão as respostas :D

Deixe seu comentário se está gostando da história.

Bye.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...