1. Spirit Fanfics >
  2. Heart Broken >
  3. Sorrisos tristes

História Heart Broken - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Gostaria de falar algumas coisinhas:
Essa primeira parte da fanfic (com relação a primeira temporada do anime) já está acabando tem só mais dois capítulos e talvez eu escreva outros dois como spin-off de dois casais (vocês podem escolher, mesmo que eu tenha certeza que será Makoharu e Reigisa hihi);
Já a segunda parte será focado em Rin finalmente percebendo que ele é crush do Aiichiro (lerdo ele né?) e de mais um casal, e ainda na formação de outro casal, então esperem ansiosas pela segunda parte ^-^

Bem, agora boa leitura!

Capítulo 8 - Sorrisos tristes


Ai voltou para o hotel onde todos estavam hospedados com uma cara bem abatida e foi direto para seu quarto ignorando o chamado de Mikoshiba enquanto tentava perguntar o que aconteceu com ele, Ai entrou no quarto e se jogou na cama com a cara no travesseiro e pensando em toda aquela situação e em como era difícil amar alguém tão "impossível" igual Rin. E falando no ruivo, o mesmo chegou depois de dez minutos e encontrou Ai dormindo profundamente, Rin se sentou na cama do colega e sua mão foi para os cabelos platinados do garoto fazendo um carinho e o mesmo murmurou alguma coisa, nessa hora Rin percebeu o que estava fazendo e tirou a mão rapidamente segurando ela contra o peito e dizendo pra si mesmo que o único objetivo dele era vencer o Haru, até que ele se lembrou do que Mirai tinha dito à alguns minutos atrás "Meu irmão não vai durar muito."

- O que ela quis dizer com aquilo?

Rin olhou para Ai uma segunda vez e foi se deitar em sua própria cama, Rin ficou olhando pro teto na tentativa de pegar no sono, mas decidiu olhar para Aiichiro e viu que o mesmo estava com a boca meio aberta e que aqueles lábios pareciam tão convidativos, Rin ficou olhando por mais alguns minutos até que o sono finalmente veio e ele adormeceu em seguida.

(...)

O estrondo do trovão despertou Rin que olhou para a janela assustado e depois para Nitori que ainda estava dormindo tranquilamente, o mesmo estava dormindo sem nenhuma coberta para cobrir suas pernas já que ele estava apenas dormindo com uma bermuda curta, Rin se levantou e pegou a coberta que estava no canto da cama do mais novo e a colocou sobre ele, Ai se mexeu ficando de barriga pra cima e mexendo a mão por debaixo da camisa e a puxando pra cima a ponto de mostrar um pouco sua barriga e seu peito, Rin corou ao ver aquela cena e voltou para cama tentando voltar a dormir, porém ele se lembrou da tempestade e se recordou do que tinha acontecido há um tempo atrás, o ruivo tirou essas lembranças da cabeça e voltou a dormir.

(...)

Uma semana se passou depois da estadia na ilha, porém algo estava incomodando Aiichiro pois Rin se inscreveu nas provas de 100 metro nado livre, e ele não entendia por que o mais velho iria participar dessa prova sabendo que ele era muito melhor no nado borboleta. Nesse momento, Aiichiro viu seu senpai sair da piscina e perguntou o porque daquela decisão, porém o mais velho retrucou que ele apenas focasse em suas provas já que Ai iria participar dos 400 metros nado livre, que não era a sua melhor especialidade diferente de Mirai que era bem melhor nessa categoria, o capitão Mikoshiba percebeu os dois conversando e foi até eles enquanto Kai apenas observava tudo quieto e Lya se aproximou do mais velho.

- Daddy? What's going on?

- Ai está cada vez mais preocupado com Rin, acho que isso pode piorar a situação dele.

Lya olhou melancólica para o primo que observava Rin pular na piscina e se encolher nervoso com as decisões que o mais velho estava tomando e ele tinha quase certeza que era por causa do Nanase.

(...)

De volta nos dormitórios, Aiichiro estava ajudando Rin enquanto esse fazia abdominais, o mesmo questionou porque o ruivo não iria com eles pro lugar onde o municipal aconteceria, porém Rin respondeu grosseiramente que aquilo não era da conta do platinado e que ele deveria focar em suas provas, Ai sentia cada vez mais que era por causa do Nanase e soltou os calcanhares do mais velho e saiu de sua cama, Rin observou o mesmo ir se sentar em sua mesa e terminar alguma tarefa que estava ali em cima, o mesmo não entendeu essa atitude do garoto e perguntou:

- O que foi hein?

- Tudo o que você faz é por causa do Nanase não é? Você gosta dele?

- Do que você estar falando? Pode ser sim que só quero ganhar por causa dele, mas o que isso tem haver com gostar dele?

- Você... - Ai apertou a lapiseira. - É muito obsessivo quando se trata dele.

- É com isso que está incomodado? Esse é um problema meu, não se intrometa! - Rin se levantou da cama e foi até o armário e pegou suas roupas andando em direção ao banheiro.

Ai escutou todas as palvras e passos do mais velho até que lágrimas começaram a cair enquanto seu coração batia de uma forma que fez seu peito doer e sua tosse começou, Ai pegou um saco vazio - que antes ele tinha guardado algumas balas - e o usou para tentar normalizar sua respiração.

- Nitori? Está tudo bem? - Rin abriu a porta do banheiro sem camisa e apenas com a calça do pijama. Ai apenas acenou que sim com a cabeça porém sua tosse não tinha parado, até que Rin se lembrou que da última vez que o mais novo teve um ataque de asma o mesmo tinha ido lá fora. Então Rin terminou de se arrumar e quando saiu do banheiro, puxou o mais novo pelo braço para fora do quarto. - Vamos tomar um ar!

Os dois foram até onde as máquinas de bebidas ficavam e cada um pegou o que queria e se sentaram do lado um do outro enquanto a respiração de Ai voltava ao normal e o mesmo secava as lágrimas com a mão. Rin observou com cautela cada movimento do mais novo e em como ele era parecido com o próprio pai quando era mais novo, sua mãe também dizia que Rin pegou total essência de Toraichi e principalmente seus dentes.

- O que aconteceu com seu pai?

Ai foi pego de surpresa com a pergunta do mais velho, o platinado sorriu com tristeza e resumiu a morte do pai para o mais velho:

- Resumindo, meu pai era um pescador do porto de Iwatobi porém um dia teve uma grande tempestade e o barco do meu pai naufragou e ele morreu afogado. Seu pai também morreu nesse dia não é?

- Como sabe disso? - Rin se surpreendeu pois não se lembrava de ter contado sobre o próprio pai para o mais novo.

- Seu pai era o melhor amigo do meu, e foi a tia Mai que contou que ele também estava no mesmo barco que o meu pai além de que ele tentou salva-lo. - Ai olhou para o ruivo e sorriu triste. - Mas como pode ver, nenhum deles voltou pra casa.

Rin agora entendia porque sua mãe era tão apegada a família do platinado, até que ele se lembrou da fala de Mirai a alguns dias.

- Sua irmã disse que você não vai viver por muito tempo, o que ela quis dizer com isso?

Dessa vez foi Ai quem ficou surpreso e continuou com aquele sorriso triste estampado no rosto e que Rin estava quase gritando com o garoto para que ele tirasse aquele sorriso da cara. E o platinado respondeu:

- Problemas da minha família, um dia eu vou te contar quando for tarde demais.

Os olhos de Rin se arregalaram e ele quase gritou:

- Não quero saber depois! Eu quero saber agora!

- Já ouviu falar no Hanahaki byou?

- O que isso tem haver? E sim, eu conheço essa lenda.

- A família Ayakashi quem criou e sofreu com essa doença e agora... - Ai apertou a camiseta do pijama na região do peito. - É a minha vez de sofrer com ela, pois eu sou o primogênito da minha mãe que também sofreu com ela, mas diferente de mim, ela foi correspondida antes que a doença se espalhasse por seu peito. Porém eu sei que não serei correspondido e então...

- Você vai morrer? - Rin não podia acreditar no que o mais novo estava contando.

- Não, eu vou fazer a cirurgia porém vou ficar dois anos em coma, e depois eu posso escolher entre continuar amando a pessoa ou seguir em frente.

- E quem é essa pessoa que você ama?

Ai até pensou em dizer, porém ele apenas suspirou e se levantou, mas antes de ir embora Ai fez um carinho nos cabelos de Rin e saiu do local indo em direção ao quarto enquanto sentia seu peito doer e seu coração bater forte. Rin ficou pra trás e tocou onde Ai tinha feito o carinho e ele corou, porém ele estava intrigado sobre a pessoa que Ai amava e ele não conseguia suspeitar em ninguém, o ruivo saiu desses devaneios e voltou para o quarto.

(...)

O dia do municipal chegou, Ai foi com os outros para o lugar onde seria porém ele estava preocupado com Rin que avisou que iria visitar o túmulo do pai dele, Ai ficou olhando pela janela enquanto pensava no mais velho.

(...)

Enquanto isso, Rin estava de frente para o túmulo de seu pai e o vento movia seus cabelos vinhos para trás, o ruivo se agaixou e tocou a lápide falando com a mesma:

- Pai, eu conheci o filho do seu melhor amigo e descobrir que vocês morreram juntos quando ele tentou te salvar. Você acha que o Nitori também está tentando me salvar de alguma coisa? Ou eu que tenho que salva-lo de sua doença? - Rin apenas encarava as letras que formavam o nome de Toraichi. - Queria que o senhor estivesse aqui para me dizer o que fazer, mas antes de ajudar o Nitori, eu vou vencer o Haru. - Rin se levantou e se despediu de seu pai para poder ir ao municipal.

(...)

Ai assistiu a corrida de Rin contra Haru e ele ficou feliz ao pensar que o ruivo finalmente poderia seguir em frente, mas o peito de Ai dizia o contrário ao senti-lo mais pesado porém o garoto deixou de lado e foi parabenizar o mais velho, Kai percebeu a reação de Ai sobre a vitória de Rin e o mesmo olhou para o outro lado da arquibancada e viu Mai olhar para ele com um olhar significativo, o platinado suspirou e passou a mão pelos cabelos enquanto pensava sobre o sobrinho e nem notou o olhar da cunhada em cima de si. Faz pouco tempo que Mai começou a notar o albino de um jeito diferente, mas ela não sabia se era por causa do homem ser o caçula de seu ex-marido ou porque ele era realmente bonito, a mulher balançou a cabeça porém quando olhou para o lado viu o olhar de Mirai em cima de si.

- O que foi Mirai?

- Nada, não é nada. - Mirai deu uma risada mesmo que estivesse preocupada com Haru e viu os meninos correrem atrás do moreno.

(...)

Mesmo por ter ganhado de Haru, Rin parecia incomodado com tudo e isso parecia estar afetando Ai que no dia seguinte teve o dia do revezamento e o platinado se arrependeu de ter chamado o ruivo para ver o time do Nanase nadando no revezamento, o platinado que estava atrás do ruivo se sentiu mal e um pouco tonto, mas quando ia cair pra trás alguém o segurou e ele viu Kai e o mesmo tirou o mais novo dali antes que algo acontecesse. Após Rin refletir com todo aquele acontecimento, ele olhou para trás, mas não encontrou o platinado e ficou preocupado com o mais novo e se ele estava bem. Depois ele o encontrou perto do ônibus conversando com seu tio e quando o platinado percebeu os olhos do ruivo, ele apenas deu mais um sorriso triste.

(...)

A Samezuka e a Iwatobi passaram no municipal significando que todos teriam que se esforçar ainda mais para irem ao regional. Rin se esforçava muito sempre ficando na piscina depois do horário dos treinos e Aiichiro o acompanhava para não ficar sozinho, desde o dia do municipal Rin tem reparado que Ai sempre estava triste ao olhar para ele como se algo acontecesse dentro dele, e provavelmente era por causa da doença do mais novo porém ele ainda não tinha descoberto quem era a pessoa na qual Ai se apaixonou e por algum motivo ele sentia que queria que Ai fizesse logo a cirurgia, mas ele não entendia porque se sentia daquela forma.

Naquela noite era o dia do festival de lula e todos decidiram ir para poderem rezar pela vitória, Ai estava animado porém Rin não estava animado e apenas topou em nadar com o garoto para ver se ele descobria alguma coisa sobre a pessoa que Ai amava. Porém ele ainda estava focado do porque que mesmo derrotando Haru, ele ainda estava desconfortável com toda a situação, Ai ficou o seguindo até uma parte do festival que não tinha mais barracas, só que quando Ai disse para eles voltarem Rin apenas disse para ele voltar sozinho. O platinado parou de andar e ficou olhando o mais velho se distanciar enquanto apertava pelas suas costas suas unhas no antebraço direito à ponto das pontas das unhas machucarem sua pele e começar a sair sangue, no entanto Aiichiro sentiu alguém puxar seu braço e viu Mai olhando para ele preocupada e o platinado apenas disse enquanto chorava:

- Isso dói muito! Então, faça parar por favor!

Mai o puxou para seu peito e começou a fazer cafuné em seus cabelos enquanto falava que tudo ia ficar bem, mesmo que ela mesma soubesse que nada ficaria bem. Mai o levou até a farmácia mais próxima e fez um curativo em seu machucado, Aiichiro sabia que aquilo ficaria com uma cicatriz, mas ele sempre se lembraria dela como parte de seu fracasso com Rin.

- Tio Kai me falou sobre o Nanase. - Ai contava para Mai enquanto andavam em direção à estação de trem. - Espero que todos consigam se entender.

- Aiichiro! - Mai parou de andar e Ai também parou um pouco mais a frente da mais velha. - Quando o regional acabar, eu quero que volte para Shikoku comigo para podemos fazer a sua cirurgia.

Mai falava isso com a cabeça abaixada deixando a franja cobrir seus olhos, e Ai apenas disse:

- Obrigado! - Mai levantou a cabeça e pela primeira vez ela viu Ai sem nenhuma expressão no rosto. - Eu tenho que ir, até mais!

E Ai saiu correndo para a estação de trem deixando Mai para trás e triste pela decisão do próprio sobrinho.

- Mai? - A morena olhou para trás e viu Kai chegar perto dela. - O que houve?

Mai não conseguiu dizer e começou a chorar se jogando nos braços do homem que não estava entendendo nada do que estava acontecendo e apenas abraçou a morena de volta enquanto fazia carinhos em seus cabelos.

- Não sei o que aconteceu, mas eu tô aqui com você e não pretendo te abandonar... de novo...

(...)

Ai voltou para os dormitórios que estava parcialmente vazio só alguns tinham voltado, Ai foi para o quarto e subiu para sua cama e se jogou nela com cuidado por causa do braço enfaixado e ficou encarando ele por alguns minutos até a porta se abrir e revelar Rin entrando no quarto, o ruivo viu o braço do garoto e perguntou:

- Nitori, o que aconteceu com o seu braço?

- Eu cair, mas tá tudo bem. - Aiichiro mentiu pois não queria dizer que era por causa do ruivo.

Rin apenas suspirou e deu de ombros e foi se deitar, mas antes de cair no sono ele perguntou:

- Nitori, pode me dizer por quem você está apaixonado?

- Não, se eu disser quem é, eu posso acabar perdendo amizade com ele. - Ai respondeu se deitando novamente na cama.

- É um amigo muito querido?

- É sim, eu gosto muito dele.

Rin percebeu que Ai já estava dormindo e ele apenas se virou para dormir também enquanto pensava consigo mesmo que não queria que Ai se apaixonasse por alguém, mesmo que Rin o tratasse de maneira fria e que se irritava quando o mais novo se metia em seus assuntos, mas ele estava sentindo outra coisa pelos acontecimentos com o mais novo, principalmente, pela doença dele. "Então isso é ciúmes?", Rin pensou antes de cair no sono.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...