História Heart by Heart - Clace - Capítulo 45


Escrita por:

Postado
Categorias Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Church, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Magnus Bane, Personagens Originais, Simon Lewis, Tessa Gray
Tags Clace, Clary, Jace, Os Intrumentos Mortais, Shadowhunters
Visualizações 246
Palavras 973
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


MEU DEUS EU N AGUENTO MAIS POSTAR HBH! 😂😂
Q TEMPESTADE DE CAP!
MDS
UMA AVALANCHE ISSO SIM!

BOA LEITURAAA

Capítulo 45 - Capítulo Quarenta e Cinco


-- Clary! Clary! -- Isabelle, corada e ofegante, a abordou no corredor. Ela colocou as mãos nos ombros de Clary. -- Eu acabei de ver Lorde Herondale e Lorde Jace montados em seus cavalos indo embora?

Clary sentiu o coração apertar ao pensar em Jace partindo. Mas se ele precisava ir, pelo menos estava indo com o irmão.

-- É provável que tenha visto, sim --, ela disse.

-- Bem, o que eles estão aprontando? Foram conseguir a licença do casamento?

-- Não, eles... -- Ela deu de ombros enquanto entravam na sala de estar, onde se juntaram a Sir Simon e Tessa. -- Eles simplesmente se foram.

-- Simplesmente se foram? -- Isabelle sacudiu a cabeça, rindo. -- Mas o que isso quer dizer?

Clary endireitou os ombros e inspirou profundamente. Aquele seria um momento tão bom quanto qualquer outro para anunciar.

-- Eu desmanchei o noivado.--, ela disse.

Pronto. As palavras tinham sido ditas, e não foi tão difícil assim dizê-las. Se tinha conseguido manter a firmeza quando comunicou sua decisão a Sebastian, ela conseguiria dar a notícia para seus familiares mais próximos.

-- O quê?! -- Simon bateu o pé no chão. -- Você quer dizer que deixou que ele se safasse?

-- Eu não diria dessa forma, mas...

-- Isso não é justo, docinho. -- Seu cunhado se levantou, visivelmente agitado. -- Ele a deixou pendurada durante oito anos! Humilhou você, desperdiçou os melhores anos da sua vida... Faça o homem cumprir sua palavra!

-- Você está enganado --, Clary disse, tentando manter a calma. -- Fui eu que rompi o noivado. Foi uma decisão minha. Eu não quero me casar com ele.

-- Você? Rompendo com ele? -- Simon riu. -- É uma boa tentativa de salvar seu orgulho, mas ninguém vai acreditar nessa história.

-- Não é uma história. É a verdade.

Mas quando esses dois saberiam reconhecer a verdade, se esta saísse da boca de Clary?

-- Oh, Senhor. -- Isabelle se largou no sofá e soltou um gemido suave, sem força. -- Oh, não. 

Clary meneou a cabeça. Pelo amor de Deus, Sebastian tinha aceitado a notícia fazendo menos drama. Ele até que tinha aceitado bem a notícia. Expressou um grau convincente de decepção, mas Clary percebeu que era o orgulho dele que sofria mais. Seu coração não correu perigo. Eles eram pouco mais que estranhos depois de todos aqueles anos. Ela esperava que, com o tempo, os dois pudessem se tornar amigos. Ele era um bom homem. Mas não era o homem certo para ela.

-- Você não pode tentar consertar as coisas? --, sua irmã perguntou. -- Talvez não seja tarde demais. Ou... Ou Simon pode ir atrás dele e exigir que Lorde Herondale cumpra suas promessas.

Clary sacudiu a cabeça.

-- Acabou.

-- Não pode ter acabado --, Simon disse. -- Depois de todos esses anos, nós não podemos desistir. Você não pode deixar que ele fuja.

-- Que ele fuja? -- Ela riu. --  Eu deveria trancá-lo nas masmorras?

-- Ria o quanto quiser, mas isso é tudo culpa sua. -- A irmã estalou a língua. -- Você deixou essa coisa se arrastar por muito tempo, quando deveria ter se manifestado há anos. Você é muito boazinha.

Ela pensou naquilo.

-- Você tem razão, Izzy. Eu sou muito boazinha.

-- Fico feliz que você perceba.

-- Isso vai mudar --, Clary disse. -- Hoje.

-- Ah, sim. Vamos atrás dele. Vou pedir a carruagem agora mesmo. Teddy!

A irmã estalou os dedos e o marido levantou do sofá. Juntos, eles se apressaram pelo corredor. Clary os antecedeu. Mas quando eles se aproximaram do hall de entrada, ela ficou para trás.

-- É sua última chance de ir na frente --, ela disse para a irmã, sorrindo com doçura. -- Depois que eu me casar com Sebastian, vou ganhar precedência.

Isabelle sorriu.

-- Esse é o espírito.

Ela esperou até Isabelle e Sir Simon passarem, e então ela se encolheu na alcova ao lado e esticou as duas mãos para puxar a alavanca. Com um gemido e rangido férreo, o rastrilho caiu, fechando a passagem.

-- Foi muito bom receber vocês --, Clary disse à irmã e ao cunhado chocados, acenando-lhes através do portão de ferro. -- Por favor, voltem no Natal.

-- O que você está fazendo, docinho? --, Simon perguntou.

-- Usando meu castelo para sua função original. Proteção. E, por favor, não me chame mais de docinho. Jace me ensinou a socar.

Simon piscou várias vezes, assustado.

-- Primeiro você deixa Lorde Herondale escapulir, e agora isso? --, Daphne perguntou. -- Clary, você ficou louca de pedra?

-- Talvez. -- Deu de ombros. -- Isabelle, você é minha irmã e eu te amo. Eu sei que suas intenções são boas. Mas às vezes você sabe como magoar.

Clary tinha que pensar no bem-estar de Tessa. Ela não podia mais ser boazinha com aqueles dois. Simon e Isabelle eram daquelas coisas que faziam bem em pequenas quantidades. Como cravo ralado. Ou varíola.

-- Eu sei que vou ficar com saudade assim que você for embora --, Clary disse para a irmã. -- Estou ansiosa para sentir saudade de você.

-- Você não pode fazer isto! -- Isabelle bateu no portão. -- Você não pode simplesmente nos jogar para fora.

-- Na verdade, eu posso. Eu ainda estou solteira. E talvez nunca me torne uma lady, nem mesmo uma esposa. Talvez você seja sempre superior a mim, socialmente. Mas eu sou a senhora do meu castelo. Nesta propriedade, eu faço as regras. E hoje estou me sentindo um pouco medieval.

Clary acenou para a irmã e o cunhado, chocados, através do portão de ferro.

-- Façam uma boa viagem. Espero que não peguem muito trânsito na ponte.

Isso feito, ela se virou para Tessa.

-- Será que você estaria interessada em me ajudar a fundar uma cervejaria?

-- Não sei no que eu poderia ajudar. -- Tessa pegou um pedaço de barbante do bolso. -- Mas eu ganhei mil e oitocentas libras no carteado a noite passada. Eu quero investir.


Notas Finais


CREURI EU TE V E N E R O
ALEUIA, IRMÃOS!
IZZY E SIMON, EU AMO VCS
MAS VCS ERAM UNS PORRE NESSA FIC

MSKSKKSS

BJO BJO E ATÉ O PROX CAP DE HBH


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...