1. Spirit Fanfics >
  2. Heart by Heart >
  3. Prólogo: Tempestade.

História Heart by Heart - Capítulo 1


Escrita por: e Ayvez


Notas do Autor


A fanfic antiga foi excluída do perfil @Ayvez (ao qual me pertence) por motivos pessoais, mas saibam que isso não é uma copia. Caso alguém ache isso, okay? Inclusive posso provar, pois essa fanfic foi postada antes da outra (oficialmente).

As notas importantes e informações estão no final, boa leitura!

Capítulo 1 - Prólogo: Tempestade.


Fanfic / Fanfiction Heart by Heart - Capítulo 1 - Prólogo: Tempestade.

Forks, 8:00 AM

Os ventos atingiam as pessoas com força, como se a todo momento fosse levantá-las e jogá-las em direção aos céus, como se as mesmas pesassem menos que uma simples e delicada pena.

Os céus estavam nublados e escuros. Tão escuros, que indicavam — claramente — que uma tempestade estava à caminho de Forks.

Uma que, talvez, eles não vissem há anos.

As garotas reclamavam da velocidade do vento, e de como o mesmo estragava seus penteados que demoravam tanto para serem feitos ou arrumados. O que claramente era um problema mais que bobo comparado ao enorme temporal que vinha por aí, só não sabiam quando o mesmo chegaria ou se daria inicio.

Os garotos sorriam e se divertiam com as reclamações de algumas meninas, até zoavam' algumas que demonstravam estar com medo da grande tempestade que se aproximava sem sequer fingir que não viria. 

Ela viria, forte e poderosa como Forks e os estudantes jamais presenciaram desde o seu nascimento.

Mas acima de tudo e de todos, havia uma Alice muito preocupada com tudo que se acontecia. Ela também estava assustada com a tempestade. Especificamente, em como a mesma não previu-a.

— Fique calma Alice — pronunciou um loiro sentado ao seu lado, no banco do motorista. Os dois dirigiram-se para a escola, em velocidade normal para um carro como o deles; 101 quilômetros. E atrás deles vinham mais dois carros, um contendo apenas o outro irmão solteiro, Edward, e no outro Rosalie e Emmett.

— Tente ficar calma, Alice. Não deve ser nada demais. — Uma loira no carro mais atrás tentou tranquilizar a irmã, o que claramente não aconteceu. Até ela estava nervosa, e na verdade todos estavam.

Aquilo não era normal. Era extremamente suspeito.

— Eu não consigo — interrompeu-se quando um trovão cortou os céus. Ela conseguiu prever ele, mas com dois segundos de tempo antes que o mesmo cortasse os céus.

A Cullen com aparência de fada mordeu os lábios e olhou para fora do veículo, observando os céus com atenção. Cinzas como a fumaça mais poluída que já vira em toda sua vida. Três raios cortaram os céus e ela ficou ainda mais nervosa. Conseguiu saber que apenas o primeiro acontecesse e isso deixou-a nervosa.

Uma terço de suas visões estavam bloqueadas com aquela tempestade que se aproximava. Isso não era bom, estava longe de ser "bom" ou aceitável.

Seus irmãos sabiam que o que acontecerá com Alice não era normal, mas o que poderiam fazer além de tentar acalmá-la e falar que era tudo passageiro? Exato, nada

Hale tentava, de todas as formas possíveis, levar ondas de calma para a irmã adotiva e assim conseguir fazê-la, pelo menos, relaxar um pouco no carro. Mas isso não surtia efeito em nenhuma das tentativas desde que saíram de casa, e isso apenas o preocupava mais ainda — além de o desgastar, as emoções de Alice e dos próprios irmãos atrás de seu carro estavam intensas, e isso era cansativo. Afinal, dentro de si, ele saiba o tanto de coisas que a tempestade poderia significar: Um novo vampiro; uma nova ameaça; um novo inimigo, mais forte e mais difícil de se derrotar. 

Poderia significar uma nova guerra. E pensar nisso só piorava tudo, afinal eram apenas suposições, mas suposições que podiam ser completamente reais e até, óbvias.

A tempestade trazia mais consigo do que apenas frio e umidade excessiva, cabelos bagunçados e gotas frias e grossas.

Todos os Cullen e até os Quileutes sabiam disso, pois o território deles não estavam diferente do dos vampiros.

La Push

Os anciãos estavam se preparando para reunir-se. Pois a força dos ventos não era normal naquela época, e muito menos os inúmeros raios e trovões que cortavam o céu tão cedo da manhã.

Já haviam feito um pequeno pronunciamento para que todos ficassem em casa, em segurança e deixassem as atividades para quando os ventos diminuíssem sua velocidade e/ou força. Ou quando a tempestade — que nem havia se dado início — passasse.

Precisavam colocar o máximo de pessoas seguras em suas casas, pois algo era certo para todos da tribo: aquela tempestade não era um simples fenômeno forte da natureza. Ela significava guerra e instabilidade. E isso não era bom. Não chegava perto de bom.

— Precisamos fazer alguma coisa! — Um dos anciões dentro da pequena casa disse, com convicção e foi o suficiente para a maioria presentes balançarem a cabeça, em concordância.

— Tenho certeza que precisamos. — Um homem numa cadeira de rodas passou pela porta e se aproximou dos outros, rapidamente atraindo a atenção de todos ali. — Mas como acha que faremos sem alguma informação sobre o que isso é? — questionou, e o silêncio foi automático. Mais uma vez, o líder tinha razão.

Como fariam algo a respeito, se nem sabiam o que aquilo era? O que era, de fato? Nada.

— Precisamos acabar com ele. — Alguém pronunciou, um pouco relutante, mas o suficiente para atrair a atenção do líder para si.

— Acabar com o quê?

— Essa... coisa. — rapidamente perdeu a fala, sabendo que era inútil tentar dialogar sem ter uma resposta, ao mínimo, coerente e que batesse de frente com a de Billy Black.

— Sabe que ele tem razão. Precisamos pará-lo. Os garotos sentiram o perigo, seus lobos estão instáveis. Eles sabem que é algo grande é perigoso, precisamos-

— Eu sei quem precisamos proteger. Mas como faremos isso se nós nem mesmo sabemos com o quê estamos lidando? — moveu as mãos, como uma forma de demonstrar o quanto eles estavam criando uma tempestade antes da mesma. — Pensem direito! Estão querendo acabar com algo que nem sabemos o que, de fato, é.

O silêncio reinou por alguns minutos, mas logo foi quebrado.

— Está dizendo para esperarmos sentados enquanto vemos a ameaça chegar? Se não, já chegou?! Está louco? — A raiva era notória em seu tom de voz, e aquilo não era normal. 

Os anciões não costumavam pensar antes de ver, muito menos serem tão desesperados. E até, tão irresponsáveis em uma decisão que devia ser tratada com calma.

Todos estavam fora de si, era notório até para um cego.

E aquilo era um efeito da tempestade. O efeito da pessoa que estava trazendo-a consigo, e isso era... Incrivelmente assustador. O quão poderoso esse novo inimigo era? Mas o mais importante: como derrotariam ele?

— Precisamos de mais informações para, enfim, tomar uma decisão. E se a... Pessoa — buscou a palavra menos ofensiva que veio até sua mente. Até Billy Black sentia o efeito. Como se uma nuvem de raiva estivesse pairando sobre si, pronta para pegá-lo e sufocá-lo até não aguentar mais — não saber do quê é capaz? E se for um inocente? Uma vítima? — mais uma vez, o silêncio foi completo. Mas desta vez não era por falta de argumentos, era por extensão de pensamentos em seus interiores.

Billy estava certo. Eles precisavam esperar até entenderem melhor do que se tratava o ser que estava criando aquilo tudo. Não havia espaços para novas opções.

Era a paciência, ou nada.


Notas Finais


ೃ┊ IMPOTANTE;

✎ Está fanfic irá focar no shipp e interação de Jasper Hale x OC. Porém, não esperem romance logo de cara, é algo sobre superação, uma coisa importante na vida de todo mundo. Mas terá sim seus momentos fofos no começo, e mais para frente, será algo mais romântico.

✎ Ao decorrer da estória, irão ver que isso é além de depressão, mas isso também é um foco da fanfic (superação da mesma, ok?). E sempre que tiver cenas pesadas ou lembranças que podem dar "gatilho" eu irei tentar me lembrar de colocar nas notas iniciais.

✎ Não tenho a intenção de romantizar a depressão ou qualquer coisa do gênero, que fique bem claro. E, caso eu fizer algo do gênero, me avisem! Pois eu >definitivamente< não quero fazer parecer que "apoio" as coisas que irão aparecer aqui ao decorrer, okay?

✎ Não tenho data para portagens, pois ando com uns problemas pessoais, mas a escrita é um hobby, certo? Então tentarei atualizar, pelo menos, uma ou duas vezes por mês e o máximo são cinco capítulos por mês. Não esperem mais que isso.

✎ Os erros serão sim presentes, afinal não sou um gênio da ortografia, e muito menos professora de português (quem derá, hein?!). Então, peço que não liguem para os mesmos. E caso queiram, basta marcar o erro e comentar sobre o mesmo para me ajudar nisso. Mas se os mesmos não lhe incomodam, apenas espere até que eu tenha tempo para revisar novamentos os capítulos. Ou conseguir uma beta, isso também pode ocorrer em algum momento.

✎ Feedbacks são importantes! Nunca se esqueça de que sua opinião/comentário e/ou favorito pode colocar um sorriso no rosto de um autor. E que sua crítica pode fazer qualquer história se desenvolver além do esperado.

✎ Leia "Heart by Heart" no Wattpad:
https://my.w.tt/bQNUAxbEC6

Sem mais, até a próxima! E fiquem bem. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...