História Heart Song-Imagine Park Jimin - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan, Bangtan Boys (BTS), Fanfic, Heart, Imagine, Jimin, Junkook, Kimtaehyung, Kpop, Parkjimin, Romance, Song, Tae
Visualizações 14
Palavras 2.854
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


⁖⁘⁙⁖⁘⁙⁖⁘⁙⁖⁘⁙⁖⁘⁙⁖⁘⁙⁖⁘⁙⁖⁘⁙⁖⁘⁙⁖⁘⁙

   Desculpem a demora pra atualizar, ultimamente ando meio desanimada pra escrever. Porém isso passa! E não deixarei de atualizar. Não desistam! 😂❤

Boa leitura!😙

Capítulo 26 - Minha nova irmã!


Fanfic / Fanfiction Heart Song-Imagine Park Jimin - Capítulo 26 - Minha nova irmã!

 ⊱❂⊰(S/N ON:) point of view⊱❂⊰


Anteriormente…

—Filha, essa aqui é a sua irmã!–disse seukki para a mulher que me observava com um sorriso.

Olhei rapidamente para a mulher à minha frente que começara a andar em minha direção.

—Olá…–estendeu sua mão direita.—Prazer,  Rosie!


                             ✿


—É um prazer te conhecer, meu nome é S/N!–retribui o aperto em sua mão como um cumprimento ao mesmo que esboçei um sorriso de forma singela.

—Vocês devem querer conversar melhor não é mesmo? Vamos queridas, fiquem a vontade para conversarem na sala! Eu tenho que resolver uns negócios no escritório.

Seukki que então estava conosco desde que chegamos, disse para à seguirmos. Passamos por uma grande porta de vidro que se encontrava ao lado de uma das escadas, até chegarmos à uma enorme sala, o tamanho da mesma poderia se comparar a duas da minha, a da antiga casa.
Seukki, aparentemente não querendo atrapalhar nosso primeiro encontro de "irmãs", correu ao segundo andar onde rapidamente sumiu de nosso campo de visão. Ela parecia estar feliz em ver suas duas filhas finalmente juntas.

As empregadas que tinham nos recebido antes, sairam da sala nos deixando sozinhas.

Eu e Rosie nos sentamos em um sofá grande e confortável, tinha um tom branco e era acompanhado de algumas almofadas roxas e outras mais claras. Notei logo quando entrei na sala que havia uma grande janela lateral que ia do chão ao teto, sem contar que as cortinas que haviam para enfeitar as mesmas, eram enormes e do mesmo comprimento da janela, sua cor era cinza escuro. Muito lindas mesmo.

Mas, entre mim e ela havia uma distância confortável, por mais que essa seja a primeira vez em que nos conhecemos, estávamos bem com a companhia uma da outra. E por incrível que pareça, ela parecia me conhecer…

(…)

—Pois então… depois de tudo que aconteceu, foi uma surpresa conhecer nossos pais, afinal eu sempre acreditei que eles tinham morrido ou algo parecido–sorri sem graça–De qualquer forma, é uma surpresa saber que tenho uma irmã da minha idade!

Nesse momento, Rosie apenas sorriu por um momento e se aproximou mais de mim. A conversa entre nós duas fluía bem e estava sendo legal conhecer mais ela, nem parecia que praticamente havíamos acabado de nos conhecer.

—Mais cedo a mãe contou que você viria morar conosco, é verdade?–rosie perguntou esperançosa.

—Sim! Eu estava ficando na casa do Ji-…quero dizer, de uma amiga. E na casa de minha avó que agora não posso voltar então… mas eu realmente quero isso! Estou feliz por poder conviver mais com vocês duas.–sorri sincera enquanto olhava distraidamente para seus pés.

—Bom, se é assim… o que acha de eu lhe mostrar melhor a casa? Assim você já pode se familiarizar com o espaço e o lugar dos cômodos em si!–rosie propôs enquanto já se levantava de seu lugar.—Vamos??–me fitou enquanto eu ainda estava sentada, estendendo a mão mais uma vez.

—Essa é uma boa ideia, desde já, agradeço.–falei.

Tratei logo de seguir minha irmã que já se preparava para ser minha guia em um "mini-tour" pela casa. Afinal, de mini-tour não tem nada, porque a casa é enorme!

(…)


          ╾╶╶ ❃ ⚘ ❃╶╶╶╼



As duas irmãs caminhavam visitando cada cômodo enquanto colocavam o papo em dia, elas estavam em uma harmônia única, mesmo que rosie ainda não gostasse de sua mais nova irmã já que a mesma tinha uma conexão forte com seu amor, taehyung, a de cabelos acastanhados estava se deixando levar pela personalidade gentil da pequena.

Muitos minutos se passaram e S/N estava aturdida pela quantidade de cômodos contidos na casa. Porém, seus olhos brilhavam ao sentir ter um futuro melhor morando ali. Talvez sentisse que não seria tão ruim morar em uma mansão.

Ao final do "mini-tour" o último cômodo visitado foi seu próprio quarto.

Uma grande cama com lençóis brancos enfeitavam à cama, juntamente com uma madeira que envolvia totalmente a mesma, nas laterais, elas davam um ar confortável e elegante para o quarto. Além de ainda estar presente um grande lustre transparente no teto, que intensificava mais ainda a elegância.

Atrás da cama havia um enorme espelho e ao lado da mesma haviam pequenas gaveteiras da mesma cor da outra, a que envolvia a cama. Logo ao lado, apenas à alguns passos da cama, havia uma linda penteadeira branca com luzes e tudo do mais caro e sofisticado. A mesma também ocupava uma boa parte da parede, por ser longa nas laterais. Agora, as paredes... elas eram de madeira lisa e bem polida, algumas parede até possuíam uma cor mais clara ou escura que a outra.


                     ╾╶╶ ❃ ⚘ ❃╶╶╶╼


—Céus! O quão maravilhoso é esse quarto?

—Sim! O meu também é do mesmo tamanho.

—N-Não, isso é exagero… eu posso ficar em um quarto menor, não preciso de tudo isso.–fito meu reflexo no grande espelho atrás da cama. Rosie se senta na cama e me olha incrédula.

—Como assim você vai recusar esse quarto beautiful?! Escuta aqui! Se você recusar dormir aqui, vou tirar meu soninho lá fora.–diz me apontando com o dedo indicador. E sem segurar minha risada, acabo me deixando escapar uma boa gargalhada.

—Você é fofa! E inegavelmente tem um jeito de falar engraçada. Desculpa.

Sério, não era para rir, nem foi se quer uma piada ou tentativa, mas, seu jeito é realmente muito encantador e hilária. Sinto que vou me sentir bem convivendo com minha nova família.

—Tudo bem, não é a primeira vez que alguém fala isso, até me conformei. Bom, é pra você dormir aqui! Ouviu?!

—Ok, ok. Se insiste… eu aceito.–sorri. Minha irmã sorri de forma simples se levantando e me dando um abraço caloroso, gentil.

Ela então me mostra o closet do quarto, que é realmente meu ponto fraco. Sempre quis um!


(…)

Após tudo que vi, fomos de encontro com seukki, minha mãe, a mesma estava em seu escritório, parecendo bem ocupada com algumas papeladas.

—É, mamãe?

—Ah! Filhas… já olharam toda a casa?–olha rapidamente em nossa direção, não se levantando da cadeira.

—Sim!–diz Rosie.

—Que bom. Me desculpa por estar tão dispersa agora… sabe, montei uma loja de grife e ela está dando bastante trabalho rs. Porém vai ficar bem mais fácil daqui à alguns dias.

—Você tem uma loja?! Que interessante, gostei. Se quiser eu ajudo nas venda ou no que precisar!

Sinceramente penso que ela não precise de tanta ajuda nesse quesito… afinal, a mesma é milionaria. Entretanto, eu ficaria bastante feliz em ajuda-la.

—Não! Que isso?! Imagina… minha filha perdendo tempo ajudando à mim. Prefiro que você pratique seu canto e coloque seu sonho em prática!–mamãe bate com a mão fechada na superfície da escrivaninha e me olha confusa. Parece que a mesma percebeu que tinha perdido um pouco de sua compostura, calma.—Desculpe, as vezes sou um pouco protetora de sonhos… rs.

—Não se desculpe! Acho isso raro e que poucas pessoas valorizam. As vezes, pessoas moderadamente protetoras, são necessárias. E você, mãe, é uma pessoa gentil com uma história de vida incrível, merece tudo, mesmo que eu tenha acabado de te conhecer juntamente com a minha própria história.–digo e rosie e seukki me olham surpresas.

—Filha… sabia que eu te amo?! Que valeu cada investida para te procurar… sinto orgulho da mulher forte que se tornou. Enfim, você vai mesmo morar conosco?

—Sim! Só tenho que falar com uma pessoa primeiro… –no mesmo segundo sinto minhas bochechas esquentarem sem prévias.

Tento olhar para outro lugar qualquer que não seja os olhos delas mas não consigo, logo percebo uma mudança de comportamento de rosie, a mesma agora está com um semblante irreconhecível, carregado de rancor, talvez. Mas não vou deixar isso afetar nossa relação, apesar de ser estranho sua mudança repentina de humor.

—Ah, sei… –fala seukki, com uma expressão maliciosa.

—Pff… ha… ha… é, acho que vou indo. Tenho algo marcado para hoje.–tento evitar mais daquele mesmo assunto e me despeço educadamente.

—Venha comigo, eu te levo.–se pronuncia Rosie.

—É, vá com ela S/N! Rosie dirige muito bem.–insiste minha mãe.

É melhor aceitar, não tenho nenhum meio de transporte para voltar mesmo.

—Ok, tudo bem. Obrigado.–me curvo e nós duas saimos do escritório.

Nós entramos no mesmo carro, aquela com o qual vim até aqui, no caso o de seukki. E saimos.

(…)

Já a caminho, pensei: acho que não vou dizer para irmos até a casa de jimin… vai complicar as coisas para ele. Ter um affair com um cantor famoso e sair ilesa é dificil, claro que nós não somos nem namorados e por isso mesmo escondo. Eu devia me esforçar mais, mas é complicado saber que à qualquer momento você pode estragar a vida de uma pessoa, só por um amor. Não sei se é por pensar demais ou ser mais racional, não sei se é por falta de seguir o coração… só sei que seguir a linha do sentinentalismo nem sempre é bom, tive algumas boas doses disso na minha própria família e o que aconteceu? Me senti traida… sem rumo.

—Hmm, S/N?

—Oi?

—Você está bem?–pergunta minha irmã com sua atenção dividida entre mim e o trânsito.

—Estou sim!–digo simplista.

—Ah, ok. Então, onde é a casa que você está ficando… se bem que você falou… a casa de sua amiga… –ela me olha de soslaio parecendo bastante desconfiada e curiosa. Sinto minhas mãos soarem na hora.

—É… pode me deixar em frente a empresa Always a hit. Sabe qual é?–digo cortando qualquer indício de nervosismo da minha parte, para que ela não ficasse ainda mais desconfiada.

Melhor para mim se ela me deixar lá, assim nem eu e nem ninguém se prejudica, já que de lá eu tenho mais ou menos uma ideia de como voltar para a casa de jimin.

—Sei.–fala seca e direta, acelerando um pouco o carro.

Do nada seu semblante mudou novamente, suas mãos intensificaram o aperto no volante e seu corpo parecia um pouco tenso. Parecendo respirar fundo.

—Aliás, o que vai fazer lá na empresa? Está procurando alguém?–diz com uma voz doce e gentil.

Olha isso! Nem parece que um segundo atrás tinha falado em um tom totalmente seco comigo. Séria ela bipolar? ou talvez fingida? Não! acho que não seria isso... sinto que há algo a mais que não sei.

—Não, não estou não… só é que de lá fica mais perto da casa da minha amiga, sabe... –sorri sem humor.

—Hmm. Ok tudo bem, vamos pra lá então.–diz simplista e eu agradeço por a conversa não passar disso.


(...)


           ⊱❂⊰ROSIE ON:⊱❂⊰


Pessoas…

Elas… traem e manipulam. Somos seres que por muitas vezes são traiçoeiros. Creio que nada mude essa natureza de má raiz, também não acho que exista alguém que não engane ou se apegue, apaixone, ame pela aparência ou por interesses. Eu fui um exemplo disso tudo. Taehyung me seduziu, fez eu acreditar no amor, mas também me fez desacreditar novamente… sinto que por mais que eu o ame ou somente queira fazer ele sentir a mesma dor que eu senti, eu talvez sinta um certo receio de estar fazendo o errado como ele.
Entretanto, quero faze-lo sentir a outra face da moeda. Quero que ele sinta ciúmes à ponto de me querer de volta, quero que ele me faça acreditar no que mais odeio agora.

Eu sabia! No fundo eu sabia que ele sempre gostou dela… que um dia voltaria para ela… mas o destino é meio engraçado sabe, porque por muitas vezes tive a vontade de faze-la pagar o preço por existir e de fazer taehyung um homem obsessivo. Ele não era assim, pelo menos no começo. Mas derrepente me veio uma surpresa, a mulher que um dia quis fazer pagar pelos erros de meu amor, era nada menos que minha própria irmã!

Dá pra acreditar?

Um nó se formava na minha garganta e uma bola de neve nos meus prnsamentos. Nunca que eu iria descontar minhas frustrações nela, a menina que meus pais sempre e em incontáveis vezes procuraram. Eu os amo, os únicos que realmente acredito de dedinho jurado que me amam como ninguém me amou.

Traços de menina meiga fazem meus olhos vacilarem em meio dessa pequena vingança, ciúmes sinto sempre que penso que taehyung pode estar à abrigando em sua casa. Me sinto traida. As vezes posso ser grossa com a mesma ao lebrar daquilo… mas ela me convenceu com sua vivacidade no olhar, sua alegria, sua gentilesa e até fofura, tudo que lembra mamãe, a voltar atrás.

Cheguei finalmente em uma conclusão, focarei somente em quem me afetou de um jeito irreparável. Pode ser bobo, mas talvez tenha ainda um pingo de esperança do meu taetae me querer de volta. E o único caminho que vejo é o ciúmes!


            ╾╶╶ ❃ ⚘ ❃╶╶╶╼


—Vou te deixar aqui. Se quiser que eu te acompanhe…–olho para minha irmã, a mesma estaria tirando seu cinto.

—Não!–diz rapidamente.

—(…)

—Opa… quero dizer que não precisa, é um pouquinho longe ainda… e outra! já foi muita gentilesa sua me deixar aqui.

—Ok, se quer assim que assim seja.–retiro meu cinto de segurança para dar um abraço em S/N, de despedida, mas vejo outra coisa enquanto à abraço. Um homem que vi em uma festa, vinha conversando com um outro no hall da Always a hit.

   Olho novamente na mesma direção e...

Que?! Aquele cara de novo? O que ele faz aqui? Como era o nome dele mesmo? Kook... jun... Jungkook, isso! Espero que ele não me veja, aquele chiclete!

—Jun-... –sem querer, quase que me escapa o nome de minha boca.

—O que foi?

—Nada… só vi uma pessoa conhecida, nada demais.


(…)


               ⊱❂⊰JIMIN ON:⊱❂⊰


Hall da always a hit…


—Foi tão… tão maravilhoso aquela sensação, sabe, uma sensação nova de ter algo que te complete de verdade!–jungkook faz uma feição maliciosa.

—Então você dormiu com o seu amorsinho?! Hmmm…–diz fasendo um som de zoação.—Vai pra frente esse casinho de vocês ou pretende deixar ela para taehyung? Em.

—Calma cara, tudo no seu tempo! Hoje vou jantar com ela e ai…

—E ai o que jimin? Desembucha pow! Quero saber.

—Curioso você em jung! Depois eu conto… se der certo, claro.

—Ei! Quem mandou você atiçar o junkzinho aqui? Em!–dou um leve soquinho no ombro de jungkook e nós caimos na gargalhada sem motivo.

—Junkzinho? Ha ha ha… piada mesmo ha ha…

É realmente engraçado pensar que esse apelido lhe cai bem.

—Jimin! Ei, ei! Aquela ali não é a rosie e a s/n?–recebo um tapinha no ombro e olho na direção em que jungkook aponta.

As duas se abraçavam dentro de um carro.

—Sim! Por quê a garçonete estaria com a s/n? Espera…

Garçonete… festa… jungkook… S/N? O que está acontecendo?!

—Jiminzinhoo!–diz afoito.—Ela, ela é a que estava na festa comigo. Rosie estava lá! Não sei o por quê encontrei ela com os meninos.–diz com um rosto esperançoso. E ainda continuava me dando alguns tapinhas frenéticos no ombro.—Você acha que poderia ser o destino?

Ah, agora pronto. Acho que o cupido atigiu a flecha no lugar errado! Deve ter atingido no celebro e tirado um parafuzo de juizo dele, só pode. Ela o ignorou todas as vezes… Mas fazer o que, né. Se ele realmente gostou dela, o que me custa dar uma ajudinha.

—Você só pode ta de brincadeira né?!–risos.—Mas se quiser… eu posso ajudar você a conseguir o número dela.

—Tu acha que sou devagar desse jeito?–ele sorri e tira seu celular do bolso, o mesmo me mostra um número de telefone, seu rosto esboçava um sorriso maroto.—Viu?! É o número dela ha ha.

—Uou, nunca achei que você seria tão rápido quanto eu!–ele ri e guarda o celular no bolso da calça.

Olho novamente para o carro onde as duas estavam e S/N saía do veículo rapidamente. Aparentemente não me viu, isso me deixou um pouco afetado de alguma forma, mas nada que me fizesse esquecer que à veria novamente hoje a noite.

—Vou lá falar com ela… –jungkook me interrompe e anda rapidamente na direção do carro de rosie.—Vou lá!–diz animado, mas logo esse sorriso se apaga ao ver a mesma acelerando o carro e saindo do local rapidamente.

Não é por nada… mas parece que ela fugiu dele.

—Droga!–fala frustrado.

Passo as mãos em suas costas tentando amenizar a situação, mas jung se vira com um sorriso incomum no rosto e me puxa pelo braço dizendo que iria contar como conseguiu o número da garçonete. Seu sorriso não se apaga tão fácil, ele é um amigo e homem persistente no que faz, alegre.
Como estavamos no hall da empresa, ele me puxou para um dos bancos do mesmo e nós nos sentamos. Ele parecia disfarçar muito bem sua tristeza, mas como somos amigos desde sempre, nunca que eu iria deixar de saber como isso lhe afetava, ser ignorado pela garota que gosta.

—Então… –ele passou as mãos nos fios de seu cabelo e se inclinou. Logo começou a contar sobre a tal festa.

(…)



Notas Finais


Jungkook corno manso? Kkkk o que acham?

     Até o próximo capítulo! ☕🐇


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...