História Hearts Full of Madness - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bendy and the Ink Machine, Cuphead
Tags Cendy, Cuphead, Estúdio Stardark, Muris, Ozzix
Visualizações 127
Palavras 2.555
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpa a demora, fiquei sem internet ;-;

Capítulo 4 - Primeiro Assassinato


Fanfic / Fanfiction Hearts Full of Madness - Capítulo 4 - Primeiro Assassinato

– New York • Apartamento de Bendy • Bendy –

Continuávamos a conversar na cama, Cuphead me contou sobre sua infância, adolescência e toda a sua vida naquele hospital psiquiátrico. Falei para ele sobre minha vida também, conversamos sobre muitas coisas, é gostoso conversar com ele, mesmo sendo meu paciente. Eu ainda permanecia em Cups, deitado, passando a mão em seu peito enquanto quase pegava no sono.

Cups:” Não quer ir dormir agora não?”

Olhei para os olhos de Cuphead, soltei um bocejo e me ajeitei em seu peito.

“ Quero não.” – Bocejei novamente – “ Quero continuar conversando com você.”

Cups:” Amanhã continuamos, vá dormir.”

Senti os braços de Cups me abraçarem, meus olhos estavam ficando pesados, me sentei na cama e tentei levantar. Cuphead me puxou para perto dele, nos cobriu com a coberta e me abraçou mais ainda. Tentei me levantar mais uma vez, fui puxado para a cama outra vez, o encarei sério e irritado.

“ Posso ir ao meu quarto?”

Cups:” Fique comigo mais um pouco.”

“ Cups, quero dormir...” – Bocejei – “ Me deixe levantar.”

Cups:” Boa noite, doutor.”

Dei o meu último bocejo e cai em um sono profundo, abraçado em meu paciente.

– New York • Apartamento de Bendy • 06:00 • Cuphead –

Acordei de manhã sentindo o meu pé sendo puxado, levantei minha cabeça e olhei para os meus pés. Bendy estava tentando me acordar, ele já estava trocado e de cabelo penteado. Me sentei na cama e me despreguicei soltando bocejo.

“ Bom dia, doutor Bendy!” – Abri um sorriso meigo – “ Que horas são?”

Bendy:” Bom dia, Cuphead.” – Soltou meu pé e ficou sério – “ São umas seis horas da manhã.”

“ Por que essa cara?”

Bendy:” Sabe muito bem porque!”

“ Sinto muito em dizer isso, mas eu não sei mesmo.”

Bendy:” Você me fez dormir com você ontem a noite!”

“ E o quê isso tem de errado?”

Bendy:” E se Alice nos pega? Como fica? Sorte a minha ter acordado antes que ela!”

“ Teria diferença nenhuma.”

Bendy:” Quero que se comporte! Me ouviu bem?”

“ Caramba!” – Cruzei meus braços e olhei para o canto irritado – “ Não gostou de ter dormido comigo?”

Bendy:” S-Se g-gostei?” – Corou um pouco, virando o rosto – “ C-Claro que não!”

“ Não adianta mentir, doutor.” – Olhei fixamente para Bendy, mostrando meu sorriso malicioso – “ Seu rosto vermelho já entrega tudo.”

Bendy engoliu seco e se virou de costas a mim, me levantei da cama e fui em direção ao doutor, colocando minha mão em seu ombro.

“ Não negue algo tão óbvio, meu doutor, sei o que está escondendo.”

Bendy:” Q-QUE?!!” – Deu um tapa na minha mão assustado com minha palavras – “ Estou escondendo nada!” – Olhou para o meu corpo – “ Você estava pelado quando fomos dormir?! – Arregalou os olhos chocado – “ Não acredito que dormir com um homem pelado!”

“ Vou ignorar o seu comentário.”

Bendy:” Ótimo!” – Foi para a porta – “ Cuphead, posso te fazer uma pergunta?”

“ Que pergunta?”

Bendy:” De onde vieram essas cicatrizes?”

“ Cicatrizes?” – Olhei o meu peito nu, cheio de cicatrizes – “ Ah, essas cicatrizes? Foram... acidentes!”

Bendy:” Acidentes? Me parecem cortes de lâminas, além de algumas queimaduras.”

“ Eu era uma criança muito travessa, digamos...”

Vamos ver por quanto tempo ele irá acreditar nessa mentira.

Bendy:” Entendi.” – Saiu do quarto – “ Falando nisso, o café da manhã está pronto!”

“ Já estou indo, só irei me trocar.”

Bendy:” Venha logo, antes que a comida esfrie.”

Bendy desceu as escadas, me deixando sozinho no quarto, fechei a porta do quarto e fui ao armário me trocar. Coloquei uma blusa cinza e uma calça de moletom vermelha, arrumei minha cama e sai do quarto, descendo as escadas em direção à cozinha. Encontrei Bendy sentado na mesa enquanto Alice enchia as xícaras de café.

Alice:” Bom dia, Cups! Dormiu bem?”

“ Bom dia, Alice!” – Lancei um olhar de perversão para Bendy discretamente de Alice – “ Dormir muito bem sim, Alice, foi a melhor noite que já tive.”

Bendy acabou se engasgado com a torrada que comia, ele possui algumas vezes e tomou um pouco de café para disfarçar o seu coramento.

Alice:” Que bom!”

Me sentei ao lado de Bendy e peguei uma torrada entre várias do prato no meio da mesa.

Alice:” Bendy, você tem algum paciente hoje?:

Bendy:” Tenho, o senhor Leopoldo.”

Alice:” O maluco das borboletas assassinas?”

Bendy:“ Não o chame assim! Coitado do senhor Leopoldo!”

“ Borboletas assassinas?”

Bendy:” Ele diz que vê borboletas tentando o matar.”

“ Sério? Borboletas? Como elas...”

Bendy:” Nem pense nisso!” – Me interrompeu – “ Quanto mais você pensar nisso, mais confuso irá ficar.”

Alice:” Isso é pouco em relação o que Leopoldo já viu.” – Começou a segurar o riso – “ Acredita que ele viu, uma vez, um cachorro ninja com um sabre de luz jogando Hadouken pela boca enquanto cavalgava em um dragão esqueleto?”

Me engasguei com a torrada ao tentar segurar o riso.

Bendy:” Como sabe disso?”

Alice:” Li as suas anotações sobre ele.”

Bendy:” Alice! Não é para ler minhas anotações sobre meus pacientes! Isso é algo que eu guardo entre eu e meu paciente!”

“ Cachorro ninja? Que viagem é essa?” – Comecei a morrer de rir – “ Socorro!”

Alice e eu começamos a gargalhar na mesa, Bendy queria bater em nós dois, o pequeno estava enraivecido enquanto mexia sua perna inquieto ao beber a sua xícara de café.

Bendy:” Já acabaram?”

Alice:” Ainda não!” – Respirou fundo, tentado controlar o riso – “ Pronto, acabei!”

Bendy:” Vocês são cruéis.” – Seu telefone começou a tocar – “ Quem será?” – Se levantou – “ Só um minuto.”

Bendy pegou o celular e atendeu o telefonema indo para a sala, eu e Alice ficamos nos encarando por um tempo. Não aguentamos e voltamos a dar risada.

Alice:” Cachorro ninja e um dragão! Essa é boa!”

“ Será que esse cachorro é um Jedi? Para ter um sabre de luz.”

Alice:” Eu não sei, mas queria ter um cachorro desses!”

“ Que loucura, ainda bem que nunca vi essas coisas!” – Voltei a ficar sério – “ Bom, nunca vi, mas ouvi.”

Alice:” Desse gênero? Você ouve vozes?” – Ficou preocupada – “ Que tipo de coisas elas dizem?”

“ Ah...” – Dei os ombros – “ Coisas, apenas coisas.”

Bendy:” Voltei! Era o meu irmão, o Boris.” – Ficou ao meu lado – “ Leopoldo teve um ataque na farmácia, jogou os remédios no chão, gritou ‘morte às borboletas’ para os seguranças e tentou esquiar em um cachorro.”

Alice:” Wow...”

“ O cara está... nem sei o que falar.”

Alice:” Ah! Bendy, o Cups está ouvindo coisas.”

“ O que? Estou ouvindo não!”

Alice:” Você acabou de me dizer isso!”

Bendy:” Cups, o que você anda ouvindo?” – Começou a passar mãos em minhas costas – “ Vamos, pode confiar em mim.”

“ Sei disso, mas o melhor é você ir ajudar Leopoldo, depois falamos disso.”

Bendy:” Está certo, irei ajudar Leopoldo.”

Alice:” Irei ser a babá do Cuphead, não se preocupe.”

Bendy:” Não o deixe sair de casa.”

“ Pessoal, não sou criança!”

Alice:” Não o deixarei, não precisa se preocupar.”

Bendy:” Não vou.” – Foi até Alice e a abraçou – “ Tchau Alice.” – Foi até mim e me deu um abraço – “ Tchau Cups.” – Me abraçou forte – “ Te vejo depois.”

“ Tchau, Bendy.”

Bendy:” Vou dar um jeito no Leopoldo, depois eu converso com você.” – Se separou do abraço, indo para a porta – “ Até daqui a pouco.”

Bendy saiu do apartamento, deixando Alice e eu a sós.

Alice:” É cada coisa.”

“ Tenho medo de ficar como esse Leopoldo.”

Alice:” Irá ficar não! Bendy está te ajudando.”

“ Tomara.” – Me levantei – “ Vou ao meu quarto, vou pegar um livro para ler.”

Alice:” Tudo bem, qualquer coisa é só me chamar.”

“ Obrigado pelo café da manhã.”

Alice:” De nada.”

Alguém bateu na porta.

Alice:” Eu atendo.” – Se dirigiu até a porta e olhou no olho mágico da porta – “ Esse cara de novo não!” - Olhou para mim – “ Pode ir ao seu quarto, eu resolvo esse problema.”

“ Tem certeza?”

Alice:” Claro!”

“ Quem é?”

Alice:” Quem é?” – Engoliu seco – “ Apenas um cara, nada de mais.”

Olhei para Alice desconfiado, andei até a escada sem tirar meus olhos dela. Que homem é esse? Por acaso seria um amante dela? Se for, irei matar Alice e esse cara aí! Enganar o coitado do Bendy? Onde já se viu? Ignorei meus pensamentos subindo as escadas enquanto Alice abria a porta conversando com o homem atrás dela.

– Alice –

Abri a porta com tudo, Jonas entrou no apartamento furioso e com seus punhos fechados. Fechei a porta e me encostei nela, cruzando meus braços e mudando minha expressão para uma mais séria e irritada. Jonas sempre quis ter algo comigo, mas não gosto dele! Sempre fomos amigos e essas coisas, só que nunca tivemos algo a mais, mesmo ele querendo isso.

“ O que faz aqui, Jonas?”

Jonas:” Por que não atende minhas ligações?”

“ Porque não quero algo com você.”

Jonas:” Por que não?” – Se irritou mais ainda – “ É por causa daquele seu maridinho, certo?”

“ Certo.”

Jonas:” O que ele tem que eu não tenho?!”

“ Classe? Inteligência?”

Jonas:” Ele não gosta de você! Não vale a pena ficar com ele!”

“ E vale a pena ficar com você? Sei da sua reputação com suas namoradas, mandou até uma para o hospital.”

Jonas:” Vamos lá, Alice.”

“ Não.” – Desencostei da porta e a abri – “ Anda, não quero você aqui.”

Jonas:” Se é assim...”

Jonas foi até a porta e a fechou.

“ O que está fazendo? Mandei sair!”

Jonas:” Nenhuma mulher manda em mim.” – Tirou um canivete de seu bolso – “ Já te falei que não aceito não como reposta.”

“ Jonas?” – Me afastei com medo – “ O que irá fazer comigo?”

Jonas tapou minha boca rapidamente com sua mão.

– Cuphead –

Enquanto lia um livro de romance em minha cama, comecei a ouvir algum gemido, um gemido abafado pedindo por ajuda vindo de baixo. Eu meio que tenho uma audição diferenciada dada pessoas, consigo ouvir até a conversa do vizinho do prédio ao lado sem problemas. Como consigo ouvir qualquer coisa? Longa história. Desci da cama colocando meu livro nela, saí do quarto e fui a ponta da escada.

“ Alice? Você está bem?”

Ouvi passos pela cozinha, com um silêncio desses, deu para perceber que há algo de errado. Voltei ao meu quarto correndo e tirei de dentro do meu travesseiro um facão, voltei para a ponta da escada e a desci lentamente, olhando para todos os lados. Não havia ninguém.

“ Alice? Onde você está?”

Alguém tentou me dar um soco nas minhas costas, me desviei do ataque e enfiei o facão em seu peito, sem pensar duas vezes. Tirei meu facão do peito do homem, ele me olhou enraivecido e com sua mão em seu peito tentando conter seu sangramento.

“ Quem é você e o que quer aqui?”

Jonas:” Merda! De onde você tirou essa faca?”

“ Eu sempre a levo comigo.”

Jonas:” Você é maluco? Quem anda com um facão o tempo todo?”

“ Eu?”

Alice:” O que você fez?” – Apareceu atrás de Jonas – “ Você anda esfaqueando os outros?”

“ De vez em quando.”

Jonas:” Você é doente!” – Olhou para a Alice – “ E não terminamos ainda!”

Alice:” Fique longe de mim, Jonas!”

Jonas:” Se você não for minha, será de ninguém!”

Alice:” Sai fora seu psicopata!”

Jonas:” Chega!” – Pegou bruscamente no braço de Alice – “ Você vem comigo!”

“ Opa!” – Pressionei meu facão contra o seu pescoço – “ O que pensa que está fazendo? Isso é jeito de tratar uma dama?”

Jonas engoliu seco, soltou Alice e olhou para mim apavorado.

“ Saia daqui ou arranco seu coração hoje.”

Jonas:” Você não teria coragem.”

Senti algumas dores de cabeça, o enjoo tomou conta de mim enquanto comecei a suar frio.

Vozes:” Cuphead, por que não dê uma lição nele?”

As vozes em minha cabeça voltaram, elas me forçam a fazer um monte de coisas horríveis com as pessoas. Tento as ignorar, mas suas vozes ficam cada vez mais altas e irritantes, então faço o que elas me pedem.

Vozes:” Homens como ele não merecem viver, não concorda?”

Alice:” Cuphead? Você está bem?”

Jonas:” Esse cara é louco! Não falei?

Vozes:” Jonas irá matar Alice se não fizer algo, é melhor agir.”

“ Droga...” Resmunguei.

Enquanto passava mau, vi Jonas pegando um canivete, ele se preparou para me atacar e avançou.

Alice:” CUPS!!!”

Enfiei o facão em seu pescoço, jorrou sangue em minha cara toda enquanto o corpo de Jonas caia no chão. Alice deu um grito de susto com a cena e correu até uma parede distante de mim.

Alice:” Você o matou!” – Falou chocada, começando a chorar – “ E agora? O que faremos?”

Vozes:” Bom trabalho, Cuphead, você é um bom garoto.”

A dor de cabeça horrível desapareceu, o enjoo foi embora e voltei ao normal. Olhei para o corpo de Jonas caído no chão sangrando e joguei meu facão no chão, arrependido do que tinha feito.

“ Eu... eu... droga!” – Olhei minhas mãos ensanguentadas – “ Não acredito que me forçaram a fazer isso.”

Vozes:” Deveria nos agradecer.”

Alice:” Vamos ser presos! Não quero ir para a cadeia!”

“ Calma! Não iremos para a cadeia! Irei me livrar do corpo, enquanto isso, quero que limpe o sangue do chão.”

Alice:” Entendi!” – Correu até uma portinha do apartamento, tirando dentro dela um esfregão e um balde – “ Ah! E Cuphead!”

“ Sim?”

Alice:” Obrigada por salvar minha vida.”

“ O que ele queria com você?”

Alice:” Me matar porque eu não o quero! Acredita?”

“ Conheço bem esse tipo de cara.”

Alice:” Vamos logo! Bendy já deve estar chegando.”

– Bendy –

Foi uma luta acalmar Leopoldo, ele não tinha tomado seus remédios e por isso ficou daquele jeito. Agora minha preocupação é outra, tenho que ajudar Cuphead sobre as vozes que o mesmo fica ouvindo. Saí do elevador e fui para a porta de meu apartamento, quando a abri, vi Alice e Cups assistindo TV na sala.

Alice:” Já chegou, amor?”

Cups:” Como foi com o Leopoldo?”

“ Tudo bem, ele matou ninguém hoje.”

Alice:” Que bom!”

“ Ficaram bem sozinhos?”

Cups:” Claro! Alice é uma ótima companhia!”

Stephanie:” Senhor Bendy!”

Olhei para o apartamento ao lado e vi minha vizinha Stephanie, uma lobinha de tinta.

“ Oi Stephanie! Como está?”

Stephanie:” Tudo bem, obrigada por perguntar!”

Olhei para Cuphead, ele estava irritado enquanto morria de ciúmes, ele se levantou nervoso do sofá e subiu as escadas.

“ Stephanie, depois nos falamos, tenho que resolver algumas coisas. Amanhã nos vemos!”

Stephanie:” Está bem!” – Abriu um sorriso simpático – “ Até amanhã!”

– Cuphead –

Me tranquei em meu quarto, corri para a cama e me deitei nela. As vozes tinham voltado com tudo dessa vez, eram mais altas e bem mais assustadoras.

Vozes:” Você viu como aquela garota se atirou em Bendy? Tome cuidado com ela, essa loba pode roubar seu doutor.”

“ Me deixem!”

Vozes:” Vamos lá! Mate a v****zinha! Ela não fará falta mesmo.”

“ Não sou assassino.”

Vozes:” Sempre foi, Cups, e sempre será.”

Peguei o meu facão de meu travesseiro e fiquei o encarando.

Vozes:” E então? Irá dar um fim na pivete?”

“ Vocês ganharam...” – Deixei o facão na cama – “ Darei um fim na intrometida sim.”

















Notas Finais


...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...