História Heiress - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Draco Malfoy, Fred Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Jorge Weasley, Personagens Originais, Ronald Weasley
Tags Harry Potter, Lily Collins
Visualizações 48
Palavras 1.859
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo
Avisos: Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 23 - Chapter Twenty-Two


- Capítulo 22 -

Um pouco da história


Amália suspirou aliviada quando voltaram à pisar no chão do banheiro da Murta que Geme. Logo foram recebidos pelo Sr. e Sra. Weasley que pareciam estar em êxtase com a volta da filha e não pararavam de agradecer Harry e Amália.

A garota acenou e saiu do banheiro. Ela estava feliz, isso era fato, conseguia trazer Gina de volta e novamente derrotaram Voldemort. Mas havia uma coisa que não saia de sua cabeça: As palavras de Riddle que foram dirigidas à ela, queria muito que tudo não passasse de um truque dele, mas algo dentro dela dizia que era verdade, pelo menos uma parcela de verdade.

Enquanto andava pelos corredores à caminho da ala hospitalar, Amália tentava de todas as formas limpar o sangue que voltava a escorrer de seu ferimento na testa. No começou, enquanto estava na Câmara, não parecia tão sério como agora, talvez a adrenalina não a tenha deixado sentir. Os olhares que recebiam dos outros alunos não incomodou tanto como antes, era melhor assim. Melhor eles pensarem que estavam errados e ela não é a Herdeira da Slytherin como diziam aos quatro cantos, deixem que pensem assim.Suas vestes sujas e em partes rasgadas foram o motivo dos cochichos dos alunos, principalmente seus colegas da Sonserina.

-Amália!

A voz em coro fez a garota se virar, e do final do corredor vinha duas pessoas iguais correndo na direção dela. Fred e Jorge sorriam quando alcançaram a morena. Jorge foi o primeiro a abraçá-la. Amália riu um pouco da força que recebeu com o abraço, que a fez dar um passo para trás e se firmar no chão.

-Tudo bem, minha vez de abraçar a Herdeira da Slytherin! - Fred exclamou em tom de brincadeira ao empurrar seu irmão para o lado

-Fred! - a garota repreendeu quando notou os olhares para eles

-Força do hábito - balançou os ombros, despreocupado e puxou a moça para um abraço. O abraço que durou mais que anterior.

-Se eu soubesse que teria sido tão receptivo…- brincou ela - Já teria entrado naquela Cam…

Sua fala se perdeu quando Fred segurou os lados do rosto dela e puxou para um beijo, Amália sorriu e retribuiu quase que ao mesmo tempo.

-Finalmente! - Exclamou Jorge enquanto seu irmão e sua amiga continuavam se beijando.

A questão era; os alunos começaram se aglomerar no corredor, impedidos de passar pelo casal que continuava se beijando e um Jorge muito feliz.

-Muito bem… - O gêmeo se aproximou do casal, olhando para eles -…Eu acho que vocês já se beijarem tempo suficiente que um humano é capaz de aguentar…Gente? - Cutucou o ombro de Fred que o empurrou com um uma mão enquanto sua outra estava colocada muito confortavelmente na cintura da morena -…Vou contar para o Harry…

Jorge revirou os olhos e ficou parado no mesmo lugar até seu irmão e Amália se afastarem. Os dois olharam inocentemente para o outro gêmeo.

-O que perdemos? - Fred perguntou com a testa enrugada

-Folego - respondeu o outro gêmeo - E acho melhor levarmos a senhorita beijavel para a Madame Pomfrey.

-É verdade, eu tenho um machucado na testa - Amália disse. Havia esquecido do ferimento

- Bem, vamos ir, então - Fred deu um singelo beijo na bochecha de Amália e a arrastou para a enfermaria.

-Sério? Vocês simplesmente ficaram minutos se beijando no caminho de todos e agora é só um beijo na bochecha? - Jorge os seguiu reclamando

- Vamos perder mais tempo se ele me beijar daquela forma de novo - Amália disse

- Eu sempre guardo o melhor para o final - Fred piscou o olho para a garota

-Santo Merlin - resmungou seu gêmeo - Eu vou ter que aguentar isso, agora?

-Com certeza - Confirmou a garota

-Que ótimo! - Exclamou jogando seus braços sobre os ombros de seu irmão e sua nova cunhada - Estou torcendo por vocês desde que nos conhecemos no Expresso Hogwarts...

O mesmo desatou a falar durante o caminho inteiro. Estava literalmente muito feliz por seu irmão e amiga finalmente tomarem uma atitude.

~•~

O espelho do banheiro feminino deve ter se cansado de ver a imagem de Amália. A garota ficou por longos minutos olhando o curativo que Madame Pomfrey havia feito nela, no final das contas não era um machucado sério e que apenas dois pontinhos resolveram. Claro que teve que ouvir as piadas dos gêmeos enquanto era feito seu curativo: ( "Veja o lado positivo, agora vai ter uma cicatriz na testa como seu irmão." )

Enquanto Harry, Rony e os Weasley estavam na sala de Dumbledore, Amália resolveu por escolha própria ficar de fora daquela reunião. Todos os créditos por ter salvo Gina, matado o basilisco, e por ventura derrotado Voldemort, foram para Harry. Amália achou melhor que fosse assim, seu irmão é o escolhido, nada mais justo ele ser o herói de Hogwarts.

Amália não havia se aguentado e perguntou sobre suas amigas, Madame Pomfrey alegremente disse que a poção de Mandrágoras havia funcionado. No momento, tudo que Amália queria era encontrar com Hermione e Christie, mas soube que Christie já havia retornado para casa.

Quando a reunião terminou, Amália estava esperando na porta do lado de fora. Os Weasley saíram primeiro, Molly quase esmagou a garota em um abraço, Arthur agradecia muitas vezes e Gina abraçou a garota logo depois da mãe, enquanto o pobre Rony se desculpava por seus pais. Lucius Malfoy foi o próximo a sair, o olhar frio que Draco herdou, encarou a moça que revirou seus próprios olhos ao ver o diário de Riddle que ela mesma furou. Em seguida veio Harry.

-Por que não estava com a gente?

-Tive que passar na Madame Pomfrey - Amália apontou para o delicado curativo na testa - Acho que não vai ser em forma de raio.

-É verdade? - perguntou Harry de repente. Amália o olhou confusa e ele continuou - O que Riddle disse, sobre você ser a Herdeira da Slytherin, ter o sangue de Salazar…

-Claro que não - disse depressa - Riddle é mentiroso, Harry. Obviamente disse aquelas coisas para ver se conseguia alguma coisa de mim.

-É isso mesmo? - Harry disse desconfiado

-É uma coincidência eu ter ido para a Sonserina, apenas isso - Garantiu ela - Mas agora eu preciso falar com Dumbledore, deve estar esperando minha visita.

-Tudo bem.

- Harry? - Chamou antes que ele fosse - Fred quer falar com você.

-Sobre?

-Não sei, pergunte à ele.

E com isso se afastou.

Amália bateu duas vezes na porta, enquanto esperava, sentia sua mão tremer, na verdade seu corpo inteiro tremia de nervosimo. Tinha tantas perguntas para fazer e não achava que existisse alguém melhor para responde-las do que Dumbledore.

Quando escutou um "entra" do bruxo, respirou fundo e fez o que ele mandou. Dumbledore lhe esperava sentando em sua cadeira em frente à mesa, um pequeno sorriso apareceu em seu rosto quando viu Amália entrar em sua sala.

- Esperava que a senhorita aparecesse à qualquer momento - Disse ele, a olhando por cima de seus óculos de meia lua

-Tenho algumas perguntas - disse por fim, antes que sua coragem desaparecesse - Quero saber se o senhor está disposto a responde-las…

-Sente-se.

E assim ela fez. As mãos posicionadas no seu colo, apertando uma na outra. Durante alguns minutos ficou em silêncio, pensando em como deveria começar.

- Eu...o senhor sabe sobre Riddle e…- Começou ela, tentando formular uma frase coerente - Eu…ele me disse que eu e Harry somos parecidos com ele…existe alguma chance mesmo que pequena de isso ser verdade?

- Não - respondeu com firmeza - Eu via através dele, consigo enxergar o mal em seus olhos. Mas quando olho para você ou Harry, tudo que eu vejo é a bondade, a bondade que Tom nunca chegou perto de ter. Vocês dois são superiores à ele.

Amália suspirou aliviada. Mas isso não era a única coisa que a preocupava…

-Ele também me disse que compartilhamos algo, que nosso sangue é o mesmo e que eu fui feita para substituir o herdeiro - Amália riu sem humor - Mas isso é mentira, certo? Não tem a mínima chance de eu compartilhar algo com Voldemort. É mentira, não é professor? Eu e Riddle não temos esse vínculo que ele disse. Fui colocada na Sonserina por acaso…me diga, professor, me diga que é mentira…

No fim Amália parecia implorar para ouvir aquilo que ela queria.

-Não é mentira - Dumbledore falou, enrijecendo sua postura - Infelizmente não é. Tom é mentiroso sim, engana as pessoas, mas ele lhe falou a verdade.

- Eu sou filha do James e da Lílian, não tem como eu ter o sangue dele - argumentou - Como…como que isso pode ser verdade?

Dumbledore ajeitou- se em sua cadeira e encarou a morena por alguns instantes antes de começar.

-Tom tinha uma irmã. O nome dela era Ophelia, uma bruxa excelente, apenas um ano mais nova que Riddle. Uma garota inteligente mas com as mesmas atitudes de seu irmão. Ophelia infelizmente tomou decisões que nunca iríamos concordar - Disse ele

-Que decisões? - hesitante, ela perguntou

-Depois que Tom fez o que fez, Ophelia sumiu. Ninguém nunca mais ouviu falar dela, muitos anos depois soubemos que ela usou magia negra para se manter sempre jovem. Ela se relacionou com outro bruxo, acabou engravidado de uma garotinha que mais tarde veio para Hogwarts e ficou na Sonserina, quando saiu daqui, Ophelia usou um sobrenome falso durante muitos anos, o sobrenome que ela usou para se apresentar ao pai de sua filha.

-Desculpe professor, mas o que isso tem haver?

- Você leu o diário que ganhou de Natal? - perguntou profundamente curioso

- Como o senhor sabe do…- Amália se interrompeu quando viu um pequeno sorriso no rosto do diretor - O senhor me presenteou ele?

-A garotinha sobrinha de Riddle e filha de Ophelia, é você, Amália.

O mundo parecia ter parado naquele momento. De todas as coisas, isso era o que Amália nunca poderia suspeitar. A respiração de Amália ficou presa e ela sentia que não pudesse mais respirar, seu rosto perdeu a cor rosa-claro que antes tinha. Se agarrou forte à cadeira que estava sentada, tal força que seus dedos haviam ficado brancos.

-É mentira…o senhor não sabe do que está falando - conseguiu dizer, mesmo com a voz quase inaudível - Isso não é verdade…

Dumbledore caminhou até uma pequena mesa no canto e serviu uma taça de água para a mais nova. Mesmo com as mãos trêmulas, Amália aceitou e bebeu toda a água que havia na taça.

-Sinto muito ter lhe dado essa informação, Amália - disse ele - Não sou a pessoa certa para lhe contar tudo. Termine o diário de Ophelia, você poderá entender sua história.

Amália balançou a cabeça levemente. Deixou a taça sobre a mesa e levantou quando sentiu que suas pernas não iriam ceder. Ela tinha que sair, tinha que sair o mais rápido possível dali.

  Ela não era filha das duas pessoas que mais admirava no mundo...o pior de tudo, ela não é irmã de Harry…


Notas Finais


Espero que gostem e até o próximo ❤🐍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...