1. Spirit Fanfics >
  2. Hell >
  3. O tempo não cura o amor.

História Hell - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


🍑Oi, oi oi
Volteeeeeeei

🍑O motivo do meu sumiço estará nas notas finais, mas de qualquer modo eu peço desculpas desde já <3

🍑Boa leitura.

Capítulo 10 - O tempo não cura o amor.


Fanfic / Fanfiction Hell - Capítulo 10 - O tempo não cura o amor.


Ariel. 


Bastaram-se apenas poucas palavras, logo nós dois já estavamos aos beijos, sem se importar com o que tinha acontecido a alguns dias atrás. Suas mãos tiravam minha fina camisola, enquanto sua boca ainda trabalhava na minha. 

Eu sabia no que daria aquilo, eu sabia que novamente eu estaria em sua cama, e já que estou aqui, e já estamos excitados, não tem porque voltar atrás, eu apenas me entreguei como nas outras vezes, uma última vez. 

E uma primeira noite de núpcias, descente. 

Fica comigo, hun? Seja minha por mais uma noite? — pergunta, ainda entorpecido de prazer, ofegante de tanto me beijar. 

Ainda inebriada pela onda de prazer que me invadiu ao ter um orgasmo, devido aos seus dedos trabalhando genuinamente em meu clitóris, eu assinto mordendo o lábio, só esperando que ele me possua. 


E lá estava eu, errando outra vez



Alguns dias depois. 


Ariel. 


Eu andava de um lado para o outro, ainda trêmula. Rezava baixinho para que Deus me ajudasse daquela vez, céus eu nunca estive tão nervosa como agora. Jazzy me observava ainda com medo, o teste de gravidez estava a um metro de distância de nós duas, já haviam se passado 10 minutos, e nenhuma de nós tinha coragem de ir lá conferir. 

— Eu vou, chega dessa palhaçada! — ela faz menção de ir até o teste, mas eu a seguro pelo braço e vou, eu precisava encarar a verdade. 

Ao ver os dois risquinho, eu não consegui me conter, uma crise de choro me atingiu, e tudo que eu pensava era em como minha vida mudaria depois daquilo. 

— P-positivo. — digo, para minha irmã que leva as duas mãos na boca, tentando conter seu espanto. 

— V-você tá grávida! 

Aquela palavra me assombrava, aquilo não podia ser real, aquilo era como pesadelo. Obviamente eu queria ser mãe, mas não nessas circunstâncias, e não agora. O indicador se semanas me condenava, eu estou fodida. 

Um mês. 

Fecho os olhos com força ao ouvir Jazmyn pronunciar. Era dele. Nego diversas vezes, socando a cama, enquanto me amaldiçoava. Tudo menos isso. 

— Ariel, você só está casada a 15 dias, e... Não. Meu Deus, me diga que não é o que eu estou pensando, é? — finalmente a ficha dela parece cair, minha irmã leva novamente as mãos a boca, enquanto me olhava assustada. — Mas que porra, está grávida do Justin. 


Aquela frase fez meu corpo tremer dos pés a cabeça, eu havia assinado minha sentença de morte. Eu havia feito a maior besteira do mundo. 

Mamãe era uma socialite conhecida no mundo todo, ela é casada com Jeremy Bieber, o CEO das perfumarias Biebers. Nossa vida era rodiada de mentiras, ninguém sabia que as empresas e os investimentos, são para lavar o dinheiro que ambos ganham com os prostíbulos e roubos. 

A vida de fachada não poderia ser manchada com nenhum escândalo. Justin é o marido de Ariella, Jazzy é a filha mais velha que está em uma ótima faculdade, Arielle está tentando seguir os mesmos passos, mas também está a mira de um casamento com Josh, e eu, bem... Eu me "apaixonei" por Sam Bianchi, herdeiro das minas Bianchi. 

Era isso que vivia sendo falado nas mídias sociais, era essa história de mentira que todos acreditavam. Eu não poderia nunca desmentir, imagine o escândalo que seria, ao descobrir que eu, a irmã mais nova de Ariella Bieber, estou grávida de seu marido. 

Seria uma mancha terrível, no currículo perfeito que a família Bieber/Winter tanto preservam.  Muitas pessoas nos conheciam como realmente somos, mais ninguém era louco o suficiente para nos expôr. Era tudo feito corretamente, e ninguém desconfiava de Ariane, ninguém desconfiava que eu sua filhinha mais nova, sou a sereia mascarada, que dança todas as noites em seus boates, e que as vezes faz programas com homens que tem dinheiro para pagar por uma noite. 

A vida que eu levava, não era brincadeira, um passo em falso e eu poderia botar tudo a perder. Eu teria que mentir, se eu contasse a verdade sobre a paternidade do bebê, Justin iria querer assumi-lo, isso viraria um escândalo, Sam me deixaria e eu teria que voltar a vida de antes, e com isso eu colocaria a vida do meu bebê em perigo, já que ele cresceria no mesmo ambiente tóxico que eu.

Justin não saberia, ninguém saberia, seeia um segredo meu, para proteger a mim e a criança que eu carrego no ventre. 

— Não faça isso. 

Jazzy pede já sabendo qual minha decisão, eu não voltaria atrás, era a vida da minha criança que estava em jogo, e por mais que eu a indesejasse, eu não podia arrisca-la. 

— É necessário. Sam não irá desconfiar. — digo enxugando as lágrimas. — Justin também está formando uma família, logo, logo Ariella terá o bebê que eles estão esperando, e tudo ficará bem. 

Jazzy bufa irritada. 

— Ela não está grávida, Ariel. — aquilo me assusta. Era mais uma mentira, de Ariella para manter Justin preso a si? — Nunca esteve. Ela mentiu sobre isso também. 

— Justin já sabe? — questino assustada, preocupada com a possível reação que ele terá. 

— Foi no primeiro dia da lua de mel, ela disse que sofreu um aborto espontâneo, após menstruar. Justin obviamente acreditou, e um médico foi até lá, ela pediu para ser atendida sozinha e mentiu para o idiota. — solta de uma vez, me fazendo ficar incrédula. Aquilo era horrível, baixo demais até para a minha irmã. 

— C-como? Meu deus, isso é horrível. Como sabe disso? — questino ainda impactada com tanta informação. 

— As vídeos chamadas são gravadas quando se usa o notebook da empresa, Arielle fez uma rápida ligação com Ariella, e lá ela contou tudo. — suspira. — Eu entrei para fazer um ajustes, e achei estranho uma vídeo chamada com Arielle na capa, afinal é um notebook de negócios, apenas a mamãe usa.

— E o que fez com o vídeo?

— Arquivei, mas de qualquer forma ainda está lá. — deu os ombros. — Não é assunto meu. 

— Justin foi enganado, você tem que mostrar para ele! — a indignação em minha voz, fez Jazzy rir. 

— Não vai ser muito diferente do que você vai fazer, não é? Está grávida dele e vai esconder, vai tirar o direito dele de ser pai. — Jazzy estava claramente chateada com a minha decisão, mas aquilo era maior que Justin e eu já havia feito minha escolha. 

— É completamente diferente. Justin e eu estamos casados, ele tem sua mulher e eu meu marido. Eu não posso simplesmente dizer a ele que eu estou grávida, já pensou se eu tenho uma menina? Sabe o que eles fazem com as meninas aqui não é? — minha voz vacila ao pensar naquela horrenda possibilidade. 

— Mamãe não faria isso, é neta dela—...

— Quem garante? Eu sou a filha, e ela se usufrui de mim, quem dirá da "filha da Sereia". Com Sam estarei protegida, e meu bebê seja ele homem ou mulher, viverá longe disso, é muito melhor Jazzy. — explico na tentativa de fazê-la entender que eu estou pensando no meu bebê, apenas nele. 

— Certo, mas ainda sim é errado. — ela enxuga suas lágrimas. — Reze para que Justin não descubra, ele nunca te perdoaria. 

Tudo que eu faço é acentir, e me jogar na cama ao lado do teste. Minha vida vai mudar por completo. 




Justin on. 


— A viagem foi incrível, devemos repetir a dose. — Ariella, tagarelava mais uma vez sobre nossa lua de mel, eu já estava farto, precisava me distrair, aquele clima tropical foi bom, mas passa-los ao lado de Ariella foi sem dúvidas, péssimo. — Ai amor, o que acha que passarmos mais um mês? Mamãe não iria se importar, você tem subordinados não tem? — Diz, mordendo o lábio, enquanto me olhava, esperansosa. 

— Amigo, Ariella, amigos. E não, eu não posso deixar Ryan cuidando de tudo, por mais de um mês. Já passei 15 dias longe. — Respondo, cansado mas sem tirar o falso sorriso do rosto, afinal eu não queria que ela percebesse que eu estou odiando essa conversa, e tudo que eu mais quero e chegar em casa e dormir. 

Ela parece deixar o assunto de lado, e começa a tagarelar sobre outra coisa no celular, olhei de relance e vi que se travata de roupas caras e chiques do Instagram. Típico dela. 

Eu estáva morto, dormiria ali mesmo se não tivesse que dirigir, Ariella fez questão de aproveitar a última noite, saimos da festa local as 4 da manhã, fizemos as malas as 06:00 e pegamos os vôo as 08:00, e agora são exatamente 12:00 e eu não dormi nada. 


Eu dirigia tranquilamente — quase dormindo —, quando a conversa que Ariella tinha ao celular, me chama atenção. 

Ariel? Sério? Céus, que rápido não é? —  Minha esposa gargalha. E por conhecê-la a muito tempo, eu sabia que aquela risada não era das boas. — Estamos quase chegando, acho melhor passar no shopping, então, não é? Okay, já, já estamos aí. Beijos, tchau. 


Quem era? — pergunto, figindo não estar interessado. Ela morde o lábio sorrindo de canto. — Por que, está com essa cara? 

— Mamãe, ela me contou uma notícia realmente boa. — ri mordendo os lábios. — Ariel e Sam vão ter um bebê. 

Tive que manter meu auto controle para não bater o carro ali mesmo, minhas mãos tremiam, eu suava frio e minha voz não saia. Ela vai ter um filho, será possível que eu seja o pai? 

Uma sensação ruim e boa me atingiu ao mesmo tempo, é possível que a criança seja do desgraçado do Sam, mas também é possível que seja minha. 

— Vamos passar no shopping, quero dar um lindo presente para meu ou minha sobrinha. — minha mulher diz animada. Eu apenas acinto, ainda nervoso com as incertezas que eram travadas internamente dentro de mim. 




Autora. 



O jardim da mansão estava lotado de garçons, o chá de bebê já acontecia e Ariane comemorava a futura chegada de seu neto. A loira sorria radiante enquanto recebia os convidados. 

Justin e Ariella conversam com alguns amigos quando, Sam e Ariel se aproximaram. 

— Parabéns, irmã. Finalmente terá a família que desejou. — Ariel, sorri contra gosto, e aceita o presente que ambos lhe dão. — Está de quanto tempo?

Aquela era a dúvida que Justin precisava matar, ele queria ter a total certeza, porém estava com medo, medo da verdade, medo de tudo. 

— Uma semana e meia. — aquilo foi como um soco na boca do estômago. No fundo Justin esperava que fosse seu, porém se fosse ele não saberia o que fazer. 

— Ah, Deus. Está no comecinho, que belo. Eu recentemente passei por um aborto espontâneo. — Justin a abraça de lado. — Espero que de tudo certo em sua gravidez. E meus parabéns novamente, papais. — Eles riem, e saem em seguida. 

Bieber estava frustrado. 

Ele a perdeu, perdeu para um novato, em breve ela irá embora, e formará uma família, e o que ambos tiveram será esquecido. 

Talvez seja melhor assim. 






4 anos depois. 

Autora on. 


O clima estava tenso, no quarto nada se ouvia além de soluços e fungadas, Ariel olhava para o chão, com medo e envergonhada demais para encarar o homem que chamava de marido. 

Quando foi que as coisas ficaram assim? Quando foi, que ela passou a aceitar isso? Ok, ela nunca teve escolha. Tudo em sua vida era decidido por alguém, e todas as decisões a machucava. Mas por que isso? Já não bastava tudo que ela passou, desde criança até agora, por que isso? 

Eu estou falando com você, esposinha. — as mãos de Sam agarram seus cabelos, e a puxa para cima, causando na mesma um grito de dor. — Olhe para o seu marido, hun? — ele segura seu rosto com força, obrigando seus olhos azuis se encontrarem com os verdes, carregados de ódio. — Vadia. — ele lhe acerta um tapa. 

Ariel cai novamente no chão, dessa vez cansada de tudo isso. 

Sam... P-por favor. — pede sem forças. — Não aconteceu nada. — a mesma se defende.

O homem ri incrédulo, ele passa a língua sobre o lábio, e o morder, na tentativa de controlar seu ódio. 

O moreno se abaixa, ficando na altura dela, que desvia o olhar, com medo de que ele lhe faça algo. 

Você é minha, entendeu? Eu paguei por você, sua vadiazinha de merda. Se você acha que vai me trair com o filho da puta, do Bieber, você está muito enganada. — rosna, pronto para lhe encher mais de socos e tapas. 

Mamãe, Papai? — a voz angelical, e rouquinha chama a atenção de ambos. — mamãe, porque você tá chorando? 

Sam se levanta rapidamente, e pega o pequeno Finn no colo, Ariel se levanta com dificuldade, e com a maior luta ela tenta sorrir, para não mostrar ao seu pequeno, o que realmente estava acontecendo. 

— Não é nada, bebê. A mamãe estava só brincando com o papai. — a loira diz, tirando seu filho do colo de Sam. 

Seu rosto tá vermelho. — a pequena mãozinha toca as bochechas inchadas, e avermelhadas de Ariel. 

— Nós estavamos brincando, campeão. — Sam beija a bochecha de Finn, fazendo o menino sorrir com o gesto de seu pai. — Fique um pouquinho com sua mãe, e depois desça para o almoço, ok? — o garoto assente, fazendo seus caichinhos sacudirem. 

— Quer brincar de mimica com a mamãe, hun? — Ariel pergunta, fazendo carinho com o nariz no pescoço de seu filho, e gargalha assentindo. 

— Quero, e eu começo. — ele desce de seu colo, procurando o tabuleiro que ganhou de sua avó no natal. 

— Eu volto as 18:00, esteja arrumada e lembre-se, não quero que vista nada extravagante. — Ariel concorda lhe dando as costas. 

A loira morde o lábio, tentando se controlar para não chorar ali mesmo. A uma semana, no resort em que ela, Sam e seu bebê estavam, a mesma acabou encontrando Justin. 

Obviamente a surpresa foi grande. Ele não estava com sua irmã, na verdade todos os dias era uma mulher diferente, mas a aliança continuava em seu dedo. 

Os primeiros dias foram normais, mas hoje cedo... 

Flash back.


São quatro anos, Sereia. Sua mãe fala de você todos os dias. — ele diz, fazendo um carinho bem próximo de seu olho. — Você mudou muito. 

Ariel abaixa o olhar, ela sabia do que ele estava falando. Suas roupas escondiam seu corpo, seu rosto estavam repleto de maquiagem pra esconder o que Sam fazia. 

Você está linda. — ele sussurra contra o ouvido dela, que se arrepia e se encolhe. — Ainda sensível a mim? — pergunta provocador. 

— Justin! — eu o olho repreensiva. — Por favor, não faça isso. — me levanto tentando sair daquela situação. 

Eu estava na piscina de seu quarto, isso por si só já era ruim, mas aceitei o convite, após conversar com ele normalmente por 6 dias, Justin estava diferente, mais maduro, conversamos sobre muitas coisas, parecíamos velhos amigos. 

— Eu tentei me controlar por 6 dias, e eu consegui, mas ter você no meu quarto, na piscina, e não pode fazer nada, isso é demais para mim. — Ele ri. 

— Eu sou casada, e você também, mesmo que isso não te impeça de nada, para mim impede. — Justin ignora totalmente minhas palavras. Ele se aproxima segurando minha cintura, e colando nossas testas. — Jay...

Por favor, Ariel. — sua voz sai manhosa. Com lentidão ele começa a distribuir beijos em meu pescoço, me deixando sem fôlego. — Estou a anos sem você, não me diga que você também não quer isso tanto quanto eu? — suas mãos vão tirando cada botão de minha camisa, enquanto seus dedos deseciam fazendo carinho por toda minha barriga desnuda. 

Sem pensar duas vezes, eu o beijo e o mesmo retribuí, com volúpia, e pressa. 

Fazem 4 anos, e nada mudou. 

Eu estou novamente aqui, gemendo seu nome, como se nada tivesse acontecido, como se eu não fosse casada, como se nós ainda estivessemos na boate. 


Flashback off. 


Eu não acredito que eu novamente me entreguei a ele, eu não imaginava que depois de quatro anos, ele ainda tivesse poder sobre mim, que meu coração ainda o amava. 

Hoje a noite terá um jantar de noivado, finalmente Josh e Arielle vão se casar, e depois de anos recusando os convites, Sam finalmente aceitou, óbvio, ele quer esfregar na cara de Justin a quem eu "pertenço". 

Cretino. 

Hoje eu iria voltar a mansão depois de quatro anos. Mamãe iria finalmente conhecer seu único neto, e minhas irmãs conheceriam seu sobrinho. Todos estarão lá. 

Inclusive ele. 

Suspiro cansada. 

— Mamãe? 

Sou tirada de meu transe pela voz de Finn que me olhava docemente. 

— Que foi bebê? 

— Te amo. 

Meu coração se enche de amor, um sorriso junto com lágrimas surgem em meu rosto. Eu amava meu filho, mais do que qualquer coisa no mundo. 

— Eu te amo muito mais, meu amor. 

O pego no colo enchendo-o de beijos, e carinho. 

Finn estará no mesmo ambiente que Justin, ele veria seu filho, e isso me deixa extremamente nervosa. Céus, que ocorra tudo bem nessa festa. 





Notas Finais


🍑Levanta a mão quem acha que vai dar merda???
Justin e Sam na mesma festa, eitaaaaaaaa, isso não vai prestar hahaha.

🍑Bieber tem um pequeno segredinho, qual será? ....
Prevejo muitas tretas nessa festa.

🍑Eu estive em um bloqueio de um mês, eu não conseguia pensar em nada para esse capítulo, e sinto muito se não saiu tão bom quanto vocês esperavam... Prometo que postarei com frequência agora.

🍑Por favor, não esqueçam de comentar, isso ajuda muito.

🍑Eu estive pensando em fazer uma maratona para a fanfic, com 5 capítulos ou mais, em fim, se vocês quiserem... E só deixar nos comentários <3

Trailer da fanfic: https://youtu.be/gXIeI6dno3o


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...