História Hella Blue! - Capítulo 45


Escrita por:

Postado
Categorias Life Is Strange
Personagens Chloe Price, Frank Bowers, Kate Marsh, Mark Jefferson, Maxine Caulfield, Nathan Prescott, Personagens Originais, Rachel Amber, Ray Wells, Victoria Chase, Warren Graham
Tags Chloeprice, Gay, Katemarsh, Lgbt, Life Is Strange, Love, Maxinecaufield, Nathanprescott, Rachelamber, Victoriachase, Warrengraham
Visualizações 100
Palavras 1.317
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bem, esse é o ultimo de hoje!
Espero que gostem
Com amor , lupin.

Capítulo 45 - Girls on Fire.


Fanfic / Fanfiction Hella Blue! - Capítulo 45 - Girls on Fire.

P.O.V Chloe Price

Eu gostava daquela sensação, Max era tão frágil e sensível. Seu beijo não era diferente.

- Senti sua falta! – suas mãos contornaram meu rosto e voltamos a nos beijar. Aos poucos o beijo se tornou mais rápido e intenso, meu corpo reagia involuntariamente ao contato com o corpo dela – Eu tranquei a porta, não é? – ela acenou com a cabeça positivamente e soltou uma gargalhada.

Eu nunca tinha sentido todo aquele tesão aos toques dela, só que como a mesma correspondia a todas as minhas investidas eu só me deixei levar. Meus lábios tocaram a lateral do seu pescoço e eu escorreguei a língua por toda a extensão dele, ouvi um suspiro extasiado dela e suas mãos entrelaçaram o meu cabelo.

- Te certeza de que está apta? – seu olhar transmitia toda a sua vontade, ela não precisou pronunciar nenhuma palavra, apenas se sentou no meu colo e sorriu para mim. Eu queria que fosse incrível, já que era a primeira vez dela.

Minhas mãos apertaram sua cintura e eu empurrei a barra da sua camiseta para cima, a retirei e me mantive focada em todos os detalhes do seu corpo, deixei algumas marcas acima dos seus seios e contornei com as mãos até o fecho do seu sutiã, seus olhos se fecharam e ela me ajudou a retirá-lo. Era visível que suas bochechas coraram, eu descansei minhas mãos de volta em sua cintura e contornei seus mamilos com a língua. Seus seios eram pequenos, minha boca os abrangia quase por completo, eu os chupava lentamente enquanto sua respiração passava de calma a ofegante.

- M-meu d-deus – seu corpo tombou um pouco para trás, o que fez com que automaticamente minhas mãos a segurassem, sua reação me afetava quase que de imediato, eu passei a agir com mais selvageria, deixando vários hematomas por onde minha boca passava. Eu a coloquei na minha cama e me mantive por cima dela.

Ela abriu os botões da calça jeans e me deixou surpresa, eu a retirei rapidamente. Uma de suas mãos cobria seu rosto e a outra segurava o lençol da minha cama, eu distribuí beijos e mordidas pelas suas pernas e seu corpo se arrepiou. Quando me direcionei a sua boca novamente, eu mantive minha mão acariciando seu corpo, desci os dedos lentamente por dentro da sua calcinha, o lugar já estava totalmente molhado e eu sorri maliciosamente para ela.

Nossos lábios entraram em contato e eu sentia sua língua acompanhando o meu ritmo, quando finalmente o meu dedo entrou em contato com a sua pele, ela ergueu um pouco o quadril como reação ao choque e eu passei a movimentá-los, pressionando algumas vezes. Meus dedos se esfregavam nela e seu corpo se contorcia, suas mãos estavam grudadas no meu cabelo e o beijo havia sido parado; trocávamos respirações e eu chupava sua língua algumas vezes.

- Isso vai doer um pouco, só respire fundo... – um dos meus dedos a penetrou e suas mãos passaram a segurar o lençol, eu o movimentava lentamente, o colocando mais para dentro e depois retirando-o e assim sucessivamente. Eu aumentei gradativamente a quantidade de dedos, ela se contorcia e gemia alto a cada investida.

- C-Chloe – ouvir o meu nome com aquela voz me deixou mais excitada, acabei por esquecer que ela era nova com relação a tudo aquilo e eu coloquei o terceiro dedo sem muita cautela o que a fez gritar. Eu parei por um segundo, mas ela basicamente segurou o meu pulso e me pediu para continuar; e assim eu fiz. Eu aumentava a força e a velocidade dos meus movimentos, Max pegou um travesseiro e o colocou contra o rosto para a abafar os sons. Antes que ela pudesse atingir qualquer ápice. Eu retirei meus dedos e ela me olhou chocada.

- Calma... – eu coloquei meus travesseiros recostados na cabeceira da cama e me deitei – Vem, apenas suba aqui... – eu ajeitei meu corpo, ela tirou a única peça que ainda restava e veio até mim, colocou uma perna de cada lado da minha cabeça e se abaixou lentamente para que minha língua entrasse em contato com o seu clitóris. Inicialmente a tarefa de permanecer sentada foi simples, eu passava minha língua lentamente e Max começou a movimentar o corpo para frente e para trás afim de manter o maior contato possível com a minha boca. Eu segurei suas coxas e passei a chupá-la com intensidade. Foi o suficiente para que seu corpo tombasse para frente, apoiada nos braços. Seu quadril se abaixou e ela voltou a se movimentar, o gosto dela era incrível.

- É só is-s-so o que você s-sabe fazer? – Eu me senti tão desafiada pela sua pergunta que soltei uma gargalhada e a empurrei para frente, saindo debaixo dela. Ela se deitou com as pernas abertas para mim e eu deixei claro que jamais imaginava ouvir aquilo. Eu coloquei de volta os três dedos e emendei um oral. Seu corpo tremia, sua voz mal saía e ela ainda fazia questão de pedir para que eu fosse mais rápida, para que eu fizesse tudo com mais força.

Suas pernas entrelaçaram meu pescoço e suas mãos empurravam meu rosto contra sua virilha, eu sentia seus clitóris dançar sob a minha língua, minha boca as vezes o sugava e meus dedos se movimentavam com firmeza.

- aah, caralho C-Chloe... - Seu corpo se ergueu e Maxine parou de emitir sons por alguns segundos. Finalizando com um grito abafado pelo travesseiro. O orgasmo havia sido atingido, seu corpo tinha espasmos e eu passei a língua por todo aquele líquido que saía dela, totalmente convencida. Ela suava bastante e demorou um bom tempo para recobrar sua total consciência e condição.

- Você é gostosa... – Eu me deitei ao seu lado, exausta – O que acha de um banho bem rápido? Antes da Joyce chegar... – Eu nem precisei argumentar muito, ela se levantou colocou uma camiseta minha e nós fomos até o banheiro.

O banho foi incrível, ela me deixou fazer um outro oral bem rápido nela, como ela já havia gozado uma vez, o segundo orgasmo foi muito rápido. Só chupá-la já deu conta do recado. Vê-la excitada me fazia pulsar, eu senti uma imensa vontade de sentí-la. Então o que era para ser um banho rápido, durou uns 30 minutos. Eu desliguei o chuveiro e a hippie jogou o cabelo para a o lado, eu não me importei de estarmos no banheiro; estendi a minha toalha no piso e a puxei para mim. Coloquei um rolo de toalha atrás da minha cabeça e Max se sentou novamente sobre o meu corpo, agora colocando sua virilha em contato com a minha. Eu expliquei a garota como funcionava e rapidamente eu senti sua pele em contato com a minha; uma corrente atravessou todo o meu corpo. Max passou a se esfregar em mim e eu me sentia extremamente bem com tudo aquilo. Como eu já estava excitada com todo o processo, eu gozei rapidamente e ela me fez um oral bem simples apenas para sentir o meu gosto. Confesso que os  seus lábios delicados eram maravilhosos.

Enfim terminamos o banho e fomos até meu quarto; tanto eu, quanto ela, estávamos exaustas.

- Finalmente! – soltei vitoriosa – Me deixe transar com você sempre? – ouviu-se uma gargalhada e Max contornou meu corpo com o braço, eu acariciava seu cabelo suspirando e deferindo vários beijos em sua testa.

- Eu te amo, Chloe. – Eu não havia escutado aquelas palavras proferidas por ela, era a primeira vez. Meu coração passou a bater rapidamente – Eu te amo mesmo.

- Eu também te amo Max, te amo mesmo. – Aquela havia sido a melhor noite da minha vida e eu não queria que ela fosse embora, a queria de volta e eu farei o que tiver de fazer para trazê-la.

- Vamos dormir, amanhã temos um caso para resolver. – Meus olhos se fecharam com facilidade e eu apaguei. 


Notas Finais


FINALMENTE
Espero que tenham curtido, eu sou nova então pode ser que não tenha ficado tão bom.
Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...