1. Spirit Fanfics >
  2. Hello, My Killer Bunny - JJK BTS- SOBRENATURAL, ABO >
  3. Estamos Entendidos?

História Hello, My Killer Bunny - JJK BTS- SOBRENATURAL, ABO - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Logo logo posto os restantes, comentem!!!

Capítulo 4 - Estamos Entendidos?


PRA


Sabe aquela sensação de ser uma pessoa vitoriosa, grata pela vida e por tudo o que tem? Bom... era isso que eu vinha sentindo por alguns meses

Não me lembro muito daquela fatídica noite, mas sei que agora, respiro o ar puro da liberdade que me abraçava, e estou feliz por ter saído ilesa daquele lugar com aqueles homens, livre...

Ou não...

A realidade é que depois daquilo tudo, fui mantida nessa maldita casa com um homem que eu sequer vejo o rosto, já que a máscara de coelho me impede de fazer isso

Ele é frio, calculista e exigente com quem trabalha consigo. A casa não possui empregados por motivos óbvios, mas a mesma é estranhamente organizada e limpa, alguma magia talvez?

Todo dia ao acordar, ele está de pé no batente de minha porta, escorado, e quando percebe que eu já despertei, sai sem se pronunciar em nada

À noite ele costuma pedir para que alguém traga comida para mim, já que ele parece não comer nada do que eu como. Esquisito, mas já me acostumei. Nunca o vi beber nenhuma gota de água, ou sei lá... comer alguma coisa

Estava sentada no sofá olhando pro nada, já que a TV não pode ser ligada enquanto ele estiver fora fazendo sei lá o quê.

O estranho, é que quando ele sai de manhã, veste terno e sai com os cabelos alinhados, típico trabalhador de cargo alto em uma empresa, e volta com molentons pingando sangue, facas na mochila e bagunça corporal eminente

Ouvi o baque da porta se fechando e permaneci no mesmo lugar, não tenho vontade de vê-lo

Eu e meu raptor nunca conversamos um com o outro, raramente me pronunciava ali também, nada me agradava mas eu nunca contrariava

Quero ver meus pais, ter minha vida de volta e sair desse cativeiro em forma de mansão, estou aqui há 2 meses e sei que meu pai mandou todas as autoridades me procurarem, já que isso passou no jornal assim que eu sumi, por isso a proibição de assistir TV sem o Killer

Uma caixa de pizza fora jogada desprezivelmente na mesa de centro em minha frente, e quando levantei meu olhar, o assassino estava trajando roupas sociais ainda, porém estavam sujas, manchadas com o típico líquido avermelhado.

Não é como se eu tivesse me acostumado já, mas não ligo muito. Já estou numa fase em que, não mexendo comigo, fico tranquila. Que ele faça o que tem que fazer e me deixe em paz

Ele subiu às escadas e eu aproveitei para comer sem pressão a pizza ali. Na fome que eu estava, podia facilmente comer casca de bananas sem pestanejar

Minutos depois e ele desce as escadas, limpo dessa vez, porém vestindo negro ainda

Se sentou no outro sofá da sala e ligou a TV, e após mudar por várias vezes os canais, me estendeu o controle, bufando

Não o peguei, não sabia o que significava aquilo

__ Pode escolher alguma coisa... - falou e só assim, eu peguei o objeto de suas mãos

Passei os canais pagos, eram muitos programas de todas as formas para todas as idades

O Vestido Ideal, Cake Boss, Irmãos à Obra... sempre gostei de assistir com papai, ele gostava, já mamãe, não

Porém não gostaria de ver tais programas sem ele e por isso, coloquei Meu Namorado é um Zumbi, sempre fui apaixonada nesses clichês e sorri ao ver que ainda estava nos minutos iniciais

Na mesma hora, o homem no outro sofá me olhou com suas feições esquisitas, como se dissesse: What The Fuck?

Dei de ombros e mordi um pedaço de minha pizza, e mais uma vez, ele não comeu o que eu comia.

Prestei toda atenção no filme, era um dos meus preferidos, só não sei em que momento me deixei levar pelo sono...





Acordei e já sabia de onde vinha a sensação de ser observada: dele que estava escorado na porta como todos os dias, já de terno e máscara.

Ele trabalha num emprego de verdade? Ou é só um estilo legal... matar?

Me levantei e cocei os olhos, já não o vendo mais ali. Escovei meus dentes, tomei um banho relaxante e vesti uma das roupas que ele conseguiu de algum lugar para mim. Desci as escadas e me alimentei com o que tinha sobrado da pizza, já que só eu tinha comido

Como nunca fazia nada o dia todo, decidi explorar a parte externa da casa hoje, vi que lá tem piscina, espreguiçadeiras, mesas com guarda-sol e era bem propício ao ar livre

Vi que ele já tinha saído de casa pois seu carro já não estava mais no jardim, por isso dei de ombros e fui ma cozinha fazer um suco de laranja para beber lá de fora, era o que tinha para hoje

Andei por ali, conheci todo o imenso jardim e até entrei no labirinto de cerca viva que tinha ali. Vi as flores diferenciadas que tinha, e até me atrevi a sentar na beira da piscina e deixar meus pés ali dentro.

Confesso que pensei em acabar com essa palhaçada toda e me afogar ali, ou me jogar de uma dessas árvores grandes e bonitas do jardim... mas não. Se estou na casa do maior assassino de Seoul e arredores, e até agora estou viva, deve ter algum propósito...

À lua já era refletida através das águas, que eu fazia pequenas ondas com os pés, e me assustei quando ouvi o portão eletrônico sendo aberto, ele tinha chegado... como todas as noites

Não me preocupei e continuei ali, aliás não tinha nada para fazer lá dentro mesmo...

Como as janelas e portas eram de vidro, assim que ele adentrou a casa e passou seu olhar pela mesma, me viu, sei disso pois senti seu olhar me queimando mesmo sem nem devolver o ato

A noite estava calma, com a temperatura ambiente e sem nuvens no céu, o que facilitava para que eu visse as estrelas

Ao longe, vi que o homem estava vindo em minha direção, e tive sua atenção para mim quando o mesmo simplesmente se sentou ao meu lado, e mesmo de calça, colocou seus pés na piscina também

__ Seus pais ofereceram recompensa... - falou sem me olhar e vi que ele já tinha colocado a máscara no rosto fazia um tempo

Meus pais... que saudade deles...

__ E... você vai aceitar? - perguntei acanhada movendo meus pés na água

__ Não é por dinheiro que estou te mantendo aqui. Garota... entenda que a última coisa que eu quero pra mim, são problemas e responsabilidades...

__ Então por que não me deixa ir logo? - perguntei já com indícios de choro na voz, tinha medo de suas atitudes e queria sair desse inferno

__ Fora dessa casa, existe assassinos piores do que eu. Se caso um deles te vissem vagando na rua, iriam te torturar até que tivessem todas as informações possíveis sobre mim, e como você não sabe nem meu nome, iriam se frustar e te matariam sem piedade alguma. De certa forma isso seria culpa minha e, ceifar vidas inocentes não é meu trabalho

Após sua explicação, fiquei em silêncio digerindo as suas palavras e uma pergunta se fez presente

__ Por que... você não me matou?

__ Eu não faço isso com qualquer pessoa. Quem eu executo sempre são autores de alguma coisa. E você, não mata nem uma formiga... - falou sério e pela primeira vez nesse mês que estou aqui, percebi que tivemos nosso primeiro diálogo

Não era pra menos também, já estava demorando...

O tédio novamente tinha me consumido, e acho que meu raptor percebeu isso

__ Você toma algum anti depressivo? Remédio controlado ou coisa assim? - me perguntou e eu neguei com a cabeça sem o olhar

__ Somente anticoncepcional... - avisei e vi ele arregalar os olhos surpreso

Talvez ele tenha se esquecido que eu sou mulher, tenho ciclos, dores, cólicas, e essas coisas mais

__ Hm... - murmurou e eu suspirei, já almejando deitar na cama de meu suposto quarto para decansar, já que passei o dia todo explorando a parte de fora da casa

Sem me pronunciar, me levantei e com uma toalha que tinha ali na mesa, enxuguei meus pés para não molhar o piso da casa, que era branquinho e propício à sujeira fácil

Enquanto subia às escadas, olhei de relance para a janela de vidro que mostrava a parte de fora da casa, e vi ele balançando seus pés nas águas da piscina, despreocupado. Porém sua máscara ainda me era bizarra, e eu nunca durmo tranquila, sabendo que estou sob o mesmo teto que um Serial Killer...

Após meu banho, fui me deitar. Passei a dormir com as luzes acesas, pois o escuro me amedronta.

Saber que estou longe de casa, com um assassino desconhecido que pode me matar, estuprar ou esquartejar a qualquer momento, me causava crises de pânico e por isso, chorava por horas e horas, invejando quem estivesse em casa com suas famílias, na mais perfeita e harmoniosa paz

De madrugada ouvi uma movimentação de pessoas no primeiro andar da casa e me alarmei, mas me tranquilizei ao ouvir a voz do proprietário da residência, conversando pacificamente com os demais que estivessem ali

Reunião de assassinos, tem como ficar melhor?

Fiquei ali petrificada na cama, não conseguia dormir mas também não ia me atrever a ir lá, certo?

Olhei o relógio digital ao meu lado

4:44... sintonia com o universo...

Me assustei e senti meu coração falhar as batidas quando a porta é aberta abruptamente, e quando olho em direção à mesma, me assusto

__ O que faz acordada? - me perguntou e eu estava com tanto medo que nem me justifiquei -__ Aish, não importa. Se levante, vista um moletom, estou te esperando aqui na porta - falou e fechou a porta

O que estava acontecendo?

Fiz o que me foi solicitado e troquei meu pijama fino por um conjunto moletom grosso, girei a maçaneta e o mascarado de coelho estava na porta com mais um homem, que não estava com seu rosto coberto. Ele era bonito...

__ Vamos. - falou e o Killer Bunny pegou meu braço normalmente e começamos a descer às escadas, e quando chegamos no primeiro piso, todos os homens olharam para nós e eu me senti incomodada

__ Já que é uma operação de risco... vamos deixá-la em casa - meu raptor falou

__ Não temos tempo pra isso e...

__ Ela não tem nada a ver com isso... - um homem estava falando quando Killer Bunny falou rápido e apenas me puxou para fora da casa na maior velocidade possível e quando estávamos na calçada da rua, de frente para o portão de sua casa, ele colocou as mãos nos meus ombros e falou:

__ Vá pra casa...

__ M-mas como? Eu nem sei que bairro é esse e...

__ Garota, só... corre pra longe daqui... o mais rápido possível...- se até o maior assassino de Seoul estava com medo da situação... o que sobrava para mim?

__ Eu... não vou conseguir... - falei já chorando pela atual situação em que estávamos e comecei a tremer pelo pânico

__ JUNGKOOK! - um homem gritou vindo até nós

Então seu nome era Jungkook? Igual o CEO das empresas Jeon's?

__ ELES ESTÃO VINDO! - o mesmo cara gritou novamente e na mesma hora, saíram todos os homens da casa e eles foram entrando nos carros que estavam estacionados ali no acostamento

__ Não temos outra alternativa - o mesmo cara que estava com ele na porta do meu quarto falou quando chegou perto de nós -__ Vamos ter que levá-la...

__ Não seria pior? - Killer perguntou

__ Namjoon rastreou eles, estão vindo de helicóptero

Um silêncio pairou por todos nós ali, até que novamente meu raptor se pronunciou

__ Entra no carro... - falou para mim e eu arregalei os olhos -__ Vou te deixar numa praça e... você pede ajuda. Nada de falar sobre nós, garota. Estamos entendidos?


Notas Finais


Comentem!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...