História Hello Suga - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Suga, V
Visualizações 256
Palavras 2.167
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hellooooooo~~
Eu disse que ia postar hoje...u.u
Saudades??? também :')
Então amoras, sejam bem-vindas a segunda temporada de Hello Suga! YAAAAA!
Espero que gostem e comentem né kkkkkk
Enfim, avisos gerais: A Segunda Temporada terá no máximo 15 capítulos; Os dez primeiros capítulos serão divididos em duas partes, os cinco primeiros serão narrados pela personagem principal e os outros cinco, pelo nosso docinho Min Suga; A personagem ganhou um nome galeraaa e espero que vcs gostem.
Bem até agora é só isso kkkkkk qualquer dúvida, perguntem ^^
Kissus e até o próximo!

Capítulo 31 - Capítulo Trinta e Um


{Quatro anos depois}

 

Podemos dizer que a vida é um poço sem fundo de surpresas. No início do ano, quando Hoseok me parou naquele ponto de ônibus e me fez aquela proposta absurda, eu não imaginava que chegaríamos a esse ponto.

 

Limpo o suor do rosto e ouço o grito do Hope anunciando o próximo pedido. Duas porções de macarrão com feijão preto.

—Vocês ouviram? Mecham-se!

Gritei para os dois assistentes que me olharam abatidos e apenas confirmaram com a cabeça. Não senti pena, afinal cada um tem sua função e eu não posso simplesmente dizer: "Podem sentar queridos, deixa com a mulher maravilha aqui.", porque sou uma só, estou exausta e ninguém tem pena de mim! Sim senhoras e senhores, estou rancorosa mesmo.

Nós estamos a todo vapor na cozinha, o restaurante está cheio e a todo momento Hoseok grita um novo pedido. Parecia que tinha fila do lado de fora. Segundo o garçom, assim que saiam duas pessoas, entravam mais cinco. E nós, os pobres cozinheiros, não tínhamos um minuto de descanso. Tirando o fato de que o chef principal, vulgo Hoseok,  não pode ajudar na cozinha porque precisa anotar pedidos, já que só temos um garçom e este está ficando louco.

—Isso é culpa do Hoseok! — gritei estressada.

—Por quê?! — ele gritou entrando na cozinha com mais um papel na mão. Olhar para o papel só aumentou minha angústia.

—Você, seu markerteiro! Quem mandou dizer que a comida era barata e deliciosa? E aquela maldita promoção? "Quem trouxer três convidados, não paga o jantar de um deles e ainda ganha duas caixas de Kimchi!" De onde você tirou isso?!

Ele sorriu orgulho e eu quase joguei a panela de feijão na cara dele. Como ele podia sorrir naquele caos?! Olhei para ele completamente indignada. E eu tinha direito, ah, se eu tinha.

—Olhe pelo lado bom, temos kimchi pronto para milhares de pessoas e o "sortudo" ainda paga por ele e por outras duas pessoas. Ou seja, só perdemos o jantar de um e duas caixas médias de Kimchi.

—E no fim ficamos loucos?! — rebati.

—Já disse que você poderia ir. Sei que está no seu horário e seu namorado está te esperando.

—Tentador, mas sou uma pessoa legal e não posso deixar vocês com todo o trabalho. — respondi e ele sorriu. — E claro, vou ganhar hora extra. —completei e ele apenas meneou a cabeça e voltou para o salão.

Hoseok tinha anunciado essa promoção no dia anterior. E pelo fato de durar só hoje, as pessoas não param de entrar no restaurante. Hope pode está sendo um pouquinho pretensioso, mas ele tem certeza que a comida é deliciosa e por isso a maior parte das pessoas que vieram pela promoção, voltarão outras vezes. Ah, detalhe, ele é louco. Além de distribuir os folhetos em todos os lugares possíveis, ele alugou um carro e saiu anunciando pra Deus e o mundo essa bendita promoção. Só soubemos dessa façanha hoje de manhã via Kakao, quando ele enviou um vídeo todo descabelo e gargalhando. A legenda era: Preparem-se. Quando chegamos aqui entendemos o porquê de ter preparado tanto Kimchin.

Como eu sei que ele tem que gerenciar tudo, porque o mão de vaca não quer contratar um gerente, e ao mesmo tempo servir os clientes, decidi como a boa amiga que sou, dar uma ajudinha mesmo sabendo que Taehyung está lá fora me esperando. Olho para o relógio pendurado na parede e já são 21:30. O Tae disse que viria às 20:30, ou seja, deve está congelando a uma hora. Coitado do meu bebê, preciso ir falar com ele. Hoseok aparece para pegar os pratos e aproveito para falar com ele sobre uma possível saidinha.

—Preciso ir falar com ele, Hope.

—Ok, mas volte o quanto antes. O restaurante está lotado.

Apesar de ser pequeno, o restaurante estava uma verdadeira lata de sardinha. O JJ's Restaurant era o sonho de Hoseok, desde sempre. Enquanto trabalhávamos juntos no restaurante do pai do Taehyung, ele vivia falando sobre o projeto que na mente e no coração dele, seria um sucesso. E eu apostava que seria.

Lembro o quanto Hoseok estava ansioso para o próprio negócio, e quando finalmente conseguiu um espaço para alugar, foi até o senhor Kim e agradeceu por tudo. O senhor Kim não queria perder um funcionário tão responsável e propôs entrar em sociedade com Hoseok. Ele ficou em dúvida, mas no fim não aceitou. Era o sonho dele, talvez seu projeto de vida e ele não queria viver as margens do nome Kim para sempre, então se despediu de todos e por quase um ano não tive notícias dele.

Até que numa das minhas caminhadas em direção ao ponto de ônibus ele me parou e me convidou para trabalhar com ele. Ele sabia que eu estava prestes a iniciar o último ano da faculdade de Gastronomia e decidiu que me queria aqui trabalhando com ele. Disse que eu tinha muito talento e por isso precisava de alguém como eu para ser sua sub chef. Como estamos falando de Jung Hoseok, ele ainda se gabou dizendo que me treinou bem e que trabalhar com ele seria o sonho de qualquer estudante de Gastronomia porque claro, ele é o melhor. Por fim, com um tom mais sério, revelou o salário, só podia pagar metade do que eu ganhava na época, foi sincero e disse que não prometeria nada, e que estava pronto para ouvir um não. Lembro que não respondi imediatamente, eu e Jin tínhamos nos mudado para um lugar maior e por isso o aluguel tinha aumentado. Quando conversei com Jin, ele simplesmente disse que era pra eu seguir meu coração, o resto a gente dava um jeito.
Agora, vendo todas essas pessoas, começo a acreditar que fiz a escolha certa.

Me espremi entre as cadeiras e fui encontrar o Tae do lado de fora. Ele estava encostado ao lado da porta, quando me viu deu um pulo e parou na minha frente.

—Já podemos ir? — perguntou esfregando as palmas das mãos por causa do frio.

—Então amor... O restaurante está cheio e...

Me balancei para frente e para trás enquanto decidia se terminava a frase ou não.

—Você precisa ficar.

Ele completou e fez um bico emburrado. Aquilo era a coisa mais fofa do mundo.

—Você pode esperar lá dentro se quiser. — sugeri.

—Esse lugar ta muito cheio Jen, aposto que nem dá pra respirar ai dentro.

—Então você vai ir embora sem mim, TaeTae?

Juntei as nossas mãos porque nossa, que frio. E lancei o melhor olhar de cachorrinho abandonado que você respeita.

—Nunca faria isso, meu amor. Vou te esperar naquele barzinho ali na frente. Quando você sair, só é dar um toque. Tudo bem?

—Que injusto, vai beber enquanto eu me mato lá dentro.

—Só é você vir comigo.

Irresistível. Mordida no lábio inferior foi um golpe baixo, Kim Taehyung. Suspirei, eu precisava mesmo ser forte. Haha, só preciso descobrir como.

—Tenho que trabalhar.

Disse e virei para ir antes que eu fosse convencida pelo Tae. Mas tudo era cena, no fundo eu sabia que ele não iria deixar assim tão fácil e na verdade desde que eu o vi só quero uma coisa, um beijo. Como sempre, Taehyung nunca me decepciona.

—Não, não tem... — ele disse e sorri ao sentir as mãos na minha cintura.

Sem demora ele me puxou e me beijou. Aprofundou o beijo e como num passe de mágica toda aquela tensão que eu estava sentindo foi se esvaindo. Foi difícil mas eu tive que me afastar. Se continuasse assim eu iria acabar indo embora com ele. Jogo sujo com meu chef e amigo Jung Hoseok.

—Até daqui a pouco, Tae. —disse tomando uma distância segura.

—Promete que vai passar a noite inteira comigo?

Esse olhar. Cara, eu nunca vou conseguir resistir a esse olhar. Devia ser um crime um individuo ter a capacidade de ter algo tão sexy em si como esse olhar. Quem eu devo processar?

—T-Tenho que avisar ao Jin...

—Se morássemos juntos, você não iria precisar avisar a ninguém.

—Ainda não Tae...            

—Ok, no seu tempo. Mas pra deixar claro, não vejo a hora de acordar todos os dias ao seu lado.

Sorri. Desde que fui atrás do Taehyung naquele corredor e ele me aceitou, tenho sido feliz como nenhuma outra mulher. Sempre atencioso e carinhoso mais até do que quando éramos apenas melhores amigos, ele tem me mostrado o quanto a vida pode ser melhor.

—Te vejo daqui a pouco, TaeTae. — selei os lábios dele e voltei para dentro do restaurante.

 

~

 

Quando Hoseok fechou aquela porta comunicando que o lugar estava fechado e o serviço daquela noite estava encerrado, todos nós suspiramos pesadamente.

—Posso ouvir o coro celestial. — um dos assistentes falou e rimos.

—Ainda temos que limpar tudo. — eu, a estraga prazeres, relembrei.

—Fique a vontade. — Hope falou e pegou a jaqueta.

—Se você nos abandonar aqui Hoseok, eu juro que quebro a sua cara. — ameacei e os assistentes arregalaram os olhos.

—Calma Jen, só está com frio.

Os outros riram vendo nosso chef ir em busca do material de limpeza.

—Seguinte cambada, Hoseok vai varrer, Kwan vai limpar as mesas, Dong vai lavar a louça e Bon vai limpar a bancada e vai ajudar o Dong.

—E você Noona? — perguntou o assistente mais novo.

—Eu estou cansada. — sentei na primeira cadeira que vi e coloquei as pernas em cima da mesa.

—Me poupe! Você vai organizar o caixa e ver o quanto ganhamos com a minha ideia brilhante!

—Ta Hoseok, mas quando você estiver cansado, nada de me olhar pedindo misericórdia!

—Mas eu estou cansado! E mesmo assim terei que varrer todo esse lugar, sua insensível!

—Ta Hope! Tô indo! Mas antes... é... Preciso ligar pro Jin.

—Faça isso e depois vá para o caixa.

Fui para trás da bancada e disquei o número do meu irmão. Eu sabia que ele não iria aceitar muito bem, ou melhor, Jin me esfolaria viva se eu não aparecesse em casa. "Casa", agora sim eu posso considerar aquele espaço como uma casa. Graças a grana que juntamos,  conseguimos sair daquele cubículo e ir para um lugar maior e mais confortável. Agora tínhamos uma mesa grande de seis cadeiras que  parcelamos em oito vezes, e não preciso dizer o quanto Jin adora essa mesa e me obriga a fazer todas as refeições nela.

Ainda moramos juntos porque simplesmente decidimos continuar assim. Ocultando a parte em que SeokJin praticamente berrou que eu só sairia daquela casa quando casasse. O acusei de conservador, manipulador e de diretor de prisão. Ele me acusou de ser sua irmã mais nova e o principal motivo de suas preocupações. Sabemos quem ganhou. Mas eu quero ficar com o Tae, e isso inclui dormir na casa dele. Depois do segundo toque, meu irmão atendeu.

—Jin...esta muito tarde e vou dormir no 'apê' do Tae hoje.

—Nem pensar. Vou ir te buscar.

—Jin! Queremos passar um tempo juntos...se é que você me entende.

Houve silêncio na linha. Eu podia ouvir as engrenagens do cérebro dele funcionando.

—Desde quando você fala essas coisas para o seu irmão? Agora que não vai mesmo!

—Jin! Eu sou adulta e quero passar a noite com meu namorado. Não estou te pedindo, estou comunicando.

—Comunicou e a resposta é não.

—Xau Jin, até amanhã.

—Olha aqui mocinha...

Desliguei o celular e senti que havia cavado minha própria cova. Tirei esse pensamento da cabeça e fui verificar se a ideia do Hope tinha dado certo. Depois das contas eu só consegui expressar uma coisa: Filho da mãe. A jogada de marketing de Hoseok tinha faturado nada menos do que o triplo das nossas expectativas. Ele sorriu quando eu humildemente o parabenizei e entreguei o dinheiro. Me despedi da equipe e coloquei meu casaco para ir encontrar Taehyung. Entrei no bar e avistei-o mexendo no celular. Caminhei até ele e sentei num banco ao lado dele.

—Tae...cheguei. — acariciei o pescoço dele e ele virou sorrindo.

—Quer uma bebida? —ofereceu.

—Quero você. —sorri.

—Opa...vamos!

Ele desceu do banco com certa rapidez e aquilo me fez rir. Ele também sorriu e se aproximou, ergueu a mão e começou a acariciar meu rosto.

—Amanhã é sua formatura não é? — perguntei sentindo orgulho do meu namorado.

—É..., depois de dois meses de atraso, finalmente irei me formar. Pena que a sua é só no fim do ano.

—Eu sei, mas enquanto ela não chega podemos comemorar a sua.

Ele deu outro sorriso de tirar o fôlego e aproximou a boca do meu ouvido.

—Fui selecionado para um novo Drama.

Arregalei os olhos. Os sonhos dele estavam começando a se tornar reais e eu acabei pulando de felicidade. O abracei e depois grudei nossas testas.

—Estou tão feliz por você TaeTae!

—Eu sei. Temos mesmo que comemorar. E sabe de uma coisa? Já até preparei tudo.

—Garoto esperto. — selei os lábios dele e ele pegou minha mão.

—Podemos ir senhorita? — ele beijou minha mão e fixou o olhar em mim.

—Sim, senhor TaeTae.


Notas Finais


Iai, gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...