1. Spirit Fanfics >
  2. Help me - KSJ >
  3. Começo; a proposta

História Help me - KSJ - Capítulo 1


Escrita por: e OlyverQueen


Notas do Autor


Espero que gostem;
Perdão se houver erros ortográficos;
Dêem amor a esse meu xodózin! 🙆🏻‍♀️🤍

















Obs: S/n e Jin conversação em “inglês”,
No decorrer na história vamos para o ”coreano”.

I purple u guys! 💜

Capítulo 1 - Começo; a proposta


Fanfic / Fanfiction Help me - KSJ - Capítulo 1 - Começo; a proposta


— Há decisões que tornam nossa vida um inferno.

[···] Seis meses atrás

— E cá estou eu arrumando os papéis da senhora Lu. — Você só faz isso? — Não. Sou uma estagiária da bolsa da empresa, mas as vezes ele me pede para pegar papéis e levar até sua sala, e agora, estou indo para sua sala.

-: Senhora? - Falei batendo na porta de vidro.

- Entre S/n.

— Entrei em sua sala e levei seus adoráveis papéis até a mesa.

- Estão todos aqui?

-: Sim, senhora!

- Ótimo!

-: Com licença. - Falei me virando para sair.

- Espera. Eu quero falar com você! - Me virei novamente.

-: Sim, o que deseja?

- Uh. Você trabalha aqui a um ano, é uma jovem aplicada e faz um bom trabalho. - Concordei com a cabeça. - Então, eu quero te fazer uma proposta.

-: Qual?

- Eu quero lhe transferir pra minha cede na Ásia.

-: Transferência?

- Sim!

-: Mas, eu não sei falar nenhum idioma além do inglês!

- Não se preocupe, você só precisará dele por enquanto. - Disse e sorriu.

-: Ah. claro!

- Você irá trabalhar fixo, todos os dias, ganhará mais do que uma simples estagiária.

-: Ah. sim!

— Ela me entregou uma filha.

- Isso é a base que você irá ganhar mensalmente.

-: Uau. É bastante!

- O que me diz?

-: Eu posso pensar?

- Pensar? Em que? - Falou se acomodando na cadeira. - Isso é uma oportunidade única, tem muitas pessoas querendo essa oportunidade.

-: Okay. Eu gostei da proposta!

- Então, isso é um ‘sim’?

-: Sim!

- Ótimo! - Falou levantando. - Nesse final de semana você viaja.

-: Já?

- Algo lhe prende aqui no Brasil?

-: Bem. . . não necessariamente.

- Então, o que?

-: Nada. Pode organizar que eu irei!

- Você será um pivô para os negócios.

. . .

Ely- Na Ásia? Isso dará certo?

-: Claro. Pensa bem, com o que eu vou ganhar lá, poderei bancar seus estudos aqui.

Ely- E quem vai cuidar de mim?

-: Você já tem dezeseis anos Ely, pode se cuidar sozinha. E tem os nossos familiares aqui!

Ely- Okay. Será que isso vai ser bom?

-: Sim, vai sim!

Ely- Espero que você esteja certa.

-: Obrigada por me apoiar.

Ely- Eu sempre te apoiarei S/n!

— Nos envolvemos em um abraço.

. . .

Dia da viagem, aeroporto internacional

Ely- Passou tão rápido.

-: Sim. Eu vou senti saudades S/n!

Ely Eu também vou sentir saudades Promete me ligar sempre que puder?

-: Sim, prometo!

“Atenção senhores passageiros do vôo 06647. Dirigiam aos portões de embarque.”

-: Eu te amo!

Ely- Eu também te amo!

— Eu estava embarcando para uma nova oportunidade ou eu achava que era uma oportunidade.

. . .

Atualmente [···]

- Levanta imunda! - Puxou meu braço com brutalidade. - Eu já disse para você começar a obedecer. - Em inglês.

— Lee, ele bate praticamente todos os dias que eu cheguei nesse lugar sujo e imundo. — Por que? — Por que eu não vou vender meu corpo para um velho nojento e rabugento.

-: Eu já disse que não vou deitar com ele. - Falei gritando.

- Não? Ótimo, mais uma surra na sua lista.

-: Pode me bater, pode me matar. Eu não ligo!

- O que está havendo aqui? - Falou o moreno entrando no quarto.

— Eles começaram a conversar e eu não entendi nada que eles falavam. Seis meses que eu estou nesse lugar desconhecido e sem saber o idioma.

- Parece que você se safou hoje.

-: O que vai fazer?

- Você vai para o leilão hoje, eles não querem você com manchas pelo corpo.

— Agradeci a Deus por aquele livramento.

-: Leilão?

- É, você irá dançar para o compradores e os visitantes, quem sabe um velho te compre para fazer de bonequinha.

-: Imundo.

- Se apresse em se arrumar e faça uma boa apresentação, estrangeira vadia!

— Ele saiu do quarto e eu me permiti chorar, isso é o que eu sempre faço desde que cheguei aqui.

. . .

•Empresa KM finanças

NJ- Vamos, Jin.

-: Não!

NJ- E por que não?

-: Por que eu não quero.

NJ- Você terminou um namoro de três anos, HeeJi estava ótima e você sofrendo por ela. Isso contabiliza dois meses que você está sofrendo ao invés de aproveitar a noite.

-: NamJoon. . .

NJ- O que?

-: Se eu não me agradar eu vou embora!

NJ- Você sairá radiante, eu juro!

-: Eu acho ótimo!

— Jin e NamJoon saíram da empresa, entraram em seus carros e seguram para a boate tão falando por NamJoon.
Não demorou para que chegassem ao local que era um pouco afastado.

-: O que eu estou fazendo?

— Enquanto Jin falava sozinho, NamJoon estava saltitante.

NJ- Já está cheia. O JiMin nos espera lá dentro!

-: O que irão pensar se nos virem aqui?

NJ- Somos homens, solteiros - Enfatizou. - e isso é normal. - Deu de ombros.

— Jin e NamJoon entraram na boate. Jin retirou sua gravata e a colocou no bolso da calça, NamJoon parecia familiarizado com o local.

-: Onde vamos ficar?

NJ- Próximo as barras, hoje terá apresentação.

-: Apresentação?

NJ- Sim, elas vão dançar e depois. . .algumas são compradas.

-: Como propriedade?

NJ- Sim!

-: Isso é ilegal!

NJ- Eu sei, mas elas estão aqui por que querem.

— NamJoon andou até chegar próximo as barra e tomou uma mesa.
JiMin estava no balcão de banidas e logo veio até nós.

JM- Hyung! - Sorriu. - Como vai?

-: Bem!

— JiMin se juntou a nós na mesa.

- O que vão querer? - Disse uma mulher ao se aproximar.

NJ- Duas tequilas!

-: Uma com limão, por favor!

- Tudo bem!

— A mulher se distanciou da mesa, as luzes do local se apagaram deixando apenas a luz vermelha direcionado a barra de pole dance.
Uma mulher subiu no palco e eu observei, ela usava uma máscara cobrindo a metade do rosto e, sua lingerie velha era tentadora.

NJ- Não babe, uh? - Disse rindo.

-: Eu não estou babando!

JM- Sua cara fala ao contrário. - Disse dando um gole no whisky.

— Tornei minha atenção para a mulher em minha frente, senti seu olhar em mim o que me deixou um tanto desconfortável.

- As tequilas senhores. - Disse colocando os copos na mesa.

-: Obrigado!

— Eu não tirei a atenção dela nem um segundo, era como se estivesse apenas nos dois naquele lugar. Vejo que ela desceu da barra e veio em minha direção — ela estava dançando pra mim? — Ela realmente dançava pra mim.
O olhar dela se encontrou com o meu, ela sentou em meu colo repentinamente e rebolou lentamente roçando sua intimidade na minha.

- Você pode me entender? - Sussurrou em inglês no meu ouvido.

-: Sim!

- Help me! - Sussurrou novamente.

— Ela passou a língua em minha orelha.

- Eu não queria estar aqui! - Sussurrou. - Me ajude!

— Ela levantou rapidamente do meu colo e voltou a barra voltando a dançar.
— O que foi isso? Ah droga! Fiquei excitado por ela!?

NJ- O que foi isso? - Falou rindo.

JM- Acho que alguém se animou.

-: Não irei responder vocês!

NJ- Eu acho que ganhei!

-: Não fizemos uma aposta!

JM- O que ela disse?

-: Help me!

NJ- Ajude-me?

-: Está óbvio!

NJ- Para de ser grosso.

-: Parede de ser idiota! - Falei estreitando os olhos.

. . .

•S/n

— Eu fique hipnotizada naquele homem, eu sentia os olhares dele encima de mim e por um momento senti segurança em um homem que frequentava aquele maldito lugar.
Terminei minha apresentação e saí da barra assim que as luzes apagaram.

- Que show foi aquele? - Me puxou pelo braço.

-: Me solta. - Falei puxando o braço. - Você disse que era para fazer uma apresentação bem feita.

- Não precisava se esfregar nele.

-: Eu faço o que eu quero!

- Não aqui dentro! - Pegou em meu cabelo. - Eu poderia muito bem te matar.

-: Então, me mata!

- Não me desfie.

-: Eu não ligo!

- Se apresse em mudar de roupa e voltar para o leilão.

— Ele soltou meu cabelo com brutalidade e saiu.

- S/n?

— Me virei vendo Maya a garota que assim como eu foi enganada.

Maya- O que ele te fez?

-: O de sempre!

Maya- Você está bem?

-: Na medida do possível, sim!

— Eu estava me segurando para não chorar.

Maya- Não chore. - Me abraçou. - Vamos sair daqui!

-: É o que eu mais quero!

. . .

— Eu estava com outra roupa, se é que pode-se chamar aquilo de roupa.
Maya estava ao meu lado segurando em minha mão.

- Vamos! - Disse a loira. - Andem rápido!

— Entramos novamente naquele palco com outras garotas. Ele ainda estava lá, seu olhar veio diretamente para mim.

Maya- Por que ele te olha tanto?

-: Eu dancei para ele.

Maya- Me conta isso depois!

-: Tá bem!

— O maldito leilão foi dado início. Havia Maya, eu e mais duas garotas estrangeiras.

- Uma americana, estadunidense. - Disse pegando o cabelo de Maya.

- Dez mil - Disse um velho.

- Mais alguém? Façam duas apostas.

- Um milhão e meio! - Disse o rapaz de cabelo negros.

- Mais alguém? Vendido!

— Vejo o homem sorri para o amigo do lado. — Quem era ele?

- Agora a nossa rainha do pole dance, brasileira - Enfatizou. - Qual valor? Um milhão e meio!

- Por uma vadia? - Disse o senhor de meia idade.

- Um valor tão alto por uma qualquer? - Disse a mulher.

— Lee fez sinal para nos tirassem dali.

Maya- E agora? O que faremos?

-: Você eu não sei, já eu.

- Por que vocês não se calam? - Disse o grandalhão atrás de nós.

— Chegamos no quarto e ele nos trancou.

Maya- E se ele abusar de mim? Mesmo sendo mulher eu não quero isso!

-: Vamos pensar com calma, uh?

. . .

•Jin

NJ- Por qual motivo a comprou?

JM- Não sei. . . gostei dela

NJ- Sabe que terá responsabilidades não é?

JM- Sei!

NJ- Onde vai deixar ela? Na sua casa?

JM- Não. Vou pensar. 

. . .

•S/n

— Maya ia de um lado para outro do quarto, a porta foi aberta revelando o rapaz que a comprou.

Maya- Quem é você?

- Não se preocupe, não vou te machucar.

Maya- Como posso ter certeza?

- Um homem de mídia, acha que eu iria tocar em você?

Maya- Qual seu nome?

- Park JiMin!

Maya- Da finanças KM?

JM- Vejo que me conhece!

Maya- Eu já te vi algumas vezes!

JM- E você?

-: Eu?

JM- Você dançou muito bem! Qual seu nome?

-: S/n!

JM- Meu amigo gostou de você!

- Você fala de mais JiMin. Ainda mais o que você não sabe!

— Me direcionei a olhar para a porta vendo dois homens.

JM- Oh. você está aqui. Conheça a dançarina que te seduziu. - Falou com malícia.

- Não seja idiota e vamos! - Falou saindo do quarto.

— Ele nem se quer me olhou, talvez meu esforço foi em vão.

JM- Maya, arrume suas coisas!

Maya- Eu não demoro, não tenho nada mesmo!

— Maya pegou uma mochila e colocou suas poucas roupas. Eu fique sentada na cama, encolhida pensando como seria de agora em diante sem a Maya comigo.

Maya- Eu vou te tirar daqui, eu prometo! - Me abraçou. - Eu juro que eu volto!

-: Estarei te esperando!

Maya- Eu te amo!

-: Eu também te amo!

— Maya pegou sua bolsa e saiu do quarto com o JiMin e a porta foi trancada.

. . .

•Jin

— Durante a noite não consegui tirar aquela menina da minha cabeça, o pedido dela estava rondando minha mente — Por que eu ajudaria? Eu nem a conheço.
— A todo momento que eu fechava os olhos ela estava presente, estava virando um tormento durante horas.
Eu precisava dormir, já estava tarde e eu teria que trabalhar no dia seguinte. Porém, minha noite de sono foi em vão.

. . .

NJ- Que casa é essa?

-: Ainda tem a audácia de perguntar?

NJ- O que? Por que? Não pode?

-: Às vezes você me irrita! - Falei passando por ele indo pra minha sala.

NJ- Não seja mal comigo, Hyung! - Vem atrás de mim.

-: Você me fez ir a uma casa noturna cheia de mulheres a venda e ainda vem com isso? O que você quer?

NJ- Eu só queria te alegrar!

-: Você me alegrou mas destruiu minha noite de sono! - Falei batendo a porta.

— Sentei em minha cadeira afrouxando a gravata.

-: Se concentre Kim SeokJin! - Falei comigo mesmo.

— Liguei o computador e peguei os papéis em minha mesa começando a lê-los.

. . .

Notas Finais


Até o próximo nenéns 🤫🤍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...