1. Spirit Fanfics >
  2. Herança de sangue >
  3. Embates

História Herança de sangue - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Oi meus amores, aqui está o capitulo de hj...
Espero que curtam e comentem...
Podem dar sugestões tbm kkkkkk
Kissus
Até sexta que vem hehe

Capítulo 4 - Embates


Juntas elas caminharam de volta para a cabana, mas na metade do caminho e onde começava a barreira da miko encontraram um hanyou furioso.

- Porque demoram tanto? Não era só um banho?

Kagome revirou os olhos.

- Paramos para conversar, não precisa de tanto drama assim.

- Vocês estavam demorando, claro que é motivo para preocupação, algo poderia acontecer.

Kagome seguiu em frente.

- Não estávamos indefesas para correr qualquer risco.

- Keh, não seja louca sua bruxa, você não tem mais seu arco, eu o vi sendo quebrado e a Sango deixou o Hiraikotsu na cabana da velha.

Kagome sorrio por cima do ombro, enquanto olhava para o hanyou que ficava para trás.

- Eu não preciso de um arco físico.

- Keh, não seja absurda Kagome, suas barreiras não aguentam uma brisa, quem dirá um ataque direto.

 - Se você acha.

A morena simplesmente deu de ombros e partiu.

- Mas.... O que....

Sango tocou no ombro do hanyou embasbacado.

- Kagome mudou, por isso sugiro que você também mude Inu, ou então, não sei se você sobreviverá até o fim.

 

 

Kagome caminhava tranquilamente, quando mais à frente uma versão sua do período Edo apareceu, só que está não estava nada feliz e muito menos tranquila, na verdade está parecia bem infeliz.

- Fique longe do meu Inu.

A jovem do futuro quase rio, mas conseguiu se segurar.

- Olha, por mim eu até ficaria longe dele só para evitar problemas, porem eu não controlo o InuYasha, e se ele quiser, ele vai correr atrás de mim da mesma forma que fazia com você.

- Ele já me tem, não precisa de você.

Kagome pressionou os lábios e eles se curvaram levemente para baixo, enquanto ela maneava a cabeça em concordância.

- Realmente ele não precisa de mim, agora que tem a você, porem ele quer a nós duas e parece que ele não percebe que as duas ele não pode ter.

- Eu fui a escolha dele, então pare de dar mole para ele.

A sacerdotisa do futuro revirou os olhos e passou ao lado da sua eu do passado.

- Acredite Kikyou, seu eu quisesse dar mole para ele isso não seria a única coisa que eu daria, mas não é o caso e eu prefiro que assim o seja, afinal eu conheço parceiros melhores que ele.

Choque não descreveria o que a miko morta sentirá, ela simplesmente congelara diante a fala da sacerdotisa do futuro, imaginando ao que ela se referia. Enquanto que a mesma seguia em frente, de volta para a cabana da velha sacerdotisa do vilarejo, queria dormir, sentia seu corpo pesado e um sono avassalador, também, pudera, passara o dia treinando e ainda tivera a conversa com seus amigos, tudo o que mais queria era um futon quentinho e uma boa noite de sono. Por isso, assim que adentrou a cabana nem parou perto do fogo, fora direto deitar e dormir, teria o sono dos justos e ninguém lhe atrapalharia nisso.

 

 

A jovem que dormia profundamente acordara de supetão no meio da madrugada, seu corpo fervia, sua respiração estava alterada, o sonho mais quente da sua vida havia lhe despertado na melhor parte. Sentada ela voltou a se deitar, nem notara que havia sentado ao acordar.

Primeiro ficou tentando acalmar sua respiração descompassada, acalmar sua mente e corpo, e por fim focou sua visão no teto acima, o enxergando perfeitamente, apesar da escuridão causada pela madrugada. A marca em seu pescoço ardia e coçava, como uma pequena alergia.

Desistindo de voltar dormir, ela caminhou até o riacho, retirou sua yukata e entrou nas águas geladas, a temperatura ajudou com o calor de seu corpo, lhe arrancando um suspiro. O céu era presenteado com a luz das estrelas em seu ápice, a lua escondida por suas próprias sombras não refletia a luz do sol. Olhando para o céu a fazia entender o mal humor de InuYasha, era a primeira lua nova do mês, ele estava em sua forma humana naquele momento. Uma pequena movimentação chamou a atenção de seus sentidos e ela rapidamente se virou para ver quem se atrevia a lhe espiar.

E ali estava o motivo de seu banho da madrugada, parado como uma estátua e tão lindo quanto um deus. A jovem não teve vergonha de sua nudez, nem mesmo pensou em se esconder nas águas escuras. O youkai já havia visto tudo o que podia e não podia em seu corpo, esconder-se era algo sem sentido.

- O que o traz aqui tão tarde da noite, lorde das terras do oeste?

- Está desprotegida miko, não deveria sair sozinha.

Kagome sorriu de canto, sentia-se diferente naquele momento, na verdade sentia-se diferente desde aquela semana.

- Não estou sozinha agora, estou?

- Algum youkai mau poderia lhe causar algum dano.

Uma leve brisa passou por ambos, mexendo nos cabelos platinados e circulando o corpo nu da miko.

- Que youkai mal seria louco de se aproximar de uma miko em companhia de um youkai como você?

- Não adiantara de nada a miko tentar agradar este Sesshoumaru.

Kagome soltou um risinho e levantou uma sobrancelha.

- Não estou tentando agrada-lo, todos sabemos o quão poderoso você é Sesshoumaru, isso é um fato, outro fato é que você estava me espionando enquanto eu me banhava, e eu quero saber o porquê.

- A miko estava desprotegida e este Sesshoumaru estava por perto, este Sesshoumaru não é o depravado do monge para espiona-la.

- Não, realmente você não é o Miroku... – a miko o observou de cima a baixo e lhe deu as costas, indo se enxugar e vestir-se. – Mas se engana ao pensar que eu estava desprotegida.

Lentamente a jovem vestiu sua yukata e prendeu seus cabelos úmidos em um rabo alto, a marca da lua estava ali e os arabescos também, desta vez um pouco maiores, começando a subir por seu pescoço e a descer por suas costas, a pele estava levemente avermelhada, uma pequena irritação causada pelas marcas.

Kagome não ouviu ele se aproximar, mas sentiu seu youki e antecipando sua chegada erguera uma barreira que o repelira ao chegar perto demais.

- O que é isto?

A morena sorriu e se virou para o youkai.

- Uma barreira, posso fazer muito mais do que isto e por este motivo afirmei não estar desprotegida.

A face estoica do youkai se manteve fria, mas seus olhos percorreram a face da jovem e desceram até as finas linhas que não eram cobertas pelo tecido da yukata e a sobrancelha dele se contraiu de uma forma quase imperceptível, mas havia se contraído.

- Que marca é essa?

Kagome tombou a cabeça e sorriu.

- Não sei, só sei que ela está aí.

- Porque a miko esconde seu cheiro e presença?

Kagome cruzou os braços e levantou uma sobrancelha.

- Não acha que está muito falante hoje não? Ou melhor, não acha que quer saber demais?

O youkai rosnou e a miko abriu o sorriso que carregava, sim estava o irritando, porém não temia que ele fosse lhe matar, algo lhe dava essa segurança.

- Responda este Sesshoumaru, miko.

Kagome deu de ombros.

- Habito que peguei ao ter de retornar sozinha para esta vila, para minha proteção tive de aprender a me esconder e ao meu cheiro.

O youkai ainda encarava as finas linhas, mas seus olhos caíram no que seria o começo de uma marca na base do pescoço.

- Algum macho lhe tocou?

Kagome rio e negou com a cabeça.

- Se fui tocada por outro macho, e não afirmo se fui ou não, foi porque eu deixei, mas agora se me der licença, eu preciso voltar para a cabana e tentar dormir mais um pouco.

A morena deu as costas ao youkai e ia partindo, mas fora impedida, ele conseguira passar por sua barreira e lhe lançar de encontro a uma arvore. O corpo da jovem fora pressionado pelo corpo do youkai, ele prendia seus braços, enquanto seus olhos encaravam os da jovem.

- Libere seu aroma, quero me certificar que a miko não se deitou com outro macho.

- Isso não é da sua conta, Sesshoumaru.

- Não teste a paciência deste Sesshoumaru, miko.

Kagome bufou irritada e fez o que ele ordenara, liberando seu cheiro, mas se surpreendeu ao youkai enfiar o nariz na curva de seu pescoço e inspirar profundamente, porem era claro que ela não estava confortável com ele daquela forma, por isso descarregara uma forte carga de energia espiritual o forçando a se afastar.

- Pronto, já conferiu se algum outro youkai fizera qualquer coisa comigo, agora eu vou voltar para a vila, até mais Sesshoumaru.

E antes que o youkai tivesse qualquer reação a miko sumiu de sua vista erguendo novamente sua barreira.


Notas Finais


Ñ deixem de comentar


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...