1. Spirit Fanfics >
  2. Herdeira das Trevas >
  3. Más Notícias

História Herdeira das Trevas - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi gente!
Durante a quarentena, minha mente aflorou muito e me peguei esboçando essa história a uns dias atrás.
É minha primeira história publicada então, por favor, sejam bonzinhos comigo!
Sem mais delongas, espero que gostem do capítulo.

Capítulo 1 - Más Notícias


Fanfic / Fanfiction Herdeira das Trevas - Capítulo 1 - Más Notícias

 Cada centímetro do meu corpo doía. Tentei esticar o braço e pegar o copo de água, mas não chegou à metade do caminho e ele caiu pesadamente sobre minha cama.

 -Bom dia. -Cumprimentou minha mãe entrando no quarto com uma bandeja de café da manhã e uma caixinha de primeiros socorros. -Como está se sentindo?

 -Estou bem. -Menti obrigando-me a sentar e tentando disfarçar a careta de dor.

 -Sua cara está péssima. -Falou ela com sua sinceridade excessiva. Minha mãe pegou meu rosto nas mãos e virou-o para o lado suspirando em seguida. -Nem maquiagem cobrirá esses ferimentos desta vez.

 -Para tudo há um jeito. -Tentei tranquiliza-la, mas seu rosto permanecia rígido. Levei uma garfada de panqueca à boca e forcei um sorriso, que com certeza saiu torto. -Eu adoro suas panquecas.

 Não existe nada no mundo que me entristeça mais do que ver minha mãe assim. Seu olhar está cheio de preocupações e as olheiras, cobertas por corretivo, deduram suas noites mal dormidas. Consigo ver a tristeza em seu rosto e não posso fazer nada para acabar com isso.

 Desde a morte do meu pai, há quatro anos, tenho lutado para sobreviver aos ataques brutais que venho enfrentando. Quando papai era vivo, os ataques eram esporádicos e sempre resolvidos rapidamente. No entanto, já nos mudamos cinco vezes desde seu falecimento e os malditos sempre me encontram.

 Monstros de todas as espécies me perseguem sempre que podem. Derrota-los é um hobby para mim, as manhãs seguintes que são o verdadeiro inferno. O corpo inteiro lateja, cada cantinho dele como se tivesse tomado uma surra, mesmo quando não encostam um dedo em mim. São as consequências de ser uma bruxa em Beverly Hills.

 -Entraram em contato ontem à noite. Dessa vez, veio uma mulher e deixou mais uma carta. -Ela esticou o envelope, cujo conteúdo eu conheço de cor. -Não preguei meus olhos durante toda a noite pensando nisso. Enquanto você não passa por aquela porta viva, não consigo relaxar, Mia!

 -Também é bem difícil ter que lutar contra aberrações toda sexta-feira. -Rebati e atirei a carta no chão. -Já tínhamos combinado que isso não era uma opção.

 -E estou voltando atrás. -Fechei meus pulsos instantaneamente como sempre faço quando a fúria está prestes a tomar meu corpo. -Sairemos hoje à noite e amanhã, você começa suas aulas em Hogwarts.

 -Não é você quem decide isso. -Rosnei lutando contra a vontade de atirar a bandeja na parede. -Eu não vou a lugar nenhum. -Silabei e ela suspirou.

 -Infelizmente, dessa vez você não tem opção. -Dei um pulo da cama e cai apoiada na poltrona. Meu corpo ainda não respeitava meus comandos. -Ou você vai por bem, ou vai por mal.

 

 

 -Intercâmbio? -Exclamou Samanta do outro lado da linha. -Que história é essa? Você nunca falou nada sobre Londres. -Berrou aborrecida com a voz chorosa.

 -É uma oportunidade única, Sam. -Falei enrolando meu cabelo nos dedos tentando não escorregar na minha própria mentira. -Minha mãe já havia preparado tudo com a empresa e fez uma surpresa para mim.

 -Então, eu vou com você. -Declarou em meio às lágrimas. -Não vou deixar você cruzar o oceano sem mim.

 -Em seis meses, estarei de volta. -Meus olhos começaram a encher e olhei para o teto evitando que o choro escorresse. -Não vamos conseguir nos encontrar, mas deixei um monte de coisas em uma caixa para você. Assim que voltar de Miami, peça para Tania pegar no meu quarto.

 -Não quero caixa nenhuma. Estou voltando para Los Angeles agora, estamos com o jatinho.

 -Samanta. -Chamei firmemente deixando algumas lágrimas escorrerem no rosto. -Eu sinto muito por não ter contado antes, mas vai dar tudo certo. São apenas seis meses. Não dará nem tempo de sentirmos saudades. -Menti já sentindo meu coração dilacerar em pequenos pedaços. -Preciso desligar agora.

 Um longo silêncio permanecia na linha por uns instantes, mas após alguns minutos escutei seus soluços desesperados. Não posso chorar e deixa-la ainda mais triste, eu preciso ser forte pelas duas.

 -Eu te amo tanto. -Falou em um tom quase inaudível por conta dos soluços.

 -Eu te muito, muito mais. -Rebati colocando a mão na cabeça. -Sam, você é minha melhor amiga, minha irmã. Eu te amo mais do que qualquer coisa. -Declarei deixando mais lágrimas escorrerem pelo rosto sujando-o de rímel. -Em breve, nos falamos.

 -Mia, não desliga o telefone. -Ordenou antes de eu desligar a ligação e atirar o meu celular contra a parede com força deixando a tristeza e fúria tomarem conta do meu corpo. Nunca vou me perdoar por mentir para Samanta, mas farei o que for preciso para protegê-la.

 

 Nosso jatinho nunca esteve tão silencioso.

 Minha mãe tentou puxar assunto algumas vezes, mas apesar de não estar com tanta raiva ainda, apenas coloquei meu fone de ouvido toda vez que ela falava algo.

 Sei que ela não tem culpa de nada disso e está sendo ainda mais injusto com ela do que comigo, mas minha teimosia me cega nesses momentos. Courtney abriu mão de ter filhos para cuidar unicamente de mim, aguentou meu temperamento forte durante todos esses anos, mimou-me como nenhuma outra pessoa faria e me amou, apesar de ser uma menina extremamente problemática. Ela poderia nunca ter me aceitado, feito Eron me deixar no primeiro abrigo que encontrassem, mas ela escolheu embarcar nessa aventura conosco e, por conta disso, depois de amanhã, ela não terá ninguém para dividir a vida. Todos que ela ama terão ido embora e isso é a coisa mais injusta que poderia acontecer.

 Novamente, minha visão embaçou por conta das lágrimas e me limitei a encarar a escuridão pela janela. Dentro de algumas horas, estaríamos em Londres e toda a vida que eu construí não vai ter valido de nada. Passei anos lutando contra o fato de ser uma bruxa para que? Para nada. Agora estou a poucos passos de frequentar um mundo que sempre abominei. Nossos planos não valem de nada mesmo.

 -Não quer comer nada? -Perguntou minha mãe sem tirar os olhos de seu notebook.

 -Não estou fome. Obrigada. -Respondi encarando minhas unhas recém-pintadas.

 -O Christopher preparou aquele hambúrguer de grão de bico que você ama. -Meu estômago roncou em resposta. O sanduíche do Chris é algo inegável.

 Levantei da poltrona e me juntei a ela na mesa principal. O banquete era composto por todas as minhas comidas preferidas. Como não desconfiei que Chris faria isso? Ele é nosso cozinheiro desde que sou um bebê e conhece meu gosto melhor do que qualquer outra pessoa.

 Servi-me com hambúrguer, batatas gratinadas, quiche de gorgonzola e uma taça de vinho branco. Devorei tudo com rapidez e minha barriga continuava implorando por mais comida. Passei tanto tempo chorando e planejando uma fuga que me esqueci de fazer as refeições.

 -Posso pedir para Tania organizar umas comidas congeladas para você levar, se achar melhor. -Dei um sorriso de canto. Eu sei o quanto sou mimada, mas a cada gesto de preocupação sinto-me ainda mais amada. Isso faz parte da minha personalidade egocêntrica: enquanto todos me dão atenção, sou uma pessoa feliz.

 -Seria esquisito chegar com um monte de marmita embaixo do braço. -Brinquei e ela riu concordando com a cabeça. -Não é possível que não exista nenhum outro bruxo vegetariano em Hogwarts.

 -É verdade. -Falou entre risadas fechando seu computador. -Você me perdoa por isso?

 -Só se você me perdoar por ser uma vaca. -Rebati e ela se jogou em meus braços num forte abraço. -Eu sinto muito pela forma como agi mais cedo.

 -Você não fez nada de errado, meu docinho. -Falou dando vários beijos em meu rosto. -Prometo que arrumarei outra solução para tudo isso, mas por enquanto, está fora do meu alcance. Enquanto não penso em nada, sua segurança é minha total prioridade.

 -Eu sei. -Choraminguei afundando-me em seu colo. -Tive que mentir para a Sam, ela nunca vai me perdoar por abandona-la assim, sem mais nem menos.

 -Minha princesa, a Samanta ama demais você, ela nunca vai ficar chateada por isso. -Falou fazendo carinho em meus cabelos. E se eu tiver que continuar em Hogwarts? Como vou explicar meus sumiços repentinos? Nunca mais vou ir para a escola com minha amiga? Nunca mais vamos desaparecer por Los Angeles e surgir três dias depois com metade da mídia atrás da gente? São muitas para pouquíssimas respostas, mas uma coisa eu sei: minha vida nunca mais voltará ao normal.


Notas Finais


E aí? O que acharam?
Eu to super ansiosa para receber o feedback de vocês! Críticas são sempre bem-vindas.
Lembrando que esse ainda é o primeiro episódio e tem MUITA coisa para acontecer ainda. Eu juro que vocês vão adorar!
Beijinhos, até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...