1. Spirit Fanfics >
  2. Herdeiras de um amor verdadeiro >
  3. 10 Capitulo

História Herdeiras de um amor verdadeiro - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Olá gente, estou de volta por muita insistência do meu dengo porque ela descobriu que tinha um capitulo pronto e recebi algumas ameaças kkkkkk
Espero que gostem.
Tenham uma boa leitura e nos vemos nas notas finais.

Capítulo 10 - 10 Capitulo


Estava caminhando no jardim do palácio, já era noite e a lua brilhava em sua plenitude no céu escuro cheio de estrelas, uma brisa fresca passava por meu corpo trazendo não só um arrepio mais também um conforto para meu ser, eu caminhava lentamente olhando tudo ao redor, sentia o cheiro das rosas, o som das folhas se mexendo devido a brisa,  escutava os barulhos que alguns animais que ali viviam estavam emitindo, me sentia bem com isso , livre , relaxada, renovada , como se a cada passo estivesse flutuando.

Comecei a girar com os braços abertos, uma gargalhada saiu da minha garganta, o que era isso que estava sentindo? Esse sentimento leve, feliz e tão puro? Cai na grama e fiquei admirando o véu negro cheio de pequenas luzes acima de me. Fechei os olhos para ficar ali aproveitando mais aquele momento, eu não sabia como havia chego ali nem o porquê, mas estaca feliz por ali estar e me sentir daquela forma.

Deveria tomar cuidado princesa, não é prudente sair sozinha a essa hora da noite não se sabe o que esta a espreita entre as sombras que vem junto com a noite – escutei uma voz rouca e fria que não me era familiar e me levantei rapidamente olhando ao meu redor

Emma, Emma tenha cuidado, se esconda – ouvia a voz de minha mãe sussurrada, porém parecia estar perto e ao mesmo tempo distante – meu cisne você precisa se esconder.

Mamãe – olhava para todos os lados, mas pouco eu conseguia vê, pois a luz parecia ter se apagado e as estrelas sumido, sombras cresciam ao meu redor e comecei a ficar com muito medo – onde estou? Mamãe onde a senhora esta? – comecei a correr sem rumo,  estava com medo e começando a sentir frio.

Shiiiii silencio meu cisne, eles não podem lhe encontrar, eles não podem lhe escutar, se esconda, se esconda rápido – eu olhava para todos os lados procurando de onde estava vindo sua voz. Questionando-me quem queria me encontrar. Eu odiava a escuridão me sentia impotente  por não saber o que havia ali depois do que aquela voz me falou.

Continuava correndo e acabei caindo em um barrando, quando olhei ao redor eu não estava mais no jardim  já estava fora dos limites do castelo e só conseguia vê a silhueta de muitas arvores ao meu redor.

Eles estão aqui – escutei sua voz ainda sussurrando porém em tom desesperado - corra meu cisne, não pare, não olhe para trás, fuja e não deixe que saibam quem você é, não confie em ninguém- sua voz foi se tornando melancólica e desesperada.

Eu corria e corria como se não houvesse amanha, eu sentia meus olhos arderem, meu corpo pesar, eu queria pedir socorro, eu olhava para todos os lados temendo o que poderia aparecer. Sentia lagrimas molhando meu rosto e embaçando minha visão, olhei para trás e nada conseguia vê.

Parei e encostei-me a uma arvore para recuperar o ar  que parecia fugir de meus pulmões, eu escutava a voz de minha mãe em minha consciência me falando para não parar , para continuar correndo mas eu não conseguia mais.

Recostei minha cabeça na arvore atrás de me e de repente tudo ficou em completo silencio, tinha a impressão de ouvir meus próprios batimentos cardíacos tornando tudo ainda mais aterrorizante.

Senti algo segurar meus braços e pernas, galhos estavam ao redor dos mesmos fazendo com que não conseguisse me mover. Escutei uma risada maléfica vindo da parte mais escura me fazendo arrepiar de medo e gelar.

Princesa, princesa, princesa, achou mesmo que conseguiria fugir de me? É tão ingênua a ponto de achar que é capaz de me vencer? Eu sou as próprias trevas em pessoa – gargalhou novamente se aproximando de me.

Não conseguia vê seu rosto, nem seu corpo, apenas suas mãos que levantaram meu rosto para vê os seus olhos vermelhos no meio da escuridão.

Você servira a me e destruirá em meu nome – falou introduzindo a mão em meu peito, enquanto sentia uma dor quase insuportável – esta vendo toda  pureza e luz nesse seu órgão inútil ? – falou segurando meu coração em frente ao meu rosto – serão corrompidos por minhas trevas, pelo odeio, pela raiva e pelo desejo de vingança e você nada poderá fazer para mudar isso. Seu destino é levar os reinos aos tempos de treva e não de luz, você é a chave para destruição princesa – falou tocando com o indicador no órgão a minha frente e aos poucos ele foi se tornando escuro.

Você sente o poder? Sente o desejo de sangue? – gargalhou alto – é apenas uma criança jogada pelo destino nesse mundo.

Eu já não conseguia sentir nem fazer nada – não sentia remorso, saudades, culpa e arrependimento. Sentia-me fria como se nada pudesse me abalar.

Emma, emma – ouvia alguém me chamar mas estava distante e  não conseguia me mover –  minha princesa, eu estou aqui.

Eu reconhecia aquela voz, era minha rainha das maçãs – olhei para os lados a procurando desejando sair daquele lugar.

Cuidado princesa  - falou aquela voz aterrorizante de forma raivosa - amor é a maior de todas as fraqueza – gargalhou alto enquanto devolvia meu coração ao peito e se afastava sussurrando aquela frase e rindo– amor é a maior de todas as fraqueza, amor é a maior de todas as fraqueza...

Emma, acorde – ouvi novamente a sua doce voz – é apenas um pesadelo, abra os olhos.

Senti como se estivesse sendo puxada de volta a realidade me levantando sobressaltada e agitada carregando uma expressão de medo olhando tudo ao meu redor.

Emma? – chamou-me me fazendo focar em sua imagem – você esta bem? Escutei um grito seu e corri para vê se estava bem.

Falou olhando com uma expressão preocupada e tensa.

Eu nada falei, apenas comecei a chorar com tanta intensidade que sentia meu corpo pular com os soluços que veio junto às tantas lagrimas.

Ela se aproximou mais em minha direção e me abraçou forte, enquanto eu me segurava nela como se minha vida dependesse disso, como se fosse um sobrevivente de um naufrágio em alto mar agarrado ao pedaço de madeira que lhe mantinha na superfície.

Shiiii eu estou aqui, foi apenas um pesadelo, esta tudo bem – falava enquanto me guiava ainda agarrada em seu corpo ate a cama, ela se deitou juntamente comigo e esperou que meu choro compulsivo fosse diminuindo ate que só restava o som de nossas respirações.

Sentia seu carinho em meus cabelos e seu peito subir e descer de forma calma sob minha cabeça, o calor que seu corpo transmitia parecia ser suficiente para me manter aquecida apesar da brisa fria que entrava pela janela aberta do meu quarto.

Se você quiser falar sobre o que sonhou eu estou aqui, porém se não quiser ainda assim irei permanecer aqui com você tudo bem? – falou enquanto afagava minhas costas.

Apenas afirmei com a cabeça e continuei em silencio, não sei se seria capaz de pronunciar palavra alguma sobre o que tinha acabado de vivenciar mesmo que não fosse real, e será que realmente não era real, talvez fosse algum tipo de aviso ou uma visão sobre o que estava por vim.

Sentia minha cabeça doer e meu corpo tremer só de pensar em vivenciar todo aquele terror fora de meus pesadelos, se em minha mente era capaz de sentir e causar tudo aquilo imagina se realmente acontecesse, tenho certeza que não suportaria tamanho terror, preferiria morrer a me entregar as trevas ou ser usada para machucar  pessoas inocentes.

Não fique pensando no pesadelo, só ficara pior ainda – falou com sua voz doce voltando a fazer cafune em meus cabelos – tente voltar a dormir, ainda é madrugada e você precisa descansar.

Não sei se conseguirei fechar os olhos depois das coisas que vi e senti – falei de forma sussurrada.

E se eu cantasse para você ate dormi? – indagou me fazendo apenas acenar com a cabeça.

Sua voz doce e calma começou a ecoar pelo quarto, sentia seus dedos se movendo em meu couro cabeludo e tentei focar em tudo que ela estava me fazendo sentir ali naquele momento, aos poucos fui relaxando e quando achei que passaria a noite em claro, lá estava eu começando a adormecer serenamente nos braços daquela a qual estava sendo como um ponto de paz para me, o porto de refugio no meio de toda a tempestade que estava sendo minha vida.

Eu estou com você minha princesa – escutei sua voz já distante fazendo com que me aconchegasse mais ao seu corpo e sentindo-a abraçar minha cintura com a mão que antes me fazia carinhos para relaxar, suspirei me entregando ao sono.


Notas Finais


Que tenso esse pesadelo.
Será que quer revelar algo ou é apenas um pesadelo aleatório?
Comentem, favorizem e me deixem saber o que estão pesando e achando.
aviso desde já que talvez demore mais para postar pois não tenho mais nenhum pronto.
Mas tenham um pouco de paciência.
Bjs bjs até o próximo capitulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...