1. Spirit Fanfics >
  2. Herdeiros de sangue (Itachi Uchiha) >
  3. "Sou Uchiha Akemi..."

História Herdeiros de sangue (Itachi Uchiha) - Capítulo 25


Escrita por:


Notas do Autor


Voooolteeeii meus amores.❤️❤️❤️❤️❤️✨✨✨
Não sabem o quanto eu senti falta disto.
E bom, primeiramente, quero agradecer o carinho de todos e a paciência por esperarem eu me recuperar. Estou maravilinda de novo e vou fazer o meu melhor para voltar com as datas certinhas de postagens.

Amores, eu queria deixar um aviso muito importante aqui também, que eu tenho certeza que entristece qualquer autora... Plágio é crime! Então, por favor, estou avisando e vou ficar bem atenta. Dá próxima vez não irei deixar passar em branco.

E então, fiquem com o cap.❤️❤️✨
Ele ficou bem grandinho, e espero que gostem.
Até lá embaixo.❤️✨

Capítulo 25 - "Sou Uchiha Akemi..."


Fanfic / Fanfiction Herdeiros de sangue (Itachi Uchiha) - Capítulo 25 - "Sou Uchiha Akemi..."

Anteriormente em Herdeiros de Sangue...

_Então acho bom você correr, Itachi. Sua Uchiha pode estar em perigo.

Continuando... Pov's Itachi.


Observo Madara tomar um gole do seu whisky, enquanto admira a prostituta dançar totalmente vulnerável e "atirada" na frente do desgraçado. As palavras dele me fizeram pensar seriamente por um instante. Eu sei que a barreira é totalmente segura e o Zetsu nem sequer pode se aproximar dela, por não tem nenhum poder ocular para quebrar o genjutsu em volta. E é claro, somente animais sem quantidade significativa de chakra pode se aproximar e passar pela barreira, como algo natural da floresta.


Mas até onde o Zetsu iria apenas pela curiosidade de saber quem realmente é a Akemi?


Respiro fundo e fecho os olhos, ouvindo a música lenta daqui. Sinto que finalmente Madara está me observando.

_Ele não vai conseguir nem ao menos chegar perto da barreira.- digo indiferente e abro minhas pálpebras.- Sua "preocupação" é desnecessária, Madara.

_Não subestime o Zetsu. Aquela garota não consegue vencer uma luta cara a cara com ele.

_Você que não devia subestimar a Akemi. Afinal, somos Uchiha's e você sabe muito bem de nossas capacidades.- ergo meu olhar sobre ele. Madara solta um suspiro e levanta do sofá, deixando o copo de whisky na pequena mesa de centro. Algumas mulheres tentam se aproximar, mas o mesmo faz um movimento com a mão, para que elas se afastem. O Uchiha me analisa por completo.

_Acho bom você ter o consentimento que pode até mesmo criar uma guerra contra os membros da Akatsuki. Pois quando um Uchiha está disposto a amar, também tem que estar disposto a odiar.- ele faz uma pausa.- A Akemi está sendo caçada pelo Zetsu, Kakusu e Hidan. Membros da organização que sabem perfeitamente como matar alguém. O Zetsu eu posso tentar controlar, mas os outros deixarei em suas mãos. É o máximo que irei facilitar para você.- vejo o sharingan dele ativo, pelo buraco da máscara.

_Eu não confio em você, e não pense que vou confiar um dia.- estreito o olhar.- também não faço a mínima idéia do motivo por você estar disposto a parar o Zetsu, sendo quê as informações adquiridas por ele, também podem vim á ser um assunto bem interessante.

_Não dou importância para a Akemi no momento e como eu já disse: respeito seu amor por ela.- Madara se aproxima de mim.- Não tenho a intenção de destruir isso, mas os outros, sim.

_Você não sabe nada sobre o que eu sinto por ela. É completamente insignificante, mesmo que você ache o contrário.


Madara sabe de algo á mais... Isso é realmente preocupante.


_Pense como quiser, Itachi.- ele se vira e começa a ir lentamente para o fundo deste local. Uma parte totalmente escura. Ouço as mulheres que estão ao redor sussurrarem entre si, sobre o quê o Madara foi fazer lá. Respiro profundamente, já imaginando o motivo. Ele logo volta na minha direção. Seus passos ainda são bem despreocupadoe, e ele carrega uma mala enorme em mãos. É possível ver a ponta das notas de dinheiro vazarem da mesma. O Uchiha chega ao meu lado.- Se não se importa, quero que me faça um pequeno favor.- ele diz baixo.- Mate todos deste lugar. Eles ouviram demais e toda a renda que eu podia tirar daqui, eu já tirei.- olho para o homem de maneira fria.

_Quero que mantenha todos da organização longe da minha vida pessoal. Vocês não tem nada haver com isso.- digo sério. 

_Pode deixar, farei o possível. Agora, dê um jeito de controlar aquela Uchiha. Se ela por um acaso, intrometer em nossos assuntos, eu mesmo farei questão de executá-la; descobrir seu antecessor e ver se realmente não é ninguém importante, como você diz.- Madara passa por mim, saindo da ala VIP. Respiro fundo e olho para as mulheres, que carregam uma dúvida explícita no semblante. Ativo meu sharingan.


É Itachi... Esta é a sua vida. Aceite.


Pov's Akemi

...

Já se sentiram presos? Presos em um pesadelo no qual você nem ao menos sabe distinguir se é verdadeiro ou falso?

Bom, é assim que me sinto neste exato momento.

Eu quero gritar; eu quero matar quem está em cima de mim.

O ar falta em meus pulmões. Estou sendo sufocada. Forço a visão para o feitor disto tudo... Zetsu.

...

Acordo ofegante. Estou suando frio. Levo as mãos até minha garganta travada e começo a tossir. Meus pulmões imploram por oxigênio, e eu estou fazendo de tudo para ter o mínimo de ar dentro deles. Olho ligeira ao redor do quarto, e tudo está na mesma ordem de ontem, desde que fui dormir; deste que o Itachi estava aqui. Tento ao máximo acalmar minha respiração, descendo as mãos do pescoço, para o peito.


Meu coração está batendo descontroladamente.


Retiro o cobertor de cima das minhas pernas e me viro, ficando sentada na beira da cama, ainda ofegante. Fecho os olhos abaixando a cabeça, tentando me convencer de que isso foi somente um pesadelo com um dos "monstros" daquela organização criminosa. Abro minhas pálpebras de forma lenta e olho por cima dos ombros, tendo a visão da grande janela de vidro. A lua cheia entrega que ainda é madrugada. Respiro profundamente, sentindo meu coração se acalmar. Me levanto da cama e sigo até o canto do quarto, ao lado da porta, onde fica o interruptor de luz. Logo a claridade ilumina tudo ao redor. Minha mão fica por alguns instantes na parede, e meus olhos estão fixos no chão de madeira.

Balanço a cabeça em negação e vou até a bancada. Mais precisamente,  no espelho. Engulo seco ao ver meu reflexo. Os cabelos bagunçados, minha testa está humida pelo suor, meus lábios secos por conta de todas as respirações profundas que eu tive. Sinto meus olhos marejarem. Todos os músculos; cada parte de mim, está travado. Lembro detalhadamente do sonho.


O que está acontecendo?

Será um sinal?

Por qual razão me sugou tamanha energia?


A possibilidade de alguém realmente ter estado aqui, além do Itachi, é de fato impossível. Somente por pensar nisto, meus joelhos fraquejam. Me apoio na bancada para não cair. Minha respiração fica ainda mais acelerada.


Calma, Akemi. Foi só um pesadelo.

Seja forte!


Me ergo, soltando um último suspiro pesado. Desapoio totalmente da bancada e começo a me afastar dela de forma lenta, indo rumo ao banheiro. Entro no local que está gélido, por conta da madrugada. Sigo até a pia. Abro a torneira fazendo a água jorrar sobre a porcelana. Prendo meus cabelos em um coque e logo após começo a lavar meu rosto calmamente, massageando cada parte dele e sentindo meus músculos relaxarem com a água que vai esquentando de pouco em pouco. Fecho a torneira e permaneço com os olhos fechados por alguns instantes. Abro minhas pálpebras e vejo a toalha branca, pendurada ao lado da pia. A pego, e seco primeiro as gotas de água que estavam descendo pelo meu pescoço e logo passo para o rosto. Sinto o cheiro gostoso da toalha limpinha e acabo me lembrando do Itachi e sua "obsessão" com a limpeza. Afasto a toalha de mim e observo meu reflexo no espelho. Uma simples lembrança do Uchiha, fez minhas pupilas dilatarem, ganhando destaque no castanho claro dos meus olhos. Sorrio involuntariamente ao recordar de seus traços únicos; seu semblante. Todos os detalhes daquele homem passam pela minha visão, não só deixando meu coração ainda mais calmo, mas como também minha alma.


Apesar de beleza interna e externa, o olhar do Itachi é o quê mais me encanta. Olhos negros e brilhantes como a noite; obra prima da Mãe Natureza; intensidade genuína... Como eu o amo. Muito.


Uma sensação maravilhosa me invade, trazendo a saudade, e olha que estou apenas algumas horas sem ver o Itachi. Eu sei todos os motivos dele e sei também das coisas verídicas que vivemos na infância. O Uchiha tem um coração bom que foi obrigado a ser corrompido, por algo mais pacífico do quê uma chacina. Itachi impediu uma guerra civil que poderia facilmente se desenvolver para uma mundial, poupando somente eu e o Sasuke, por não sabermos do golpe de estado que os Uchiha's planejavam. 


Sasuke... Como você deve estar?

Esta dúvida preenche minha mente às vezes.


Respiro profundamente e saiu do banheiro. Passo pelo quarto, sigo pela extensão do corredor até chegar na sala. Dou uma olhada ao redor, verificando se está realmente igual a antes. Confirmo minha dúvida e paro de dar tanta importância á um simples pesadelo. Vou andando lentamente para a cozinha. Olho na direção do relógio na parede, e agora são exatamente 02:56hrs. O Uchiha chegará só na parte da manhã, pelo que ele me disse antes de sair.


Outra preocupação...

Ele havia dito que foi convocado com urgência pelo o Madara. O motivo, provavelmente, será um mistério até o Itachi chegar.


Levo minha mão até a nuca e deslizo meus dedos ali com força, na intenção de relaxar. Sinto meus fios negros começarem a se soltar do coque. Vou até a geladeira e a abro, revelando coisas necessárias para a sobrevivência, mas está precisando fazer compras. Ignoro isso e pego uma caixinha de suco, logo fechando a porta da geladeira. Como não tem muita quantidade de líquido dentro da caixa, bebo no bico mesmo. Sinto o gosto do morango invadir minha boca, com aquele azedinho que chega á ser gostoso. Não posso reclamar de nada, e sou muito grata por tudo. Mas tenho que admitir, não é o meu sabor preferido de suco e nem o do Itachi. Nossos paladares são bem parecidos, e gostamos de sucos que são realmente doces, sem acidez.


Não sei nem o porquê de ter este sabor na geladeira.


Jogo a caixinha de suco fora e olho pela janela da cozinha, observando a noite. É possível ver o céu estrelado, mas a lua pode ser vista somente do outro lado da casa. Abro uma pequena brecha do vidro e a brisa fria entrou com rapidez, trazendo o cheiro da floresta. Ar fresco e úmido. Fecho os olhos e fico ali por um tempo recebendo o vento, até que ouço um uivo de lobo. Abro os olhos na hora e observo atentamente a floresta.


Eu pensei que eles tivessem morrido naquele dia. Não imaginava que ainda teria lobos nesta região. 


Ouço novamente. Esse uivo é diferente dos outros. É mais agudo, e triste. Outra vez o som ecoa, como se fosse um pedido de socorro... Não sei dizer exatamente. Parece ser um filhote. Mordo os lábios e olho para o pingente no meu pulso.

                Salmão & Akemi

       Melhores amigos sempre.

O uivo acontece mais uma vez, fazendo eu voltar meu olhar para a floresta. É tão triste... Como uma música que invade meus ouvidos e faz meu coração se apertar. Não deve ser tão distante daqui, porque ecoa perfeitamente pela área.


Pense, Akemi. Onde tem um filhote, tem uma mãe.

Isso pode ser perigoso.


Fecho os olhos com força, pensando na besteira que estou prestes a fazer. Mas tudo que passa pela minha cabeça, é um possível animalzinho inocente e que ainda por cima pode estar ferido.


O Salmão jamais vai me perdoar.


Corro na direção do quarto, e sinto meus cabelos caíram do coque bem na hora e desceram até a minha bunda. Chego no cômodo rústico e vou até o meu guarda roupa e o abro de forma ágil, dando de cara com a minha capa preta com fundo vermelho pendurada. A pego e jogo sobre meus ombros, fechando a mesma. Olho na direção da cama e meu olhar segue para baixo dela.


O Itachi vai ficar muito bravo...


Sigo até a cama e fico de joelhos ao lado dela, logo me esticando pelo local escuro, abaixo do colchão. Puxo o baú do Uchiha para a claridade. Abro ele e observo o antigo uniforme ANBU e a espada por cima de tudo. Respiro fundo ao segurar na bainha. Me ergo e fecho o baú, empurrando ele com os pés, novamente para debaixo da cama. Ouço mais uma vez o uivo e paro todos os meus movimentos, prestando atenção no som.


Vem do norte, há uns 200 ou 300 metros daqui.


O silêncio mais uma vez paira no ar. Prendo o cinto da bainha no meu quadril e aperto o suficiente para não escorregar com o peso da espada. Saio do quarto e sigo pelo corredor, indo direto para a entrada principal da casa. Coloco minhas sandálias que estavam no chão e abro a porta, chegando na varanda. Observo a vista da floresta através da barreira. Os ventos balançam meus cabelos, juntamente da capa, revelando a roupa preta e confortável que eu visto por baixo. Coloco a mão no cabo da espada pendurada e aperto. Tento ao máximo me acalmar. Ouço mais um uivo.


Chegou o momento, Akemi... Seja forte e siga sua intuição.

Normalmente, ela não falha. 


Fecho a porta da casa e desço os degraus da varanda, dando a volta na casa, indo em direção ao norte. Vou me aproximando cada vez mais da barreira e logo faço um selo com a mão, para que a mesma se abra. Meu coração ficou disparado e por um momento, faltou ar em meus pulmões. É madrugada e também é muito perigo neste horário. O pesadelo que tive, passou pela minha cabeça, só para piorar a situação.


E se aquilo realmente foi um sinal? E se esse "pedido de socorro" do lobo, for uma enganação?


Fecho os olhos com força e mais uma vez o triste uivo soa em meus ouvidos. O coração que já estava agitado, aumenta as batidas. Sei que foi a mesma espécie que matou o Salmão e até tentou me matar. Sei também que pode ser uma armadilha ou somente um animal que ainda é inocente, e precisa de ajuda. 


Eu vou mesmo assim?

Sim, eu vou.


Abro os olhos determinada e posso sentir o sharingan ativado. Passo pela barreira e a fecho. Olho para a floresta na minha frente. O uivo mais uma vez acontece. Minhas pernas se movem em ato automático. Estou correndo. Rápido, muito rápido. Sinto o vento bater com tudo no meu rosto e meus pés deslizam por todos os obstáculos que a floresta me opõe. Um sorriso surge no meu rosto.


Estou livre... Livre do que realmente me prendia; livre da tristeza.


Um friozinho surge na minha barriga alargando ainda mais o meu sorriso. Ao contrário de estar fugindo, eu estou indo atrás. Meu correr é tão leve; meu corpo é tão leve. A capa e os fios negros acompanham os ventos que me ultrapassam. Cada árvore desviada, cada enorme rocha no meu caminho, é como algo natural do dia a dia.


Sem mágoas, nada é capaz de me atingir. Pois neste mundo, quem quer, pode fazer tudo aquilo que sempre sonhou.

E eu quero, e muito.


Ouço o uivo cada vez mais próximo. Estou chegando perto e isso faz o meu chakra se agitar. Se passa como um flash na minha cabeça o momento em que eu ativei o Susanoo. Lembro da sensação de flutuar e a energia que tinha criado nas minhas costas. Então, uma dúvida... Eu sei rastejar; eu sei andar; eu sei correr.


Como seria voar?


Meu mangekyou se ativa. Parece que o lobinho vai ter que esperar mais um pouco ou menos tempo do quê eu imaginava. Pulo rapidamente em uma árvore.

_Susanoo...- sussurro e no momento, eu sinto o que todo Uchiha ou qualquer outro shinobi poderia querer sentir. O poder. Surge um peso nas minhas costas e eu vejo rajados brilhantes em uma linda mistura de cores, preto e vermelho escuro. Meu coração se acelera e o desequilíbrio me levou á ter uma queda livre, da grande árvore. O desespero nasce em mim.


CONTROLE SEU CORPO, AKEMI!


Quando olho para o chão vejo a sombra que a luz da lua me trouxe e tudo começa a se passar em câmera lenta. Asas... Asas enormes. Meu Susanoo proporcionou isto. Sua primeira fase de evolução é me dar este poder. Olho por cima dos ombros e vejo. Negras com rajados vermelhos.


Voe, Akemi. Voe.


As asas batem, me levando de uma vez para cima e um grito agudo escapa da minha garganta. Os ventos afastam as árvores do meu caminho, como um redemoinho fortíssimo. Não tem nada na minha frente. O único problema, é que a minha direção está sendo para às alturas. O desespero me atinge de forma inexplicável, quando eu perco a velocidade e as asas não baterem mais. Outro grito bem alto sai da minha garganta. Estou caindo mais uma vez. Meu estômago se revira e eu travo a garganta. Vejo a floresta de cima e cada vez mais próxima. O ventos levam minha capa para longe de mim e posso ver ela se distanciando com o tecido rasgado em dois buracos, no mesmo local onde surgiu as asas.


Bata as asas, Akemi.


Fecho os olhos sentindo o vento bater com violência no meu corpo. Mentalizo tudo que está acontecendo. Sinto meu poder. Sinto as asas como se fossem parte de mim e eu só não estou mexendo, porquê "não" quero.


Agora eu entendo; sinto.

Sou Uchiha Akemi... E sim, eu posso ser intangível.

E sim, eu sei a sensação de voar com as minhas próprias virtudes. 


Bato as asas. Não foi ato automático e nem nada disso. Eu quis fazer e fiz. Ao ir mais para cima, bato em uma árvore por acidente. Ela explode e eu não senti nada. As asas destruíram ela e ainda por cima me protegeram. Olho para tudo, analisando os detalhes. Estou flutuando de modo natural e as batidas das asas, fazem os fortes ventos balançarem as folhas e árvores menores. O mais incrível de tudo, é que esse poder é esteticamente perfeito para o tamanho do meu corpo. Dizendo por chute de visão, elas possuem 1,65m de estatura, enquanto eu possuo 1,50m.


Não consigo parar de ver ao máximo delas, mesmo estando voando.


Ouço o uivo.


kami Sama... O lobo!


Subo mais às alturas com um rodopio e voou para o norte. A sensação... É maravilhosa. O vento não me machuca, ele me abraça. O frio na barriga aumenta o sentimento de liberdade. Um sorriso aberto surge no meu rosto.

_OOOHHHHH!- grito animada e giro novamente no ar. A sombra que a lua me permite ter é incrível. Minha silhueta com asas enormes passando rapidamente pela floresta.


Isso é demais!


Ouço novamente o uivo. Paro de uma vez e sinto o refluxo no meu estômago. Travo a garganta e coloco a mão na boca. O gosto armargo impregna na minha língua e eu por momento perco o controle do chakra. As asas somem em um flash de luz mista de vermelho e preta e eu estou novamente em queda livre.


Que ótimo...


Solto outro grito agudo e sinto meu corpo chocar contra os galhos das árvores, rasgando minha pele e então eu caiu no chão. Sinto as folhas no meu corpo inteiramente dolorido. Abro os olhos de forma lenta e solto um suspiro.


Momentos de glória e luta são bem normais do meu cotidiano.

Os de luta, são ainda mais frequentes.


Sinto meus braços arderem mais do que o resto do corpo. Deve ser pelo fato de que eles estavam á mostra e totalmente livres para se machucarem. Ouço novamente o uivo, bem próximo de mim.


Só falta ser uma armadilha e eu ser devorada pela alcatéia ou sequestrada por alguém.

Aí... O Itachi vai me matar.


Forço meu corpo para levantar. Me apoio na árvore ao lado e tento ao máximo ganhar postura, mas o refluxo no estômago volta. Não consigo segurar e meu corpo se inclina para frente, jogando pra fora todo o resto do jantar que ainda não tinha sido digerido e aquele suco de morango. Meus olhos marejaram e eu começo a tossir também. Cuspo o resto do vômito e sinto aquele gosto horrível. Faço uma careta em automático e cuspo mais uma vez, na intenção de tirar isso da minha boca. Pra piorar, minhas costas começam a doer também, junto com todos os outros machucados no meu corpo. Ouço novamente o uivo.


Força, Akemi. Você consegue!


Meu subconsciente me apoia com isto e eu apenas respiro fundo. Começo a seguir na direção do uivo, com passos arrastados. Ouço um choro canino, bem baixinho e logo após outro uivo que saiu bem alto. Olho ao redor e então passo pelo tronco de uma árvore grande.

_Nossa...- digo em meio ao suspiro. A cena fez meu coração palpitar. Um lobo acinzentado, bem grande por sinal, está caído no chão, ao meu ver, se encotra morto. Do lado dele, um filhote na cor preta. Ele está deitado e chorando sempre, até que nota minha presença. Travo na hora e o lobinho se levanta, deixando as orelhas em sinal de alerta. Saio totalmente de trás da árvore e faço rendição com as mãos.- calma, eu não vou te machucar.- tendo confortar o animal, que definitivamente é inofensivo e está muito assustado. Vou me aproximando lentamente dele, e o mesmo começa a rosnar, ficando na frente do lobo cinza. Vejo as mamas do acinzentado... No caso, acinzentada, e tiro minhas conclusões de que é a mãe do filhote. Vou me aproximando ainda mais, até ver o colar de sangue no pescoço do grande animal. Engulo seco.


Alguém o matou... Mas quem?


Olho novamente para o lobinho nervoso. Abaixo minhas mãos de forma lenta e percebo que o filhote não consegue andar para me atacar ou algo do tipo. Sua pata está ferida.

_Eu só quero te ajudar.- digo olhando no fundo dos olhos dele. Sei que é apenas um animal, mas eu conseguia me comunicar com o Salmão facilmente pelo olhar. Talvez eu consiga com um lobo.- sei que você não está me entendendo, mas pode ter certeza que eu entendo a sua situação.- me aproximo mais.- Quando perdi quem eu mais amava, tive o amparo de quem eu mais amo agora.- sorrio. O lobinho para de rosnar e começa a me olhar atento. Me abaixo, ficando muito perto dele.


Espera... É uma fêmea.


_Você também é uma guerreira.- sussurro e sorrio. As pulpilas da lobinha se dilatam, ganhando destaque nos olhos amadeirados. Ela faz uma carinha extremamente fofa. Lentamente, estico minha mão na direção dela. A pequena se aproxima com receio e dificuldade pela pata machucada, até que chega na minha mão e cheira a mesma. Seu rabo abana levemente.- é um prazer, lobinha. Me chamo Akemi e eu vou te ajudar.- ela solta um barulho estranho, como se fosse um gemido misturado com uivo. Não sei dizer ao certo.


Claro... Lobos não latem.


Por ser uma filhote e ainda muito pequena, ela confiou em mim. A loba vem se aproximando cada vez mais e seu rabo abanando. Uma coisa curiosa, é que ela demonstra mais sinais corporais do que um cachorro. Possivelmente, até mesmo expressões faciais.

Começo a acariciar os pelos curtos dela e solto uma gargalhada quando a pequena se jogou no meu colo. Ela é fofa e chega até ser gordinha. Me levanto com a pequena nos braços e ela lambe meu rosto.


Que bafinho de filhote.


Sinto os machucados do meu corpo latejarem, mas não dou importância. Viro a cabeça na direção da mãe loba, estirada no chão. Seus olhos estão aberto e opacos. Me aproximo do animal e me abaixo com dificuldade, mas consigo.

_Sinto muito por isso.- sussurro.- vou cuidar da sua garotinha, como prova de que respeito todo o mundo animal. Pois vocês não tem culpa de sua natureza selvagem e eu perdôo pelo que fizeram comigo e com o meu antigo companheiro de guerra.- coloco minha mão no rosto da acidentada e fecho os olhos dela. Ouço um choro, vindo da pequena no meu colo. Ergo meu corpo, soltando um gemido pela dor, mas eu respiro fundo e olho para a lobinha.- Vou levar você para minha casa. Lá também mora um homem muito gostoso e que chega a ser arrogante as vezes. Porém, é o verdadeiro dono da casa, mas acho que ele não vai ligar se eu cuidar de você.- sorrio para a pequena. Ele solta novamente aquele resmungo e faz uma carinha animada.


É... agora eu tenho uma nova companheira de guerra. Mesmo o Salmão estando eternamente no meu coração.


                      🔥🔥🔥


Chego na barreira. Pelo caminho, concentrei o jutsu médico na pata da loba, e a curei. A pequena acabou dormindo. O único problema, é que eu esqueci da minha situação.


Estou completamente acabada.


Meu corpo lateja de dor e minhas costas só faltam gritar, implorando por um momento de descanso. Meu chakra parece estar esgotado, até porquê eu testei uma coisa muito forte e derrepente, sem preparo algum.

Seguro a filhote apenas com um braço e o outro eu uso para abrir a barreira. Passo por ela e logo fecho. Meu olhar vai para o céu, observando a pouca claridade que começa á surgir, entregando que logo o amanhecer chegará, e o Itachi também.


Ele certamente vai me matar...


Respiro fundo e começo a ir em direção a parte de trás da casa, logo dando a volta por ela, até chegar na entrada. Ao pisar na varanda, a madeira solta um ranger, fazendo a lobinha acordar.

_Calma, garota. Já chegamos.- digo e ouço minha voz sair falha. Entro na casa, sentindo o cheiro gostoso que daqui sempre exalou. Solto um suspiro de alívio e fecho a porta atrás de mim. A loba olha curiosa ao redor e eu retiro minhas sandálias com os pés mesmo.- Vamos direto para o banho, porque o Itachi não gosta nem um pouco de sujeira. Depois você poderá explorar cada canto.- sorrio para a pequena. Ela lambe minha bochecha de forma carinhosa.


Quem foi que disse que lobos sempre são violentos?


Começo a andar pela sala, indo em direção ao corredor. Passo na extensão dele e chego no quarto. Nem me dou o trabalho de reparar ao redor, apenas tiro a espada da minha cintura, jogando ela na cama e logo após vou direto para o banheiro. Quando fecho a porta, coloco a lobinha no chão. Ela no mesmo momento cola nas minhas pernas, com medo do desconhecido.

_Não precisa ter medo, pequena.- me abaixo e acaricio sua cabeça e sigo deslizando meu dedo pelo seu focinho. Ela se descola de mim e olha ao redor do cômodo frio. Com certo receio, ela vai andando pelo o único piso da casa que não é de madeira. A loba cheira por todo canto. Fico analisando seus movimentos. Tão pequena, com pelinhos curtos e arrepiados, na cor preta.


Será que eu estou fazendo o certo em deixá-la aqui?

Bom... Tudo diz quê, sim.

Qual seria um bom nome?


Deixo para pensar nisto depois, e sigo até o chuveiro. Abro ele no mínimo, deixando a água bem quentinha. Para a minha surpresa, a loba se aproximou da água. Ela começou colocando a língua para fora, na intenção de capturar o líquido que está caindo. Até que derrepente, ela pula animada debaixo do chuveiro e começa a fazer gracinha, se molhando por completo. Solto uma gargalhada gostosa observando a cena.


A personalidade dela, lembra muito a do Salmão.


_Vamos tomar um banho, pequena. Depois eu apresento a sua nova casa.- digo e pego o shampoo que estava na prateleira de vidro da parede. Ignoro mais uma vez as minhas dores e me abaixo, ensaboando a loba. Gastei o resto do meu chakra curando a pata dela, então não tenho o suficiente para me curar.

Depois de mais algumas passadas de shampoo e condicionador, terminei o banho da filhote. Me levanto, esticando a coluna e a mesma faz um estralo. Respiro fundo e sinto a loba chacoalhar. Seus pelos, mesmo molhados, estão visivelmente mais brilhantes.


Saiu muita sujeira dela... Muita mesma.


Depois que eu desliguei o chuveiro, enrolei a lobinha em um pano limpo e peguei ela no colo, secando ao máximo seu corpo. Abro a porta do banheiro e vou andando até a bancada, perto da cama. A coloco ali e mais uma vez a pequena chacoalha.

_Certo, você vai ficar por aqui, enquanto eu tomo banho.- coloco ela no chão e vou rumo a porta do quarto, a fechando. Para que ela não fica andando perdida pela casa.- Não faça bagunça, garota. Vou tentar ser rápida.- olho na direção da pequena. Suas orelhas estão para cima, mostrando a atenção que tem em mim. Sorrio fraco, pelo fato do cansaço estar martelando minha cabeça e todo o resto do corpo. Os pequenos cortes estão ardendo e ao lembrar das costas, as coisas só pioram.


Força, Akemi. Força!


Entro novamente no banheiro e fecho a porta, mas sem trancar. Começo a tirar minhas roupas sujas de forma lenta, tentando ao máximo não me machucar ainda mais. Quando retiro a camiseta, vejo os dois rasgados nas costas.


Eu tenho que aprender a controlar logo o Susanoo, se não, vou ficar sem roupas.


Retiro também minha calça, e quando eu ia tirar a lingerie, minha cabeça pesa, fazendo um zumbido alto no meu ouvido. Gemo de dor, colocando as mãos na cabeça e apertando. Meu corpo cambaleia para trás e eu me choco com tudo na parede fria. Um suspiro sai da minha garganta ao piorar a dor. Vou escorregando, até conseguir sentar no chão. Sinto o arrepio por todo meu corpo, quando minha pele entrou em contato direto com o piso. Sorte a minha que ainda estou de calcinha. Abaixo a cabeça em meio ao joelhos e coloco meus braços por cima dela, ainda apertando. O zumbido piora e sinto meus olhos marejarem. Algo queima no meu peito.


A pedra de rubi.


_Itachi...- sussurro e sinto lágrimas descerem pelo meu rosto. Tudo em mim está doendo e não tenho forças para me curar. A queda que eu tive não foi pequena e eu estava apenas ignorando tudo para conseguir salvar aquela loba.- Cadê você, Itachi?


Chegue logo... Por favor.


Pov's Itachi

Minhas roupas estão inteiramente sujas de sangue. Tive que matar todas as pessoas que estavam naquela casa de prostituição e provavelmente, algum boato vai correr por aí. Eu não ligo. Só irá crescer minha ficha criminal e novas buscar vão acontecer.


Se é que alguém tem coragem de vim atrás de mim.


Enquanto ando pela floresta, de volta para casa, sinto o cheiro horrível exalar do meu corpo. Sangue, misturado com o perfume forte daquelas mulheres e também de bebidas, que por ventura, caíram em mim. Por estar chegando perto da barreira, retiro o manto da Akatsuki e a bandana, deixando ambos no meu braço. Respiro fundo e uma sensação estranha surge no meu peito. Paro na hora e levo minha mão até o tórax, suspirando mais uma vez.


Akemi... Meu chakra selado no seu colar, está agitado.


Diferente de antes, agora eu ando rapidamente para chegar em casa. Pela mínima agitação que eu senti, ela está apenas passando mal, mas sem correr algum risco de vida. Agora, o porquê de ela estar assim que me deixou preocupado.


                       🔥🔥🔥


Quando eu entro na cabana, a primeira coisa que chamou a minha atenção foi uma gota de sangue, logo na entrada. O rastro segue até o corredor.

_Akemi!- digo alto, jogando minhas coisas em um canto qualquer e retiro as sandálias, deixando ao lado das sandálias da Uchiha. Começo a andar rapidamente até chegar no corredor, onde ouço o som de um animal que eu conheço bem.


Lobo.


Chego na porta do quarto e abro a mesma com rapidez. Vejo então, um filhote de lobo que se encolheu ao me ver. Ele se encontra ao lado da porta do banheiro, que no momento está fechada. Observo o pequeno animal e pelo estado dele, tomou um belo banho. Termino de entrar no quarto e fecho a porta atrás de mim. Sigo até o banheiro, sem tirar os olhos do canino. Estranhamente, ele me parece ser diferente dos outros. Seu olhar tem um certo brilho. Sei que é apenas um filhote, mas esse tipo de animal já nasce com o instinto de ser feroz. Ao me aproximar mais ainda do banheiro, o lobo não consegue tirar seu olhar curioso de mim.


Espera... É uma loba.


Respiro fundo ignorando o animal, pois tenho certeza que isso é apenas mais uma das "artes" de Uchiha Akemi. Bato na porta do banheiro.

_Akemi, você está bem?- pergunto e tento escutar alguma coisa. O chuveiro não está ligado e tudo que ouço e a respiração calma dela. Calma até demais. Viro a cabeça instantaneamente na direção da cama, e vejo minha espada em cima dela.


Ok, isso é muito estranho. 


 _Akemi, me responda. Por favor.- digo e colo minha cabeça na porta.

_Acho que você não vai gostar do motivo de eu estar assim.- ouço sua voz. Alguém sem bons sentidos de audição, não teria escutado, de tão baixo que foram as palavras da Uchiha.

_O que aconteceu?- fecho os punhos, já imaginando que poderia ter o Zetsu envolvido em algo. Sinto a raiva crescer no meu peito.

_Pode entrar... Eu não consigo me levantar mesmo.- quando ela diz isso, levo a mão até a maçaneta da porta e a abro. De cara, eu não vejo a Akemi. Mas quando eu olho para o lado, tenho a visão da Uchiha sentada no chão, encostada na parede, com a cabeça nos joelhos e apenas vestindo suas roupas íntimas. Meu coração se acelera ao ver seu corpo cheio de pequenos corte e alguns hematomas. Por ter boa parte visível de suas costas, observo também duas marcas roxas e bem alinhadas.- parece que não foi só eu que tive uma madrugada agitada.- suas palavras me tiram do transe.- seu cheiro está horrível, Itachi. Sangue, saquê e perfume enjoativo.- ela finalmente levanta a cabeça e olha na minha direção.- Não venha me dizer que passou a noite em um puteiro... Já tenho dores de sobra por hoje.- ela diz com desgosto e sua sobrancelha arquea.

_Não é eu que estou todo ferido e sem forças até para falar.- digo sério.- O que aconteceu com você?- me aproximo dela fechando o semblante.

_Muita coisa aconteceu, pra ser sincera.- ela revira os olhos de maneira cansada.

_Acho que tem tudo haver com a loba que está no quarto.- cruzo os braços.- Alguém fez isso com você ou foi apenas uma "aventura" fora da barreira?- Akemi respira fundo. Acho que ela já percebeu que eu estou bravo.

_Estou fraca porque usei meu poder e estou machucada porque não tive força o suficiente para me curar.

_E o motivo de ter acontecido tudo isso foi...?- me aproximo ainda mais dela.

_O maldito coração mole que eu tenho e minha vontade de ajudar um animal ferido. Satisfeito?- ela diz irônica.

_Um filhote de lobo vale mais do quê você se manter segura, Akemi!?- digo em um tom mais alto.

_Não ouse gritar comigo!- ela fecha o olhar.

_Você está sendo ameaçada por toda aquela maldita organização criminosa e ainda se arrisca sair da barreira sem ter terminado o treinamento. Eu te ensinei a abrir ela para você não ter o mínimo sentimento de ser minha prisioneira e agora eu vou ter que literalmente te prender aqui de novo!?- dou uma pausa.- eu tento te proteger, Akemi, mas você não colabora!

_Está me protegendo porque quer!- ela finalmente fala alto.- Eu NUNCA pedi a sua proteção, Itachi! E se eles quiserem me matar, que venham!- Akemi se levanta de uma vez. Relevando ainda mais seus machucados. Suas pernas tremem, mas ela permanece firme.- irei lutar com todas as minhas forças, como sempre lutei e se for para morrer, que seja também. Pelo menos você não terá o peso de se sentir obrigado a me proteger!

_Te protejo porque eu amo você, Akemi!- digo alto e passo as mãos pela meus cabelos, levando minha franja para trás.- Eu não conseguiria viver em um mundo que você estivesse morta. Mesmo que me odeie ou me ame, eu sempre vou proteger você, seja quem for te atacar. Lutaria contra cada membro da Akatsuki; lutaria contra qualquer nação shinobi para ver você e o Sasuke bem.- respiro fundo.- eu vivo e morro por vocês dois.- deixo meus braços caírem e sinto meus olhos marejarem.


Cenas do massacre ao clã Uchiha se repetem na minha mente.

O som da lâmina cortando cada um deles se repete no meu ouvido.

Os gritos.

O gosto do sangue volta para minha boca.


_Itachi...- Akemi diz tirando esses pensamentos da minha cabeça. Levo meu olhar até o dela. A Uchiha se aproxima lentamente de mim e então me dá um abraço forte. Afundo meu rosto na curva do pescoço dela, aspirando o cheiro de sua nuca. Faça chuva ou faça sol, o perfume doce e natural permanece aqui. Seus braços rodearam mais ainda por cima dos meus ombros e eu aperto seu corpo no meu. Sinto a pele macia dela. Beijo o pescoço da morena de forma delicada e fecho os olhos, apreciando o momento.- eu também te amo.- Akemi sussurra.- e sempre vou te amar, porque eu também vivo e morro por você.- sorrio instantaneamente. Soltamos do abraço e nossos olhares se encontraram. Ela sorri abertamente, iluminando toda a minha obscuridade. Akemi junta a ponta de nossos narizes e simultaneamente fomos de um lado para o outro em um movimento leve. Pelo que eu já ouvi falar, isso é um beijo de esquimó.


Quem iria imaginar que eu faria algo tão clichê, mas que me proporcionou uma sensação tão gostosa.


_Minha garota.- digo selo nossos lábios em um selinho demorado.

_Meu renegado.- ela diz fazendo um semblante sapaca e também me da um selinho. Reviro os olhos pele seu apelido "carinhoso". Ao se separar de mim, sua sobrancelha arquea.- Mesmo sabendo que eu não seria trocada por uma prostituta, ainda tenho minhas perguntas...- Akemi estreita o olhar.- Por que você está nessa situação?- ela se afasta mais um pouco, me olhando de cima a baixo.

_Madara e seus planos.- digo sendo direto.- ele me chamou para ir no lugar de reuniões particulares dele, mas o local foi destruído por mim. Ordens diretas dele.- o olhar da Uchiha entristece.

_Você matou muitas pessoas?- ela pergunta com receio. Respiro fundo.

_Não tive escolha.- digo por fim. Akemi acena de leve com a cabeça.

_Eu entendo que você tem um papel a cumprir, e também não quero ficar pensando nisso.- a Uchiha se vira de costas e começa a andar lentamente até o chuveiro. Mesmo com os cortes pelo seu corpo e sua debilitação ao andar, não pude deixar de reparar na bunda farta que a morena tem. A calcinha de renda preta deixa tudo ainda mais sexy. Subo o olhar pela a cintura fina e os cabelos negros fazem um movimento bonito a cada passo dela. Até que a Akemi vira derrepente na minha direção, fazendo meu olhar subir para o seu rosto na hora, me obrigando a disfarçar.- sei que você consegue despistar melhor que isso, Itachi.- ela diz ironica. Sinto meu rosto começar a esquentar e uma pontada nas partes baixas me lembram que eu acabei de sair da puberdade e ainda tenho leves "sintomas" dela.


Como sempre... Malditos hormônios!


Tento colocar os braços na frente do corpo, de maneira que ela não perceba. Limpo a garganta e me viro.

_Vou deixar você tomar seu banho.- começo a andar rapidamente, na intenção de sair do banheiro. Quando coloco a mão na maçaneta...

_Itachi, fique aqui... por favor.- ouço seu tom de voz manhoso. Minha sobrancelha se arquea e eu a olho por cima dos ombros. Ela apoia a mão ao lado da válvula que liga o chuveiro e a outra mão na cintura, fazendo uma pose tentadora. Inevitavelmente, meu olhar desce para os seios da Uchiha. A renda preta do sutiã deixa um lindo destaque na sua pele alva. O tamanho mediano dos peitos me satisfazem de maneira perfeita e aquela cicatriz deixa a Akemi ainda mais chamativa.


Essa garota quer me enlouquecer!?


_Seu sharingan está ativado.- ela me alerta e abre o chuveiro. Saio dos pensamentos impuros que minha mente tinha entrado e fecho os olhos com força, sentido que meu sharingan realmente estava ativado. Acalmo os músculos e os hormônios, da maneira que eu sempre fiz e me viro por completo na direção da Uchiha. Abro os olhos e analiso seus movimentos. Ela entrou debaixo da água e soltou um gemido de dor e seu semblante não diz o contrário. O sangue que era seco, agora escorre pela sua pele. Vejo suas penas tremerem por um momento. Ela encosta na parede atrás de si e abre os olhos, me encarando em seguida. Sua respiração está ofegante e ela morde os lábios com força.


Por isso ela quer que eu fique...


_Ainda estou fraca.- ela diz e abaixa a cabeça. Suas pernas ficam trêmulas novamente. Antes que algo á mais pudesse acontecer, retiro minha camisa e a jogo no canto, onde estão as roupas da Akemi. Crio coragem e retiro a calça, ficando apenas com minha boxer preta.


Controle seu corpo, Itachi. Não deixe se levar pelos hormônios.


Me aproximo da Akemi e ela levanta o olhar. Seu rosto ganhou um rubor intenso.

_Itachi, por que você está de cueca?- ela pergunta com a voz falha pela vergonha.

_Você está de lingerie, e não é muito diferente disto.- digo como se fosse óbvio.- Outra coisa, molhar aquelas roupas só ia intensificar o cheiro e poderia dar mais ardência em seus machucados, por conta do álcool que tem nelas.- vou andando lentamente até a Uchiha. Ela força o corpo para ganhar postura. Chego próximo e analiso suas orbes castanhas.- Venha, deixa que eu te ajudo.- digo e estendo minhas mãos. Akemi às segura firme e desencosta da parede. Puxo a Uchiha para debaixo do chuveiro. Sinto a água quente bater direto na minha cabeça e descer pelas costas, me molhando inteiramente. Fecho os olhos e o corpo da Akemi cola meu, deixando nós dois debaixo do chuveiro. Sua respiração fica profunda e ela coloca a testa no meu peito e solta outro gemido pela dor. Guio seus braços para que rodeiem minha cintura e eu a abraço também, ficando com a bochecha na cabeça dela. Sua respiração começa a acalmar e apenas ficamos aqui... Sentindo um ao outro. A calmaria que dividimos quando estamos juntos.

_Obrigada por ser meu ponto seguro e por me proteger.- ela sussurra, e move a cabeça de forma lenta. Levanto a minha e então conseguimos colar as nossas testas. A água escorre por nós dois, dificultando ficar com os olhos abertos. Então ela beija o canto dos meus lábios. Sorrio em seguida.

_Você me tirou da escuridão, Akemi. Eu tenho te que agradecer.- sussurro. Ouço um ranger na porta do banheiro e olho imediatamente por cima dos ombros, quase me separando da Akemi, mas sem deixar de dar apoio para ela. Observo quem está na brecha da porta. Ouço um riso gostoso vim da Akemi, quando ela finalmente vê a pequena loba.

_Acho que você já conheceu minha nova companheirinha.- olho novamente para a Akemi.

_Uma loba...- digo e analiso suas orbes que estão brilhando com a idéia.- Você sempre me surpreendeu.- digo e viro meu olhar mais uma vez para a filhote, que está abanando o rabo, olhando para nós dois.- Qual nome você dará para ela?- Akemi solta um suspiro e volta a me abraçar por completo, deitando a cabeça no meu peito. Sinto o seu sorriso, mesmo sem olhar diretamente.

_Quer ter a honra de escolher?- olho duvidoso para a Akemi.

_Quer que eu escolha o nome?- Akemi manusea a cabeça em confirmação, sem desencostar de mim.- Não sei se sou bom com nomes.- digo a verdade.

_Confio no seu bom gosto.- a Uchiha fecha os olhos. Sua franja está colada na testa, por estar molhada e gotas de água escorrem pele seu rosto delicado.


Um nome... Qual seria um nome perfeito para uma loba e simples ao mesmo tempo.


Olho na direção do animal e percebo os raios solares invadirem o cômodo. Pensar no sol, me fez lembrar da lua.


Claro, lobos tem uma ligação com a lua; noite; escuridão. Um canino que pode ter certa soberania, e principalmente, se for treinada com exatidão.

Já sei!


_Kira. Simples e com um significado que pode muito bem definir uma loba selvagem, ainda mais com os pelos negros. Uma "verdadeira" Uchiha.- digo com naturalidade. Akemi desencosta do meu peito e me olha sorrindo.

_Eu disse que você é bom nisto.- ela faz novamente um semblante sapeca e olha para a loba.- Kira... Perfeito.


Certo. Agora, tenho uma loba morando dentro de casa.

Por conta desta pessoa que está abraçada comigo.

Akemi... Uchiha Akemi. Minha garota.


                "1 ano depois."


Notas Finais


Eiii meus amores.❤️❤️❤️✨✨
Espero que tenham gostado do cap, dei o meu melhor nele. Espero também que não tenha passado nenhum errinho despercebido.
E quero agradecer mais uma vez pela paciência de todos e pelo carinho.❤️❤️✨
Mas e ai, o que acharam do cap e da mais nova companheira de guerra da Akemi? Tomara que realmente tenham gostado.
Bom, como vocês podem imaginar, teremos uma quebra de tempo e o momento tão esperado está chegando... O HOT DO NOSSO CASAL.
A foto do cap não foi muito significativa, tirando a loba, mas foi o melhor que eu achei para representar.
Até o próximo cap amores e se cuidem.❤️❤️✨


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...