1. Spirit Fanfics >
  2. Here no more >
  3. Ela Era Uma Sobrevivente

História Here no more - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura

Capítulo 5 - Ela Era Uma Sobrevivente


Fanfic / Fanfiction Here no more - Capítulo 5 - Ela Era Uma Sobrevivente


Zoë pov

Lisa havia partido rumo a Escócia para gravar o pilogo do programa de tv em que havia sido escalada. Era incrível ver o quão ela era amada pelas pessoas do ramo do entretenimento, ela era uma referência, um ícone.

Ela não chorava mais quando nos despedimos, já Lenny fazia piadinha o tempo todo e derramava algumas lágrimas ao partir.

A questão é que ele optou em passar uns dias aqui em LA, em sua casa em Malibu. Eu sabia que isso era devido a questões maiores do que sua preocupação comigo, mas ele negou.

Era sexta feira, o tal dia da festa em que Chelle não parava de falar durante toda a semana.

Eu não estava empolgada, mas sabia que estava dormindo no ponto, no que tange a minha pesquisa. Confesso que estava meio apreensiva em ir num lugar cheio de gente e ser taxada de problemática, mas os resultados que eu queria obter, sobresaiam todas essas coisas.

Estava ouvindo um audiobook sobre a situação das crianças na Rússia, após o acordo de paz com a Alemanha, enquanto exercitava meu russo. Afinal, iria intermediar políticas sociais para os dois países na próxima semana, e não queria passar vergonha.

Me dediquei ao material assim que cheguei da minha caminhada matinal até o início da noite.

Comi meu ravioli de cogumelos ao molho branco favorito e logo fui me deitar durante alguns minutos. Tentei pegar no sono, mas Chelle invadiu meu quarto com a força de um furacão, me fazendo pular de susto.

-Zoe, não sei se alguém já te falou que não é vestida como a sua vó que você vai conseguir conversar com as vadias da festa. -ela disse, vestindo um vestido apertado e super decotado em tons escuros.

-Porra Chelle, são 21:00 da noite. Não é possível que comece tão cedo. -eu disse preguiçosa, cobrindo meu rosto com o travesseiro.

-Anda logo, preguiçosa. Eu sei o quanto você odeia "performar feminilidade", mas hoje você precisa se camuflar entre as mulheres do lugar. E outra coisa, quero sair para comer algo antes da festa, eu não vou chapar e passar vergonha na frente daqueles caras. -Ela disse puxando o edredom do meu corpo e se sentando ao meu lado na cama.

-Você sabe que eu tô pouco me fodendo para aquelas pessoas, Chelle. Eu não tô afim de impressionar ninguém. Só preciso ficar lá, observar e coletar alguns dados, beber um pouco e ir pra casa. -disse, me levantando da cama, indo até meu guarda roupa.

-Tá tá, eu sei. Você é boa demais para essas pessoas, eu sei. Agora vamos procurar uma roupa que valorize o seu belo corpinho e seu olhar debochado. -ela disse, se juntando a mim e ao meu guarda roupas.

Acabei optando por um vestido de alcinhas brilhante e um casaquinho de franjas preta. Deixei minhas tranças soltas e alinhadas e fiz uma maquiagem básica.

Chelle escolheu um vestido super curto com estampa de onça, saltos bem altos e maquiagem pesada, ela estava perfeita.

Pedimos comida pelo telefone e jantamos juntas, ao som das Raincoats, também conhecida como uma de nossas bandas favoritas.

Meu motorista nos levou até o lugar, que ficava num bairro de família próximo ao centro da cidade, o que me deixou surpresa.

A rua estava lotada de todos os tipos de pessoas, até aí eu estava acostumada, eu sou a filha de um astro do rock e uma atriz de Hollywood.

Se ouvia o rock pesado de longe, assim como a risada das pessoas chapadas, fumando e conversando calorosamente. Descemos do carro, e adentrando o lugar pela janela, a porta estava quebrada.

Os caras cumprimentavam a Chelle, e lhe ofereciam bebidas, quando dirigiam o olhar a mim, era sempre a mesma merda "você não é a filha do Lenny fuckin Kravitz?" Puta que pariu!

Eu nem dava o prazer de formular uma resposta, e seguia até encontrar a mesa de bebidas. Chelle já estava agarrada com um cara loiro com os cabelos longos, que mais parecia irmão gêmeo dela. A vi cochichando alguma coisa no ouvido dele antes dela vir nos apresentar.

Ele me olhou de cima a baixo e manteve uma distância considerada.

-E então, hum... Zoe, esse é o Vince. E Vince, você já sabe.

-Sei sim, você é a cara da sua mãe. - ele disse com um sorriso patético no rosto, enquanto estava com seu braço enroscado na cintura da minha amiga.

Eu nada disse, apenas o cumprimentei com a cabeça e observei o lugar, atrás do que eu vim fazer.

-certo, vou dar uma volta Zoe. Nos vemos depois. -Chelle disse e saiu de lá com aquele cara estranho.

-Me desculpe por isso, ela esta tendo uma semana difícil. - ouvi ela dizendo na medida em que se afastava.

-Estou acostumado com as manias de superioridade de herdeiros da fama. -O tal Vince disse, se virando de costas para me olhar.

Eu nem o conhecia, mas já não gostava dele. Era difícil ver o quanto as mulheres se submetem a relacionamentos abusivos e fracassados pelo medo da solidão.

Servi uma dose de vodka e bebi em uma golada. Prestei atenção na música misógina que estava tocando e percebi que não conhecia.

Certo, eu precisava me misturar com as pessoas e arrumar alguem para conversar. Olhei ao redor na esperança de encontrar Chelle e seu irmão gêmeo, mas não o encontrei. Já estava ficando nervosa.

Caminhei pelo espaço e acabei chocando com a figura de um homem alto, de jaqueta de couro. Quando ele virou para talvez me xingar, fiquei decepcionada.

Era o tal Duff McKagan.

-Olha, se eu fiz alguma coisa para você, acho bom resolvermos. Acabei de tirar o gesso e não tô afim de cancelar meus compromissos...

-Olha cara, fica tranquilo. Eu não vou te agredir ou coisa do tipo. A não ser que você me provoque. -Eu disse, o interrompendo já irritada com aquela situação.

-Certo, certo. É amiga do Vince também? Não sabia que frequentava esses lugares. -ele disse tragando o seu cigarro e me oferecendo logo em seguida.

-Não, eu vim com a Chelle. Na verdade, você conhece alguma garota de programa aqui nessa festa? -eu disse direta, aceitando seu cigarro.

-A grande maioria das garotas aqui são. Você está me surpreendendo cada vez mais garota. -ele disse com um sorriso malicioso, olhando para o meu corpo.

-Cala a boca cara. Você não me conhece... Preciso conversar, de forma casual com algumas delas, mas se eu conhecer apenas uma, já está de ótimo tamanho. -eu disse, olhando mais uma vez para as pessoas da festa e depois para o cara. Ele era bonito, de forma peculiar.

-Tá, eu quebro essa para você. Desde que, a gente possa conversar numa boa. Já tenho a pessoa perfeita na cabeça.

-Certo, certo. Quem é ela? -perguntei ansiosa. Eu até que queria conversar com ele, flertar um pouco e depois que conseguisse o que queria, ir embora.

-Vamos, vou apresentar vocês duas. Ela está na mesa comigo e com os caras. -ele disse, me indicando o caminho.

Eu o segui até o outro lado do espaço e vi alguns caras sentados numa mesa cheia de bebidas e cigarros. Lá estavam quatro homens falando alto, enquanto todos ficam e algumas mulheres.

-Olha, vou te pedir para não beber nada quando eu estiver perto, tô tentando dar um tempo desse veneno. -ele disse, antes de nos aproximarmos completamente da mesa.

-Eu não bebo quanto estou trabalhando, cara.-disse, passando as mãos nos meus cabelos me aproximando da mesa e daqueles homens repugnantes.

-Hey, seus desgraçados. Essa aqui é minha amiga Zoe, e vai nos acompanhar hoje a noite. Zoe, esses são os garotos. Izzy, Sixx, Slash e o desgraçado do Tommy Lee.

-Eu conheço você. É prostituta? - o cabeludo com cartola, disse me olhando com os olhos estreitos.

-Eu nunca foderia com você cara, estão acho que não. -disse, com o meu melhor sorriso debochado no rosto, enquanto as pessoas riam bem alto.

-ela é a filha do Lenny Kravitz, não é? É igualzinha a sua mãe. -a mulher de cabelos pretos fumando baseado me perguntou. Ela era elegante, e misteriosa, o que me fez simpatizar no mesmo instante.

-É isso mesmo. -disse, me aproximando dela.

-Chloe, ou Miss Pérignon, muito prazer. -ela disse, estendendo uma garrafa de vinho para mim.

Nós conversamos durante muito tempo, riamos enquanto cada uma bebia uma garrafa de vinho. Chloe era garota de programa de luxo, desde os 17 anos, na França. Veio para LA com 20 para desfilar para uma grande empresa de moda, qual ela não quis me revelar o nome, e não deu muito certo. Ela percebia que as outras garotas ganhavam mais dinheiro fazendo programa para os empresários ricos de LA. E assim, ela acabou gastando tudo em cocaína e anti depressivos. Se apaixonou por um homem violento, se casou e perdeu o bebê. Se divorciou e acabou voltando a prostituição, nas festas de homens ricos como o Vince Neil.

Ela era uma sobrevivente assim como Chelle, que acabou se juntando a nós depois que Vince bebeu todas e desmaiou no banheiro.

Rimos e conversarsamos até que Chloe, saiu acompanhada do tal Nikki Sixx.

Observei as pessoas da mesa e vi que apenas restaram Duff e Slash, que estava desmaiado ao lado de uma pilha de cocaína.

Duff se sentou ao lado de Chelle, e começamos a conversar. Ele era engraçado e muito empolgado sobre qualquer assunto. As vezes bebericava sua cerveja e fumava a todo momento, me fazendo perceber que era ansioso, o que significa que era tímido.

Bonitinho e tímido, ri comigo mesma.

-E então, Zoe, conseguiu o que queria? -Chelle me perguntou, animada se referindo a minha pesquisa.

-Ah, sim. Ela é incrível. Espero que eu lembre de tudo isso amanhã. -disse dando uma gargalhada. Eu realmente devia ter bebido bem menos.

-Zoe, eu não sabia que você era uma intelectual da academia. Estou surpreso em estar numa festa de sexo com uma nerd da faculdade.- Duff caçoou de mim, com um sorriso bonito.

-Você não sabe nada sobre mim, eu já te disse isso. E sim, você tem o privilégio de estar sentado numa porra de festa de sexo com a futura embaixadora da ONU, meu querido! -eu disse, um tanto exautada.

-A minha amiga vai ser famosa! Filhos da puta! -Chelle gritou, erguendo seu copo.

-Mas você é a herdeira dos Kravitz, pra que essa merda? -Duff perguntou, confuso. Aguardando uma resposta.

Aquelas palavras ecoavam na minha cabeça, se juntando com as da minha mãe, Chelle, Vince.

Fechei meus olhos.

Mesmo de olhos fechados, eu podia ver, as capas de revistas e programas de fofoca "Filha de Lenny Kravitz e Lisa Bonet surta com baixista da Guns N Roses em Los Angeles".

Eu a porra de uma sombra, um rato engaiolado, uma farsa.

-Eu não preciso da porra do dinheiro de um homem. Eu sou a porra da Zoë Isabella! Vão se foder, eu não preciso disso aqui. -gritei e logo depois sai dali, jogando minha garrafa de vinho no chão.

Fui andando para casa, ainda que não conhecesse o lugar, depois de algumas hora girando em torno do mesmo lugar, consegui chegar em casa.

Subi as escadas que davam para a sala de pintura, e tive certeza do que fazer.


Notas Finais


Comentem o que vocês acharam sobre esse rolê torto
E se cuidem nessa quarentena 🖤🖤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...