1. Spirit Fanfics >
  2. Heroes and villains in - The New generation- interativa. >
  3. Capítulo 1

História Heroes and villains in - The New generation- interativa. - Capítulo 5


Escrita por: e kineh


Notas do Autor


Aqui esta o primeiro capítulo definitivo.

🚫Não betado🚫

Espero que gostem.

Me desculpem pelos erros ortográficos e de português.

❌Aviso❌

Gente, já são 14 aceitos, estou pensando seriamente se eu fecho, ou não as vagas, mais isso vou ver até o segundo capítulo. Mas se você ainda está fazendo sua ficha, mesmo que eu tenha fechado as vagas, vocês tem até dia 25 de abril para fazerem. Então é isso, é boa leitura.

Capítulo 5 - Capítulo 1


Fanfic / Fanfiction Heroes and villains in - The New generation- interativa. - Capítulo 5 - Capítulo 1

Alguma, das base da S.H.I.E.L.D

Quarto de Carolina Odison - 05:59am

Narradora On


A forte chuva que caiu ontem desde a meia noite, resultou em uma manhã fria, e pelo que a previsão do tempo indicava, seria uma semana assim, a partir de hoje. 


Por gostar tanto desse tempo, decidiu ignorar sua vontade de levantar da macia e aconchegante cama, e ficar ali, curtindo o sono e a preguiça de um domingo. Mais vida de "Herói" nem é sempre fácil, e por esse motivo vou tirada do seu sossego, quando Nick Fury adentrou seu quarto, denominado até um pouco sóbrio, por conta de suas cores escuras e negativas, se assim pode se dizer. 


— Hayley Xavier, Becca Wayne, Ângelo Odinsdottir, Hydrangea Morningstar, Scott Spector e Katherine Lokinster — Parou próximo a cama e leu a lista de recrutas, tinha que recrutar até terça-feira, os quais a loira ignorava completamente— Mais a pergunta é….. — foi cortado pela loira. 


— Por que será que você não sumiu? — o sarcasmo e o cinismo estão estampados em sua face, que agora pode se vista com mais clareza, pois, antes ela havia coberto sua face com a coberta. Em um pisca, a jovem estava em pé, perante Nick que a encarava como se conseguisse ver o que tinha dentro da mesma. — Eu irei fazer minhas obrigações, tá? Satisfeito? Agora suma! — o empurrou até porta afora, recebendo alguns palavrões vindo dele, coisa que já não era mais novidade, não para ela. 


Superou pesado, com um pouco de irritação, ao ver o homem curva o primeiro corredor que apareceu. — Finalmente paz — pensou Carolina quando fecharia sua porta, mais um recrutamento, trouxe um certo ser irritante, no qual desde que foi trazido para cá, não a deixa em paz. 


— Bom dia — irônico falou, depois de impedir que a porta fosse fechada, com o seu pé. 


— Tira ou vou quebrá-lo — apontou para o pé do rapaz, com uma feição indecifrável por ele, mais com seu tom de voz seco. Mais apesar de sua atitude, continuou ali, parado encarando a loira que tinha sua paciência sumindo aos poucos— Diga logo o que quer! — 


— Deixe-me fazer missão com você? Hum? Prometo que não v….. — 


— Não! — o cortou, recebendo uma cara de poucos amigos. O moreno não era um apreciador de ser cortado, isso o irritava, seja lá quem fosse, mais não rebateria, não com ela, não depois daquela noite, a noite a qual sempre lembrará, e sempre se perguntará. "Ela era Caroline?". Mais manteve sua cara de pidão, ou melhor, uma cara sensual, a qual sempre conseguia tudo, seja de homens ou mulheres, deixando os loucos de desejos. Mais desanimou ao ter a porta fechada na sua cara. Mais não desistiria, não queria ficar ali, feito um cachorro preso dentro de sua casa, não, de jeito nenhum ficaria ali dentro, mais para sua infelicidade ele só sairia dali com as agentes, mais uma não o quer levar, e a outra enta em sua missão de recrutamento, ou seja, se continuar assim, não sairei nunca. Mais se surpreendeu aí ter a porta aberta novamente, agora saindo de dentro do quarto uma Caroline com um uniforme bem marcante, tal que caiu bem sobre seu corpo, julgado sexy,  suas curvas ficaram bem marcadas naquele traje mais negro que a noite, que mesmo sendo mais atraído por homens, por alguns segundos, desejou a amiga de todas as formas possíveis. 


Balbuciou a cabeça de modo a expulsar os pensamentos pecaminosos, e sorriu sem graça, ao notar que a "amiga" percebeu o aumento considerável entre suas pernas. 


— Por Deus — brincou bagunçando o cabelo do mais velho. — Vai se arrumar logo, saiu daqui meia hora — passou por ele, que ainda se mantém parado, totalmente envergonhado pela terceira, quarta? Já não se sabia, ela era única; a única o qual o fazia se sentir envergonhado, não era à toa, já que ela era sua melhor amiga, mesmo tendo cortado os laços a anos? Talvez. Ambos já tiveram uma amizade mais próximo, não julgaria irmãos, pois, não tinha lógica, mais melhores amigos até que iria. 


Caindo de volta a realidade, correu até seu quarto, onde tratou de vestir uma jaqueta preta com interior cinza, a blusa e cinza, com mangas ¾, em suas mãos, trajando uma luva sem dedos, na coloração preta, cada uma tendo uma barra vermelha e pontos brancos no final do metacarpais. Sua calça e totalmente preta com duas barrinhas brancas, as botas também são pretas com duas holandês barras vermelhas com correntes prateadas.    


Quando pronto, saiu o mais rápido do quarto e se dirigiu para a parte de fora da base, onde a encontrou conversando com Nick, que parecia a dar um sermão, mas era apenas o seus modos de conversas.


— Vamos — interrompe a conversa, fazendo ambos perceberem sua presença, que mesmo marcante, foi despercebida por eles. — Cadê o meia hora? — bateu as pontas do dedo na pele do pulso, indicando a hora, fazendo a loira revira os olhos. 


— Falta ainda um minuto, mais vamos — começou a levitar, se juntando a ela, ambos partiram em uma viagem a uma velocidade superior ao do som, isso tudo, pois, queriam superar um ao outro no percurso. 


{•••}

Em alguma rua do centro de Nova York

07:22am


Mesmo cansada de ter acabado de completar sua última missão antes do recrutamento, lá estava ela, com a determinação de seus pais em sua veia, pousando o quinjet no prédio de uma das bases, infiltradas na população através de uma empresa de tecnologia. Como sua nave estava no modo invisível, a atenção do povo novaiorquino não foi ao terraço do grande prédio, deixando assim possibilidades de tumulto nas proximidades do prédio. 


Ao colocar seus pés do terraço definitivo, se praguejou por não ter aceitado a oferta da Odison antes da missão. A mesma se oferece em seu lugar para ir e completar, mais deixando seu lado orgulhosa aparecer, foi e resumindo? Nem suas ótimas habilidades a deixaram escapar de uma bela surra. Mais a teimosa, duvidou da Odison - "Eles são peritos em tudo que ver, você precisa ser duas vezes mais rápidos que ele, caso contrário eles te darão uma surra" - foi o que a loira alertou antes da Romanoff sair para a missão, e ela estava certa em cada palavra. Ela, infelizmente, não foi rápida o bastante e levou uns belos tapas e socos, mas conseguiu completar sua missão. 


Após cumprimentar os agentes que a sua espera, estavam, desceu o mais rápido do prédio, prontamente para completar logo sua missão é partir para a próxima. As ruas estavam movimentadas como sempre, e isso não espantou a ruiva, que olhava tudo com a tamanha naturalidade. Enquanto andava acenou para os que a admirava, que no caso eram bastante, mais mesmo sendo filha de dois grandes ídolos da nação, ela não tinham muita fama, e se perguntava o porque sua amiga Odison tinha mais que ela. Não era inveja, longe disso, era apenas um questionamento mesmo, tal que a própria Odison se pergunta. Carolina não é conhecida por ser a heroínas mais amável e dócil, pelo contrário, é conhecida pela mais brutal e fria, acabando com seus inimigos sem nenhuma piedade, e tratando seu "fãs" como se não fossem nada, mais mesmo assim, seu rosto saí diversas vezes em telões nos prédios, jornais, revistas e todos os tipos de redes de comunicação, e nem era por ser filha de um Deus e de uma heroínas com poderes quase divinos, não, era apenas por ser ela mesmo, e nunca falhar em sequer, uma missão. Mais era esse o real motivo? Ninguém sabia, mais a ruiva gostava. 


Ao está sendo comunicada, através do fone de comunicações a distância, usados especialmente nessas ocasiões, por seu parceiro de equipe, Jorge, notou seu alvo um pouco mais a frente, talvez quinze minutos de distância, com sua visão melhorada. 


Caminhando calmamente, se pôs a ir na direção do rapaz, que acabara de sair de uma loja das mais movimentadas, da Gucci. Com várias sacolas em seu braço, e seu celular próximo a orelha, onde travava uma conversa divertida, seja com quem estava no outro lado da linha. 


Para ficar bem mais fácil sua missão, colocou seu parceiro para seguir o jovem rapaz, para onde que quer ele fosse, sabendo assim, exatamente onde seu alvo ia. Seus passos aumentaram, mais nada que desse suspeita. Eliz, seguiu o rapaz até uma praça, ali mesmo no centro, o mesmo já havia terminado sua ligação, e nesse exato momento, estava comendo uma pipoca, que já estava quase ao seu fim. 


Ao terminar a pipoca, levantou-se do banco, nada confortável, de madeira e caminhou para próximo a lixeira de cor prata, próximo a uma árvore de flores tão brancas, que ao caírem na grama verdinha, lembrava neve. Próximo o bastante, amassou o saquinho e jogou dentro da lata, virando-se com seus calcanhares, para a mesma direção que estava, se assustou ao ter a ruiva parada o encarando. 


— Você me assustou — colocou a mão sobre o peito — Não te conheço em si, mais traços seus, me lembra uma certa Romanoff — recebeu um aceno da mesma, o que fez com que o moreno tivesse a certeza que ela era filha dela. — Deixe me ver? Alguma missão de salvar o mundo? — Arqueou o semblante.


— Sim, isso mesmo — depositou suas mãos em cada lado de sua cintura. — A S.H.I.E.L.D te convoca, para uma equipe, que vai tanto proteger o planeta Terra, quanto procurar respostas sobre o desaparecimento de todos — mesmo se controlando, sua voz saiu embargada com tristeza. Ela era muito apagada ao dois, crescerá ao lado deles como uma verdadeira família, e o desaparecimento deles, doeu em sua alma, como se uma katana flamejante, atravessasse seu coração, e tivesse o prazer de torcer, para aumentar sua dor. 


— Não tenho muito o que fazer durante esse período, então não vejo o porque não? — brincou sorrindo gentil, recebendo um brilho nos olhos da ruiva. 


— Então é um prazer te conhecer Michael Black.— 


{•••}


Em alguma rua do Centro de Nova York

Horas mais tarde - 10:49pm


— Tem certeza que ele está aqui? — perguntou pela décima vez a loira, que já se estressar ao máximo com o rapaz. 


— Pela última vez, sim, tenho certeza, é ele irá aparecer em, três, dois, um, agora — se permanecendo em silêncio, avistaram ao longe, o jovem com habilidades de gato, descer do buraco que fez no teto até próximo a grande porta do cofre, pelo computador, que foi fechado assim que o moreno se aproximou da porta e tratou de destravar o mesmo. 


Mais o rapaz não esperava, que no lugar do seu tesouro, tivesse outro, que fez seu coração palpitar mais do que o costume. Não sabia explicar o que sentirá na verdade, pela primeira vez que encontrou com aquele par de olhos azuis, que o deu a primeira surra "feia" de sua vida. Ele ficou constrangido, pois, pela segunda vez, foi pego, mais não foi esse o motivo real, e que ele foi pego por ela, a garota que sem dificuldades alguma o surrou e o colocou atrás das grades, ou assim fez parecer. 


O sorriso ladino e sádico em seus lábios o fez ficar, mais sua mente o mandava vazar dali, pois, sabia muito bem o que aquele rostinho de anjo poderia fazer, mais seu corpo pedia, seu coração para ser mais franco.  Já fazia anos que não a via, ou escutava sua voz. 


— Eu sabia que não deveria te deixar sozinho com aqueles inúteis — se referiu aos agentes que tomará conta dele, em seus tempos de prisão. A mesma teve que sair em uma missão de urgência para outra dimensão, e nessa sua viagem, deixou outros agentes vigiando o rapaz, que sem dificuldades, escapou da prisão, deixando todos curiosos, do "como" e deixando uma certa heroína furiosa. — Mais olha que destino bacana — rio debochada — se aproxime, precisamos conversar com você — um face confusa, formou no belo rosto de Scott, que achava que estava a sós com a Loira. Scott sentiu um par de mãos tocar suas costas, e o mesmo foi empurrado para dentro do cofre e sentiu o vento tocar seu corpo, ao a pesada porta ser fechada, fazendo alguns barulhos internos, indicando está se trancando. Uma olhada de soslaio para trás, Scott avistou um rapaz, com aparência jovial, e desejada por muitos que o olha, não o conheceu de imediato, mas já ouvira falar dele algumas vezes, talvez por ser o segundo homem mais rico do mundo, o que o fez pensar seriamente em o roubar, mais duas coisas o impedia. Primeiro: Por um certo tempo, ele estava sobre os cuidados da S.H.I.E.L.D, e seu sobrenome era Caroline Odison, que o treinou e protegeu em seu período lá. E segundo: Ele não era idiota, e é muito poderoso, o que dificulta qualquer plano para seu ataque. 


— Sou todo ouvido — saiu de seu "transe" e decidiu escutar o que os dois agentes tinham a falar. 


— A S.H.I.E.L.D está montando uma equipe e estamos colocando tanto heróis, antes e vilões, e você está na lista de recrutados. O motivo da criação da equipe, você sabe. Mais a pergunta é, você vai entrar? — Scott pensou, ele não tinha muito a perder, então aceitou, não sabia se o sim que falou foi para salvar o mundo, ou para salvar seus pais e ficar ao lado da garota que faz seu coração falhar, mais não queria saber, ele esperaria as reações, após, sua ações, era apenas isso. 


{•••}


Alguma, das bases da S.H.I.E.L.D

Sala de Reunião

No outro dia - 08:23am


Eles tinham poucos, não tinham o bastante, mais não desistirão, iriam se esforçar para conseguirem mais, mas nem tudo pode ser um mar de rosas, então a atenção teria que ser redobrada. 


Agora, eles apenas tinham quatro, dos quatorze recrutas, que teriam que recrutar até daqui um dia, não seria fácil e eles, ou melhor, elas nunca pensaram assim. Uma idéia genial rolou na cabeça da loira, que não perdeu tempo em impor o que pensava, já que os recrutas não sabiam o que deviam fazer fora proteger o mundo. Mesmo que não recebesse a aprovação de Elizabeth, ela iria fazer, mais foi total contrário à reação da companheira, ao falar sua idéia, fazendo assim, ambas porem em prática a idéia. 


Como todos já estavam sentados na grande mesa, na sala de reunião, por motivo delas o chamarem para os comunicar algo, elas não tardaram em falar o que tinham. 


— A partir do meio dia, será dividido três equipes de duas pessoas, para cada um recrutar um dos faltantes — Elizabeth explicou seria, mais com sua feição gentil, saciando a dívida de todos ali.— iremos fazer um sorteio, três de vocês iram vim aqui para frente, para escolherem um desses papéis — aprontou para as três bolinhas de papéis amassados, em cima da mesa. — E quem serão, vai ser: Scott, Zaki e Bile — os três se levantaram e cada um pegou um papel — agora abram e nos diga seus parceiros ! — ordenou.


— Minha dupla e Michael, quem é Michael? — Scott perguntou olhando para todas da sala, recebendo um aceno do rapaz que se mantinha sentado. 


— Eu peguei Carolina — recebeu um aceno da loira.


— Isso é óbvio né pessoal. Elizabeth, você é minha dupla — Bile deu de ombros e se sentou. 


— Muito bom, agora o sorteio e para ver quem vamos recrutar! — se manifestou Elizabeth — Agora cada dupla fique ao lado uma da outra e venha escolher seus papéis. —


— Hydrangea Morningstar, Becca Wayne e Howard Stark — Michael se proclamou.


— Ângelo Odinsdottir, Katherine Lokinster e Theo Rice — Zaki mostrou o papéis para Carolina que revirou os olhos por ter que recrutar seus "primos".


— Lana Wilson, Hayley Xavier e Katherine Summers — Bile jogou os papéis em cima da mesa. 


— Partimos daqui a algumas boas horas, então descansem e façam o que querem enquanto é tempo — Ordenou e ambas, Carolina e Elizabeth, deixou os recrutas na sala. 





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...