História Herrani - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), The GazettE
Personagens Aoi, Hizaki, Jackson, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Junghan "Jeonghan", Kai, Kamijo, Kazuki, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Masashi, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Reita, Ruki, Teru, Uruha
Tags Abo, Alfa, Aoi, Aoiha, Beta, Clãs, Hopega, Hoseok, Jikook, Kaiyavi, Namjin, Ômega, Omegaverse, Reituki, Shifter, Sobi, Sope, Uruha, Vkookmin, Vmin, Yoongi, Yoonseok
Visualizações 223
Palavras 1.659
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 14 - 14. Beskidt


“A alma é como um vidro frágil, um espelho dos olhos, mas assim como alguns vidros embaçados dificultam a visão, uma alma suja também pode esconder segredos”


← ↑ ↓ →




Antes que chegasse ao quarto de Yoongi, Kouyou acabou por esbarrar com Kamijo, o alfa loiro parecia distraído enquanto andava e examinava os quadros expostos pelas paredes de pedra. Seu cabelo ondulado e dourado parecia brilhar com a luz vinda das tochas acesas.


— Está perdido, Yuuji-san? — Kouyou perguntou mesmo sabendo a resposta. Queria saber o que o alfa fazia naquele lugar, sendo que seu quarto era do outro lado.


— Não, na verdade eu apenas quero falar com Yuu-san. — Disse calmo, se aproximando do ômega que ergueu uma sobrancelha. As mãos atrevidas tocaram a cintura fina e antes que Kouyou pudesse reclamar da ousadia, Kamijo puxou ambos os lados de seu yukata, de modo de que fechasse, e então amarrou melhor o obi em sua cintura. — Cuidado com a forma que sai do quarto, Takashima-san. Há alfas mal intencionados por aí…


— Yuu já está dormindo, não terá como atendê-lo agora. — Disse retomando sua postura firme, olhando dentro dos olhos azuis do mais velho. Kouyou definitivamente estranhou uma reação tão gentil diante de sua quase nudez — uma vez que não notou estar tão bagunçado ao sair.


— Não aceita me acompanhar em uma bebida, Kouyou-san? Se é que posso chamá-lo desta maneira… — Kouyou assentiu, mas logo completou sua fala:


— Não, prefiro que não me trate de modo tão informal, meu alfa pode não gostar e não queremos vê-lo irritado. — Kouyou não era do tipo que usa as pessoas, mas usar o alfa moreno como desculpa para o que lhe era aproveitável parecia deveras significativo, principalmente quando precisava explicar uma ação ou coisa parecida. — Mas, eu aceito a bebida.


Yuuji sorriu, andando ao lado do ômega enquanto seguiam até o pequeno bar próximo ao salão principal. O silêncio no lugar era imenso, podendo notar-se apenas os sons que os criados faziam ao limpar a cozinha e ao andar pelos cômodos.


Kamijo parecia realmente disposto a beber, uma vez que encheu seu copo com Whisky. Takashima limitou-se ao pouco vinho no fundo da taça, alegando ter que acordar bem cedo.


— Sabe, Takashima-san, eu planejava cortejá-lo este ano, me assustei um pouco quando descobri quem era o ômega ao lado do Rei do clã Shiroyama. — Apesar do susto, Kouyou não demonstrou sua surpresa com a revelação do alfa.


— Um alfa casado cortejando outro ômega? Me soa como traição, Yuuji-san. — O loiro disse agitando o líquido carmesim dentro de sua taça. Sentia o tecido de seda de seu yukata escorregando por sua pele, o que obrigava-o a soltar a taça de vinho e arrumar a vestimenta.


— No meu clã é comum um alfa ter mais de um ômega, tudo depende das condições dele. — Kamijo explicou. O desgosto ficou óbvio nos olhos do ômega, no entanto, Kouyou tentou esconder isso bebendo o pouco que havia em sua taça de cristal.


— Não me parece boa ideia, mas não devo me meter no governo dos outros. — Takashima disse calmo, se levantando. — Preciso fazer algo agora, tenha uma boa noite, Yuuji-san.


Kamijo até mesmo tentou chamá-lo, entretanto, o ômega apenas continuou andando. Kouyou sentia como se cada passo dado até o quarto de Yoongi, o lugar ficasse ainda mais longe. Preferia quando seu quarto era separado do de Yuu, e ao lado do pequeno ômega.


Bateu na porta com calma, sem realmente querer bater — se sentia culpado por interromper o sono do pequeno — e contou o tempo até Yoongi abrir. Os fios escuros estavam úmidos e ele vestia-se precariamente.


— Desculpe atrapalhar seu banho, mas eu realmente não podia ficar no quarto com Yuu. — Yoongi assentiu e deu espaço para o mais velho passar. — Me responde uma coisa, Yoongi.


— O que? — Disse vestindo uma blusa branca de algodão que não parecia ser própria para seu corpo pequeno.


— Notei que foge sempre que o Yuuji aparece. Ele fez algo com você? Ou disse algo? — Yoongi sabia exatamente do que Kouyou estava falando, mas não podia simplesmente dizer o real motivo.


— Eu só não me sinto bem perto de alfas.


— Isso não inclui o filho dele, não é? — Yoongi sentiu o rosto queimar no mesmo instante e logo procurou um jeito de escapar e se esconder sob os lençóis de sua cama. Takashima apenas pôde rir da inocência do ômega mais novo. — Não é ruim gostar de um alfa, Yoongi. Ruim, péssimo na verdade, é se deixar virar um tapete para ele pisar.


— Eu sei… Você me ensinou isso. — Kouyou sorriu deitando na cama ao lado do pequeno. — É possível você e o Shiroyama se apaixonarem de verdade?


— A convivência nos faz enxergar a pessoa que está ao nosso lado. Por isso os indianos se casam sem ao menos se conhecer, a vida à dois deve ser como um bule de chá: começa frio e vai esquentando até ferver. Quando começa a ficar morno, o chá está acabando, assim como a vida. Parece ruim no começo, mas pode evitar corações partidos.


— Mas, e se a pessoa for ruim?


— O bule permanece frio.



                                             

[.::.]


Uma semana depois


Mesmo após os três dias de cio, Yuu não acordou. Kouyou começou a pensar em diversas tragédias, mas Takanori perguntou quanto da poção ele havia dado para o alfa e logo em seguida começou a rir, explicando que o certo era ter dado apenas metade do frasco. Agora o ômega estava com certo receio enquanto abria a porta do quarto com uma bandeja onde havia o café da manhã do alfa, por sorte Yuu ainda não estava acordado.


A bandeja foi posta sobre uma mesinha ao lado da cama e Kouyou se aproximou da mesma para checar se o alfa realmente dormia, para sua surpresa os orbes vermelho-sangue se mostraram assim que seu rosto estava próximo demais do rosto do moreno.


— O que está fazendo, Kouyou? — Ao ouvir a voz rouca pela falta de uso, loiro rapidamente se colocou de pé, arrumando o yukata lilás e jogando a franja longa para trás da orelha.


— Estava vendo se já havia acordado. — Shiroyama assentiu e se sentou na cama, franziu o cenho ao notar quão relaxado parecia, no entanto, se lembrou do cio esquecido ter começado enquanto estava no quarto com o ômega.


— O meu cio…


— Eu te dei algo para dormir, por isso está tão confuso. Eu não passei o seu cio com você. — Yuu passou a mão destra entre os fios longos e negros de seu cabelo e suspirou, três dias dormindo e longe do comando do reino poderia trazer problemas. — Há mais uma coisa… Eu te dei mais do que deveria então você dormiu por toda uma semana. Mas não se preocupe, eu-


Você, fez o quê? — Os dois passos para trás e encolher-se em seu próprio corpo foi totalmente involuntário, Kouyou até estranhou sua reação diante da voz ativa do alfa, mas sabia que um lupus trazia muito mais reações de si do que um alfa comum, então não havia exageros em sua reação. — Sete dias, Takashima! Sete malditos dias. Tem noção do que isso pode causar no reino? Ainda mais com Kamijo aqui?


— Eu sei, mas seu pai ficou em seu lugar. Ele disse que você estava cuidando de mim. Assim não houve nenhum problema, e quanto ao Yuuji… Eu fiquei de olho nele. — Yuu suspirou e desviou os olhos para a mesinha que portava o café da manhã. — Oh, eu fiz para você. Já passou o horário do almoço, então não havia mais nada.


— Cozinhou para mim? — Deu um sorriso de lado e Kouyou se sentiu corar diante do olhar travesso do alfa. — Sente-se aqui, tem comida demais para um só. Eu não sou de comer muito.


— Você é um alfa lupus, é quase uma lei comer tudo que vê pela frente. Seu lobo é um tanto descontrolado. — Kouyou resmungou colocando a bandeja entre ele e o alfa, que foi direto no suco feito com laranjas que o próprio ômega colheu com a ajuda de Masashi e Yoongi. O pão também havia sido feito por Kouyou, dessa vez sem ajuda de ninguém.


— Aprendeu a cozinhar desde sempre?


— Não, eu… — Engoliu em seco, não podia simplesmente dizer que foi criado para ser um alfa ótimo em combates corpo a corpo, precisava manter a imagem de ômega indefeso e marionete de alfas. — Decidi aprender quando notei que não fazia praticamente nada para me distrair.


— Ah sim. — O quarto permaneceu em silêncio até batidas consideravelmente fortes na porta atrapalharem a paz. Kouyou foi o primeiro a levantar e Yuu o acompanhou. Quando abriram a porta deram de cara com Masashi envolvido em pura fúria, os olhos do pequeno alfa estavam num tom forte e vívido de vermelho. — O que houve, Yuuji-kun?


Ignorando Yuu, o moreninho se virou para Kouyou, os olhos fixos nos semelhantes.


— Takashima-san, eu não posso tocar em uma ômega, muito menos em uma mais velha e ex-rainha do reino onde estou hospedado, mas você pode, pois é o Rei desse lugar. — Kouyou não conseguiu entender o que Masashi estava dizendo até erguer os olhos e notar que Yoongi estava encolhido atrás do alfa, os olhos marejados e a marca de dedos estava mais do que visível na bochecha cheinha. — Ela o acusou de fingir estar sem conseguir falar e surtou quando ele continuou calado, ela acredita que ele está coletando informações para passar adiante.


Após a confirmação de sua dúvida, Kouyou trocou um olhar breve e intenso com Yuu. Dessa vez o moreno não ia impedir Kouyou, independente do que ele pretendia fazer com Aya.


Notas Finais


Beskidt: sujo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...