1. Spirit Fanfics >
  2. Hey, Diário >
  3. 01

História Hey, Diário - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - 01


Fanfic / Fanfiction Hey, Diário - Capítulo 2 - 01

"11 de maio.

Hey, diário.

Eu sou o Jungkook, ontem eu te comprei e acho que vou passar a escrever certas coisas aqui. Eu sei que isso é algo totalmente idiota, mas acho que preciso de um lugar pra desabafar... guardar tudo dentro de mim está se tornando sufocante demais."

Taehyung franziu as sobrancelhas, erguendo os olhos por alguns segundos, sem conseguir prestar muita atenção nas palavras da professora. Olhou para o fundo da sala, para a carteira vazia, onde descobriu que Jungkook se sentava. Sentia seu coração batendo rápido contra seu peito e um nervosismo estranho dominava seu corpo.

Encontrou mesmo o diário do garoto que tinha tentado se matar dentro daquele banheiro no dia anterior?

Realmente não conseguia acreditar naquilo. A princípio Taehyung pensou que era alguma brincadeira idiota para assustar alguém, até cogitou a possibilidade do caderno ter sido deixado por um daqueles idiotas que estavam rindo quando entrou no banheiro, mas ao folhear o diário, percebeu que mais da metade das páginas estavam escritas. Ninguém teria tanto trabalho assim apenas por causa de uma brincadeira de mal gosto, certo?

Taehyung suspirou, voltando a observar fixamente o caderno a sua frente, que tinha o mesmo tom chamativo de vermelho que os seus cabelos.

Seria muito errado ler?

O Kim sabia a resposta. Sabia que seria completamente errado ler o diário daquele garoto. Era invasivo demais, tinha certeza que Jungkook escrevia as coisas ali apenas para si mesmo. Mas sua curiosidade estava começando a falar mais alto, junto com as dúvidas que brotavam em sua mente a cada instante.

Por que ele tinha deixado o diário naquele lugar? Não estava tão escondido assim, com certeza mais cedo ou mais tarde alguém encontraria, fosse algum aluno ou o pessoal da limpeza. Jeon Jungkook estava tão desesperado que nem pensou nisso? Não teria sido melhor jogar o caderno dentro da lixeira e cobrir com pedaços de papel toalha? Ou ele queria que o diário fosse encontrado depois que concluísse seu "objetivo"? Talvez tivesse uma carta de suicídio ali dentro, perdida em alguma página.

Ou talvez o diário todo fosse uma carta de suicídio.

Mas se esse fosse o caso, por que Jungkook tentou tirar o diário de vista? Por que não continuou com ele? Não havia marcas de sangue na capa, com certeza o garoto tinha o escondido antes de se trancar na cabine.

Taehyung sentiu seu estômago embrulhando com aquele pensamento e agitou a cabeça de um lado a outro, tentando afastar a imagem de um Jungkook sangrando e chorando dentro daquele banheiro. Sua imaginação fértil estava começando a lhe trair. De qualquer forma eram muitas perguntas. E quanto mais pensava sobre aquilo, mais perguntas surgiam na mente de Taehyung.

Definitivamente não sabia o que fazer com aquele caderno. Ler? Jogar no lixo? Entregar a família Jeon? Dar a algum amigo próximo de Jungkook? Ele tinha amigos? Ou será que deveria devolver ao garoto?

Apesar dos boatos sussurrados pelos corredores sobre sua morte, ele ainda estava vivo, disso Taehyung sabia. Afinal se ele tivesse mesmo morrido os professores já teriam avisado e provavelmente as aulas teriam sido canceladas. Então talvez devesse esperar ele melhorar pra devolver o objeto. Mas e se ele não quisesse de volta? E se o conteúdo daquele diário fosse demais até para o dono conseguir suportar? Taehyung não entendia bem o que se passava na mente de um suicida, mas sabia que poderia conter vários gatilhos entre aquelas páginas, dependendo do que Jungkook tinha escrito ali.

Taehyung passou uma das mãos pelo cabelo, ouvindo a voz da professora ecoando distante por seus ouvidos. Depois de pensar por mais alguns minutos, se inclinou para frente, focando os olhos na primeira página do caderno novamente.

"Hoje meu dia foi cansativo. Ultimamente eu não quero nem sair de casa. Eu tenho me sentido totalmente deslocado quando estou perto de outras pessoas, embora elas não prestem muita atenção em mim. Eu queria voltar a me encaixar em algum lugar, nem me lembro mais como é essa sensação."

Taehyung se inclinou contra a cadeira e fechou o diário de uma vez, o deixando sobre a mesa, a cor vibrante da capa fazendo com que ele se destacasse no meio de seus outros cadernos escolares. Ficou encarando o objeto vermelho por longos minutos, ainda tentando decidir o que fazer com ele.

Se estivesse no lugar de Jeon Jungkook, não gostaria que um completo desconhecido lesse seu diário e descobrisse tudo sobre sua vida e seus sentimentos.

Mas então o que deveria fazer afinal?

[...]

"13 de maio.

Hey, diário.

Eu ainda me sinto estranho escrevendo as coisas aqui, tenho medo de alguém ler... mas acho que com o tempo eu vou me acostumar, só preciso tomar cuidado. E além do mais ninguém presta atenção em mim, com certeza não vão prestar atenção no meu diário também.

Bom, hoje meu dia foi melhor do que ontem. Eu ajudei minha irmã mais nova com um trabalho de escola, era uma matéria bem bobinha do oitavo ano, então foi fácil. Ela ficou feliz. Eu me senti importante, mesmo não tendo sido grande coisa"

Taehyung suspirou pesadamente. Então Jungkook tinha uma irmã mais nova? O Kim sentiu um aperto no peito ao pensar no estado que a garota estaria naquele momento. Não apenas ela, mas o restante da família Jeon também. Não era algo fácil de se lidar, tinha visto o estado daquele garotinho no banheiro mais cedo, a tristeza transbordando de seus olhos ao falar sobre a irmã.

E ao se lembrar daquele garotinho, Taehyung rapidamente tirou o celular do bolso e o desbloqueou, torcendo para que o professor não percebesse. Olhou a lista de contatos, não demorando para encontrar o dele.

Lee Daewon.

Então era esse o seu nome. Olhou a foto de perfil por alguns segundos, vendo o sorriso leve estampado no rosto do infantil do menino, juntamente com aquele mesmo olhar carregado de tristeza. Com certeza a foto tinha sido tirada depois do que aconteceu a sua irmã.

— Professor?

A voz masculina tirou Taehyung de seus devaneios, fazendo com que ele erguesse os olhos novamente. Encarou o dono da voz quase robótica, encontrando Park Jimin, o representante da turma, com a mão erguida pra cima.

— Tem alguma notícia sobre o Jungkook?

Um silêncio pesado se seguiu após a pergunta, dominando cada canto daquela sala. Taehyung sentiu seu estômago se revirando de ansiedade e encarou o professor fixamente, aguardando uma resposta também.

— A diretora conversou com a mãe dele mais cedo, parece que ele está fora de perigo, apesar de ter perdido muito sangue. — o homem de meia idade finalmente respondeu, ajeitando os óculos redondos na frente dos olhos. Parecia cansado. E também parecia esperar que aquela pergunta fosse feita a qualquer momento. — Mas não sabemos quando ele vai voltar pra escola. Ou quando vai sair do hospital. De qualquer forma, ele vai ficar bem.

Um suspiro de alívio escapou pelos lábios do Kim. Não era grande coisa, mas saber que o garoto estava bem — pelo menos fisicamente — amenizava um pouco o aperto doloroso em seu peito. No mesmo instante Taehyung se lembrou do garotinho em casa, aguardando notícias de Jungkook também. Voltou sua atenção para o celular e digitou uma mensagem.

"Hey, aqui é o Taehyung, o cara do cabelo vermelho. Meu professor acabou de dizer que o Jungkook vai ficar bem. Mas não sabem quando ele vai sair do hospital e nem quando vai voltar pra escola. Espero que você esteja bem também, moleque. Se cuida :)"

Segundos após enviar a mensagem, ela foi visualizada. Provavelmente o menino estava com o celular na mão, esperando ansiosamente por aquela mensagem. E a resposta veio no instante seguinte.

Lee Daewon:
"Que bom que ele tá bem, obrigado por avisar. Eu tô bem também, tô assistindo um filme com os meus pais"

Taehyung abriu um sorriso pequeno, aliviado ao saber que o menino não estava sozinho. Também estava preocupado com ele, com o que poderia estar se passando em sua mente naquele momento. Se apressou em digitar outra mensagem e enviar.

"Qualquer notícia nova eu te aviso. Imagino que esse tipo de coisa não seja nada fácil pra você, então se precisar conversar com alguém em algum momento pode me mandar mensagem, juro que sou um ótimo ouvinte"

Lee Daewon:
"Obrigado, de verdade mesmo, você é muito legal, Taehyung :)"

Ainda com um sorriso pequeno no rosto, Taehyung guardou o celular. Mas seu sorriso logo sumiu ao ver o diário de Jeon Jungkook aberto sobre sua mesa. Tinha se esquecido dele por alguns minutos, mas ao observar a letra rabiscada todas as dúvidas voltaram a invadir sua mente.

Taehyung tinha passado as duas primeiras aulas apenas pensando naquele assunto, porém ainda não tinha a menor ideia do que fazer com aquele caderno. Mas já havia decidido que jogar no lixo estava fora de questão. Não queria que mais alguém o encontrasse, poderia cair em mãos erradas, de pessoas que não se importavam e que usariam o conteúdo daquele diário para machucar Jungkook ainda mais.

Também não estava muito certo sobre entregar a família Jeon. Não sabia com detalhes sobre a relação dele com a família, poderia não ser muito boa e aquilo também poderia deixar o garoto mais machucado. E não sabia se ele tinha algum amigo de confiança.

A opção de rasgar ou queimar o caderno também não era muito boa, afinal não era seu. Não queria destruir um pertence de outra pessoa. O diário poderia ter algum valor sentimental para Jungkook.

Então restava a Taehyung a opção de esperar o garoto melhorar e ir até a casa dele para devolver o caderno.

Ou a opção de ler.

Sabia que o certo a se fazer era devolver. Era essa a opção eticamente correta. Mas também era uma opção arriscada, porque não tinha a menor ideia de como Jeon Jungkook se sentia em relação aquele diário. Aparentemente ele tinha tentando se livrar do caderno antes de se trancar na cabine do banheiro, o que poderia significar que não o queria mais. Ou ele apenas tinha tentado esconder para que ninguém o encontrasse antes que concluísse o que queria.

Taehyung se lembrou de seu pensamento de mais cedo, sobre a possibilidade de existir uma carta de suicídio escondida entre aquelas páginas. Folheou o caderno vagamente. Será? Mas não tinha muito sentido, se tivesse mesmo alguma despedida ali Jungkook teria ficado com o caderno, para que fosse encontrado junto com seu corpo.

O Kim passou uma das mãos pelo cabelo novamente, bagunçando os fios enquanto mordia o lábio inferior com força. Sua mente continuava trabalhando sem parar, martelando aquele assunto. Pensava demais nas coisas. Namjoon, seu melhor amigo, dizia que isso era bom, afinal evitava que o garoto tomasse muitas decisões precipitadas. Mas em outras situações as dúvidas e os pensamentos apenas serviam para torturar Taehyung ainda mais, exatamente como estava acontecendo naquele caso.

O garoto respirou fundo, tentando clarear a mente.

Ok, restava apenas a opção de ler, que era justamente a opção mais tentadora.

Poderia ler para tentar decidir o que fazer. Saber mais sobre o garoto com certeza ajudaria, poderia descobrir a relação dele com a família e se ele tinha algum amigo próximo em quem confiava, talvez encontrasse alguém para quem pudesse entregar o caderno. Também poderia descobrir sobre como o garoto se sentia em relação aquele diário e se devolve-lo ou se quer menciona-lo poderia causar algum tipo de gatilho ou algo assim. No final, se Taehyung percebesse que o garoto não iria querer o diário de volta ainda restava a opção de queimar as páginas e fingir que nunca o encontrou. Jungkook não saberia, ninguém saberia. E os segredos do garoto estariam seguros consigo, afinal Taehyung era bom em guardar segredos, tanto dos outros quanto os seus próprios.

Abaixou seus olhos para o caderno, decidido a continuar. Taehyung sabia que no fundo tudo aquilo não passava de meras desculpas. Queria saber o que se passava na mente daquele garoto e principalmente os motivos que o levaram até aquela tentativa frustrada de suicídio. Não era apenas por curiosidade, era mais do que isso. Qualquer um poderia ter encontrado aquele caderno antes, mas foi Taehyung que teve a sorte — ou o azar — de colocar suas mãos nele. Justo Taehyung, que estava realmente preocupado com o garoto, que queria poder fazer algo para ajudá-lo. E talvez a chance de ajudar Jeon Jungkook estivesse bem na sua frente, não queria abrir mão dela.

Com esses pensamentos em mente, Taehyung procurou onde havia parado, percebendo que tinha lido apenas um pedaço da página onde Jungkook contava que tinha ajudado a irmã com o dever de casa.

"Eu só estou preocupado com minhas notas, elas estão caindo cada vez mais. Minha mãe está ficando decepcionada comigo. Mas não é minha culpa, as coisas já não são mais como antes. Só consegui ajudar Yuna porque era uma matéria muito fácil. Eu não sinto mais a mínima vontade de estudar e nem se quer consigo prestar atenção nas aulas, mesmo que eu me esforce bastante.

Eu só tenho vontade de ficar no meu quarto o dia todo sem fazer absolutamente nada, só deitado na minha cama, existindo. Será que estou virando um tremendo preguiçoso?

Eu não sei direito o que está acontecendo comigo, mas é frustrante e cansativo levantar pela manhã e saber que tenho mais um dia inteiro pela frente pra aguentar. Parece que não importa o quanto eu durma, sempre vou estar cansado. E não só fisicamente. Estou cansado da escola, cansado dos mesmos dias repetitivos, cansado das pessoas ao meu redor e, principalmente, cansado de mim mesmo."

Taehyung passou uma das mãos pelo cabelo mais uma vez, pensativo e um pouco nervoso. Algumas daquelas coisas eram sintomas de depressão, certo? Se lembrava de ter pesquisado sobre isso para um trabalho da escola. Então era isso? Jungkook havia realmente desenvolvido a doença e ela foi responsável por sua tentativa frustrada de suicídio? Era a melhor explicação.

Quando estava prestes a ler a próxima página para obter mais respostas, Taehyung sentiu uma mão parando sobre seu ombro.

— Taehyung. — Min Yoongi chamou, tendo a voz entediada. — Você ouviu o que o professor disse? É pra fazer dupla para o trabalho. — ainda um pouco desnorteado, Taehyung assentiu, vendo o amigo colocando uma cadeira ao seu lado. No mesmo instante o olhar entediado de Yoongi se focou no caderno aberto. — O que é isso?

Antes que ele pudesse ler qualquer coisa que estava escrito no diário, Taehyung o fechou de uma vez e o colocou dentro da mochila.

— São só algumas anotações de outras matérias. — mentiu, tentando afastar seus pensamentos de Jungkook por algum tempo. Encarou o rosto de Yoongi, encontrando os olhos dele estudando suas expressões com aquele característico olhar entediado, porém atento. Taehyung engoliu em seco e desviou o rosto. — Enfim, o que é pra fazer no trabalho, Yoon?

[...]

O Kim caminhou pelo pátio, tendo o diário de Jungkook bem firme entre seus dedos. Se sentou em um canto afastado, querendo ter certeza que ninguém iria incomoda-lo ali. Sabia que seus amigos com certeza sentiriam sua falta no refeitório, mas sabia também que não se sentiria a vontade por lá. Provavelmente o foco das conversas ainda era sobre o garoto suicida e Taehyung não estava afim de ouvir mais boatos exagerados e repletos de mentiras. No momento ler o diário parecia uma opção melhor.

Estava disposto a ler o máximo de páginas possíveis antes do intervalo acabar. Então, abriu o caderno aonde tinha parado e voltou seus olhos para a letra de Jungkook.

"14 de maio.

Hey, diário.

Acho que eu não estou bem. Meus dedos estão tremendo e eu estou sentindo uma enorme vontade de chorar, também estou com falta de ar, parece que tem algo entalado na minha garganta, querendo me sufocar. Eu também sinto que algo de muito ruim vai acontecer, mas eu não sei o que. Essa sensação é horrível, eu estou ficando com muito medo, não consigo dar um passo pra fora do meu quarto.

Minha mãe não está em casa, mas mesmo se ela estivesse eu não teria coragem de pedir ajuda. Eu não quero incomoda-la, ela já anda muito ocupada desde que o papai deixou a gente. Também não quero incomodar meus irmãos, acho que não seria justo envolver eles nisso, Yuna já deve estar ocupada demais arrumando a casa.

Eu só vou... respirar fundo várias vezes e tentar me acalmar. Eu posso fazer isso sozinho, certo? São só algumas sensações idiotas"

Taehyung engoliu em seco, percebendo que naquela folha a letra de Jungkook estava um pouco rabiscada e tinha alguns borrões de caneta em algumas partes, como se o garoto tivesse escrito aquilo de forma apressada e sem muita atenção. Mas com certeza era consequência da tremedeira em suas mãos, como ele mesmo havia mencionado.

Taehyung voltou a ler, percebendo que as frases seguintes estavam ainda mais rabiscadas. A letra de Jungkook estava quase ilegível ali, teve que se esforçar um pouco para entender algumas palavras.

"Não deu certo, eu chorei como um idiota por quase 30 minutos. Eu odeio me sentir assim, é simplesmente horrível. Eu ainda não consegui me acalmar, minha cabeça está doendo e eu sinto que vou vomitar a qualquer momento. Eu só queria não sentir nada disso, por que essas sensações idiotas não vão embora?

Yuna está batendo na porta do meu quarto, vou fingir que estou dormindo"

Taehyung passou a mão pelos fios de cabelo novamente — era uma mania que tinha desenvolvido com o tempo, praticamente como uma marca registrada —, deixou o caderno sobre seu colo e pegou o celular no bolso. Uma crise de ansiedade? Pelo menos era isso que sua pesquisa no Google mostrava, mas também poderia estar errado. De qualquer forma, pela descrição de Jungkook parecia realmente horrível.

Taehyung estava assustado com as coisas que estava lendo. E aquilo eram apenas as primeiras páginas do diário, estava com medo do que poderia encontrar se continuasse, mas sua curiosidade e a vontade de saber mais e talvez tentar ajudar aquele garoto de alguma forma não lhe permitiriam parar, por isso passou para a próxima página. Soltou um suspiro de alívio ao perceber que a letra de Jungkook estava bem mais legível do que na página anterior.

"15 de maio.

Hey, diário.

Eu não estava pensando em escrever sobre essa pessoa aqui... Eu ainda tenho muito medo de alguém pegar esse caderno pra ler, mas mesmo assim acho que vou contar o que aconteceu.

Eu estava caminhando para a aula hoje e esbarrei nessa pessoa pelo caminho sem querer. Eu entrei em pânico, como sempre acontece quando estou perto demais dessa pessoa, mas mesmo assim tentei me desculpar. O problema é que as palavras nem se quer saíram da minha boca. E ela, essa pessoa, só continuou caminhando pelo corredor sem nem olhar na minha cara. Eu entendo, estávamos atrasados para a aula, mas eu me senti mal. Me senti como um idiota. Não pelo que aconteceu, mas sim por me dar conta — mais uma vez — que essa pessoa nunca vai olhar pra mim e nem se dar conta da minha existência.

Afinal eu sou praticamente invisível para o resto do mundo, não é?"

Taehyung ergueu as sobrancelhas, curioso e um pouco surpreso. Então Jeon Jungkook gostava de uma pessoa? Bom, não era algo tão estranho assim, afinal ele continuava sendo um garoto de 17 anos, era normal gostar de alguém. Talvez fosse alguma garota da sala deles.

Releu a página novamente, se atentando a cada palavra. Aquela parte estava um pouco mais leve do que as páginas anteriores, mas continuava carregada de sentimentos negativos.

Jeon Jungkook não tinha sentimentos bons?  Taehyung engoliu em seco ao pensar sobre isso e logo tratou de afastar aqueles pensamentos. Ainda estava nas primeiras páginas do diário, com certeza tinha coisas boas escritas ali, nem que fosse uma mísera página, uma mísera linha. Tinha que ter algo bom. Não era justo o garoto só sentir coisas ruins.

Taehyung balançou a cabeça de um lado a outro, tentando afastar aqueles pensamentos e decidindo não divagar muito sobre esse assunto. Virou a página, torcendo para encontrar algo bom.

"17 de maio.

Hey, diário.

Hoje meu dia foi mais ou menos, não sei definir se foi bom ou ruim. Eu não fui pra escola hoje, menti para minha mãe dizendo que não estava me sentindo muito bem e ela não se importou de me deixar faltar.

Passei o dia todo no meu quarto, lendo um livro da minha irmã pra tentar distrair minha cabeça. Não me lembro muito bem da história, mas era legal. Além de ler, eu também tentei desenhar um pouco, mesmo não sendo muito bom nisso. Foi uma paisagem aleatória e eu colori quase tudo de vermelho.

É minha cor favorita por motivos óbvios.

E depois eu ouvi música. Todas essas coisas me deixaram ocupado o dia todo. Eu não me diverti muito, mas pelo menos não tive pensamentos muito ruins, como sempre anda acontecendo.

Então é isso... meu dia foi mais ou menos. Não totalmente bom, mas também não foi ruim"

Sentimentos bons. Finalmente sentimentos bons. Ou quase isso. Sentimentos mais ou menos. De qualquer forma era bem melhor do que apenas sentimentos negativos.

Taehyung mais uma vez passou os dedos pelos fios vermelhos que caiam sobre sua testa, dessa vez de forma proposital. Então era a cor favorita de Jungkook? Isso explicava o tom de vermelho chamativo do diário. Ele com certeza gostaria do seu cabelo se tivessem a chance de se conhecer. Ou talvez já tivesse reparado nele antes, afinal eram da mesma sala e Taehyung não era o tipo de pessoa que passava despercebida.

"É minha cor favorita por motivos óbvios."

Com um sorriso pequeno no rosto, Taehyung ergueu uma das sobrancelhas. Quais seriam esses motivos óbvios?

De qualquer forma aquilo não tinha muita importância.

Vermelho é a cor favorita de Jeon Jungkook.

Se fosse devolver o diário ao garoto, poderia levar algumas flores vermelhas pra ele. Ou pelo menos mandar um cartão vermelho desejando melhoras. Sabia que era uma ideia bobinha, mas talvez ele gostasse, talvez provocasse algum sentimento bom em Jungkook.

Ainda com um sorriso pequeno no rosto, o Kim passou os olhos para a próxima página, torcendo para que fosse algo mais leve de novo.

"18 de maio.

Hey, diário

Como eu disse a alguns dias atrás, eu não pretendia falar dessa pessoa aqui, mas eu acho que não vou resistir. Acho que preciso colocar essa confusão de sentimentos pra fora também.

Hoje eu vi essa pessoa no pátio e fiquei observando ela igual um idiota como eu sempre faço. O sorriso dessa pessoa é tão bonito e tão único. Ela estava feliz conversando com os amigos. O que me deixou um pouco triste foi outra pessoa estar abraçada a ela. Acho que não eram apenas amigos. Isso me lembrou que eu nunca vou ter chance alguma com essa pessoa, principalmente porque eu nunca vou ter coragem de ir falar com ela pessoalmente. Tenho certeza que ela nem sabe da minha existência.

Eu não gosto muito do fato de estar apaixonado, as vezes é bom, mas outras vezes é tão complicado"

Ok, então Jungkook realmente gostava de alguém. Taehyung levou uma mão ao queixo, pensativo. Será que conhecia essa garota? Será que era da mesma sala que ele e Jungkook? E será que ela também estava preocupada com o estado do garoto?

Ou será que era apenas mais uma idiota que estava achando graça em toda aquela situação, que estava rindo pelos corredores e zombando da visita que a figura encapuzada da morte tinha feito naquela escola?

Taehyung se pegou torcendo para que esse não fosse o caso. Jungkook parecia machucado demais, não queria que ele estivesse apaixonado por alguém babaca assim. O garoto definitivamente não merecia isso. Não seria justo.

O Kim respirou fundo, virando a página e se preparando psicologicamente antes de continuar a leitura.

"19 de maio.

Hey, diário.

Hoje é sexta e eu estou aliviado por isso. Eu conto os dias para a semana acabar, eu não gosto de ir a escola, sempre acontece algo naquele lugar que me deixa mal. 

Eu gostava tanto de ir a escola a alguns anos, eu lembro que minhas notas eram ótimas e eu tinha pelo menos uns 2 amigos. Hoje em dia eu fico sozinho na maior parte do tempo e minhas notas só estão caindo mais e mais. Eu tento mudar isso, eu tento prestar atenção nas aulas ou pelo menos estudar em casa, mas eu não consigo. O pior é ver o olhar de decepção da minha mãe sempre que ela pega meus boletins.

Eu também já tentei fazer amizade com outras pessoas, mas a única coisa que eu consegui foi receber olhares estranhos e risadas de algumas pessoas que me acham esquisito demais. Nunca mais tentei falar com ninguém depois disso. Mas eu ainda me sinto mal quando escuto alguns cochichos e risadas pelos corredores, sempre tenho a impressão que estão falando de mim e rindo do quão estúpido e estranho eu sou. Sim, eu sei que é meio ridículo, afinal eu sou tão insignificante que quase ninguém percebe minha existência.

Mas de qualquer forma a escola definitivamente não me faz bem. A única coisa boa naquele lugar é poder ver aquela pessoa, que mesmo não sabendo, sempre me faz sorrir em alguma parte do meu dia.

Apesar de eu não gostar muito de estar apaixonado, eu não posso negar que ultimamente essa pessoa é a única que vem me fazendo sorrir, nem que seja só por um segundinho"

Taehyung sorriu novamente, curioso para saber quem era aquela pessoa. Mas seu sorriso logo sumiu quando prestou atenção em uma determinada parte.

"Hoje em dia eu fico sozinho na maior parte do tempo."

Então Jungkook realmente não tinha amigos?

Folheou o caderno vagamente, percebendo que ainda faltava uma boa quantidade de páginas para ler. Sem contar que aquelas primeiras páginas estavam datadas de maio, e agora se encontravam no começo de agosto. Talvez Jungkook tivesse feito um amigo naquele meio tempo, certo?

Taehyung torceu para que a resposta fosse sim. Torceu para que alguém tivesse tentado ajudar aquele garoto em algum momento. Que alguém tivesse percebido o quão mal ele estava, já que o próprio Kim não havia percebido.

Mas pensando bem, como Taehyung poderia ter percebido? Nunca tinham trocado uma palavra, eram completos estranhos um para o outro. O Kim respirou fundo, tentando afastar aquele leve sentimento de culpa que crescia em seu peito.

"Você não teve culpa", se lembrou das palavras de Daewon mais cedo. E ele estava certo, Taehyung realmente não tinha culpa. Não fazia sentido se sentir culpado por isso, deveria se sentir culpado por estar lendo o diário do garoto sem permissão.

Voltou para a página que estava, mas antes que pudesse continuar a leitura, o sinal tocou, anunciando o fim do intervalo. Um suspiro frustrado escapou pelos lábios de Taehyung e um pouco contra vontade ele se levantou de onde estava. Fechou o diário de Jeon Jungkook e começou a caminhar lentamente em direção aos corredores, que agora pareciam ter um clima ainda mais pesado do que antes, como se a figura encapuzada da morte tivesse feito outra visita por ali, apenas para reforçar o recado de que continuava a espreita.

[...]

"22 de maio.

Hey, diário.

O fim de semana passou rápido demais...

Eu só queria continuar aqui no meu quarto, eu não quero sair daqui. É o único lugar onde eu posso fingir que não existo, onde eu posso esquecer um pouco do quão inútil eu sou. Pelo menos aqui eu não vou agir como um idiota, não vou ter que segurar o choro na frente das pessoas e nem tentar controlar meus sentimentos estúpidos"

Taehyung mordeu o lábio inferior, a cada frase as palavras pareciam mais pesadas, carregadas com os sentimentos confusos do garoto, que tentava inutilmente colocar tudo aquilo pra fora. Será que Jungkook sabia o que estava acontecendo consigo mesmo? Sabia que precisava de ajuda profissional? Afinal não era comum sentir tantos sentimentos ruins daquela maneira.

Taehyung releu algumas partes novamente e ergueu o rosto. Olhou as pessoas ao redor, em seguida o professor e por último a carteira vazia no fundo da sala, onde Jungkook costumava se sentar.

A cada página ficava mais evidente o quanto o garoto não gostava de estar ali. Taehyung não entendia muito bem aquele sentimento. Claro, não era o maior fã de escola, mas nem de longe se sentia como Jungkook. Estar ali era um tortura para o garoto e com certeza contribuiu pra ele chegar onde chegou. Taehyung passou uma das mãos pelo cabelo, sentindo um nó se formando em sua garganta ao se perguntar como ele se sentiria quando voltasse.

Será que ele realmente voltaria a estudar ali? Será que se quer conseguiria voltar a sua rotina normal? Por um segundo Taehyung se pegou desejando que o garoto trocasse de escola, ou que as pessoas pelo menos se esquecessem daquele assunto, que se esquecessem do nome dele.

Agora que todos conheciam Jeon Jungkook, o pesadelo dele se tornaria ainda pior.

Mas pensando bem talvez ele se afastasse da escola pra cuidar de sua saúde mental. Talvez fosse internado em uma clínica ou algo assim. Será que a família sabia disso? Sabia que o garoto precisava de tratamento urgente? Não era possível não terem percebido, os médicos com certeza tinham alertado sobre aquilo.

Mas e se ninguém estivesse levando aquilo a sério? E se enxergassem Jeon Jungkook apenas como um garoto estúpido e fraco? Taehyung olhou para as pessoas da sala novamente, uma por uma, encontrando vários rostos conhecidos.

Park Jimin, o representante da turma, olhava para o professor fixamente, atento a cada palavra dele, sua postura era completamente reta e vez ou outra sua mão se erguia de forma automática para tirar alguma dúvida; para Taehyung, ele lembrava um robô. Byun Baekhyun, um dos jogadores do time de basquete, encarava o teto com uma expressão pensativa no rosto; para Taehyung, ele era apenas um garoto legal que tinha muitos amigos. Min Yoongi, o cara de roupas amarrotadas e cabelos esverdeados que a primeira vista todos julgavam como um encrenqueiro, fazia anotações sem parar, escrevendo em uma velocidade absurda; para Taehyung, ele era a prova viva de que não se deve julgar alguém pela aparência. Seo Heejin, a garota irritante que se sentava a sua frente, tinha seu característico sorriso debochado nos lábios enquanto implicava com Kim Dahyun, a garota tímida do clube de artes; para Taehyung, Heejin era uma completa idiota e Dahyun apenas uma garota gentil que o ajudava com as atividades de Literatura.

Além dos rostos conhecidos, Taehyung também encontrou mais rostos que nunca tinha prestado tanta atenção antes.

Um garoto baixo, de cabelos longos e expressão entediada se sentava do outro lado da sala; a primeira vista ele pareceu apenas mais um aluno comum que queria ir logo para casa. Outro garoto de óculos, que usava um cachecol chamativo e se sentava em uma das primeiras carteiras, parecia prestar atenção na aula também, embora tivesse uma expressão preocupada no rosto; talvez estivesse pensando em Jungkook também. Ou talvez só estivesse apreensivo com as questões que cairiam na prova.

Taehyung ergueu uma das mãos e inclinou o corpo para frente, se levantando um pouco de sua cadeira. Segurou o braço de Seo Heejin, impedindo que ela continuasse a mexer nas coisas de Kim Dahyun sem permissão.

— Será que você não consegue deixar ninguém em paz por um segundo, Heejin? — sua voz soou mais irritada do que planejava. Heejin revirou os olhos.

— Deixa de ser chato, Tae.

Taehyung continuou encarando a garota com uma expressão séria no rosto, se controlando para não apertar demais seu braço. Não era sua intenção machuca-la ou intimida-la, queria apenas que Heejin deixasse Dahyun em paz. E no momento que a garota puxou seu braço com força e se virou para frente com uma expressão emburrada no rosto, Taehyung soube que tinha conseguido o que queria. Encarou Dahyun rapidamente, recebendo um sorriso gentil em resposta.

O garoto se ajeitou sobre a cadeira e deu outra olhada ao redor, voltando a observar seus colegas de classe. Depois de quase um minuto Taehyung abaixou o rosto e observou o diário aberto sobre a mesa, as várias dúvidas voltando a crescer em sua mente.

Além dele e de Lee Daewon, alguém mais se importava de verdade com o que tinha acontecido com Jeon Jungkook? Ou tudo não passava de mera curiosidade? O semblante triste no rosto de algumas pessoas pelos corredores era realmente verdadeiro ou só estavam tentando manter as aparências? Quantas pessoas estariam rindo daquilo as escondidas, debochando da situação e julgando o garoto? E será que tinha mais alguém naquela sala que se sentia exatamente como Jungkook e como a irmã de Daewon?

As preocupações de Taehyung aumentavam mais e mais, junto com um desejo de poder fazer alguma coisa. Precisava fazer alguma coisa.

Mas e se não pudesse fazer nada?

Quantas pessoas pelo mundo se sentiam como Jeon Jungkook? Quantas pessoas já tinham tido o mesmo destino que a irmã de Daewon? E quantas pessoas estavam a um passo de desistir de tudo naquele exato momento? Taehyung realmente tinha o poder de fazer alguma coisa? Poderia ajudar a salvar pelo menos uma dessas pessoas?

Com os dedos cruzados sobre a mesa, o garoto desejou que sim. E desejou também que essa pessoa fosse Jeon Jungkook.

Taehyung focou sua atenção nas páginas do diário novamente. As palavras se tornavam mais difíceis de serem digeridas a cada página, só estava conseguindo continuar a leitura do diário porque sabia que o garoto continuava vivo. Se Jungkook tivesse alcançado seu objetivo, se tivesse morrido naquele banheiro em meio ao próprio sangue, Taehyung já teria deixado o caderno de lado na primeira página.

O Kim respirou fundo mais uma vez, tentando manter a calma e se concentrar na leitura. A página a seguir não tinha data, então concluiu que havia sido escrito no mesmo dia que a anterior.

"Eu definitivamente não devia ter vindo na aula hoje, assim eu não teria visto aquilo.

Foi horrível ver aquela cena, eu sei que não devia me sentir assim, eu não tenho o menor direito de me sentir assim, eu não tenho o direito de chorar por causa disso. Eu sou idiota demais, estúpido demais. Por que isso tinha que doer tanto? Esses sentimentos idiotas só fazem eu me sentir ainda pior, eu não consigo lidar com nada disso, é tudo tão confuso.

Eu realmente não sei o que estava esperando, não sei porque no fundo eu crio esperanças, ele nunca vai olhar pra mim. É óbvio que ele gosta de garotas. Ele nem sabe que eu existo e se soubesse obviamente iria rir do quão idiota eu sou. Por que eu tinha que me apaixonar por alguém tão longe do meu alcance?

As vezes dói demais estar apaixonado. E dói ainda mais estar apaixonado por um garoto. Um garoto que nunca vai olhar pra mim, um garoto que nunca vai saber o que eu sinto..."

Taehyung prendeu a respiração, seus olhos arregalados, denunciando sua surpresa.

Então Jeon Jungkook gostava de um garoto?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...