1. Spirit Fanfics >
  2. Hey Girl >
  3. Até ao final dela eu a amaria...

História Hey Girl - Capítulo 60


Escrita por:


Capítulo 60 - Até ao final dela eu a amaria...


Fanfic / Fanfiction Hey Girl - Capítulo 60 - Até ao final dela eu a amaria...

Quinze horas antes da véspera de Natal...


Florence me acordou cedo para que nós pudéssemos ir comprar os restantes dos presentes que faltavam, eu confessoa que queria ir apenas depois do almoço, mas ela estava tão animada que me fez levantar. Ela e a família dela tinham chegado a dois dias atrás, tiveram complicações ao comprarem as passagens porque já estava perto do natal e muitas pessoas viajavam, mas tudo deu certo no final, até mesmo Bless veio junto, eu achei que Florence iria deixar ela com Isa, mas saber que ela também ficaria aqui conosco, me fez ficar com o coração cheio de amor, Bless era a nossa união e isso eu não podia negar. 


Quando a família de Florence chegou, eu confesso que fiquei nervosa, eu não sabia como nossas famílias iriam reagir uma com a outra, mas no fim tudo deu certo, minha mãe se apaixonou pelo jeito de Evelyn, o que é meio difícil de não se apaixonar, foi exatamente daí que Florence herdou esse jeito dela, o jeito que eu era apaixonada. Nick e meu pai ficaram bem confusos no começo, não sabiam como se aproximar, mas nada que um bom whisky de Joe Germanotta para aproximar os dois, Flo ficou mais aliviada, porque era a pessoa que ela estava mais apreensiva com tudo isso. 


Assim que chegamos ao shopping, Florence pulou pra fora do carro ansiosa para comprar algo para Bonnie, ela não tinha nada em mente, me pediu ajuda, me disse que Bonnie gostava de um desenho que ela não recordava agora, mas também não queria dar apenas um brinquedo qualquer, e sim algo que ela gostaria e brincaria sempre que pudesse.


—Eu estou tentando lembrar do nome até agora... —ela entra na loja observando alguns brinquedos— 


—Você já assistiu com ela? —contenho o riso—


—Não, mas ela não parava de falar sobre isso quando eu via ela. —ela observa as prateleiras— É algo como meninas que são animais também, eu não entendo muito.


—Quer perguntar para uma vendedora? Acho que vai ser melhor do que ficar com dúvidas e se perguntando o que é. 


—Tudo bem, eu não vou lembrar mesmo. —ela suspira— 


Caminho até uma das prateleiras e vejo um vendedora que estava arrumando algumas coisas por ali. 


—Com licença, bom dia! —sorrio— Eu preciso de ajuda.


—Bom dia! Claro, o que a senhorita deseja? —ela se levanta— 


—Minha namorada e eu precisamos de ajuda, ela quer comprar um presente para sobrinha mas a única coisa que ela sabe sobre o desenho é que são personagens que se vestem como animais. —sorrio—


—Acho que eu sei o que vocês estão falando... —ela ri— Ultimamente é o que as crianças mais vêem procurar aqui. Me acompanhe. —ele pede—


—Florence! —a chamo— Acho que achamos. 


Ela corre até mim segurando minha mão, e então vamos juntas até onde a vendedoras está com uma das bonecas na mão.


—Enchantimals. —ela entrega na mão da Florence—


—Isso mesmo, era isso. —ela ri— Que nomezinho mais complicado não é?! —ela me encara—


—É isso que a Bonnie gosta? —observo a boneca— 


—Aparentemente sim. —ela sorri— Acho que ela vai adorar. 


—Temos várias, essa que você está segurando é a Liora Lion, e o bichinho dela Snazzy. Temos outras, e seus outros bichinhos. —ela nos mostra uma prateleira cheia—


—Uau. —fico boquiaberta— Fazia tempo que eu não entrava numa loja dessas.


—Stef! —Florence já estava grudada em uma das prateleiras— Olha essa, é uma raposinha! 


—Essa é a Felicity Fox. —a vendedora sorri—


—Eu quero essa! —Florence a pega nas mãos— 


—Parece você. —rio— Você quer essa pra Bonnie ou pra você? 


—Ela é linda. —ela sorri— Você acha que levo mais alguma?


—Quando tivermos filhos, vou ter que lembrar de nunca te trazer, você está mais empolgada que tudo. —rio— O que acha dessa? —aponto para uma boneca de cabelo rosa—


—É um coelho! —ela sorri— Vou levar essas duas! —ela segura as dois caixas nas mãos— 


—Mais alguma coisa? —a vendedora nos olha—


Observo as prateleiras e dou de cara com uma casa linda, era grande, e eu estava completamente encantada! 


—Aquela casa ali! —aponto— Quanto custa? Eu vou levar!


—Está 50 dólares. —a moça sorri— Vocês vão querer, é a única que sobrou.


—Não. —Florence diz— Está de bom tamanho as duas bonecas Stefani, não precisa de uma casa, e está caro. —ela sussurra—


—Vai ser um presente da Titia Stef, eu não tive tempo pra comprar algo pra ela. —sorrio— Vamos querer sim.


—Você pode levar só uma boneca, ela irá adorar. 


—Ela não tem três mãos pra brincar com três bonecas. —sorrio—


A vendedora coloca a caixa no chão com um pouco de dificuldade. 


—Essa é o café na selva da Peeki e Sheeny! —ela nos mostra— Acompanha os acessórios do café, e os dois bonecos vêem juntos! 


—Perfeito! —sorrio— 


—Você disse que ela não tinha três mãos para três bonecas. —ela cruza os braços—


—Shhh, veio de brinde. —rio— 


—Vou deixar isso no caixa pra vocês, separados, mais alguma coisa?


—Eu queria ver algo educativo pra ela. —Florence coça a testa— Algo que ela aprendesse a tocar, ela tem três anos.


—Hmm, acho que tenho algo perfeito pra isso. Se puderem me esperem na sessão de brinquedos musicais, eu irei levar essa caixa com as bonecas e deixá-las separadas!


—Ok. —seguro a mão de Florence—


Caminhamos observando outros corredores, ela estava com um bico enorme, não gostou aparentemente do que eu tinha feito, ela achava desnecessário gastar tanto com uma criança tão pequena. 


—Vai ficar assim mesmo? —lhe encaro— 


—Não acho necessário tudo isso pra Bonnie, ela pode enjoar dessas coisas a qualquer momento, e depois tudo vai pro lixo.


—Depois a gente pode doar para alguém. —passo minha mão em seu rosto— Desarma esse bico, ela vai adorar, é noite de natal Florence, ela vai querer receber muitos brinquedos.


—Tudo bem... —ela suspira— Eu preciso comprar o seu presente também.


—Nem pensar, não precisa.


—Você não tem o que querer! —ela ri contida—


Não era realmente necessário, eu já tinha ganhado o presente de estar com Florence e sua família aqui, já estava de bom tamanho, mas ela insistiu em comprar, então acabei aceitando, eu precisava fazer o mesmo e ir buscar seu presente que eu tinha encomendado. Chegamos na sessão de brinquedos musicais, e vimos de tudo, violão, guitarra, tudo em tamanho pequeno. 


—Se vocês querem algo pra ela aprender a tocar com facilidade, eu recomendo o nosso mini piano. —a vendedora caminha conosco— 


—Mini piano? —sorrio— Com certeza deve ser a coisa mais fofa! 


Ela tira o pequeno piano branco de trás da caixa nos mostrando, ele era completamente fofo, eu imaginava Bonnie tocando as teclas do piano, e Florence surtando por estar barulhento demais, e se arrependendo por ter dado isso pra ela, eu rio um pouco.


—Do que você tá rindo? —ela me encara—


—Nada, só pensei em algo...


—Hmm. —ela olha o piano passando os dedos nas suas pequenas teclas— Quanto custa?


—387 dólares. 


Florence me encara assustada após ouvir o preço, eu apenas olho pra ela e a mesma balança a cabeça negativamente. 


—Vamos levar! —digo—


—Não Stefani, nem pensar. 


—Porque não? Bonnie vai adorar!


—Amor... —ela segura minhas mãos me puxando para um corredor vazio— Stefani isso é caro demais quase 400 dólares! 


—Eu te ajudo a pagar, não tem problema.


—Eu não quero, podemos encontrar algum livro de colorir pra ela, mas um mini piano não! 


—Florence, Bonnie tem milhares de livros de colorir, isso vai ser algo novo pra ela aprender, quem sabe ela não goste e pegue jeito até quando crescer? Ela ia ser uma pianista e tanto, poderia até mesmo pensar em seguir seus passos.


—Eu não sei Stef...


—Eu pago metade e você metade okay? Vai ser meio presente meu e seu pra ela! 


—Tudo bem então. —ela me dá um beijo rápido— Vamos pegar o piano pra ela, você me convenceu.


—Iremos levar! —apareço ao lado da vendedora— Pode mandar embrulhar todos o que nós escolhemos!


—Claro! —ela sorri— Mais alguma coisa?


—Não só isso mesmo. —sorrio— 


Acompanhamos a atendente até o caixa, Florence foi na frente, pagou metade do piano e as bonecas de Bonnie, eu fiz o mesmo pagando o que eu pedi. Peter nos encontrou na loja com outro segurança, ele então levou as coisas para o carro, deixando Florence e eu esperando os dois voltarem. Nós sentamos em dois bancos que tinham ali, Florence mexia na carteira enquanto eu a observava.


—Se precisar de dinheiro sabe que pode pegar comigo não sabe?


—Não estou procurando isso sua boba. —ela ri— Estou procurando uma coisa do seu presente.


—Hmmm, o que você vai me dar? 


—Se eu te falasse não seria presente Stefani.


—Eu queria saber, só isso. 


—Você vai saber quando eu te der. —ela ri—


—Hmm, tudo bem, também não te conto o meu! 


—Você não precisa me dar um! —ela me encara—


—Mas eu vou, e fique quieta.


Ela apenas sorri, e fecha a bolsa, avisto Peter e o outro segurança se aproximar, nós duas se levantamos.


—Você acompanha a senhorita Florence. —ele diz para o outro—


—Não tem necessidade de me acompanhar. —ela diz— Não tem ninguém por aqui.


—É por precaução amor, vamos se separar. —acaricio seu rosto—


—Tudo bem então... —ela suspira— Até daqui a pouco!


—Até! 


Peter me acompanha até a loja, assim que eu entro sou bem recebida, já me encaminham para ver o produto. Quando abrem a pequena caixa, é lindo, realmente teria certeza que Florence usaria bastante, disso eu teria certeza, olho para ver se não há nenhum deformidade, e então entrego se volta para que a mulher embale tudo. Peter observa algumas coisas, e eu apenas o encaro, ele está com os olhos brilhando, então vou até ele.


—Gostou de alguma coisa Pete? 


—Estava vendo alguns anéis. —ele me encara e volta a postura—


—Relaxa Peter. —aperto seus ombros— Está olhando algum para sua noiva?


—Sim, ainda não deu um anel que ela mereça.


—Qualquer coisa você pode me pedir uma adiantamento, você sabe disso né?


—Não precisa. —ele sorri— 


—Caso precise fique ciente. —rio—


Volto ao caixa e então pago o presente de Florence, eutrego a sacola para Peter, e ele me acompanha até o lado de fora. Vejo Florence já aonde tínhamos deixado uma a outra, ela falava ao celular, então eu me aproximo a abraçando com força. Escuto ela falando com Isabella, mas não escuto o que ela está falando com a mesma, assim ela desliga colocando o celular na bolsa. 


—Pronto? —ela se vira pra mim me abracando—


—Sim, você foi rápida também. 


—Não demorei muito pra achar algo que você goste. —ela me dá um beijo— Vamos pra casa?


—Sim, precisamos chegar antes do almoço.


—Concordo! —ela sorri—


[...]


Assim que descemos do carro, vemos Bless correr pelo quintal junto com Bonnie, estranho de não ver Koji, Gustave e Asia aqui, eles gostavam de brincar no quintal quando estava em um clima bom, e hoje era o clima favorito deles. Bless corre em direção de Bonnie que a pega nos braços, ela já tinha crescido um pouco, estava enorme comparado a quando Flo achou ela. 


—Vocês chegaram! —Bonnie sorri— Cadê meus presentes de natal?


—Meu Deus Bonnie. —Florence a repreende— Isso você poderá só abrir no Natal. 


—Mas vai demorar titia, eu quero ver logo. 


—Não Bonnie, só na noite de Natal! —Florence a encara— 


—Pete, leve os presentes lá para dentro, eu não sei se minha mãe já montou a árvore. —pego uma sacola de bebidas—


—Sim senhorita, pode deixar. -ele assente— 


Bonnie estava animada para abrir os presentes, nós entramos então todos juntos, encontro meu pai e o pai de Florence conversando sobre algo. Florence corre até o pai e então eu entro com uma sacola com vinhos e champanhes para a véspera de natal e para o natal. Vou até a cozinha e vejo Cynthia e Evelyn conversando sobre algumas receitas, ver todos assim em clima natalino me deixava com o coração aquecido, a união entre nossas famílias. 


—Oi! —dou um beijo em minha mãe— Como você estão?


—Bem querida, estamos trocando algumas receitas. —minha mãe me dá um beijo—


—Que ótimo! 


—E Florence onde está? —Evelyn sorri— 


—Ela estava falando com o Nick. —caminho com as compras até a bancada— Onde tá o Koji, Asia e Gustave?


—Ashley levou eles pro banho, eu acho.


—E porque a Bless está ai ainda? —a encaro—


—Eu não sei. 


—Eu avisei que eram pra levar Bless também, eu marquei um banho pra ela. —resmungo— Ninguém me escuta nessa casa e eu já percebi isso.


Deixo as duas na cozinha e levo as compras até a adega, colocando elas lá, arrumando nas prateleiras. Deixo elas lá e volto para a cozinha, e encontro Florence falando com minha mãe e Evelyn. Encho um copo d'água, e então o tomo, eu estava com sede, que em menos de segundos tomei um copo cheio. 


—Você tá chateada? —Florence me abraça por trás dedilhando meus braços—


—Um pouco, só quero que me escutem. 


—Eu dou banho em Bless, e tá tudo certo amor, não fica estressada por isso. 


—Eu queria que você descansasse hoje, desde quando chegou está fazendo alguma coisa. —coloco o copo na pia—


—Em dias próximos ao Natal é impossível descansar Stefani. —Evelyn sorri— 


—Mesmo assim, ela precisa de descanso depois do que aconteceu...


—Stefani! —ela me repreende— 


—O que aconteceu? —Evelyn nos encara— 


A cozinha fica em silêncio, eu não podia dizer, muito menos minha mãe, nós se encaramos e Florence balançava a cabeça negativamente, eu acabei esquecendo que ela ainda não tinha falado com Evelyn sobre o que aconteceu. 


—Não é nada Evelyn, é coisa das duas. —minha mãe ameniza a situação— 


—Eu espero que seja apenas isso. —Evelyn fuzila Florence com o olhar— 


—É só isso. —Florence encara o piso—


—Vocês já sabem o que preparar? —desconverso—


—Temperamos as aves hoje, para colocar no forno nos dois dias. 


—Isso é ótimo, não vejo a hora de comer se tudo! —sorrio—


—Você me ajuda a dar banho na Bless? —Florence me olha— 


—Uhum, eu ajudo. —faço carinho em sua mão— 


[...]


Depois do almoço, Florence decidiu dar banho em Bless, eu ofereci a banheira pra ela dar o banho nela, mas ela preferiu ficar no quintal e dar banho de mangueira nela, então eu disse que tudo bem. Peguei shampoo e condicionador que Asia usava quando não ia para o veterinário. Assim que Florence pegou Bless no dia seguinte nós fomos ao veterinário certificar que ela estava bem, e que não tinha nenhuma doença contagiosa, e todos os teste foram negativo, o médico deu 5 meses para Bless, a mesma levou todas as vacinas para garantir a saúde dela. 


—Vem Bless! —Florence a chama e então molha de leve o seu pelo—


—Ainda acho que ela deveria tomar banho morno, é um filhote ainda Flo.


—Esta quente, e ela está adorando olha! —ela ri apontando para Bless—


—Você tá se molhando também. —rio— Meu Deus, você está tomando banho com ela também?


—Ela é fofa não é?! —Florence passa shampoo em seu pelo—


—Cuidado com as orelhas, se cair água pode causar uma inflamação. 


—A mamãe não vai deixar cair água nas orelhinhas não é Bless? —a cachorra se apoia em seu corpo a lambendo— 


—Pelo menos ela adorou tomar banho. —jogo água no tronco de Bless— Você nem parece que é britânica!


—Stefani! —Florence me encara— Você tá de graça!


—Eu não menti, vocês odeiam banho.


—Me da isso aqui! —ela pega a mangueira da minha mão— Você não tá ajudando.


—Não faz birra, é só uma brincadeira. 


—Sem graça! —ela termina de enxaguar Bless— 


—Passa o shampoo duas vezes para limpar bem! 


—Eu vou passar! 


Ela coloca o dedo na mangueira e aponta pra mim jogando um jato de água ainda mais forte, me molhando completamente. 


—Florence! —seco o rosto—


—Isso é pra você aprender não falar mais que não tomamos banho! —ela solta uma gargalhada—


—Mas eu não menti! Vocês não gostam! —cruzo os braços— Agora eu estou molhada! 


—Você tá linda assim. —ela passa shampoo na Bless— 


Vejo Ashley chegar com Koji, Asia e Gustave correndo no quintal, ela caminha até mim apressada.


—Oi! —ela sorri— Meu Deus você duas estão encharcadas!


—Porque você não levou Bless junto com os meninos, eu marquei banho pra ela hoje também, e agora tivemos que dar banho nela por culpa sua.


—Eu não sabia, você não me deixou avisada.


—E precisa Ashley, se eles estão todos ai, porque só levar Koji, Asia e Gustave? Bless também estava aqui.


—Chega Stefani, está tudo bem, eu já estou terminando de dar um banho em Bless, não precisa disso. 


—Eu quero que leve ela junto se ela estiver aqui. 


—Tudo bem, não precisa de grosseria! —ela resmunga—


—Vamos subir pro quarto, já terminei aqui com Bless. —ela enrola Bless na toalha— Ash você pode secar ela? 


—Claro, talvez com isso eu consigo se redimir. —ela pega Bless nos braços—


—Vamos tomar um banho! —Florence puxa minha mão— Trocar essa roupa molhada...


—Ta bem... —suspiro— 


[...]


Depois de um banho, nós descemos e encontramos todos conversando, Bonnie correu para os braços de Florence, ela pega a menina no colo e então brinca com ela em seu colo, Bonnie mexe nos anéis dela e eu me sento no piano, tocando algumas notas. Observo minha mãe e Evelyn conversando, meu pai e Nick também conversavam, Bonnie agora puxava as bochechas de Florence, ela tentava impedir a menina mas era quase impossível, ela segura as mãos da menina e então diz alguma coisa, parecia repreende-la. 


—Stefani, toque alguma coisa pra gente querida! —meu pai sorri—


—Pai... —suspiro— Hoje não.


—Vai querida, eu quero ouvi-la. —Evelyn sorri— 


—Tudo bem então. —solto um sorriso— Não achem esquisito se eu errar alguma coisa, faz um tempo que eu já não faço mais isso.


—Você sempre é perfeita Stefani! —Flo me olha e pisca pra mim—


Eu suspiro e então começo a tocar algumas notas, e eu já estava no embalo de notas de Smile do Charles Chaplin, então começo a cantar, ao ritmo da música. 


"Se você sorrir

Com seu medo e tristeza

Sorria e talvez amanhã

Você verá o sol brilhando, para você

Ilumine seu rosto com alegria

Esconda qualquer traço de tristeza

Embora uma lágrima possa estar tão próxima

Esse é o tempo que você tem que continuar tentando

Sorria, o que adianta chorar?

Você descobrirá que a vida ainda vale a pena

Se você apenas sorrir"


Todos me observam atentamente a cantar, Florence estava com um sorriso de ponta a ponta, me fazendo sorrir também. Encerrei a música com uma nota um pouco mais grave, todos aplaudiram me olhando. Eu confesso que fiquei tímida, cocei as bochechas para evitar que vissem meu rosto vermelho, Bonnie corre até meu colo se sentando junto comigo no piano, ela passa os dedos de leve nas teclas mas não chega a aperta-las para que saia o som devido.


—Titia Stef, me ensina a tocar? —ela me olha— Por favor... —ela faz bico—


—Claro que sim, me dá seus dedinhos. —seguro duas mãos— Vou tocar com você algo básico. 


—Ta bem, só me ensina! —ela ri—


Seguro os dedinhos de Bonnie e toco uma sequência de "Dó Re Mi Fá Fá", ela fica tão animada que solta uma gargalhada alta, ela parece tão feliz, seus olhos brilham, e ela bate até mesmo palma. 


—Mamãe eu toquei você viu? —ela olha para Grace— 


—Eu vi sim querida, você toca muito bem! —ela ri— 


—Obrigada mamãe! —ela desce do meu colo indo abraçar Grace— 


Florence se senta atrás de mim, me dando beijos no pescoço, suas mãos faziam carinho na minha barriga, enquanto eu suspirava.


—Você é tão perfeita, olha tudo que você é e faz. —ela me dá um beijo estalado—


—Você é perfeita também. —sorrio— Tem um coração lindo.


—Steffi! —minha mãe se aproxima de nós— Querida eu esqueci completamente de montar a árvore de natal. —ela me encara um pouco decepcionada—


—Nós montamos, não tem problema.


—Não será muito trabalho pra vocês? Meu Deus onde eu estava com a cabeça?! —ela coça a testa—


—Mãe relaxa, eu dou um jeito.


—O JJ pode ajudar a gente. —Florence aperta meus ombros— 


—Estou mais tranquila. —ela respira fundo— 


—Vamos deixar ela bonitinha aqui Cynthia, fica tranquila. —Florence diz— Acho que a parte mais legal do natal, arrumar a árvore!


—Realmente. —sorrio— 


[...]


Ficamos esperando a sala esvaziar depois da janta, e todos subirem para dormir, quando isso realmente aconteceu, buscamos as partes da árvore em meu antigo escritório, e então a levamos para sala. Começamos a montar ela delicadamente, JJ me ajudava a montar a base dela para que possamos estrutura-la. Assim que isso foi feito, Florence tomou meu lugar, eu não tinha altura para conseguir alcançar o topo, ajeito as folhas artificias da árvore para que fiquem todas abertas e cheias. Entrego uma para Florence e quando me dou conta Bless está mordendo uma do pedaço das árvores.


—Não Bless! Solta! —eu tento puxar o pedaço de sua boca— 


Eu não consigo aguentar a risada, e solto uma gargalhada alta, Florence se assusta se levantando enquanto eu puxo o pedaço da árvore.


—Bless não! —ela segura ela no colo— Querida isso não é brinquedo! E você não seja escandalosa amor, vai acordar todo mundo. 


—Desculpa! —recupero o fôlego— Mas eu não resisti. 


—Chega Bless, você não pode fazer isso. —ela coloca no chão— Vamos terminar. 


Caminho até o JJ, entregando a última folha que estava na boca de Bless para ele.


—Ela é tão certinha, como você consegue? —rio—


—Florence é a mais careta se nós todos. —ele contém a risada— Só era menos careta quando vivia de bar em bar, e eu não pude acompanhar ela. 


—Meu Deus JJ! —bato em seu ombro—


—Agora, ela só quer ser certinha o tempo todo.


—Eu consigo as vezes desparafusa-la, e deixar toda bagunçada.


—Só você mesmo, será que não poderia fazer isso sempre?! —ele coloca a última folha— 


—Não, esses momentos são entre nós duas se é que me entende.


—Meu Deus Gaga! —ele ri— Não me conta essas coisas, não quero ficar com pensamentos assim sobre minha irmã. 


—Tudo bem, tudo bem. —coloco os efeites—


—Florence, coloca a estrela lá em cima, você é mais alta que eu. —ele ri—


—Que calúnia JJ. —ela cruza os braços— Eu só estou de salto.


—Então usufrua disso. —ele entrega a estrela para ela—


—Vocês são muito espertos. 


—Se eu tivesse com meu salto de 25 centímetros até pensaria em tentar colocar lá no topo. 


—Você precisa de tudo isso pra ficar do tamanho dela? —ele ri—


—Basicamente, fico maior que ela ainda.


—Eu prefiro você assim. —ela coloca a estrela— 


—Pode ligar os piscas piscas? 


—Claro JJ! —seguro Bless— E você vai ficar no colo por motivos óbvios. 


Depois de montar a árvore, nós subimos para o quarto, estávamos cansados, coloco meu babydoll enquanto Florence coloca seu pijama de manga comprida, nós tinhamos uma temperatura completamente diferente. Me deitei puxando o lençol para mim, eram uma da manhã, quando Florence veio deitar ao meu lado, escutamos batidas na porta, e então ela se dirigiu até lá, abrindo e vendo Grace com Bonnie dormindo nos braços.


—Desculpa atrapalhar, mas vocês não podem ficar com a Bonnie? —ela pede para a Florence—


—Por que? —ela questiona—


—Eu preciso resolver algumas coisas com o pai dela. 


—Tudo bem... —Florence pega a menina nos braços bocejando— Boa noite, até amanhã.


—Boa noite Flo, obrigada! 


Florence fecha a porta e então caminha até a cama, deitando Bonnie no nosso meio, e se deitando depois. Os cachorros subiram em cima de nós, Bless entrou no nosso meio, e entou Florence passou os dedos em minha cintura mesmo longe.


—Eu imagino a gente um dia assim. —digo baixo— Nosso futuro assim, dividindo a cama com mais dois.


—Meu Deus Stef, eu mal consigo te tocar, não dá pra ter só mais um cachorro? Bless já ocupa o meio disso tudo.


—Para de ser chata e deixa eu pensar. —murmuro— Boa noite amor...


—Boa noite Stef. —ela suspira e fecha os olhos—


Florence era linda, eu adorava observa-la desse jeito, ela tinha um queixo tão marcado, o nariz parecia que foi esculpido, eu tinha sorte de tê-la ao meu lado dessa forma. Sua pele era tão branquinha que chegava a parecer ser uma escultura de gesso em minha frente, suas maçãs do rosto marcadas, os olhos, era tudo tão bonito que eu poderia ficar reparando horas e horas, mas o meu sono não permitia de momento. Então eu dormi.


[...] 


Dez horas até o Natal... 


Estávamos arrumando ainda as decorações agora no lado de fora da casa, todos estavam muito animados colocando os piscas piscas em arbustos, outros pendurando nas paredes, realmente o natal trazia momentos em família, todos estavam juntos e colaborando para que as coisas saíssem em ordem. Florence e eu tentavamos colocar todos os presentes em baixo da árvore de natal, o que era um pouco complicado, porque havia muitos ali, minhas avós chegariam hoje para ficar conosco, eu estava bem animada, eu morria se saudades da Vovó Ronnie e da Vovó Angelina. 


Mamãe e Evelyn estão encarregadas de arrumar as comidas, as duas se dão bem na cozinha, mesmo com culinárias distintas, hoje teríamos culinária americana, italiana e britânica em um dia só, e eu estava louca para prova-las. Bless está travessa, morde a orelha se Asia que reclama não gostando muito da situação, ela rosnava e Bless simplesmente não dava a mínima para o que ela sentia, Florence tentou repreende-la várias vezes, mas era como se estivesse falando com as paredes, isso provavelmente seria o pico de crescimento, Bless era agitada, os meninos nem tanto. 


—Você não pode fazer isso com ela Bless. —Florence faz carinho na pequena— Ela é sua irmã garota...


—Gustave está te odiando por ter largado ele e ficado com Bless, ele mal quer olhar na sua cara. 


—Isso ele puxou de você, o ciúmes... —ela ri—


—É melhor você se acostumar a dar a atenção para os dois, a fazer eles aprenderem a se amar, sem ficar mordendo as orelhas ou algo do tipo. 


—Eu estou tentando ter uma conversa com Bless, mas ela me ignora por completo. —ela pega a cadela nos braços— 


—Então continue educando ela, vou ver se alguém precisa de ajuda lá fora. Eu já volto! —lhe dou um beijo rápido—


Caminho até o lado de fora, encontro alguns piscas piscas fora do lugar, então os enrolo em um arbusto que tinha ali. Meu pai e Nick estavam enrolando alguns deles no corrimão da escada, estava tudo ficando tão brilhante. Depois de enrolar as luzes no arbusto, coloco as mãos na cintura observando o dia, eu estava feliz por não passar o Natal no frio, aqui sempre tínhamos disposição do calor e do sol.


—Gaga! 


Escuto a voz de Grace e então me viro, ela está se aproximando de mim e assim me dá um abraço.


—Obrigada por ficar com a Bonnie ontem a noite. —ela me dá um beijo na bochecha—


—De nada! —sorrio— Vocês sempre podem contar comigo, Bonnie é um amor. 


—Vocês me ajudaram muito.


—E você, conseguiu resolver as coisas com seu esposo? —a encaro—


—Sim, consegui. —ela sorri tímida—


—Não precisa ficar assim comigo, eu entendo quando temos que resolver esses problemas de casal, ainda mais quando se tem filhos que podem atrapalhar a qualquer momento e você só quer fugir um pouco.


—Realmente, é que isso me deixa um pouco constrangida. —ela sorri— É difícil falar sobre isso com alguém.


—Vocês britânicos são tão reservados. —rio— Uma hora aprendem com nós.


—Obrigada novamente Gaga, sério!


—De nada Grace, qualquer coisa você pode deixar Bonnie lá novamente. —sorrio—


—Hoje não será necessário. —ela diz encarando o chão— Já resolvemos o que tínhamos para resolver.


—Tudo bem então... —rio contida—


Ela se afasta e então eu fico ali reparando mais uma vez o céu, que está em uma tonalidade de azul um pouco mais forte.


[...]

 

Sete horas até o Natal...


Já está tarde, eu não encontrei Florence em lugar nenhum, uns me dizem que viram ela no quarto, outros dizem que viram ela no escritório, eu estava ficando completamente maluca, já era hora de todos nós se arrumarmos e nem sinal dela, vasculhei a casa até onde eu pude, era grande demais e eu não tinha domínio para tudo isso, então decidi subir sem ela, Florence nunca se arrumava muito, então seria a pessoa mais rápida para se arrumar no dia de hoje. 


Abro a porta do quarto na esperança de que ela possa estar ali, mas nada, observo a cama e vejo algo esparramado sobre ela, fecho a porta atrás de mim e então eu caminho até a cama, vendo ainda mais nitidamente o que estava sobre ela, era um kit corselet, junto com a roupa que eu usaria hoje, eu acho completamente estranho, eu nunca vi esse corselet no meu armário, era totalmente de renda, era sexy, e parecia vestir muito bem. Reparo bem e vejo que tem um pequeno bilhete ao lado do corselet, pego em minhas mãos e leio.


"Querida Stef,


Espero que você tenha gostado do seu presente de Natal adiantado, eu não sabia o que te dar confesso, mas depois que eu vi isso, eu achei sua cara, você gosta de algo ousado e sexy, então aproveite para usá-lo no dia de hoje. 


Com amor,

Florence Welch, xx"


Eu não deixo de sorrir, Florence era mesmo uma sapeca, tinha armado toda essa travessura para me dar um corselet, ele era lindo, passo a ponta dos dedos em seu tecido, era bem gostoso e delicado, parecia ter sido feito a mão. Guardo o bilhete que ela me fizera, e então entro para o banheiro, preciso me arrumar o quanto antes. 


—Então ela te deu um corselet? 


Ash ri enquanto me ajuda a arrumar o cabelo.


—Sim, Florence é uma sapeca, eu não fazia idéia.


—Hmm, hoje a noite promete então. —ela ri— O que você comprou pra ela? —ela passa os dedos em minha franja—


—Apenas um lembrança, eu não sou boa com presentes Ash.


—Deveria ter dado um corselet pra ela, apesar que eu não imagino ela vestido isso.


—Eu imagino. —contenho o riso— Você acha que está bom assim? —lhe mostro—


—Acho que vai ficar muito na cara você com essas meias, tire elas e depois as coloque quando necessário. 


—Eu também acho. —estico minhas mãos até meu pé, puxando a meia— E você vai passar o Natal com seus pais mesmo?


—Sim, eu preciso. Faz tempo que não passo com eles. —ela mexe em meu cabelo—


—Tudo bem então. —suspiro—


Assim que retiro as meias, desço com Ash, ela se despede de mim com um feliz natal, e depois se despede de todos, eu pego uma taça de champanhe das mãos de meu pai que me oferece e então tomo um gole, todos estavam extremamente bonitos. Bebo um gole de champanhe e volto a procurar Florence, mas nada dela, eu estava começando a ficar preocupada, sumiu sem deixar nenhuma pista, apenas o corselet na minha cama, e mais nada.


—Titia Stef! —Bonnie corre em minha direção e eu me abaixo—


—O que foi querida?


—Você está parecendo uma princesa! —ela sorri—


—Você quem está com esse vestido azul bebê! —sorrio— Somos duas princesas! —a giro—


—Duas princesas da Titia Florence! —ela balança minhas mãos junto das dela—


Sinto um leve toque em meus ombros, eu termino de beber meu champanhe e então me viro, vendo que é JJ.


—Florence pediu para te avisar que está em seu quarto, e que precisava falar com você.


—Tudo bem. —lhe entrego a mão de Bonnie— Cuida dela pra mim? Eu já volto.


—Claro. —ele pega a menina nos braços— 


Duas horas até o Natal...


Subo as escadas um pouco mais aliviada de saber que ela estava no quarto, sumir assim não é normal, será que ela estaria com algum problema? Bato algumas vezes na porta, mas nada de que eu fosse antendida, eu bato o pé no chão e a chamo, sem resposta alguma pra isso, eu não queria pegar ela no flagra caso estivesse fazendo alguma coisa, então preferi esperar, até escutar ela dizer.


—Entra... —sua voz sai doce— 


Abro a porta, e um cheiro doce invade minhas naridas, parecia ser insenso, eu não tinha certeza, as luzes estão apagadas, fecho a porta atrás de mim, e então caminho com dificuldade pelo quarto, toco no recamier e vejo que estou na frente da cama, a luz do abajur se acende de repente me fazendo olhar para ele. Meus olhos dão de cara com Florence, ela está deitada na cama, vestia uma lingerie totalmente de renda vermelha, eu estou desacreditada, ela afirmava que não ficava nenhum pouco atraente com uma dessas, mas não era isso que eu via na minha frente. Meus olhos estão completamente paralisados para olha-la, ela passa as mãos na barriga e eu estou completamente paralisada, a cor tinha caído perfeitamente bem com sua pele, eu confesso que estou sem entender um pouco, então apenas continuo a encarando. 


—Tira a roupa. —ela se apoia com as mãos na cama— Fica comigo aqui, quero ver você apenas de corselet. 


Eu coloco minhas mãos atrás do vestido puxando o zíper, ele vai sobre o chão me deixando apenas de corselet, eu arrumo ele em meus seios e olho Florence, que agora morde o lábio, e me observa atentamente. Tiro os saltos e visto a meia que deixei em cima da cama, prendendo elas em meu corselet, coloco meus saltos de volta e me deito com ela. Estamos cara a cara, ela passa o polegar na maçã do meu rosto e encara cada parte dele, ela está séria, e eu confesso que gosto de vê-la assim.


—Aonde você comprou essa lingerie? —encaro-a—


—Shhh. —ela coloca o polegar no meu lábio— Eu quero observar cada detalhe seu. 


Eu fico calada, apenas a vejo olhar cada parte de mim, eu confesso que estou ficando um pouco tímida, o olhar que Florence tinha agora era como se estivesse aprovando todo meu corpo, eu suspiro enquanto ela passa seus dedos agora em meus braços, ela coloca o dedo em seus lábios apenas o tocando, e depois volta para minha pele, eu estou arrepiada, eu toco levemente suas coxas, e ela continua a descer suas mãos até meu quadril os tocando e apertando levemente, seu toque me deixa completamente excitada. 


Eu respiro agora pela boca, enquanto seus dedos passam em minhas coxas, seu olhar volta pra mim, Florence está me olhando de outra maneira, não aquela maneira doce que ela sempre me olhava, seus olhos me mediam, e ela queria realmente me mostrar seu outro lado na cama, eu não me importava, eu apenas queria senti-la dessa forma, experimentar a Florence que estava na minha frente, parte por parte. Suas mãos agora seguram minha nuca, ela respira fundo, beija meu queixo, e seus lábios vão descendo até meu pescoço, eu suspiro, seus lábios tornam forma ali, eu estou completamente arrepiada. Ela se afasta e então sopra meu pescoço, eu respiro fundo, suas mãos apertam meus ombros, eu mordo meu lábio involuntariamente, eu gostava assim.


—Deita. —ela sussurra— Deixa eu ver você.


—Mais? —sorrio—


—Shhh, só faz isso. —ela morde minha orelha—


Eu me deito ainda a encarando, ela se senta na minha barriga, eu tento tocar sua cintura, mas ela impede colocando meus braços pra cima, então eu os deixo ali imóveis. Ela desliza os dedos em minha barriga por cima da renda que havia ali, eu queria toca-la, queria sentir seu corpo, ela estava tão linda com essa lingerie, que eu me perdia completamente. Ela se deita sobre mim e agora morde levemente meu colo dos seios, sua respiração quente me faz soltar um leve gemido, ela se apoia em cima de mim com as mãos na cama, seu cabelo ruivo cai em cima do meu rosto, Florence me olha, molha os lábios, e solta um leve sorriso malicioso, olho para o seus seios que estão com um decote enorme com aquela lingerie. 


Florence se aproxima de meus lábios me fazendo olha-la rapidamente, ela os lambe, e então se separa de mim me fazendo esperar um beijo dela. Ela se senta novamente, dessa vez se tocando, levando suas mãos até seu cabelo, e dançando sobre meu corpo, eu nunca tinha visto o lado dessa Florence, eu estava adorando. Ela coloca os dois dedos na boca, seu feição estava me deixando completamente gatilhada, ela sorria tão maliciosa me fazendo se perguntar quem era aquela em cima de mim, e o que tinham feito com a antiga Florence. Ela estava me provocando, e conseguia isso, suas mãos desceram até minha barriga, e subiram até meus seios os apertando, eu solto um gemido árduo, eu resmungo e ela apenas sorri. 


Esse joguinho estava me deixando completamente maluca. Ela se levanta ficando de joelhos na cama, ela dedilha minha coxa, me fazendo ter dificuldade para respirar, eu estava completamente detida por ela.


—Vira de costas pra mim. —agora ela me encara apoiando as mãos nas coxas—


Eu não tenho forças nem mesmo para perguntar o que ela queria, então apenas faço, fico de costas pra ela apoiada em meus joelhos e braços, minha cabeça se apoia na cama enquanto eu espero pelo seu toque. Sinto sua boca em minhas coxas, ela a beija, e eu resmungo, essa sensação era tão gostosa, mordo os lábios e sinto ela ficar atrás de mim, apoiando seu corpo no meu sem muita força, suas mãos envolvem minha cintura e ela passa uma das mãos livres em minha coxa, procurando a cinta liga, foi fácil para seus dedos se moverem e soltar elas, frente e trás foi feito o mesmo procedimento, ela sobe um pouco do meu corselet, e apalpa meu traseiro, eu seguro os lençóis com força e solto um gemido manhoso. 


Ela segura minha cintura chocando meu traseiro em sua barriga, eu mordo os lábios, Florence estava me deixando completamente maluca e excitada, eu queria que ela acabasse logo com tudo isso, eu não sinto mais suas mãos, agora um estalo alto ecoa pelos quarto depois de eu sentir suas mãos em meu traseiro, ela realmente tinha me dado uma bofetada, me fazendo soltar um gemido alto, eu escuto sua risada, ela passa as mãos de novo nele para tentar alivia-lo. Ela alcança minha calcinha, passa os dedos de leve por cima do meu sexo, eu estava completamente molhada. Devagar então ela tira minha calcinha, deixando nos joelhos, novamente ela agarra meu traseiro, mas dessa vez com a boca o mordendo, eu me empino ainda mais, senti-la assim só me deixa com vontade de senti-la ainda mais. 


—Afasta os joelhos. —ela termina de retirar a calcinha— 


Eu apenas faço, sem hesitar, afasto meu joelhos e então eu a vejo caminhar pelo quarto, ela se ajoelha do lado da cama, e então eu fecho os olhos, meu coração está completamente disparado, minha respiração pesada. Eu tento me arrumar na cama, mas foi uma tentativa falha após sentir as mãos de Florence segurar meu quadril, e eu apenas escutar um barulho, e gemer alto ao sentir um vibrador em meu sexo, meus joelhos perdem a força e eu quase me desequilibro na cama, Florence segura meu quadril me pulsionando ainda mais pra perto do vibrador, eu estou trêmula, eu solto um gemido ainda mais alto, e o abafo com meus dedos.


—F-Florence! —gaguejo— 


Ela não diz nada apenas ri, aumentando ainda mais a velocidade do vibrador, eu mordo os lábios, agarro ainda mais forte o lençol e perco o fôlego. Eu tenho gemer mais é impossível, eu estou em êxtase, ela agora mexe o vibrador, me estimulando enquanto ele vibra, eu estou a beira de um colapso, eu me agarro mais forte no lençol, seguro um de meus seios e os aperto forte. Não consegui me controlar quando ela aumentou ainda mais a velocidade, me fazendo ter um orgasmo ali mesmo, eu solto um gemido alto, que faz ecoar por todo o quarto, ela ainda continua ali, eu estou tremendo, e ela sabe que eu gosto, meu gozo escorre pelas minhas pernas, e então ela desliga o vibrador, passa os dedos em minha perna e deduzo que ela os levou para a boca. 


—Você é extremamente gostosa. —ela segura meu quadril me virando— Agora eu quero te provar. 


Eu apenas assenti com a cabeça, eu estava tomando o fôlego, sua língua percorre minha barriga e eu coloco meu dedo na boca o mordendo com força, a boca de Florence já estava em meu sexo, ao senti-la eu gemo manhosa, ela segura minhas pernas a afastando com força, sua língua percorre meu sexo, brinca com meu clitóris e eu fico claramente ainda mais sem fôlego. Seus dedos agora brincam com minha entrada, ela se separa de meu sexo e então o lubrifica os três, ela me olha morde os lábios e então me penetra sem hesitar, eu tenho um espasmo, e mordo o travesseiro. Florence me estoca rápido, enquanto volta a me chupar, ela consegue ser coordenada muito bem quando está assim, eu mexo meu corpo, eu preciso gozar em sua boca, meu corpo treme, minha pernas estão sem força. Ela aumenta ainda mais o ritmo, eu procuro seu cabelo, mas com a outra mão ela segura minha mão colocando ela pra cima, eu resmungo, mas eu gosto de ser domada por ela dessa forma. 


Ela não para, move os dedos rapidamente dentro de mim, eu mordo o travesseiro ainda mais forte, meus olhos se reviram, a cada segundo é um gemido árduo, eu estava chegando em pleno gozo, Florence continuava sem hesitar de forma alguma, eu sentia meu clitóris completamente sensível, ele latejava, eu estava trêmula, eu só queria chegar ao ápice o mais rápido possível. Florence adicionou mais um dedo, e agora sua força era de outro mundo, ela me estocava ainda mais forte, eu segurava sua mão a apertando forte, minhas pernas estavam falhando, ela aumentou ainda mais o ritmo meu sexo me fazendo gemer alto e jogar o travesseiro no chão. Eu gemi alto quando cheguei em meu orgasmo, ela ainda me estocou um pouco, logo parou e tirou seus dedos de dentro de mim, sua língua passou em meu sexo e então ela se sentou em minha frente, colocou os dedos um por um em sua boca se deliciando por completo do meu gosto. 


Ela se juntou comigo deitada, me deu um beijo rápido, e me colocou deitada em seu peito, eu estava ofegante, eu tentava respirar, mas estava difícil, eu olhei para ela desacreditada.


—Você acabou comigo... E-Eu nem tenho forças pra tentar algo com você. 


—Eu não quero. —ela abre um sorriso— Eu gosto de fazer isso.


—Você nunca tinha feito dessa forma, meu Deus. —passo a mão em meu cabelo—


—Espero que você tenha gostado. —ela brinca com meu nariz—


—Aonde você arranjou esse vibrador? —a encaro—


—Na mesma loja que achei seu corselet, você gostou?


—Uhum. —mordo o lábio— Florence você não era assim amor, me surpreendeu.


—Esse era o ponto que eu queria chegar, mostrar que eu sei te dominar também.


—E como sabe... —rio—


Ficamos ali um pouco, eu precisava me recuperar um pouco, Florence passava os dedos em meu cabelo, eu estava realmente surpresa de como ela sabia me dominar na cama dessa forma, eu ainda estava desacreditada, ela era tão doce, mas ao mesmo tempo tão sexy. Me sento na cama e tomo um pouco o fôlego, eu estava com a boca seca, passo a língua nos lábios, e tiro as meias eu estava com tanto calor que queria ficar nua aqui mesmo. 


—Florence? Gaga? 


Escutamos a voz de JJ e rapidamente eu me levanto. 


—Eu não sei o que vocês fizeram essas duas horas trancadas aqui, mas já falta dez minutos para o natal, acharia legal vocês descerem. —ele ri—


—Nós já vamos JJ. —Florence diz— Pode descer. 


Ela se levanta sem preocupação nenhuma, veste a camisa que estava pendurada, a calça do terno vermelho que ela tinha separado para usar hoje. Eu continua imóvel, eu estava sem forças para levantar, peguei meu vestido no recamier e então me vestir sentada mesmo, coloquei novamente a calcinha e então me sentei no recamier para colocar os saltos, Florence se olhava no espelho arrumando a franja, ela simplesmente parecia que não tinha feito nada apenas acabado de levantar da cama depois de um longo descanso. Ela me ajuda a me levantar e fechar meu vestido, ela limpa minha maquiagem e então segura minha mão me puxando para sair com ela. 


Assim que descemos abraçadas todos olharam para nós duas, chegou até mesmo ser constrangedor, parecia que eles tinham escutado algo, ou já sabiam o que tinha acontecido ali. Pegamos duas taças de vinho, e então se aproximamos deles, todos estavam animados, faltavam apenas dois minutos para chegar o grande dia do natal. 


—Eu adorei passar isso tudo com você. —sorrio dando um beijo rápido em Florence—


—Passaremos mais dias como esse juntas. —ela passa seu polegar em meu rosto—


Assim que deu meia noite, todos se abraçaram e se desejaram feliz natal, a família toda reunida todos animados com isso, e eu só pude me emocionar em meio a tudo isso, agradecendo por ter isso em pouco tempo, eu estava tão feliz. 


—Feliz Natal Stefani, obrigada por entrar na nossa família e cuidar da nossa filha! —Evelyn me abraça junto com Nick— Ficamos mais tranquilos em saber que Florence está com você.


—Feliz Natal aos dois, eu estou tão emocionada por estar vivendo isso, eu estou sem palavras... —fungo—


—Feliz Natal Titia Stef! —Bonnie abraça minhas pernas— 


—Feliz Natal meu amor! —solto Nick e Evelyn e abraço Bonnie— Você está uma princesa! 


—Você também! —ela sorri—


—Com licença Bonnie. —Florence me dá um beijo na bochecha— Feliz Natal, amor. —ela me dá um beijo rápido— Que eu possa passar muitos dias assim com você. 


—Feliz Natal. —faço carinho em seu rosto— Eu quero passar uma vida inteira com você. 


—Vamos passar uma vida inteira e mais que isso. —ela me da um beijo—


Depois de dar feliz natal a todos, eu reparo que Florence já tinha bebido bastante, ela estava um pouco alterada, abraçava JJ enquanto dizia algo embolado, ela estava animada e nesse meio tempo já tinha virado duas taças de champanhe, contando com as anteriores. Bonnie correu até a árvore de natal, ela estava ansiosa para abrir os presentes. Caminhei até ela, e me abaixei ficando do seu tamanho, separando os três presentes que tínhamos comprado naquele dia.


—Isso tudo é meu? —ela me olha— 


—Sim! —faço carinho em seus cabelos— 


—Eu posso abrir titia Stef? 


—Claro que sim meu amor. —sorrio— Florence, vem aqui querida. —a chamo—


—Bonnie, esse é o meu! —ela entrega para a menina— Acho que você vai gostar.


A menina abre um sorriso e então abre o embrulho do presente em segundos, ela fica impressionada quando vê o pequeno piano em sua frente, os olhos enchem d'água, ela olha para Florence, e eu não pude conter algumas lágrimas.


—Obrigada Titia Florence. —ela coça os olhinhos— 


—Espero que você goste de usar bastante esse presente. —ela sorri a abraçando— E tem mais coisa! —Florence pega o outro embrulho—


—Outro? —ela pega o embrulho das mãos de Florence— O que é?


—Abre querida. —digo—


Bonnie então coloca o presente no chão e o abre rapidamente, ela coloca as duas mãos na boca ao ver as duas bonecas de seu desenho favorito. 


—Você gostou? —Florence massageia os ombros da menina— Não vai me dizer que o desenho não é esse...


—É sim Titia, você comprou duas! —ela solta uma gargalhada alto—


—Comprei, você gostou? —Florence se apoia no chão—


—Eu gostei, eu amei! 


—Ainda tem mais um Bonnie, puxo a caixa até ela. 


—Mais um? —ela sorri animada— São muitos!


—Eu sei, abra e me diz se você gostou. —sorrio— E tem o seu. —entrego para Florence—


—Eu disse que não precisava. —ela se levanta e pega da minha mão— O que é?


—Abre! —sorrio e tiro um fio de cabelo do seu rosto—


Ela abre o embrulho, e então fica apenas com a caixa eveludada nas mãos, ela abre e eu olho seu rosto, eu queria ver sua feição, queria saber se ela realmente tinha gostado.


—Um anel? —ela segura nas mãos— É lindo Stef! —ela sorri— Você me conhece perfeitamente.


—A pedra dele muda conforme seu humor, vai ser mais fácil saber como você tá! —rio— Atrás tem nossas iniciais marcadas, eu quis deixar um pouquinho nosso ai. 


—É tão bonito. —ela olha a parte de trás do anel— S & F... —ela sorri— 


—Tem mais um! —entrego uma caixa aveludada maior— Eu acho que desse você vai gostar ainda mais.


—Stefani eu achei que era só um presente! —ela pega nas mãos— Você disse que era só um presente.


—E é! —rio— Abre! 


—Tudo bem. —


Ela abre a caixa e então seus olhos brilham com o colocar que eu tinha mandado fazer para ela. Ela rapidamente segura o colar me entregando a caixa, ela sorri e então coloca no peito. 


—É lindo! Stefani isso deve ter sido uma fortuna. —ela me encara sorrindo—


—Não interessa. —rio— É a mesma coisa do anel, a diferença é que ele vai se adaptar com a cor da roupa que você tá vestindo. —sorrio— Agora ele está vinho por causa do seu terno. E eu mandei gravar seu nome atrás. 


—Florence, xx. —ela lê sorrindo— 


—Gostou? —lhe dou um beijo rápido— 


—É tudo perfeito Stefani, meu Deus e eu só te dei aquilo.


—O que foi perfeito, não venha agora desmerecer seu presente. 


—Não estou. —ela ri contida— Obrigada amor. —ela me dá um beijo demorado—


[...]


Já era tarde, todos já tinham comido a ceia e eu já tinha tirado os saltos e estava cansada, Florence está completamente bêbada, ela dança abraçada com pai ao som de "All I want for Christmas Is you" da Mariah Carey, Florence canta animada, ela olha pra mim enquanto faz isso, eu solto um bocejo longo, era fácil perceber que ela estava bêbada. Todos riam da sua felicidade, ela estava uma graça bêbada, mas já era tarde pra ela gritar assim, a mesma usava uma garrafa de champanhe de microfone enquanto fazia isso, bebo o último gole de champanhe.


—Acho melhor levá-la para o quarto. —Grace se senta ao meu lado— 


—Eu vou, antes que ela beba ainda mais. 


—Concordo, ela já está alta demais. —ela olha Florence— 


Me levanto e então me aproximo de Florence, segurando seu rosto e fazendo com que ela tome a atenção pra mim.


—Vamos dormir? 


—Não quero, eu não estou com sono. —ela sorri— Vou beber mais uma taça de champanhe.


—Chega amor, já está tarde, e você bêbada. —faço carinho em seu rosto— 


—Não quero Stefani. —ela me empurra de leve— Eu quero dançar, a noite é uma criança!


—Florence! —Evelyn a repreende— Já chega, o dia foi ótimo, mas já está ótimo de bebida por hoje.


—Mas... Mas... —ela revira os olhos— Tudo bem!


—Vem, solta essa garrafa. —tomo da sua mão e apoio no móvel— 


Seguro sua cintura e então caminho com ela até a escadas, Florence quase me derruba, ela era maior, e eu estava quase cedendo com ela. Quando chegamos aos corredores aliviei que não precisaria mais arriscar minha vida com ela de apoio em cima de mim, eu a levo até o quarto, abro a porta e a jogo na cama, volto pra fechar a porta e ela está sentada na cama. 


—Deixa eu tirar seu terno. —desabotoo o mesmo— 


Ela cai na cama, e então solta uma gargalhada alta, eu jogo seu terno na poltrona, e então tiro seus sapatos. Abro os dois botões da sua camisa, deixando ela menos sufocada.


—Deixa eu chupar seus peitos. —ela tenta segura-los—


—Florence! 


—Eu quero que você fique de quatro pra mim! —ela me agarra ficando em cima de mim— Eu quero chupar você assim.


—Florence para com isso, você nunca foi de ficar falando orgia pra mim. —rio— 


—Eu só quero sentir seu sexo na minha boca.


—Meu Deus! Chega, deita ai.


Lhe cubro com o lençol, tiro minha roupa e então me deito do seu lado. Florence estava me assustando desse jeito, eu nunca tinha ouvido ela falar essas coisas pra mim, essa orgia explícita dessa forma. Apoio minha cabeça em seu peito, e ela faz carinho em meus cabelos. Eu escutava o barulho do seu coração bater rápido, sua respiração ofegante, passo meus dedos em sua barriga ainda por cima da camisa. 


—Eu estou tão extasiada com o dia de hoje, mal posso acreditar que realmente aconteceu tudo isso. 


—Eu adorei passar o Natal com você. —ela soluça— Minha família adorou também, eu tenho certeza. 


—Eu amei. —rio— Você é tão perfeita, o que você fez por nós aqui em casa, o que fez por mim. Eu tenho sorte de ter você Flo. 


—Acho que sou sortuda ainda mais por ter você. —ela ri— Olha a mulher que você é.


—E eu tenho sorte de ter você, olha o que você fez comigo mais cedo. —rio—


—No próximo Natal eu quero passar com você e nossos filhos. —ela faz carinho em meus cabelos— Quero dividir essa cama com nossos filhos. 


—Você jura? —a encaro— Mesmo? Ou só está falando isso porque você está bêbada?


—Eu quero! —ela ri— Você promete me dar um bebê? Quero um bebê nosso.


—Se sua vontade é ter um bebê comigo é claro que eu vou te dar! —sorrio— 


—Eu quero um montão. —ela segura meu rosto—


Lhe dou um beijo demorado, eu estava completamente apaixonada por essa mulher, Florence estava com gosto de álcool puro, mas eu não ligava muito, eu gostava desse jeito dela, gostava de como ela estava tendo a certeza que queria agora um filho comigo, depois de muito insistir que não era o momento agora. Voltei a me deitar no seu peito, e então suspirei, escutei Florence agora roncando um pouco, então eu sorrio e faço carinho em suas mãos.


Eu tinha certeza de que Florence é a mulher da minha vida, eu fiz a escolha certa eu persistir em nosso relacionamento, correr atrás do nosso amor e não deixar nada nos abalar por mais difícil que fosse, eu a amava, e sabia que nosso amor era mais forte do que tudo. Ela me compreendia quando eu precisava, me aconselhava, cuidava de mim, mesmo com brigas, era a mulher certa, a mulher que eu escolhi passar o resto da minha vida. Se ela queria uma família, era isso que eu daria, com a maior certeza que nossos filhos teriam uma mãe incrível, uma mãe que apoiaria eles em qualquer coisa que decidiriam seguir, iriam ter uma educação maravilhosa. Que nosso amor mostrasse ao mundo, através deles, e que eles passem isso para a geração deles, que nosso amor atingisse tudo que desejávamos nesse momento. Eu a amava, e disso teria certeza que era recíproco, Florence era a minha maior certeza depois de muito tempo, e eu continuaria a amando por longos anos, até que nossa vida chegasse ao fim, e até depois dela, eu continuaria apaixonada e sentindo esse frio na barriga que eu sinto. 


Beijo seu peito e então me deito de novo, ela era a mulher da minha vida, e até ao final dela eu a amaria. 


"Amor é um marco eterno, dominante,

Que encara a tempestade com bravura;

É astro que norteia a vela errante,

Cujo valor se ignora, lá na altura.

Amor não teme o tempo, muito embora

Seu alfange não poupe a mocidade;

Amor não se transforma de hora em hora,

Antes se afirma para a eternidade."

William Shakespeare


Fim.










Notas Finais


|Eu espero do fundo do meu coração que tenham gostado do último capítulo, talvez seja um fim ou um até logo, nunca se sabe... Foi um sentimento tão bom escrever essa fanfic, transparecer esse amor, e mesmo que em meio a distância, os problemas ainda sim permaneceu, e eu quero só deixar apenas essa mensagem. Obrigada por ler, e muito obrigada por acompanhar!|

Talvez isso não seja um fim, apenas um até logo....


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...