História Hey, you have my baby! - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang, Black Pink, EXO, Monsta X, TWICE
Personagens Baekhyun, G-Dragon, Jennie, Jisoo, Ki Hyun, Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Mina, Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Won Ho
Tags Bts, Fluffy, Hyhmb, Kim Taehyung, Repostagem, Suga, Taehyung, Yoongi, Yssschr_
Visualizações 1.265
Palavras 1.139
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Fantasia, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


mais um capítulo pra vocês, um bem mimadinho e nhonhonho por sinal, espero que gostem, porque os próximos capítulos vão voltar com mais comédia e tretas. ~ ah, e também tô fazendo os capítulos mais curtinhos, ou seja, vai prolongar mais a estória assim pq tô dividindo em partes menores, o que acham?

Capítulo 26 - Sou teu. Seja minha.


Fanfic / Fanfiction Hey, you have my baby! - Capítulo 26 - Sou teu. Seja minha.

POV Taehyung 

Meus dedos pairaram sobre seu rosto e somente as pontas dos mesmos tocaram na pequena mecha rebelde que insistia em deslizar por sua tez. Eu sorria cada vez que isso acontecia. Sorria cada vez que tentava pôr os fios da menor outra vez atrás da orelha e sorria a cada fungada baixinha que ela dava ao se remexer como um verdadeiro bebê dorminhoco. 

Sua bochecha pressionada contra o colchão parecia duas vezes maior, assim como seus lábios amassados pela forma como ela se encolhia na cama, e eu observava tudo no mais completo silêncio.

Deixei que a ponta de meu dígito contornasse inconscientemente o rosto alheio. Os olhos pequenos e fechados pareciam ainda menores sem o óculos. 

Eu acompanhava atentamente o sereno som de sua respiração, decorava todo e cada detalhe que conseguia dos seus traços. Somi tinha o poder de prender a minha atenção, de me prender nela. Aquilo era fascinante.

Vez ou outra uma lágrima escapava de seus olhos, e um suspiro meu soprava por entre os lábios. Eu não fazia ideia do que ela estava pensando, sentindo ou mesmo lembrando. 

Seu corpo imprevisivelmente encolheu mais e um grunhido resoou quando a menor se remexeu ao meu lado. Apenas com a luz distante de um abajur, o quarto permanecia, em boa parte, mal iluminado, e eu permanecia ali, a observando por uma noite inteira só para ter certeza de que tudo ficaria bem. 

O sono de Somi era realmente pesado. E os meus sorrisinhos bobos insistiam em vir a tona sempre que a mesma se aproximava mais de mim num ato instintivo. Quanto mais perto, mais eu me sentia um bobão. 

Esse era o seu efeito sobre mim. Não conseguia explicar o quanto me sentia perdidamente louco pela garota de cabelos curtos que por um acaso do destino entrou na minha vida apenas por ser mãe do meu filho e acabou me fazendo querer ficar por ser a mulher que eu me pegava observando os detalhes e sorrindo feito um idiota. 

Depois do que acontecera ontem, do seu choro inquieto até dormir em meus braços, de pela primeira vez eu ter cantado para outro alguém além de apenas minha , tinha feito questão de esquecer sobre a nossa briga besta e Wonho. Não valia a pena. 

Nem preciso dizer que fiquei altamente descontrolado. E à toa. Cortesia do estresse e raiva que Jisoo havia me feito passar naqueles quase cinco minutos de conversa fiada. Ter deixado Somi sozinha foi meu primeiro erro, ter a deixado ir com Yoongi foi o meu segundo. O terceiro foi ter que fazer o mingau do Taewon mais de quatro vezes porque eu simplesmente não conseguia me concentrar e temperava ele com sal - mas essa parte releva. 

Num suspiro ameno, contrai os lábios e afundei mais a cabeça no travesseiro só para  esconder o sorriso que queria se formar em meu rosto e o leve surto quando a menor franziu o nariz e balbuciou uma coisa qualquer que eu não conseguiria entender mesmo se tentasse - já que provavelmente deveria ser outra língua ainda não descoberta pela humanidade -, coisa que me obrigou a morder os lábios. 

Ouvi a cama ranger baixinho e balançar fraco com seu remexido. Ainda com a boca imergida na fronha amarelada, levei meus olhos e vi as pálpebras alheias tentarem abrir, logo me permitindo ver as escuras íris castanhas. Seu rosto sonolento era singularmente o meu preferido. 

— Você... tá dormindo ou acordado? — o silêncio na casa foi cortado por sua voz baixa, o tom soando assonorentado

— Uh? Por quê? — curioso, pergutei em um quase susurro.

— Você dorme de olho aberto.

Afundei o rosto no travesseiro outra vez e ri. 

— Isso é real ou um sonho? — novamente, a voz alheia soou baixinho, me chamando a atenção ao sentir seus dedos tocarem na franjinha bagunçada em minha testa. 

— O que quer que seja? — a encarei, nossos olhares sérios se alternando entre si. 

— Real. 

— Então, seu desejo é uma ordem. — ditei, me aproximando ainda mais da morena com meu corpo encolhido e um sorrisinho bobo nos lábios como se já me fosse uma rotina. 

Mirei seus olhos levemente inchados se estreitarem ainda mais ao ter um sorriso pequeno lhe tomando a boca. 

— Enquanto eu dormia, eu... sonhei com ele.  — suas orbes permaneceram nas minhas quando o sorriso se tornou fraco até sumir. — Sabe o que foi mais estranho? 

Neguei com a cabeça. 

— Eu queria que você estivesse lá pra cantar pra mim. Enquanto sonhava, eu pensei em você. Será que fiquei maluca? Ou é algum... problema mental? 

— Hm. — ergui o olhar para o teto e fingi refletir. — Se for um problema mental, então eu tenho dois

— Dois? — suas sobrancelhas se uniram em uma expressão confusa - e particularmente fofa. 

Eu penso em você tanto em sonhos quanto acordado. Deve ser um problema sério. 

Suas íris me encararam por um tempo em silêncio. Os lábios se entreabriram, mas nada saiu. Ela parecia tentar decifrar o que eu havia falado, analisava com cuidado. Somi deixou o olhar cair sobre o colchão por breves segundos e logo o voltou para mim. 

— Normalmente eu sempre tenho uma resposta pra tudo, mas você sempre me deixa sem saber o que falar. Como consegue? 

— Dom? — empinei o nariz e rimos juntos. 

— Com certeza essa é a sua especialidade. 

— Faço o meu melhor. — ri abafado, tendo nossos olhares grudados um no outro. A nossa proximidade era o bastante para que eu pudesse sentir seu calor e o suave cheiro de seu perfume doce. O bastante para que seus lábios me chamassem atenção como se me implorasse por vários beijinhos. Eu estava quase cedendo. — Como tá se sentindo? 

Ela desviou o olhar para baixo mais uma vez. 

— Confusa. Cansada. — nossos timbres soavam como uma conversa de sussurros, porém dessa vez sua voz diminuiu mais um tom. Quase um balbucio. — Avulsa. 

— Eu... não sei sobre o que se trata, mas... tô aqui pra você, hm? Sou ótimo em dar vários abraços, vários mimos, beijinhos, e o melhor de tudo: de graça. 

— Parece uma oferta irrecusável. — os cantos de sua boca se repuxaram em um sorriso tímido, assim como notei suas bochechas ficarem mais rosadas nos topos. 

— Então não recuse. — a encarei sério. Senti um frio na barriga e meu coração vibrar descontrolado. Aquela parecia a hora perfeita. A manhã perfeita, o momento certo. Eu precisava saber, precisava ouvir de sua boca de uma vez por todas. — Somi-ah. 

— Hm? 

— Agora... Olhe pra mim. Você não pode... olhar pra mim agora? 

— Eu tô te olhando. — ditou, os olhos concentrados nos meus. 

— Não apenas assim. Eu... — contrai os lábios. — Somi, você não pode... me amar, agora? 

O silêncio voltou a dominar depois das minhas últimas palavras. Quase podia ouvir as batidas aceleradas de meu coração como se quisesse fugir do meu corpo. 

— Taehyung, eu... tô fazendo isso nesse momento.


Notas Finais


OPA. OPA. OPA.

o que acharam? por favor, não sejam fantasminhas, tá? desmotiva muito :( e eu amo ler o que vocês acharam, então, e aí?

e quem quiser ler mais estórias minhas, essas aqui estão fresquinhas, uma está até na reta final, corram lá:

[Jungkook]: https://www.spiritfanfiction.com/historia/if-spring-comes-10439687

[Taehyung]: https://www.spiritfanfiction.com/historia/proditorium--kim-taehyung-12973398

E AGORA QUE VI OS MAIS DE 1K DE FAVORITOS, TÔ SURTANDO, VOCÊS ESTÃO OUVINDO MEUS SURTOS????


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...