1. Spirit Fanfics >
  2. Hibiscus - Thorki - Remasterizada >
  3. Picadeiro

História Hibiscus - Thorki - Remasterizada - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


+18 ..............................................................................................................................................................................+18
NESSE CAPÍTULO NÓS IREMOS RELACIONAMENTOS ABUSIVOS E SEXUALIDADE.
SE VOCÊ SE SENTE INCOMODADO DE ALGUMA FORMA COM QUALQUER UM DESSES TEMAS, RECOMENDO A BUSCA DE AJUDA, COM FAMÍLIA, AMIGOS OU COM UM PROFISSIONAL ADEQUADO.
+18 ...............................................................................................................................................................................+18

Aquele capítulo gostosinho pra hoje

Capítulo 5 - Picadeiro



O som do segundo chamado de Friday para que todos fossemos almoçar, nos tirou de nossa bolha de reconciliação, fazendo-nos sair da biblioteca. Peter, Wade, Bruce e Betty estavam nos aguardando à mesa, os quatro pareciam aqueles casais de comédia romântica, exageradamente apaixonados. Meus tios avós haviam ido a um clube localizado no subúrbio da cidade e almoçariam por lá, então seriam apenas meus pais, meus irmãos e seus respectivos e eu. 

Minha amada cunhada contava sobre o pedido de casamento que meu irmão mais velho havia feito a ela sob o luar em Paris, o quão romântico foi quando ela escutou a declaração tímida de amor que ele havia lhe feito ao entregar o enorme diamante, que agora não saía de seu dedo anelar. Eu podia sentir meu suco gástrico borbulhando enquanto escutava aquela história toda, mas parte de mim se entristeceu ao se recordar do dia em que fui pedido em noivado.

"Estávamos em Florença, Itália, no meio da primavera, só nós dois fazendo uma pequena viagem pela região da Toscana. Passamos nossa tarde no Giardino Dell'Iris, um jardim cheio de lírios que só abre ao público em um mês do ano, acompanhando o florescer das flores. Esticamos uma toalha no gramado e ficamos deitados assistindo às crianças italianas correndo e brincando, sendo adornadas pelo alaranjado do por do sol.

--Fecha os olhos, meu amor. - acatei ao seu pedido de prontidão sem saber o que viria, senti um selar demorado em meus lábios - Pode abrir.

--O que foi? - e então percebi que um pequeno pacote retangular estava ao meu lado - A gente tinha combinado de não comprar nada um pro outro aqui na Itália, Robert.

--Estou com isso já tem dois meses, Loki. - me sentei para fitá-lo melhor, pude reparar que havia tensão dentro daqueles olhos azuis claros - Abre logo, isso tá me matando.

Dei algumas risadas com a ansiedade que ele estava demonstrando com aquilo tudo,  decidi dar mais alguns selares em seus lábios falando que iria amar independente do que fosse, já que havia sido um presente dele. Quando abri o pequeno embrulho dei de cara com um livro que eu não conhecia, até ler quem era o autor.

--Caralho! - gritei e pulei em cima dele, dando vários beijos por todo seu rosto - Como você segurou isso por dois meses?

--Queria entregar pra você na hora certa. - nos girou sobre a toalha ficando por cima de mim e atacou meu pescoço com vários beijos e chupões - Espero que você goste.

--Sou seu fã número um, idiota. - comecei a rir com o carinho que recebia - Que honra ganhar o exemplar de "Abismos de Gelo" das mãos do próprio Robert Louis Drake. Acho que vou querer um autógrafo em um local inapropriado depois.

--Seu pervertido. - soltamos uma gargalhada com o que falei - Quero escutar você lendo a dedicatória, amor.

--'Acordar e ter minha cama vazia, sem seu corpo de pele alva e macia, seus cabelos cor de ébano, seu sexo tão luxurioso e casto, sem o seu amor todos os dias, se tornou algo impossível de se suportar.' - comecei a chorar com suas palavras - ' Eu, Rob-bert Lo-lo' - nenhuma palavra mais conseguia sair quando o outro se colocou ajoelhado à minha frente e começou a falar.

--Eu, Robert Louis Drake, percebi que o mundo não faz mais sentido se você, Loki Laufeyson, não estiver ao meu lado. - pegou uma caixinha de madeira toda esculpida a mão e a abriu, revelando duas alianças de ouro rose, adornadas com pequenos brilhantes azuis e verdes - Casa comigo?

--Sim! - ele colocou uma aliança em meu dedo e me entregou a outra e fiz o mesmo em sua mão - Eu te amo tanto, Bobby! - voltei a me lançar sobre seu corpo nos derrubando, fazendo-o rir enquanto eu o beijava.

--Eu também te amo! Eu amo esse homem e vou me casar com ele, porra! - gritou a plenos pulmões enquanto eu me colocava a gargalhar."

Se qualquer pergunta havia sido direcionada a mim durante toda a refeição, eu tinha ignorado, naquele momento eu estava em Florença rodeada de lírios, não estava mais em Nova York. Só acordei daquele sonho com um chacoalhão que recebi do Wade quando o mesmo se levantou da mesa dizendo que agradecia a hospitalidade, mas que já ia embora. Fui com ele até meu quarto para que o mesmo arrumasse suas coisas que estavam espalhadas por todo o lugar, ficamos em silêncio enquanto ele fazia isso, até pensei em perguntar como foram as coisas com Peter, mas achei melhor fazer isso uma outra hora.

O baixinho não apareceu na hora em que estávamos esperando o elevador para que o loiro brutamontes que chamo de amigo ir embora, percebi que Wilson ficou triste com isso enquanto conversávamos sobre ir ao bar da All no domingo, ele estava desanimado e sem aquele brilho dourado que sempre circundava seu corpo.

--Você vai ficar bem, grandalhão? - coloquei uma mão em suas costas fazendo um carinho ali - Eu perdi alguma coisa?

--Tá tudo bem. É só o Petey que tá grilado com umas mensagens que recebeu dos amigos. - bufou - Vou encher a cara com a Vanessa e com a Neena hoje. 

--Wade, só não fode com as gurias, beleza? - dei uns tapas em seu rosto como se quisesse alertá-lo - Vou ver como o gordinho está. Qualquer coisa me liga.

Ele entrou no elevador e sumiu com o fechamento das portas douradas. Fui até o quarto do pequeno Stark e encontrei ele encolhido embaixo do edredom, para animá-lo, corri e saltei bem em cima dele, começando a fazer cócegas em seu corpo que ganhava massa muscular.

--Cadê suas banhas, gordinho? - ele ria e se debatia por baixo de mim - Agora você tá virando mais uma dessas pessoas que é cheia de músculos, que horror! - desmontei de seu colo e deixei que o menor retomasse o ritmo da sua respiração ao normal.

--O Wade já foi? - me puxou para que eu deitasse ao seu lado.

--Já foi sim, baixinho. Achei estranho você não ir dar um "tchau" decente pra ele. - fui seco no jeito que falei, mesmo sabendo o motivo.

--Eu precisei conversar com a MJ e com o Harry. - suspirou deitando a cabeça no meu peitoral - Eles viram que eu estava com o seu amigo ontem. E estão me fazendo um monte de perguntas agora.

--Espera um pouco. "Meu amigo"? - fiz aspas com os dedos, tirando algumas risadas do menor - Vou fingir que não sei que vocês estavam se pegando na varanda hoje de manhã. Quanto a esses dois, pau no cu deles! 

--Não é bem assim, Loki, eu... - não aguentei sua ladainha e fui logo o cortando.

--É assim sim, pau no cu deles. Gente mal amada do caralho. - tampei sua boca para que ele ficasse quieto - A vagabunda de cabelo de água de salsicha não terminou com você? Terminou, então agora você tá liberado pra pegar quem quiser. O viadinho Osborn trepou com você completamente bêbado, isso é abuso de vulnerável, Peter. No mínimo eu podia dar uma surra nesse moleque, o certo era ele ir pra cadeia. - recebi uma sequência de beliscões assim que entrei no assunto Harry Osborn - E não adianta ficar me beliscando, gordinho, ele tinha que ser preso por ter tocado em você. Aí soma tudo o que falei e, ao invés de você ir se despedir do cara gostoso que tá caidaço por você, te encontro aqui nesse quarto fedorento ao telefone com esses dois monte de bosta. Acorda pra vida, Peter Rogers Stark!

Num impulso roubei o telefone de suas mãos e corri me trancando em seu banheiro, por sorte peguei o celular desbloqueado e conseguia ter acesso às conversas que haviam ali. Fui direto para as conversas com os dois, Peter socava e chutava a porta pedindo para que eu devolvesse o aparelho e não fizesse nada, li a conversa que o acastanhado teve com cada um deles, ambos lhe cobravam o porquê do meu irmão estar com Wade e não com um deles. Harry se declarou apaixonado desde sempre por Peter, só não se declarava por não saber da orientação sexual do menor e em respeito à amiga ruiva.

Vi que tinha extrapolado os limites com meu irmão, invadi muito da sua intimidade ao fazer isso, então saio do banheiro e lhe devolvo o aparelho, pedindo desculpas assim que faço a devolução. Peter confere se eu não havia feito alguma loucura em alguma conversa e ao confirmar isso decide me perdoar. 

--Nunca mais faça isso, Loki. - voltou a se jogar na cama com a cara fechada pra mim.

--Me desculpa, gordinho. - me deitei ao seu lado e fiquei fitando o teto - Só não quero que você passe pelo que eu passei com o Bobby. Pelo que você me disse sobre esse mini Osborn e a tal Mary Jane, achei eles parecidos com meu ex.

--Algum dia você vai me contar sobre quem ele é? - o menor se virou pra me fitar e acabou me abraçando.

--Quando eu estiver pronto eu te conto, pode ser? - ele assentiu em meio a um suspiro - Mas posso te garantir uma coisa, o pedido de casamento que ele me fez foi muito mais bonito que o do Bruce pra Betty.

--O que? Vocês iam casar? - se sentou em um susto - Como você nunca nos contou sobre ele?

--Não deu certo, Peter. Não quero falar sobre isso. - me levantei de sua cama e me arrastei para fora de seu quarto sob a mira de seu olhar.

Já estava perto do horário que planejei começar a me arrumar para sair com Thor, mas não me sentia muito animada para isso, afinal acabara de ter uma conversa não muito agradável com Peter e a lembrança do meu maldito ex parecia mais vívida hoje. Para tentar afastar esses fantasmas da minha mente, decido me fechar no meu quarto e puxar um baseado, dou o play no álbum "Anus" da Alaska, começo a dançar com aquelas batidas absurdas, loucas e divertidas, que só aquela drag queen maluca consegue fazer, ao mesmo tempo que vou até a cômoda escolhendo o que vestir, para depois tomar meu banho.

Desci no horário combinado me deparando com o loiro apoiado com as costas em sua caminhonete, ele estava vestido com uma regata preta toda colada em seu corpo e uma calça vermelha de moletom, nos pés havia um tênis de corrida. Éramos completamente opostos, acabei optando por uma blusa transparente preta, calça de cintura alta também preta e um oxford bordô, por cima uma bomber jacket estampada com pequenas caveiras. O mais velho conseguiu me deixar extremamente confusa em relação a onde iríamos devido à sua aparência, mas apenas conseguia pensar no quão lindo ele era.

--Boa noite. - me direcionou um largo sorriso, mostrando todos os seu dentes irritantemente perfeitos, ao mesmo tempo em que eu me aproximava dele- Você está lindo, Loki.

--Oi, Thor... - não consegui fitá-lo nos olhos, senti que meu rosto queimava de vergonha pelo que ele falou - O-obrigada.

--Podemos ir? - de um jeito carinhoso, levantou meu rosto para que pudesse olhar em meus olhos, eu apenas assenti e então vi que ele começou a aproximar seu rosto do meu, fechando seus olhos.

Meus lábios foram tomados pelos seus em um beijo lento, casto e carinhoso, suas mãos se enlaçaram em minha cintura, ao mesmo tempo que abracei seus pescoço afundando meus dedos por entre seus fios de cabelo dourados. Pedi passagem com a língua de maneira afoita, necessitava de mais contato com o maior, ele cedeu em meio a um sorriso, mas foi a minha boca a ser invadida pelo seu músculo, que regia os movimentos daquela dança quente e molhada. Não queria que aquilo se findasse, mas foi necessário, ficamos com os rostos colados por alguns segundos.

--Vamos? - havia uma certa rouquidão em sua voz já grossa, que me fez arrepiar instantaneamente - Tem uns seguranças olhando pra gente, tá um pouco desconfortável isso, preferia ficar assim sozinho com você.

Começamos a rir ainda abraçados, podia sentir a vibração da sua risada naquele peitoral esculpido, que estava colado ao meu corpo magro e me sacudia levemente. Nos soltamos e entramos na caminhonete, partindo para o misterioso destino de nossa noite. Conversamos algumas trivialidades, incluindo o traje jocoso que vimos meu irmão usar na noite anterior, até que chegamos a um ponto onde Thor me pediu para colocar uma venda, dizia que era parte da surpresa e que eu não iria me arrepender. Tentei contra argumentar, mas foi em vão e acabei por vestir tal peça, confiando no loiro.

Ficamos mais algum tempo dentro do carro comigo em completa escuridão, reclamei um pouco da situação, mas isso só fazia o maior dar risada e me roubar alguns selares, me deixando completamente ruborizada. Estacionamos em um local estranhamente silencioso, saímos do veículo e andamos alguns passos, tive que ser guiada o caminho todo, tinham alguns obstáculos, tornando tudo mais bizarro e engraçado. Paramos em um lugar e então ele me pede para que eu tire a venda, mas tudo estava escuro, não conseguia nem ver o próprio Thor que eu sabia que estava diante de mim, pois estávamos de mãos dadas, um de frente pro outro. E então, pouco a pouco luzes foram se ascendendo e revelando onde estávamos, me deixando encantado com tudo à minha volta.

--E então? - Thor me abraçou por trás e foi nos rodando, me mostrando tudo o que havia à nossa volta.

--Como você conseguiu isso? - eu quase não conseguia falar - É tudo tão lindo!

--Eu disse que te traria em um lugar especial. - beijou meu pescoço antes de se desvincilhar do abraço e foi se pendurar em umas argolas à minha frente - Vim pra Nova York com o Cirque Du Soleil, foi aqui que eu me tornei o homem que sou hoje.

--Deve ser incrível. - deixei o maior em suas argolas e fui andar por entre os enfeites e aparelhos - Esse lugar é mágico! Olha tudo isso! Porra! Eu queria muito viver num lugar desses!

--Vamos brincar um pouco, então. - me propôs saltando de onde estava - Trouxe a gente aqui pensando exatamente nessa possibilidade. No vestiário tem o collant do seu tamanho, tomei a liberdade de comprar um pensando que isso iria acontecer. - ele ficou vermelho exatamente como a calça que usava, acabei deixando escapar algumas risadas - Achei que seria uma boa ideia, assim você não sujaria ou estragaria suas roupas.

--Você é um fofo corado, sabia? - me aproximei lentamente e, assim que estava colado ao seu corpo, depositei um beijo em sua bochecha - Vou me trocar então. Não vale espiar, viu sr. Odinson? - saí dando risada e morrendo de vergonha ao mesmo tempo, não sabia de onde aquilo tinha saído, mas gostei de ter falado.

Fui ao vestiário me trocar, parte de mim torcia para que Thor entrasse por aquela porta enquanto eu me despia, mas eu também me encontrava temeroso que ele fizesse isso e me rejeitasse devido à minha aparência e minhas marcas. Acabou que o loiro se mostrou o homem educado que é, não veio ao meu encontro, ficou me esperando sentado em uma pilha de colchonetes. Chamei a atenção do maior com um pigarrear, ele se virou rapidamente e pude vê-lo novamente corar.

--Vam-mos co-começar por onde? - não consegui conter um pequeno riso ao perceber que ele estava gaguejando.

--Você é o professor, lindo. - lancei-lhe um olhar inocente, enquanto mordia meu lábio inferior - Vai ter que me ensinar a fazer tudo. Então é você quem manda, Thor.

--E-e-eu? - me aproximei do maior a passos felinos, a roupa que eu usava marcava minhas curvas, acentuando meu rebolado.

--Você, Thor. - sentei em seu colo, de frente pra ele, senti que ele já estava com o pau duro, não contive o sorriso ladino que se apossou do meu rosto ao sentir o grande volume que estava abaixo de mim - A gente não ia brincar um pouco? 

Fui calada pelos seus lábios afoitos em um beijo quente, cheio de tesão, suas mãos fortes foram para minha bunda, apertando a carne da região de maneira afoita, imprimindo suas digitais ali. Sua língua me invadiu, quente, saborosa, urgente, uma batalha se iniciou dentro da minha boca, enquanto eu rebolava em seu colo sentindo sua ereção se esfregando na minha, seus gemidos guturais e roucos eram altos e suprimiam os meus arfares de prazer em relação à toda aquela urgência de toques que vivenciávamos naquele momento.
 
Depois de muito rebolar e muita insistência, consegui derrubar aquele homem sobre a pilha de colchonetes, eu estava por cima de Thor, podia sentir seu pau duro por baixo de mim enquanto eu rebolava lascivamente, plantávamos vários beijos um no outro, pelo pescoço, clavícula e ombro. Alguns tapas foram dados em minhas nádegas, me levando à loucura quando o loiro fazia isso, eram os únicos momentos em que seus dedos largavam a minha carne. Tento tirar sua camiseta algumas vezes mas ele me impede de fazer isso a cada tentativa.

--Loki, assim não... - soltou um rosnado alto por entre os dentes - Aqui não, meu Pequeno.

--Me deixa te ajudar com isso, deixa? - em um movimento rápido, enfiei minha mão por dentro de sua calça e agarrei seu membro, iniciando uma lenta masturbação.

--Loki... - gemeu arrastado o meu nome assim que comecei a aumentar o ritmo da punheta - Mais... mais rápido... Loki...

Me puxou para um beijo necessitado enquanto eu continuava a masturbá-lo, sem que eu percebesse, uma de suas mãos se posicionou entre minhas nádegas, apertando forte, seu dedo do meio estava posicionado bem na minha entrada e roçava o local, me provocando alguns choques de prazer. Ficamos nos tocando e gemendo abafados pelo toque de nossos lábios, o maior começou a ter alguns espasmos que reverberavam por todo seu corpo. Em um gemido rouco e grave ele se desfez em minha mão, pude sentir vários jatos quentes do seu gozo espesso contra a minha pele, sua face trazia a plenitude de quem regozijava em puro prazer.

Me deitei ao seu lado com minha cabeça sobre seu peitoral, sem saber muito bem o que fazia com minha mão, deixei ela no lugar em que estava, dentro da cueca do mais velho, ficamos em silêncio por um tempo ali, ele me fazia um cafuné gostoso com uma das mãos e a outra deixou por cima do rosto. Eu poderia dormir ali, no sobe e desse do seu respirar, mas o maior tinha outros planos.

--Loki? Vamos comer? - o ronco do seu estômago preencheu o ambiente denunciando que ele estava com fome, foi inevitável rir do loiro.

--Ficou com fome? - Thor soltou sua risada trovejante ao assentir - Vou no vestiário lavar minhas mãos.

Trocamos mais alguns beijos e alguns carinhos antes de levantar, fui ao banheiro me limpar para que pudéssemos sair comer, coloco minha blusa por cima do collant e visto a jaqueta, dou uma pequena arrumada nos meus cabelos em um coque frouxo e volto para encontrar o loiro.

--Já podemos ir... - minha voz foi morrendo lentamente enquanto eu via o que o sueco havia preparado.

O picadeiro inteiro estava com a iluminação baixa, apenas alguns spots estavam acesos e davam um colorido mágico ao local, algumas velas estavam acesas em volta de uma pequena mesa redonda de ferro, ela era branca e toda trabalhada em vários detalhes florais nos pés. Sobre a mesma havia uma grande barca repleta de sushis e sashimis e uma garrafa de vinho de pêssegos.

Thor surgiu com outra roupa, agora estava vestido com um collant igual ao que eu usava, mas por cima usava um shorts, provavelmente na intenção de esconder que a roupa marcava indiscretamente seu grande membro. O maior pegou em minha mão e nos levou até a mesa em silêncio, nos sentamos e ele me serviu da bebida.

--À noite de hoje! - ergueu sua taça propondo um brinde - Que ela seja apenas a primeira de muitas!

--À noite de hoje! - brindei com ele e pude sentir que estava ficando ruborizada com aquilo.

Aquela bebida era uma iguaria sem igual, o loiro acabou por me revelar que é muito comum em alguns lugares do mundo e que conheceu com um casal de argentinos que também faziam parte do Cirque du Soliel. Ficamos conversando mais sobre o mundo circense em que Thor viveu durante alguns anos, me contou que o elenco mudava muito dependendo da peça, o que fez com que ele aprendesse a falar seis idiomas além do inglês e da sua língua natal. Me contou ainda que no meio de uma apresentação lesionou o joelho e teve de ser afastado, mas que hoje, aos 43 anos, se sente muito realizado na carreira acadêmica e acredita que foi a melhor coisa que lhe aconteceu.

Conversamos sobre os mais variados assuntos, música, cinema, literatura e até política foram algumas das pautas das noites, muita risada ecoando pelo ambiente. Eu não estava acompanhada de um garoto como em outras ocasiões, ali na minha frente tinha um homem, Thor trazia toda a experiência e segurança de uma pessoa da sua idade, era honesto e sincero a cada gesto e olhar, suas palavras carregam maturidade assim como sua tez. Thor traz consigo toda uma nova experiência e uma imensidão de possibilidades.

--Eu quero pular na cama elástica um pouco! - eu já havia parado de comer fazia um bom tempo, mas o loiro continuava engolindo vorazmente os pedaços de peixe cru que haviam por ali - Vamo comigo, Thor!

--Você vai querer pular depois de comer isso tudo de sushi? - me encarou enquanto colocava mais dois sashimis na boca e mastigava.

--Meu Deus! Você não comeu o dia inteiro? - comecei a rir e fui sentar em seu colo, o outro me recebeu em um abraço.

--Desculpa. - percebi que deixei ele sem graça, então comi um sushi como se quisesse melhorar a situação - Eu sempre como bastante, gasto muita caloria durante o dia todo, segundo minha mãe é "um boi por refeição".

Demos risada da imitação que ele fez da mãe, acabei ficando mais um tempo em seu colo enquanto ele comia mais algumas das peças que restavam ali na barca oriental. Quando o loiro finalmente se mostrou saciado, nos levantamos e fomos até a enorme cama elástica que havia no local, Thor me ajudou a subir e depois se lançou para cima, ficando deitado resmungando que se fizesse qualquer coisa agora passaria mal. Dou alguns pulos, mas ver aquele homem esculpido deitado me observando enquanto eu saltava de maneira desengonçada, foi irresistível, acabei por me jogar em cima dele.

--Você tava todo bonito aí deitado que não aguentei e vim deitar com você. - o maior ria enquanto a gente se ajeitava comigo deitado em seu peitoral.

--Avisa da próxima vez que vai cair em cima de mim, Pequeno. - beijou o topo da minha cabeça - É uma delícia ficar assim com você, mas vamos com calma da próxima vez.

--Da próxima vez eu venho manhoso do jeito que você gosta, pode deixar. - subi uma perna dobrada por cima do seu corpo, encostando-a em seu pau que já dava alguns sinais de vida - Tô achando que você gosta de qualquer jeito na verdade.

--Você tá provocando, Loki, quer que eu faça o que? - o maior ficou em silêncio por alguns segundos como se tivesse pensando em alguma coisa - Isso?

Em um movimento rápido, girou seu corpo e se colocou por cima de mim, com sua cintura no meio das minhas pernas, o rosto praticamente colado ao meu. Seu membro completamente duro já se roçava ao meu e à minha entrada, podia sentir aquele volume pulsar a medida que atritava contra meu corpo. Meu pescoço foi atacado por sua boca de maneira voraz e luxuriosa, com mordidas e chupões, Thor me marcava como sua propriedade ali. Fui levada à loucura em questão de segundos com aquele homem em cima do meu corpo, senti minha coluna arqueando involuntariamente, buscando mais contato com aquele físico musculoso, meus olhos se reviravam por dentro das órbitas enquanto eu gemia coisas humanamente incompreensíveis. Suas enormes mãos marcavam todo o meu corpo, com as minhas, arranhava suas costas e braços, como se eu quisesse demonstrar desesperadamente o quanto eu queria me entregar àquele homem naquele momento.

 
Sua boca toma a minha em uma voracidade cúmplice, as línguas brigam pra ver quem toma o controle do beijo. Nossos corpos se ritmaram como um só, em um esfregar de paus delirante, que tinha o tecido como barreira insuportável e intransponível, sinto que poderia recebê-lo agora dentro de mim e toda vez que o seu membro roça a minha entrada, uma onda elétrica me faz vibrar em pleno prazer. Sinto uma de suas mãos se posicionar em meu períneo e iniciar uma massagem lancinante ali, me entrego arqueada a ele perdendo totalmente a lucidez, gemo alto por seu nome sentindo o prazer me enlouquecendo com os toques de seu corpo sobre o meu. Um repuxar em meu baixo ventre. Meu corpo inteiro cai relaxado por baixo do seu, enquanto gozo, espasmos percorrem meu corpo amolecido, fico de olhos fechados recebendo vários selares seus em meus lábios.

--Eu já te achava lindo, mas agora acabei de achar minha coisa preferida no mundo. - abri meus olhos e me deparei com aquelas grandes orbes azuis escuras, intensas como o oceano, me fitando - Acho que seu rosto, todo lavado em prazer, é minha visão preferida no mundo.

--Seu idiota. - comecei a rir e ele fez o mesmo - Não sei se tá merecendo ver de novo, sabe?

--Não, é? - fiz "nao" com a cabeça, mas tinha em meus lábios um sorriso, que dizia o contrário, este que foi logo arrematado em pequenos beijos, que eram cortados pelas minhas risadas quando o maior me fazia algumas cócegas em forma de punição por ter negado.

Ficamos mais um tempo na cama elástica, deitados hora ou outra nos beijávamos, mas apenas conversamos na maior parte do tempo. O mais velho recebeu uma mensagem no celular que estava na mesinha, ele nem precisou ler o conteúdo, já sabia sobre o que se tratava, havia combinado com um amigo que ainda estava na companhia Cirque du Soliel, que este nos avisasse por uma mensagem o horário que deveríamos sair da arena de treinamento deles. Fomos nos trocar e partimos para a grande caminhonete vermelha antiga que o loiro tinha. Tudo que eu queria era que nossa noite não acabasse, então pedi para que fossemos ao Central Park assim que ele estacionou em frente a grande Torre Stark.

Já era tarde para andar pelo parque e o frio estava intenso, então nos contentamos a sentar em um dos bancos próximos à entrada, que dava de frente ao prédio que minha tia morava. Thor estava com uma jaqueta de moletom vermelha como a calça que usava anteriormente e, no lugar da calça, usava uma bermuda carmim. Me aconcheguei em seu corpo devido ao frio que fazia e ficamos ali conversando.

--Você fica até quando em Nova York? - ainda não havíamos falado sobre eu ter de ir embora daqui, mas ele já sabia que eu não morava com Peter.

--Segunda-feira eu volto pra Auburn. - suspirei sem ter coragem de olhar em seus olhos, pude sentir algumas lágrimas se formando nos meus, se eu olhasse dentro daqueles oceanos, acabaria chorando por pensar que teria que ir embora e ficar longe deles.

--Então amanhã eu venho te buscar às onze pra um brunch! - me apertou no abraço - E de noite a gente vai assistir "O Rei Leão" na Broadway. - tirou dois convites de dentro do moletom e me mostrou.

--Desse jeito eu vou ficar mimado, Thor! - pulei pro seu colo, lhe agarrando em um beijo carregado de ternura.

Fiquei acolhido em seu colo conversando sobre como eram as coisas em Auburn, não tive coragem de contar a ele sobre as drogas, as festas e minha vida sexual na cidade, mas contei que não estava contente com a graduação que fazia e que isso me deixava bastante chateado com muitas coisas. Mas que agora eu achava que conseguiria me formar ainda nesse semestre, se eu me esforçasse um pouco e reorganizasse minha grade de aulas tudo daria certo. O loiro me aconselhou que eu deveria seguir o desejo do meu coração, que se era aquilo que meu coração desejava eu tinha que seguir e me formar em química, mas se não fosse esse o caminho, mesmo que eu tentasse, talvez não fosse dar certo, então me pediu para que eu fizesse apenas o que eu realmente amasse, independentemente de tudo e de todos, e me prometeu que estaria do meu lado qualquer que fosse a minha escolha.

--Sr. Stark? - Happy, o segurança pessoal dos meus pais, apareceu por entre as árvores interrompendo nossa conversa - Seus pais mandaram você entrar, sr. 

--Palhaçada, viu? - exclamei pro vento enquanto o segurança se mantinha sem graça à nossa frente - Diga aos dois que vou entrar em breve, Happy. Obrigado. - o segurança se retirou nos deixando sozinhos novamente.

--É melhor a gente ir, Pequeno. - Thor falou em meio a selares que imprimia em meu pescoço.

--Só ma-mais um pouquinho. - deixei uns suspiros de prazer escaparem em reação aos seus beijos, que foram subindo do pescoço para a orelha, depois maxilar para terminar por arrematar meus lábios, o toque que começou macio, se tornou intenso e necessitado, sua língua adentrou minha boca, trazendo com sigo seu calor, sabor e falta de pudor, suas grandes mãos já estavam em minhas cintura e coxa, me marcando seu mais uma vez.

--Vamos, amanhã a gente aproveita mais, eu prometo. - ficamos com as testas coladas assim que o beijo se findou, escutei suas palavras de olhos fechados e relutei em me mover.

O maior se levantou comigo em seu colo, não me importei com isso, pois pude me aninhar ao seu peito mais uma vez naquela noite, Thor achou graça em me ver confortável em seu colo, isso só me fez encaixar o rosto em seu pescoço, me aturdindo com o respirar de seu perfume. Voltei a me colocar em pé antes de chegarmos em frente ao grande arranha céu da minha família, andamos lado à lado com alguns dedos enlaçados até a frente do prédio, mas acabamos por encontrar Tony e Steve parados na entrada social, ambos com os braços cruzados e uma carranca em desaprovação ao que viam.

--É melhor eu ir falar com eles? - o maior cochichou em meu ouvido para ter certeza que os outros dois não escutariam nada.

--Eu não sei. - acabei rindo de nervoso com aquela situação - Você é o mais velho, você quem decide.

Me abracei ao braço do mais velho devido ao frio e recebi um sorriso dele, então percebo que o loiro havia tomado a decisão de ir falar com meus pais, caminhamos juntos comigo enroscado aos seus músculos. Chegamos em frente aos dois, pude ver que havia muita surpresa no olhar de ambos ao nos ver juntos e ali para conversar com eles.

--Boa noite, srs. Stark. - Thor lançou-lhes seu enorme sorriso perfeito - Meu nome é Thor Odinson, me perdoem por trazer o filho de vocês a essa hora da noite pra casa, ficamos no picadeiro do Cirque du Soliel e acabamos perdendo a hora na cama elástica. - assim que ele falou da cama elástica, senti que eu poderia morrer naquele instante de tanta vergonha que estava passando.

--No Cirque du Soliel? - os olhos azulados de Steve brilharam ao saber que estive no picadeiro do circo itinerante.

--Eu fazia parte do elenco, mas acabei me lesionando e tive que sair. - o loiro que estava ao meu lado passou a mão por cima do joelho de maneira teatral - Agora eu dou aula de Artes do Corpo na NYU.

--Professor universitário? - agora foi Tony quem questionou.

--Sim, senhor. - assentiu - Sou formado em Engenharia Elétrica pela Universidade de Estocolmo, na Suécia, mas depois eu fiz Artes Cênicas na NYU e acabei fazendo minhas pós graduações pela liga IVY. Acho que o melhor currículo de artes está aqui em Nova York, independentemente da universidade.

--Que incrível... - deixei escapar por meio de um sussurro, mas fui ouvido pelo loiro de cabelos longos.

--Tenho certeza que você vai fazer muito mais que isso, Pequeno. - me deu um beijo no topo da minha cabeça e voltou a falar com meus pais - Estou sabendo que Loki vai embora na segunda-feira e, como eu trabalho às segundas, gostaria de passar o dia com ele amanhã, iríamos a um brunch, depois a um passeio pela cidade e, pra finalizar, uma peça na Broadway.

--Se estiver faltando um fio de cabelo da cabeça do meu filho, você é um homem morto, Sr. Odinson. - Steve estava sério e tinha o maxilar tensionado - Quero vocês dois em casa antes da meia noite. Agora dê tchau para o rapaz e vamos subir, Loki.

Steve puxou Tony para dentro do prédio me deixando a sós com Thor, pulei nos braços musculosos do meu loiro e enlacei minhas pernas em sua cintura, rindo euforicamente pelo que havia acabado de acontecer. Fui acolhida em seu abraço, sendo arrematada em uma sequência de selares. Com os lábios encostados nos despedimos e fizemos alguns planos para a tarde de amanhã. Desci de seu colo antes que alguém voltasse devido a demora, mas não me afastei sem antes de lhe roubar um beijo mais demorado e mais profundo, com o toque de nossas línguas, que se acariciavam apaixonadas pelos sabores que compartilhavam. Nos separamos daquele ósculo, ficando atrelados a um abraço por breves segundos, me sentia aquecer por dentro.

Acabei entrando no prédio sob a luz de seu olhar, encontrei meus pais parados no saguão me esperando, decidi não falar nada, preferi manter apenas Thor em meus lábios no momento, mais nada. Subimos pelo elevador privativo em silêncio e assim que chegamos em casa apenas fui ao meu quarto, queria dormir o mais cedo possível, para que o amanhã chegasse e eu pudesse estar novamente ao lado do meu loiro.


Notas Finais


+18 ..............................................................................................................................................................................+18
NESSE CAPÍTULO NÓS TRATAMOS DE RELACIONAMENTOS ABUSIVOS E SEXUALIDADE.
SE VOCÊ SE SENTE INCOMODADO DE ALGUMA FORMA COM QUALQUER UM DESSES TEMAS, RECOMENDO A BUSCA DE AJUDA, COM FAMÍLIA, AMIGOS OU COM UM PROFISSIONAL ADEQUADO.
+18 ...............................................................................................................................................................................+18

Eu amo esse pedido de casamento e amo esse encontro do jeitinho que aconteceram.

Espero que vocês gostem.

Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...