1. Spirit Fanfics >
  2. Hidden - Inalcançável( Mabe History) >
  3. CAPÍTULO 8 - FADED

História Hidden - Inalcançável( Mabe History) - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


O inesperado acontece
Boa leitura!
☇☇☇

Capítulo 12 - CAPÍTULO 8 - FADED


Fanfic / Fanfiction Hidden - Inalcançável( Mabe History) - Capítulo 12 - CAPÍTULO 8 - FADED

Seus pensamentos rodaram até baterem em Phoebe e Max, assim de repente.

- Aqui o suco.

Capitão Man avisa, lhe entregando o copo com o suco do que parecia laranja. Electress bebe um pouco.

- Obrigada.

- De nada.

Capitão Man responde, com um sorriso.

- Onde está a menina?

Ela pergunta, varrendo o local.

- Lá dentro com o Kid. KID!

Chama Capitão Man.

- OI!!

Grita, o que parece ser Kid Danger de dentro de uma engrenagem para os quartos.

- TRÁS A LORENNA!

- ESTOU INDO!

Responde Kid Danger, Barb sorri para a relação deles, parecia coisa de irmão. Enquanto, ela observava a Caverna Man. Kid Danger trazia a menina. Lorenna no colo dele.

Lorenna era muito pequena para ter a noção de que estava sendo levada a mais uma reviravolta em seus poucos 1 ano e 5 meses de vida.

- Aqui...

Disse Henry, próxima a eles. Bárbara olha para eles.

- Olá, Kid!

- Olá, Electress!

Henry fala.

Bárbara então olha para a menina, se aproxima sentindo uma aceleração bruta em seu coração. Ela desliza uma mão nos cabelos castanhos lisos com pontas onduladas da garotinha.

- Olá, Lorenna?

Lorenna levanta a cabeça e vira o corpo para olhar quem lhe tocava. Bárbara sorria, em sua frente estava uma garotinha com seus 3 anos de idade, branquinha, os lábios da menina eram rosados, seus cabelos em tons de castanho quase alcançavam sua cintura, os olhos azuis feito um céu com cílios compridos.

Max...

Pensou Bárbara imediatamente, um frio se alastrando por seu corpo. A menina ficou se encarando, piscou batendo levemente seus cílios compridos até que um pequeno sorriso surgiu no canto dos lábios finos e cor de cereja dela e um par de covinhas surgir no rostinho de traços únicos. Um eletrochoque surgiu no peito de Bárbara, causado pelo espanto por seus olhos apenas admirarem os traços únicos da menininha.

Então, uma possibilidade passou por sua cabeça. Enquanto ela sentiu o copo de suco deslizar de sua mão e desabar no chão, rachando em estilhaços de vidro e suco por todo o espaço em seus pés.

Rapidamente, Kid Danger se afastou para que os cacos não machucassem a menina.

- Bárbara, está tudo bem?

Pergunta Capitão Man. Bárbara move a cabeça para os lados, tentando desviar a rota dos pensamentos.

- Oh, quebrou! Me perdoe, Capitão Man...

Disse ela, se abaixando e tentando arrumar o estrago.

- Não, está tudo bem.

Capitão Man fala, se afastando e voltando com uma vassoura e um pano. A mulher, acaba voltando a olhar para a criança, que agora, olhava um tanto assustada olhando para o chão repleto de vidro.

Bárbara tentou achar uma saída para o que sua visão encontrou no rosto da menina. Não pode ser! Pensa ela. Lorenna a encara, sente seu nervosismo e abaixa os olhos para o chão. Você saberá o que fazer quando estiver com o Capitão Man e a criança... Ela pode ouvir a voz de Kickbutt falando para ela. Não! Não! Não! Será?!

- Capitão Man, você sabe quem era a mãe adotiva da menina?

Pergunta Bárbara.

- Sei - Capitão Man diz, terminando de limpar o chão.- Luiza e Edgard McClyde.

Agora, Bárbara estava ficando louca. Foi como se os gêmeos a tivessem congelado como uma estátua. Meu Deus! Não pode ser...

Sua alma parecia um monstro dentro dela, enquanto tentava manter a calma. Eles garantiram que ela estaria segura e bem, garantiram que isso jamais iria acontecer!

- O que aconteceu com eles há 1 ano?

- Morreram. Há 1 ano.

- Morreram de que?!

- Desatre de carro em Portland. A Lorenna ficou na responsabilidade de Samara McClyde, que também morreu há 1 mês. Não sabemos com quem ela ficou depois disso. Mas quem quer que seja, não cuidou bem dela, pelo contrário. Lorenna tem muitas marcas de violência doméstica no corpo. Hematomas e machucados. E além disso, ela não fala uma palavra. Pensamos que ela podia ser muda, porém o médico que a levamos, confirmou que ela é completamente normal e que isso é totalmente psicológico. O trauma foi muito grande.

Bárbara estava totalmente chocada, surpresa, confusa, incrédula, não era só um sentimento, eram um e mais sete. Passou as mãos nos cabelos e olhou novamente para a criança. Era ela, agora não havia mais dúvidas. Era Sophia, que havia voltado. À semelhança entre Lorenna e o filho fazia todo sentido do mundo.

Faíscas começaram a sair de suas mãos, enquanto ela tentava controlar os poderes.

- Barb, está tudo bem?

Ray pergunta.

- Sim...está.

Ela responde abrindo e fechando as mãos. Buscando controle. A vida estava sendo sarcástica com os Thunderman, pronto, agora tudo vai por água abaixo.

Olhando para a criança, o desespero vindo na garganta. Bárbara disse:

- Ray, onde fica o banheiro?

- Ali, primeira porta do lado esquerdo.

Ray fala. Bárbara vai caminhando na direção mostrada por ele, mais uma vez ela olha em direção a Lorenna. Que está brincando com a pulseira de Kid Danger, há uma tiara com um laço florido nos cabelos castanhos dela assim como o vestido que ela usava.

Enquanto caminhava para o banheiro, Electress estava desesperada. O medo dentro dela, o medo que ela jamais pensou sentir antes. E agora? O que fazer?!

Ela entrou bo banheiro e trancou a porta, Pegando seu celular, ela buscou o número de Hank. Já chorando copiosamente.

- Alô?

Barb o ouviu dizer.

- Hank! O pior aconteceu! Aconteceu o que mais temiamos!

Bárbara falou, chorando.

- O QUE?! - Perguntou Hank.- O que houve, Barb?!Aconteceu algo com Max e Phoebe?! Se acalme, vamos resolver isso...

- É pior que isso, Hank! Muito pior!

- Eles descobriram?! Descobriram algo?!

- Não, mais é algo que vai fazer isso acontecer em breve!

- E o que houve para você achar que o passado voltou para nos atormentar? Fale!

- Hank, definivamente o passado voltou para nos atormentar. Ele voltou para dizimar nossa família!

- E o que foi, Bárbara?!

- Hank, Você lembra dos McClyde? O casal que aceitou ficar com a Sophia?

- Claro que sim! Como esquecer?

- Eles morreram há um ano. A Sophia , ficou na responsabilidade da irmã da Luiza, que também morreu há 1 mês. A menina está sozinha, Hank. Está sem ninguém...- Chorou Bárbara, sentando-se na tampa do vaso.- O que vai acontecer agora? O que vai?!!

No mesmo momento, do outro lado da linha. Hank abandonava seu hambúrguer. Era a primeira vez que ficaria com fome. Mas uma alegria estranha surgia em sua expressão.

- A menina está em algum lugar do país...

- Ela não está em algum do país, Hank.

- E está aonde?

- Com o Capitão Man. Há apenas metros de mim. Eu não sei o que fazer, Hank estou desesperada!

Falou ela, contradizendo Presidente Kickbutt que lhe dissera que ela saberia para onde levar a garota quando a encontrasse.

- O Capitão Man sabe que houve?

- Não. Não sabe, Hank.

- Olha, Barb, se acalma. Respira fundo...- Bárbara o fez, muitas vezes.- Está me ouvindo?

- Sim.

Respondeu Barb, com mais clareza.

- Você vai trazer a menina para cá.

- O QUE?!

Grita Bárbara.

- É isso mesmo. Vamos resolver isso antes das crianças voltarem, okay. Aposto que tem muita gente em busca de uma criança de 2 anos para criar. Mas antes, Eu necessito ver a menina.

- Por que você quer isso?!

Bárbara pede, achando muita irônia da parte do marido.

- Eu preciso vê-la. Tenho que saber com quem ela se parece...

- Hank, Nossos filhos não podem saber da existência dessa menina, Nunca!! Principalmente a Phoebe e o Max!

- Eles não vão saber...não vão. Até 5 dias a gente consegue enviar ela para outro lugar...enquanto Billy, Nora e Chloe podemos dizer que Sophia é nossa parente cujo os pais morreram, mas que está apenas de passagem. Eles vão acreditar.

Ela respira fundo.

- Tem certeza?

- Tenho, Barb. Trás a menina. Quero muito ver ela, e compara-la. Ela parece com quem? Parece com alguém de nós?

- Um pouco.

Bárbara diz, deslizando a uma mão pelo cabelo. Não querendo dizer o quanto a garotinha era parecida com o Max.

- Okay, vou mandar a Thunder Van. Ela chega aí em 10 minutos.

- Hank, e...

- Mas nada! Barb, Trás a Sophia! Estou louco para colocar os olhos nela...

Disse Hank, não evitando conter a animação. Desligando o telefone, Bárbara chorou por mais alguns minutos. O que irá acontecer agora? Pensava ela. Meus filhos vão me odiar se souberem do que houve, Pior! Eles acharam que estou louca porque não lembram de nada...

Bárbara retornou, ela caminhava. Mas era como se as pernas não fossem dela. Ao contrário de antes, ao voltar para a sala de controle Man, e colocar os olhos na garotinha. Que lhe olhou tenra, ingenuamente. Ela sabia o que fazer, como Presidente Kickbutt dissera. Ela saberia o que fazer com a criança.

Claro que saberia. Agora, Lorenna Sophia iria com ela. Não havia nenhum escape, iria ser assim.

- Capitão Man - Chama Bárbara.- Creio que a Presidente Kickbutt disse que eu saberia o que fazer.

- Sim, ela disse.

- Pois é. Eu conheço os familiares da menina, e só confirmei isso quando a vi. Não sei se percebeu o meu choque...

- Claro que percebi. Você derrubou meu último copo de cristal no chão.

Capitão Man fala, a deixando um pouco sem graça.

- Então, Eu vou levar a So-Lorenna...

- Vai levar a Lorenna?!

Pede Capitão Man.

- Sim, Eu vou. Meu automóvel já deve está chegando. Então, Quero saber se deixaram algo com ela?

Capitão Man a encarava, um tanto aflito e nervoso. Ele olhou em direção a Henry, onde Lorenna estava e a viu desce e do colo dele e correr de seu modo atrapalhado em direção à ele.

Lorenna parece assustada, isso deve-se ao fato dela ter ouvido que aquela mulher desconhecida iria a levar. Ray a pega no colo, ela olha para a mulher, mas depois esconde seu rostinho no vão do pescoço de Ray. Ray afaga as costas dela. Um modo de passar conforto.

- Eles deixaram algo com ela?!

Bárbara pergunta, pela décima vez. Ray parece um tanto entristecido com a notícia. Ao contrário de Bárbara, que ainda estava em choque.

- Capitão?!

- Eles deixaram uma mochila com roupas e pertences dela...

Kid Danger informa.

- Preciso levar...

- Kid, vai buscar...

Pede Ray, sem reação. Apenas abraçando a criança. Obviamente, tinha se apegado muito a menina. Ele se culpava por isso, devia saber que não iria demorar a alguém levar ela embora.

- Bárbara, para onde vai levar ela?

- Para a casa dos familiares.

- Da onde você conhece a Lorenna?

- Sophia...

- Lorenna...

- Sim, Eu a conheço. Os pais dela, eram muito jovens. Ainda são. E viveram um amor contraditório. Então, decidiram que não conseguiria criar a menina e a entregaram para a Luiza.

- Você conhece os pais?

Bárbara umedece os lábios, paira longe.

- Sim...eu os conheço. Sou muito próxima a eles...

- Vai levar a menina para eles?

- Sim...vou levar. - Ela fala, com pouca confiança em seu timbre de voz. O celular de Bárbara começa a vibrar.- A Thunder Van chegou.

Kid se aproxima deles com a mochila da menina.

Lorenna se encolhe no colo de Ray, quando Electress tenta pega-la no colo.

- Vamos, Lorenna.

Ray senta com Lorenna.

- Lo...lo...olha para mim, olha para o Ray. Por favor...- Pede Ray, A menina já chorava tentando esconder o rosto.- Lorenna...olha, Lo...você vai com ela...

Os olhos da pequena menina, enchendo de lágrimas. Os lábios pendendo em um beicinho. Ela maneia a cabeça em negação para os lados e chora. Seu olhar já dizia tudo, atingindo Ray com força. Ela não queria ir, queria ficar com Ray e Kid, na Caverna Man. Comendo pizza e lasanha todos os dias e brincando com Charlotte e Jasper.

- Presta atenção, Anjinho. Ela vai te levar para seus familiares. Em Hiddenville...vai legal, aposto que você quer conhecer seus pais e avós...

Lorenna nega, enquanto soluça e chora. Kid Danger também chorava, assim como Schwoz. Enquanto Bárbara estava completamente apavorada em somente pensar na possibilidade de ficar com a menina, ela percebia o quanto Capitão Man e sua equipe estavam tristes e chorando ao saber que não iriam mais cuidar daquele anjinho.

- Tenho certeza que seus pais vão querer te amar muito, depois que colocarem os olhos em você. Eles vão. E nunca mais vão querer te deixar...e eu sei que vão sarar todos os dódóis de seu corpo e coração, Com o amor deles...

Dizendo isso, Ray levantou. Enxugando as lágrimas.

Eles subiram para a loja, e saíram. A Thunder Van, agora, na cor azul marinho, como o uniforme deles, estava parada. Kid Danger deu um forte abraço em Lorenna, deixando lágrimas escaparem.

- Vai com Deus!

Disse Henry, Lorenna ainda negava. Mas parou ao ser colocada na van, em uma cadeirinha vermelha e azul. Ray a arrumou, lhe deu um beijo de despedida e só então fechou a van.

Eles se despediram de Electress.

- Ela estará segura mesmo, Bárbara?

Perguntou Ray. Electress fez que sim. Podia ter errado no passado, mas nunca teria coragem para maltratar uma criança. Ainda mais aquela criança. Que não pediu para vir ao mundo, nem teve culpa de seus pais errarem.

- Claro que estará.

- Eles vão querer ficar com ela?

Pergunta Ray.

- Talvez.

- E se não quiserem?

- Iremos dar um jeito.

- Okay...- Ray fala, Electress vira. Porém ele a segura.- Liga para mim, se algo der errado. Eu adoraria ficar a Lorenna...

Diz ele. Barb sorri.

- É bom saber disso.

Ela fala, então dar a volta na van e entra.

Lorenna observava o lado de fora, séria, quase chorando. Enquanto acenava para Ray e Henry.

Aquela cena, fez Barb ligar a van e segui viagem. Sem ao menos voltar a olhar para trás.

Ray e Henry choravam e entraram com um sentimento muito ruim no coração. A despedida foi terrível, era sempre assim. Lorenna não era deles, nunca foi.

E eles lamentavam muito, mas era dessa forma.

▪▪▪

Na Thunder Van, A menina chorava muito baixinho, olhando para o através da janela e para a mulher desconhecida que a levava. Barb chegou a olhar para trás e observar a expressão aflita da criança, o rostinho avermelhado, lágrimas fluindo sem medidas sobre a feição infantil que tanto lembrava Max.

Aquela cena lhe fez lembrar de outras cenas, momentos muito ruins que tanto lhe traziam infelicidade durantes tanto tempo. Principalmente, porque Lorenna era idêntica a Max. De primeira ela procurou por traços da mãe, claro que existiam, mas não como puxara tantos traços de Max e os olhos azuis de Hank.

Aquilo fez Bárbara chorar, enquanto dirigia. Ela olhou para trás e viu o tamanho da infelicidade de Sophia, em estar indo para um futuro desconhecido. Porque nem mesmo Bárbara sabia o que fazer com ela.

- Meu Deus! O que vamos fazer com essa menina? Não podemos ficar com ela. É errado...

Disse Bárbara, Lorenna não entendeu nada, era pequena demais e só chorava ainda mais.

Ao ouvir o choro se intensificar, Bárbara voltou a olhar para Lorenna. E ela lhe encarou, fixamente. Os olhos tão azuis perdidos, pareciam implorar por piedade.

Isso fez com que lembranças indesejadas retornassem para assombrar Barb.


ACASO (S.m)

É o que faz a gente se encontrar. É quando ocorre o inesperado. É a vida tentando fazer surpresa. Presente fora de época. É quando encontro sem querer alguém que faz muita falta. É o sorriso mais gostoso. Melhor amigo do destino. Melhor maneira de se apaixonar.

Acaso não, destino.


Notas Finais


;)Comentem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...