História Hide and Seek - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias South Park
Personagens Craig Tucker, Kenny McCormick, Tweek Tweak
Tags Craig, Creek, South Park, Tweek, Yaoi
Visualizações 144
Palavras 2.799
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, primeiro desculpem a demora. Eu não costumo a enrolar para escrever, mas semana passada foi meu aniversário e eu planejei uma festa fora da cidade, o que foi muuuuuuuito estressante. Segundo, pela minha ansiedade e estresse, acho que o capítulo não saiu exatamente como eu queria. Mas espero que vocês gostem dele, porque apesar de tudo, eu tentei colocar o máximo de mim aqui!!

Ahhh e queria agradecer a minha beta, pois quebramos a cabeça para deixar o texto legível (eu mudei MUITA coisa depois da correção, mas tudo bem XD) e é isso!

Boa leituraaaa <3

Capítulo 2 - Reencontro


Um leve aroma de café perfumava o lugar.

 

A coffeehouse Tweek Bros provavelmente não estava nos seus melhores dias. O estabelecimento - pouco movimentado - se encontrava quieto com exceção de um televisor ligado em um canal qualquer de noticiário. As pessoas presentes sequer conversavam; na maior parte do tempo ficavam entretidas nos próprios smartphones e por vezes trocavam alguns olhares vazios.

 

Craig adentrou a cafeteria e a primeira coisa que fez foi procurar uma mesa mais isolada para se sentar. Após encontrá-la, ele direcionou-se até ela e ocupou uma das cadeiras, indicando um segundo lugar vazio para que seu amigo pudesse acompanhá-lo.

Kenny McCormick, cujo qual se encontrava fronte ao balcão de doces - provavelmente passando vontade de tão apetitosos que pareciam - sinalizou que já estava indo, demorando pouco menos de um minuto para que pudesse chegar e se ajeitar na cadeira sugerida.

 

Craig, como o de costume, manteve-se em silêncio, enquanto Kenny o contemplava inconvenientemente numa espécie de avaliação crítica.

 

- Você mudou muito. Estou impressionado comigo mesmo por reconhecê-lo. - O loiro começou.

 

- Você também mudou bastante. Ao menos não parece ser tão cuzão como antes.

 

- Uau! Craig, eu também senti sua falta! - Kenny retrucou com uma ironia sincera. A verdade era que, mesmo passado nove anos, a personalidade fria de Craig não o abatia.

 

- Então, você vai me contar quem eram seus “amigos”? - Craig, que não deu abertura para jogar papo fora, perguntou sem mais delongas.

 

- Bom, digamos que “amigos” não é bem a palavra certa. - O loiro corrigiu a ironia do amigo, percebendo, através do mau humor de Craig, que fora uma péssima ideia. - Enfim, eles eram cobradores. Eu tô devendo uma grana pra uma pessoa e ela está impaciente. Nada demais.

 

- Eles iam te bater com um cano de metal.

 

- Eles não iam me bater com aquilo, óbvio. - Kenny respondeu de prontidão, rindo da imaginação do outro. - Ele só queriam me assustar. De forma alguma iriam me machucar. São cobradores, não assassinos.

 

- Não foi o que pareceu.

 

Por mais que não gostasse de admitir, o moreno estava preocupado com Kenny. E ainda que parecesse estranho, encontrá-lo naquela infeliz circunstância também lhe trazia um sentimento de culpa.

 

- Muitas coisas não parecem ser o que realmente são. Agora deixa essa paranoia de lado e me conta o que fez de bom durante esses… - Kenny precisou contar mentalmente, e nos dedos de suas mãos, quanto tempo Craig esteve ausente. - … Nove anos!

 

- Kenny, estou falando sério sobre os agressores.

 

McCormick revirou os olhos deixando explícito que começava a ficar farto.

 

- Eu também. E se tocar nesse assunto de novo, juro que te calo de um jeito nada convencional.

 

- Então me explique direito. - Craig estava disposto a insistir.

 

- Não tem mais o que explicar. Eu já falei tudo.

 

- Então pra quem você tá devendo?

 

- Craig… - Kenny murmurou irritadiço.

 

- Me responde que eu não te perturbo.

 

- Craig, não subestime minhas palavras…

 

- Porque você está na defensiv...

 

Kenny, já bastante impaciente, levantou-se da cadeira e inclinou o corpo sobre a mesa diminuindo drasticamente o espaço que tinha entre ele e Craig. Seus dedos seguraram firmes a blusa do moreno e o puxaram para mais perto, aproximando indiscretamente seus lábios dos dele conforme sentia a respiração do outro pesar em surpresa. Com um toque deliberadamente audacioso, Kenny uniu as bocas em um selinho inesperado, deixando-as juntas por alguns segundos até, naturalmente, se afastar.

 

- ... Uau. - Craig murmurou recuperando-se do transe após ser surpreendido.

 

- Da próxima vez eu enfio a língua. - Kenny, o qual se ajeitava na cadeira, sorriu perverso.

 

- Então é este o seu modo não convencional de calar as pessoas? - O moreno perguntou ironicamente à medida que passava o dedão nos próprios lábios. - Interessante.

 

- Gostou? - Os olhos azuis se encheram de malícia.

 

- Talvez. - Craig disse, simplesmente. Por enquanto estava tentando não alimentar as brincadeiras do amigo. - Então... Não é mesmo nada sério?

 

- Pode ficar tranquilo, não é.

 

- Hm... Ok. - Tucker concordou em confiar em Kenny e respeitar seu sigilo, ainda que estivesse com um pé atrás em relação ao cenário. - Bom… Então me fale o que tem feito de bom nesses últimos anos, além de beijar bocas alheias.

 

Craig recostou-se na cadeira e observou o loiro atentamente em um repentino entusiasmo.

 

- Ora, tenho beijado mais bocas ainda! - Kenny riu da colocação do amigo. - Sou à favor da poligamia, e enquanto eu não encontro alguém que pense como eu, o que eu imagino ser IMPOSSÍVEL nesta cidade, fico à mercê desses relacionamentos rasos. E você? Galinhando ou fazendo a linha de santo?

 

Craig pigarreou uma risada.

 

- Saio com garotas frequentemente. Mas imagino que isso não me torne um “galinha”.

 

- Ah sim... E com garotos? - Kenny demonstrou mais interesse nesta segunda pergunta.

 

- Hm… - Houve uma breve hesitação antes do moreno responde-lo. - Saí com alguns durante a faculdade.

 

Seus lábios tremeram à resposta cedida. Apesar de já sair assumidamente com garotos, falar sobre sua sexualidade não lhe era assim tão natural.

 

- E sai com garotos agora? - O sorriso do loiro alargou-se repleto de luxúria.

 

- Eventualmente. - Craig encarou os olhos azuis em sua frente firmemente, aproximando seus dedos da mão do amigo estendida na mesa, até, delicadamente, tocá-la.

 

- Interessante...

 

Diferente do que Tucker pensava, Kenny, ao invés de se encolher tímido diante sua afronta, intensificou o sorriso malicioso e recepcionou o toque do moreno libertinamente, provocando-o com um piscar sensual em um de seus olhos.

 

Para a sorte de Craig, o qual não sabia como corresponder a atitude do loiro, a silhueta de uma pessoa subitamente apresentou-se entre os dois e interrompeu despropositadamente Kenny, manifestando-se com a voz doce e calma:

 

- Boa tarde e desculpe a demora em atendê-los. Chegaram algumas mercadorias e eu.. C-Craig?

 

- Hm? - Craig desviou o olhar para quem o chamava, alterando sua postura inibida para reverenciosa em questão de milésimos de segundos. - Oh, senhor Tweak…

 

Num impulso de seu próprio corpo, o moreno levantou-se e rapidamente estendeu a mão para o outro, cumprimentando-o educadamente à medida que era correspondido cheio de entusiasmo.

 

- Como você cresceu e se tornou um moço bonito! Você está bem?

 

Craig alcançara um metro e noventa ainda quando adolescente, e diante a Richard - e na verdade qualquer outra pessoa que fosse reencontrar na cidade - ele realmente apresentava-se muito mais alto.

 

- Obrigado. Eu estou bem sim, e você? Como anda a vida em South Park?

 

Richard Tweak gesticulou sua cabeça alvejando a cafeteria e disse, um tanto conformado:

 

- Estou ótimo. E como pôde perceber, ainda estou com o bom e velho Tweek Bros. - Um riso resignado escapou-lhe os lábios enquanto ele pegava seu bloco de anotações para registrar o pedido dos meninos. - Bem, hoje o café fica por conta da casa! Me falem o que vocês vão querer por favor.

 

- Que eu me lembro você cozinhava as melhores panquecas suecas de Colorado. - Craig respondeu com alguma simpatia, ajeitando-se novamente em seu assento.

 

- Pode ter certeza que sim! - A atenção de Richard agora voltava-se para Kenny. - E você?

 

- O mesmo que o de Craig.

 

- Anotados! A panqueca deve ficar pronta daqui quinze minutos. Já já eu as trago. - Com o mesmo sorriso afável, Richard caminhou para a cozinha e deixou os dois a sós.

 

- Você tem uma relação legal com o senhor Tweak. - Kenny apontou, mais como uma afirmação do que como uma dúvida. - Eu tinha me esquecido disso.

 

- Ah sim…

 

Para falar a verdade, Craig também se esquecera do tipo de relação que tinha com Richard, relembrando-a apenas quando eles se encontraram ali. Por algum motivo, tanto ele quanto sua cafeteria lhe despertavam sentimentos ruins, e Craig - por mais lógico que fosse ao encarar seu lado emocional - não sabia como lidar com isso.

 

Então ele apenas ignorou a dor e deixou-se sentir esse estranho aperto no peito.

 

---

 

A tarde seguiu calma. Após comerem as panquecas suecas, Craig e Kenny permaneceram no estabelecimento por cerca de uma hora a mais conversando sobre trivialidades do dia a dia - eventualmente acarretando em alguns flertes -, e apenas encerraram o assunto quando o loiro, bastante preocupado, manifestou-se em relação ao horário.

 

- Já são cinco e cinquenta! - Os olhos azuis encaravam o relógio de parede enquanto a voz queixava-se em desânimo. - Eu tenho um compromisso agora de noite.

 

- Não pode adia-lo? - Craig questionou-o tentando parecer indiferente.

 

- Eu queria ficar mais um tempo conversando com você, mas não consigo adiar… Bom, você pode me acompanhar até em casa, o que acha?

 

- Hm… Pode ser. - Não lhe pareceu má ideia. Além do que, ficaria mais tempo com o amigo.

 

- Beleza! Vamos indo então.

 

Kenny foi o primeiro a se levantar, passando rapidamente por Richard - o qual estava atrás do balcão provavelmente resolvendo contas da cafeteria - à medida que acenava em uma breve e impessoal despedida. Craig levantou-se logo em seguida, delongando-se de alguns minutos em uma curta conversa com Tweak antes de deixar o local.

 

Ao pisar na calçada externa do estabelecimento um fio de arrependimento percorreu a mente de Tucker. A temperatura local estava ainda mais gélida do que quando saíra de casa, e se prestasse bem atenção, já era possível ver alguns flocos de neves esvoaçarem pela cidade. Kenny, diferente do moreno, mostrava-se um pouco mais animado em relação ao clima, estendendo os braços para frente enquanto deixava os flocos derreterem em suas mãos.

 

- Faz tempo que não neva em South Park. - Apontou Kenny dando início a caminhada até sua casa.

 

- Quanto tempo? Porque que eu me lembre nevava até no verão.

 

- Algumas semanas, eu acho.

 

- Você não pode estar falando sério. - Estranhou o moreno.

 

- Pois estou! - Kenny afirmou sorrindo.

 

- Hm...

 

Craig andava ao lado do amigo absorto em seus pensamentos. O frio, que até então era detestável, com o tempo passou a lhe soar indiferente, e conforme os passos eram mais rápidos, uma hora ele simplesmente deixou de existir.

 

Os orbes cinzas percorriam a cidade desatentamente. Os rostos que ali passeavam lhe eram desconhecidos e caminhavam por todas as direções, as luzes intensas brilhavam por praticamente todo o território urbano anunciando a época natalina e a neve... "Ah, a neve..." O moreno ergueu o olhar para cima e percebeu os flocos caírem com uma vigorosidade maior, formando, discretamente, uma fina camada branca pelas ruas de South Park. “... A neve é igual a da minha infância.”

 

- É bom estar em “casa”. - A voz grave saiu de seus lábios antes que pudesse detê-la.

 

- É bom ter você em “casa”. - Kenny respondeu em seguida, saindo gradativamente de seus devaneios. - Quando você pretende voltar para Nova Jersey?

 

- Mês que vem.

 

- Ah...

 

Depois de atravessarem o centro comercial, a dupla adentrou uma travessa onde não continha nenhum tipo de loja e, graças a isso, as ruas posteriores exibiram-se praticamente vazias. Craig analisou o lugar familiar e aos poucos o reconheceu em sua memória, lembrando que próximo dali havia um pequeno parquinho com uma área recreativa bem simples onde ele costumava frequentar quando queria ficar sozinho.

E assim como Richard e a cafeteria, o local arruinou sua significante alegria, substituindo-a por aquele estranho sentimento cujo qual não conseguia compreender. “Droga…”

 

- É normal eu me sentir feliz em alguns lugares e péssimo em outros na minha própria cidade natal? - Ele resolveu arriscar uma pergunta.

 

- Eu acho que não… Mas nada é normal em South Park. - Kenny deu de ombros. - Foi por isso que você se mudou há nove anos atrás, certo?

 

- O que…? - Craig entreabriu os lábios para retrucá-lo, entretanto nada lhe veio na mente. - Bom... Acho que sim. 

 

- Então me leve com você agora. - Então o loiro disse subitamente, fazendo com que os orbes cinzas o encarasse confusos.

 

- Como assim?

 

- Me leve com você para Nova Jersey.

 

- Oh, então você quer deixar South Park?

 

- Sim, me leve.

 

Havia uma seriedade na voz de McCormick que fez com que Craig o encarasse; e quando o fez deparou-se com uma expressão sombria e tensa. O moreno demorou alguns segundos perguntando-se se seu amigo realmente falava sério, e no final acabou cedendo ao que pensava que fosse apenas uma brincadeira:

 

- Quando você quer ir?

 

- Hoje, amanhã, essa semana… O mais rápido que conseguirmos.

 

- E sua família?

 

- Eu levaria a Karen. Você poderia levar a Ruby para que elas fazerem companhia uma para a outra. Aí fica tudo certo.

 

- Mas e o resto da sua família?

 

Craig sabia que a família de Kenny não era uma das mais estruturadas financeira e psicologicamente, mas ainda sim ele possuía um pai e uma mãe que - provavelmente - o amavam, e não seria ético deixá-los para trás, ainda que supostamente.

 

- … - Kenny o olhou sóbrio. - Foda-se eles.

 

- Uau, isso foi bem insensível.

 

McCormick repentinamente encerrou seus passos e agilmente dirigiu-se para frente de Craig, impedindo-o de seguir caminho utilizando do próprio corpo como uma barreira. O moreno, sem entender muito a atitude do amigo, o olhou de cima e arqueou uma de suas sobrancelhas.

 

- O que foi?

 

- O que posso fazer para te provar que estou falando sério? - A pergunta de Kenny instigou Craig.

 

- O que você sempre faz para provar pra alguém que está sendo sério?

 

Apesar da proposta surreal de do amigo, Craig entendeu sua sinceridade. Mas o moreno era cético e exageradamente racional; se McCormick queria mesmo sair de South Park teria que fazer mais do que apenas propor coisas loucas e sem sentido a ele.

 

- Não sei… Vamos apenas… Fugir.

 

- Kenny…

 

O loiro vagarosamente se aproximou de Craig e apoiou com delicadeza a testa em seu ombro, puxando-o para mais perto à medida que o envolvia em um abraço quente. "Craig..." Kenny fechou os olhos e permitiu-se ficar ali por algum tempo a mais, levantando seu rosto aos poucos conforme lhe exibia o semblante triste - quase desesperador.

 

- Vamos fugir... 

 

Com um sorriso deprimido, Kenny impulsionou o corpo para cima e timidamente tocou os lábios de Craig com um selinho inseguro, fitando os olhos cinzas ao passo que se deixava mergulhar em sua profundidade. 

 

Craig também o encarava. Sua expressão tão rígida e fria cedia lugar para um semblante um tanto quanto preocupado. Ele tinha certeza de que Kenny não estava bem desde o momento em que o salvou dos agressores

 

- Kenny…Me falo o que aconteceu com você.

 

- Por favor Craig. Vamos fugir

 

- ... 

 

O moreno inclinou seu corpo lentamente sobre o de Kenny e calmamente tocou-lhe os lábios, delongando se alguns segundos para entreabrir sua boca e experimentar o gosto do amigo. O loiro, ainda surpreso, vagarosamente fechou os olhos e deu abertura para que Craig continuasse, correspondendo o beijo com a mesma intensidade em que lhe era cedido.

 

As línguas enroscaram-se com desejo. Craig apertava-o contra seu próprio corpo enquanto suas mãos percorriam com certa voracidade a silhueta dele. Posteriormente seus dedos pousaram na coluna de Kenny e iniciaram uma leve carícia por toda sua extensão, descendo audaciosamente pela região da lombar até alcançar o traseiro, depositando alguns apertões antes de puxá-lo para mais perto e fazer com que ele claramente sentisse o começo de sua ereção.

 

- Meu deus Craig…

 

Kenny - excitado como estava - continuaria o beijo caso não tivesse avistado uma sombra se formar entre a penumbra de algumas árvores próximas a dupla. De sobressalto ele empurrou Craig e apontou na direção onde se formava a imagem da pessoa que os observava, fazendo com que o moreno imediatamente voltasse sua atenção para onde lhe era indicado um tanto quanto enfurecido pela intromissão.

 

- ...

 

Mas, diferente do que pensava, seus lábios não conseguiram proferir uma só palavra. No momento em que seus orbes cinzas o encararam, o seu mundo pareceu parar. Os sentimentos não compreendidos lhe voltaram muito mais forte do que antes.

A cafeteria, Richard e o parquinho recreativo envolviam apenas aquela pessoa… E ela estava ali, em pé, fitando-o com o semblante nostálgico, saudoso e aparentemente amargurado. As lágrimas escorreram na face do recém chegado e ele também não foi capaz de lhe dizer nada… Pelo menos não até o terceiro minuto de silêncio.

 

- C-Craig…

 

- Ah… Tweek. - O moreno sussurrou enquanto sentia o calor de uma lágrima percorrer-lhe o rosto.

 

...

 


Notas Finais


Bom gente, como eu disse nas notas iniciais, esse não foi exatamente uma escrita que eu imaginava, mas depois da semana conturbada eu não consegui mais mudar.

E aí curtiram?? Estão gostando do Kenny? (Lembrando que a fic é CREEK AAAAH) hahahaha

No próximo capítulo terá a inserção de mais personagens e ainda mais interação. Além do que TWEEK FINALMENTE APARECEU.

me diga o que acharam e até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...