1. Spirit Fanfics >
  2. Hierarquia (todoroki shoto x leitor) >
  3. Casa dos todoroki

História Hierarquia (todoroki shoto x leitor) - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


olia, turu paum? que baum

venho aqui meia noite postando um capitulo, depois de séculos sem postar, sla, tava vendo quizes que boku no hero pq sou uma inútil e todo mundo sabe disso, mas ok ne?

vamos pra esse capitulo ~~

Capítulo 5 - Casa dos todoroki


recapitulando

depois de minha mãe ser sequestrada, prendi o suposto sequestrador e o deixei a cuidados do meu pai. e como ele pediu, fui forçada a ir passar a noite na casa do meu primo, Shoto, que graças a all might, endeavor estava fora, então eu teria que ficar com o Shoto sozinha, ja que Fuyumi-san provavelmente estaria trancada em seu quarto esperando que eu e Shoto fizéssemos algo ... pervertido

 

com tudo, minha cabeça estava cheia, tinha muitas coisas para pensar, como, por exemplo, o paradeiro da minha mãe e quando vamos achar ela. suspiro de forma cansada, enquanto me debruçava sobre o kotatsu. essa noite estava fria, e a irmã de Shoto estava preparando lamen, ja que era a coisa mais rápida e quente possível

 

Shoto estava ao do lado oposto do katatsu, de frente para mim, suas pernas estavam cruzadas para não se esbarrarem com as minhas, ele estava a ler um livro de baixo dos cobertores assim como eu, parecia concentrado em um livro chamado "the fourth closet" a curiosidade mantinha uma pulga atrás da orelha, queria saber sobre o que se tratava o livro com a capa que continha um urso robótico.

 

- esse livro - comentei notando que sua atenção foi posta em mim - ele parece legal, como é a história? – perguntei inclinando a cabeça levemente para o lado

 

- é interessante, fala sobre assassinatos e robôs, um mistério - ele faz uma pausa - ou algo assim

 

- Não acho que seja uma história muito comum - eu apoiei meus cotovelos na mesa de madeira e aconcheguei minha cabeça sobre minhas mãos para poder olhar para Shoto enquanto falávamos

 

- pra sua informação esse livro é meu - disse Fuyumi, irmã de shoto, que havia entrado na sala com uma panela de ramen - ele fez o favor de me chutar esse livro e as outras duas continuações - disse ela enquanto colocava a comida sobre a mesa

 

- eu não chutei, você que deixou jogado - disse o bicolor deixando o livro de lado.

 

-então trate de me devolver – disse novamente Fuyumi estendendo a mão em direção a Shoto com a outra mão posta em sua cintura, em sinal de impaciência

 

- não – Shoto foi curto, mas claro, o livro era dele e ninguém ia colocar as mãos

 

 

- amor de irmãos é tão lindo - comentei ironicamente - ainda bem que eu não tenho irmãos

 

- é uma pena - sentou-se a versão feminina do Shoto, de pernas cruzadas, servindo-se de ramen

 

o ramen estava bom, apesar de que eu sei fazer melhor, haha. Fuyumi, sendo a mais velha, acabou tendo de tomar toda responsabilidade de sua mãe, assim que ela foi internada. eu a admiro, ela teve que cuidar de 3 irmãos sendo tão nova, e olha só, eles tão vivos! isso quer dizer que ela não falhou, em partes.

 

depois de terminar nossa "janta", Shoto genderblend foi direto para seu quarto (como previsto), deixando assim eu e Shoto sozinhos na sala, no começo, nós começamos uma conversa sobre o livro que ele estava lendo, e admito, provavelmente vá comprar ele mais tarde. logo a conversa mudou de rumo, a conversa começou a fluir sobre os mais diversos assuntos, dês de o quanto Shoto odeia seu pai, até o porquê dos unicórnio terem chifres... as vezes me pergunto o que passa nas nossas cabeças.

 

- s/n - Shoto chamou minha atenção para ele, me tirando completamente do raciocínio dos unicórnios - por que você veio dormir aqui?

 

sim, eu sabia que Shoto iria perceber, primeiro que eu quase não durmo na casa dele, segundo é que eu não fazia ideia de que o Enji estava fora, então por que eu estaria aqui?

 

suspirei antes de começar a falar

 

- minha mãe - dei uma pausa pensando no que falar - ela foi raptada - fiz basicamente um belo resumo da situação enquanto apertava meus punhos olhando para a mesa à minha frente, isso me irritava, eu deveria ter feito algo, eu tinha que fazer algo.

 

 Percebendo isso, shoto colocou sua mão sobre a minha, ele, quem perdeu sua mãe por culpa de seu pai, sabia bem a dor de não conseguir ajudar aquela pessoa que te trouxe ao mundo

 

- vai ficar tudo bem, seu pai sabe o que faz - isso era certo, meu pai, stain, não fazia algo em vão

 

mesmo involuntariamente eu sorri, essas palavras apesar de simples eram o que eu precisava naquele momento

 

- você tem algum filme? - ergui minha cabeça com um sorriso no rosto, ele tava certo, não devia deixar isso me abalar

 

- ahm ... - ele pensou um pouco e logo se levantando foi em direção a tv, de la, na cômoda, tirou alguns dvs de filmes, eram alguns filmes antigos, sobre diversos temas, tinha alguns que eu nunca tinha ouvido falar

 

- deixa eu ver - peguei um dos dvds de sua mão para dar uma olhada mais de perto - isso aqui é para maiores de 18 - disse olhando a capa de um dos  filmes com o numero 18 bem grande na frente

 

- São do meu irmão - disse shoto olhando para o lado

 

- do seu irmão, sei – joguei uma das almofadas do kotatsu na cara dele enquanto olhava filme por filme, filmes para maiores de 18, realmente shoto, realmente, não esperava isso de você. tirando que o filme era bem sugestivo para a situação que estavamos

Acabei tendo dificuldades em escolher, já que a diversificidade era grande, mas, no final das contas, decidimos tirar no ímpar-par, e shoto acabou ganhando

 

Eu fui forçada a me levantar do kotatsu e acompanhar shoto pelos corredores da enorme casa que ele mora, era bem fácil se perder naquela casa estilo japonês bem clássica, mas eu já conhecia aquela casa como a palma da minha mão

 

Depois de chegar na sala com um sofá bem aconchegante e uma tv de certo modo cara, me joguei no sofá me deitando por completo nele, Shoto pegou o filme de sua preferência e colocou para rodar no dvd, mas ao em vez de se sentar no sofá, foi ate um armário de parede e pegou uma coberta branca de la

 Me sentei corretamente no sofá deixando Shoto sentar-se ao meu lado estendendo a coberta por cima dos seus ombros, por um momento achei que ele tivesse pego só para ele, já estava planejando como eu poderia roubar a coberta dele, mas logo ele ergueu o braço assim demonstrando suas intenções- ele queria que eu ficasse do lado dele – eu não tinha problema com isso, afinal, sempre fomos grudados

Deslizei ate seu lado encostando meu ombro em seu peito, era quente e aconchegante, ele abaixou o braço deixando a coberta cair sobre minhas costas, logo, vendo de longe, a gente parecia estar num marshmallow.

 

Depois de nós aconchegarmos, o filme começou a correr, o filme que ele escolheu foi um de drama policial, ou parecia ser, o filme fluiu perfeitamente de um drama ate uma serie de terror e assassinato, logo foi para suspense, exatamente um filme que manejava muito bem a historia

 

enquanto estavamos sentados em frente a tv, um ar frio bateu no meu rosto me fazendo arrepiar um pouco, a janela estava aberta. Isso, apesar da coberta, me incomodava um pouco

 

- eu posso fechar a janela? - perguntei, afinal a casa é dele

 

- deixa que eu ... - impedindo que ele terminasse a faze eu me sobrepus

 

- não, eu fecho - me levantei sem deixar tempo para ele retrucar e fui em direção a janela fechando ela facilmente, a janela era de correr, as mais fáceis de fechar em minha opinião.

 

voltando para onde Shoto estava, estava prestes a sentar do lado de shoto onde estava sentada antes, porém fui impedida por uma mão que envolveu minha cintura e me puxou com certa força, em poucos minutos eu ja estava no colo de Shoto, seus braços envolviam minha cintura e seu queixo estava apoiado em meus ombros

 

- ei - ele disse com a voz um pouco mais suave, me fazendo ter arrepios - eu não queria que você levantasse – disse ele apertando um pouco mais o abraço, não o bastante para me machucar

 

- Desde quando você está carente? - disse colocando a mão em seus cabelos, finos e suave, era muito agradável ao tato.  Com a caricia, todoroki acabou por fechar os olhos, algo genuinamente fofo

 

- isso é sua culpa - oh meu deus, temos um tsundere kawai aqui? se ele continuar eu não vou conseguir me segurar. eu sorri com meu pensamento e comecei a fazer cafuné na cabeça de Shoto enquanto sentia a sua respiração calma em meus cabelos, por algum motivo eu não consegui prestar atenção no filme, estar assim é muito confortável, tanto que, acabei caindo no sono

 

[s/n pov off]

 

[stain pov on]

 

- eu juro... e.eu e.é só ixo (isso) que eu sei - dizia o invasorzinho com a voz tremula, seus olhos ja estavam a lacrimejar muito e suas mãos tremiam, para quem estava a pouco desafiando minha filha com um sorriso no rosto, ele não parece ter tanta coragem agora

 

- é a ultima vez que eu vou perguntar, onde esta minha esposa? - disse aproximando minha katana de sua garganta, vendo ele engolir a seco

 

- eu ja disse, eu não sei, eles só me mandaram aqui para destruir as provas, eu nem vi o rosto dela - ele estava falando a verdade, mas não era isso que eu queria ouvir

 

- quem mandou você aqui? - perguntei

 

- f.foram uns caras, eles pareciam ser barra pesada... qual era o nome deles? ... ahm... Nashi, isso! o cara que me contratou foi um maluco com máscara de macaco que se chamava Nashi Yukimura

 

Nashi, eu ja ouvi esse nome falsificado antes, ele é um contrabandista de armas, um daqueles que vocês não vai querer arrumar briga, mas não é um sujeito que tem o feitio de sequestrar pessoas

 

com um pano com droga, apaguei o sujeito de merda e o coloquei nos ombros, ja tinha a informação que eu precisava, agora era só deixar ele nas mãos da policia, ele não vai se lembrar de nada ...pelo visto eu vou ter que quebrar a cara de alguns contrabandistas

 

correndo de beco em beco, meu alvo estava embaixo de um viaduto abandonado, seu principal foco de venda. ao chegar la, me posicionei em cima de um poste me equilibrando com somente um pé. lá estava ele, com sua vã blindada e negra aberta com vários tipos de armas, com vários de seus comparsas armados cuidando do seu estoque

 

me joguei em cima do teto da vã sem fazer ruído ja nocauteando o primeiro sujeito que estava na frente da porta da vã, escondendo seu corpo de baixo do veículo

 

logo depois foi o segundo que estava do lado da porta do passageiro encostado, assim, logo foi o motorista e o seu amigo que estavam conversando

 

em um piscar de olhos os 4 guardas ja estavam apagados, amarrei os corpos deles e joguei em uma moita ali, e voltei a ficar em cima do poste (pombo kkkk) depois de alguns minutos, avistei Nashi voltando para sua vã com as mãos no bolso

um cara de semblante calmo, porem afiado, ele fumava um cigarro e seus olhos estavam focados em seu celular, deixando o homem completamente aberto a ataques, ou pelo menos era isso que qualquer outra pessoa pensava. Eu conheço esse sujeito a boatos e tenho noção de que ele não é alguém frágil que fica por ai vadiando

 

mas não vou ficar aqui imaginando como seria um conforto, ta na hora de bater de cara com esse ai

 

[locomoção]

 

 

[stain off]

 

.

.

.

.

 

[quebra do tempo]

 

.

.

.

 

os flash’s batendo em meu rosto me forçaram a abrir os olhos, eu estava em um sono tão profundo, não queria mover nem um músculo, demorou certo tempo para eu poder me acostumar ou pelo menos perceber a situação

-ah droga, esqueci o flash – escutei alguém resmungar para si em sinal de desaprovação, eu que estava com muita dificuldade de abrir os olhos por causa do sono fui forçada a abrir, pelo menos um, que aos poucos foi se acostumando a luz do dia deixando nítido a pessoa ao lado do sofá, de joelhos e com o celular nas mãos

 

- Fuyumi-san? – disse em meio a um bocejo voltando a fechar os olhos – o que ... você ta fazendo?

 

- aha, nada, mas ahm, por via das duvidas – ela deu uma pausa – você sabe onde anda dormindo?

 

- no sofá? – disse sonolenta

 

- então acho melhor você rever sua situação – escutei ela se levantando e indo, acho eu, que para a parte de tras do sofá

 

Aos poucos eu fui me dando conta da situação, não era exatamente, no caso, diretamente no sofá que eu estava deitada, mas sim sobre Shoto. Ele tambem dormia, não parecia ter se incomodado com o barulho de Fuyumi, ele estava com um dos braços sobre a testa e o outro estava sobre minhas costas, por quanto tempo eu dormi assim com ele? Ele tinha uma feição calma, fiquei um tempo olhando para o seu rosto adormecido até finalmente resolver levantar

 

Ou pelo menos era essa minha intenção, o outro braço dele que estava antes em sua cabeça foi rapidamente locomovida a minha segurando minha cabeça conta o corpo dele, em um abraço, eu consegui escutar o seu coração batendo

 

- ohoh essa eu não esperava – Fuyumi ria de minha situação, pelo que eu havia percebido, Shoto tinha feito isso inconscientemente, pois ainda dormia, demorou um tempo para eu conseguir levantar, mas não fui impossível.

logo fui para a cozinha acompanhada de Fuyumi para pegar algo para comer

 

.

.

.

.

(pov shoto, algumas horas antes)

Eu fui forçado a acordar pelo meu relógio biológico, as cinco e meia da manhã, era já costume acordar esse horário, por mais que eu geralmente ficasse na cama ate bater as 6.

 

Ontem a noite, depois que s/n caiu no sono, eu desliguei a tv, pois aquele filme já era repetido para mim e me virei cuidadosamente de lado fazendo com que ambos ficássemos deitados no sofá, apesar de ser grande, o sofá não permitia duas pessoas deitadas um do lado da outra, assim me forçando a deixar ela em cima de mim (pq em baixo seria meio difícil) Ver ela dormindo é algo raro para mim, raro mas de alguma forma agradável, ela é minha prima, parte da família, é normal amar a família certo?

 

Tirei uma mecha de seu cabelo (cor) que estava sobre seu rosto vendo melhor sua face adormecida, ela parecia frágil assim, mesmo que na realidade fosse ao contrário, eu amo ela, ela é minha prima afinal, ao pensar no que ela teve que passar ao voltar pra casa ontem, se eu não tivesse chamado ela para sair, talvez sua mãe ainda tivesse aqui, ou talvez a s/n tivesse sumido ... as probabilidades não saem da minha cabeça, foi melhor eu ter impedido ela de ir naquela hora pra casa? Ou se eu não tivesse atrapalhado a mãe dela ainda estaria em casa a uma hora dessas?

 

A culpa foi minha?

 

Tentei tirar esses pensamentos atordoantes da minha mente e abracei forte s/n que ainda dormia profundamente, vou tratar de me desculpar com ela depois, por hora, vou só aproveitar o momento.

 

(pov Shoto off)


Notas Finais


capitulo não revisado, qualquer erro culpem o mineta

bye bye~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...