História High Metphord School - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Crossover, Horror, Interativa, Mistério, Slash, Survival, Suspense, Terror
Visualizações 47
Palavras 3.919
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção Adolescente, LGBT, Mistério, Policial, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Yaoi (Gay)
Avisos: Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá!
Hoje, trago o segundo capítulo da nossa fanfic querida!
Só pra ter uma ideia, eu deveria estar postando esse capítulo tarde da noite, mais como eu tô muito ansiosa, resolvi postar agora mesmo.

Boa leitura 😘

Capítulo 3 - Chapter 2


Fanfic / Fanfiction High Metphord School - Capítulo 3 - Chapter 2

Depois das aulas, 12 de janeiro de 1972

- E então Takuji, quantas cervejas você nos recomenda? - Perguntou Akemi, colocando a mão sobre a lateral da cadeira onde Alrik estava sentado.

- Bem, levando em consideração os litros e os mililitros... - Takuji começou. - Na loja de conveniência perto, a garrafa de cerveja de três litros custa 4 dólares e cinquenta centavos. Dividindo esse valor por dois, obtemos 2 dólares e vinte e cinco centavos, o que equivale à 500 mililitros de cerveja. 

- Nossa... Virou professor de matemática agora? - Brincou Akemi. - Bom, tudo bem. Já sei o que vou fazer.

- Hahahaha... Valeu. - Takuji riu. - Sempre entendi Matemática sem dificuldades.

Akemi pegou um capote de tecido grosso, com um grande capuz. Dentro da roupa, haviam bolsos com um grande espaço, o que facilitaria no plano. Takeda o vestiu, mas antes de sair, disse:

- Se eu for presa pela polícia, estamos ferrados. 

Ao quase fechar a porta, Takuji acabou pensando uma ideia de imediato, e não pensou duas vezes:

- Não quer que eu vá com você? Vai que eles acabam te flagrando?

- Bom, ótima ideia. - Akemi concordou. - Venha, a loja fecha daqui a pouco. Precisamos nos apressar.

Takuji levantou-se da cadeira, e seguiu Akemi até a porta, onde a mesma foi trancada pela garota. E assim os dois saíram, em direção a loja de conveniência.

...

Ao chegar lá, Akemi foi a primeira a abrir a porta de entrada. O movimento provocou um barulho de "sino", no qual alertava quando um cliente havia entrado. Logo na frente, Takuji e Akeda perceberam diversas prateleiras, o freezer estava do outro lado. Takuji já havia elaborado um plano. Mais à frente, estava um senhor aparentemente idoso. Possui barba branca, estava armado com uma espingarda e usava roupas sujas com sangue de animal. Eles não tinham dúvidas de que o senhor era um fazendeiro.

- Tudo bem. - Akemi começou, sussurrando. - Distraia o senhor enquanto eu pego quantas garrafas de cerveja eu conseguir. Tudo bem?

- Ok. - Takuji concordou, também sussurrando. - Esteja preparada.

Enquanto Akemi seguiu na direção direita, onde havia um freezer, Takuji seguiu na outra direção, onde haviam produtos de limpeza e higiene pessoal.

Ao observar alguns produtos, fingindo estar pensativo e em dúvidas do que iria levar, Takuji finalmente foi ao balcão iniciar conversa furada com o idoso.

- Olá. - Começou Takuji. - Você tem produtos de limpeza por aí?

- Ich habe es verstanden. Bitte folge mir. - Falou o senhor. Takuji logo reconheceu as palavras que o idoso dizia: ele era alemão. Takuji logo traduziu de cara: "Claro. Por favor, me acompanhe".

- Haben sie auch toilettenartikel? - Falou Takuji. Traduzido, ficaria "Você também possui produtos de higiene pessoal?".

O velho levantou-se da cadeira com uma certa dificuldade, deixou sua espingarda ali, em cima da cadeira e começou a andar. Como o senhor possuía um problema no joelho, este não conseguia andar normalmente. Alguns minutos depois, o idoso finalmente chegou à prateleira que estava ao extremo lado direto.

- Obrigado. - Agradeceu Takuji. O velho logo resolveu voltar, novamente... Andando com dificuldades. Isso facilitou bastante á Akemi. Sem ser vista, ela atravessou toda a loja e assim chegou aonde Takuji estava.

- Vamos, precisamos ir. - Sussurrava Akemi. - Já peguei uma boa quantidade de cerveja!

- Ótimo. - Alrik sussurrou. - Vamos embora daqui.

Os dois saíram da loja, como se nada tivesse acontecido.

...

        A casa de Camille era um pouco afastada da cidade. Era localizada numa bela estrada, onde atrás de sua residência, havia um grande lago. A garota simplesmente fechou a porta de entrada e jogou sua mochila no sofá. Ao subir as escadas, Camille jogou o pouco de suas mechas de cabelo que estavam na frente, a incomodando. Quando chegou em seu quarto, pegou uma toalha verde com alguns detalhes e assim foi para o banheiro.

Ao chegar no cômodo, Camille colocou a toalha em um pequeno gancho, tirou suas vestimentas e entrou no chuveiro. Enquanto as gotas de água caiam pelo seu corpo, Camille pensava no primeiro dia de aula, onde fora discriminada descaradamente. 

"O que eu fiz pra essa gente não gostar de mim? ", perguntava-se. " Eu nunca havia feito nada para eles! ".

Em meio a tantas perguntas, Camille terminou seu banho. Pegou novamente a toalha e passou por todo seu corpo molhado, tornando-o seco. Prendeu uma parte do tecido no tórax, e assim saiu fora banheiro.

...

Para o "Grupo 14", aquela noite de segunda-feira seria marcada pela grande festa que David havia feito em seu trailer. Um grupo estava bebendo cerveja, outros estavam se divertindo jogando "verdade ou desafio".

- Cara, essa festa tá ótima! - Falou Hayley. - Demais!

- Ah! Verdade! - Concordou Valeska.

- Lá nas favelas, as festas eram assim também? - Perguntou David.

- Mais ou menos. - Respondeu Valeska. - Só que... Tinha muita briga.

- Ah, sim... - David compreendeu. - Entendo... - Fez uma leve pausa. - EI, PHARA! - Chamou.

Mia estava sentada na beira do lago, observando a linda noite de lua-cheia daquela segunda-feira.

- PHARAH! - David chamou novamente.

- AH! Oi! - Phareeha pareceu ouvir o chamado de David. Colocou a mecha de seu cabelo atrás da orelha, levantou-se, limpando a areia de seu short e coxas, e assim saiu.

- Você estava apreciando a noite, não é? - Perguntou Valeska. - Eu também gosto às vezes.

- Ah... Sim. - Falou. - Eu estava vendo a noite. Ela tá tão... Linda...

- Bem, vem aqui. - Falou David.

Assim que Phara estava ao seu lado, David colocou o braço esquerdo em seu pescoço.

- Que tal... Um croissant? - Sussurrou David, em seu ouvido.

- Oba, eu adoro! - Phara respondeu, com animação.

Enquanto toda essa cena acontecia, Yume era a única que estava sentada na mesa, ao lado do trailer. Vestindo suas roupas elegantes, uma touca marrom e carregando uma bolsinha de longa alça. Estava frio naquela noite, então Yume logo tratou de vestir roupas um pouco pesadas. 

Ela observou a porta do trailer se abrir, logo revelando Akemi. Ela começou a corar... Yume era obcecada e apaixonada por Takeda, sempre que a última chegava perto... Ela não sabia o que fazer. Bem... Essa situação estava chegando. Akemi estava indo em direção à ela.

- E aí, Yume? - Cumprimentou Akemi. - Como vai? 

Como não sabia o que fazer, Yume continuou olhando para a cara de Akemi, sem fazer nada.

- Yume? - Akemi estranhou o comportamento de Akemi. - YUME!

- Ah, me desculpa... - Falou Yume. - Estou bem.

- Eu queria entender porquê de você ser tão... Estranha! - Brincou Akemi. - Além de ser uma amiga minha!

Yume estendeu a mão para a Akemi. Esta retribuiu, e assim as duas se cumprimentaram.

- Vou sentar aqui do seu lado. - Falou Takeda.

"Isso só pode ser um sonho glorioso!", pensou Yume. Era a primeira vez que ela ficaria tão próxima de sua pretendente. Yume estava desesperada... Não sabia como agir, e então ficou corada.

"Meu Deus, o que eu faço?", pensou ela, por perceber que estava corada. Ela pensou em colocar a mão perto da boca e do nariz, e assim começar a rir.

E assim ela fez. Akemi estranhou novamente o comportamento de Yume. Começar a rir do nada para Akemi não devia ser uma coisa normal. 

- Do que está rindo? - Perguntou ela.

- Ah, nada demais. - Respondeu Yume. - Só lembrei de uma piada.

- Ah... Sim... - Respondeu Akemi.

...

Enquanto o noticiário era exibido na televisão, Camille notou que havia um rádio extremamente alto tocando músicas ali por perto. Da janela, notou que havia uma luz estranha.

Sem tirar os olhos da janela, Camille abaixou o volume da TV e assim foi para a janela observar tudo o que estava acontecendo. 

Havia um trailer ali. Era como se fosse um barzinho. Haviam cadeiras, trailer, comida, iluminação... Típico "Boteco". Porém, o que ela viu a deixou extremamente assustada. Ela reconheceu o rosto de David, 

logo depois o de Takeda. O "Grupo 14" estava lá. 

Camille entrou em grande desespero. O que ela faria caso o grupo resolvesse invadir a sua casa? O que ela faria caso ela precisasse sair de casa? Em pânico, Camille só pensava em uma coisa:

"Tranque a porta de entrada! Agora!"

E assim o fez. Mesmo descalça, Camille não obteve certo medo de tropeçar e cair, apenas correu, desceu as escadas e finalmente chegou à porta de entrada, trancando a mesma em seguida. 

Camille respirou fundo. Finalmente estava calma. Ofegante por causa da corrida, Camille subiu as escadas, dessa vez mais devagar, e finalmente voltou aí seu quarto. Sentou-se na cama e aumentou o volume da TV, voltando ao noticiário.

- E, infelizmente, temos uma triste notícia. - Falava o jornalista. - Um garoto de apenas 19 anos, conhecido como "Klein Petterson", foi encontrado morto nas proximidades de Shill, cidade localizada no interior do Texas, Estados Unidos. Acompanhe a reportagem.

Camille ficou surpresa. Tamanho crime havia acontecido ali? Com tamanha brutalidade? "Poxa, o garoto só possuía 19 anos!", chocou-se Camille.

- O adolescente de 19 anos, conhecido como "Klein Petterson", foi encontrado morto numa floresta, nas proximidades de Shill, pequena cidade no Texas. - Falava a repórter. - O garoto foi encontrado sentado em uma árvore, com golpes de faca, olho roxo e sangue no canto da boca. A perícia suspeita de que Klein tenha entrado em briga corporal com o assassino, porém foi morto logo em seguida.

Camille estava surpresa. O crime poderia ter ocorrido perto de sua casa, e ela não havia visto?

- O crime ocorreu por volta das 11 horas da noite do dia anterior. - Falava a repórter. - Segundo testemunhas, o assassino estava vestido totalmente de preto, mas seus cabelos eram loiros e era do mesmo tamanho que a vítima.

- Quer saber? Não quero mais ver TV. - Falava Camille.

A garota desligou a televisão. Não queria mais saber do que acontecia nos Estados Unidos ou no mundo. Ela apenas queria paz. Depois de tudo o que havia acontecido naquele dia... Acho que todo mundo gostaria de um momento de paz, calma e tranquilidade.

...

Enquanto todos ali da festa jogavam "Verdade ou Desafio", a música na rádio tocava a todo o valor, num volume muito alto.

" Sugar, oh honey honey


                                   You are my candy girl


And you've got me wanting you


                                 Honey, oh sugar sugar


You are my candy girl


               And you've got me wanting you "

Música: The Archies - Sugar Sugar

O grupo estava sentado no chão, em uma roda extremamente mal-feita e apertada. Típico "improviso". Enquanto David rodava a garrafa de cerveja vazia, todos estavam ansiosos e alegres.

A garrafa acaba caindo de bico para Valerie, enquanto o fundo da garrafa acaba parando em Akira.

- Verdade ou desafio? - Pergunta Akira, pronto para o que viria.

- Desafio. - Escolhe Valerie.

- Beba um copo de cerveja em menos de cinco segundos. Nós vamos contar! - Desafiou Akira.

- Aish... Tudo bem, tudo bem. - Valerie não tinha escolha a não ser aceitar. - Tudo bem. Eu aceito! 

Valerie pega um copo e uma garrafa de cerveja. Retira a tampa da mesma com a ajuda de um abridor e assim ela enche o copo com o líquido amarelado e espumado no topo. 

- VIRA! VIRA! - Todos gritam. Valerie apenas ri de vergonha. 

- O tempo está valendo a partir de... - Akira está olhando a partir de um relógio. - AGORA!

Valerie começou a beber de vez toda a cerveja que havia no copo.

- 1! - Todos contavam. - 2! 3!

Enquanto isso, do outro lado, Camille estava observando tudo através da pequena janela que havia ali. O barulho estava extremamente alto, e Camille não podia dormir desse jeito, não por enquanto. Por isso, resolveu ficar por ali mesmo, observando tudo que os outros faziam.

- 4! - O grupo continuava a contar. 5!

Valerie havia acabado de engolir toda a cerveja de uma só vez. Sentia-se tonta. Parecia que ela iria desmaiar a qualquer momento ou... Embriagar-se. 

- Oba! Conseguiu! - Falou Hayley, porém todos logo notaram que haviam algo de errado com Valerie. 

- Eu... Eu não me sinto muito bem... - Falou Valerie, ainda com a visão turva. - Eu tô me sentindo fraca... Não sei explicar direito...

- Uau... - David ficou surpreso. - Não quer descansar dentro do trailer?

- Ok. - Fala Valerie. - Obrigada, se não for incômodo. Não se preocupem, eu vou ficar bem.

Valerie se levanta com um pouco de dificuldade. Ao quase tropeçar, os outros se preparam para segurá-la, caso houvesse um desmaio, porém foi apenas alarme falso. Valerie consegue ficar de pé, e vai em direção ao trailer para descansar.

- Bom, continuando... - David começa. - Akira, gira a garrafa novamente.

Akira obedece ao pedido de David e gira a garrafa. O bico da mesma acaba parando e Dylan e o fundo acaba parando em Joshua.

- Uau! - Joshua se surpreendeu. - Verdade ou desafio?

- Bem... Prefiro desafio. - Falou. - O que vocês querem que eu faça?

- Desafio você a seduzir a Cassie. - Falou Joshua. - Demonstre que possui uma certa quedinha por ela, mas tudo não vai passar de fingimento.

- Wow... Não vou fazer isso. - Falou Dylan. - Aquela menina não é gata... Vocês vão foder com a minha reputação.

- É melhor cumprir o desafio... - Insistiu Joshua. - Caso contrário...

- Tá. Tá! Tudo bem, eu faço! - Fala Dylan, tentando encerrar de vez com tudo aquilo. - Quanto tempo eu tenho pra fazer isso?

- Você tem uma semana para "levar ela pra cama". - Fala Joshua, fazendo as aspas com os dedos. Parte deles estão cobertos pelo suéter vermelho que o garoto usava, deixando o mesmo com um aspecto fofo.

- Ok. Desafio aceito. - Aceita Dylan. - Vou fazer o meu máximo.

- Veremos. - Fala Joshua, com um olhar meio ambicioso, confiante e vitorioso.

Enquanto isso, Camille já estava com sono e entediada. Com o frio da noite, resolveu tirar seus braços da sacada da janela e voltar para seu quarto. Porém, por algum motivo misterioso, resolveu olhar novamente o seu guarda-roupa. Lá, ela viu o que não havia visto antes...

Máscaras.

No total, cinco máscaras. Todas brancas e sem detalhe algum. Eram apenas máscaras brancas com olho e molde da boca e nariz. Camille havia lembrado do que pensou antes de chegar em casa.

De fato, um grande plano surgiu em sua cabeça.

...

Horas se passaram. O começo daquela madrugada já havia chegado. O grupo estava dentro do trailer, explorando as estradas próximas da cidade. David estava dirigindo, enquanto ele e os outros se divertiam. A música que tocava na rádio estava à tona.

" She's got it


                                  Yeah baby, she's got it


Well, i'm your Venus


                        I'm your fire at your desire "

Música: Shocking Blue - Venus

- WOW! Essa música é muito boa! - Gritava David, enquanto dirigia.

- Calma David! - Falava Charlotte. - Você está dirigindo e... Bêbado!

- Não se preocupa. - Disse David. - Não estou louco à ponto de matar alguém.

Apesar do barulho alto da rádio e dos gritos enlouquecidos de David, a maioria das pessoas já dormiam. Apenas Charlotte, David e Valerie estavam acordadas. A última estava sentada no canto do trailer, atrás. 

- Valerie, como está se sentindo? - Perguntou Charlotte. - Está melhor agora?

- Tô. Obrigada. - Fala ela. - Não totalmente... Mas tô melhor.

- Ah, ótimo. - Fala Charlotte. - Ainda bem.

- NOSSA! ESSA MÚSICA É MUITO BOA!

Assim que David ouviu sua música favorita, ele aumentou ainda mais o volume da rádio, fazendo com que algumas pessoas acordassem, ainda atordoadas por conta da perca de sono.

- DAVID! - Charlotte o repreende.

- Ei... O que tá acontecendo...? - Pergunta Alrik, atordoado. - Era pra gente ter ido para casa.

- Verdade. - Falava Akemi. - David, leva a gente pra casa. Vamos voltar pra cidade.

- Agora? A noite só está começando! - Disse David, totalmente animado. - Coloquem os cintos!

David pisou ainda mais no acelerador, fazendo com que o trailer se locomover muito mais rápido do que já estava. Com o aumento de velocidade, todos acabaram indo para o fundo do trailer, se esbarrando na parede e em outras pessoas.

- AI! - Exclamou Yume. - Minha cabeça...

- DAVID! PARA ESSE TRAILER AGORA! - Charlotte gritou. 

- O QUÊ?! EU NÃO OUVI DIREITO! - Ironizou David, aumentando ainda mais o volume da rádio. - REPETE!

- PARA ESSA MERDA DE TRAILER AGORA! - Grita Charlotte, ainda mais alto, porém David não ouviu propositalmente.

O garoto só sabia aumentar o volume da rádio e o acelerador. Não demorou muito para alguns ouvirem o barulho de sirene logo atrás. 

- O... O que é isso? - Perguntou Yume, ouvindo o barulho das sirenes. Ela se virou para trás, abriu as janelas do fundo e observou. Seus cabelos estavam voando por conta do vento, mas isso não atrapalhou a sua visão. - MEU DEUS!

- O QUÊ? - Pergunta Charlotte, já em certo desespero.

- A POLÍCIA TÁ PERSEGUINDO A GENTE! - Yume respondeu, desesperada. - O que vamos fazer?

- Ai, merda... - Falou Charlotte. - Fodeu, fodeu...

- CALMA! - Fala David, aparentemente sem um pingo de medo. - Vocês têm sorte de ter um amigo que saiba dirigir em alta velocidade! Apertem e segurem os cintos!

David apertou ainda mais o seu acelerador. A força de seu pé foi tanta que David realmente sentiu um fio se rompendo no no sistema do veículo, o que deu certo medo em David, mas ele não se importou.

- DAVID! PARA ESSA DROGA DE TRAILER! - Gritava Charlotte, com todas as forças.

 David não ouviu. O garoto continuava aumentando mais e mais, despistando cada vez da polícia. O garoto já estava quase à 190 quilômetros por hora, e ainda assim não pensava em diminuir a velocidade. Por pura sorte, a polícia desviou em uma outra direção, enquanto o barulho da sirene sumia lentamente...

- DAVID! ME OUVE! - Charlotte gritou com todas as forças. - PARA ESSE TRAILER!

- O QUE VOCÊ DIS... - David estava respondendo, quando foi interrompido com um baque na frente do trailer. Ele diminuiu com toda a força, fazendo o trailer derrapar na estrada.

- AI! - Akemi gritou assim que caiu de cabeça para o outro lado.

Todos foram arremessados para o outro lado do trailer. David havia batido em algo, e com certeza não foi um carro, muito menos saído da estrada.

Quando o trailer havia parado totalmente, David percebeu que estava no mesmo lugar de onde aconteceu a festa. Virou-se para trás e perguntou:

- Estão todos bem?

- Claro! - Respondeu Valerie, irônica. - COMO EU VOU ESTAR BEM DEPOIS DISSO?

- Calma. Não foi nada demais! - David afirmou. - Eu vou verificar o que era. Vai ver era só um galho de uma árvore no meio da estrada!

- Ah, sim... - Falou Katherine, recostada na parede. - Até parece que um galho faz todo esse barulho.

Ignorando o comentário de Katherine, David retirou o cinto que estava grudado em seu corpo, abriu a porta que estava ao seu lado e então desceu do trailer.

O tempo estava frio, a lua cheia continuava ali, pouco coberta por pequenas nuvens. Assim que sentiu o frio pelo seu corpo, David abraçou a si mesmo, para tentar proteger-se do frio. O garoto não vestia um suéter, muito menos estava com um naquele momento.

Dando meia-volta pelo trailer, David se chocou com o que viu. Havia um homem caído. O misterioso vestia camisa xadrez amarela e verde, quadriculada e de mangas compridas. Por cima, vestia um macacão jeans. David não teve dúvidas de que aquele homem era um fazendeiro.

- Tá, o que você... - Katherine se chocou com o que viu. - Meu... DEUS! - A garota pôs as mãos em sua boca, cobrindo também o queixo.

- Cara, por favor... - David implorou, morrendo de medo. - Não vamos contar pra ninguém.

- O que tá acontecendo aqui? - Perguntou Charlotte, já foram do veículo. - AH! - Ela deu um grito. - MEU DEUS!

- Cala a boca! - David gritou. - Eu não sei o que fazer. Eu tô desesperado!

- EU TE FALEI PRA DIMINUIR A VELOCIDADE DO TRAILER! - Charlotte gritou. - SE TIVESSE DIMINUÍDO, TENHO CERTEZA DE QUE ISSO NÃO HAVERIA ACONTECIDO!

- Charlotte, calma! - Katherine pediu. - Já aconteceu, não adianta ficar gritando igual uma louca.

- Droga! - Charlotte se desesperou. - Tudo o que a gente pode fazer agora é se entregar pra polícia!

- Não! - David negou sem pensar duas vezes. - Vamos nos ferrar se fizermos isso!

- Gente, o que tá... - Com a gritaria, Alrik acordou e resolveu ver o que estava acontecendo. - Uau...! 

- AH! MEU DEUS! - Yume e Takeda vieram logo atrás. - Isso já é demais pra mim! - Fala Yume.

- David, eu... Nossa! - Valerie se surpreendeu com o que havia visto. - Não acredito!

- O que vamos fazer? - Fala Akemi. - Não podemos deixar esse corpo aqui, no meio da estrada!

- Corpo? - Katherine duvidou. - Ele tá vivo?

David correu até o corpo para checar seus batimentos. Se estivesse vivo, o coração estaria bombardeando como se não houvesse amanhã. 

O garoto ajoelhou-se, colocou a mão entre os peitos do fazendeiro, e assim sentiu o coração. Ele não estava bombardeando.

O fazendeiro estava morto.

- Merda... Merda... MERDA! - David se desesperou ainda mais.

- O que foi David? - Pergunta Katherine. - Ah meu Deus, não me diga...

- O cara tá morto. - David falou, de forma ríspida. - É isso o que queriam ouvir?

- Meu Deus... - Charlotte se desesperou.

- O que vamos fazer? - Fala Katherine. - Têm alguma ideia?

- Eu tenho! - Fala Valerie, severa. - Vamos nos entregar a polícia! Dizer que tudo foi um acidente e que estava escuro demais para enxergarmos!

- Não, não é uma boa ideia. - Falou Katherine, e logo olhou para o grande lago, ao seu lado. - Esperem... Eu tive uma ideia!

- O que? - Pergunta David. - O que vamos fazer? 

- Me ajudem a pegar o corpo, agora. - Katherine mandou. - Sem frescuras! Precisamos ser rápidos e discretos!

Algumas pessoas estendiam as longas mangas de suas camisas e assim iam em direção ao corpo. Katherine ficou com o braço direito, David ficou com o braço esquerdo. Akemi e Yume ficaram com a perna esquerda e direita, enquanto Alrik, Charlotte e Valerie ficavam com as outras partes do corpo.

- Precisamos levá-lo até o lago. - Fala Katherine. - Como eu disse: rápido e discreto!

- O que? Eu não vou fazer isso! - Reclamou Charlotte. - Eu já tive um dia maravilhoso! Quase ficamos embriagados, quase fomos pegos pela polícia e quase morremos pela velocidade alta que esse ser humano dirigia! - Charlotte apontava a mão para David, em forma de acusa-lo. 

- A não ser que você queira ir para casa andando! - Fala Katherine, com firmeza. - Se não quiser nos ajudar, tudo bem. Mas não venha querer carona até a sua casa!

Charlotte ficou indecisa. Eles seriam capazes de deixá-la sozinha numa noite fria e sombria? Bem, ela não queria arriscar.

- Tudo bem! - Disse Charlotte. - Eu ajudo! 

Assim sendo, Charlotte voltou para onde estava e assim os dois carregaram o corpo até o lago. Contaram até três e arremessaram o máximo que podiam até a água que, como a noite, estava escura e refletia perfeitamente a lua.

- Pronto. - Katherine limpou as suas mãos em suas roupas. - É melhor ninguém tocar nesse assunto. Caso essa notícia se espalhe, já sabem como quem vão se ver!

- Chega. - Fala Yume. - Vamos voltar para casa. Já é tarde.

Cansados, os sete que estavam ali se dirigiram para o trailer. O resto das pessoas continuavam dormindo, como se nada houvesse acontecido.

Mal sabiam eles, que Camille estava observando tudo... Junto com uma câmera fotográfica...

Ela já havia traçado o plano perfeito para uma boa vingança, e não iria desperdiçar, como fez algumas vezes.


Notas Finais


GENTE, QUE CAPITULO FOI ESSEEE?

CHOCADA!

No próximo capítulo (já está pronto), iremos focar na personagem Cassie, amiga da Camille, mas isso não quer dizer que focarei apenas nela. Também vou focar em alguns outros. A Cassie possui uma história meio peculiar, digamos.

The Archies - Sugar Sugar: https://youtu.be/h9nE2spOw_o

Shocking Blue - Venus: https://youtu.be/8LhkyyCvUHk

Próximo episódio: Quarta-feira da próxima semana!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...