1. Spirit Fanfics >
  2. High School Sucks >
  3. Fazendo Novas Amizades

História High School Sucks - Capítulo 2


Escrita por: e GbMr


Capítulo 2 - Fazendo Novas Amizades


Fanfic / Fanfiction High School Sucks - Capítulo 2 - Fazendo Novas Amizades

Stella ajudou Bloom a abrir a porta do quarto.

Ela indicou o lado do quarto vazio. Não era um quarto tão pequeno, mas também não era tão grande. Bloom sorriu. Podia redecorar sua parte.

— Então, você é americana? — A loira sorriu, se jogando no puff cor-de-rosa do outro lado do quarto, em sua parte. — Que legal. A maioria de nós não é daqui. Digo, de Manchester.

Bloom finalmente pode tirar a mochila das costas e sentiu um alívio quase de imediato. Colocou a bolsa e a mochila na mesa de estudos disponível para ela e a mala ao chão. Sentou-se em sua cama e observou o novo quarto. Havia um frigobar e uma estante com os livros da escola para duas na área comum. Na parte de sua companheira, uma série de pôsteres de vestidos perfeitamente desenhados à mão. Não havia muitos livros da escola sobre a mesa de estudos de Stella, e sim uma montoeira de tecido e uma máquina de costura.

— Você costura? — Ela piscou um pouco.

— Ah… bem, um pouco. Eu costumo fazer alguma de minhas roupas.

Ela piscou um pouco. Quão talentosa era ela? — Sério?!

— Bem… sim. — Ela pareceu afogar mais ainda no puff, uma mecha de cabelo sendo trançada por ela mesma. — Mas aqui eles não vêem muito a moda como talento. Vêem meu pai, claro, mas não eu. Normal.

— Como assim?

— Eu estou tentando estudar nessa maldita escola há três anos. Era pra eu estar me formando esse ano! Mas eles simplesmente querem enfiar goela a baixo uma série de informações que nada acrescentará na minha vida, e meus pais insistem em me fazer ficar aqui!

Será que ela também tinha problema com os pais? — Hm… o que eu queria dizer é… essa questão de "vêem meu pai, mas eu não".

— Ah… — Ela pareceu corar e suspirou. — Bem, você tem quantos anos? Quinze?

— Dezesseis.

— Ótimo! Eu faço dezoito daqui a alguns dias. Grave o dia 10 de agosto. Será o dia que mandei tudo e todos irem se foder e fugir daqui.

Bloom remexeu um pouco desconfortável. — Bem…

— Ah! É. Você falou sobre meu pai. Então, como eu te disse, a maioria não é da cidade de Manchester, e boa parte nem da Inglaterra é. Eu sou italiana, por exemplo, e meu pai é Radius Gabbana.

Bloom engasgou com a própria saliva. — Ga-Ga…

Stella suspirou. — Ah não…

— Você tá falando Gabbana… Itália… tipo do Dolce & Gabbana?!

— É. Meu avô fundou e tals… ele já morreu, infelizmente. — Ela suspirou. — Não entendo porquê papai quis me mandar para cá ao invés de me deixar fica na Itália, de estudar em algum colégio por lá para depois entrar no mundo da moda também.

Bloom, de certa forma, se solidarizou com ela. Levantou-se da cama e se jogou no puff ao lado dela.

— Também não entendo o motivo de meus pais terem me mandado para cá. — Ela suspirou e brincou com a barra da jaqueta jeans que usava. — Acho que só queriam se livrar de mim.

— Às vezes eu também penso isso. — Stella desviou o olhar. — Não há nenhum motivo dele continuar a pagar uma fortuna pra eu ficar aqui, porque já deixei bem claro para ele que não gosto daqui, mas ele simplesmente não me dá ouvidos. Ele é muito teimoso.

— Você é sempre muito aberta assim?

— Só para promissoras melhores amigas. — Isso fez Bloom sorrir. Um ponto para Manchester. — E então? Você falou dos seus pais.

— Ah… — Ela desviou o olhar. — Trabalham com cinema. São muito ocupados.

— Ah… Bloom Peters, não é? — Stella riu. — Céus! Da forma que estavam falando sobre você, achei que iria ser uma patricinha nojenta, não um amorzinho.

Bloom corou e piscou um pouco. — Falando de mim? O que estavam falando de mim?

— Bem, sabíamos que uma nova aluna ia se matricular aqui e que seus pais eram hiper importantes para o cinema internacional…

— Sr. Saladin quem disse isso?

— Hm… Sim. Ele nos chamou no auditório para pedir que fôssemos legais com você. Estranhei porque isso nunca acontecera antes, de chamarem a escola inteira no auditório para apresentarem um novo aluno, mas ele disse que era um pedido de seus pais, para tentar fazer você se sentir melhor.

O canto da boca de Bloom sofreu um espasmo. Como se eles se importassem com o que ela sentia.

— Eles nunca sabem agir quando devem! — Ela bufou. — E aí? O que te disseram sobre mim?

— Ah, você sabe, mil coisas. O que você esperaria de uma garota que vive cercada de famosos e que mora numa mansão em LA?

Bloom esperou. Stella suspirou.

— Diaspro, primeiramente, queria você no grupinho dela, e já vou logo aconselhando em não entrar. Ela é filha do Primeiro Ministro, e pode ser bem, bem perigosa às vezes.

— Perigosa?

— Só não se meta muito com ela. — Stella pegou outra mecha do cabelo para fazer outra trança. — A garota de óculos era Mitzi. Ela é uma escrota também. Mesmo sabendo que Brandon só tem olhos para mim, ela insiste em flertar com ele.

— Brandon é seu namorado?

— Ficante.

— Ah.

— Ela é só uma riquinha de Londres, não é lá muito importante. — Stella deu de ombros. — A outra que estava com elas, era Chimera. Ela sim me dá arrepios. Ela é filha da Condessa Cassandra, de Yorkshire. Ela pode ser um puta pé no saco e tem um cérebro perverso para fazer você se dar mal.

Bloom engoliu em seco. Ok, não se meter com elas.

— Há mais meninas do grupinho delas, tipo Krystal, Darcy, Icy e Stormy, mas por ser fim de semana e por morarem nas redondezas, só devem voltar amanhã a noite.

— E aqueles meninos? Eles estão encrencados, certo?

— Ah, você fala aqueles do skate? Riven e Sky sempre são assim. Ficam em detenção, saem da detenção, mas não aprendem a lição. Adoram fazer Griselda fritar os nervos.

Bloom riu com a expressão. — E eles fazem parte de alguma legião do mal ou têm um backstory um tanto perigoso?

Foi a vez de Stella rir. — Não, Bloom. Bem, talvez Riven tenha. Ele é um pouco cuzão às vezes e extremamente grosseiro. Não sei muito sobre ele mas até onde consegui descobrir, a mãe dele é uma mulher de negócios da Europa. Já Sky… bem, ele é um cara gente boa.

— Cara gente boa. — Bloom repetiu.

— Bem, ele pode ter quase te atropelado com o skate hoje, mas ele é gente boa. O pai dele é um grande empresário, dono da HSBC Holdings. Ele é nativo de Londres. Você ainda vai ouvir muito o nome do pai dele nessa escola, sobretudo nas reuniões.

— Por quê?

Stella deu uma risada anasalada. — Porque Erendor Sutherland é um grande investidor em nossa instituição, sempre fazendo projetos para melhorar nossa educação.

Elas riram.

— Sempre que há uma reunião, Saladin meio que usa o nome dele em alguma frase. O pai dele foi responsável pela construção do nosso cinema e financia parte das viagens que fazemos durante o ano.

— Viagens?

— Uhum. Viajamos pela Ásia e Europa. Eles chama isso de pesquisa… Err…

— Pesquisa de campo?

— Isso! Quando estamos aprendendo algo em Ciências Humanas, eles marcam algumas viagens nos locais onde estudamos.

— Isso é demais!

— É, mas já visitei duas vezes seguidas e vou visitar mais os mesmos lugares que vamos esse ano.

Bloom conseguiu sorrir. — Então… é proibido irmos até os meninos? — Ela se levantou e começou a desfazer sua mala.

— Ah, Griselda disse isso, não foi? — Stella revirou os olhos. — Não ligue pra isso, ninguém respeita essas regras.

Bloom piscou um pouco. — Mas… não era pra ser um internato de boas maneiras?

Stella gargalhou. Boas maneiras? Essa garota com certeza estava sonhando. — Bloom, quando você for na primeira festa daqui, aí sim você vai ver o que são boas maneiras. Se você chama sexo, drogas e altas festas de boas maneiras…

Bloom sentiu uma forte ironia vindo da loira, e decidiu não discutir. Era festeira, claro, mas não tinha o costume de curtir livremente como queria. Se sentia limitada aos pais, a ter de falar sobre o que fazem ao invés de falar sobre o que ela faz.

Tirou uma foto da mala. Andy, o amor de sua vida, num close perfeito. Os cabelos escuros dele brilhavam com o reflexo do sol, a cor se confundindo com o verde das árvores. A pele pálida, os olhos escuros fechados com uma bela risada. Céus, como que Bloom pode concordar em ir para longe dele? Longe de seus braços?

— Quem é esse gatinho? Seu namorado? — Stella observou-a por cima do ombro, as mãos apoiadas neles.

— Bem… ex, não sei. — Bloom suspirou e abraçou a foto. — Eu… nós somos tão apaixonados e… agora estamos longe.

— Por que não liga pra ele? — Stella sorriu. — Não vivemos mais na era que essa escola foi construída. — Ela brincou. Bloom conseguiu abrir um sorriso.

— É uma boa ideia.

— Claro que é! Agora vai lá!

Bloom sorriu e saiu do quarto apenas com o celular. Notou como as meninas de Manchester se vestiam diferentemente. Ela estava com sua camisa larga bicolor e jeans, sua bandana da sorte em seu pulso. As meninas dali quase todas usavam saias ou vestidos, os olhares altamente julgatórios. Ela olhava nervosamente para o celular até alcançar a área entre as duas alas, onde uma porta de vidro levava para uma sacada extensa, e logo ligou para seu amado.

Stella pensou ser melhor dar uma ida na sala de cinema, para ver se alguém discutiria com ela sobre o que estivesse passando. Bem chegou na metade do corredor e já foi abordada por sua velha amiga.

— Stella! — A morena sorriu.

— Diga, Aisha.

— Quero saber sobre a garota nova!

. . .

Aisha e Stella estavam conversando no corredor quando Bloom apareceu com um olhar triste no rosto. Stella leu sua expressão imediatamente.

— Você não conseguiu falar com ele, não foi? — A loira perguntou. Bloom assentiu com a cabeça e olhou para a nova garota, de pele e cachos cor de chocolate, usando um camisão de algum time de futebol europeu e leggings.

— Ah… oi!

— Me chamo Aisha! — Ela estendeu a mão. Bloom a cumprimentou e logo percebeu o quão forte era seu aperto de mão.

— Eu sou Bloom…

— Os pais dela são diplomatas. — Stella implicou, e Aisha revirou os olhos. Bloom deu uma risadinha tímida, a tristeza da ausência de seu amado se tornando mais fácil de lidar.

— Ela gosta de falar que sou brasileira. — Aisha deu de ombros e abraçou as duas, as três andando uma ao lado da outra. — Você já visitou o Brasil, Bloom?

— Sim. Eu tive que ir num festival por lá… no Rio de Janeiro, eu acho.

— Ah, eu sou de lá. Bem, isso é bacana.

— Você não achou bacana quando eu falei que já tinha ido lá! — Stella protestou.

Aisha arqueou a sobrancelha e olhou para ela. — Stella, por favor, você visitou uma cidade do nordeste. Essa daqui visitou minha cidade natal!

A loira revirou os olhos e as outras duas riram.

— Então… seus pais são diplomatas. — Bloom olhou para ela.

— Ah, bem, só minha mãe. Ela é… a manda chuva da parada toda. — Bloom imediatamente se apaixonou pelo sotaque de Aisha, tão americano e ousado quanto o dela. — Já meu pai… bem, ele é um amorzinho. Dos dois, é o único que impede que minha mãe e eu ponhamos fogo em casa.

— Você mora em Londres?

— Ah, sim. Capital do Reino, bla bla bla. — Aisha fez uma careta engraçada, e Bloom riu.

— Você é legal. — A ruiva murmurou. Talvez não fosse tão ruim assim ficar em um internato, pelo menos não com meninas tão legais.

— Sim, eu sei que sou. — Ela deu língua, brincando. — O chato de ficar aqui é que não tem sol direto.

— Nisso eu concordo. — Stella assentiu com a cabeça.

— É, entendo bem o que quer dizer. — Bloom sorriu.

— Bem, vocês vão na última festa das férias hoje?

Bloom piscou um pouco.

— Festa?! Espera, eu não estava sabendo de uma festa! — Stella exasperou.

— Mas você eu sei que vai. E você, Bloom? — A níger olhou para ela.

Ir ou não ir? Eis a questão. Bloom refletiu um pouco.

— Ah, você tem que ir! Precisa conhecer a galera legal da escola! — Stella encorajou. — Você vai amar conhecer os meninos. Vai esquecer do seu ex rapidinho!

— Stella! — Aisha repreendeu.

— O quê?

Bloom não se ofendeu, apenas riu. Uma festa. Num novo lugar.

— Eu topo. — Bloom sorriu. Stella comemorou. — Que horas vai ser?

— Começa às 20h. — Aisha mostrou um panfleto pelo celular. Bloom leu as seguintes palavras em destaque: bebidas, amor e rock & roll.

— Rock?

— Ah, bem, os britânicos tem uma fissura por rock. Ainda teremos várias festas dessas por vir. — Aisha deu um sorrisinho.

— Ah! Eu não sei o que eu visto!

— Stella, você é uma Gabbana. — Aisha revirou os olhos. — Essa dúvida só vai durar por alguns–

— Já sei! Tenho o look perfeito em mente! — Bloom riu.

— Vocês são muito amigas, não são? — Ela observou a dinâmica harmônica das duas.

— É. Stella me acolheu super bem quando entrei no ano passado.

— Você tá no segundo ano?

— É. — Aisha deu de ombros. — Mas isso não importa. Bem, eu preciso ir, tenho treino agora. Vejo vocês mais tarde!

Aisha desfez o abraço com as meninas e correu pelos corredores. Recebeu uma repreensão de Griselda, e gritou um desculpas, sem diminuir a velocidade.

— Bem, e você? Sabe o que vai vestir hoje à noite? — Stella perguntou.

Bloom pensou um pouco. — Hm… Não sei. Pensei em ir assim mesmo.

— Nananinanão. Nem pensar! Nunca ouviu falar o ditado das primeiras impressões?

Bloom corou um pouco. Estava tão ruim assim?

— Você vai ver, Bloom. Vou fazer com que o queixo de todo mundo vá ao chão! — Stella abraçou seus ombros e a apertou contra ela, guiando-a de volta para o dormitório.


Notas Finais


Mais um capítulo! Não sei quando o próximo será lançado porque diferentemente das outras histórias, essa estou escrevendo e postando, não armazenando. Já fiquei surpresa quando vi a repercussão dessa em menos de 24 horas. Fico feliz que estejam gostando!

Muito obrigada por sua audiência, por sua paciência e por ser essa pessoa maravilhosa!

Beijos, GbMr ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...