História Hikaru-chan e o Segredo dos Ryus - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Akamaru, Boruto Uzumaki, Chouchou Akimichi, Chouji Akimichi, Choumei, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Guren, Gyuuki, Hanabi Hyuuga, Himawari Uzumaki, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Inojin Yamanaka, Isobu, Kakashi Hatake, Kankuro, Karui, Kiba Inuzuka, Killer Bee, Kurama (Kyuubi), Kurenai Yuuhi, Maito Gai, Matatabi, Metal Lee, Mirai Sarutobi, Naruto Uzumaki, Personagens Originais, Sai, Saiken, Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasuke Uchiha, Shikadai Nara, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Shizune, Shukaku, Son Gokuu, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju, Yamato, Yuukimaru
Tags Naruto, Ryu Clan
Visualizações 1
Palavras 3.594
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Romance e Novela, Shounen
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bem vindos de volta a mais um hehe
Voltei depois de um bom tempinho neh?
Bem, sem mais esperar, vamos seguir

Capítulo 5 - Friends and family


Fanfic / Fanfiction Hikaru-chan e o Segredo dos Ryus - Capítulo 5 - Friends and family

Akari e Hikaru estavam deitadas já havia alguns minutos, quando ouviram uma voz a distância

- Aí estão elas! - era a voz de Anika. Era a primeira vez que elas haviam saído completamente do campo de batalha.

Hikaru levantou um pouco a cabeça, e percebeu que Anika estava acompanhada de Hiro e Kirin, dois jovens que também tinham habilidades Shinobi e que viviam naquela vila também, filhos de dois ex-shinobi, assim como Akari. Eram grandes amigos da menina.

- Kirin-chan! Hiro! - disse Hikaru se impressionando com a presença dos amigos - não estavam viajando? Estavam em Kirigakure não?

- Voltamos hoje de manhã! - disse Kirin enquanto ambos se aproximavam. Akari se levantou, cumprimentou os dois rapidamente e logo foi de encontro a sua amiga, que a chamava de canto.

Kirin é uma menina da idade de Hikaru, com olhos castanhos e cabelos negros, usualmente presos em dois coques pequenos nas laterais com o restante solto. Hiro por sua vez, era dois anos mais velho, de olhos castanhos e cabelos mais claros que os da irmã mais nova.

- Nosso pai pediu para trazer um envelope para Akari-san e o jeito mais fácil era encontrar você. Como não te encontramos, resolvemos vir até o campo de treino... - disse Hiro

- No meio da trilha, a gente viu vocês pulando pra cá, pareciam estar se divertindo - disse Kirin - então encontramos com a Anika no meio do caminho!

- E parece que foi tudo produtivo em... Sua mãe parecia acabada! - disse Hiro rindo

- Hikaru, você realmente ficou forte enquanto estávamos fora não é? - riu Kirin enquanto se aproximava - você sempre foi a mais desligada, mas parece que algo mudou...

- Kirin, não seja assim, Hikaru não era desligada - disse Hiro dando um leve tapinha na cabeça da irmã - Hikaru-chan apenas era a única de nós três que sabia fazer a meditação - completou rindo, esticando sua mão para ajudar Hikaru a se levantar

- Hikaru, vamos lá, quero que me conte sobre seu treino, tudo o que fez enquanto estávamos fora! - disse Kirin, enquanto Hikaru aceitava a ajuda de Hiro

- Pode ser algo longo hehe - disse Hikaru aceitando a ajuda para se levantar

Quando a menina ia começar a falar, Anika os chamou para comer as iguarias que ela tinha. Estenderam um lindo pano de picnic vermelho sobre a grama, e passaram a contar suas aventuras individuais durante o tempo que os três amigos estavam longe um do outro.

A batalha mais os treinos pesados que a menina veio fazendo desde a manhã fizeram com quer ela se sentisse extremamente cansada, mas por sua cabeça ainda estar a mil, ela não conseguia sentir seus músculos relaxando.

Percebendo o quanto a amiga parecia desconfortável, Hiro e Kirin trataram de ajudá-la, fazendo algo que a menina adorava, pentear seus cabelos. Exatamente. Hikaru costumava relaxar com muita facilidade quando alguém de sua confiança penteada seus cabelos. Afinal, a menina sentia o mesmo amor que sua mão quando a questão era seus fios vermelhos. 

Os dois sentaram ao lado de Hikaru e passaram a mexer em seus cabelos, marca registrada de uma descendência dos Uzumaki, juntamente dos Tatsushiro. Enquanto Kirin mexia com flores, colocando-as nos cabelos de Hikaru e comemorando ao concluir uma coroa de flores, Hiro se encarregou de escovar os cabelos de Hikaru, enquanto ambos continuavam a conversar sobre Kirigakure e o treinamento de Hikaru. As conversas e risadas aos poucos fizeram Hikaru relaxar, fazendo todo seu cansaço chegar a tona enquanto sol poente indicava que já era hora de voltar pra casa.

Foi o que todos fizeram, voltaram para suas casas. Depois de um banho, Akari explicou para sua filha que como o treino daquele dia havia sido pesado, a menina poderia dormir até mais tarde, e que depois poderia praticar os jutsus que a mãe ensinaria.

Apesar de ter se recusado a acordar tarde na manhã seguinte, Hikaru acabou acordando extremamente tarde, de modo que já estava quase na hora do almoço. Seguiu sua rotina a partir daí, indo até a mãe, almoçando com ela e depois de passar um tempo com os amigos no campo de treino, sua mãe apareceu para lhe ensinar seus próximos truques. Começando com o mais difícil, o jutsu de Transferência avançada. 

Passando primeiramente pela parte teórica, Hikaru aprendeu a desenhar os selos de forma correta e com a caligrafia perfeita. Num pergaminho selou traços perfeitos do seu Chakra e DNA, e num selo de transferência selou apenas seu Chakra, que reagiu com o pergaminho que continha ambos Chakra e DNA, bastava agora adicionar seu DNA no selo de transferência e por fim mais um pouco de Chakra moldado com selos de mão numa sequência parecida com a do jutsu de invocação. Quando ambos estavam desenhados de forma correta, a menina percebeu que os selos de transferência passavam a reagir de forma mais concreta e correta, então com selos prontos, começou a praticar seu Chakra. Afinal, qua do do seu Chakra era necessário para enviar algo pelo jutsu de espaço-tempo? Isso era algo que apenas ela poderia descobrir. Infundiu seu Chakra e o lançou no selo de transferência diversas vezes, até finalmente descobrir seu truque para dar certo.

Tentou novamente, várias vezes, com objetos de diferentes tamanhos. Seu desafio principal seria enviar um ser vivo por aqueles selos, mas isso ficaria para outro dia, afinal, haviam outras coisas que demandavam a atenção da menina naquele dia.

Como o jutsu de transformação do clã tatsushiro por exemplo. Se transformar em algo exigia um conhecimento mínimo daquilo em que se transformaria. A menina já tinha vários conhecimentos de animais e objetos diferentes que lhe permitiam uma transformação interessante, mas além de transformar a si mesma, a menina também tinha seu desafio individual de transformar terceiros. Transformar objetos por exemplo, era algo mais complicado, mas seria uma habilidade incrivelmente útil se ela a dominasse. E foi sobre isso que a menina passou a meditar.

Apesar de querer ajudar, Akari naquele momento não poderia fazer nada, já que a menina era quem deveria descobrir no meio de seu treino, então a mesma ajudava no treinamento de Hiro e Kirin, que estavam ali a um tempo, com suas respectivas naturezas de Chakra. Sendo assim, todos tinham suas respectivas tarefas, e mais um dia havia se passado sem pesar.

A partir daí, uma semana se passou quase que do mesmo jeito. Hikaru passava o dia com os amigos enquanto treinava, alguns fins de tarde treinava com a mãe. Em pouquíssimo tempo, sentiu seu Chakra de natureza ser muito fácil de usar, logo já tinha em mãos mais alguns jutsus de liberação de vento, o Futon: Reppushou (Sopro do Vendaval), que lhe dava uma vantagem, além de ter desenvolvido seus movimentos de Taijutsu sendo que se encaixam com seu chakra, podendo usar seu Chakra cortante em suas palmadas e chutes.

- Você tem que aprender esse jutsu!! - Kirin praticamente gritava nos ouvidos da amiga, enquanto pulava ao seu lado

- Apesar da minha irmãzinha estar expressando isso de uma maneira muito estridente - falou Hiro enquanto tentava confortar seus tímpanos agora doloridos por culpa da irmã - Fuuton : Toppa no Jutsu (Técnica do tufão de vento) é uma técnica de rank C, onde você suprime o vento em uma esfera, e que quando atinge o alvo causa uma explosão. Seria uma ótima jogada, além do seu Kaze Shuriken, Hikaru...

Os três estavam andando até a biblioteca, onde encontrariam algumas informações sobre o tal jutsu. Os amigos de Hikaru chegaram para a menina hoje de manhã com essa novidade sobre o Fuuton: Toppa no Jutsu, um movimento que seu pai lhes mostrou e que eles sabiam que deveriam mostrar para sua amiga.

Não demorou muito para encontrarem o local, dando de cara com Hajime e Daiki, a bibliotecária e seu gato ninja.

Em meio a inúmeros livros sobre jutsus, alguns continham várias informações sobre o jutsu. Ele era algo variável, que poderia partir de ar suprimido em uma esfera que depois eclode, ou apenas uma explosão de vento propriamente dita, e a imagem do jutsu suprimido fazia Hikaru se impressionar. Ela queria saber aquele jutsu, mas sabia que seria difícil suprimir todo o vento numa potência tão alta.

- Isso vai ser completamente diferente de tudo que eu já fiz... - disse Hikaru se imaginando fazendo o jutsu

- Claro que não, os princípios devem se parecidos com como você suprime o seu Chakra com o Punho Gentil, né? - perguntou Kirin

- O princípio talvez, mas nesse ela precisa fazer o Chakra ficar suprimido no exterior... - disse Hiro

- Mas eu vou conseguir! - disse Hikaru se levantando da cadeira onde estava - vamos lá, se eu quiser conseguir esse jutsu, vou precisar treinar...

- e nós vamos te ajudar. - disse Hiro repetindo o movimento

- Sim! - respondeu Kirin

Depois de reorganizar os livros que usaram, os três saíram em disparada para o campo de treinamento. Passando pela cidade por cima dos telhados, atraindo alguns olhares curiosos.

Foi quando passavam pela rua do comércios que Hikaru teve uma sensação entranha, algo que lhe fez parar de correr e olhar para as pessoas que estavam ali... O que era aquela sensação... Parecia um pequeno formigamento brincando com seus sentidos.

- Hikaru! Por que parou? - disse Kirin parando mais meio afastada da amiga, fazendo com que Hiro parasse também...

- Essa sensação... - disse Hikaru enquanto seus amigos se aproximavam - parece... Chakra, um Chakra que está sendo suprimido bem próximo daqui...

- estão tentando esconder o Chakra? - falou Hiro

- Mas porque? - falou Kirin

- Intensão maligna... - respondeu Hikaru, causando o espanto e curiosidade dos amigos - tem alguém suprimindo um Chakra de intensão maligna, um Chakra pronto para causar uma alucinação no inimigo...

- Uma habilidade de genjutsu... A mamãe falou sobre isso - disse Kirin - quando a intensão do inimigo fluida pelo Chakra avança contra o inimigo, dando alucinações com a sensação de morte...

- Nunca vi algo assim, apesar de já ter lido sobre isso nos princípios de genjutsu... - disse Hiro

- Tem algum viajante lá embaixo procurando por alguém... - disse Hikaru se ajoelhando próximo do parapeito do telhado, procurando observar mais atentamente as pessoas - não sei de onde vem... Mas faz o ar ficar mais pesado... - completou enquanto agarrava sua blusa bem na parte onde se encontrava o seu coração 

- Estou começando a sentir também... - disse Hiro, que estava de olhos fechados tentando sentir o seu redor - e começo a achar que devemos dar o fora daqui e procurar ajuda...

- Okaa-san deve estar por perto - falou Hikaru

- Vamos procurá-la - disse Kirin começando a avançar em direção ao trabalho de Akari, os outros dois logo a seguiram, indo na mesma direção.

Hikaru era a mais habilidosa dos três em quesito sensorial, Kirin parecia ter habilidades em genjutsu enquanto Hiro era habilidoso com vários tipos de Ninjutsu, mas havia uma sensação lá no meio que fazia Hikaru duvidar das suas habilidades. As pontas de sua orelha pareciam formigar de modo incomum, assim como a base de seus chifres, uma sensação que não se lembrava de ter sentindo em lugar algum.

Antes mesmo do trio chegar ao restaurante, a voz de Akari chamou-lhes a atenção. Parecia que ela também procurava por eles.

- Okaa-san! - disse Hikaru indo de encontro a mãe - Nós sentimos algo de estranho na multidão e

- Hiro, Kirin, voltem para casa e falem com seus pais. Eu tenho que falar com a Hikaru sobre algo importante - disse Akari cortando a fala de de sua filha, e logo depois a puxando pela mão em direção a saída mais próxima da cidade. Após se despedir rapidamente dos amigos, a menina seguiu a mãe, ainda confusa.

Quando alcançaram a floresta, Akari finalmente começou a falar.

- Pelo que vejo você já percebeu que tem pessoas estranhas na cidade, não é? - disse Akari

- Sim... Pude sentir algo como um tipo de intenção maligna na área dos comércios...

- Hikaru recentemente, acho que cometi algum erro na nossa segurança... Devo te explicar - disse Akari voltando a caminhar, dessa vez em direção a uma clareira no meio da mata - eu sei que você sabe que, tem pessoas que perseguem as pessoas do nosso clã misterioso por um motivo mais misterioso ainda... Eu e você vivemos nesse lugar por proteção, vivemos longe então fomos protegidas por essa distância, além de informações de pessoas que me ajudavam a despistar qualquer inimigo que estivesse próximo.

- você já comentou comigo algumas coisas sobre essas pessoas... Poucas coisas, mas comentou que haviam espiões no meio deles... Que era por isso que se comunicava com o vovô e a vovó por cartas, assim como com meu tio...

- Exato - disse Akari - Mas acabei me descuidando nesses últimos tempos. Eu estava tentando resolver nossa mudança para aquela casinha próxima da onde seus amigos vão se mudar, um lugar próximo de Konoha. Queria que vivêssemos lá, de modo que você pudesse entrar em Konoha, mas a burocracia me pegou de jeito, e eu acabei me descuidando... É possível que nossa posição tenha sido revelada de algum modo...

- esse grupo pode nos encontrar... Então o Chakra que eu senti na cidade..?

- Não sei se estão aqui por nós, mas é certo de que fazem parte desse grupo que caçam os nossos. E estão com algo que nos pertence...- disse Akari, causando a confusão de Hikaru - esses caras vieram até aqui para matar dois coelhos em uma cajadada. Acredito que além de estarem nos procurando, estão a procura de algo que pertenceu aos nossos antepassados, algo que eles roubaram a muito tempo. - continuou com um tom de voz firme e calmo - Aparentemente eles acreditavam que tal coisa não tinha valor, e venderam para um colecionador mas agora o querem de volta, pelo menos foi o que meu pai me contou por suas cartas...

- As cartas mais recentes do vovô?... Continuaram investigando o passado do nosso clã então... mas se eles acreditavam que não tinha valor, por que o querem de volta? - perguntou Hikaru confusa

- Se o querem é porque tem algo de errado... E é isso que eu e seu tio vamos descobrir

- É o que?! - disse Hikaru perplexa

- Seu tio, Kuroma está vindo me ajudar. Nós dois vamos descobrir o que está havendo... - respondeu Akari - Ele fez várias​ descobertas sobre esse inimigo do nosso clã querida, fez missões de espionagem e graças a ele... E um outro espião... Que sabemos sobre esse tal tesouro, também é graças às informações dele que consegui te manter segura por tanto tempo.

- Mãe...

- Tem noção do quão importante isso vai ser querida? - perguntou Akari se virando para encarar a menina - por favor, tente entender. Se querem esse tesouro dos nossos antepassados, ele pode ser uma chave que conecta todos os pedaços separados das nossas investigações. Podemos finalmente descobrir o porquê de tanto ódio acumulado por eles para com as pessoas iguais a nós, entender porque não nos consideram como seres humanos, mas como aberrações que merecem a morte. Foi graças ao tempo que seu tio e uma outra pessoa gastaram se infiltrando no campo inimigo que eu pude te manter segura, mas está na hora de agir. Eles estão dispostos a encontrar reações de Chakra para com pessoas do nosso clã, eu também senti essa sensação de formigamento, Hikaru... Mas eu não quero mais me esconder, está na hora de descobrir quem somos e parte do que foram nossos antecessores, está na hora de descobrir nosso lugar e proteger os nossos junto a pessoas como seu tio que estão se arriscando no meio deles... 

Hikaru hesitou em seus pensamentos, permanecendo quieta. Ela sabia um pouco da situação daqueles que eram iguais a ela. Aparentemente, ela e sua mãe apenas viveram tão bem até o momento porque estavam sendo protegidas a distância por pessoas que a menina sequer conhecia.

Haviam várias outras pessoas lá fora mas... Será que elas também recebiam essa ajuda? Será que estavam sofrendo todos os dias com aquilo que Hikaru sofreu em apenas um dia traumatizante de sua vida? Aquele dia em que conheceu os ninjas de Konoha...

Pessoas como aquele homem que quase as mataram naquele dia estavam perseguindo outros inocentes, tudo por conta de suas diferenças, ou será que havia algo a mais?...

- Tem algo a mais sobre a história do nosso clã... Não tem? - disse a menina para sua mãe

- De acordo com o que estamos descobrindo recentemente, sim... Muito mais... - Respondeu Akari - E encontrar essas respostas, esses pedaços perdidos podem nos mostrar como salvar outras pessoas do mesmo jeito que nós fomos salvar por anos querida... Podem mostrar o motivo... Tem que ter um motivo para todo esse ódio retido no meio desse grupo que quer a extinção do nosso misterioso clã...

- Então encontre-o Okaa-san, esse tesouro... eu quero saber sobre ele também - disse Hikaru determinada - e no final disso tudo, quero ajudar a encontrar todas as peças do quebra cabeça que é a história do nosso clã! 

Sorrindo, Akari se virou para a raiz de uma árvore, de onde tirou um pacote bem embalado

- Pegue isso. É primavera mas sei que tem uma frente fria chegando, e não​ quero ter que me preocupar com você - disse Akari entregando o pacote à menina. Abrindo o pacote, havia um cachecol feito a mão, não muito grosso nem muito fino, perfeito para vários tipos de climas - Eu que fiz ele! - disse orgulhosa de seu trabalho

- É muito bonito... - disse a menina passando a mão no tecido vermelho, impressionada com a nova habilidade da mãe - Muito bem então. Façamos um trato mãe!

- Um trato?

- Você vai pra sua missão, descobre tudo que puder. Enquanto isso, eu vou dar o meu melhor no meu mais novo treino, para chegar num jutsu incrível! Quando você voltar, ambas teremos que mostrar nossos resultados! - disse Hikaru com uma determinação que parecia arder dentro de seus olhos

- ... Isso é... - divagou Akari por um momento enquanto se lembrava de algo - Trato feito - disse Akari apertando a mão da filha, enquanto voltava rapidamente para a realidade - Hikaru. Só mais uma coisa... Até o momento em que eu voltar para casa, não quero que vá a cidade. Como já disse antes, pode ser que estejam atrás de nós também, não só o tesouro... Prometa que não vai até​ a cidade, a não ser em casos de extrema emergência! Eu não estarei aqui, então preciso que você esteja a salvo querida...

Hikaru olhou para sua mãe com compreensão no olhar - eu entendo, prometo que vou ficar na floresta - disse a menina que com calma enrolava o cachecol no pescoço. Além de vermelho, o pano era extremamente longo...

Akari sorriu mais aliviada, apesar de seu coração ficar mais apertado a cada minuto que pensava em ficar tão longe de Hikaru com o perigo a solta.

Juntas, elas voltaram para sua casa. Hikaru ajudou sua mãe a terminar as preparações para a saída junto ao seu tio, enquanto Akari dava suas mil e uma recomendações para a segurança da menina.

Kuroma, o tio de Hikaru chegou no início da noite. Foi pouco tempo, mas Hikaru adorou ver o tio mais uma vez.

- Por Kami! Olha só o quanto cresceu em tão pouco tempo! - disse Kuroma recebendo um grande abraço de urso da sobrinha

Kuroma era um ninja incrível na percepção de Hikaru. Tinha cabelos acinzentados, olhos vermelhos como os da sua irmãzinha e sua sobrinha, além dos chifres e marcas faciais verdes.

Um alguém que nunca se contentou com o silêncio sofrido daqueles do seu clã que não tinham proteção, por conta disso, ficou reconhecido pela família com suas habilidades na espionagem do inimigo. Ele junto ao avô de Hikaru e outras pessoas que eles sismavam em não dizer o nome para a menina, dando desculpas como "é um segredo de missão" descobriram inúmeras coisas, enquanto Akari se contentava em criar sua filha longe de tudo, afinal, desde que a menina tinha seus 3 anos (de acordo com sua família) ela é Akari se mudaram para uma ilha na Nação da Água, para se proteger do resto. Mas esse era o equilíbrio dessa família, sempre tendo essas pessoas para quem cada um deles deveria voltar, a motivação para continuar o trabalho difícil de um espião.

- Eu não apenas cresci sabe? Fique bem mais forte também - respondeu a menina se desfazendo do abraço com um olhar meio esnobe

- Oh, é mesmo? - Perguntou Kuroma, em um tom provocativo. Em resposta a provocação do tio, a menina concentrou seu Chakra de vento na palma direita, e com facilidade o liberou na frente do tio. Kuroma sentiu o Chakra de vento com facilidade, e o modo como Hikaru havia feito aquilo com tal facilidade o impressionou

- Legal, não é? - disse Hikaru

- Com certeza Hikaru! - respondeu Kuroma orgulhoso - eu demorei muuuuito tempo para dominar a minha natureza, e você já a dominou! Me diz, quais jutsus você já sabe?

- Suiran reppu, Kaze Shuriken, Reppuushou e vou aprender um novo logo mais!

- Oi, vocês dois! - a voz de Akari chamou a atenção dos dois que ainda estavam na porta da casa - O jantar está pronto!

Ouvindo o anúncio, os dois entraram na casa, seguindo o cheiro maravilhoso da sua refeição. E enquanto comiam, a única coisa em que Hikaru conseguia pensar, era em aproveitar ao máximo a presença do seu tio, já que eles dois partir depois do período de trabalho de Akari, o que significa, depois do almoço...

Seu coração apenas desejava por segurança e sucesso para essa missão.


Notas Finais


Simsim
Demorou mas voltou.
Pra quem quiser ver a imagem de capa por completo, aqui está um link meu hehe

https://www.instagram.com/p/BmPa3q9HpI5/?utm_source=ig_share_sheet&igshid=1alkzdmwkhe8h

Até o próximo dattebayo!
Fui


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...