História Him - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Gguktae, Ggukv, Kooktae, Kookv, Taegguk, Taekook, Vgguk, Vkook
Visualizações 130
Palavras 4.174
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Obrigada pelos favoritos e comentários, incentiva de mais a minha pessoinha aqui e me deixa cheia de amor, aaah ^-^

Boa leitura ❤

Capítulo 2 - Him I - Pensamentos Igualados


O Juleo, pai do Jeongguk, estava sentado no banco que fica na ponta do meio na mesa de jantar, que no momento, estava sendo usada para tomar café. Porém, não por todas as pessoas da casa. No momento só por ele e Jeongguk, já que os ômegas revelantes da casa estavam dormindo, visto que os classificados ômegas, são cientificamente, mais preguiçosos. 

 O clima estava tenso e qualquer um podia ver a aura negra que estava em volta do alfa mais novo, de puro ódio. Juleo se encontrava mais neutro, quem sabe, rindo até às custas do filho. Coitado, pensa que se livrará dos assuntos da família... não mesmo. Juleo abriu mão de muita coisa para estar onde está, e não só ele, a família Jeon também. 

Se o teu filho mais novo pensa que a vida é só um mar de rosas, está enganadíssimo, a vida dos ABOs também é baseada na honra, que no momento, Jeon não tinha nem um pingo. 

 Estava fazendo todo um auê apenas porque irá ter de se casar com a Sther... pivete, teu pai queria que fosse apenas isso no tempo dele que resolveria as coisas: casamento arranjado. Ok, dinheiro não é tudo. Mas se você quer se manter com uma vida consideravelmente boa e afins, têm de no mínimo, ser rico. Claro, nas concepções do alfa mais velho... mente fechada. Não fala disso da geração atual, e sim, também pensando nas próximas que virão. 

Jeongguk pode fazer a cena que for, de qualquer forma, está decidido. Não vai mudar porque ele quer... Juleo não o dará o gostinho fácil, que ele não teve. 

 Ignorante? Sim, mas necessário. 

 — Sabe que ficar com essa carranca no lugar do rosto, não vai adiantar nada, não é? – perguntou, olhando divertido para teu filho. Recebendo apenas um olhar de puro tédio e rancor. 

 — Realmente, expressões faciais pouco importam, o que vale aqui, é a atitude e decisão. A minha já está tomada, não sei porque viver nesse mundinho no qual você acha que pode me fazer mudar de idéia. 

 Dito isso, Jeongguk não quebrou o contato visual. Apenas o aprofundou mais. Olhando para teu pai, como se estivesse vendo sua alma. Com tal olhada, a mudança repentina de expressão do Juleo não passou despercebida pelo Jeon. De divertida, já que estava achando graça a irritação alheia, para séria. Pôde-se notar também, uma leve prensada de dentes que o Jeon mais velho deu diante de tais palavras. Ironicamente ou não, dando o ar da graça para o alfa mais novo. 

 — Eu sou teu pai, portanto, até você viver dentro dessa casa, sou eu quem dito as regras. E mesmo se não morasse, é questão de honra, meu filho. – continuou Juleo, fazendo Jeon suspirar audívelmente e revirar os olhos. — Jeongguk, você acha que tens tudo que tem hoje, por quê? Eu não nasci no bem-bom como você, ao menos não tanto assim. Tive que abrir mão de muita coisa, viver era uma delas, então não reclame de um simples casamento arranjado. 

 — Tanta pessoa no mundo e logo a família Jung, aquela vadia muito menos. Antes me casasse com o Hoseok, seria menos trágico. – falou, bebendo teu suco de uva fresco e gelado. Vendo o pai inspirar e respirar lentamente, sabia que o velho não tolera gay's, adora brincar com a paciência alheia. 

 — Não queira ver até onde a minha tolerância vai. 

Jeongguk riu. Ah, ele queria ver. É ruim sim brigar com teu pai de vez em quando, mas o velho têm tirado muito a sua paciência ultimamente, por quê não ser uma coisa recíproca? 

Abriu a boca para rebater o que o pai disse, mas o cheiro doce de morango invadiu suas narinas, o fazendo perder a fala e olhar brevemente na direção de onde o cheiro vinha... do teu lado. Olhou o ômega acastanhado em pé e permitiu sorrir levemente com isso. 

 Melhor companhia para o café, sim ou claro? 

 — Com licença, bom dia Jeon's. – curvou-se brevemente o ômega, ouvindo em resposta apenas as falas do Juleo, já que o filho apenas ficou o fitando, não lhes respondendo nada, deixando-lhe levemente confuso, mas apenas tratou-se de ignorar, sentando-se na mesa. — Juleo, Sunmi estava lhe chamando. 

— Oh, ela já acordo? 

 — Provavelmente, não é? – falou o Taehyung, rindo brevemente e gentil, pela pergunta um tanto que sem noção do alfa mais velho. Se a Sunmi estava o chamando, dormindo que não era. 

 — Melhor eu ir ver o que ela quer... – falou o alfa, arrastado. Sua mulher estava o chamando e ele espera mentalmente que ela não o chamou de tanto tempo assim. Não queria ver a ômega já reclamando pela manhã de algo. — com licença meninos e, Jeongguk... nossa conversa ainda não acabou. 

 — Deveria, não vai levar à lugar algum. 

Juleo olhou para teu filho com um olhar mortal que até fez o Taehyung sentir um leve tremor, mas logo o mesmo continuou sua caminhada às escadas, ver o que a esposa queria logo. Jeongguk, claro, não se abalou ou ao menos, não deu-se ao papel de mostrar-se tal. Apenas continuou pegando algumas comidas da mesa e levá-las à sua boca, bebericando algo vez ou outra, fazendo o Kim acanhar-se um pouco. 

 — Cheguei em mal-hora, não foi? – questionou o Kim, com uma expressão tímida. 

 — Quê? – riu o Jeon, negando com a cabeça e comendo um pouco de pão-de-mel. — você chegou em ótima hora, alguém precisava tapar a minha boca ou a dele, se não iríamos amanhecer como os dias que estão se tornando cada vez mais repetitivos aqui nessa casa. 

 — Mas, por que vocês estão nessa discussão? Ainda por causa do teu casamento? – perguntou, incerto. Talvez esteja se metendo onde não foi chamado, mas sua curiosidade falou mais alto e a pergunta já havia sido feita, de qualquer forma. 

— Sim, ainda acham que vou me casar com aquela vagabunda de quinta. 

 — Ela não me parece uma má pessoa, Jeon. – confessou, o que de fato achava. 

 — A Sther, uma pessoa boa? – questionou o Jeon, olhando fixamente para os olhos amendoados que o olhavam um tanto que acanhados, recebendo um assentir tímido do ômega. Fazendo Jeon estalar a língua em negação e torcer levemente a cabeça para o lado, uma mania sua. — não diga o que não sabe, Taehyung. 

Taehyung apenas engoliu seco e deu atenção à o teu café da manhã da mesa, colocando uma breve quantidade de suco num copo e pegando alguns pedaços de bolos e torradas... instalou-se um silêncio no ambiente, desconfortável para o ômega. 

 Dava para ver o desgosto no olhar do Jeon ao falar da ômega, mas, por quê? Se o assunto estava estressando o alfa, o que ele menos poderia fazer, fez. Que no caso, foi continuar com o assunto, ficou um tanto sem graça, mas tratou de parar com essa paranóia sua. Talvez o Jeon de fato não se estressou contigo, apenas... falou aquilo por falar, sem a intenção de parecer grosso, Taehyung sugere. Então tratou logo de mudar de assunto, mas nada vinha na sua mente, algo interessante, mas Jeon quebrou o silêncio, acho que percebera que o mais novo estava desconfortável. 

 — Sabe o que vai fazer de aniversário? – questionou o alfa, olhando um tanto que docemente para o ômega, vendo o mesmo sorrir brevemente. 

 — Estava pensando em... não sei, dormir. Aniversários não são para comemorar, eu estou ficando velho... tipo, perto da morte. Quem comemora algo assim? – questionou, arrancando breve risadas do alfa, mas nada exagerado. 

 — Com 16 anos, não é muito cedo para se preocupar com isso, não? – perguntou, olhando para o mais novo com a sobrancelha arqueada, divertido. 

 — Talvez... – respondeu, ponderando sua cabeça para o lado e comendo uma torrada. — você já tem 21 anos, não é? 

 — Infelizmente. – disse, fingindo-se cabisbaixo. 

 — Como se sente atraído por alguém que ainda cheira à leite?

Taehyung olhou sorrateiro para o alfa, Jeon devolveu o olhar na mesma intensidade. Franziu levemente a testa, fingindo-se do desentendido com a pergunta proferida, enquanto ria de lado, perverso. Tombou sua cabeça de leve, encarando o ômega pequeno, vendo o mesmo rir levemente. 

 — Um pedófilo. 

 — Imagina você em festa de criança, que horror. – falou, vendo o mais velho revirar os olhos e rir de lado. — por que eu não levo isso à sério? 

 Questionou para Jeongguk, mas na real era para ele próprio. Não sabe muito do assunto pedofilia, mas o Jeon é um tanto que velho... para ele. Não sabe também se é certo ou errado, se eles fizessem coisas... "coisas", que nunca serão feitas, só para deixar claro. Apenas pensando na hipótese, mas o pior disso, é que ele não consegue levar à sério esse assunto ou o Jeongguk. 

— Taehyung, você sabe muito bem que eu não sou nenhum pedófilo, até porque só você me interessa. – disse, vendo o ômega olhar-te e arquear uma das sobrancelhas, divertido. — e você sabe bem o certo e o errado. Não é pedofilia quando um adolescente de 16 anos sabe muito bem o que está fazendo. Muito menos quando ele quer. 

 — O que quer dizer com isso? Ainda continua sendo um pedófilo. Jeongguk riu breve.

"Muito menos quando ele quer"; "Ainda continua sendo um pedófilo", fala sério... ele não quer Jeongguk? Conta outra Taehyung, ninguém resiste à ele. 

 — Ainda não avancei o sinal. 

 — Mas sei que vai e quer. 

— Esperto. 

 Taehyung riu da ousadia do alfa sem ao menos tentar negar alguma coisa, apenas afirma. E fala com uma expressão tão serena, como se fosse realmente ter o que ele quer. Que é Taehyung na sua cama, coitado. Ok, todos nós sabemos de que o Jeongguk é um puta alfa, um puta homem. Mas Taehyung não é uma pessoa qualquer e nunca vai ser. 

As melhores descobertas tem os piores desafios, não? É mais interessante. 

 — Convencido. 

 ~°❤°~ 

 Taehyung se encontrava em puro tédio e melancolia. Com seus fones e ouvindo as piores músicas para se ouvir quando já está na famosa e bem conhecida: bad. 

 Estava lavando alguns pratos, já que não tinta nada de melhor para fazer durante o dia todo. Juleo e a Sunmi haviam recebido um amigo e o filho do mesmo que Taehyung não se dá ao trabalho de saber o nome de ambos. Como não gosta de atrapalhar os proprietários da casa em situações assim, evitava ao máximo passar entre eles, para não atrapalhar a conversação. 

Estava ouvindo Sia, especificamente a música "Big Girls Cry", música melancólica? Sim, mas quando se estar no tédio, as pessoas tentam sair dela, ao contrário do ômega. Meio que masoquista, sim, quer é entrar mais na chatice e existência alheia. Por que? Porquê quer, ele é estranho. 

 Estava balançando a cabeça no ritmo da música, quando sentiu o cheiro muito bem conhecido por si adentrar o ambiente, ouvindo teu nome sendo proferido logo depois. Bufou audivelmente ao ter que tirar teu fone de ouvido para responder o alfa, odeia também ser atrapalhado em suas ações e coisas em tal. 

 — O quê? – questionou, virando para trás enquanto enxugava sua mão numa toalha perto da pia. 

 — Oi pra você também, Kim educado Taehyung. – respondeu o outro, rindo breve, olhando sorrateiro para o ômega. 

 — O que você quer, hein Yoongi? 

 — Sair e queria levar você, oras. Fica trancado aqui nessa casa o tempo inteiro. – respondeu o segurança, olhando sério para o ômega. Vendo o mesmo franzir levemente a testa, achando estranho o convite alheio. – o que tem de mais nisso? 

 — Yoongi, eu mal te conheço. Você entrou aqui tem três semanas... – respondeu, vendo o loiro olhar-te confuso e talvez, só talvez, ofendido. 

 — Não é como se eu fosse vender teus órgãos, criança. – disse, vendo o Kim rir de lado. 

 — Ok, ok. Você não me parece uma má pessoa. 

 — Isso é um sim? – questionou o mais velho, rindo de lado e olhando para o ômega com uma sobrancelha arqueada. 

 — Isso é 'um vou pensar'. 

 — Queria te levar para beber alguma coisa, mas você é de menor e pior, não entra em boates... – olhou brevemente para o castanho, vendo o mesmo dar de ombros. Não se importando muito para o lugar que o alfa pretende levá-lo, contando que saia desta casa, ao menos um pouco, ótimo. — acho que já sei onde vou te levar...

— Que seja... – deu de ombros, rindo amarelo e dando a volta na cozinha, para sair, Yoongi ficou parado o olhando. — depois nos falamos, vou para o meu quarto. 

 — Até mais, brownzinho. 

 Riu de leve pelo apelido idiota do mais velho. 

Sente-se um pouco deslocado pelas amizades que tem, o único que chega perto da sua idade é o Jimin, que tem 17 anos. O restante são todos mais velhos, e agora, está criando uma possível amizade com o loiro, que tem 20... é, definitivamente ele precisa sair mais. 

 Conhecer novas pessoas. 

Ao sair da cozinha, passou pela sala de jantar que dá acesso à sala e logo, o centro das atenções passou a ser ele. Todos presentes fitaram o castanho, o fazendo corar brevemente por tantos olhos o olhando dessa maneira. Desviou logo a sua atenção das pessoas presentes, coisa que não adiantou muito, visto que a ômega da casa, Sunmi, abriu a boca. Taehyung sabia o que vinha dali, rezou brevemente para a moça não fazer o que ele estava pensando. 

 — Taehyungie... – chamou-lhe a moça, fazendo Taehyung parar a caminhada e ficar congelado, virando para o lado no qual foi chamado, sorrindo forçado. — venha aqui conhecer a família Kim. 

 É, ela fez.

Taehyung suspirou fraco e caminhou até as pessoas presentes, um tanto que aflito. 

— Com licença... 

 — Kim's esse daqui é o Taehyung, Kim Taehyung, é um membro da família, digamos assim... – disse sorrindo e pegando na mão do ômega, vendo o mesmo olhar-te profundo. Querendo sair dali, fazendo-a rir mais. — Taehy, esses são Kim Yoro e Kim Namjoon. 

 — Prazer em conhecê-los. – disse, curvando-se breve. Recebendo um olhar divertido de ambas pessoas recém-apresentadas. 

 — O prazer é nosso. – respondeu o alfa mais velho, rindo gentil. Sendo copiado pelo filho logo em seguida. 

 — Eu queria mostrar para vocês o quanto meu outro filho cresceu, mas eu acho que ele não voltará por agora. – disse a ômega, fazendo Taehyung rir brevemente e fraco, passando despercebido pelas pessoas ali. 

 "Meu outro filho", definitivamente Sunmi é a sua mãe em carne e osso.

 — Jeongguk? – perguntou Namjoon, um tanto que fazendo pouco caso. Sinceramente, está pouco se fodendo para como o Jeon está agora. Por ele, que Jeongguk morra, não irá fazer diferença. 

 — Sim... – respondeu a ômega acanhada, percebendo o tom tedioso do Kim alfa ao pronunciar o nome do seu filho. 

 — Hum... entendo. – falou Namjoon, dando de ombros. 

 Ficou um silêncio deconfortávelmente chato e todos ali se olharam. Fazendo o Kim se achar um tanto que ridículo, sim, havia atrapalhado o encontro de amigos. Mesmo que não fosse culpa dele.

— Bem, foi bom conhecer vocês. – riu docemente, curvando-se e dando alguns passos para trás, à fim de sair logo dali, às pressas. — Sunmi, qualquer coisa estou no quarto. 

 — Ok, Taehy. 

A ômega riu para si e logo ele deu às costas, finalmente saindo dali e indo em direção à escada. Um cheiro forte se fez presente, vindo do andar de cima, cheiro de alfa... franziu o cenho, mas ignorou. Possivelmente é o Jeongguk e havia também um cheiro de ômega, e estavam ambos misturados. Os cheiros dos ômega e alfas se juntam, quando eles estão tendo relações sexuais, então Jeongguk estava no andar de cima, transando com algum ou alguma ômega. 

 Riu, nem sabe qual foi o momento que Jeongguk voltou, muito menos quando essa, ou esse, ômega entrou junto à ele. Mas deu de ombros, andando em direção ao teu quarto. Que por coincidência, ou não, ficava à dois quartos depois do quarto do alfa citado. 

Quando passou pelo mesmo, o cheiro de sexo estava impregnado na entrada daquela porta e os barulhos sexuais eram... bem audíveis. Fazendo o Kim suspirar pesadamente... é a terceira puta diferente que Jeon leva para casa essa semana, e o pior, ainda estão na quarta-feira... Jeon é mesmo um galinha. 

 Andentrou teu quarto, batendo de leve a porta, era para apenas fechar, mas fez um estrondo. Já que o Kim a empurrou, mas a janela do teu quarto estava aberta, que acabou causando todo esse barulho, havia ventania. Fazendo-o se encolher um pouco e fazer uma careta, não havia sido um fechar fraco. 

 Sem demoras, jogou-se na tua cama, com os braços abertos e com a face enfiada no travesseiro. Estava confortável. Meio desengonçado, mas confortável. E com essa pose estranha se de dormir, acabou cochilando. 

Não sabe por quanto tempo ficou deitado, mas acabou cochilando, não chegou nem à um hora, ou no máximo uma hora, nada mais que isso. Bem, de qualquer forma... ao tentar se mexer minutos depois na mesma pose, ambos ombros do mesmo doeu. Mas doeram muito, havia dormido de mal jeito. 

 — Aí que porra. 

Sentou-se na cama, passando a mão sobre o ombro e depois no outro. Dormir de braços abertos, nunca mais. Suspirou e se espreguiçou, levantando logo depois. 

Suas vistas de primeira, fizeram tudo à sua volta um borrão e sua pressão levemente baixou. Fazendo ele se agarrar à sua cadeira, próxima à mesa de estudos. Suspirou pela quinquagésima vez hoje e pôs-se à ficar em postura reta, à fim de sair logo daquele quarto e ir comer alguma coisa. 

Sua barriga estava vazia, visto que não tem fome no almoço, ou seja, só comeu de manhã, quando acordou e agora, pela tarde que veio a fome. Com tudo, aliás. 

Alcançou a porta e logo saiu pela mesma, virando-se para o lado da escada e quando sua visão lhes mostrou coisas à sua frente, revirou os olhos, claramente em tédio. 

Jeongguk estava se espreguiçando na porta do próprio quarto, só de calça, aparentemente, sem contar com a cueca box. Mostrando sua tatuagem de cobra no peitoral;ombro para quem quer que passasse ali na hora. 

Tsc, oferecido. 

 Taehyung nem olhou pro lado. Diferente do alfa, que, ao sentir seu cheirinho de morangos preferido, olhou na direção de onde vinha, vendo um ômega sonolento e com um ar mais infantil ainda, fazendo-o rir breve. Como se rir quando vê o Taehyung, não fosse algo automático. Passando por si, mas quando se deu conta que o mesmo estava indo em direção às escadas, o segurou pela cintura, puxando o corpo frágil para teu lado, assustando um pouco o mais novo. 

 — Aí, Jeongguk, que susto... você é sem-noção? – perguntou o mais novo, colocando a mão no abdômen bem feito do alfa, empurrando teu corpo um pouco mais para trás. Evitando muita aproximação.

 — Você pode fazer um favor pra mim? – questionou o alfa, ainda segurando a cintura fina do ômega, vendo o mesmo olhar-te sujestivo. 

 — Não? – falou, como se fosse óbvio. 

 — Ah, por favor. Eu estou com preguiça de ir lá em baixo. – falou, olhando doce e cansado para o ômega. 

 — E eu com isso? 

— Se você fazer eu te dou um beijo. – disse, fazendo o ômega olhar-te de cima à baixo, rindo de lado. 

 — Jeongguk, para você me beijar basta eu querer, não preciso fazer favor algum. – disse, vendo Jeon olhar para ele, levantando a sobrancelha, rindo amarelo e safado. — favor, que eu faço questão de não fazer. Agora me larga. 

 — É só um sanduíche que eu quero... 

 — Legal e eu também. Vou fazer pra mim, então... se você quiser, faça você o seu. – disse, soltando-se das mãos do alfa, que o olhava tedioso... como Taehyung era persistente. 

 — Você vai negar um pedido para teu alfa Taehyung? Que maldade e desonra. – disse divertido, fazendo o mais novo olhar-te, com as sobrancelhas franzidas. — ok, é sério. Eu estou realmente cansado. 

 — Lógico que está. 

Taehyug passou a mão pelas veias saltitantes dos braços de Jeon, fazendo uma trilha pelo enorme arranhão que tinha no mesmo, perto dos ombros. 

 — Perdeu suas energias transando... nada novo sob o sol. 

 — Isso é ciúme? – perguntou o alfa, rindo audível. Olhando desacreditado para o ômega, vendo o mesmo revirar os olhos e balançar a cabeça em negação. — não posso fazer nada, se aquela linda rebola bem pra caralho. 

 — Jeon, eu não estou nem aí pra saber com quem você transa ou deixa de transar. Sua vida sexual não me interessa... 

— Tá, foda-se. Ainda vai fazer meu sanduíche? 

 — Nunca falei que ia, agora tchau. 

O ômega virou de costas. Fazendo o alfa rir e fechar a porta atrás de si, ok, Taehyung é definitivamente chato. Logo caminhou para o lado do castanho, vendo o mesmo o olhar sujestivo. 

 — Você não cansa não? – perguntou, rindo de lado, olhando para frente logo depois. 

— Eu posso fazer nossa vitamina e você faz os sanduíches, que tal? – perguntou o alfa, olhando docemente para o ômega. 

 — Tá, tá. Pode ser. 

 Jeon riu breve e logo passou a mão pela cintura do mais novo, caminhando para trás do mesmo. Colando ambos corpos num abraço. Taehyung sentira um leve arrepio, mas ele sabia muito bem qual era a intenção do alfa ao fazer isso... não vai se mostrar abalado ou incomodado, vai pouco se importar com as atitudes do mesmo, ignorar Jeon, o irrita. E irritar o moreno, é o que o mais novo mais gosta de fazer. 

 — Você é muito marrento, mas sabia que você só estava fazendo manha. Sei que queria minha companhia. Tudo bem... também te amo. – disse o alfa, seguro de si com tais palavras, fazendo Taehyung rir audível. 

Taehyung sempre soube e sempre vai saber, que Jeon tem um interesse enorme por si... todos sabem. E também, o ômega não nega... Jeon tem um belo corpo, e sim, talvez interesse o mais novo em saber cada detalhe mais específico daquele corpo tão atraente, ainda não explorado por si, mas... ele não vai dar o gostinho para o Jeon, de transarem num dia e no outro não se falarem ou ao menos, fingir que não houve nada de mais na noite anterior. 

Queria ver Jeon diferente. 

Ele também não é cego ou idiota, sabe que é um ômega desejado e bonito, então vai fazer bom aproveito do seu corpo e não vai estregá-lo na mão de qualquer pessoa, ou se dá ao trabalho de ser qualquer pessoa;mais qualquer outra pessoa. 

 Queria ser diferente e vai... Taehyung talvez tenha sucesso no que planeja em mente, não é idiota. 

 Já Jeongguk... ah, o alfa quer fazer as coisas serem detalhadamente natural. Queria sim, prensar o ômega na parede daquela enorme casa e questionar o mais novo sobre teus desejos... mas irá fazer as coisas com cautela e paciência. 

Quando ele mal perceber, com certeza já vai estar entrando fundo no ômega e vendo o mesmo gemer teu nome. E Jeongguk não é de desistir fácil. Normalmente ele é decisivo e preciso, mas com Taehyung é diferente, e também, vai ser diferente. Age como se fossem amigos, mas aos poucos vai estar tocando cada nova parte do corpo do mesmo. Se fazendo de bobo... 

 "Eu estou te abraçando, mas amigos fazem isso." 

 "Eu estou comendo você, mas amigos também fazem isso." 

Acho que... deu para entender a estratégia dele. Ele não é tolo... talvez as coisas saem como ambos desejam, que querendo ou não, ambos tem o mesmo propósito: sexo. 

Mas há diferenças para chegarem finalmente no ato. 

Taehyug não quer ser uma puta qualquer do alfa e Jeongguk... Jeongguk quer apenas fodê-lo mesmo, não sabe o que pode acontecer depois disso. Apenas quer provar da calda daquele morango que tanto lhe prende e enfeitiça. 

Morangos normalmente são doces, e a calda pior ainda, parece açúcar. Mas... tudo depende da fruta, se ela é boa, vai dar bons caldos e nada mais ou menos. Mas se ela for ruim, vai dar caldo azedo e o gosto vai ser o pior de todos os quais você já provou na vida. 

Vai se destacar;ser diferente. 

 E era isso que o Taehyung queria, ser diferente. 

 Riu olhando com a sobrancelha arqueada à escada que estavam prestes à descer, ainda sentindo aqueles braços bem formados rodear tua cintura, era acolhedor e bom, mas nada nessa vida é fácil. Tirou brevemente as mãos do alfa de tua cintura, olhando sujestivo para o mesmo, enquanto o moreno lhe olhara da mesma forma e intensidade. Ambos pensando a "mesma coisa"... 

 — Você tem que parar de ser convencido assim, antes de receber um choque da realidade. – falou, mordendo levemente seu lábio inferior. Fazendo Jeon olhar de automático para a boca dele. 

 — E qual é? – questionou, voltando à olhar os olhos castanhos que o fitavam divertido, ainda com aquela maldita sobrancelha arqueada. Viu o castanho rir de lado, como se o moreno tivesse perguntando algum tipo de piada. 

— Não é óbvio? Eu.     


Notas Finais


Eu sei muito bem de que o capítulo não está como deveria, que no caso, é bom. Mas está até aceitável, vai, me dêem uma chance :3 sz

Gente, vocês não sabem o quão eu fico feliz lendo os comentários de vocês, tipo, pode ser até uma crítica, vai me ajudar de qualquer forma.
Então venho aqui pedir humildemente, que, por obséquio... vocês comentem qualquer coisa, sério, eu fico deveras animada e com certeza, feliz.

Desculpe a demora com o capítulo, rs.

Obrigada para quem leu até aqui e até o próximo capítulo cambada, beijos ❤❤😭

Ps: gente, em muitas fanfics que eu leio, Jeon tem a personalidade muito dura e fria, ainda mais em fanfics ABOs. O TaeTae é o qual mais sofre, visto que fica todo trouxiando atrás do Jeon, mas assim, eu gosto de diferenças, rsrsrs, ou seja... apenas troquem os papéis. E quero deixar claro que odeio personagem todo tolo e que chora por nada, ou seja, vão se acostumar com a relação deles assim... até porque, vai ser assim grande parte do início da fanfic, rsrsrsrs... só isso mesmo z.z


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...