História Him and I - Season I - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kai, Kim Taehyung (V), Lu Han, Sehun
Tags Baekhyun, Baekyeol, Bdsm, Bts, Chanbaek, Chanyeol, Exo, Hunhan, Jikook, Kai, Seulgi
Visualizações 75
Palavras 3.349
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Festa, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoal!!! Mais um capítulo <333333
Obrigada pelos Favs ChanBaekas <3333

Capítulo 3 - CAP 3: Saturday - Part: I


Fanfic / Fanfiction Him and I - Season I - Capítulo 3 - CAP 3: Saturday - Part: I

 

Luhan colocou a água na cafeteira e colocou alguns pães na torradeira. Arrumou a mesa e voltou pro quarto encontrando Baekhyun do mesmo jeito que tinha visto quando acordou. Encolhido, enrolado nas cobertas e dormindo. Sorriu contendo a vontade de morder as bochechas dele.

Quando viu Baekhyun pela primeira vez sabia que seriam melhores amigos. Luhan ficou cativado pelo jeitinho tímido dele. No início fora difícil conversar, já que e o baixinho preferia ficar na biblioteca na hora do intervalo, ou ficar na sala estudando. Entendia o lado dele de que precisava manter as notas altas pra não perder a bolsa. O chinês não ligava pra isso, já que seu pai fazia questão de pagar por cada centavo da mensalidade do colégio, só pra vê-lo longe.

Só que Baekhyun era retraído demais. Ele conversava muito pouco com todo mundo e quando conversava era apenas sobre algum trabalho que tinha que fazer em grupo.

Óbvio que o chinês mudou isso já no segundo mês do primeiro ano do ensino médio. Se convidava pra ir à casa do Byun, que não sabia recusar. Adorava a senhora Kim e no terceiro dia que tinha visitado ela, já tinha pegado intimidade o suficiente pra chamá-la de tia.

Baekhyun no início ficou com ciúmes da sua família, porque todos tratavam o chinês muito bem. Só que depois de um tempo finalmente entendeu que o amigo sentia-se confortável e acolhido, já que a sua estava longe e que não lhe davam muita atenção.

Não demorou muito e os dois se tornaram grandes amigos. Claro, com suas as diferenças. Luhan dizia o que pensava, não abaixava a cabeça pra ninguém e sempre estava com a autoestima lá nas alturas. Completamente oposto do Byun que era totalmente reservado. Aos poucos o chinês foi invadindo seu espaço. Obrigava Baekhyun a se arrumar pra ir pro colégio, sendo que ele não ligava muito pra isso. Ia pra escola para estudar e não para um evento. Só que não adiantava ir contra Luhan, porque ele tinha uma grande aliada. Sua própria mãe.

A senhora Kim e o amigo cuidavam da sua pele, cortavam e hidratavam seus cabelos como se ele fosse um boneco. Ficava irritado no começo com os puxões de cabelo, mas no final já estava rindo com os dois que eram pura comédia.

 

− Baekkie. – se aproximou do castanho que sequer se mexeu. – Baekhyun, acorda. O café tá pronto.

 

O menor não se mexeu, fazendo o chinês bufar alto. Vendo que não tinha jeito, já que o Byun demorava pra acordar, abriu os braços e se jogou sobre ele com tudo.

 

− Ai, Lu... Você tá me esmagando... – resmungou sonolento.

− Acorda bebê, o café tá pronto.

− Que horas são?

− Onze.

 

Baekhyun suspirou e aos poucos foi abrindo os olhos, sentindo a claridade invadir sua visão. Espreguiçou-se sentindo os ossos estralarem e riu baixinho, lembrando que todo dia jurava pra si mesmo que começaria a praticar algum exercício antes que suas costas começassem a doer. Empurrou o corpo de Luhan pra baixo e se levantou preguiçosamente.

 

− Ainda tô com sono.

− Ninguém mandou ficar assistindo filme até tarde.

− Eu precisava terminar de assistir os Defensores. Logo a vão liberar a próxima temporada de Jessica Jones e eu não vou entender nada. – explicou o menor.

− Você devia ter assistido antes, mas estava ocupado demais se preocupando à toa com coisas desnecessárias.

− Não eram coisas desnecessárias. Eu estava tentando conseguir um emprego. – deu de ombros.

− Você sofre demais por antecipação Baek. Tem que parar, porque isso faz mal.

− Ok. Eu vou tentar. – o castanho caminhou pra fora do quarto e foi até o banheiro onde levou o rosto e escovou os dentes.

 

Como tinha o costume de dormir no amigo, tinha alguns pertences ali. A maioria eram pijamas ou roupas velhas que usava como pijama, já que passavam a maior parte do tempo no apartamento.

Foi em direção à cozinha, sentindo o cheiro do café. Sentou em uma das quatro cadeiras da mesa pequena e de vidro, seguindo o amigo com os olhos que colocava o prato com as torradas quentinhas e a garrafa e café.

 

− Taehyung acabou de mandar uma mensagem no grupo. Vamos pro Southside Parlor, e vamos nos encontrar lá às oito. – o loiro sorriu animado. – Jimin vai também.

− Ele não tava de férias? – Baekhyun apanhou uma das torradas e passou a manteiga.

− Sim, mas acho que ele volta na segunda.

− Hum. Eu não sei se eu vou Hannie...

− Ah, nem pense Byun Baekhyun! – o chinês arqueou a sobrancelha. – Eu já conversei com a tia e ela mandou você ir pra sua casa pra se arrumar já que você não tem uma roupa descente aqui.

− Como vocês decidem as coisas por mim sem me consultar? – fez um bico.

− Porque segundo a tia, você ainda é menor de idade e ela manda em você, então ela mandou você ir comigo. E sem reclamar querido!

− Eu realmente não sei o que eu fiz pra merecer vocês dois.  – suspirou, mastigando o pão. – Aonde que é esse bar?

− Aqui Seul mesmo.

− Hum... Quem vai?

− Eu , você, Taehyung, Seulgi, Hoseok. Jimin vai também, a Sana, a Nayeon, Jihyo, Wendy. Acho que a Jeongyeon vai também. O chato do Taeyong, o Bambam, a Lisa...

 − Nossa, vai o setor todo?

− Basicamente. E parece que o diretor JongIn vai também. – Luhan deu de ombros.

− O quê? O “outro” braço direito do presidente? – o castanho arregalou os olhos.

− Relaxa que vai dar tudo certo. Segundo o próprio Jimin, o JongIn é de boa, eles são amigos. Ele tava de férias também e volta na segunda.

− Céus...

− Sem neurose Baekhyun, nós só vamos sair pra beber. Não vamos matar ninguém.

− Ok. E, já pensou na possibilidade de que não aceitam menores de idade no bar?

− Acha que nós não pensamos nisso querido? Jimin e o Hope são amigos do dono do bar, então, tá tudo liberado.

 

Baekhyun revirou os olhos. Luhan estava sorridente e a última vez que viu ele sorridente daquele jeito fora na formatura deles. Depois de um tempo Luhan ficou triste e bebeu tudo o que podia já que seus pais não compareceram a festa. Resultado? Ele e sua mãe passaram o resto da madrugada cuidando do chinês bêbado.

 

− Espero que você não exagere Lu.

− Eu não. Eu vou me cuidar, porque eu tenho que cuidar de você. – sorriu travesso. – Depois que terminarmos aqui, você me ajuda a arrumar a minha casa, nós arrumamos uma bolsa pra mim e eu me arrumo com você na sua casa. A tia vai nos ajudar.

− Nós só vamos pra um bar. Não vamos pra uma festa. – revirou os olhos, levando um peteleco na testa.

− Baekhyun, não pense assim! Vai que nessa ida ao bar nós não encontramos os nossos príncipes? Eu não quero encontrar o homem da minha vida igual um mendigo.

 

 

 

A tarde tinha passado consideravelmente rápido. Baekhyun ajudou o chinês a ajeitar a casa e arrumar uma mochila com seus pertences. Pelas cinco da tarde já estavam na residência dos Byun comendo um bolo de nozes que a senhora Kim tinha preparado.

Baekhyun estava devorando seu amado pedaço de bolo, morrendo de vontade de coçar a cabeça, que estava cheia de cremes que sua mãe e seu amigo colocaram, dizendo que seus fios precisavam de uma hidratação. Como não poderia nem pensar em discutir, apenas sentou na cama e deixou que eles fizessem o trabalho. Luhan estava igual e a senhora Byun aproveitou a deixa e resolveu se juntar com os dois.

A porta da entrada foi aberta e logo ouviram risadas. O rosto da mulher se iluminou quando viu o filho mais velho entrar na cozinha abraçado com a namorada.

 

− Chegaram em uma boa hora!

− Eu sempre chego. – Byun Baekbeom, o primogênito que era alguns centímetros maior que Baekhyun, caminhou até a sua mãe e abraçou. – Que foi? Dia da beleza hoje?

− Baekhyun e Luhan vão sair e nós estamos nos cuidando. – a senhora Kim sorriu, abraçando a futura nora. – Sentem-se aí, que eu vou servir vocês.

− Tudo bem com vocês meninos? – Bae Suzy, namorada do Byun mais velho, sorriu.

− Tudo sim. E vocês? – Baekhyun perguntou.

− Bem. Pra onde vão?

− Pra um bar em Seul.

− Nota-se a animação do Baek. Contagiante.

− Eu só não estou a fim de ir Beom. – deu de ombros.

− Você nunca tá a fim de nada Baekhyun. Vai, saia, se divirta, beba, beije na boca. Pelo amor de Deus! Viva! – o irmão mais velho despejou sobre o garoto.

− Seu irmão tem razão Hyunnie. – sua mãe colocou os dois pratos na mesa com os pedaços de bolo e duas xícaras. – Você é meu bebê? É. Só que você já vai fazer dezoito anos e precisa se divertir. Diversão de verdade, e não ficar trancado no quarto jogando ou lendo!

− É verdade. Se a sua própria família está dizendo isso pra você, então acho que você deveria confiar em mim! – Luhan o cutucou.

− É. O importante é se cuidar Baek. Contando que você não traga nenhum netinho pra mim...

− Mãe, a senhora acha mesmo que o Baek vai trazer um neto? Só se agora homens podem engravidar e eu não tô sabendo.

− Cala a boca Beom! – o mais novo revirou os olhos.

− Mas eu tô mentindo? Mãe confessa aí. Você queria ter uma filha, e como não veio, você decidiu fazer o Baek de bonequinha...

− Cala a boca Baekbeom! – o mais novo socou a mesa, arrancando risadas dele e de Luhan. A mãe conteve um sorriso e Suzy socou o namorado.

− Para com isso Beom, deixa ele em paz.

− Não seja assim com o seu irmão Beom. – a senhora Kim se aproximou do mais novo e selou sua bochecha, enquanto ele comia irritado.

− Eu só tô brincando, seu chorão. – gargalhou.

− Engraçadão! Por que não larga Medicina e vai trabalhar num circo?

 

 

 

Já passavam das sete e o quarto de Baekhyun parecia um salão de beleza. Suzy estava maquiando a sogra que também ia sair pro cinema com o esposo. Baekbeom era só sorrisos, já que teria a casa só pra ele e pra namorada.

Luhan estava terminando de retocar o delineador dos olhos e vestir o casaco. Os olhos dos três foram em direção à porta, quando Baekhyun entrou com os cabelos espetados pra todos os lados.

 

− Senhor Jesus, que ninho de passarinho é esse?

− Eu sequei meu cabelo como vocês mandaram. – levantou o secador vermelho de sua mãe.

− Você passou a escova, pelo menos?

− Não. Eu passo a mão e já fica bom.

 

Luhan encarou a senhora Kim, que lhe retribuiu o olhar. Suzy riu das expressões de desgosto e entregou um espelho pequeno pra mais velha se olhar.

 

− Venha Baek, eu arrumo o seu cabelo.

 

O mais novo assentiu e entregou o secador pra cunhada. Pegou a cadeira do computador e levou até a tomada mais próxima. Sentiu a escova em sua cabeça desembaraçando os fios devagar e agradeceu mentalmente por Suzy ser cuidadosa consigo. Ás vezes se questionava o que ela tinha achado de tão interessante em seu irmão, que parecia um ogro.

 

− Tia, vamos arrumar uma roupa para o seu filho.

− Vocês dois precisam se agasalhar porque tá bem frio lá fora.

− Eu trouxe um casaco grande. – o chinês apontou pro casaco xadrez e grosso com capuz.

− Se ele é forrado por dentro, então tá bom.

− É sim, tia.

− O que acha dessa calça aqui? – a senhora pegou uma jeans azul no guarda roupa de frente pra cama e mostrou pro chinês.

− Muito larga tia. Temos que realçar as coxas do seu filho. Vai que ele encontra o futuro marido dele hoje?!

 

A Kim gargalhou, porém concordou com o loiro. Os dois se colocaram de frente pro guarda roupa, aproveitando que Baekhyun estava distraído mexendo no celular. Acabaram por pegar uma calça jeans escura e apertada, uma camiseta de manga longa e um moletom com listras cinza e branca. Luhan pegou um tênis branco e completou o look.

Suzy tinha desligado o secador e jogou os cabelos castanhos do mais novo pra trás.

 

− Wow, assim está perfeito! – a mais velha sorriu.

− Vai ficar caindo no meu olho. – resmungou o Byun.

− Ninguém mandou você não cortar! – Luhan revirou os olhos.

− Mas tá bonito esse comprimento, porque você pode jogar pra trás, pra dar aquele charme, entende? – Suzy piscou cúmplice pro cunhado.

− É verdade bebê. Tem ser natural quando jogar o cabelo pra trás. – a mãe se aproximou segurando o rosto dele. – Tá lindo... Mas só falta uma coisa.

− O quê? – seus olhos desviaram indo até o amigo que sorria perverso com delineador de caneta na mão. – Ah, não...

 − Um pouquinho só!

− É verdade Baek, pra destacar um pouquinho.

 

E mais uma vez Baekhyun suspirou derrotado, vendo o chinês se aproximar. Fechou os olhos e deixou ser maquiado pelo amigo. A senhora Kim tinha saído do quarto com a futura nora pra que ela ajudasse a escolher uma roupa.

Baekhyun ficou quase dez minutos ali parado, mas pra ele pareciam horas. Não era um expert no delineador como o amigo. Na verdade quase nunca passava algo no rosto.

Assim que terminou, o maior jogou as peças de roupas nele pra que vestisse. O castanho resmungou já que teve que tirar seu moletom quentinho e grande do corpo. Ficou apenas com as meias sete oitavos de lã que lhe aqueciam as pernas e logo se vestiu rapidamente.

Assim que terminou caminhou até o espelho e ajeitou o cabelo, tentando jogá-lo como Suzy tinha ensinado, quando finalmente se olhou por completo. Não estava de todo mal, e tinha gostado da arte que seu amigo tinha feito em seus olhos. Estavam realmente destacados e bonitos. Só não podia se esquecer de hipótese alguma podia coçá-los.

 

− Eu sabia que você ia ficar lindo!

− Obrigado... Eu acho.

− Veste aquele casaco cinza ali e vamos! Eu já pedi um táxi pra nós dois.

− Ok.

 

Ambos saíram do quarto e foram no da senhora Kim, que ficou radiante ao ver o filho arrumado e dizendo que já estava indo.

 

− Se cuidem meninos! Nada de usar drogas e nada de transar sem camisinha!

− Mãe!

− Que foi bebê? Eu só não quero que você pegue alguma doença! Tô mentindo Suzy?

− A sua mãe tá certa Baek. Tem que se cuidar, huh? Se você precisarem de alguma coisa, ou quiserem carona, liguem porque eu e o Beom vamos buscar vocês.

− Pode deixar! Tchau garotas! Se divirta com o papai Byun e se divirta com a casa vazia com o Beom, Suzy!

 

A garota riu sem graça, porém agradeceu. A mais velha gargalhou como sempre fazia. Amava o jeito o fato de Luhan falar as coisas sem pensar. Baekhyun beijou a testa da mãe e abraçou a cunhada seguindo o amigo até o andar debaixo. Despediu-se do pai e do irmão, ouvindo mais brincadeiras do último e mandando ele à merda. Fechou a porta e ambos caminharam lado a lado até o portão, vendo o táxi amarelo encostado.

O local não era muito longe da sua casa. Os vinte minutos dentro do carro se passaram rápido, ainda mais quando Luhan não parava de falar. Pagaram o taxista que lhe desejou uma boa noite e logo estavam na frente no Southside Parlor. As luzes amarelas enfeitavam o lado de fora e dava pra ver que o local estava começando a encher. Tanto que dois garçons estavam puxando a tenda de fora e colocando mais mesas ali na calçada.

O chinês pegou a sua mão e o puxou pra dentro do estabelecimento. Passou o olhar pelas mesas que estavam cheias, viu que o bar tinha um andar de cima e que provavelmente já estava cheio. Bem ao fundo ambos viram um rosto conhecido sorrindo e acenando. Luhan sorriu grande quando viu Hoseok com as mãos pra cima acenando bem alegre. Caminharam até o canto no fundo do local com várias mesas juntas e com algumas cadeiras vazias.

 

− Olá!

− Que bom que vocês vieram!

− Que milagre é esse? Byun Baekhyun veio mesmo? Céus, vai chover!

 

O Byun sorriu envergonhado e desviou o olhar de Taehyung, que estava muito sorridente naquele momento.

 

− Vocês estão lindos, hein! – Seulgi piscou pros dois. – Baekhyun tá muito lindo! Meu Deus que vontade de morder essas bochechas!

− O-Obrigado.

− Tão lindo! – Lisa sorriu boba. – Sentem aí gente, nós estamos esperando o garçom pra pedir as bebidas.

− Senta aqui Baek!

 

O menor sentiu a mão ser puxada, vendo que se tratava de Taehyung novamente, e então se sentou ao lado dele e de Bambam. Luhan ficou entre Bambam e Lisa. O garçom que parecia ser amigo de Hoseok sorriu simpático e anotou o pedido de todos. Quando chegou à sua vez, ficou confuso no que pedir. Não era um expert, e evitava ao máximo qualquer bebida alcoólica. Taehyung notou a confusão nos olhos do menor e sorriu.

 

− Quer um soju pra começar.

− Pode ser, eu não sou muito ligado em bebidas. – sorriu de leve.

− Ok. Então, vê duas garrafas de soju.

 

O garçom se retirou, deixando todos conversando.

 

− Fico feliz em te ver aqui.

− É, eu não consegui escapar do Lu. – sorriu tímido.

− Ele é bem convincente então.

− É porque você não conheceu a minha mãe. Infelizmente eu não posso com os dois. – Baekhyun disse.

− Que bom que não pode, assim você não teria vindo. Não gosta do pessoal?

− Não é isso, eu gosto, e me divirto bastante. – explicou. – É que eu sou mais caseiro.

− Entendi. – o mais velho sorriu. – Espero que você apareça mais vezes. Pelo menos uns dois sábados no mês nós viemos aqui, ou vamos a uma boate.

− Sério?

− Sim. É legal ver o pessoal bêbado, dançando. Espere o Hope e o Bambam terminarem de beber o que eles pediram e você já vai ver a diferença. Eles conseguem ser mais engraçados do que o normal, a cada copo que eles bebem.

 

Ambos riram.

 

− Gente, alguém sabe do Jimin? Aquele pigmeu vai vir mesmo? – Jeongyeon perguntou mal humorada.

− Ele mandou mensagem e disse que estava esperando os amigos dele e já estava chegando. – Nayeon levantou o celular.

− Quem quer dividir uma torre de chopp comigo depois? – Taeyong perguntou animado, mas logo fechou a cara vendo que todos ficaram em silêncio. – Ah qual é, eu não consigo tomar uma inteira.

− Ok, eu divido com você! – Luhan sorriu, vendo o outro se animar novamente.

− Então depois dessa rodada, eu peço a torre.

− Olha lá, o Jimin chegou! – Hoseok acenou pro ruivo que ia se aproximando da mesa o sorriso infantil que cativava a todos.  

− Boa noite pessoal!

− Que demora da porra! – Seulgi jogou uma bolinha de guardanapo nele, ignorando totalmente o fato dele ser o seu supervisor. Ambos se conheciam há um bom tempo.

− Eu estava esperando meus amigos. – o ruivo sorriu amarelo, vendo as expressões do pessoal da mesa mudarem para assustados e chocados quando viram quem eram os amigos de Jimin que passariam a noite com eles. – Bom, pessoal, acho que vocês os conhecem. Esses são, Sehun e sua namorada Irene, JongIn, Krystal que é nossa amiga e Chanyeol.

 

O pessoal da mesa, em choque, não conseguia dizer nada. Já o pessoal do lado de Jimin não conseguia esconder os sorrisos vendo os mais novos paralisados. Luhan arqueou a sobrancelha quando viu um sorriso de canto surgir nos lábios de Sehun, que estava ao lado da namorada.

 

− Fiquem tranquilos pessoal! – Kim JongIn, o moreno alto com o seu famoso topete castanho e um sorriso simpático nos lábios bem desenhados indagou. – Apenas vamos esquecer que trabalhamos na mesma empresa. Viemos aqui pra nos divertir, não é mesmo?

 

 


Notas Finais


Comentem <333333333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...