1. Spirit Fanfics >
  2. Histórias Cruzadas >
  3. Revelações

História Histórias Cruzadas - Capítulo 29


Escrita por: e Ju_Granger_li


Notas do Autor


Oi gente, o capítulo de hoje está meio grande, pois vai ter hot. Agora aproveitem o capítulo de hoje.

Ps.: Se quiserem uma música pra ouvir durante o hot, eu indico Te Tiro da Bad e Se Essa Estourar ambas de Psych.

Capítulo 29 - Revelações


P.O.V TAYLOR 


Ruby: Bia, aparata agora. -- diz chamando a atenção da garota, que aparatar no mesmo instante.

Taylor: Ralph, nunca mais faça isso perto dela. -- digo andando em sua direção.

Laurel: Pera aí, o que tá acontecendo?

Nyssa: O que minha irmã tem?

Shayla: O que vocês estão escondendo?

Bella: Não é nada. -- diz subindo as escadas com Ruby -- Taylor vamos. -- nós três subimos as escadas e vamos em direção ao quarto da minha namorada.

Taylor: Bia, você tá aí? -- pergunto batendo na porta do quarto.

Bia: Quem tá com você?

Taylor: Bella e Ruby. -- respondo e escuto a porta sendo destrancada. Nós três entramos e vemos a garota com uma calda de sereia. 

Bia: Alguém veio atrás de vocês?

Ruby: Acho que não, os poderes de gelo não secaram a calda?

Bia: Não, e também não sei o motivo. -- diz olhando para Bella, provavelmente leu a mente dela.

Bella: Eu Ruby vamos distrair os outros. -- diz saindo do quarto com a loba.

Taylor: Vou pegar uma toalha. -- digo e vou até o banheiro, pego duas toalhas e volto. -- Toma. 

Bia: Valeu. -- diz e começa a passar o pano pela a calda, faço o mesmo a ajudando, então noto uma coisa.

Taylor: Acho que é a primeira vez que vejo uma sereia de jaqueta de couro preto. -- digo, mas ela nada diz -- Tudo bem o que está acontecendo? -- pergunto.

Bia: Nada, porque estaria acontecendo algo? -- diz sem me olhar, ela faz isso quando está mentindo.

Taylor: Eu já te disse, você não sabe mentir. -- digo, logo depois a calda some.

Bia: Não é nada. -- fala se levantando do chão e andando até a cama, ficando de costas pra mim, me levanto.

Taylor: Sério? Então tira a jaqueta.

Bia: Eeu... -- ela suspira -- Eu não posso.

Taylor: Porque não pode? -- insisto.

Bia: Taylor...

Taylor: Não, Bia. Me fala a verdade, por favor.

Bia: Eu não quero que se preocupe. -- fala olhando em meus olhos.

Taylor: Eu já estou preocupada, você está escondendo algo de mim, como eu não vou me preocupar?

Bia: Taylor, se eu falar, você não pode falar pra ninguém, principalmente pra Nyssa ou pra Shayla. -- isso tá me preocupando mais.

Taylor: Tudo bem, mas agora me fala o que está acontecendo. -- digo pondo as mãos em seus ombros e a virando de frente para mim. Ela suspira e faz um gesto com a cabeça.

Tiro sua jaqueta que escorregou por seu ombro e braços até que a mesma caíu no chão.

De princípio não vi nada, mas aí ela estica o braço direito, revelando cortes em seu anti-braço que formavam a frase SE PREPARE. Fico sem reação, totalmente paralisada.

Bia: Desculpa. -- sou tirada de meu transe pela voz da garota.

Taylor: Porque não me contou?

Bia: Não queria te deixar preocupada comigo.

Taylor: Como isso aconteceu?

Bia: Lembra que a Nyssa disse que eu e Rosa poderíamos acabar ligadas se eu usasse o abafador de atividade cerebral? Aconteceu.

Taylor: Devia ter me contado. -- disse elevando um pouco a voz.

Bia: Se eu contasse iria ficar preocupada, assim como está agora.

Taylor: Como eu não iria ficar preocupada? Rosa pode te machucar não importa aonde esteja, ela pode te matar.

Bia: Se ela fizer isso, ela vai se matar.

Taylor: NÃO IMPORTA, ELA É UMA PSICOPATA, PODE ACABAR SE MATANDO SIM.

Bia: Taylor, isso não vai acontecer.

Taylor: Eu não quero te perder. -- falo chorando desesperadamente -- Eu... eu te amo tanto. -- uma lágrima congelada escorre por seu rosto.

Bia: Amor, -- ela se aproxima mais ainda de mim colocando suas mãos em meu rosto -- você não vai me perder, não importa o que aconteça eu vou sempre está com você. Eu te amo muito, nada vai me tirar de você, ok?

Taylor: Ok. -- digo abraçando seu pescoço e escondendo meu rosto na curva do mesmo, inalando seu cheiro doce, em quanto ela apertava minha cintura com uma das mãos e com a outra acariciava minha nuca.

Bia: Acho melhor voltarmos, antes que minha irmã, mãe, cunhada e futuro padrasto venham atrás de mim. -- dou risada e a encaro.

Taylor: Cole? Seu futuro padrasto?

Bia: Melhor ele que o Merryck. -- rimos juntas e ouvimos uma batida na porta -- Quem é?

Nyssa: Sou eu.

Bia: Eu quem? -- pergunta brincando com a irmã.

Nyssa: Aff, tô entrando. -- avisa e a porta se abre. -- O que aconteceu lá em baixo?

Taylor: Nós vemos depois. -- digo me desvencilhando do abraço.

Bia: Claro.

Taylor: Não foi uma pergunta. -- digo sentindo seu olhar queimando em minhas costas. Passo por Nyssa, para sair do quarto logo em seguida.

P.O.V BEATRIZ


Taylor sai do quarto fechando a porta logo em seguida, vendo que minha irmã ainda não havia notado os cortes em meu braço, pego minha jaqueta que estava no chão e a visto rapidamente.

Nyssa: Repetindo a pergumta, o que aconteceu lá em baixo? -- pergunta, sua face trazia uma mistura de curiosidade, preocupação e confusão.

Bia: Como assim? -- sério Beatriz, não tinha nada melhor pra falar não?

Nyssa: Como assim? Você se molhou, ficou paralisada e aparatou como se estivesse fugindo de algo terrívelmente assustador. -- já vi que vai ser difícil mentir pra ela -- O que está acontecendo?

Bia: Nada, não precisa se preocupar. -- digo sem encara-la, eu realmente preciso aprender a olhar para as pessoas quando minto.

Nyssa: Olha, eu já percebi que toda vez que você mente pra alguém, você não olha para a pessoa. -- ótimo -- Eu já tinha percebido que você tinha algo contra a água no dia em que viemos pra cá. Quando comessou a chover e você saiu correndo, não deixando ninguém que estava molhado te tocar, mas isso? -- um suspiro pesado sai por entre meus lábios. -- O que está acontecendo?

Bia: Nada. -- ela suspira.

Nyssa: Me desculpa. -- uma expressão confusa assume meu rosto.

Bia: Pelo o que? -- só então percebo que uma de suas mãos está escondida atrás de seu corpo, mas antes que eu possa fazer qualquer coisa, ela joga um copo de água em mim.

A encaro e saio correndo para o banheiro, trancado a porta logo em seguida.

Bia: Merda. -- digo sentindo minhas pernas formigarem. Tiro a jaqueta o mais rápido possível para logo depois cair no chão com uma calda laranja. Coloco a jaqueta de volta pra esconder as cicatrizes.

Nyssa: Bia abre a porta. -- fala batendo a porta.

Bia: Não vai dá. -- digo procurando uma toalha.

Nyssa: Se você não abri a porta eu vou arromba-la. -- esqueci quem era minha irmã. Suspiro.

Bia: Se eu abri, você tem que prometer que não vai gritar, surtar e o mais importante, não vai contar pra ninguém. -- digo e um silêncio cai entre nós.

Nyssa: Tá, tudo bem. Agora abre a porta. -- respiro fundo e destrancando a porta.

Bia: Pronto. -- ela abre a porta.

Nyssa: O que quê isso?

Bia: Uma calda de sereia? Longa história, me faz um favor e pega as toalhas que estão lá no chão do quarto, perto da porta, por favor? -- ela não se mexe, apenas fica olhando a minha calda de olhos arregalados e surtando por dentro. -- NYSSA. -- ela finalmente me olha.

Nyssa: Tá, eu já volto. -- ela sai do banheiro, alguns segundos depois ela volta segurando as toalhas e me dá uma.

Bia: Valeu. -- digo pegando a toalha e me secando, minha irmã estava paralisada, nem piscava. -- Se quiser me ajudar eu agradeço. -- ela me encara.

Nyssa: Quando ia me contar sobre isso? -- pergunta indignada.

Bia: Eu não sei, as únicas que sabem são a Taylor, Bella e Ruby.

Nyssa: Eu sou sua irmã.

Bia: Em minha defesa não foi minha intenção contar pra Bella e para a Ruby, eu deixei escapar sem querer. -- digo ainda secando me secando, logo depois a calda some. -- Ah, por Zeus, finalmente. -- digo me levantando -- Vamo sair do banheiro. -- saímos e vamos para o quarto.

Nyssa: Porque não me contou? -- pergunta assim que saímos do banheiro.

Bia: Você viu sua cara quando me viu com um rabo de peixe?

Nyssa: Como isso aconteceu? Isso não é de família é?

Bia: Não. Eu ganhei esse troço antes dessa bagunça acontecer. Nós fomos acampar, eu e Taylor saímos pra pegar madeira para a fogueira, ela me pediu em namoro, caímos dentro de um buraco que deu em uma caverna no vulcão, onde tinha um lago e era a única forma de sair da caverna. Eu pulei na água e começou a acontecer um troço estranho em quanto lua cheia passava pelo buraco do vulcão. Acho que foi aí que aconteceu.

Nyssa: Isso é uma das coisas mais inacreditáveis que eu já ouvi.

Bia: Você não tem ideia. -- digo lembrando de tudo que passei naquela noite. -- Mas por favor não conta pra ninguém.

Nyssa: Não vou contar, -- diz colocando a mão em meu ombro -- eu prometo.

Bia: Obrigada. -- digo a abraçando e recebendo-o de volta quase de imediato.

Nyssa: Só não esconde mais nada de mim. -- isso é porque eu tô escondendo os né, não é possível.

Bia: Tem mais uma coisa. -- digo me desvencilhando dela e cortando o abraço.

Nyssa: Pela sua cara não é bom.

Bia: Você não pode contar pra ninguém o que eu vou te mostrar, ou pode acabar causando pânico. E pelo amor de Zeus não fica preocupada. -- ela vai com certeza ficar preocupada.

Nyssa: Ok. -- suspiro.

Bia: Lembra do que você me disse que poderia acontecer se eu usasse o abafador de atividade cerebral para entrar na mente de Rosa?

Nyssa: Lembro. -- diz com uma cara desconfiada.

Bia: Então... -- começo a tirar a jaqueta, logo meu anti-braço direito com cortes é revelado -- você tava certa. -- ela pega meu braço. 

Nyssa: Quando isso aconteceu?

Bia: Já faz uma semana. -- digo com um certo medo e ela me encara.

Nyssa: Uma semana, e você não me falou nada. Beatriz, você devia ter me falado, e se tivesse acontecido algo pior?

Bia: Eu disse pra você não ficar preocupada.

Nyssa: Beatriz você é minha irmã, como eu não vou ficar preocupada?

Bia: Ny, desculpa, eu sabia que você ia ficar assim, eu não quero que se preocupe comigo. -- ela suspira.

Nyssa: Bia, eu sei que você não gosta que as pessoas fiquem preocupadas com você, mas você tem que entender que eu sou sua irmã. Eu sempre vou ficar preocupada com você, sempre. Eu te amo como nunca amei ninguém da minha família antes. -- uma lágrima de gelo escorre por meu rosto -- O que foi?

Bia: É a primeira vez que você diz que me ama. -- ela sorri e me abraça, eu logo retribuo -- Eu também te amo. -- ela se desvencilha do abraço.

Nyssa: Agora tem mais alguma coisa que queira me contar?

Bia: Não.

Nyssa: Se alguma coisa acontecer por favor me avisa, ok?

Bia: Ok.

Nyssa: E eu não vou falar nada, eu juro. Agora eu preciso ir. Antes que nossa mãe venha atrás da gente.

Bia: Tudo bem. -- nós abraçamos uma última vez e ela vai em bora.

Eu preciso de um banho.

Vou ao meu guarda-roupa e pego um conjunto de lingerie de renda preta e pro banheiro tomar banho. Com o banho pronto, me despi e entrei na banheira cheia de enpuma, segundos depois a calda aparece. Suspiro. Fecho os olhos e recosto a cabeça na parede da banheira.

Depois de um tempo a espuma já havia acabado e a água estava gelada por causa da minha pele, então abro o ralo e espero toda a água ser sugada por ele, quando estou prestes a pegar a toalha a calda some.

Bia: Agora os poderes de gelo me secam, que conveniente. -- bufo estressada.

Saio da banheira e coloco as peças de roupa íntima. Então escuto o barulho da porta do quarto sendo aberta e logo depois fechada. Coloco o roupão branco.

Bia: Quem tá aí? -- pergunto saindo do banheiro, mas não vejo ninguém no quarto, então perco a visão quando sinto um par de mãos em meu rosto.

****: Adivinha quem é? -- um sorriso aparece em meu rosto.

Bia: Acho que uma das pessoas que eu mais amo nesse universo. -- tiro as mãos de meu rosto e me viro para encanra-la. -- Oi am... Ai meu senhor do Olimpo. -- Acho que meu coração errou uma, não dez batidas e meu queixo abriu um buraco no chão.

Taylor: Queria te fazer uma surpresa. -- alguém me segura que eu vou cair. Gente, gente, GENTE, vocês não tão entendendo a minha situação. Resumindo, Taylor, lingerie, muito sexy. -- Gostou?

Bia: Me diz que isso não é pegadinha de primeiro de abril e o Cole não vai bater na porta a qualquer momento. -- ela ri e me puxa pela cintura, grudando meu corpo no seu, depois cola sua boca na minha, sua língua já explorava minha boca em um beijo selvagem e intenso em quanto eu soltava pequenos gemidos de aprovação.

Taylor: Isso responde? -- diz se separando.

Bia: Com certeza. -- digo a puxando pela nuca e grudando nossos lábios novamente.

Ela me prensa contra parede, segurando minhas mãos com a sua acima de minha cabeça e segurava minha nuca com a outra em quanto descia seus lábios pelo meu queixo, pescoço e clavícula, em quanto eu deixava gemidos abafados escaparem por meus lábios, ela refaz o mesmo caminho para minha boca, deixando uma chupada no ponto de pulso de meu pescoço durante o processo, com certeza ia ficar marcado.

Me livro do aperto de sua mão e desço minhas mãos por seu corpo até chegar a suas coxas onde puxo suas pernas, colocandoas em minha cintura e a tirando do chão. Inverto nossos papéis e a prenso contra a parede. Desço meu beijo para seu pescoço onde depósito mais beijos, chupões, mordidas e lambidas, escutando os seus gemidos.


P.O.V TAYLOR


Tudo que saia de meus lábios eram gemidos e palavras sem sentindo. Então sinto minhas costas se afastando da parede, Bia começa a andar em quanto volta seus lábios para os meus, logo ela me coloca de volta no chão e encerra o beijo e dá um sorriso malicioso. 

Tomo um susto quando ela me empurra e sinto meu corpo colidindo contra o macio da cama. Arrasto meu corpo colocando minha cabeça no travesseiro. Colo meus olhos na garota que ainda estava sorrindo, então ela desamarra o roupão branco revelando seu corpo coberto apenas pelo conjunto de lingerie de renda preta. A observo tirando o roupão e vejo seu corpo de cima a baixo, chegando a única conclusão possível, ela era linda, perfeita. Ela sobe na cama e começa a engatinhar lentamente sobre meu corpo até ficar cara a cara comigo, me sentia hipnotizada por ela, por seus olhos, sua boca, seu corpo. Ela senta em meu colo e sorri aproximando o seu rosto da minha orelha.

Bia: Você ainda não viu nada. -- diz com a voz rouca. Ela morde o nódulo da minha orelha, não consigo evitar o gemido de escapar por meus lábios.

Ela volta a me beijar, levando as mãos aos meus ombros, enrolando os dedos na alça de minha lingerie e a tirando lentamente. Ela a abaixa apenas até deixar meus seios expostos. Bia ergue o tronco o suficiente para me olhar de cima a baixo para no fim olhar em meus olhos e sorri. A garota me beija novamente e desliza suas mãos de meus ombros até as minhas, só então percebo que ela estava segurando um tecido em uma das mãos. Ela as levanta até acima da minha cabeça e segura meus pulsos com uma das suas mãos, logo sinto ela amarrando os meus pulsos a cabeceira da cama com o tecido. 

Ela desce suas mãos pelos meus braços e as deixa descansar em meus seios expostos.

Gemi quando ela os apertou e desceu seus beijos para meu pescoço. Os meus pulsos amarrados me impediam de toca-la e tudo que eu podia fazer era me contorcer e gemer alto, não demorou muito tempo pra ela substituir uma das mãos por sua boca. Me torturando com sua língua fria e hábio contra o meu mamilo intumecido.

Ela para. Quando a encaro vejo seu sorriso. A garota tira lentamente o resto de minha lingerie e a joga em um canto qualquer me deixando totalmente exposta. Ela passa a mão por toda a lateral do meu corpo, o olhando de cima a baixo e deita seu corpo no meu.

Bia: Você é linda sabia? -- fala olhando em meus olhos. Ela me beija de forma lenta e sensual, descendo seus lábios para meu pescoço, seu corpo gélido parecia pegar fogo contra o meu. Então sinto sua mão descendo de minha cintura e pousando em minha intimidade encharcada. -- Tá tão molhada assim pra mim? -- pergunta com sua boca próxima da minha, sorrindo logo em seguida. 

Ela volta a me beijar. Arfei assim que senti seus dedos tocando em meu clitóris. Ela começa a massagear o mesmo me fazendo gemer durante o beijo. Logo ela penetra dois dedos em mim, não consigo manter o beijo por conta dos gemidos. Qualquer um que passasse pela a porta do quarto poderia nós ouvi. 

A garota começa a estocar os dedos em mim começando devagar e fraco e depois almentando a velocidade e a força. Me contorço em baixo de seu corpo, com meus pulsos amarrados eu não conseguia toca-la fazendo com que o prazer dominasse.
Ela desce sua boca por meu pescoço, clavícula, seios e barriga até chegar ao final de minha cintura. Ela me encara como se pedisse permição pra continuar. Ela sorri, acho que leu minha mente. Ela abre minhas pernas e deposita pequenos beijos e mordidas no interior de minha coxa, para logo depois lamber minha entrada, agora substituindo os dedos por sua língua gélida em quanto precionava meu clitóris com o polegar.

Não aguento por muito tempo e tenho um orgasmo dentro de sua boca. Ela se ergue e leva o polegar a boca. Minha respiração estava descontrolada e meu coração batendo forte. Ela senta em meu colo e solta meus pulsos, jogando o tecido de lado.

Ponho as mãos em sua cintura e investi nossos papéis, ficando por cima dela, dou um sorriso e ela devolve com o seu. 


P.O.V BEATRIZ


Assim que a solto, ela troca de posição comigo ficando em cima de mim. Ela sorri com malícia e eu devolvo com o mesmo sorriso. Ela aproxima a boca da minha orelha.

Taylor: Agora você é minha. -- fala e sinto seu sorriso contra minha orelha, solto um riso.

Bia: Eu ja era sua antes mesmo de estarmos juntas. -- digo e ela me encara sorrindo. Logo ela me beija e senta em meu colo, sento na cama e agarro sua cintura. Sinto suas mãos se arrastando pela minhas costas até meu sutiã que ela abre rapidamente em quanto sorria contra minha boca. 

Ela encerra o beijo pra tirar a peça de roupa do meu corpo voltando a me beijar logo em seguida. Gemi contra seus lábios quando a sinto apertando meus seios. 

Ela desce os beijos até chegar em um dos meus seios e abocanha-lo, me fazendo cravar as unhas em suas costas tentando extravasar parte do prazer que eu estava sentindo. Ela sai do meu colo e leva as mãos até minha calcinha a tirando logo em seguida. Ela senta entre minhas pernas e joga uma delas por cima da minha, colando nossas intimidades e nós fazendo gemer juntas. Ela volta a me beijar e começa a se movimentar, esfregando sua íntima na minha, logo acabamos por ter um o orgasmo juntas. Caio deitada na cama cansada.

Ela desintrelaça nossas pernas e deita do meu lado.

Taylor: Isso foi...

Bia: Eu sei. -- interrompo com a respiração desregulada. Me deito virada para ela e ela faz o mesmo. -- Eu te amo.

Taylor: Eu também te amo. -- diz sorrindo. A puxo para mais perto de mim. Ela rodeia minha cintura com seus braços e recosta a cabeça em meu peito.

Cubro nossos corpos com o lençol e faço carinho em sua cabeça.

Bia: Boa noite amor. -- digo dando um beijo no topo de sua cabeça.

Taylor: Boa noite Bia.


Notas Finais


Esse foi o cap de hoje com hot de SnowRanger❄💛 (Beatriz e Taylor). Espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...