História Histórias macabras - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 44
Palavras 188
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Crossover, Drabble, Drama (Tragédia), Droubble, Ecchi, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Harem, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Orange, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Slash, Sobrenatural, Steampunk, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - Sentimento obscuro


Sabe, nunca fui muito de falar, ou até mesmo dizer o que sinto. Fui uma criança perturbada, ninguém sabia exatamente quem era eu, o que fazia na terra, ou até mesmo aonde eu morava; quieto demais...

Nunca tive certeza se meu sentimento era ligeiramente único, não único totalmente, mas isso me leva a tentar ou crer que eu tento matar, ou mesmo, livrar vidas inocentes para que tenham vidas melhores no futuro.

Isso é o certo? Talvez. Ninguém tem sua exata opinião sobre sua vida... Mas cada um tem seu propósito, meu propósito é matar. A cada passo que dou, mais sinto que estou perto da liberdade, liberdade no meu vocabulário quer dizer: ser livre.

Meus crimes já mataram pessoas, torturaram pessoas, ensanguentaram pessoas, incriminaram pessoas; mas nenhuma eu tive dó o suficiente para deixá-las viver.

Tantas pessoas no mundo, acho que devemos ver isso mais de perto. Ninguém é normal totalmente, eu mesmo, tranco elas em meu sótão bem longe da cidade, só para vê-las sofrer.

Psicopatia? Sim! Mas nunca me pergunte o que é ser amado, o motivo é: amar é ver seu sangue escorrendo pela cadeira em frente a mim.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...