História History Of Us - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Lesbicas, Romance
Visualizações 44
Palavras 1.335
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Literatura Feminina, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Vai melhorando... 🤗

Capítulo 3 - Preciso de Ajuda


Mais uma longa semana no laboratório, cada dia aprendendo coisas novas e me apaixonando por cada detalhe.

Como hoje é Sábado tenho o costume de fazer minha noite de filmes.
Leslly costuma ir para a casa de seu pai e minha mãe comentou sobre sair com o novo namorado, ou seja, apenas eu, meus filmes e muita besteira para comer.

Saindo do hospital me despeço da Viollet, pego minha preciosa e sigo para o supermercado. Quero comer todas as gorduras possíveis essa noite.

Sei que pode parecer estranho, no entanto, não gosto muito de baladas ou festas, prefiro ficar no meu cantinho comendo, vendo filmes ou séries, ou até passar noites em claro terminando algum livro, são atividades mais atrativas para mim.

Chego ao supermercado, prendo a bicicleta no local apropriado e sigo com minha cesta a procura de coisas gostosas. Pego alguns hambúrgueres semi-pronto, batatas congeladas para fritar, biscoitos, Fini, salgadinhos e já  virando o corredor para pegar os refrigerantes me deparo com quem menos esperava.

Thalia Muller.

No instante em que a vi ela me olhava de volta e naquele momento ela estava linda.
Não havia nenhuma lágrima ou nariz escorrendo, ali tinha um sorriso pequeno e simples cativante que me fez sorrir de volta. Mas não saí do lugar, não precisei na verdade, ela se direcionou até mim.

- Olá... Alia não é mesmo? - me perguntou sorrindo mais uma vez.
- Se lembrou de mim? - confesso que não esperava.
- Como esquecer de uma desconhecida que sem saber e sem querer saber dos meus problemas me ajudou.
- Já não sou tão desconhecida, sou a moça que te ajudou - rimos juntas.
- Então Alia, planos pra hoje? - seguimos juntas para que eu pegasse o refrigerante.
- Sim, hoje é minha noite de filmes.
- Noite de filmes? Como assim? Hoje é sábado Alia, tem várias festas por aí e você vai ficar em casa? - perguntou incrédula, porém já estou acostumada com esse tipo de reação dos meus amigos.
- Sim, noites de sábado são apenas minhas sabe? Estou sempre sozinha em casa e amo ficar vendo filme ou maratonando alguma série enquanto engordo com as maiores besteiras do mundo todo - sorrimos juntas mais uma vez e a risada dela é a melhor de se ouvir.
- Nunca passei sequer uma noite de sábado em casa, acho até estranho quem fica. Não tem graça nenhuma Alia - já estávamos nos dirigindo ao caixa, quando notei que ela estava com dois litros de Vodka.
- Pode não ter pra você, mas eu amo demais. E você em moça, onde vai passar a sua noite de sábado?
- Estou indo ao aniversário de um amigo.
Pagamos e saímos, caminhei ate onde estava minha preciosa quando ouço passos correndo.
- Hey, Alia espera. - Thalia correu em minha direção e parou a minha frente. - Me dá seu telefone?
- Claro, anota aí! - ela anotou o mesmo e sorriu pra mim
- Até mais Alia, espero te ver mais vezes. - me deu um abraço e um beijo na bochecha e seguiu seu caminho.

Peguei minha preciosa e segui para casa, hoje será a melhor noite de filmes, comprei exatamente tudo que estava com vontade e vou engordar muito.

Chego em casa finalmente e guardo minha preciosa na garagem, tenho um amor imenso por essa bicicleta, meu pai me deu antes de falecer e a cuido com todo carinho.
Coloquei na geladeira o que deveria ficar nela, na bancada o resto e sigo para tomar banho.

Banho tomado, escolho meu pijama do Star Wars - Meu favorito a propósito - calço minhas pantufas do Stormtrooper e vou escolher o filme.
Escolho o primeiro da noite com o título de Amor por Direito. É um romance lésbico, onde duas mulheres lutam pelo direito de serem quem são, de poderem casar e quando uma esta prestes a morrer lutam pelo direito dela poder deixar tudo no nome de sua esposa. Pauso antes que comece e vou preparar minhas gordices. Ponho o hambúrguer no microondas, coloco o óleo no fogo e espero esquentar para fritar as batatas. Pego uma tigela grande e despejo todos os salgadinhos, ponho os biscoitos numa outra vasilha e levo pra sala colocando tudo na mesinha em frente da TV.

Volto a cozinha e o óleo já está quente o suficiente para colocar as batatas, eu sou muito desastrada com essas coisas de fritura então pego uma espátula bem grande e a um metro de distância mexo nas batatas quando meu telefone toca notificando uma mensagem. Solto a espátula na bancada e abro a mensagem que até então vinha de alguém desconhecido.

" Hey Alia, sou eu Thalia. Tem certeza que não quer sair pra se divertir essa noite? Ficar em casa é tão sem graça."


Sorrio com a mensagem, e decido responder


"Hey Thalia, sinto desaponta-la mais te garanto que minhas comidas e meus filmes valem muito a pena. Desculpa mas festas não é comigo, fica pra uma próxima.
Xoxo"


Largo o celular e as batatas já estão ótimas, as coloco num prato com um guardanapo pra tirar o óleo quando o microondas apita avisando que o hambúrguer está pronto. Coloco tudo no prato, pego o refrigerante e corro pra iniciar o meu filme.


[...]


O filme acabou a 3min e eu continuo chorando, é um filme lindo demais. Limpo as lágrimas e levo até a cozinha o que já acabei de comer,  pego os meus maravilhosos Finis. Vejo meu celular na bancada e pego ele também.
Sentada de volta no tapete olho o celular e tem uma mensagem da minha mãe avisando que vai dormir fora, o que eu já suspeitava. Mas há uma nova mensagem da Thalia então abro de imediato.


"Alia?


Hey está ?


Nossa, me abandonou...


Alia, deixa esse filme um pouco e me responde por favor?


Desisto. Quando vê as mensagens me responde."


Nossa coitada, estava tão entretida que nem liguei pro celular. Resolvo responder, afinal ela mandou muitas mensagens.


"Olá, me desculpa estava realmente entretida com o filme. Aconteceu alguma coisa?"


Escolho outro filme e volto a assistir enquanto como meu Fini e o celular apita novamente.


"Não estou me sentindo muito bem, essa festa está uma droga. Quero ir mas não tenho como. Você pode me ajudar?"


Respondo


"Claro, quer que eu peça um Uber pra você? Não se preocupa com o valor eu pago. não fica sozinha desse jeito"


"Você é um anjo sabia Alia? Obrigada, mas tem outro problema..."


"Qual?"


"Não posso ir pra casa..."


"Há... entendi.... quer vir pra ? Podemos comer, ainda sobrou muita coisa por aqui "


"Não vai te incomodar? Eu realmente não quero atrapalhar sua noite."


"Não vai nada, me passa o endereço e fica esperando que o Uber chega."


Thalia me passou o endereço e por incrível que pareça era a duas ruas da minha casa, ou seja, em pouco tempo ouço a campainha tocar e prontamente vou atender.
Pago o Uber e a convido pra entrar. Ela não parecia que estava numa festa, suas roupas eram bem simples como a de quem estava apenas em casa e as garrafas de Vodka intactas.
O que será que ela está aprontando?


Ela percebe a minha análise e abaixa a cabeça, vejo quando uma lágrima cai de seus olhos e sem perguntas a abraço. Ela retribui e continua a chorar em silêncio. Quando mais calma seguro em sua mão livre e a conduzo até o tapete, sentamos e ainda em silêncio espero por sua explicação do que está acontecendo.


- Me desculpa por aparecer assim, sei que deve ter reparado que eu não estava em festa nenhuma. - apenas assenti e esperei que continuasse - Alia, mal nos conhecemos e já é a segunda vez que você me ajuda. Eu estou numa situação delicada. Ao menos consegui beber de tanta coisa dentro da cabeça, eu preciso de ajuda e sei que você é a melhor pessoa pra isso.
- Estarei aqui no que for necessário Thalia, pode contar comigo!



Notas Finais


Até o próximo... ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...