1. Spirit Fanfics >
  2. Hizzie: O complemento perfeito. >
  3. Conectadas.

História Hizzie: O complemento perfeito. - Capítulo 27


Escrita por:


Notas do Autor


Hello Guys.

Mais um capítulo adorável de Hizzie para vocês.

Não ignorem o final das notas lá em baixo.

Boa Leitura!!!

Capítulo 27 - Conectadas.


Fanfic / Fanfiction Hizzie: O complemento perfeito. - Capítulo 27 - Conectadas.

                   •ℕ𝕒𝕣𝕣𝕒𝕕𝕠𝕣𝕒•


L izzie tentou e tentou cair num sono profundo de noite, após toda aquela conversa esclarecedora com a Mikaelson. Mas aquilo lhe deixou tão intrigada, ao ponto de não conseguir sequer relaxar. Sua fome pareceu aumentar gradativamente também. Ela sentia-se como se estivesse no seu limite e aquilo era um tremendo perigo, tanto para si mesma quanto para os demais à sua volta. Um lado seu lhe julgava por desobedecer seus instintos, que haviam lhe dito para não ir atrás de informação, pois isso seria literalmente o cúmulo do insuportável. E o seu outro lado, agradecia por ter agido de tal maneira, sendo persistente até saber da verdade, e isso a incentivava para procurar Hope neste momento juntamente com o seu pai, para poder acertarem logo de uma vez todas essas difíceis circunstâncias. Ela encontrava-se incerta se iria arriscar sair de seu quarto até a sala do diretor, sem esbarrar com ninguém e arrancar a jugular desta. Afinal, todos eram consideravelmente uma presa para a herege nesta manhã, já que não estava sobre seu costumeiro controle de antes, o qual se dedicou tanto para alcançar de modo definitivo. Seria um desastre se recuperar mais uma vez, do resultado de suas ações seriamente drásticas diante a todos os alunos, igualmente ao último dia do semestre passado. 

Alaric tentava se sustentar com a idéia de simplesmente nada ter acontecido com Malivore, ou com o fato quase provado de ter se esquecido de alguém. O peso se ampliava mais ao lembrar que não seria digno de voltar a ser o diretor da sua própria escola, tão cedo ou talvez nunca. Pensar em não poder conviver com suas filhas, da mesma forma que antes, era frustante. Ele sentia-se culpado, irritado, decepcionado e fútil. Como se lhe faltasse um vazio em seu coração, e principalmente na sua memória. O Saltzman não queria se conformar sobre estas medidas intocadas dentro de si. Sua observação perante o mundo ao seu redor, lhe passava o sinal extremamente errado e completo por desaprovação e desgosto, quando enxergava claramente que quase todos pareciam estar felizes e tranquilos. Como se nada de ruim tivesse acontecido, e isso era mais do que óbvio que não estava correto. O povo se comportar igual a uma brincadeira idiota de cabra-cega. E essa sua visão realista e precisa estava faltando-lhe pouco para tomar uma providência à respeito. 

- Dad?! - ouvindo a voz de sua filha pronunciar-se, o mais velho virou-se de frente para a mesma. - Oh, graças a Deus! Você está aqui! - clamou ela em um alívio passageiro. 

- Oh, Elizabeth! - pronunciou-se o maior, indo até a mesma e a abraçando de maneira meiga. - Como sentir sua falta, minha ursinha. - disse sorrindo. - Se veio ficar algum tempo aqui para conversar comigo, então aproveite, porque está será a última vez que eu irei vir aqui, acredito eu. - seu semblante ficou triste depois de assumir aquilo. 

- Quanto a isso, eu lamento mesmo, pai, se eu estivesse no comando das bruxas, teria votado mesmo assim no senhor. - respondeu em sinceridade. - Bom, tenho muitas coisas para serem faladas com você... Digamos que eu tenha descobridor tudo sobre o dia da tríade, onde esquecemos alguém importante. 

A herege conseguiu atrair totalmente a atenção de seu pai, por um longo tempo depois de dizer sobre aquele assunto tão extenso. Basicamente contou-lhe sobre tudo o que soube. Falando sobre Hope e explicando que foi ela que derrotou o monstro e salvou a todos indivíduos alunos. E a cada medida que suas palavras saíam de sua boca, cada vez mais Alaric sentia-se interessado. E descobrir sobre aquilo tudo, o deixou tão orgulhoso de si mesmo, por suspeitar desde o início que tinha algo de errado em toda aquela falsa felicidade das pessoas. Obviamente, também adorou saber que sua filha pensou de mesmo modo, e tratou de ir atrás das pistas mais possivelmente justificativas. 

- Agora tudo faz sentido! - afirmou o mais velho em tom de entusiasmo. - Mas por outro lado, eu não estou tão feliz por saber o que esse tal de agente secreto da tríade te fez, isso não é justo com nenhum de nós e eu juro que vou acabar com ele. - suas palavras soou firmes e rispidas. 

- Eu sei pai, eu mesma vou querer olhar nós olhos dele e decretar vingança pelo que me fez... - ela abaixou sua cabeça assim que um ódio repentino se fez presente em si, ao deixar suas veias aparecerem brevemente. - Mas para realizarmos isso, primeiro precisamos convocar a presença da Mikaelson de novo, afinal, sem ele talvez nós não estaríamos vivos, foi ela quem nós salvou de Malivore, e ela era uma das alunas com um dos papéis mais importantes desta escola, com mais reconhecimento, portanto, você precisa convence-la a ficar com a gente lá de volta, okay? - comentava a loira ao encarar seu pai, com um olhar apelativo. 

- Eu vou tentar conversar com ela, provavelmente ela virá atrás de mim, então, não precisa fazer um feitiço de localização, muito menos ficar obssecada por toda está história trágica, está bem? - perguntou ele buscando um aceno positivo de sua filha. - Afinal, eu sei como sua mente deve estar uma bagunça agora tanto quanto à minha, mas ainda temos que esperar um pouco para resolver esse caso de forma mais cautelosa e delicada possível, com todos e com ela mesma, okay? - acariciar sua cabeça. 

- Okay, pai, eu não prometo nada, porém, você está certo e tentarei me tranquilizar de volta, mesmo havendo tantas coisas pendentes. - ela suspirou fundo e inalou o ar em seus pulmões novamente. - Isso fica entre a gente?! - sugeriu levantando uma sobrancelha. 

- Sim, Lizzie. - concordou ele em afirmação. - Até mais, pequena garota. - o diretor beijou a cabeça de sua filha e distribuir um sorriso um último sorriso de despedida. 

- Tchau. - acenou Elizabeth igualmente.


Após pouquíssimos minutos depois, o horário das aulas estavam prestes a iniciar-se. A Saltszman teve que "fugir" discretamente, em sua velocidade vampírica. Andou-se até a cozinha calmamente e foi logo em direção do freezer da geladeira. Abriu-se e achou os seus estoques secretos de bolsas-de-sangue. Tratando de enfiar o bico de uma delas, diretamente para dentro si. Suas veias surgiram e sua respiração ficou descompassada. Rapidamente seu estômago teve um breve enjôo, fazendo sobre que a herege cambaleou seus passos no chão. Uma tontura repentinamente súbita lhe veio tomando-se inteiramente em seu corpo, e isso fez seu organismo rejeitar aquela fonte sanguínea com gosto horrível, vomitando metade do líquido que teve engolido momentaneamente. Em seguida, sua carne amolecer e sua inconsciência veio à tona. 

- Lizzie? - adentrou sua irmã Josie no local, desfazendo o sorriso de felicidade assim que avistou sua irmão desmaiar no chão. - Oh meu Deus, Lizzie! - exclamou à morena altamente, se desesperando junto com Penélope. 

Elas mal tinham se visto depois de tanto tempo, e já tiveram que afastar-se assim que avistaram a loira caída ao chão. A Park se apressou a chamar por Kaleb, o qual era o único vampiro passando pelo corredor próximo a cozinha. A morena sinalizou para o Hawkins e dirigiram-se para dentro do lugar. Josie parecia se desesperar cada vez mais. Chamando por sua irmã que se recusava a acordar. 

- Estranho! - ajoelhar-se Kaleb sobre o piso rústico de madeira. Próximo as garotas. Ele experimentar umas gotículas da mesma fonte, mas não nota-se nada de errado. - O sangue está meio fora do seu ponto, porém, não há nada de anormal; é natural o sangue de animal ficar mais velho e menos fresco. - explicou o vampiro. Olhando para Josette e a Park.

- Tem razão! Isso não seria motivo o suficiente para ela ter vomitado e desmaiado... - argumentar a sifão.

- Mas cada transformação é diferente! - afirmar a Park observando a herege desacordada. - Cada organismo tem um funcionamento incomum, alguns são tendenciosos a serem mais frágil, já outros mais fortes. - dizia ela em ensinamento. - Mas o que não se encaixa nisso, é o fato de que ela vinha se esforçando tanto para se fortalecer, em todas as áreas, ela passou praticamente as férias toda se dedicando para obter auto-controle e melhorar o maior possível. - comenta a morena, em confusão consigo mesma.

- E a falta de explicação para isso torna tudo incoerente. - completou-se o Hawkins. - Nós temos que tira-lá daqui ou então consultar a ajuda de alguém.

- Isso não será preciso! - afirmou-se a loira de modo autoritário, porém, suas palavras soaram fracas de seus lábios. Ela despertou-se lentamente. Mas dava-se de notar sua expressão irritada. - Não se preocupem comigo! - rebateu tentando levantar-se sozinha.

- Lizzie?! - pronunciar-se Josette em surpresa. A sifão ouvir as palavras atentamente de sua gêmea, ao ir acompanhando seus gestos. - Mas... Como assim? Você está bem? - interrogou-a trazendo uma expressão confusa aos rostos dos três.

- Sim, eu estou, okay?! - respondeu diretamente. Sem olhar em seus olhos. - Só necessito afastar-me de todos por hoje. - justificou.

Antes que um deles pudessem lhe falar algo em protesto, a Saltszman deu-lhes ás costas. Tratando de sair em sua velocidade vampírica. Deixando todos inertes no local, completamente confusos e perdidos. Lizzie sentia-se na necessidade de algo. Um certo alguém indeterminado. A tal ausência em seu interior, que permaneceu lhe apertando em amargura sobre o seu peito, durante ás férias inteiras; tinham cessado quando seus olhos encontraram-se com os da ruiva, na noite passada. Era como se algo a preenchem quando se estar diante da Mikaelson. Elizabeth não conseguia separar a tríbrida de seus pensamentos. E isso estava começando a parecer estranho demais. Sua alma almejava por ela, e a herege não conseguia mais negar aquilo dentro de si. Obteve reconhecimento de que Hope não era uma simples garota amigável e responsável como demonstrava ser; havia um significado mais intenso nisso para Lizzie. Algo que definitivamente ia muito além. Sentia-se claramente ligada a ela. Possuíam uma conexão tão linda e admirável. E tudo isso comprovam o fato de que com toda a intuitiva certeza existente fielmente em Lizzie, Hope ainda esconder segredos importantes da mesma.

Nestes instantes, Lizzie não se encontrava em condições para ir a busca de Hope. Principalmente fazer algum tipo de feitiço. A mesma ganhava agitação cada vez mais em que ouvia inevitavelmente os barulhos pela expansiva escola. Seus nervos queimando por fluídos corporais. A Saltszman não aguentaria por muito tempo ficar presentemente ali. Seus sentidos vampíricos clamavam por um definitivo alívio, sem que houvesse vozes, gritos, pessoas e tumultos perto localmente de si. Aquilo teria que cessar, uma hora ou outra, fosse por bem ou por mal. Mas como Elizabeth era esperta e ainda permanecia super consciente de seus ator, ela sabia que a única coisa para solucionar seus problemas tinha nome e sobrenome.

                             •••

H ope passeava pela primeira vez na High School de Mystic Falls. A escola popular de sua cidade, habitada por humanos. Era até icônico vê-la ali. Uma sobrenatural no meio de pessoas normais, as quais mal imaginavam quem seria ela. A única razão para a mesma ter vindo para ali era muito simples e bizarra. O Troll em que ela caçava já a duas semanas, tinha ido parar logo nesta escola, no intuito de considerar o melhor lugar para acabar se infiltrando. Mas isso era um grande perigo. Já que querendo ou não, ele poderia ser exposto diante os estudantes ingênuos e indefesos. E logicamente, Hope se sentia encarregada de cuidar disso e mata-lo de uma vez totalmente. Afinal, o motivo para ele ter vindo como ameaça novamente, era pela sua causa, de ter saído de Malivore. No caso, tudo começaria de novo. Por mais cansativo e repetitivo que esse trabalho mostrava ser, esse continuaria sendo seu dever.

- Olha se você está tentando se esconder, é melhor olhar para trás, porque o diretor está bem atrás de você. - alertou um garoto de porte físico Atlético. Seus olhos azuis claros destacam-se sobre sua pele branca. Acima de seu rosto, seus cabelos loiros escuros eram lisos penteados para trás. - Você também é alguna nova? - perguntou ao estender sua mão para a ruiva. - Prazer, sou Ethan, Ethan Fell. - abriu um sorriso de gentileza.

De início, Hope levou um susto pela maneira repentina que aquele garoto resolveu aparecer naquele corredor. Mas logo sorriu em aprovação pela simpatia do rapaz. - Eu só estava procurando o banheiro feminino, e bem, eu sou sim uma novata, estou começando o meu dia já completamente perdida... - revirou seus olhos ao fazer uma breve careta. - Meu nome é Hope, Hope Marshall. - ela pensou rapidamente em boas mentiras e então cumprimentou o garoto.

Os sinais bateram. Alarmando ser a hora das aulas. - Oh, okay Marshall, já está na minha hora de ir, mas nós ainda nos veremos por aí. - sorriu despedindo-se.

- Ah, claro! Até mais!

Alaric observou-se a conversa curta dos dois e notou-se algo de curioso nas desculpas daquela garota. Sentia-se como se ela lhe fosse familiar. E sem contar com tudo o que houve descoberto antes, aquilo lhe chamou ainda mais sua devida atenção.

- Deve ser fácil se esconder assim, não é?! - cutucou o mais velho. Atraindo o olhar surpreso da ruiva. - Omitir a verdadeira identidade, não acha que é meio feio, Hope?! - indagou pondo uma mão em seu bolso.

- D.r.t Saltszman?! - questionar ela falhando sua voz.

- Eu sei quem você é, Elizabeth me contou tudo. - respondeu calmamente.

- Ah, mas é claro! - respondeu a tríbrida em desdém. - Já era de se esperar! - cruzou os seus braços.

- Preferia se ela estivesse fazendo o mesmo que você? - perguntou confuso.

- Está bem óbvio que todos estão muito felizes assim, sem saber de mim. - deu de ombros. Fingindo indiferença. - Por que acha que deveríamos contar? Para ser reconhecida como um motivo péssimo de estraga prazeres, ao invés da imagem excelente que eu mereço? - Interrogou-lhe em razão. - Sorry, mas não, não preciso me sentir mais injustiçada do que me sinto, se for para ser recordada da pior forma possível, então sim, eu prefiro que sua filha guardasse esse segredo, principalmente por ser ela a qual mais parece estar plenamente feliz sem mim. - a tríbrida proferiu suas palavras de modo direto e rispida.

- Espera! Vamos conversar melhor na minha sala? - sugeriu Alaric ao se dar conta de que abordar sobre aqueles assuntos de seu mundo secreto, justo naquele corredor em público, seria um risco inapropriado. - Hey, Hope! - exclamou para a ruiva que resolveu dar lhe ás costas inexplicavelmente.

A Mikaelson se dirigiu em busca do banheiro feminino e logo não prolongou muito para achar. Ter tocado sobre a sua ferida nenhum pouco cicatrizada, a respeito do dia em que avistou sua amada aos amassos com um galã medíocre. Ter relembrado disso mexeu consigo. Sua incomodação voltou. Seu estresse, suas mágoas, seu coração quebrado em pedaços ao se deparar com a dura realidade de que ninguém se importava nenhum pouco em saber de sua existência, muito menos sentir-se inconformado, era o auge. Sentia-se no limite. Parece que tudo girando ao seu redor lhe deixará agoniada. E saber que não tinha mais a herege como o seu porto-seguro foi o suficiente para faze-la despejar a primeira lágrima. Prestes a ter um episódio. Ás luzes piscaram repetidas vezes e um tremor se iniciava.

Hope só não esvaziou sua raiva para fora, porque justo a causadora de seu atual pré-surto veio ao seu encontro. Pegando-a de surpresa. Adentrando o banheiro feminino com passos lentos. Tentando manter-se na sua compostura normal.

- Hope?! - chamou Elizabeth. Cambaleando um passo a frente.

- Lizzie?! - questionar Hope ao avistar a situação péssima da Saltszman. A qual tentava inutilmente esconder.

Na cabeça dela, o certo com certeza seria responde-lá de modo grosso, sem dá nenhuma importância ao estado dela. Mas a tríbrida não conseguia se vingar de Elizabeth, ou trata-lá mal quando o real momento não pedia isso. Mesmo havendo suas razões para odia-lá, era quase uma missão falha.

- E-u preciso do seu sangue... - proferiu a loira em fraqueza na sua voz. - P-ara e-eu melhorar, necessito d-dele. - gaguejar. - Preciso de você, Hope. - admitir segurando com suas mãos no pescoço da ruiva. Enquanto suas palavras saíram calmas e baixas. A Mikaelson a acolhia em sua força. Segurando Lizzie por em volta de sua cintura. Elas se olharam de maneira fixa e serena, de olho a olho para suas inevitáveis bocas.

- Está bem! - concordou a tríbrida de forma pacífica. - Eu acho que sei o que significa isso; você deve ter sido ligada à mim, por haver grande importância, assim como é o elo de ligação entre um híbrido e o seu criador. - deduziu a Mikaelson em esclarecimento. - E agora nós precisamos compartilhar sangue juntas, para amenizar sua sensibilidade. - explicou colocando-a em cima do balcão da pia. Abrindo o seu pulso ao deixar seus dentes de loba surgirem.

Lizzie guiou o pulso de Hope ligeiramente para sua boca, cravando suas presas caninas sobre as veias sanguíneas. Elas emanava um sabor diferente, juntamente com um cheiro que abriu mais ainda seu apetite. A Mikaelson fechou os olhos naquele momento, sentindo ser sugada de maneira excitante pela garota. Seus corpos pareciam se remexer discretamente um contra o outro, naquela adorável posição. A herege resolveu trocar o local de sua fonte, querendo experimentar mais ainda de sua amada pela região lateral do pescoço, na veia artéria. Em aprovação, a ruiva apertou automaticamente sem querer as coxas da loira, que por sua vez, reagiu de forma constrangedora ao seu toque. Afastando-se de imediato dela.

                             [•••]

                •••••••••••••••••••••


Notas Finais


ATENÇÃO: NÃO IGNOREM!!! 📌

Então, eu gostaria de iniciar isso dizendo que eu não quero mais ver vocês pulando os meus capítulos, para ler outros. Pois eu não faço isso com a história de ninguém, então, eu exigo o mesmo exemplo!!! Porque toda vida que eu venho aqui, sempre tem umas 20 ou 10 visualizações a mais que nos outros capítulos. Por exemplo, o 18 do flashbacks tem 100 enquanto o 17 só tem 76 ou uma coisa assim. Todos os capítulos vocês estão fazendo isso, e é chato, poxa. É pra vocês acompanhar a história direito!! Se não, ai não tem graça! Não é pra isso que eu escrevo a fanfic não tá? Por favor, COMECEM A TER SENSO DO CORRETO, e parem com isso. Porque já está insuportável e isso só está me desanimando.

Outra coisa: A falta de comentários também está foda hein. Só tem uma criatura aqui que fica comentando algumas bostas ainda por cima. Mas e o resto?? E aqueles 56 favoritos que eu tenho?? Vocês são fantasmas, por acaso?? Poxa vida cara!! SE CONSCIENTIZE DISSO. Não finja como se isso não fosse nada demais. Por que é sim! E vocês ficarem agindo dessa forma me desanima muito!!! Se uma hora ou outra eu parar de escrever pela falta de atitude de vocês, em colaborar comigo, NÃO RECLAMEM!!! É SÓ UM AVISO! 📌


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...