1. Spirit Fanfics >
  2. Hizzie: O complemento perfeito. >
  3. Três Vilões VS Um Squad.

História Hizzie: O complemento perfeito. - Capítulo 34


Escrita por:


Notas do Autor


Esse capítulo está tão foda quanto ao anterior. E eu prometo que será mais ainda daqui pra frente. Cheio de ação. 🔥

Boa leitura!!

Capítulo 34 - Três Vilões VS Um Squad.


                   •Continuɑçα̃o•


aleb acordou e logo colocou-se a correr, assim que seus ouvidos foram captando os sons barulhentos do pessoal correndo, e indentificando que sua irmã encontrava-se em perigo, ao detectar pelo seu olfato, o seu cheiro reconhecível. E quando ele e Milton conseguiram alcançar as duas garotas, se surpreenderam com o que viram. Elizabeth dando de beber a sua fonte sanguínea do pulso -a qual possui o fator de cura, graças a imortalidade- e respirando fundo relutantemente para superar aquela sede repentina. Em questão de segundos, o ferimento do pescoço de Kym foi cicatrizado e limpo, como se não houvesse acontecido simplesmente nada. Então a loira afastou-se se compondo daquela agonia, e dando espaço para um braço de consolidação dos garotos tanto a ela quanto a humana. Expressões passageiras de alívio transparênceu em seus rostos. 

- Obrigada Lizzie! - agradeceu o Hawkins gentilmente. 

A herege assentiu de forma positiva para o moreno, e então todos voltaram a se dirigir para o pátio do salão novamente. Precisavam ajudar Hope. Portanto, se apressaram a voltar para lá. Assim que entraram na área, avistaram Josie trazendo Alaric com muito cuidado até o local, já que neste havia machucados feios pelo maldito. 

- Dad! - exclamar a garota pondo-se de joelhos a frente de seu pai e abrindo ligeiramente o seu pulso, na intenção de novo de poder curá-lo. Ato que surpreendentemente, ele não negou. - Oh, graças a Deus! Você está bem! - afirmava ela fechando os seus olhos. - A onde aqueles dois desgraçado estão?! - falou de maneira raivosa e direta. 

- Digamos que ele mexeu com a pessoa errada e eu simplesmente acelerei o processo de Hope, aliás, ele quis se vangloriar do que havia feito a você, e eu não pude deixar isto sair assim! Ninguém jamais toca nas minhas filhas e permanecer a viver ilegalmente. - comentava o mais velho, dando um pequeno sorriso. - Agora nós podemos dormir em paz! 

- Não antes de acharmos o número um. - responder Penélope diretamente, andando de um lado para o outro, até que algo chamou sua atenção e uma expressão de horror se fez em seu rosto. - Espera! Por quem eu posso homenagear uma estátua de feminismo nesta escola, por ter lhe concedido está decapitação tão nojenta, porém, agradável?! - a Park fala ao ver o corpo morto sem a parte da cabeça colada ao mesmo, fazendo com que os outros vissem e embrulhassem seus estômagos. 

- Pessoal! - exclamar Josette e Kaleb em uníssono. - Nós não vimos nenhum sinal vermelho de alguém em perigo, mas também não vimos Hope. - alertar a Saltzman em feição preocupada. 

- Oh, merda! - xingar a loira elevando suas mãos até a cabeça. - Aaaahh! - ela gritar e chuta uma cadeira longe, atraindo atenção de todos. Trazendo uma raiva bem aparente em si. Introduzindo seus passos furiosamente brava até o cadáver de Ryan Clarke. - Esse ainda não vai ser o seu fim, filho de uma lama vadia e medíocre!! - afirmar em tom de ordem. 

A garota elevou a palma de sua mão em altura mediana para cima, e através de seus dedos fluía a sua própria magia de seu lado vampiro, o qual a fornecia seu próprio poder. E nisto ela foi repetindo algumas palavras em latim, ainda que fossem originalmente de magia negra, por estar ressuscitando o rapaz o que automaticamente também estava mexendo contra a lei da natureza, ela arriscou-se fazer, pois sua vingança com o seu matador ainda nem houve-se iniciado, e definitivamente precisavam saber onde estava a tríbrida e colher o máximo possível de informações. Então, tendo encerrado o ritual para o reviver, ela fechou sua mão e ordenou para que sua cabeça incendia-se, como um selo final para o feitiço funcionar e ele poder regenerar-se. Todos a olharam com indagações em seus rostos e racionalmente ela os ignorou, girando suas duas órbitas azuis. Por segundos após, o homem á sua frente retornou ao seu normal de anteriormente e trouxe mais espanto ainda para todos os outros, os quais imediatamente se prepararam em posição de atacamento, caso o diabólico ex-agente já ameaçasse algo contra os mesmos, assim como antes. 

- Como eu...? - proferir o agente, estranhando a situação. 

- Através de mim e minha magia! - afirmar de maneira direta. 

Ele solta uma risada sarcástica. - Como você se sente hein, Alaric? - ele desviar seu olhar para o mais velho. - Ter suas duas filhas praticando magia negra e tudo por minha causa, que exemplar! - diz o golem sorrindo em deboche. 

- Nossa, como você é extremamente egocêntrico! - resmungar a loira revirando novamente os seus olhos. - Saiba que se ficar de piadinhas, nós três iremos te propôr outras dores piores do que uma decapitação. - comentar em alertar séria, ao dar dois passos em frente em direção ao mesmo juntamente com Josette e Penélope. - E eu garanto que você não estará confortável, com três bruxas dispostas a lhe conceder uma intensa tortura, presos no mesmo local, sem nenhuma escapatória... - ela puxar o queixo dele. - Assim como você fez com a minha namorada. - confirmar abrindo um pequeno sorriso falso nos lábios, mas sem desmanchar seu olhar odioso. 

- Isso soou tão vingativamente masoquista. - responder Ryan em seu tom malicioso; o que seguidamente, recebeu um tapa forte pela garota em reprovação a sua nojenta indiscrição. - Está bem! Faço como você preferir! Desde que me deixe fazer minhas piadas. - ele insistir em suas bobeiras, buscando o estresse no restante. 

- Como você pode ser tão inconveniente?! Seu desgraçado! - exalta-se Alaric em nervosismo claro, prestes a atacar o homem a sua frente, se não por Josie a impedir. - Como ousa a ter tanto atrevimento, diante de mim e minhas filhas?! Você irá pagar dolorosamente por isso igual nós fizemos com o seu ex-cúmplice. - ameaça seriamente o Saltzman, esbravejando-se entre a impertinência. 

- Acalma-se father, nós três cuidamos disso! - pronunciar Josie desviando seu olhar para o indesejável. - Eu faço as honras primeiro. - diz ao levantar seu braço e fechar seu punho, fazendo com que o agente se levantasse do chão e graças ao seu gesto ele a teria que obedecer, começando a dirigir seus passos atrás da morena, em direção aos fundos da escola, onde ficava ás celas para os lobisomens e ambas garotas acompanhavam também atentamente atrás do mesmo, caso ele tentasse algo sem que a sifão visse, enquanto eles caminhavam. 


                              •••


×Luisiana,  New Orleans. 11:30 AM. 


M eu sistema auditivo foi escutando os sons dos pássaros. Minha cabeça girava em formação redonda e isso ia tonteando meu cérebro, até que abrir meus olhos e recuperei minha visão anteriormente embaçada para a mais limpa e visível possível. Com esse quesito, percebo que estou sentada numa cadeira, havendo cordas grossas em bases de verbena e wolfesbane, - ou seja, contra o vampirismo e lobisobisismo, (o que causa dor, pois sou as duas coisas) -, e ainda por cima, consigo sentir uma magia super forte no local, o que indica logicamente que há uma barreira mágica bem resistente me cercando. Meus pés possuem algemas firmes ao chão. Tecnicamente tudo está planejado para me deixar seguramente presa, já que sou uma tríbrida, então consequentemente dou muito trabalho para muitos dar conta e isso soa até divertido para mim, me fazendo sorrir brevemente. Mas logo foi desfeito, assim que meus olhos foram-se de encontro com os detalhes das paredes daquele lugar á minha volta, e o barulho altíssimo dos pássaros cantando, como se estivesse num sítio ou algo assim. Algo me dizia sobre aquilo ser tão familiar. O problema é que certamente não dava-se de indentificar, já que em algum momento sinto como se tive aqui, porém, sinto como se alguém sim tivesse vindo aqui. Se eu ao menos conseguisse tocar com meus dedos das mãos ao chão e me concentrasse, saberia diretamente a localização de onde me situou agora, incluindo flashes ligeiros do que houve absolutamente neste lugar. 

Sou pega num pequeno susto, quando ouço a fechadura da porra destrancar-se devidamente pela chave, dando-lhe acessibilidade a quem quer que fosse. E sem mais dúvidas, a porta foi aberta pela mesma mulher de ontem à noite. Engolir em seco. 

- Hey! O quê você achou do meu cabelo?! - indagar a Martel, atraindo minha atenção para sua cabeça. - Ah, tanto faz ser loiro ou vermelho, se eu posso ter os dois ao mesmo tempo, não é?! - ela retirar sua peruca loira e guardar na pequena cômoda ao lado da porta. 

- Se esse vai ser um dos seus disfarces baratos de vitrine de 1,99 então é lamentável, pois qualquer um perceberia este truque de vilã mexicana tão popularmente copiavel. - comentei torcendo os meus lábios, tentando conter o meu riso. 

- E se essa vão ser suas últimas palavras, é lamentável que eu deva arrancar sua língua para isto. - a mulher vem em questão de segundos graças a sua velocidade vampírica até mim, pressionando meu queixo. - Aliás, elas ainda serão necessárias para muitas futuras coisas, portanto, deixe-me poupa-lás mantendo-se cuidadosamente quieta sobre certas palavras. - ela soltar bruscamente, fazendo meu maxiliar trincar pelo seu pressionamento intenso ao lado no local. 

- Não acredito que vou ter que encarar mais uma ex-louca ruiva do meu pai... - respondo em ignorância. - Vamos lá! Conte-me como diabos você conseguiu despertar de seu bendito sono da bela adormecida?! - perguntei-lhe olhando em sua direção, ainda que descostas, arrumando algo sobre a superfície da mesa da cozinha. - Sei como você está louquinha para poder tagarelar á vontade comigo sobre isso, com mais um daqueles discursos clichês de ódio e vingança dos vilões enquanto eu fico mofando aqui inerte, apenas escutando o seu tom de voz inacabado, e no final de tudo ficará vangloriando-se inutilmente querendo me matar ou atingir-me de alguma forma, até alguém entrar e me salvar, ou eu mesma resolver dar um jeito de me livrar destas correntes e fazer você cavar sua própria cova, mais uma vez. - discursei dando de ombros, sem me importar com seu ódio. 

- Ah, não, minha cara! - ela levar suas duas mãos sobre os meus cabelos, passando entre os fios levemente, em sinal de provocação. - Desta vez será um procedimento completamente diferente, onde haverá apenas você e todos os seus amiguinhos incluindo inesquecívelvemente sua família á sua volta, correndo contra o tempo para poder desvendar o que definitivamente está propenso a ocorrer a partir de agora, vocês querendo ou não, terão que quebrar suas cabecinhas até descobrir, e nós não iremos facilitar n-a-d-i-n-h-a. - soletrar a ruiva, próxima de meu ouvido, distribuindo uma risadinha besta em aprovação. 

- Espera! Como assim "nós"? - indaguei franzindo meu cenho. - Você não está trabalhando somente com o ex-agente Clarke, não é?! - perguntei adivinhando seu joguinho. 

- Eu não sei, que tal pensar?! Três vilões VS um Squad ridículo? - deu de ombros, em plena feição irônica.  - Isto será muito divertido, preciosa Andrea Mikaelson. - ela sorrir. 

                             

                              [•••]


Notas Finais


Não esqueça de comentar, caso tenha gostado e de clicar no coração "❤" aqui em baixo. Muita obrigada por ler!

Até o próximo, nenês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...