História Hogwarts - Uma História Pokémon - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter, Pokémon
Tags Crossover, Harry Potter, Pokémon
Visualizações 10
Palavras 1.506
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Voltei até que rápido dessa vez, me bateu uma inspiração para esse capítulo e escrevi bem rápido.
As coisas estão se desenvolvendo para algo bem diferente do que conhecemos dos filmes e livros mas estou gostando mais assim. Boa leitura.

Capítulo 14 - Livro Um - Capítulo 14 - Em busca do Kecleon


Fanfic / Fanfiction Hogwarts - Uma História Pokémon - Capítulo 14 - Livro Um - Capítulo 14 - Em busca do Kecleon

- Um Kecleon? – Questionou Rony inconformado. – Como assim um Kecleon? Das arquibancadas não vimos nada, só que você do nada parou e quase caiu. Você devia ter visto a Mione, ela quase desmaiou.

                Hermione corou e desviou o olhar. Os três conseguiram se desvencilhar do tumulto que se tornara o campo de quadribol após a vitória da Grifinória. Harry foi saudado por todos os torcedores da Grifinória naquele inicio de noite (o que incluía todas as casas com exceção da Sonserina), mas ele quis se encontrar a sós com os amigos para conversar em particular, foi então que contou o que houve enquanto estava montado no Dragonair.

                - E de onde veio esse Kecleon? – Perguntou Hermione tentando retornar a conversa que tomava um novo rumo. – Você viu ele chegando?

                - Não...eu simplesmente senti um solavanco e...espera. Será que ele caiu? Do céu?

                - Acho difícil Harry. Kecleons não voam, só...ficam invisíveis. Mas, vai saber o que aconteceu. O importante é que você está bem.

                Os três continuaram em silêncio por mais alguns minutos, enquanto Pietro corria até eles para alcançá-los.

                - Olha, tenho que admitir Harry. Seu time deve a vitória a você e ao seu goleiro, agarrou demais. – Pietro apertou a mão de Harry. – Eu estava numa arquibancada mais próxima que o Rony e a Hermione, e vi o que aconteceu Harry. Tinha... um... lagarto no seu Pokémon antes de você cair. O que era aquilo? – Pietro ajeitou seu cabelo rastafári atrás da orelha para ouvir melhor. Harry pareceu um tanto relutante, mas incentivado principalmente por Hermione dividiu com o amigo sonserino o que tinha acontecido. – Caraca, não acredito. Isso foi demais, sobreviver desse jeito.

                - FOI O QUE EU FALEI PRA ELE. – Disse Rony rindo.

                - Essa não é a questão seus bobos. Queremos saber de onde veio esse Pokémon e por que queria tanto afetar o Harry.

                - Bom, a gente pode tentar uma coisa. – Pietro sacou sua pokedex do bolso do uniforme. – Sei que a gente costuma usar somente em algumas aulas para tomar o registro de alguns pokemons que conhecemos, certo? Acontece que... –Ele aguardou alguns alunos passarem por eles no hall de entrada.

                - Jogão hein Harry. Parabéns.

                - Acontece que – Pietro continuou – Há uma pokedex aqui na escola, com o registro de todos os pokemons dos alunos, professores, e funcionários.

                - Se está sugerindo que a gente roube... – começou Mione.

                - Não! Não vamos roubar a pokedex. Só... descobrir de quem é o Kecleon, não há mal nenhum nisso. Mal é quem tentou derrubar o Harry. A pokedex fica no escritório, ou muquifo, o que você preferir, do Filch. Como inspetor de alunos, ele precisa ter todos esses dados para agir e, não importa. É lá que vamos encontrar essa informação.

                - Eu topo. – Disse Harry.

                - Eu também. – Rony tremeu um pouco mas confirmou.

                - Eu vou, mas só porque sozinhos vocês vão se dar mal. Precisamos de um plano. – E ela começou a sugerir um, enquanto o dia se tornava noite lá fora.

 

***

                - Vamos seus lerdos. – Disse Hermione para Rony e Harry na sala comunal, de modo que todo mundo ouvisse. – Se não nos apressarmos a biblioteca fecha antes de pegarmos o livro que precisamos para a atividade de amanhã.

                - Vamos. – Os dois a seguiram para fora da sala, deixando a pintura feita pelo Smeargle e “encantado” pelas poções do Snape, com a Mulher Gorda como segurança, para trás.

                - O Pietro já deve estar lá na ponta da escada nos esperando. Trouxeram seus pokemons? – Os dois acenaram com a cabeça que sim para Hermione. – Ótimo. Sigam tudo que eu falei, do contrário a Purrloin do Sr. Filch vai nos pegar. E não vai ser nada bom.

                Continuaram o caminho, sem falar nada um tanto quanto apreensivos, estavam prestes a descobrir algo grande, com certeza havia mais de um Kecleon na escola e entre eles estaria o responsável do ataque a Harry durante a partida. Atravessaram mais alguns corredores e ao pé da escada do primeiro andar, Pietro aguardava, ele estava usando um cachecol.

                - Ainda bem que chegaram. Estava começando a achar que não viriam.

                - Nunca duvide da palavra de um grifinório. – Disse Rony, tremendo de medo.

                - Posso dizer o mesmo dos sonserinos. Mas os que prometem mais bosta são os que se destacam. – Os quatro riram um pouco. – A sala do Filch fica no final do terceiro andar virando a direita.

                - Temos que ter cuidado lá. É o andar da sala proibida. – Lembrou Hermione.

                - O que disse para a sala comunal da Sonserina para poder sair sem suspeitas? – Perguntou Harry.

                - Nada, lá o suspeito é alguém comentar alguma coisa no caso.

                Subiram outro lance de escada e chegaram ao terceiro andar. A porta ao lado esquerdo levava a sala, ou ao que quer que tivesse do lado de lá que era proibido, os quatro passaram curiosos por ela, tentados a dar uma espiada, simplesmente por saberem que era proibido, porém ignoraram e continuaram seu caminho até o final do corredor onde ao virar a direita você encontraria a sala do Sr. Filch. Nem sinal dele e da Purrloin (um Pokémon parecido com um gato nos tons bege e roxo) chamada Madame Norra, o que era um bom sinal.

                - Rápido, sigam com o plano. – Disse Hermione. – Com um movimento rápido, Harry sacou Edwiges. Ele percebeu que com a prática e a intimidade que criava com seu Rowlet cada vez menos era necessário usar uma varinha de comando.

                - Dispare uma folha navalha na fechadura e destranque essa porta para gente Edwiges. – A corujinha o olhou desconfiada, parecendo saber que aquilo era um erro, mas fez mesmo assim. A porta rugiu um pouco e foi para frente.

                Nesse momento, Rony reparou num vulto laranja correndo atrás de alguém de uniforme preto e cabelos dourados. Draco e seu Charmander tinham os seguido, e flagraram-no abrindo a porta da sala do Sr. Filch. Bastava que ele encontrasse a Madame Norra ou o funcionário da escola e seu plano iria por água abaixo.

                - RÁPIDO. ESTAMOS FICANDO SEM TEMPO.

                Os quatro entraram na pequena sala do Sr. Filch, vasculhando em todas as gavetas das cômodas e prateleiras de materiais confiscados dos alunos que abarrotavam a sala. Levaram alguns minutos para encontrar o equipamento tecnológico vermelho que se chamava Pokedéx.

                - ACHEI. – Disse Rony. – Mas não sei escrever Kecleon direito.

                - Ah, me dá isso aqui. – reclamou Hermione. Com dedos rápidos ela digitou o nome na Pokedéx.

                Apareceram todos os Kecleons que já passaram pela escola, uma lista enorme, mas Hermione foi atrás dos Kecleons que pertencessem a pessoas que freqüentavam a escola aquele ano. No resultado podia-se ver que quatro pessoas que estavam na escola tinham ou já tiveram um Kecleon.

                - Professor Snape, Professor Quirrel... Um aluno do sexto ano da sonserina, chamado Luke. E um lufano do quarto ano chamado Cedrico. Temos o que precisamos agora...

                Mas ela parou de falar pois eles escutaram um miado de um Pokémon gato vindo da direita, largando a pokedex uma prateleira.

                - Mas...como, a nossa direita não tem saída. – Afirmou Pietro.

                - Deve ser algum tipo de passagem secreta. CORRE, O FILCH TÁ VINDO. ME SIGAM. VEM EDWIGES– Harry gritou. Tarde demais para não serem mais notados, eles dispararam pela porta e em sua cola estava Filch e Madame Norra.

                - Não podemos deixar a Purrloin agir, ou estaremos ferrados. – Comentou Pietro enquanto os quatro corriam, ele foi desenrolando o cachecol do pescoço e numa tentativa desesperada jogou na cara da Madame Norra, para que ela não visse para onde eles iriam.

                - SEUS MOLEQUES MALDITOS, VOCÊS NÃO VÃO SE LIVRAR DE MIM.

                - Oshawott, pistola d’água. – Hermione sussurrou e um raio vermelho saiu da mão de Hermione e o Pokémon apareceu somente para disparar uma água no chão, sumindo de volta para dentro da Pokebola, Sr. Filch nem teve tempo de ver que Pokémon fez aquilo. Patinou alguns segundos na poça mas acabou caindo com o traseiro no chão.

                - MOLEQUES DOS INFERNOS. – Ele gritou.

                Todos sentiam uma vontade enorme de rir, mas estavam com medo e nervosos demais para isso, continuaram simplesmente correndo em direção a escada. O que não esperavam era encontrar virando a escadaria o Professor Snape. Ele não os tinha notado ainda mas estavam cercados. Os quatro se olharam, mas parecia obvio que a única opção era a sala proibida.

                - Edwiges, sabe o que fazer. – Sussurrou Harry. A corujinha acenou com a cabeça e soltou uma folha na direção da fechadura da sala proibida, passaram os quatro correndo para dentro da sala e torceram para não terem sido vistos.

                Harry chamou de volta Edwiges e os quatro ficaram encostados na porta, ofegantes mas fazendo o máximo de silêncio que eram capazes. No corredor do lado de fora Filch, irado da vida, encontrou Snape, eles conversaram alguns segundos. Ouviram passos que foram até a porta onde eles estavam.

                - Não se preocupe Filch. Se eles entraram aí, não terão como sair com vida.


Notas Finais


Espero que vocês tenham gostado, vamos conhecer o fofo no próximo, e as coisas estão afunilando para o alçapão, até a próxima, comentem se quiserem ;] sempre me anima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...