1. Spirit Fanfics >
  2. Hogwarts Houses, Four Sides >
  3. Horcruxes

História Hogwarts Houses, Four Sides - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olha eu aqui de novoooooo!! Mais um capítulo pra felicidade de vcs ❤️❤️

Capítulo 2 - Horcruxes


Fanfic / Fanfiction Hogwarts Houses, Four Sides - Capítulo 2 - Horcruxes

Cerca de 4 anos depois...

A garota de cabelos ruivos ondulados andava com algumas outras colegas da Grifinoria jogando seus cabelos cheios e volumosos para trás do ombro, estava próximo do horário de voltarem aos seus quartos, foi quando Griselda parou de andar por ouvir barulhos vindo do banheiro feminino.

-Podem ir meninas, alcanço vocês depois.

Disse Griselda esperando as colegas se afastarem logo entrando no banheiro.

Assim que entra no banheiro vê Astrid encostada em uma parede próximo aos espelhos lendo um livro, no fim do corredor das cabines, Serephine se encolhia dos insultos de outras duas garotas.

-Que merda tá acontecendo?

Questionou Griselda olhando Astrid.

-Não é óbvio? Estão zuando a Serephine.

Respondeu Astrid continuando a ler.

-E você não vai fazer nada?

Questionou Griselda.

-Se ela não tem força e muito menos coragem para se defender sozinha não vai conseguir fazer nada da vida... Ela precisa aprender a travar as próprias batalhas.

Respondeu Astrid olhando Griselda.

-Concordo!

Uma voz melodiosa soou de uma das cabines.

Griselda bufou indignada indo até a confusão afastando as meninas maiores de Serephine.

-Deixem-na em paz!

Griselda disse com sua voz forte de posicionando na frente de Serephine.

-Aí Griselda deixa a gente brincar.

Disse uma das meninas que mexia com Serephine.

-E eu que pensei que esse era um lugar tranquilo para ler.

Disse Astrid revirando os olhos.

-Ela não faz nada pra vocês não é mesmo? Então não mexam com a garota!

Disse Griselda.

Logo todas elas ouvem um barulho de palmas de uma pessoa só, eram palmas forte e com um tempo considerável entre elas, todas as meninas que estavam no corredor das cabines olham para o lado e vêem que na última cabine havia Thalia Moon Scarlett, a garota de pele negras, maquiagem pesada, piercing no nariz e tatuagem de cobras em ambos os braços estava escorada na entrada de uma das cabines batendo palmas ironicamente.

-Como eu adoro esse senso de heróis dos alunos da Grifinoria, sempre tentando defender os fracos e oprimidos.

Diz Thalia com tom de deboche fazendo as meninas que mexiam com Serephine dar risada se sentindo vitoriosas.

-E vocês? Se acham espertas e melhores que ela para humilhar ela?

Perguntou Thalia apontando para Serephine.

-Vocês duas são tão burras que nem notaram que ela estava armada, acabaria com vocês em duas jogadas de feitiços... Agora saião daqui!

Thalia continuou a falar sem deixar elas responderem sua pergunta anterior. As meninas saem assustadas o mais rápido.

-Ai chega!

Diz Astrid irritada jogando seu livro no chão.

-O que foi fofa? Acha que o banheiro é só seu e aí todo mundo tem que seguir a sua lei do silêncio?

Questionou Thalia.

-E você acha que tem poder só por que a maioria das pessoas tem medo de você.

Responder Griselda cruzando os braços olhando Thalia.

-Meninas chega.

Pede Serephine guardando sua varinha que escondia nas costas.

-Ah que se dane, tô vazando.

Diz Thalia jogando seus cabelos começando a andar para fora do banheiro quando sente uma energia estranha vindo do chão.

Todas as meninas param por também estarem sentido, elas se olham e começam a dar passos até um ralo que tinha perto da pia.

-O que é aquilo?

Questiona Griselda enxergando algo brilhando no fundo do ralo.

-Vingardiun Leviosa.

Serephine disse usando a varinha para tirar o ralo com levitação.

-Agora precisamos...

Começou a falar Griselda quando Thalia enfiou sua mão sem hesitar no fundo do ralo pegando o objeto.

As outras meninas se contorceram em nojo pela atitude de Thalia.

Thalia retirou do ralo uma pedra bruta em tons de azul com nuances preto, Thalia começou a girar a pedra em sua mão estranhando.

-Uma pedra?

Griselda perguntou estranhando.

-Essa foi a maior das perdas de tempo.

Comentou Astrid revirando os olhos.

Logo Thalia arregala os olhos ao perceber algo na pedra.

-Que foi Thalia?

Questionou Serephine preocupada.

-É só uma pedra... Joga fora.

Comentou Griselda com desprezo.

-Isso... É uma Horcruxe...

Thalia responde séria.

-Como tem certeza?

Questionou Astrid assustada.

-Porque eu já vi uma...

Responde Thalia se levantando analisando a pedra.

-Certo, quando as pessoas falaram que você era louca eu não achei que fosse verdade.

Comentou Astrid.

-Ta se isso é realmente uma Horcruxe apenas vamos levar para a diretora, ou destruir.

Disse Griselda em tom obvio.

Thalia coloca a pedra no chão e saca sua varinha se concentrando, as outras meninas se afastam esperando que ela fizesse algo, porém imediatamente Thalia guarda sua varinha e pega a pedra e escondendo entre suas roupas.

-Você enlouqueceu?

Questionou Serephine.

-Essa pedra é o único jeito que eu tenho de encontrar o seu respectivo dono.

Respondeu Thalia com um tom de seriedade.

-E o que te faz pensar que é seu dever fazer isso?

Questionou Astrid se aproximando de Thalia.

-Me diga então como a diretora vai resolver esse problema? Vamos você sabe então como destruir isso? É a grande Astrid Paker, não é?

Questionou Thalia dando a pedra na mão de Astrid.

A garota fica em silencio durante alguns minutos em silêncio sem saber ao certo, apesar de bastante genial, sem quaisquer informações sobre o objeto não saberia ao certo como destruí-lo e por dentro, apenas de não ter demonstrado, Astrid também não concordava com a ideia de entregar a pedra para a diretora. Thalia bate na mão de Astrid fazendo a pedra cair longe, logo ela saca sua varinha e joga um feitiço que acende chamas as jogando na pedra, durante alguns segundos porém logo o as chamas se esvaem, não satisfeita Thalia começa a jogar diversos feitiços diferentes na pedra fazendo a mesma pular e ser jogada para vários cantos diferentes do banho sem mudança aparente na mesma.

-Certo eu já...

Astrid começa a falar quando Thalia lança seu ultimo feitiço sobre a pedra.

-Avada Kedavra!

O feitiço da maldição da morte é lançado e mais uma vez nada acontece com a pedra, as meninas se afastam mais assustadas ainda, jamais pensariam que Thalia realmente teria coragem de fazer aquilo.

-Nem mesmo o feitiço da maldição da morte foi capaz de destruir isso... O que confirma duas coisas...

Diz Thalia indo até a pedra pegando a mesma e novamente a escondendo entre suas roupas.

-Que realmente é uma Horcruxe.

Falaram Astrid e Serephine ao mesmo tempo.

-E que tem mais de uma.

Comentou Griselda ao mesmo tempo que Thalia o que fez as quatro meninas se olharem e dar risada.

-Certo... Está chegando as festas de fim de ano, vamos estudar mais sobre o assunto, afinal achamos a pedra todas juntas, é nossa responsabilidade.

Comentou Serephine e todas concordaram.

-Eu fico com a pedra.

Sugeriu Griselda.

-Vai esconder nesse teu cabelo que mais parece que tomou um choque?

Questionou Thalia com deboche.

-O que você tem contra meu cabelo?

Questionou Griselda cruzando os braços indignada.

-Escuta vocês são 3 três princesinhas de histórico perfeito, portanto eu fico com a pedra, afinal... Eu já sou a filha de Azkaban.

Respondeu Thalia saindo do banheiro.

Mesmo desconfiada só umas das outras as meninas passaram a se encontrar e conversar com mais frequência pelos corredores justamente por estarem curiosas sobre como uma Horcruxe parar no banheiro, porém logo chegaram as festas de fim de ano e como combinado Thalia ficaria com a pedra, mesmo que Serephine não concordasse muito com a ideia de todas ela era a única que não demonstrava medo algum Thalia, não importa o que uma garota pudesse soar fria e cruel ser fina e conseguir sentir uma alma bondosa na garota.

Os alunos correndo pelos corredores de todas as casas enchendo o local de beijos e abraços com as despedidas faziam com que Thalia odiasse cada vez mais aquela cena, então para evitar que tivesse que falar com alguém ela foi até o salão comunal e se sentou no meio do chão tirando do bolso de sua capa um pequeno caderno cheio de anotações páginas eram velhas e levemente enrijecidos provavelmente por já terem pegado algum tipo de chuva ou teria entrado em contato com algum líquido a capa era de couro duro como age a pele de algum animal pela letra das primeiras anotações aquele caderno não parecia pertencer a Thalia, mas seguindo algumas páginas a letra da garota já estava mais presente no caderno, logo Griselda, Serephine e Astrid chegam ao salão comunal com suas mochilas e bolsas costas a mão elas deixam seus pertences em um canto e vão até Thalia.

-O que foi? Vão tirar férias... Eu tô estudando.

Thalia reclamou as olhando.

-Já estamos de saída, só viemos nós despedir de você.

Comentou Serephine sorrindo.

-Ta... Como se vocês se importassem.

Comentou Thalia revirando os olhos.

-Aonde você vai nessas férias de fim de ano?

Questionou Griselda.

-Eu pareço que vou para algum lugar?

Retrucou Thalia.

-Vai passar as férias aqui?

Questionou Astrid confusa.

Thalia não aguenta e acaba dando risada.

-E vou para onde? Azkaban? Minha mãe morreu no parto e meu pai assim que eu cheguei aqui, pra onde exatamente vocês acham que eu deveria ir? E quem vocês acham que está me esperando do lado de fora dos muros de Howgarts?

Questionou Thalia as olhando fechando o caderno.

-Isso significa que você vai passar o Natal e o ano Novo sozinha aqui?

Questionou Serephine preocupada.

-É... Essas coisas não tem o menor significado para mim nunca teve uma noite de natal em família ou uma comemoração de ano novo... Então não sinto falta daquilo que nunca me pertenceu.

Thalia respondeu simplista.

por mais triste que as meninas estavam com a informação sabiam que se ficassem lá Thalia ficaria com raiva a garota tinha temperamento forte e elas preferiam não irritar menina e apenas se despediram de forma simples a deixando em paz, mas Serephine prometeu que escreveria para talha enquanto estivesse de férias.

Pouco após todos os alunos de Hogwarts saírem da escola incluindo Griselda, Astrid e Serephine, Thalia começou a andar pela escola com sua varinha em mãos.

-Não deveria estar na escola Sra. Moon Scarlett.

Avisou Minerva quando avisou Thalia andando pelos corredores.

-Vai fazer o que me tirar a força?

Questionou Thalia.

A doce a senhora se inspirou fundo sabia muito bem as coisas que Thalia havia passado, e que os erros de seu pai não deveriam ser refletidas nela.

-Apenas... Se policie dos lugares aonde você vai...

Avisou Minerva saindo do local.

Thalia continuou andando pelos corredores e assim foram passando os dias, ela dedicava todo seu tempo a pesquisar mais sobre a Horcruxe que tinha encontrado.

Na manhã do dia 22 de dezembro na biblioteca, enquanto tá ali alguns livros notou alguns barulhos como se mais alguém, imediatamente ela sacou sua varinha e se levantou da mesa onde estava sentada, notou que alguém estava escondido atrás de algum instante, mas antes que a garota pudesse soltar algum feitiço, um garoto de sua mesma altura saiu de trás da estante, ele tinha pele clara e sardas marcando o nariz e as bochechas, seus olhos azuis eram intensos e pareciam levemente assustados e confusos, os cabelos castanhos claros ondulados davam um ar mais jovem e fofo ao menino que provavelmente tinha a sua idade, ele vestia o uniforme da Grifinoria e estava com um livro de Poções em sua mão.

-Eu não quis te assustar Sra. Scarlett... Só vem pegar um livro de poções.

Ele se explicou mantendo a voz firme.

-Quem é você?

Thalia questionou abaixando sua varinha.

-Sou Noah Evergarden Williams, aluno do quarto ano como você.

Ele respondeu.

-E o que você faz aqui? Não deveria estar na escola na época de férias.

Ela questionou.

-Bom... Meus pais faleceram quando eu tinha uns 6 anos então... assim como você eu não tenho ninguém me esperando lá fora.

Diz o garoto fazendo Thalia se surpreender ficando levemente intimidada com seu coração acelerando.

-Quem é você mesmo? Seu... Sobrenome.

Thalia questionou levantando novamente sua varinha com menos força na voz olhando com mais atenção para o rosto do garoto.

-Evergarden Williams.

O garoto responde um pouco confuso.

Thalia se assusta e rapidamente ela tem uma lembrança de seu passado.

“A pequena garota era arrastada brutalmente por Jacob Moon Scarlett por aquelas ruas escuras, o nariz da garotinha sangrava pelo piercing recém colocado, lágrimas caiam do rosto dela, porém nenhum som era produzido da boca da menina de 6 anos.

-Papai... Meu nariz ainda está sangrando....

A garotinha avisou com certo medo falando o mais baixo possível.

-Shiu! Quieta Thalia!

O homem disse irritado largando a filha em qualquer canto com violência no chão.

-E se.... Aparecerem mais dementadores?

Ela perguntou com um certo medo.

-Escute aqui Thalia! O que eu estou fazendo é muito importante e você sabe disso! Precisa aguentar a dor! Preciso que você seja forte como um homem, não como a mulher fraca e idiota que sua mãe era... Tinha que vir logo uma mulher dela, então já que você já teve o azar de vir mais fraca precisa ser forte, você não pode ter medo, porque tem que ser a causa do medo nas outras pessoas, as pessoas tem que temer você! Seus poderes ainda não foram manifestados, mas assim que fizer 11 anos antes de ir para Howgarts quero que você seja capaz de se defender sozinha, logo vão me matar e você precisa continuar meu trabalho!

Disse sério o homem encarrando sua filha como se não fosse nada significante.

-M-Mas... Papai como você pode ter certeza....

A garotinha começou a falar quando rapidamente o homem arrumou com brutalidade o piercing no nariz da garota fazendo a mesma gritar de dor, porém antes que o grito ficasse estridente ele deu um tapa forte no rosto da mesma a encarrando com desdém até que ela se endireitasse.

-Isso minha pedra preciosa... Agora vamos.

Diz Jacob estendendo a mão para a menina.

-Sr. E Sra. Evergarden Williams.

Disse Thalia arrumando seus cabelos com certa dificuldade pela dor enorme que sentia em todo corpo, mas sem demonstrar.

Eles andaram um pouco até chegarem na casa, Thalia se encostou ao lado da porta esperando.

-Não, dessa vez você entra comigo... Quero que veja eles morrendo, quando mais fria se tornar mais assustadora será.

Disse Jacob entrando na casa alguns segundo depois sendo seguido pela garotinha.

Thalia demorou alguns segundos e por estar dando passos mais devagar quando chegou a sala principal da casa seu pai já tinha o corpo da mulher em seus pés e estava prestes a fazer o mesmo com o homem que não teve tempo de sacar sua varinha.

-Avada Kedavra!

Jacob lançou a maldição da morte sobre o homem que depois de alguns caindo no chão sem expressão em seu rosto.

Assim que o corpo do homem chegou ao chão Thalia se segurou ao máximo para não chorar e encarrar a cena com naturalidade, porém atrás do corpo do homem tinha um garotinho encolhido em posição fetal aos prantos.

-Merda!

Jacob exclama sacando novamente sua varinha quando Thalia entra na frente do garoto.

-Ele não ta na nossa lista!

Thalia respondeu séria com os braços abertos defendendo o garoto.

-Minha pedra preciosa... Sai da frente.

Ordenou o homem encarrando Thalia irritado.

-Ele não ta na nossa lista! Era só o Sr. Michael Evergarden Williams e a Sra. Darlene Evergarden Williams!

Thalia respondeu séria sacando sua varinha da cintura.

-Thalia...

O homem pediu tentando se manter calmo.

-ELE NÃO TA NA NOSSA LISTA! E SE VOCÊ INSISTIR VAI TER QUE ME MATAR PRIMEIRO!

Thalia gritou irritada finalmente mostrando uma expressão de ódio na qual Jacob podia julgar como assustadora.

-Você sabe que sentimentalismo não vai ajudar, eu não tenho nenhum problema em te matar.

Jacob respondeu com frieza apontando sua varinha para a garota.

-Mas sou a única que pode te tirar de Azkaban um dia!

Thalia respondeu e o homem baixou sua varinha irritado saindo de lá.

Thalia suspirou aliviada e guardou sua varinha seguindo o homem sem olhar para trás, mas mesmo sem olhar o garoto ela pode ouvir um baixo “obrigado” acompanhado de soluços e uma voz embolado no choro”

-Ei... Você ta legal?

Noah perguntou um pouco preocupado.

-Ah, não esquenta... Eu apenas achei seu nome familiar, mas deve ser impressão...

Thalia respondeu se sentando novamente na mesa voltando a ler os livros.

-Então Sra. Scarlett, o que está estudando?

Ele perguntou se sentando na cadeira da mesma mesa que ela estava, na cadeira a frente colocando seus livros sobre poções ao lado dos dela.

-Só por que somos as duas únicas pessoas nessa escola não significa que queira conversar.

Thalia disse sendo extremamente direta.

-Bom, acho levemente deprimente que você fique sozinha Sra. Scarlett, fora que eu também não quero ficar sozinho.

Comentou o garoto ajeitando os seus livros.

-Olha, primeiro nada de Sra. Scarlett, eu não vou atender se você me chamar assim, me chama de Thalia, ou filha de Azkaban mesmo, e eu vou te chamar de New.

Thalia disse simplista logo voltando a ler e fazer suas anotações.

-Por que New?

Ele questionou confuso.

-Noah Evergarden Williams, ou seja… New.

Thalia respondeu simplista fazendo o garoto sorrir.

-Ta bem, depois eu penso em um apelido pra você.

New comentou voltando a ler.

-E você? Está interessado em poções por algum motivo especifico?

Questionou Thalia.

-Nada muito especial... Achei um objeto suspeito escondido no salão principal da Corvinal, estou tentando ver alguma forma de extrair lembranças de objetos.

New falou normalmente.

-Por que você quer ver as lembranças de um objeto?

Questionou Thalia confusa.

-Para saber de quem é e devolver.

New respondeu.

Thalia revirou os olhos enjoada com o ato fofo do garoto.

-Não te colocaram na casa errada?

Ela questionou o encarrando confusa.

-Só pessoas fofas estão na Lufa lufa?

Ele questionou segurando o riso a olhando.

-Todos os que conheci sim.

Ela respondeu cruzando os braços.

-E você é da Sonserina né?

Ele perguntou voltando a ler.

-Sim.

Ela respondeu com um tom obvio.

-E já matou alguém?

Questionou New concentrado no livro.

-Não.

Ela respondeu o olhando.

-E você realmente é da Sonserina? Olha acho que você está na casa errada também... É tão Grifinória quanto eu.

Respondeu New a olhando.

Thalia não aguenta e acaba dando risada junto com o garoto.

-Certo... Você realmente me surpreende.

Comentou Thalia.

-Igualmente, eu não sabia que você sabia rir.

Comentou New sorrindo surpreendendo Thalia.

-Eu não tinha motivos antes... Até agora.

Thalia respondeu fechando os livros enquanto observava New ficar tímido com seu depoimento, ele a ajuda a guardar os livros e ambos começam a conversar enquanto andavam por todos os cantos da escola sem qualquer tipo de restrição.


Notas Finais


Olha aí, tem homem nessa história também kkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...