1. Spirit Fanfics >
  2. Hogwarts lendo: A Filha de Sírius Black >
  3. Passeio a Hogsmeade

História Hogwarts lendo: A Filha de Sírius Black - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Mds gnt, calma qq eu ainda tô viva hahah

Sério, mil perdões pela demora, mas eu tô de volta!!!

Agradeço a qm teve essa paciência toda por esperar eu ressuscitar de sla onde...

Enfim, tenham uma boa leitura ♥️

Capítulo 13 - Passeio a Hogsmeade


Fanfic / Fanfiction Hogwarts lendo: A Filha de Sírius Black - Capítulo 13 - Passeio a Hogsmeade

Depois daquela pausa, quem iria ler o próximo capítulo era Frank, que abriu na página marcada e começou a ler:

— Passeio a Hogsmeade...

Sol deixou uma risada escapar de lembrando daquele dia, mas não comentou nada.

.。.:*✧𝚂𝚘𝚕𝚊𝚛𝚒𝚊 𝙱𝚕𝚊𝚌𝚔 𝚂𝚘𝚕𝚕𝚘𝚠✧*:.。.

No dia seguinte, quando os primeiros raios de sol tomaram conta do meu quarto, me fazendo acordar, notei que meu travesseiro estava molhado, provavelmente graças as lágrimas de ontem.

Stefany deu um abraço de lado na filha, fazendo a mesma deitar a cabeça em seu ombro, e fez o mesmo com Andy.

Me sentei em minha cama enquanto relembrava os acontecimentos de ontem, o que rendeu a mais lágrimas se formando em meus olhos, mas consegui evitar que elas caíssem e me levantei indo até o banheiro tomar um banho gelado.

Pela primeira vez, em muito tempo, eu estava me sentindo vulnerável... Normalmente eu era uma pessoa marota que não ligava muito pra nada, sempre aprontando alguma coisa, mas eu não queria fazer aquilo, não estava afim de aprontar nada com ninguém...

— Isso é mal... — George falou encarando o irmão que concordou.

— Muito mal...

[…]

Pouco antes de sair da minha comunal, eu coloquei uma máscara de falsa animação no rosto, para ninguém perguntar o que havia acontecido e sai. 

Virei alguns corredores até chegar na frente da comunal da Grifinoria, onde encontrei Ethan parado.

— Bom dia, Ethan! — Falei com falsa animação.

— Bom dia meu raio de sol... — Ele respondeu sorrindo, mas arqueou uma sobrancelha. — Sei que está forçando esse sorriso, Sol.

— Não estou não. — Falei com o tom mais convincente que consegui.

— Sol, meu amor, se eu não soubesse o que ocorreu a poucas horas eu até acreditaria, mas ninguém se recompõe de algo daquele nível tão rápido.

— Você está certo... — Falei me recostando na parede. — Tá tudo dando errado.

— Você não precisa usar essa máscara no seu rosto...

— Preciso sim, se eu não usar, as pessoas vão ficar falando de mim, mais do que já falam, e eu não quero isso, nunca quis...

— Infelizmente é impossível você sair despercebido de alguma coisa, as pessoas sempre vão falar de você, mesmo que você esteja esbanjando felicidade. — Severus disse balançando a cabeça. 

— Escuta, — Ele falou erguendo meu rosto me fazendo encara-lo. — Eles não tem nada a vê com sua vida, e mesmo que tivessem, não tem o direito de ficar falando, mas infelizmente eles vão continuar falando, porque são ignorantes demais pra perceber o quão ridículo e idiota estão sendo.

Snape apenas concordou com o filho, fazendo um movimento com a cabeça.

— Mas...

— Nada de mas! — Ele disse sério. — Vamos tomar café.

— Não estou com fome.

— Não quero saber, você já come pouco, se não comer vai acabar ficando doente.

— Anda me observando? — Perguntei séria, mas aquilo era fofo, ele parecia se preocupar.

— Só estou cuidando de você. — Ele respondeu dando de ombros.

— Que fofo. — Falei rindo.

— Até que você não será um mal gênro pra mim. — Sírius falou encarando Ethan.

— Obrigado? — Falou o jovem.

Caminhamos até o salão principal conversando, Ethan estava me contando sobre o que havia conversado com Snape no dia anterior, e sobre o que já tinha acontecido na sua comunal hoje pela manhã.

Assim que entramos no salão principal, só haviam professores lá tomando café, e pude notar que alguns deles sorriram quando viram eu e Ethan de mãos dadas, outros pareceram não gostar muito. Como Umbridge e Snape.

— Eu poderia no mínimo ter mostrado empatia, e finjido que tinha gostado. — Snape disse, fazendo algumas pessoas rirem.

Encarei Olívia que tinha sorriso feliz no rosto e retribui, mas não era tão contagiante.

— Hoje você se senta comigo. — Ethan falou quando fiz mensão de ir me sentar na mesa da minha casa.

— Tá bom então. — Falei balançando a cabeça.

— Você vai querer ir a Hogsmeade? — Ele perguntou depois de um certo tempo.

— Sim... — Respondi.

— Mesmo?

— Mesmo...

— Absoluta??

— Ethan Caspian Snape, se você perguntar mais uma vez eu te azaro aqui mesmo. — Falei o encarando séria.

— O bom é que as ameaças não mudaram né. — Régulos comentou rindo.

— Jamais. — Sol riu.

— Okay, não tá mais aqui quem falou. — Ele falou erguendo as mãos em sinal de rendição.

Quando eu ia falar .aos alguma coisa, fui interrompida por Umbridge, que apareceu para implicar comigo... 

— Eu vou tacar ela no lago negro, quero ver se ela não vai parar de implicar! — Stefany falou olhando para Umbridge com um olhar matador.

— Já sabemos de quem a mamãe puxou esse olhar mortífero aí, agora. — Stefan falou enquanto encarava a vó.

Os outros do futuro apenas concordaram.

As vezes tenho vontade de jogar ela pra lula gigante do lago negro.

Parando pra pensar não é uma opção tão ruim, talvez eu pegue um mês ou mais de detenção, mas iria valer muito a pena...

— Iria... — Remus concordou.

— Se o Remus concordou, é porque realmente iria valer a pena. — James disse.

— É, ele não iria concordar atoa.

— Não deveria estar sentada em sua mesa, senhorita Black? — Perguntou Umbridge com sua voz irritante.

— Talvez... — Respondi sem me virar para encara-la.

— E por que não está? — Insistiu ela.

— Pelo simples fato de que eu não quero? — Falei, ainda sem encarar sua cara de sapo.

— Não sei porque ainda me impreciono com seu deboche, Sol. — Draco falou encarando a prima.

— Pelo simples fato de que você nunca espera o momento em que eu irei usar meu deboche, priminho. — Sol sorriu.

— Vá para sua mesa!.

Antes que eu pudesse responder, Ethan se levantou e a respondeu em um tom sombrio, que eu admito que não conhecia.

Ethan apenas sorriu orgulhoso.

— Não estou lembrado de ter regras, na qual alunos de outras casas não possam não possam se sentar em outras mesas, professora. — Olhei em volta, alguns professores e alunos que já haviam chegado no salão olhavam surpresos pra cena. Normalmente aquilo era uma coisa que eu diria, mas mesmo com raiva da mulher eu não conseguia falar nada demais.

— Como disse, senhor Caspian? — A mulherzinha perguntou com um tom malvado.

— Nada Dolores, ele não falou nada! — Falei segurando sua mão, o fazendo se sentar.

Depois que ela voltou para a mesa principal eu me virei para Ethan novamente.

— Por que a respondeu? Ela podia ter te colocado em detenção. 

— Ela não te coloca quando você a responde assim...

— Óbvio Ethan, eu a fiz sentir medo de mim aquele dia, no mínimo ela tem medo de que eu a mate!.

— Não seria uma má idéia...

— Estou sendo muito má influencia pra você. — Falei a achando certa graça, mas depois fiquei séria. — Ela merece algo pior, meter ser presa em Askaban e apodrecer lá. Se ela morresse ia ser algo bom, ela tem que sofrer da pior forma...

— Eu concordo. — Andy falou. — Ela merecia receber o beijo de um dementador.

— Que isso Andy, não conhecia esse seu lado não. — Julian falou encarando a garota.

— Você é má, sabia? — Ele disse me encarando com um pequeno brilho nos olhos.

— Sou realista, é diferente. 

[…] 

Depois que a maioria dos alunos tomaram café, todos nos reunimos para ir a Hogsmeade.

Porém nem eu ou Ethan esperávamos que as carruagens dos professores estivessem lotadas e dois professores fossem conosco ate o vilarejo.

Não que seja estranho, mas é que seria meio improvável dessa pessoa ir até lá...

— Professor Snape, professora White... — Ethan os cumprimentou surpreso.

Snape encarou Sol, que tinha um sorriso maroto no rosto e bateu a mão na cara, já sabendo o que iria acontecer.

— Olá Ethan, Sol. — Olívia nos cumprimentou docemente.

— Bom dia professores. — Respondi sem ânimo, o que aparentemente fez Ollie desconfiar.

— Tudo bem com você, Sol? — Ela perguntou com uma sobrancelha arqueada.

— Sim, por que?.

— Não parece...

— Só dormi mal, nada de mais. 

— Entendo... — Aquilo não pareceu convencê-la.

— Ela percebeu. — Stefany sorriu.

— Me pergunto até hoje, como? — Sol disse pensativa.

— Como já dizia sua mãe, os olhos, eles nunca mentem. — Régulos falou para a sobrinha.

— Você se lembra! — Stefany falou encarando o cunhado.

— E como não lembrar? — Snape interrompeu. — Você sempre percebe quando alguém está triste pelo olhar.

— Sim, não dá pra disfarçar o olhar quando se está quebrado por dentro. — Lilly concordou.

Apenas sorri para ela e desviei meu olhar para fora da carruagem, senti Ethan segurar minha mão e dar um leve aperto nela.

Nós continuamos o caminho em silêncio, eu conseguia sentir o olhar de Olívia sobre mim. Eu estava com vontade de chorar ainda, mas eu não queria isso, não na frente deles...

Olívia era bem parecida com minha mãe, pelo que meu pai, minha tia e os que já foram amigos dela me falaram, minha mãe era uma pessoa gentil e doce, um amor de pessoa, mas também era corajosa e destemida, não se abalava por qualquer coisa, além de ser muito inteligente também. E Olívia tem todos esses aspectos...

A mencionada sorriu, não imaginava que seus amigos achavam isso dela.

Senti meus olhos marejarem e os fechei para não deixar nenhuma lágrima cair.

— Sol? — Ouvi Ethan me chamar em um sussurro.

— Sim?.

— Está bem mesmo?.

— Não, mas temos que manter as aparências... — Sussurrei de volta.

— Onde vamos quando chegarmos em Hogsmeade? — Ele perguntou, agora com seu tom de voz normal.

— Três vassouras? — Respondi.

— Pode ser... — Ele concordou enquanto ainda me encarava, e era possível notar seu olhar triste.

[...] 

Depois que a carruagem parou, todos nós descemos e me despedi de Olívia.

— Foi bom vir até aqui com você Ollie. — Falei forçando um sorriso.

— Digo o mesmo a você, Sol. Tenham um bom passeio. — Ela respondeu e depois cada um de nós tomou um caminho.

— Estou me perguntando como a Olívia conseguiu tirar meu pai de Hogwarts, em um sábado e fazê-lo vir até Hogsmeade. — Ethan falou depois que começamos a andar.

— Me pergunto o mesmo. — Snape falou pensativo.

— Ninguém consegue tirar ele daqui. — Narcissa disse balançando a cabeça.

— Ela tem dom pra isso...

— Ela parecia preocupada com você, já que não fez nenhum comentário sobre eles estarem juntos ou pegadinha. Acho que ela ficou desconfiada. 

— Não a culpo, afinal, eu realmente estou estranha, não estou?.

— Você está frágil...

Suspirei frustada, eu realmente estava frágil e vulnerável, e isso me deixava estressada.

— Eu odeio me sentir vulnerável!.

— Por que? — Ele virou o rosto me encarando.

— Porque pareço uma criancinha triste... — Cruzei os braços.

— Mas isso é fofo em você. — Ele falou rindo. — Pelo seu tamanho e pelas suas pegadinhas você já parece uma criancinha, quando fica assim, tristinha parece um bebezinho.

— Ethan! — O encarei, em tempo de vê-lo rir.

— O que? É verdade. — Ele disse enquanto me abraçava de lado.

— Ridículo isso, só porque sou pequena.

— Bateu uma vontade de vomitar arco-íris... — Sírius disse com uma careta, fazendo os amigos rirem.

Ele riu e continuamos caminhando até o três vassouras, o que não demorou muito.

Escolhemos uma mesa mais afastada das pessoas de la e ficamos conversando por um certo tempo, mas não demorou muito para que Snape e Olívia chegassem lá e se sentassem a apenas a duas mesas de distância de nós.

— Como ela trouxe ele pra cá!? — Ele estava de boca aberta.

— Ethan, a Olívia é a Olívia! — Falei bebendo um gole do chocolate quente que eu tinha pedido.

— Sim, mas ainda me surpreende...

— Sabe, depois daquela pegadinha com a Umbridge não fiz mais nenhuma... — Falei dando um mínimo sorriso.

— Merlin, você está disposta a fazer pegadinhas? — Ele perguntou. 

— Oras, não é só porque eu estou destruída que não posso fazer pegadinhas. — Falei encarando os dois, que não tinham notado que estávamos lá.

— Sabia!!! — Severus exclamou. — Sabia que ia acontecer alguma coisa comigo no final.

— Mas é coisa boa pai. — Ethan riu.

— Não confio mais em você! — Ele disse apontando para o filho, que riu mais ainda.

— E o que pretende fazer?.

— Vai ser uma pegadinha do bem, pra ajudar eles dois sabe.

— Isso me lembrou um programa de televisão da minha época. — Madu falou se lembrando. — Pegadinha do bem...

— Tipo...?

Olhei em volta, até encontrar Madame Rosmerta.

— Madame Rosmerta, pode vir aqui por favor? — A chamei e logo ela se aproximou.

— Sim querida?.

— A senhora pode levar uma garrafa de fire whisky pro casal ali? — Apontei para os dois professores disfarçadamente.

— Não sabia que eles estavam juntos.

— E não estão, ainda.

— Já entendi. — Ela riu.

— Só não diga que fui eu quem mandei. — Pedi sorrindo.

— Okay, e vocês vão querer mais alguma coisa?.

Eu e Ethan nos encaramos e me virei para madame Rosmerta novamente.

— Já estamos satisfeitos, obrigada.

Ela anotou tudo e saiu.

— Vai tentar juntar os dois?.

— Não preciso, eles mesmos vão se aproximar e se apaixonar sozinhos, eu só estou dando um empurrãozinho. — O respondi.

Esperamos até Madame Rosmerta aparecer novamente e paguei pela bebida e observamos a reação confusa dos dois professores quando receberam o Fire Whisky.

— Vamos lá? — Ethan perguntou segurando o riso.

— Concerteza. — Respondi me levantando.

Nos aproximamos bem devagar deles e foi possível ouvir uma pequena parte da conversa.

— Quem será que mandou isso? — Ouvi Olívia perguntar.

— E você acha que eu sei? — Snape respondeu com seu abtual tom frio.

— Seu pai é muito frio. — Falei para o garoto ao meu lado.

— Até eu concordo com isso... — Snape falou balançando a cabeça em negação.

— Eu sei... — Ele balançando a cabeça em negação.

— Professores, que surpresa encontrá-los aqui! — Falei quando nos aproximamos mais.

— Sol, Ethan, estamos nos encontrando muito não é?.

— Realmente. — Ethan concordou, segurando o riso.

— Professora, não sabia que bebia. — Falei encarando o Fire Whisky.

— Não faço a mínima ideia do porque mandaram essa garrafa pra nossa mesa. — Ela respondeu.

— Como assim? — Ethan perguntou se fingindo de desentendido.

— Atores! — Seus filhos e subrinhos falaram em unissono.

— Mandaram essa garrafa pra gente, e não falaram quem foi. 

— Bom, de qualquer jeito, não se pode desperdiçar uma garrafa de Fire Whisky, não é? — Falei dando um mínimo sorriso de canto. 

— Sollow, você tem alguma coisa a ver com isso? — Snape perguntou, provavelmente já sabendo que eu estava no meio de tudo aquilo.

— Eu? Jamais, não tô nem um pouco afim de levar uma detenção, e se eu tivesse a intenção de mandar uma garrafa dessa pra vocês não mandaria, eu mesma beberia. — O respondi.

— Alcoólatra. — Madu riu, sendo seguida por Sol.

— Mas você é de menor, Solaria. — Olívia falou arqueando uma sobrancelha.

— Mas as pessoas não precisam saber disso... — Dei um sorriso e me despedi deles.

Assim que saímos do barzinho Ethan começou a rir imaginando a confusão entre eles.

Eu já estava me sentindo um pouco melhor, era pouco, mas é melhor do que nada...

— Acabou. — Frank disse rindo.

— Deixa eu ler agora. — Sírius pediu pegando o livro.

— Você lendo? — James encarou o amigo com uma sobrancelha arqueada.

— É, eu sei ler tá! — Ele revirou os olhos e abriu na página.




Notas Finais


Foi isso gente, espero que tenham gostado, deixem seus comentários aqui depois ♥️👌🏻

Bjs e até o próximo capítulo, que prometo que vai sair no sábado 😗✌🏻


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...