História Hoje eu não quero acordar sozinho - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol, D.O
Tags Câncer, Chansoo, Deathfic, Greysun, Kyunyeol, Lupus, Short 10/10
Visualizações 59
Palavras 1.168
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meus anjinhos, eu voltei com mais uma short fic, dessa vez eu irei terminá-la. Não irei fazer como Saturn, Faded, O Lar das crianças peculiares, entre outras fanfics que eu comecei e não terminei. Dessa vez é oficial se eu não terminar eu deixo vocês me baterem com rosas.

Não vou falar muita coisa por aqui, só queria agradecer a maravilhosa @Plastificada pela capa, eu amei ela e pela equipe do @BerryEdits pela betagem e leitura crítica.

Aos demais eu agradeço aos meus amigos e ao meu professor de biologia por me ajudar com informações sobre lúpus e outras coisinhas.

Capítulo 1 - Hoje eu não quero estar doente


Fanfic / Fanfiction Hoje eu não quero acordar sozinho - Capítulo 1 - Hoje eu não quero estar doente

Você já parou para pensar que todos nós temos um tempo certo para ir embora?

    Não estou falando de ir embora para um lugar novo. Não como uma viagem de férias. Estou falando que temos uma hora de "partir".

Se você ainda não pensou nisso, você fez tudo o que realmente queria na vida. Fique feliz por isso. Mas eu, bem, eu me arrependo de não ter pensado nisso antes. Às vezes eu acho que a vida seleciona a dedo com quem ela quer ser boa e o resto, ela simplesmente deixa sofrer com alguma doença que deveria ser rara em homens.

Eu sinceramente não esperava que a minha doença fosse chegar tão cedo e agora eu estou aqui, deitado nessa poltrona desconfortável vendo meu melhor amigo  que também está com o pé na cova ao meu lado, enquanto eu conto uma daquelas histórias de como é frustrante você não poder completar o ensino médio corretamente por ter que ir ‘pro hospital receber sangue e remédios que te fazem querer vomitar. Mas eu acho que deveria contar histórias mais felizes para ele, qual é! Somos dois jovens doentes sendo mantidos por remédios ruins, dietas e bolsas de sangue!

Vocês devem estar achando que isso deve ser horrível, é ruim mesmo. Porém, nós estamos curtindo até o final.

Pois nem sempre é a hora de partir, nem sempre devemos pensar de uma forma negativa.

Essa é a minha história e a história de como um garoto com lúpus e um garoto com um pulmão e meio conseguem ser felizes. É a história sobre como aproveitar seus últimos vinte dias de vida.

Espero que quando forem ler esse caderno, saibam que eu e Chanyeol não precisávamos de remédios e médicos dizendo que ficaria tudo bem. Nós precisávamos de um incentivo para continuar vivendo.

— Do Kyungsoo, o garoto com Lúpus.

A sala mórbida era preenchida pela risada alta e exagerado de Park Chanyeol. Ele encarava Kyungsoo, enquanto o baixinho contava alguma piada que havia visto em algum post qualquer na internet. Os dois se divertiam do jeito que podiam, não havia muito o que fazer dentro daquele hospital, onde os dias pareciam ser mais curtos e as noites bem mais longas e difíceis de dormir pela necessidade de vomitar e a insônia causada por alguns remédios.

— Essas suas piadas são ridículas, Soo — reclamou ajeitando o tubo que ficava em seu nariz para ajudá-lo a respirar. Sentia o braço doer pela posição que anteriormente estava, enquanto recebia pelo pulso o medicamento usado em seu tratamento para combater o câncer de pulmão. — Não sei de onde você tira isso, mas não são nenhum pouco boas.

— Eu sei que são ridículas, combinam com você. — Riu ao ver a careta do mais alto, que revirava os olhos ao ouvir o amigo contar a piada. Sabia que não tinha graça, só fazia aquilo por gostar de ver o sorriso nos lábios de Chanyeol. Acreditava que ele se transformava quando sorria daquela forma, transformava seus dias. — Você sabe que elas são as melhores que eu consigo trazer para animar esse lugar insuportável e incrivelmente monótono.

— Seu bom humor me surpreende muito. — Kyungsoo riu, colocando a mão no peito. — Fico feliz em ter um melhor amigo por aqui, que não me dê esperanças.

— Não fale mal do meu humor, ele é bem melhor do que os das enfermeiras. Odeio quando elas estavam olhando para nós dois com pena. — Ambos concordaram e reviraram os olhos ao mesmo tempo. Odiavam quando as enfermeiras os olhavam daquela forma, eles sabiam que estavam em uma situação nada boa, mas aqueles olhares deixavam-nos mais deprimidos. — ‘Me sinto mal por não poder te dar esperanças, afinal, eu também preciso de um pouco mais de fé. Nossas doenças são diferentes, a sua tem um risco maior que a minha de certa forma, você pode se curar com os medicamentos, eu posso morrer com os meus.

— Entendo que não goste delas, acho que só as criancinhas que se cortam enquanto brincam gostam delas. — Riu sem graça, sentindo a garganta seca. Até pensou em beber algo, mas seria pior. Sempre colocava para fora todo líquido e comida que consumia quando fazia os tratamentos. — Não se sinta mal por não me dar esperanças, você me dá confiança, isso é o suficiente para que eu consiga ficar feliz. — Segurou a mão do amigo de forma fraca, às vezes sentia medo de acabar quebrado algum osso de Kyungsoo se apertasse com mais força ou até machucando sua pele já que era mais sensível. — Você sabe que os meus medicamentos não servem para me curar, certo? Eles só contém a doença para ela não se espalhar. — O Do apenas assentiu com a cabeça, suspirando enquanto desviava o olhar do chão para encarar os olhos castanhos e cheios de vida de Chanyeol. Era incrível como pareciam tão vividos, mesmo que estivesse morrendo aos poucos. — Tudo pode acabar te matando, Soo. Da mesma forma que a qualquer momento o meu câncer pode crescer.

— Palavras tão deprimentes, sinto como se conversasse com uma daquelas enfermeiras velhas. — Do revirou os olhos, seu polegar acariciava a mão do amigo de maneira automática, como sempre acabava fazendo. Ao lado do mais velho se distraía totalmente. — Obrigado, Chan.

— Não se sinta deprimido, você sabe que eu não gosto quando você está assim. Parece aqueles meninos que ficam no grupo de apoio calados. — Chanyeol riu, retribuindo as carícias enquanto as bochechas coraram ganhando destaque no rosto pálido. — Por que está me agradecendo? Assim do nada?

— Porque você está do meu lado, mesmo eu sendo um garoto chato, deprimido e com lúpus. — Ouviu a risada exagerada soar tão calma o deixando assustado. Sorriu para o amigo e soltou sua mão para que a enfermeira tirasse o tubo em que estava levando o remédio. — Eu te agradeço por isso, sei que não é tão fácil.

— Eu sou seu amigo isso é o que eu devo fazer, certo? — Riu, mas não gostava de ter apenas aquela posição. Amigo soava algo tão estranho, já que em seu coração outro sentimento dominava. — Amigos fazem isso.

— Certo, somos amigos. — Kyungsoo suspirou, não era muito diferente de Chanyeol em relação a como nomeavam a relação deles. Gostaria de ser bem mais que aquilo, mas não suportaria começar uma relação com o Park e logo depois ter que deixá-lo. Ambos estavam doentes, não podia esquecer disso. — Chanyeol.

— Hum?

— Quando a nossa hora chegar. Sabe, quando nós dois...

— Morrermos?

— Isso... — suspirou, odiava ter que falar sobre aquilo. Achava “morrer" uma palavra tão assustadora, por mais que já estivesse conformado com o que aconteceria. — Por favor, fique do meu lado. Não vou suportar ter que acordar e estar sozinho. Eu não quero acordar sozinho.

E em meio ao silêncio, Kyungsoo teve sua confirmação. Sabia que ficariam juntos até o final. Até poderiam partir um pouco antes do esperado, mas desde que não estivessem sozinhos, tudo ficaria bem.


Notas Finais


Até os próximos capítulos e deixe uma lay feliz comentando ou simplesmente lendo os próximos capítulos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...