1. Spirit Fanfics >
  2. Hoje vai rolar (SaHyo Intersexual) >
  3. Capítulo Único

História Hoje vai rolar (SaHyo Intersexual) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


COISA NOVA NAS NOTAS FINAIS

boa leitura

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Hoje vai rolar (SaHyo Intersexual) - Capítulo 1 - Capítulo Único

POV Sana

"Podem sair e não se esqueçam dos exercicios pra segunda." A professora Park disse pra turma, embora ninguém estivesse mais escutando e a metade já tivesse saído.

Vi como ela suspirava e balançava a cabeça devagar. Ela era um doce de pessoa, não sei porque escolheu trabalhar com animais, vulgo adolescentes. Eu fiquei sentada na minha mesa, só esperando todo mundo sair pra ficar a sós com Jihyo. E sim, eu tenho intimidade pra chamar ela pelo nome. Oh, se tenho! Dei um sorrizinho ao lembrar da nossa última transa na casa dela no fim de semana anterior.

Quando Jihyo começou a dar aula aqui, eu logo me encantei com ela. Ela era linda, jovem, simpática e ainda era um doce de pessoa. Tem como não se apaixonar? Pois é. Eu vivia mandando indiretas pra ela, vivia elogiando ela e fazendo brincadeiras. Demorou muito até que ela parou de brigar comigo por fazer isso e parou de dizer que "aquilo não era apropriado". Demorou quase um ano escolar inteiro mas consegui que Jihyo me deixasse entrar em sua vida. Começamos a nos ver fora da escola, sempre em lugares onde sabiamos que ninguém da escola nos veria claro, e em pouco tempo eu já frenquentava a casa de Jihyo. E a sua cama.

Eu tinha tanto orgulho de namorar aquela mulher e me dava muita raiva não poder gritar aos quatro ventos que ela era minha. Toda vez que algum manézinho jogava uma cantada nela, me dava vontade de jogar o infeliz pela janela e mandar nunca mais olhar pra minha mulher. Mas tinha que me controlar, não por mim mas por ela. Era o emprego e a vida dela que estavam em jogo. Mas tudo bem, a graduação seria dentro de menos de um mês e então eu poderia encher a boca pra dizer que Jihyo é minha e só minha.

Assim que a última aluna saiu, eu fui até a porta e olhei pra ver se tinha alguém pelo corredor. Era a última aula do dia, daqui a pouco a escola estaria vazia e eu não ia perder a oportunidade de comer a Jihyo na sala de aulas. Aquela sempre foi a minha maior fantasia mas ela; obviamente; nunca permitiu que isso acontecesse. Era arriscado demais. Mas tudo que é perigoso é mais gostoso e hoje eu não ia aceitar um não como resposta.

"Sana, pode ir abrindo essa porta. Quantas vezes tenho que repetir que aqui não rola?" Ela falou sem nem olhar pra mim, estava de costas arrumando uns papeis dentro da pasta.

Eu aproveitei isso pra chegar por trás e encoxar ela. Abracei ela pela cintura fina, encostando meu pau já que estava endurecendo na sua bunda. "Hoje vai rolar." Falei com a voz rouca bem no pé do seu ouvido e ela se estremecer e arrepiar inteira.

Eu sorri, sabendo que a batalha já estava quase ganha e subi as mãos até seus seios. Comecei a fazer uma massagem neles por cima da blusa e do sutiã enquanto falava no seu ouvido: "Não tem mais ninguém nessa escola, a essa hora todos já sairam correndo. É sexta-feira, amor. Até os professores correm na sexta. O único que ainda deve estar por aqui é o coitado do porteiro e dúvido muito que ele suba aqui."

Jihyo já gemia baixinho com a minha massagem, encostando a cabeça no meu ombro e se entregando às minhas caricias. Eu sorri mais uma vez. A batalha estava agora completamente ganha. Desci uma mão pelo seu corpo e coloquei por dentro da saia rodada dela, tocando sua boceta por cima da calcinha. Eu adorava vê-la assim, tão submissa, tão entregue a mim. Passei a lingua pelo seu pescoço e logo chupei e mordi, deixando uma pequena marca ali. Ela ficaria puta com aquilo mais tarde mas foda-se, estava apenas marcando o que é meu.

"Sana..." Ela suspirou enquanto eu continuava beijando e chupando seu pescoço e desabotoando sua blusa fina.

"Você quer, não quer? Diz que quer, Jihyo. Diz que quer que eu te coma em cima dessa mesa." Sussurrei no ouvido dela, fazendo ela arrepiar novamente.

"Quero." Eu respondeu baixinho.

Eu tirei sua blusa e fiquei passando minhas mãos quentes pela sua barriga lisa e encostando mais o meu pau; que agora já estava duro; na bunda dela. "Diz com todas as letras, amor." Desci as mãos pra sua cintura e apertei com força, puxando seu corpo mais pra perto e me esfregando nela.

"Porra, Sana!" Ela gemeu, rebolando no meu pau ainda coberto. "Me come. Em cima da mesa, encostada na porta, onde você quiser mas me come!"

Eu fiquei mais excitada ainda com aquilo. Puta que pariu, Jihyo falando palavrão e putaria era demais! Ela era super certinha, nem 'merda' ela falava, então quando ela se revelava na cama eu amava. Eu virei ela de frente pra mim e beijei ela com muita vontade, apertando aquela bunda perfeita. Ela enlaçou os dedos no meu cabelo e puxou enquanto nos beijávamos como se o mundo fosse acabar.

Eu parei o beijo mas continuei com os lábios colados nos dela e sussurrei: "Pode deixar que vou fazer isso mas antes eu quero te provar." Nisso baixei a calcinha dela e sentei ela na sua mesa.

Ela levantou a saia folgada pra me dar livre acesso e abriu bem as pernas, colocando um pé em cima da mesa e eu me ajoelhei na frente dela. Sorri pra ela e beijei suas coxas gostosas, lambendo, chupando, mordendo e deixando ela louca de tesão. Eu queria provocar ela bastante até fazer ela implorar pela minha boca mas eu sabia que era arriscado estar fazendo aquilo ali então passei a lingua por toda a extensão da sua boceta. Ela gemeu quando cheguei no seu clitoris duro e chupei sem nenhuma misericordia. As pequenas mãos de Jihyo voltaram a segurar meu cabelo, me puxando pra mais perto. Metade da minha cara estava coberta pela sua boceta e eu amava aquilo. Amava o cheiro e o gosto dela mais que nada no mundo.

Continuei chupando e lambendo ela até que enfiei minha lingua dentro do seu buraco. Ela jogou a cabeça pra trás e eu olhava pra cima enquanto fodia ela com a lingua. Aquela cena estava fazendo meu pau latejar tanto que já estava doendo dentro da minha calça jeans. Eu abri minhas calças pra aliviar a pressão e logo tirei meu pau pra fora. Nossa, que alivio! Apertei bem as coxas da minha morena e torci a lingua dentro dela, alcançando seu ponto esponjoso. Ela deu um gemido agudo e gozou na minha boca. Senti seu gozo escorrer pelos meus lábios e meu queixo e assim que me afastei eu coloquei a lingua pra fora e lambi tudo. Passei o dedo pelo queixo, pegando o resto e chupei, piscando pra ela.

Jihyo olhava aquilo e mordia o lábio, com cara de tesão. Ela levantou da mesa e sem dizer nada, se ajoelhou na minha frente. Segurou meu pau que já estava pra fora pela base e colocou na boca sem rodeios.

Agora foi a minha vez de segurar em seu cabelo e gemer. Aquela boca era gostosa demais! Jihyo chupava a cabeça do meu pau com vontade enquanto brincava com minhas bolas e me levava à loucura. Eu só arfava e recebia o que ela me dava, sem forçar a entrada do meu pau na sua boca. Em pouco tempo Jihyo já tinha o meu pau inteiro dentro da boca e aquilo não devia ser tarefa fácil porque, modéstia a parte, meu pau é bastante grande.

Fui à loucura quando senti a cabeça do meu pau tocar sua garganta apertada e a safada ainda trabalhou os músculos da garganta pra massagear a cabeça. Aquela mulher era demais! Depois disso ela tirou meu pau da boca e ele estava já todo babado. Os lábios de Jihyo estavam vermelhos, seus olhos lacrimejavam um pouco mas mesmo assim ela voltou a chupar. Eu ficava olhando meu pau entrar e sair da sua boca, ficando cada vez mais lubricado com a saliva da minha pequena. Eu não aguentei mais aquilo, se Jihyo continuasse assim eu ia gozar na boca dela e eu queria gozar na sua boceta apertada.

"Jihyo... Sobe aqui, amor." Pedi ofegante, tirando meu pau da boca dela.

Ela subiu e me beijou e eu nem liguei se sentia meu próprio gosto em sua boca ou não. Continuei beijando ela e levando ela pra sua cadeira e sentei na mesma, puxando ela pro meu colo. Sem perder tempo ela segurou meu pau que apontava pro céu e foi sentando nele. Eu por minha vez, apertava sua bunda e esperava com paciência ela começar a cavalgar. Essa era a posição favorita dela e a minha também, amava ver meu pau desaparecer dentro da sua boceta e voltar cada vez mais molhado.

Jihyo não demorou em quicar no meu pau, eu apertava sua bunda enquanto ela cavalgava. Seus gemidos e minhas arfadas ecoavam pela sala vazia e o barulho molhado de pele com pele, junto com aquele cheiro de sexo me deixavam louca. Olhei pra baixo e fiquei olhando a boceta de Jihyo engolir meu pau, a baixinha parecia não cansar e subia e baixava cada vez mais rápido. Chegou uma hora que comecei a colaborar e jogava meu corpo pra cima, penetrando ela com força e com muita vontade. Senti a boceta de Jihyo mastigar meu pau e soube que ela tinha gozado. Ela fez aquela cara linda de puro prazer que sempre faz quando goza e parou de rebolar no meu colo.

Eu dei uns minutos pra ela se recuperar e depois, coloquei ela em cima da mesa com as pernas bem apertas e meti meu pau nela de novo. Jihyo gemeu tão alto que ela mesma tapou sua boca com a mão com medo que alguém ouvisse. Eu segurei na sua cinturinha e estocava com força. Rebolava enquanto metia fundo nela, arrancando suspiros da minha pequena deusa. Comecei a estimular o clitoris molhado dela, querendo que ela gozasse uma vez mais já que eu estava muito perto de jorrar minha porra dentro dela.

Jihyo mordia sua mão e massageava meu pau com seus músculos vaginais, não demorou pra gozar de novo. E ao sentir aquela boceta quente sufocando meu pau eu parei as estocadas e gozei bem fundo na minha namorada. As duas gemiamos baixinho e tinhamos a respiração ofegante e desigual. Abracei ela e beijei todo o seu rosto lindo enquanto dizia que amava ela e ela sorria e fazia carinho nas minhas costas, dizendo que também me amava.

Depois de uns minutos, nós nos levantamos, nos vestimos e arrumamos os cabelos. Jihyo arrumou o batôm antes de pegar sua bolsa e pastas e eu dei um último selinho nela antes de sair na frente. Enquanto eu saía da escola; onde graças a Deus não vi ninguém; já pensava no fim de semana que passaria com minha morena. Subi na minha moto e parti pra casa, pra pegar minhas coisas e logo ir pra casa dela.


Notas Finais


então minha galerinha, o próximo vai ser um imagine e tem dois aqui. um com vc com pintinho e outro com uma das meninas com pintinho. qual vcs querem? se for com vc com pintinho comenta: EXEMPLO "eu com prontinho + Sana", ou, se vc quer a outra opção é só comentar: EXEMPLO "Sana com pintinho". ok?

agora eu vou saber quem lê as notas finais hehe

até mais


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...