1. Spirit Fanfics >
  2. Hollow Princess >
  3. Hollow Princess

História Hollow Princess - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


É um one-shot de uma ideia que tinha parada na gaveta.

Capítulo 1 - Hollow Princess


_ Compreensão, decomposição e reconstrução. – Eu dizia para mim mesma, não conseguia sair desse transe. – Compreensão, decomposição e reconstrução. – Essas palavras se encaixam a mim de uma forma absurda.

Eu vivo nesta imensa mansão com empregados e mais empregados que nem lembro os nomes de tantos com quartos e mais quartos inúteis, poderia trocar de quarto todo dia por um mês e não chegaria a usar todos, mesmo querendo fazer isso eu sou impossibilitada.

_ Ojou-sama vim te ajudar a se arrumar, hoje será seu primeiro dia de aula e Yaoyorozu-sama quer falar com a senhorita. – Sakura Himejima, minha empregada pessoal ou como gosto de chamar, Carrasco roso, sua feição é sempre neutra e tem seus cabelos rosa e uma marca em sua testa, também é a câmera de segurança de meus pais.

_ Okay. – Eu levanto de maneira lenta, minhas costas doem e meu corpo está pesado, ainda mais com meu cabelo desse tamanho me fazendo sentir uma dor no pescoço. Ao me olhar no espelho só consigo ver uma boneca marionete e acho que isso que sou. – Posso mudar tudo isso. – Um murmúrio sai de mim sem eu nem notar tudo que preciso é usar meu poder por um instante, poderia mudar toda a minha vida.

_ Não é permitido Ojou-sama. – Esqueço que essa Carrasca tem essa audição poderosa. Eu só me visto rapidamente e deixo o cabelo solto de forma confortável. – Tem que usar o penteado que sua mãe ordenou Ojou-sama. – Literalmente uma boneca, ela vem e faz o rabo de cavalo com franja que tanto odeio.

Eu pego as coisas e quando eu nem percebo estou com um sorriso patético no rosto, uma postura desconfortável indo fazer algo... Ahhh... Não sabia que é permitido suspirar por aqui. Cada cômodo, corredor, passagem e local, até mesmo no meu corpo tem algo para saber onde estou e se fiz algo. Uma bruta invasão de privacidade dos meus pais, mas o que eu sou permitida fazer? Revoltar? Já tentei e eles chamaram um educador ou torturador.

_ Professor Xavier. – Uma voz melosa falou cantarolando ao meu lado. –  Minha querida eu, por que não se liberta desse inferno? Vai ser uma boneca para sempre? Você já sabe o que eles iram te dizer, você vai ser boneca de outra pessoa. – Uma voz melosa e psicótica fala ao meu ouvido enquanto passa suas mãos pelo meu corpo. – Esse corpo “perfeito” por conta de sua Quirk feita para agradar um abusador, desculpe, seu marido. – Raiva, muita raiva circulando pelas minhas veias.

_ Cala essa boca, eles não fariam isso. Eu vou ser uma heroína em pouco tempo, só preciso de mais algum tempo e... – Sou interrompida por uma grande risada eu consegui ver a eu caída e rindo como louca.

_ Sua castidade será tomada antes disso e um papel será assinado, quanto mais controle de sua Quirk tiver mais corrente eles colocaram em você. Seus amigos e influencia serão depenados pelas influencias deles e amigos? – Ela começou a rir e eu já vi meus pais na mesa enquanto me aproximei. – Você não tem esse direito, você é a boneca deles. – Ela diz atrás deles e abrindo os braços.

Todo o som a minha volta que nem percebi  retorna e me sento à mesa começando a comer e beber meu chá, mas como eu queria um café essas ervas tem gosto horrível, um bom café preto sem açúcar, saudades vovó.

_ Minha preciosa, seu noivo foi decidido. – Eu só ouço um “eu avisei” dela. – Ele é Hachiman Himiko, um rapaz bem interessante. – Se meu pai chama de rapaz ele deve ter por volta de uns 20 anos. – Iram se encontrar nas férias de verão desse ano. – O que significa que não tenho oportunidade de escolha e como é nas férias será na nossa ilha que se for à conta que estou fazendo não tem quartos para cada um. – Não é animador? – Eu só me levanto depois de comer e em silencio me retiro. – Não é animador? – Ele pergunta novamente e mais firme.

_ Não, mas tenho escolha? – Minha mãe nega com a cabeça e eu saio de vez. Decidi ir a pé dessa vez, uma única vez seria o suficiente, um único descontrole como daquela vez. Desculpe vovó. – Tenham seus dias. – Isso não é malcriação, mas não é educado é só algo.

Eu saio dos portões que pareciam fortes de um castelo medieval que tem uma princesa indefesa no topo para ser resgatado por um príncipe encantado, grande piada, mas é verdade e eu sou a princesa indefesa que está com a vida planejada até os dias finais dessa fatídica vida ou até um vilão pelo amor do grande Sol a tomar.

_ Finalmente posso falar sem ser ouvida. – Eu começo murmurar e me esticar e estalar meus ossos que deveriam estar horríveis pela proporção “perfeita” do meu corpo. – Não vou ter tempo mesmo de ter minha vida né? – Ouço passos ao meu lado e me vejo, de cabelos até as costas com busto muito menor e mais forte e encorpada da maneira certa com alguns músculos, o fantasma da minha obsessão de vida. – Quero me matar. – Dito como um suspiro.

_ Não se continuar assim. – Ela diz seria. – Se não quiser é só me dar, faria coisas melhores que você com esse corpo. – Ela abre um sorriso malicioso. – Mas, não é conversa para agora. Então hollow princess, o que fará? – Eu apenas a ignoro, mas não posso reclamar.

_ Gostei do apelido, Hollow, vou ficar com ele. – Eu apenas fui me perdendo em formulas e em musicas que tocam e continuam a tocar em minha mente enquanto sem querer minhas mãos se movem tocando um piano no ar.

Eu fiquei assim por um tempo perdida nos pensamentos e sentindo esse vazio em meu interior e ao entrar em qualquer lugar esse sorriso falso de gentileza, esse sorriso que não sai e é patético, assim como eu sou. Oca por não lutar pela liberdade, oca por não conseguir ter auto-confiança, oca por só ser um objeto.

Eu me sento na minha mesa e vou conversando com as garotas e pessoas, sempre com esse sorriso no rosto ao meu lado vejo um garoto bicolor, já o vi antes Todoroki Shouto filho de Eiji Todoroki. Seus olhos são de pura raiva fria eu até que gostei, mas quem fez meu coração acelerar por conta dos olhos foi um garoto esverdeado que entrou na sala.

_ Deku seu maldito! – Ao ver o loiro explosivo falar isso os olhos verdes deles se mostraram de verdade, um verde opaco e oco, sem mascara por um segundo, uma alma que nem a minha, uma alma sem escolha, uma alma marionete uma alma oca.

_ O garoto vai ser interessante. – Eu a vejo sentada a mesa a minha diagonal sorrindo. – Deku, combina bem não acha? – Ela parece interessada ainda mais por ver uma mascara tão forte.

Eu apenas observo tudo, talvez e só talvez se eu me juntar a ele poderia fazer um Caos e eu conseguir o que quero: não ser oca, não ser uma marionete. Se eu sou o perigo ele seria o Caos?


Notas Finais


Eu iria escrever uma história maior, bem maior de uma Villain ou Anti heroine Momo com o Deku, mas muita preguiça de planejar e escrever, entretanto queria escrever sobre então saiu esse one-shot que é meio que pra testar minha escrita e criatividade também.

Espero que tenham gostado.

Vou dormir.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...