1. Spirit Fanfics >
  2. Holy Trinity - Marknohyuck >
  3. " Exhibitionists "

História Holy Trinity - Marknohyuck - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - " Exhibitionists "


Noite passada...

" E em meio as juras de amor e lençóis bagunçados, ambos dormiram abraçados, mal notando que havia um par de olhos curiosos os observando atrás da porta, que em meio a tanta excitação não foi trancada. Jeno podia jurar que havia acabado de presenciar a melhor transa de sua vida e encontrava-se com uma puta ereção marcada pela calça social.

Aquilo definitivamente não acabaria por ali... "

...

Mark e Donghyuck, principalmente o mais novo, não fizeram muita questão de irem embora para a casa durante a noite, a transa que tiveram - na opinião de Donghyuck foi a melhor parte da festa - havia sido intensa e boa o suficiente para deixá-los apagados, ali mesmo, no antigo quarto do mais novo. Ninguém dormia lá, e por mais que o jovem Lee não morasse mais naquela casa o quarto continuaria sendo seu.

Mark foi o primeiro a despertar, remexendo-se preguiçosamente e coçando os olhos devagar. Sentiu os braços do mais novo rodeando a sua cintura e o seu peitoral em suas costas, não queria sair do calor de seu abraço, mas ao mesmo tempo precisava muito fazer xixi e escovar os dentes. Então, retirou cuidadosamente os braços do mais novo de sua cintura e se levantou, sorrindo ao vê-lo se remexer e deitar de barriga para cima, descobrindo-se quase que por inteiro.

Caminhou até o banheiro e parou em frente a pia, observando-se através do espelho. Notou as manchinhas arroxeadas e avermelhadas que iam desde seu tronco até suas nádegas, sorriu largo ao lembrar-se da noite passada. Donghyuck era realmente inacreditável.

Após fazer tudo que precisava no banheiro, andou até a cama novamente. O mais novo encontrava-se ali, completamente nu e dormindo serenamente, Mark ficava de queixo caído com a beleza natural que Donghyuck possuía, tudo nele parecia ter sido feito na medida certa e por isso era tão perfeito, sua pele dourada combinava perfeitamente com os seus cabelos acastanhados assim como os seus lábios rosados acentuavam-se perfeitamente ao seu tom de pele. Para Mark, as obras de arte mais caras do museu não eram tão valiosas quanto a pessoa dormindo naquela cama.

Colocou-se sobre si no colchão e removeu com carinho os fios de cabelo de seu rosto, passando a espalhar diversos beijinhos por ali para o acordar, o que deu certo, já que logo sentiu ambas as suas mãos apertarem as suas coxas e o viu abrir os olhos lentamente.

- Que ótima forma de acordar, não? - sorriu, com o rostinho inchado pelo sono.

- Bom dia meu solzinho... - deixou um beijinho casto em seus lábios.

- Pra ser bom dia tem que ser um beijo de verdade, amor... - disse sugestivo, logo tendo os lábios beijados novamente pelo mais velho.

Donghyuck rolou na cama e se colocou por cima do canadense, brincando com a sua língua dentro de suas bocas enquanto o mesmo segurava ambos os lados de seu rosto. Separam-se apenas quando a falta de ar se fez presente.

- Agora sim, bom dia meu lindo! - o mais novo sorriu, espalhando beijinhos pelo rosto do canadense assim como ele havia feito para o acordar.

...

Após descerem, agora devidamente vestidos, para tomarem o café da manhã, encontraram a mesa já posta e três pessoas sentadas ao redor dela.

Lee Hyukjae, o pai de Donghyuck, Lee Donghae, um dos tios de Donghyuck, e Lee Jeno, o seu primo.

- Oi tio! - o mais novo disse animado, andando apressado até o mais velho, que o esperava de braços abertos. - A quanto tempo não nos vemos? A última vez foi no começo do ano passado... - o abraçou forte, tendo seus cabelos bagunçados por sua mão.

- Já faz um tempo, não? - sorriu, feliz por ver o sobrinho. - Ando cheio de tarefas e afazeres em Tokyo, mas não poderia deixar de comemorar o aniversário do velhote de seu pai.

- Você é apenas alguns meses mais velho que eu, Donghae. Pare de ser ridículo. - disse bebendo um gole de café e arrancando risadas de todos ali.

- E quem é este rapaz bonito com você? - perguntou, direcionando o olhar para o canadense.

- Ah tio, esqueci de os apresentar! Vem cá amor. - trouxe o mais velho para perto. - Esse é o Mark, meu namorado. - disse, com um lindo sorriso no rosto e os olhos brilhantes ao olhar para o canadense.

- Muito prazer. - Mark estendeu a mão para o mais velho, este que o pegou de surpresa o puxando para um abraço, que de princípio fora bem desajeitado.

- Não acredito que Donghyuck arrumou um namorado tão bonito assim, o prazer é meu rapazinho! - disse, dando tapinhas nas costas do Lee e o deixando envergonhado.

- Mark, não se preocupe. Essa família só possui gente maluca, exceto eu. - Hyukjae disse, levando todos a rirem novamente. - Donghae, por Deus, solte-o, não está vendo que ele está envergonhado? Seu idiota.

- Amor, me perdoe por ter lhe metido neste buraco que é a minha família! - disse, puxando o canadense para si de volta e o abraçando pelos ombros.

E antes que alguém pudesse dizer qualquer coisa, um pigarreio foi ouvido e logo todos direcionaram o olhar para quem tinha o feito.

- Pelo visto fui esquecido, já que ao menos um abraço ganhei. - Jeno finalmente se pronunciou. - Vamos Donghyuck, não gosta mais de mim? - sorriu, abrindo os braços para o mais novo.

- Claro que gosto, Jeno-ah! - disse antes de abraçar os seus ombros e ter os braços do outro Lee rodeando a sua cintura. Jeno era realmente forte.

- Senti saudades, Hyuck... - disse disfarçadamente em seu ouvido, ato que passou despercebido por todos, menos por Mark, que vira quando o outro sussurrou no ouvido de seu namorado mas não pode ouvir suas palavras.

E foi naquele momento que uma tensão de instalou naquele local, não para Donghae e Hyukjae, mas sim entre os três garotos.

- Mark, certo? - perguntou, após soltar o primo e estender a mão para o canadense. - Sou Jeno... - o encarou nos olhos.

- Muito prazer... - o encarou de volta, sentindo-se tenso com o olhar intenso que Jeno direcionava para si.

Apenas Donghyuck percebeu a tensão que havia se instalado ali, já que os dois mais velhos estavam ocupados demais falando sobre negócios novamente. Meneou a cabeça indicando para que fossem até o andar de cima.

- Vamos colocar as conversas em dia, bom café da manhã para vocês. - o Lee do meio disse antes de seguir os outros dois pelas escadas.

Conhecia o caminho perfeitamente, e conforme aproximava-se do quarto do mais novo lembranças rodavam sua mente, desde as mais antigas até a mais recente, que coincidentemente havia sido noite passada, mas é claro que o casal ali não sabia da existência dela, mas Jeno faria questão de que soubessem.

Assim que entraram no quarto, Jeno fez questão de trancar a porta, observou Donghyuck se jogar na cama e Mark fez o mesmo, sentando-se ao lado do mais novo.

- Por Deus, que clima estranho está aqui! - o mais novo foi o primeiro a se pronunciar. - O que há com vocês dois?

- Nada Hyuck, é só impressão sua. - Mark disse e Jeno confirmou, mas nada havia mudado na concepção do Lee mais jovem.

- Tudo bem... - concordou contragosto. - Está aqui desde quando, Jeno? Não o vi na festa ontem, nem o seu pai.

- Estamos aqui há dois dias, somente. Não viemos aqui antes porque meu pai estava muito cansado da viagem e eu resolvi fazer companhia a ele. - explicou. - Nós viemos a festa ontem porém chegamos parcialmente atrasados, você já não estava mais lá embaixo e seu pai disse que talvez você estivesse no seu quarto, então subi para procurá-lo, mas seu pai não me avisou que você estaria acompanhado... - disse, com um sorriso sugestivo pintando os lábios.

- Jeno, eu conheço esse sorriso... - o mais novo ajeitou as sobrancelhas e negou com a cabeça. - Sei que você quer me dizer alguma coisa, então diga logo.

Mark sentia seus batimentos levemente alterados, não era burro, era só analisar a fala do outro Lee e ligar os pontos. Esperava que sua paranóia estivesse errada e fosse coisa de sua cabeça, mas se estivesse certo, era bem provável que Jeno os tivesse visto transando.

- Vocês não trancaram a porta... - disse, ajeitando os botões de sua camisa social e alternando o olhar entre o casal. Donghyuck já havia entendido onde o primo estava querendo chegar.

- Nem fodendo que você nos viu transando... - riu descrente quando o mais velho confirmou. - Você é um filho da puta, porque não estou surpreendido?

Mark engoliu em seco, sentindo-se envergonhado. Em outra ocasião jamais se importaria em ter sido pego transando, já que ser observado não o desagradava, mas porra, ter sido flagrado pelo primo de seu namorado era no mínimo constrangedor.

- Posso fazer uma pergunta? - o mais novo inquiriu após alguns minutos perturbadores de silêncio. Ele estava de cabeça baixa mas logo a levantou, encarando o primo com um sorriso de lado no rosto.

- Claro que sim.

- Você gostou do que viu?

Ok, aquela situação só ficava mais esquisita a cada minuto que se passava. Mas o tratamento que Jeno tinha com Donghyuck e vice-verça era questionável aos olhos de Mark, já que eles pareciam muito mais íntimos do que deveriam. E não se tratava de ciúmes, mas sim de muita curiosidade da parte do canadense.

- Gostei, e como gostei... Me fez lembrar de quando éramos nós dois. - afirmou com convicção. - Gostei tanto que amaria ver novamente.

- Se Minhyung não se incomodar, nós podemos... - disse mas foi interrompido pelo canadense.

- Vocês podem me explicar primeiro o que está havendo? - perguntou. - Donghyuck, pelo amor de Deus, você transava com o seu primo?

- Sim, e foi assim por muito tempo. - o outro Lee respondeu, mesmo que a pergunta não fosse diretamente direcionada para si.

- E vocês falam disso assim, como se fosse normal? - perguntou, estava realmente intrigado com toda aquela história.

- O que há de anormal? Jeno é adotado, por isso não vimos problemas, já que não temos o mesmo sangue. Além do mais, nós não nos conhecíamos, amor. - o mais novo explicou e o canadense finalmente compreendeu, suspirando aliviado.

- Poderiam ter me dito desde o começo, eu já estava ficando assustado. - disse rindo, fazendo drama com a mão sobre o peito. - Agora sim podemos retomar a conversa. Haviam dito que caso eu não me importasse, Jeno iria nos ver fodendo novamente, é isso?

- Exatamente... - o mais novo confirmou, com uma das mãos na coxa do canadense, este que sorriu e negou com a cabeça.

- Eu adoraria...

Mark não era maluco de recusar a proposta, seria uma delícia foder com Donghyuck enquanto Jeno os observava com atenção, afinal, estaria ali justamente para aquilo. Além do mais, possuía a absoluta certeza de que, no final, tudo aquilo acabaria com os três na cama, já que não desperdiçaria a oportunidade de foder com primo gostoso de seu namorado desde que ele estivesse de acordo, e o canadense o conhecia bem o suficiente para saber que ele não só concordaria quanto também faria o mesmo.

Mal podia esperar por aquilo!

...

Jeno estava ansioso, não iria negar, sentiu seu coração acelerar-se levemente quando recebeu uma mensagem de seu primo no qual ele dizia que a porta da casa estava destrancada e que eles estavam no quarto.

A porta da casa que o mais novo dividia com o canadense realmente estava destrancada, então apenas entrou sem fazer muito barulho e a trancou por dentro. Observou rapidamente os detalhes do andar de baixo, já que todas as luzes estavam apagadas e do lado de fora a noite já havia caído, era uma bela casa, realmente.

Subiu as escadas, caminhando pelo extenso corredor que encontrou, a procura do quarto principal, que provavelmente era o que ficava no final do corredor, assim como os da lateral deveriam ser os quartos de hóspedes e algum banheiro.

O Lee estava certo, soube quando ouviu alguns sons vindos de lá quando se aproximou da porta, empurrou-a com cuidado e observou em volta, comprimindo os lábios ao ver Mark e Donghyuck aos beijos na grande cama de casal, ambos nus.

Jeno sorriu ao notar uma cadeira próxima da cama, talvez observar de perto fosse ainda mais gostoso. Só chamou a atenção dos dois quando se sentou ali, atraindo ambos os olhares para si, estes que eram carregados de malícia.

Donghyuck estava deitado sob uma pilha de travesseiros e Mark estava entre suas pernas, marcando todo o seu tronco e descendo pouco a pouco até que estivesse com o rosto diante de seu membro, este que encontrava-se completamente enrijecido.

- Hmmm caralho... - mordeu os lábios quando sentiu o canadense brincar com a língua em sua glande. - Chupa logo essa porra Minhyung, pare de enrolar. - disse impaciente, impulsionando a cabeça do mais velho contra seu pau e mordendo os lábios com força quando ele colocou na boca.

Mark subia e descia a cabeça com rapidez no falo do mais novo, deixando que o seu pau tocasse em sua garganta e sem se engasgar, afinal já possuía muita experiência em pagar boquete de tantas vezes que o mais novo o colocou para rezar.

- Isso, porra que delícia... - gemeu deleitosamente sentindo a maciez da boquinha do mais velho em volta de seu pau, agarrando seus fios de cabelo e fodendo a sua boca até sentir o orgasmo se aproximar, interrompendo a felação. - Agora é a hora de sentar no meu pau, não acha?

Donghyuck limpou um filete de saliva que escorria de seus lábios e teve seu dedão chupado pelo mais velho, este que logo se colocou sentado sobre si, encaixando o pau em sua entrada e descendo devagar, gemendo no processo.

O Lee mais novo estapeou suas nádegas com força quando o mesmo começou a rebolar em seu pau, tomando-as entre os dedos e o auxiliando nos movimentos.

Mark apoiou as mãos nas coxas do mais novo e passou a rebolar com força, sentindo o seu pau o alargar pouco a pouco e a ardência passar, afinal, a única lubrificação que gostava era de quando o namorado metia a língua em seu buraquinho.

Enquanto isso, Jeno já havia retirado a camiseta branca que trajava e masturbava o próprio pau lentamente, era impossivel não sentir tesão com uma cena tão obscena como aquela literalmente diante dos olhos.

Estava tendo uma puta imagem ali e a guardaria em sua cabeça para sempre, pois sentia que não esqueceria tão fácil a forma como Mark rebolava gostoso no pau de Donghyuck enquanto pendia a cabeça para trás, revirando os olhos e gemendo todo manhoso. Diferente de seu primo, que observava o estrangeiro trabalhar da forma que queria, apertando as suas nádegas com firmeza e gemendo sobre o quanto o canadense era bom naquilo.

- Hyuck... - gemeu quando o mais novo começou a o estocar, visto que já estava prestes a gozar, não demorando muito para fazê-lo.

Donghyuck limpou a porra do mais velho de seu abdômen com o lençol e o deitou, o beijando intensamente antes de direcionar seu olhar para Jeno, que possuía seu pau para fora da calça, batendo uma punheta.

Já havia conversado com Mark anteriormente sobre como agiriam com Jeno, então fez questão de chamá-lo com os dedos para que viesse até a cama, este que riu enquanto terminava de remover a sua calça e cueca, andando apressadamente até a cama e se sentando ali, e não demorou para que o mais novo se colocasse em seu colo, com Mark deitado ao lado observando tudo.

- É hora de relembrar os velhos tempos, não? - o mais novo disse, mexendo os quadris e sentindo a ereção de Jeno tocar-lhe a bunda.

- É hora de criar novas lembranças, sim? - disse antes de segurar os seus fios de cabelo castanhos e o puxar para um beijo quente.

Donghyuck enlaçou as pernas em sua cintura e permitiu que Jeno comandasse o beijo, deixando de dominar para ser dominado.

- Hmmm... - gemeu contra seus lábios quando sentiu um dedo do maior deslizar para dentro de sua entrada, o alargando para que logo em seguida viesse mais um.

Jeno estocou o mais novo com os dedos até achar que ele estivesse preparado o suficiente e logo já estava com Donghyuck sentando no seu pau.

- Porra primo você é apertado pra caralho... - disse, gemendo rouco logo em seguida quando o mais novo quicou com força em seu pau.

Por mais que os anos tivessem passado, Donghyuck ainda era o mesmo, a mesma vadia de sempre. Sentava e rebolava com maestria no pau do mais velho.

Mark observava tudo atentamente a fim de não perder nenhum detalhe, um espetáculo como aquele você não via todos os dias. Masturbava-se deitado no colchão enquanto via seu namorado quicar no colo de seu primo, gostava daquela versão de Donghyuck, a versão mais entregue.

Era impossível descrever o quão excitado ficava em ver o corpo de Donghyuck subindo e descendo no pau de Jeno, uma de suas mãos em seu pescoço e a outra em sua nuca, vez ou outra puxando os fios negros de cabelo ali, com os olhos fechados e a boquinha em formato de O, gemendo despudoradamente.

- Sentiu saudades de quicar no meu pau assim, primo? - perguntou, apertando ambas as suas nádegas quando ele confirmou. - Me pergunto se Mark sabe a puta vadia que você era antes de começarem a namorar, acredito que não né?

- Cale a b-boca. - resmungou. - Continua me comendo e para de falar m-merda, já 'tô quase gozando... - disse, sentando com mais rapidez em busca do próprio orgasmo, este que logo veio, e veio com força.

Jeno lhe deu um último beijo antes de sair de dentro de si, deixando-o deitado sobre o colchão e virando o rosto para encarar o canadense, esse que estava deitado os observando, e o melhor, com um pau duro entre as pernas.

- Sabe Mark... - disse, aproximando-se e colocando-se sobre o seu corpo, logo sentindo suas mãos tocarem seus ombros e um sorriso travesso pintar os seus lábios. - Acho que podíamos resolver esse problema juntos, não? Ainda não gozei e você está excitado tanto quanto eu... - esfregou-se no mais velho, causando uma fricção gostosa em seus membros e fazendo Mark morder os lábios. - Será que você é bom o suficiente para me fazer gozar? O seu namorado não fez. - disse, rindo ao ouvir o mais novo o chamar de " filho da puta ".

- Vamos reformular esta pergunta. Será que você fode tão bem quanto Donghyuck? Me faça gozar pela segunda vez... - sussurrou a última parte em seu ouvido, fazendo-o sorrir.

- Será um prazer, literalmente.

Jeno beijou o canadense como se a sua vida fosse acabar caso não fizesse aquilo, e claro, Mark retribuiu de imediato. Suas línguas dançavam juntas dentro e fora de suas bocas, era um beijo gostoso tanto de se provar quanto de observar, Donghyuck que o diga.

Jeno posicionou o pau em sua entrada e o penetrou sem aviso, arrancando um longo gemido de sua garganta. Jeno era grande e grosso pra caralho, e além do mais, não havia lubrificação alguma além do pré-gozo do mais novo.

Mark sentia o resto de sua sanidade abandonando seu corpo a cada estocada do outro, este que investia contra si com força, saindo por inteiro e deslizando com tudo para dentro de novo, fazendo seu corpo dar um tranco a cada vez metia em si.

Jeno estava completamente entorpecido pelo tesão, porra, ter Mark embaixo de si era delicioso, sentir suas unhas arranhando as suas costas era mais delicioso ainda, agora, melhor do que tudo isso, era só o cuzinho apertado do mais velho engolindo todo o seu pau a cada estocada que dava.

O canadense puxou os cabelos do mais novo com força e o beijou logo em seguida, vez ou outra parando para gemer contra seus lábios.

- Jeno... Ah! - gemeu alto quando teve sua próstata acertada, precisava admitir que Jeno fodia muitíssimo bem.

- Você é uma vadia gostosa pra caralho...

Mark revirava os olhos e puxava entre seus dedos tudo que estava ao seu alcance, seu ápice estava próximo, assim como o de Jeno, que aumentou a velocidade das estocadas em busca de seu prazer próprio, gemendo rouco contra o pescoço do canadense quando explodiu em seu interior, gozando abundantemente dentro de si, e Mark, gozou fortemente no próprio abdômen, gemendo em puro êxtase.

- Porra, tô destruído... - Donghyuck comentou, largado no colchão assim como os outros três.

- Não levantarei dessa cama tão cedo... - o estrangeiro constatou, respirando ofegante e de olhos fechados.

- Essa transa foi do caralho, vocês dois conseguiram me derrubar.

- Podemos repetir?! - o casal perguntou em uníssono, arrancando um sorriso largo de Jeno.

To be continued... 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...