1. Spirit Fanfics >
  2. Homem Ômega ( JungKook) >
  3. Capítulo 2: Homem Ômega

História Homem Ômega ( JungKook) - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Hey, coisinhas lindas.
Voltei o mais rápido possível com mais um capítulo prontinho.
Sinceramente, não está como eu queria, mas mesmo assim não irei de deixar de entregar para vocês.

• Em revisão.

Relembrando: Jungkook o primeiro mais velho.
Junghyun o segundo mais velho.
JungHee o terceiro mais velho.
JungYoon o caçula.

Queria agradecer pelo favoritos! SÉRIO! tô muito feliz, vocês são demais!
Os comentários também, eu parecia uma boba lendo.♥

Boa leitura!

Capítulo 2 - Capítulo 2: Homem Ômega


Fanfic / Fanfiction Homem Ômega ( JungKook) - Capítulo 2 - Capítulo 2: Homem Ômega

- Então você acha que viu alguém ontem a noite? - pergunta Kwang enquanto comia um saco de salgadinhos.

- Eu não acho, tenho certeza que vi.

- Como você poderia ter certeza de algo? Se você mesmo diz que estava tudo escuro. - ele diz de boca cheia.

- Escuro, não cego. Eu tenho certeza que vi alguém ontem a noite Kwang Sun, não sou louco. - eu retiro o saco de salgadinho de suas mãos e coloco lixo, já estava ali há semanas.

- Eu sei que você não é louco, até porque você não é de brincar. Então o que você acha que viu exatamente? Uma pessoa? - Vejo Kwang olhar para o saco de salgadinhos na lixeira.

- Tudo que eu conseguia ver era um grande par de olhos pretos brilhantes olhando fixamente para mim. - instalo meus dedos no meio do seu rosto para que ele pudesse prestar atenção em mim. Ele revira os olhos risonho.

- Já pensou que fosse um assaltante, um estuprador, um tarado,um psicopata? Ainda não acredito que você volta sozinho para casa. Você sabe que eu posso de buscar.

- Cara, já conversamos sobre isso. Para de me tratar como se eu fosse alguém frágil e indefeso, não esqueça que ainda sou um homem. Sei cuidar bem de mim, você sabe disso.

- Não estou querendo dizer isso Jungkook, eu sei muito bem que você é um homem. Só tenho medo dessas pessoas por aí, todos de certa forma são maliciosos.

- Se eu não tenho medo, você também não deveria ter. Desde que eu use esse perfume, ninguém chegará perto de mim.

Kwan Sun então resolve desistir daquele assunto, sabia que se discutisse com Jungkook perderia. - E então o que aconteceu? Essa tal pessoa somente ficou parada? Ele fez mais alguma coisa?

- Essa foi a parte estranha, ela não fez nada. Somente ficou me encarando. No começo eu fiquei assustado com sua presença, mas depois me veio uma sensação esquisita e...e..

- E?

- Era como se quando eu olhasse para aqueles olhos eu me perdesse no meio da escuridão e não tivesse mais medo de nada.

- Espera, você disse ela? Era uma ômega?

- Eu não sei.

- Como não sabe? Era uma ômega ou não?

- Ela parecia ser diferente.

- Diferente como?

- Ela tinha um cheiro diferente.

- Um cheiro diferente? Diferente como? - ele franze a testa em confusão.

- Um cheiro, um cheiro forte, forte e delicioso. - eu fecho os meus olhos e suspiro profundamente, imaginando a noite de ontem, aquele olhos escuros não saiam de minha cabeça, e aquela sensação esquisita ainda permanecia em meu corpo. Mas tudo apareceu acontecer tão rápido, num instante você estava ali e no outro já não estava mais. Você desapareceu diante de meus olhos.

- Cara, você está me assustando. Parece até que está tendo um orgasmo bem na minha frente. - ouço Kwang Sun dizer e rapidamente o encaro envergonhado.

- Aish, cala a boca idiota! - dou um soco em seu braço, obviamente não fazendo nenhum efeito nele. Ele finge uma careta de dor e caem em minha cama fazendo a maior cena. Ele começava a rir e eu também ria, mas logo eu me lembrava que estava em minha casa,  Appa não costumava gostar de pessoas estranhas em sua casa, principalmente quando se travava de mim, ele odiava que as pessoas me vissem. - Ei, Kwang, fique quieto!

- Para de ser chato, não tem ninguém aqui. Seus pais saíram, e seus irmãos também. - Ele diz.

- JungYoon está em casa. - digo.

- JungYoon é bom menino, não se importa. Aliás, ele gosta do alfa aqui, sou como seu amiguinho do colégio. - Kwang aponta para si, sorrindo maliciosamente.

- Mesmo assim não quero arriscar, não quero imaginar o que meu Appa faria se visse você aqui. - digo com medo.

- Seu Appa é um saco, assim como o resto de sua família. - ele bufa.

- É, eu sei. Convivo com eles. - volto a encarar o nada e ficar quieto novamente. Meus pensamentos voltam a noite anterior, eu me perguntava, quem era aquela mulher da noite passada e por que seu cheiro parecia ser tão diferente?

- Tava aqui pensando no que você me falou. - me viro para Kwang. - Você diz que sentiu um cheiro forte vindo daquela mulher misteriosa, né? - assenti com suas palavras. - Já pensou na possibilidade?

- Que possibilidade? - pergunto não entendo.

- Cara, você é muito lerdo. - ele revira os olhos.

- Não enche.

- Não enche você.

- Aish, idiota!

- Você que é idiota!

- Cara você é um otário.

- Cara você é um otário.

- Vai ficar repetindo tudo o que eu digo?

- Vai ficar repetindo tudo o que eu digo?

Se tinha uma pessoa que conseguia me irritar, esse alguém era Kwang. Eu odiava quando ele fazia isso, as vezes eu tinha vontade de espancar meu melhor amigo, mas aí eu lembrava que eu não tinha força suficiente e que ele facilmente poderia me quebrar. Mas nada estava perdido, se tinha uma coisa que derrubava Kwang, eram cócegas, ele odiava cócegas, odiava profundamente. Kwang tinha pavor, eu adorava assusta-lo quando se travava de apenas uma movimento com minhas mãos,  eu via aqueles olhos arregalados em minha direção e passos rápidos se afastarem.

- Você não teria coragem.. - ele diz se afastando, levantando-se rapidamente da cama e ficando em pé, dandos passos para trás da janela. - Jungkook, fica longe, é sério! Você sabe que eu odeio cócegas. - ele diz apavorada a cada passo que eu dava em sua direção, eu sorria em diversão ao ver sua expressão de pavor. Meus dedos formigavam e eu estava pronta para atacar. - Seu ômega idiota! - vejo ele gritar e correr em direção a porta, eu rapidamente pego meu travesseiro e jogo em sua direção, o acertando na cabeça.

Vejo Kwang ficar tonto e se apoiar na parede, ele fica confuso tentando entender o que o tinha acertado,  Kwang vira a cabeça para trás me encarando seriamente, eu sorrio para ele. Novamente caminho em sua direção e levanto minhas mãos, mexendo meus dedos, Kwang arregala os olhos, voltando a sua posição de ataque. Como num piscar de olhos corro em sua direção novamente, Kwang parece observar meus passos e fica em alerta, mas eu era mais rápido, e se tinha uma coisa que eu conseguia fazer, era ser veloz. Kwang parece surpreso ao me ver em sua frente, seu rosto demostrava total espanto. Eu sorria satisfeito e me aproveito de sua distração e o acerto no estômago fazendo ele cair no chão. Vejo ele gemer e ficar em posição fetal ao abraçar sua barriga no chão.

- Desde quando ficou tão forte? - fico confuso, não imaginava que meu soco tinha o machucado tanto, pensei que ele tiveste brincando, mas sua expressão demostrava dor. Fico preocupado e rapidamente me abaixo em sua direção.

- Ei, Sun, desculpa! - o chamei pelo apelido, costumava chama-lo assim quando Kwang ficava doente ou quando se machucava em alguma briga na escola. -  Não pensei que tivesse acertando tão forte, o que é uma coisa impossível.  - Que tipo de alfa é você? - ergo a sombrancelha para cima.

- Aish, vai me ofender ou me ajudar? - ele pergunta sério, reviro os olhos e tento ajudá-lo pegando em seu braço para que ele pudesse apoiar em meus ombros. Eu com toda minha inocência não percebo suas segundas intenções quando sinto Kwang me segurar pela cintura e me jogar na cama. Kwang se aproxima e fica por cima de mim, ele se abaixa, nossos rostos estavam bastante próximos um do outro, podendo sentir a respiração de ambos. Observo seus movimentos e fico a espera do que pudesse acontecer, vejo ele sorrir maliciosamente e droga, eu sabia o que viria a seguir. - Sofra com a mão da justiça! - ele diz alto e começava com a guerra, cócegas.

Eu ria alto, não me aguentando. Eu também não gostava de cócegas, mas me divertia como nunca. Começo a me contorcer quando sinto suas mãos subirem em direção ao meu pescoço, eu gargalhava sem parar, a qualquer momento eu sentia que poderia explodir. Meu pescoço era meu ponto fraco, e eu me sentia vulnerável quando me tocavam ali. Não aguentando mais, resolvo trocar de posições, eu o acerto no estômago novamente e vejo ele cair ao meu lado. Me viro e fico por cima dele, logo começando  a fazer cócegas em sua barriga, ele gargalhava alto, mas eu sabia que ele estava agoniado, depois de alguns minutos, já cansados, ambos os dois. Respiravamos com dificuldade, sentia minha boca doer de tanto rir. Ouço ele resmungar.

- Eu...odeio...cócegas! - ele dizia sem fôlego.

Eu sorrio. - Eu também. - Kwang me encara em silêncio por alguns segundos e logo depois sorri.

- Você me chamou de Sun. - eu reviro os olhos, lá vai ele começar de novo. - Deveria me chamar assim!

- Não.

- Por que não?

- Por que não.

- Por que não, não é a resposta, pelo menos não para mim.

- Mas para mim é.

- Como você é sem graça.

- Obrigado.

- Isso não foi um elogio.

- Agradeço mesmo sim.

- Aish, Jungkook! - ele faz um biquinho emburrado. - Fazia tempo que você não me chamava assim.

- Como você é um alfa meloso, credo.

- E você é um ômega frio.

Ambos ficávamos nos olhando, observando um ao outro, até se passar um segundo e nós cair na gargalhada de novo. Era sempre assim, sempre esse mesmo diálogo. E mesmo assim nada perdia a graça entre nós dois.

- Então, confortável? - ele diz, olho para baixo e vejo que ainda estava sentando em seu colo, antes que eu pudesse sair de cima, Kwang segurava em meu pulso, não tão forte mais com firmeza. Fico confuso com sua ação e fico a espera que ele falasse algo, Kwang abre sua boca para dizer algo, mas sua fala é interrompida quando ouço gritos do andar de baixo. Eu rapidamente me assusto, reconhecendo aquele grito, era meu irmão que gritava, JungYoon.

Eu me solto de suas mãos e saio de cima de Kwang, correndo em direção a porta, ouço passos atrás de mim, Kwang também me acompanhava, assustando assim como eu. Eu descia as escadas desesperadamente, com muito medo do que estaria acontecendo para que meu irmão pudesse estar gritando desse jeito. Eu não o encontro na sala, ouço ele gritar de novo, a voz vinha da cozinha, corro rapidamente naquela direção, encontrando meu irmão chorando. Seu braço sangrava e cacos de vidros espalhados pelo chão estavam, caminho até JungYoon e me abaixo para que pudesse ficar a sua altura. - JungYoon, acalme - se, estou aqui, acalme-se.

- M -meu b-braço dói. - o pequeno diz enquanto soluçava alto.

- Sun, pegue o kit de primeiros socorros no meu quarto. - Kwang rapidamente assente e sai em dispara, eu me viro e volto minha atenção ao meu irmão que chorava. Vejo o sangue escorrer de sua pele, um corte havia surgindo, suspiro em alívio ao ver que não tinha cortado nenhuma de suas aveias. Vejo um pano perto da pia, caminho até a pia e o pego, pego o braço de JungYoon e enrolo o pano em seu pulso, ele geme de dor, mas aos poucos parece parar de chorar. Assim que sinto que ele se acalmou, logo pergunto. - O que aconteceu aqui JungYoon? - o pequeno olhava para mim mas logo desvia olhar para baixo, olhando seu pulso enfaixado. - Ei, JungYoon, você pode me contar, não sabe? - pego em seu queixo para que ele pudesse olhar para mim, seus olhos estavam inchados de tanto chorar, como eu não ouvi antes, sou um péssimo irmão.

- E-eu q-queria c-comer biscoito, m-mas acabei deixando c-cair a caneca no c-chão. - o pequeno diz soluçando. - eu olhava meu irmão soluçar, ele podia ser um alfa, mas era apenas uma criança chorona. Meu Appa dizia que alfas não choravam, que chorar era para os fracos e que os fracos eram pessoa inúteis, inúteis como ele costuma dizer para mim. Mas JungYoon era apenas uma criança, e crianças choram. - Hyung você acha que o Appa ficará bravo? - era raro as vezes que meu irmão me chamava de hyung, eu gostava quando ele me chamava assim. Eu ergui a sombrancelha, olhando para os cacos de vidro no chão. Eu arregalo os olhos ao perceber que, aquela caneca pertencia ao meu Appa, justo ao meu Appa. Era sua caneca favorita.

- Não se preocupe com isso Yoon. - o chamo pelo apelido, costuma chamá-lo assim quando estávamos sozinhos. - Seu pulso ainda dói muito? - pergunto calmamente, mas por dentro eu estava apavorado.

- S-sim, tá ardendo.

- Aish, cadê aquele alfa idiota! - digo alto. - Kwang! Cadê você com o kit de primeiros socorros?  Foi fabricar é!

- Aonde você enfiou o kit?! - ele grita também.

- No mesmo lugar de sempre!

- E qual é o mesmo lugar de sempre? - ele berrava.

- Aish, no meu quarto roupa, embaixo dos meus moletons. - digo alto o suficiente para que ele pudesse ouvir, minha voz já doía de tanto gritar. Fico a espera de sua resposta, mas estranhei quando ele não respondeu de volta. - Kwang Sun!

- Cara, você tem o moletom do Bob esponja! Sério isso? Que criancinha. - ouço ele rir alto.

- Para de olhar meus moletons idiota!

- Wow, você tem o moletom do Steven universe! Cara, você tem que me emprestar esse moletom.

- Kwang, o kit de primeiros socorros! Foca nisso.

- Tá, tá, já achei. To descendo.

Ouço JungYoon rir baixinho, eu o encarava fixamente, achando graça também. Seus dentinhos ficavam por fora quando sorriam, assim como os meus. Mas sua expressão muda novamente quando vê que o sangue continuava a escorrer de sua pele. Eu já estava começando a ficar irritado com aquele alfa idiota. Antes que pudesse gritar de novo, vejo ele correr em minha direção com o kit.

- Seu moletom não serviu em mim, tô chateado. - ele diz sério entregando o kit de primeiros socorros, eu reviro os olhos não acreditando que ele realmente experimentou meu moletom. - Aí, não acredito!

- O que? - olho para Kwang assustado pelo seu gritinho.

- Tem muito sangue! Minha nossa! - ele diz com os olhos completamente arregalados.

- Como um grandão como você tem medo de sangue?

- Já te falaram que tamanho não é documento?

- Aish, fecha os olhos então...

- Aí droga!

- O que é agora?

- Acho que me cortei.

Eu reviro os olhos, isso ia demorar...

•••


- Fica quieto alfa idiota, tô tentando fazer uma curativo no seu dedo.

- Mas tá doendo! - ele diz sério.

- Para de resmungar. - digo rindo.

- Como você é mau. - ele faz biquinho, eu sorrio novamente, estava quase terminado quando ouço ele rir, olho para ele erguendo uma sombrancelha para cima, me perguntando o motivo da graça.

- Do que está rindo?

- De você.

- Por que?

- Você parece um ômega bonitinho cuidando do alfa bonitão aqui. - apontou para si, eu sorrio franco olhando para ele desacreditado.

- Vai se ferrar! - eu rio baixo. - Bom, tenho que juntar esses cacos agora antes que mais alguém se corte acidentalmente. - digo olhando para Kwang, esse que sorriu timidamente.

- Vou ajudar.

- Mas é claro que vai. - digo como se fosse óbvio.

- Mandão.

- Mané. - rimos juntos. - logo começávamos a juntar os cacos. Eu me perguntava o que eu faria caso meu Appa sentisse falta de sua caneca, ele sempre dizia ser sua caneca favorita quando acontecia as reuniões em família.

- Jungkook....

- O que é? - digo não olhando para Kwang, havia muito cacos de vidro pequenos espalhados pelo chão. Isso iria demorar mais do que eu imaginava.

- Você pensou na possibilidade?

- Que possibilidade? - olho para ele franzindo a testa.

Ele bufa. - Daquela pessoa for uma Alfa!

- Alfa? Você quer dizer uma mulher alfa?

- Sim! - seus olhos brilhavam.

- Você é um idiota!

- Ei, por que idiota? Eu tenho certeza que é. Você que não quer acreditar.

- Eu acreditaria se fosse realmente verdade. Não existem mulheres alfas!

- Por que diz isso? Você mesmo disse que já viu um caso sobre elas.

- Exato, um caso. E essa matéria eu vi quando criança, e até por que essa alfa nem deve existir mais, era uma matéria antiga de 1930.

- Eu ainda não descarto a minha hipótese.

- Kwang Sun, podia ser muito bem o perfume que eu usava, acho que afetou meu olfato dramaticamente. Parando para pensar agora, talvez eu apenas imaginei que vi alguém ontem a noite. Estava frio e meu corpo já estava ficando gelado, foi apenas minha imaginação, isso minha imaginação.

- Sério isso? - ele diz desacreditado de minhas palavras.

- Aish, Cala a boc.... - antes que pudesse terminar vejo meu irmão nos encarando surpreso. Eu arregalo os olhos ao vê-lo, não imaginava que ele chegaria tão cedo em casa, Kwang olha para mim confuso, ele virá a cabeça para trás e também arregala os olhos, ouço ele murmurar um droga baixinho. - JungHee o que faz em casa tão cedo? - engoli em seco.

Sua expressão muda de surpreso para sério.

- O que esse alfa faz aqui? - ele diz usando sua voz de alfa, fazendo meu ouvidos doerem.

- Ei, garoto! Abaixe esse tom de voz! - Kwang lentava - se ficando de pé rapidamente.

- Não vou perguntar de novo Jungkook, o que esse alfa faz aqui?! - JungHee grita novamente, ignorando totalmente Kwang. Meu corpo todo tremia a cada passo que eu dava para trás, meus ouvidos doíam como um inferno, eu tentava abafar com minhas mãos para que não pudesse ouvir, mas parecia que sua voz ecoava em meu ouvido.

Kwang grunhi de raiva, fazendo pequenas aveias surgirem em seus braços com tanta força que ele apertava suas mãos. Vejo ele caminhar em direção ao meu irmão e ficar frente a frente. Os dois se encaravam com ódios em seus olhos.

- O que eu disse sobre abaixar seu tom de voz? Muleque insolente! - Kwang empurra JungHee no peito, fazendo ele dar passos para trás, quase caindo nos próprios pés. JungHee olha para ele com raiva, travando o maxilar com força.

- Seu merda! Não me toque. - JungHee se aproxima de Kwang pronto para lhe acertar um soco, mas Kwang tem reflexos rápidos e rapidamente desvia de seu soco. JungHee tenta novamente acerta-lo mas Kwang desvia, eu vejo aqueles dois brigarem e me sinto um inútil por não conseguir fazer nada, eu ainda estava assustado e não conseguia mexer meu corpo. Até que vejo Kwang acerta-lo no rosto fortemente e JungHee cair no chão com tudo. Eu arregalo os olhos.

Com todas as minhas forças consigo mover o meu corpo e corro em direção ao meu irmão que ainda gemia de dor. - JungHee deixa eu vê! - digo tentando ver seu rosto, mas o maior continua a tapar o rosto com as mãos. Eu encaro Kwang que observava tudo com atenção, ele respirava descontroladamente, seu peito subia e descia tentando recuperar o fôlego. Olho para JungHee novamente. - JungHee!

- Aish, não me toque você também, seu ômega miserável. - ouvir aquilo de meu irmão me doeu mais que tudo. Essa era a primeira vez que isso acontecia. Parecia até o meu Appa em minha frente, mas eu não ligo para suas palavras mesmo que elas me machucassem profundamente. - Como você deixou esse alfa entrar em nossa casa? Você é idiota?! - ele diz olhando para mim, mostrando seu olho roxo que Kwang havia o acertando segundos atrás, seu olho estava inchado, não imaginava que Kwang tivesse o acertado tão forte.

- Kwang é meu amigo.. - digo baixinho.

- Amigo? Você não tem amigos ômega! - ele gospe as palavras. -  Que tipo de pessoa iria querer ser seu amigo? Você é uma aberração! Já não bastou você ter nos feito mudar de cidade! Graças há você perdi todos os meus amigos. - fico calado ouvindo todo o ódio que meu irmão tinha por mim, ele estava certo, era tudo culpa minha. - E se, esse alfa sabe sobre sua real natureza e não fica com nojo, ele também deve ser uma aberração.

- Você sente nojo de mim? - eu sentia meus olhos arderem, eu estava prestes a chorar, mas eu consegui segurar minhas lágrimas.

- Não só nojo, tenho repulsa. Graças há você, você conseguiu arruinar a linhagem da família Jeon, nascendo a porra de um homem ômega!

- Irmão... não diga iss...

- Não me chame de irmão caralh.. - antes que JungHee pudesse terminar a frase, ouço Kwang dizer.

- Já chega! Ouvio suficiente de você. Fiquei quieto em consideração ao seu Irmão, mas como você não parava de falar merda, acho que vou ter que de ensinar uma lição de como respeitar os mais velhos. Muleque insolente!

JungHee ri sarcasticamente, achando graça de tudo aquilo. - É mesmo? Então vem idiota, os Jeon's não nunca fogem de uma briga.

- Vou fazer você correr feito uma menininha - Kwang então se aproximava de nós dois indo em direção ao meu irmão que o encarava com raiva no olhar, pronto para lutar também. Eu não aguentando tudo aquilo, rapidamente me levanto e fico em sua frente, impedindo que continuasse a caminhar. - Sai da frente Jungkook! - ele diz não me olhando no rosto, olhando fixamente para JungHee atrás de mim. Vejo seus olhos mudarem de cor, um vermelho vivo, céus! Eu estava ferrado.

- Saia da frente Ômega miserável! - me viro para trás e vejo meu irmão de pé, em posição de defesa, pronto para brigar novamente. Me aproximo dele e peço para que ele parasse, mas JungHee me ignorou totalmente, me empurrando de lado para que eu saísse de sua frente. Eu novamente volto a ficar em sua frente, impedindo que continuasse, mas tudo apareceu ocorrer tão rápido, eu caio no chão e sinto meu rosto doer, eu toco em minhas bochechas e sinto arder. JungHee havia me batido no rosto, um tapa tão forte que sem ao menos perceber me fez cair no chão. Vejo a palma de sua mão ficar vermelha, imagino que meu rosto também estaria assim.

Olho para Kwang, seus olhos estavam arregalos, acho que ele não imaginária que JungHee fosse me bater, bom, nem mesmo eu imaginária que meu próprio irmão fosse me bater. Mas sua expressão muda drasticamente, seus olhos ainda continuavam vermelhos, isso me assustava. Ele camimha em direção ao JungHee, vejo seus punhos cerrados e seu maxilar travado. Eu tinha que fazer algo, eu tinha que fazer, Kwang poderia ia mata-lo.

- PAREM PAREM!PAREM! - grito alto o suficiente para que os dois pudessem ouvir, eu fecho olhos não tento coragem para abri-los caso os dois brigassem na minha frente . Eu respirava rápido, sentindo meu peito doer e meu rosto arder. Não ouço nada, nem mesmo passos, os dois estavam em silêncio, eu estranho. Lentamente resolvo abrir meus olhos enxergando os dois parados e olhando fixamente para mim. Fico apreensivo, os dois pareciam paralisados, como se fossem duas estátuas de pedra. Me aproximo lentamente dos dois, fico a frente do Kwang, ele nem mesmo piscava, olho para meu irmão, a mesma coisa acontecia. - Sun? - como se ele fosse comandando pela minha voz, Kwang parecia ter voltado a realidade, seus olhos piscavam freneticamente. Ele olha em volta parecendo estar confuso, demorou alguns segundos até que seu olhar se direcionasse para mim, seus olhos já não estavam mais vermelhos, voltado a cor natural.

- Jungkook? - ele franzi a testa, ainda parecendo estar confuso. - O-oque aconteceu?

- E-eu não sei, eu pedi para que vocês dois parassem, e de repente vocês pararam.

- Wow, não sei por que mas minha cabeça dói. - ele apoia as mãos na cabeça e balançava ela negativamente, vejo Kwang ficar tonto e jogar-se no sofá.

Antes que eu pudesse me aproximar dele, ouço meu irmão rosnar, eu rapidamente me viro em sua direção o encarando assustado.

- Que tipo de feitiço você colocou em nós? - ele dizia áspero.

- E-eu não f-fiz nada! - digo gaguejando, ainda assustado com sua aproximação.

- Mentira! - JungHee vinha em minha direção, mas antes que ele pudesse dar qualquer outro passo. Num instante vejo Kwang ficar em minha frente, de costas para mim e falar com uma extremamente grave.

- Se você se aproximar não vou hesitar em te matar!

JungHee para e hesita se devia ou não se aproximar, vejo o medo em seu olhar. Eu encaro Kwang de costas, era como se eu pudesse sentir algo diferente nele, uma energia, uma energia extremamente intensa. Seus músculos se contraiam e sua respiração parecia pesada. Por alguns segundos vejo JungHee direciona seu olhar para mim, era como se ele perguntasse para mim, o que eu tinha feito dessa vez. Vejo seu olhar subir para cima, eu sigo seu olhar e vejo JungYoon parado, parecendo confuso com a situação. Droga, eu tinha me esquecido completamente de JungYoon, depois que eu o mandei descansar e repousar seu braço. Esqueci de sua existência na casa.

JungYoon olhava para mim, ele pareceu notar meu rosto extremamente avermelhado, depois olhou para Kwang que ainda permanecia virado de costas e por último para JungHee, seus olhinhos ficaram arregalados ao notar o olho roxo de JungHee.

- JungYoon, eu não disse para ficar no quarto repousando? - digo por fim.

Seus olhinhos se direcionaram para mim. - Eu queria comer biscoito.

•••


- O que aconteceu com seu olho JungHee? - pergunta meu Appa com sua voz grossa. Estávamos todos reunidos na mesa no jantar, após minha Omma e meu Appa chegarem duas horas depois. Todos comiam em silêncio até meu Appa quebrar o silêncio. Ergo meu olhar para JungHee que já me olhava fixamente, sinto meu corpo tremer e e meu corpo suar, estava com medo do que JungHee pudesse dizer ao nosso Appa. - Está surdo garoto?

JungHee ainda olhava para mim, mas logo seu olhar virou-se para nosso Appa. - Nada aconteceu Appa. - ele diz.

Fico surpreso com suas palavras, mas tento não demonstrar minha reação a todos. Permaneço a comer silenciosamente, mas parecia que meu corpo não queria ficar quieto, minhas mãos tremiam sem parar. Sinto uma mão tocar em meu pulso, olho para o lado e vejo meu irmão Junghyun me olhando preocupado, ele notou minha não tremer. Eu o encaro com a mesma intensidade, preocupado também. Mas rapidamente ele retira e volta a comer silenciosamente, com medo de que alguém pudesse ver. Ouço meu Appa gritar.

- Você acha que sou idiota garoto? - Meu Appa bate com uma mão na mesa, fazendo todos os objetos tremerem. Todos dão um pulo pelo susto e o encaram com medo. - Vai me dizer que você caiu e se machucou como um idiota? - ele riu franco. - Não me faça repetir de novo!

- E-eu b-briguei na r-rua com um desconhecido.. - ele diz nervoso.

Vejo meu Appa erguer a sombrancelha para cima.  - E por que está gaguejando? Não me diga que você perdeu?

- N-não Appa, e-eu, eu...

- É lógico que perdeu! Se não, não estaria com esse olho roxo na cara. - Meu Appa diz com raiva. - Que tipo de alfa estou criando em minha casa? Um fracote? Não sabe nem mesmo brigar com alguém! Se você quer arranjar uma briga o mínimo que você poderia fazer é ganhar! - O senhor Jeon diz exaltado, quase que gritando. - Quer envergonhar a família Jeon? Me responda garoto!

- N-não Appa!

-  Querido, por favor, não precisa disso. Acho que JungHee entendeu o recado. Não é mesmo filho? - ouço minha Omma dizer, depois de permanecer em silêncio. Ela também olhava com medo, mas permanecia calma. Seus dedos se mexiam involuntariamente sobre a mesa, obviamente nervosa com toda aquela situação. E minha cabeça insistia em dizer que tudo aquilo era minha culpa.

- Você também tem culpa nisso Suri! Que tipo de ômega da casa cria um filho Alfa para ser um inútil que nem mesmo em uma briga de rua consegue ganhar?  Já não basta o homem ômega que você me deu?

Vejo olhar triste de minha mãe ao ouvir as palavras frias e  duras de meu Appa. -  Querido, por favor, não seja tão... - O senhor Jeon interrompe.

- Você já não é mais a mesma. Nem para criar os filhos serve. - Vejo minha Omma abaixar a cabeça e voltar a comer, sinto uma tristeza enorme ao vê-la assim. - O que aconteceu com seu braço JungYoon? Vai me dizer que também brigou na rua e perdeu?

JungYoon olha para mim de canto e depois olha para nosso Appa, também com medo. - Me cortei Appa.

- Se cortou? Com o que? - ele ergue a sombrancelha.

- Deixei cair um copo de vidro, Appa.

- Deixou cair? Você não olha por onde toca? Quer quebrar mais  o que nessa casa? Eu não compro os utensílios para essa casa para depois você.. - apontou para o dedo para JungYoon. - Para você quebrar! - O senhor Jeon suspira fundo, obviamente ele estava chegando ao limite. - Quem enfaixou o seu braço?

-  J-jungkook hyung.

Eu ergo meu olhar para cima, vejo meu Appa me olhar com a sombrancelha erguida para cima, até seu olhar se abaixar e olhar diretamente para minhas bochechas, que depois de tanto esconder com maquiagem, que eu tinha pegando do quarto de minha Omma, para que eu pudesse esconder o avermelhado que ainda continuava em  rosto. Mas até nisso eu fracassei em esconder. - O que aconteceu no seu rosto?

- Me distrai enquanto limpava a casa e acabei batendo o rosto na parede. - digo a primeira coisa que me veio na cabeça, sinto seu olhar me queimar, ele parecia analisar minha palavras. Até que vejo ele rir.

- Típico de alguém como você. - ele ria, como se achasse graça em me ver machucado.

- Querido, estava pensando, que tal irmos receber as novas vizinhas? - diz a senhora Jeon com um pequeno sorriso forçado no rosto, seus olhos estavam inchados, ela havia chorando. - Acho que se formos receber elas primeiro, seria uma boa imagem para nós, afinal sempre recebemos os novos vizinhos. - Minha Omma diz, era sempre assim, sempre quando chegava alguém novo na vizinhança nós éramos os primeiros a receber-los. A família Jeon demostrava a imagem de pessoas gentis e atenciosas com os vizinhos. Tudo mentira.

- Vizinhas novas? - Meu Appa ergue a sombrancelha para cima. - Não sabia que tinha vizinhas novas, depois de tanto tempo, os últimos que saíram foram os Jung's. Graças a Deus, família incoveniente, uma família suja como a deles só manchava a nova vizinhança. Onde já se viu dois homens ficarem juntos! Uma vergonha. Só espero que esses novos vizinhos sejam pessoas civilizadas, assim como a nossa.

- Sim, querido, concordo completamente. - a senhora Jeon diz sorrindo fraco. -  O que acha de receber-los agora? Sei que você chegará tarde amanhã do trabalho e eu já preparei uma deliciosa torta de maçã prontinha para levar.

- Está bem, concordo, vamos o mais cedo possível, antes que mais alguém corra na nossa frente.

- Sim querido. - A senhora Jeon assente com cabeça positivamente. -  Okay meninos, subam e estejam prontos em vinte minutos. Iremos visitar as novas vizinhas.

Todos saem quietos da mesa com a cabeça baixa.

- Você não.

Vejo meu Appa segurar o pulso de JungHee. Vejo o olhar de pavor em meu irmão, ele tremia.

- Querido, eu não acho que seja necessário, tenho certeza que JungHee entend... - Meu Appa interrompe.

- Calada Suri! - ele grita, minha Omma rapidamente se cala. - Eu disse vão! - meu Appa volta a repetir, todos saiam da cozinha rapidamente, eu olho pela a última vez meu irmão e eu sabia sabia viria a seguir.


Dor, apenas dor. Era isso o que eu ouvia, gritos de pavor, gritos do meu irmão, gritos desesperados, gritos, gritos, gritos, gritos, gritos, gritos!


Notas Finais


Espero que tenham gostado... Favorite e comente, seus comentários são importantes.

Perdoem qualquer erro ortográfico.

Leiam minha outra história tambémm.
A garota da Janela
https://www.spiritfanfiction.com/historia/a-garota-da-janela-jungkook-18004837

Obrigada pela atenção!
Xoxo
vi


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...