História Homens Da Lei - A Rosa Escarlate - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias As Crônicas De Gelo e Fogo (Game of Thrones), Castle, CSI: Miami, CSI: New York, Lie to Me
Personagens Dr. Cal Lightman, Horatio Caine, Jorah Mormont, Mac Taylor, Richard "Rick" Castle
Tags Ação, Drama, Romance, Suspense
Visualizações 8
Palavras 779
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, LGBT, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 16 - Histórico Medicinal


Irina Renaldi é a médica legista do IML. Tem olhos verdes, cabelo castanho claro, cinquenta anos de idade e é dedicada ao seu trabalho, é forte e sincera sempre. Indo até Melina e Jorah, a doutora assegura do laudo demorado sobre a morte da vítima, mas, sua experiência conta muito, apenas por olhar e sentir cheiros sobre o corpo pálido e sem vida.

- Eu sinto muito, querida. - Fala sinceramente - Ele faleceu rapidamente, em questão de minutos. Sabe se a vítima tem algum parente mais próximo ou amigo?

Melina nega com a cabeça.

- Não, não sei. - Diz honestamente e secando as lágrimas com a manga da blusa - Mas, ele era meu professor de caratê. Não conheço ninguém que faria isso com ele, nem mesmo isso. Ele era boa pessoa.

A doutora toca em seu ombro, lamentando muito pela perda. Nos últimos instantes, ela traz Melina e Jorah até a recepção. Antes disso, conta a causa da morte de Jorge à garota. Irina regressa à sala de autópsia para a retirada do corpo.

- Ele foi envenenado. - Conta a menina aos outros - Ainda não sei qual substância.

- Quem faria uma atrocidade dessa? - Pergunta Jorah, recebendo ela com um abraço demorado e leve.

- Foi o bastante para matar muito rapidamente. - Comenta Mac, mordendo o lábio superior - Precisamos saber o que causou isso e quem foi o assassino. E como a vítima ingeriu tal substância.

De volta ao centro, à tardezinha, por coincidência, Melina pede para Cal parar o carro perto do clube. Seu pai já havia chegado e seu carro já está na garagem. A jovem atravessa a rua e os cinco homens vão com a mesma.

- Papai! - Diz, o chamando.

O homem de cabelo escuro cor de chocolate e de olhos castanhos claros e de cinquenta e oito anos a ouve. E sorri quando a vê.

- Oi, filha. - Fala, abrindo o portão e lhe dando um abraço forte e beijando seu rosto - Voltei mais cedo hoje, cancelaram a consulta. Achei que não viesse, o garoto da padaria me contou que esteve por lá.

- É que... - Meneia a cabeça - Eu tive um imprevisto. Também achei que ficaria até mais tarde fora.

- E qual foi o imprevisto? - Quer saber ele, curioso e vendo seus olhos inchados de chorar.

Seu olhar muda bruscamente e nessa pausa, Melina desmaia nos braços do médico.

- Filha! - Ele fala, vendo o seu rosto pálido - Filha!

Sem obter resposta alguma, o homem a pega nos braços, a levando para dentro e a pondo sobre o sofá. Ele pega um copo de água à cozinha e um pano úmido. Dentro da casa, as coisas fluem normalmente. Cal e seus colegas entram por o portão estar meio aberto e se instalam na sala de estar. Retornando com a água e o pano em mãos, o pai dela leva um pequeno susto.

- Quem são vocês? - Pergunta.

- Amigos da sua filha. - Fala Horatio.

Pelo visto, o doutor igualmente entende sua língua.

- Sim, ela é minha filha. - Mente sinceramente, escondendo o maior segredo de todos - Será que dá para nos dar licença? Ela precisa descansar.

- Pode nos dar só alguns minutos? - Pergunta Horatio Caine seriamente - Temos que fazer algumas perguntas.

- Tudo bem. - Aceita brevemente e coloca a água e o pano de lado - Como a conhecem?

- Não importa agora. - Fala Rick Castle, dando um gesto com a cabeça - Depois explicamos melhor.

- Deixe comigo. - Jorah é sempre cuidadoso e eficaz - Vou levá-la para o quarto se me permitir.

- Sim, é claro. - Permite mesmo não sabendo quem é o cavaleiro.

Jorah cruza o corredor e entra no primeiro ambiente que vê, a colocando sobre a cama macia e ajeitando o travesseiro. Ao dormitório do médico, Jorah toca na testa da menina. Um pouco de febre, tontura e náusea. Dá para ver a garota se mexendo e com dor.

- Ei, calma. - Pede o loiro, a tranquilizando - Sou eu.

E a menina o reconhece pela voz.

- O que houve? - Seus olhos continuam nebulosos.

- Você desmaiou. - Conta ele, acariciando sua cabeça - Mas, agora, está bem.

- Onde está o meu pai? - Pergunta.

- Com os outros. - Fala o urso - Fique sossegada.

Ela solta um leve suspiro de alívio. Se sente bem à vontade com o loiro certamente. Daí, o mesmo planta um beijo em sua testa e em sua bochecha. Ele checa se está tudo bem mesmo com a sua protegida. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...